Acervo Reynaldo Moura

1.090 visualizações

Publicada em

Apresentação produzida para o 10° Salão de Iniciação Cientifica da PUCRS.

Publicada em: Educação, Turismo
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Acervo Reynaldo Moura

  1. 1. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL DELFOS: ESPAÇO DE DOCUMENTAÇÃO E MEMÓRIA CULTURAL Autora: Jéssica de Souza Barbosa Coordenadora: Prof.ª Dr. Cláudia Peixoto de Moura PROJETO: Organização do Acervo de Reynaldo Moura: as Publicações na Imprensa PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO
  2. 2. <ul><li>Nasceu em Santa Maria no dia 22 de Maio de 1900; </li></ul><ul><li>Foi poeta, novelista, romancista, cronista e jornalista; </li></ul><ul><li>Publicou nos jornais Última Hora , Revista do Globo e Zero Hora ; </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Escreveu crônicas para o jornal Correio do Povo ; </li></ul><ul><li>Foi redator de A Federação , jornal oficial do Rio Grande do Sul; </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Ajudou na fundação da Associação Rio-Grandense de Imprensa; </li></ul><ul><li>Dirigiu a Biblioteca Pública do Estado do Rio Grande do Sul no período de 1939 a 1956 ; </li></ul>
  5. 5. “ A trama das suas novelas é sustentada a partir de componentes psíquicos das personagens centrais, sendo que os eventos externos percebidos deixam de ter sentido social, confundindo-se com problemas do inconsciente, resultantes de traumas e de relações não concretizadas”. Maria Luiza Ritzel Remédios
  6. 6. <ul><li>Foi preso pelo DOPS no ano de 1964; </li></ul><ul><li>Morreu em Porto Alegre no dia 12 de junho de 1965 </li></ul>“ Chegou à Hora Incomensurável da Morte. (...) Mergulharás na paz insensivelmente, libertada tua ansiedade.” (Moura 1944)
  7. 7. Cyro Martins “ Reynaldo era uma figura de intelectual que me instigava, talvez porque ele fizesse para mim, o tipo de homem de letras que eu idealizava. Mas não tinha nada de impostor. Na verdade verifiquei mais tarde, era um baita tímido. Mas que se tratava de um literato, ah isso sim, como não existe mais, creio em parte alguma.”
  8. 8. <ul><li>Poemas: </li></ul><ul><li>Outono . Porto Alegre, Globo. 1936 </li></ul><ul><li>L’aprés Midi d’um Faune . Porto Alegre, Lanterna Mágica. 1938 </li></ul><ul><li>Mar do Tempo. Porto Alegre, Globo. 1944 </li></ul>
  9. 9. Romances: Noite de Chuva em Setembro . Porto Alegre, Globo. 1939 Um Rosto Noturno . Porto Alegre, Globo. 1946 O Poder da Carne . Porto Alegre, Globo. 1954 O Romance no Rio Grande . Porto Alegre, Globo. 1958
  10. 10. Major Cantalício . Porto Alegre, Última Hora. 1963 Major Cantalício . Porto Alegre, EDIPUCRS. 2002 O Crime do Apartamento . Porto Alegre, EDIPUCRS. 1995 Intervalo Passional . Rio de Janeiro, José Olympio.1944
  11. 11. Objetivo: Preservar para memória nacional e para a pesquisa jornalística e literária futura, a produção de Reynaldo Moura;
  12. 12. <ul><li>Metodologia: </li></ul><ul><li>Catalogação dos itens conforme o modelo proposto pela Biblioteca Central e pelo Projeto Delfos; </li></ul><ul><li>Organização e arquivamento dos dados levantados; </li></ul><ul><li>Produção de material informativo; </li></ul><ul><li>As Publicações na Imprensa constituem o foco desta etapa do projeto; </li></ul>
  13. 13. Resultados: Foram catalogados todos os documentos pessoais do autor, seus livros, manuscritos e suas críticas jornalísticas;
  14. 14. Crônicas publicadas no jornal CORREIO DO POVO
  15. 15. Texto publicado na Revista do Globo
  16. 16. Referências Bibliográficas BORDINI, Maria da Glória. Manual do Acervo Literário de Reynaldo Moura. In: Cadernos do Centro de Pesquisas Literárias da PUCRS. Porto Alegre, Volume 1, Número 1, janeiro de 1995. BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1974. SODRÉ, Nelson Werneck. História da imprensa no Brasil. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

×