O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×

Crônicas segunda versão Disciplina de Literatura Brasileira

Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 14 Anúncio

Crônicas segunda versão Disciplina de Literatura Brasileira

Baixar para ler offline

Trabalho realizado como nota parcial na disciplina de Literatura Brasileira II Curso de Letras Português/Inglês Unioeste
Professor: Paulo Konzen
Acadêmicas: Ana Claudia Mattje Ribeiro e Eduarda Müller

Trabalho realizado como nota parcial na disciplina de Literatura Brasileira II Curso de Letras Português/Inglês Unioeste
Professor: Paulo Konzen
Acadêmicas: Ana Claudia Mattje Ribeiro e Eduarda Müller

Anúncio
Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (20)

Semelhante a Crônicas segunda versão Disciplina de Literatura Brasileira (20)

Anúncio

Mais recentes (20)

Crônicas segunda versão Disciplina de Literatura Brasileira

  1. 1. A Crônica Brasileira e o registro do cotidiano Acadêmicas: Ana Claudia M. Ribeiro Eduarda Müller
  2. 2. A crônica é um gênero narrativo, e narra fatos históricos de maneira cronológica, e aborda temas da atualidade. Sua origem é grega e vem da palavra Cronos - que é o deus grego do tempo. Uma das mais famosas crônicas da história da literatura brasileira como "narração histórica” é a “Carta de Achamento Do Brasil” de Pero Vaz de Caminha, na qual são narrados ao rei português D. Manuel, o descobrimento do Brasil, e como foram os primeiros dias que os marinheiros portugueses passaram aqui. Com o desenvolvimento da imprensa no século XIX, a crônica passou a fazer parte dos jornais e apareceu pela primeira vez em 1799 no “Journal de Débats”, publicado em Paris.
  3. 3. O nascimento da crônica “Há um meio certo de começar a crônica por uma trivialidade. É dizer: Que calor! Que desenfreado calor! Diz-se isto, agitando as pontas do lenço, bufando como um touro, ou simplesmente sacudindo a sobrecasaca. Resvala-se do calor aos fenômenos atmosféricos, fazem-se algumas conjeturas acerca do sol e da lua, outras sobre a febre amarela, manda-se um suspiro a Petrópolis, e la glace est rompue está começada a crônica. (...)” (Machado de Assis. "Crônicas Escolhidas". São Paulo: Editora Ática, 1994).
  4. 4. A crônica se diferencia do jornal por não buscar exatidão na informação, e também se difere da notícia que procura relatar os fatos que acontecem, já a crônica os analisa, apresenta um colorido emocional, mostrando aos olhos do leitor uma situação comum, vista por outro ângulo, singular. A preocupação com o leitor é que faz com que, dentre os assuntos tratados, o cronista dê maior atenção aos problemas do modo de vida urbano, do mundo contemporâneo, dos pequenos acontecimentos do dia a dia comuns nas grandes cidades.
  5. 5. Na crônica, o leitor acompanha o acontecimento como uma testemunha guiada pelo olhar do cronista, que tem a pretensão de registrar de maneira pessoal o acontecimento. O autor dá a um fato corriqueiro uma perspectiva, que o transforma em fato singular e único.
  6. 6. Características das crônicas: Narração curta; Descreve fatos da vida cotidiana; Pode ter caráter humorístico, crítico, satírico e/ou irônico; Possui personagens comuns; Segue um tempo cronológico determinado; Uso da oralidade na escrita e do coloquialismo na fala das personagens; Linguagem simples. VILARINHO, Sabrina. "Crônica "; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/redacao/cronica.htm>. Acesso em 22 de dezembro de 2016.
  7. 7. O texto é curto e de linguagem simples, o que o torna ainda mais próximo de todo tipo de leitor e de praticamente todas as faixas etárias. A sátira, a ironia, o uso da linguagem coloquial demonstrada na fala das personagens, a exposição dos sentimentos e a reflexão sobre o que se passa estão presentes nas crônicas.
  8. 8. Alguns cronistas são: Fernando Sabino, Rubem Braga, Luis Fernando Veríssimo, Carlos Heitor Cony, Carlos Drummond de Andrade, Fernando Ernesto Baggio, Lygia Fagundes Telles, Machado de Assis, Max Gehringer, Moacyr Scliar, Pedro Bial, Arnaldo Jabor, dentre outros.
  9. 9. Classificação das Crônicas: • Crônica Lírica: onde o autor descreve os fatos com nostalgia e sentimentalismo; • Crônica Humorística: o autor faz graça com o cotidiano; • Crônica-Ensaio: o cronista, ironicamente, tece uma crítica ao que acontece nas relações sociais e de poder; • Crônica Filosófica: o autor faz uma reflexão de um fato ou evento; • Crônica Jornalística: o autor apresenta aspectos particulares de notícias ou fatos que podem ser: policiais, esportivos, políticos, etc. MARTINS, Fábio C. 6 Dicas para escrever uma crônica. Folhetim Online, 2012. Disponível em: <http://www.folhetimonline.com.br/2012/06/25/dicas-6-dicas-para-escrever-uma-cronica/> Acesso em: 19/12/2016
  10. 10.  A função da crônica não é a de informar, sua relação mais próxima com o jornal está com o fato diário, fato este que se torna mote do cronista. Cabe avaliar em cada cronista se este mote é o que sufoca a crônica ao papel degradável do jornal. Quando lemos este gênero buscamos uma leitura breve, agradável, com fluência. Busca esta que encontramos também nos textos jornalísticos, exceto pelo já exposto: informação.
  11. 11.  Segundo descreve o autor Eduardo Portella: “A crônica literária brasileira sempre tem procurado ser uma crônica urbana: um registro dos acontecimentos da cidade, a história da vida da cidade, a cidade feita letra. Seria, portanto, um gênero dos mais cosmopolitas. Mas nesse cosmopolitismo nada existe que se possa confundir com descaracterizações nacionais. Há nos cronistas, e nos referimos ao cronista da grande cidade, do Rio por exemplo, um apego provinciano pela sua metrópole, que é, aliás, um dos seus segredos. E é em nome desse apego que ele protesta diante das deformações do progresso, que ele aplaude o que a cidade possui de autenticamente seu. E, desta maneira, luta para transcender com ela”. (Portella 1977: 85)
  12. 12.  A linguagem coloquial é um aspecto importantíssimo na construção da crônica, pois através de “autores que abusam da primeira pessoa, do comentário e da liberdade de adotarem um idioma ora poético, ora jornalístico, ora irônico, ora perplexo, quase sempre bem-humorado”.
  13. 13. O Pavão Rubem Braga Eu considerei a glória de um pavão ostentando o esplendor de suas cores; é um luxo imperial. Mas andei lendo livros, e descobri que aquelas cores todas não existem na pena do pavão. Não há pigmentos. O que há são minúsculas bolhas d'água em que a luz se fragmenta, como em um prisma. O pavão é um arco-íris de plumas. Eu considerei que este é o luxo do grande artista, atingir o máximo de matizes com o mínimo de elementos. De água e luz ele faz seu esplendor; seu grande mistério é a simplicidade. Considerei, por fim, que assim é o amor, oh! minha amada; de tudo que ele suscita e esplende e estremece e delira em mim existem apenas meus olhos recebendo a luz de teu olhar. Ele me cobre de glórias e me faz magnífico. Rio, novembro, 1958 BRAGA, Rubem. O Pavão. Releituras, fevereiro 2017. Rio de Janeiro, nov. 1958. Disponível em: < http://www.releituras.com/rubembraga_pavao.asp> Acesso em: 17 fev. 2017
  14. 14. Referências: MARTINS, Fábio C. 6 Dicas para escrever uma crônica. Folhetim Online, 2012. Disponível em: < http://www.folhetimonline.com.br/2012/06/25/dicas-6-dicas-para-escrever-uma-cronica/> Acesso em: 19/12/2016 MARTINS, Priscila Rosa. Revisitando a crônica brasileira. UEL, Londrina – dezembro de 2010. Disponível em: <http://www.uel.br/pos/letras/EL/vagao/EL6Art12.pdf> Acesso em: 16/12/2016 NERY, Alfredina. Crônica: gênero entre jornalismo e literatura. Uol, 31/07/2005. Disponível em: <http://educacao.uol.com.br/disciplinas/portugues/cronica-genero-entre-jornalismo-e-literatura.htm> Acesso em: 20/12/2016 SABOR DA CRÔNICA. Crônicas – faça sua crônica. Alô escola, 2014. Disponível em: <cmais.com.br/aloescola/literatura/cronicas/facasuacronica.htm> Acesso: 16/12/2016 BRAGA, Rubem. O Pavão. Releituras, fevereiro 2017. Rio de Janeiro, nov. 1958. Disponível em: < http://www.releituras.com/rubembraga_pavao.asp> Acesso em: 17 fev. 2017 VILARINHO, Sabrina. "Crônica "; Brasil Escola. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/redacao/cronica.htm>. Acesso em 22 de dezembro de 2016.

×