SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
1
Leia os textos e responda as questões:
CULTURA E RELIGIÃO
A religiosidade era um aspecto muito importante do cotidiano dos primeiros povos. Os
primeiros grupos humanos acreditavam que fenômenos como nascimentos, mortes e mudanças
climáticas eram controlados por forças sobrenaturais. Segundo essas crenças, as divindades
podiam habitar as árvores, os rios e as rochas e exerciam influência na vida das pessoas. As
forças da natureza eram consideradas divindades e, por isso havia ritos e cultos à natureza.
Quando os seres humanos começaram a domesticar os animais e a praticar a agricultura,
surgiram, também, cultos em agradecimento à fertilidade da terra que envolviam música, dança
e práticas consideradas mágicas.
Religiões na Antiguidade: Mesopotâmia, Egito e Grécia
Os mesopotâmicos eram politeístas, ou seja, cultuavam vários deuses, um dos mais
cultuados era Enki, deus da água doce, considerado também o deus da sabedoria. Assim como
outros povos da antiguidade, os mesopotâmicos construíram vários templos que representavam
a morada dos deuses na Terra. Localizados em posição destacada na cidade, os templos
recebiam todas as cerimônias religiosas.
Os egípcios também eram politeístas, seus deuses tinham formas humanas e de animais.
Eles acreditavam na vida após a morte e, por isso, os ritos funerários eram muito importantes.
Acreditava-se que a morte era uma passagem e que, depois dela, as almas iriam para um tribunal
comandado por Osiris, deus do mundo dos mortos, no qual enfrentariam um julgamento.
Página do Livro dos Mortos produzido há cerca de 3300 anos. Representando o julgamento diante de Osiris.
O Livro dos mortos
Livro dos Mortos do Egito antigo era uma coletânea de orações, feitiços, cânticos e, por
que não dizer, obrigações que o morto deveria cumprir para ajudá-lo na viagem até o Além.
ESCOLA MUNICIPAL SEBASTIÃO FERREIRA DE OLIVEIRA
Diretora: Rosana Januzzi/ Vice-Diretor: Valeriano Tomaz
Pedagogas: Carolina Drumond / Claudia Tito (1º Turno)
Professora: Lenícia Torres
Ano de Ensino: 5º ano Componente curricular: História Data: 05/04/2021 a
10/04/2021
2
Os deuses gregos
Assim como outros povos da Antiguidade, os gregos
acreditavam em vários deuses. Porém, os deuses gregos
tinham características e comportamento semelhantes aos
humanos, com as mesmas qualidades e defeitos. A
diferença era que as divindades eram imortais, muito
poderosas e estavam ligadas a um aspecto da natureza ou
da vida humana. Zeus, por exemplo, comandava o céu,
Posseidon reinava sobre os mares e Hades era o senhor
do mundo dos mortos.
Estátua de mármore de Poseidon.
Atividades:
1. Explique em seu caderno, quais eram as crenças dos primeiros grupos humanos.
2. Em relação às crenças religiosas, os povos da antiga Mesopotâmia, do Egito e da Grécia
eram: Marque o certo.
Politeístas. Monoteístas.
3. Quantas religiões você conhece? Escreva os nomes dessas religiões e o que você sabe
sobre seus ritos e tradições.
O texto a seguir permite uma reflexão sobre os conceitos de tolerância e
intolerância religiosa para ajudar a compreender a importância de atitudes de
respeito e aceitação do outro.
3
O respeito às religiões e a “tolerância” religiosa
No Brasil, assim como em diversos países, a sociedade é constituída por povos com
diferentes vertentes religiosas. Algumas dessas religiões têm crenças, regras de conduta e até
ritos em comum, e outras têm credos e costumes totalmente diferentes. Desde a Antiguidade,
povos com diferentes religiões conviveram e mantiveram relações. Os egípcios e os povos da
Mesopotâmia tinham crenças religiosas diferentes, assim como os persas e os indianos.
Porém, apesar de muitas religiões terem como fundamento o respeito, a relação entre os
grupos religioso nem sempre é pacífica. Alguns grupos religiosos acreditam que a sua crença é
a única verdadeira e não aceitam ou não respeitam a fé, os cultos, as cerimonias e as liturgias
de outras religiões. Um exemplo são os conflitos entre muçulmanos e judeus na Palestina.
Fonte livro Buriti
mais História
5º ano Moderna
Em seu 26˚ artigo, a Declaração universal dos direitos humanos, adotada pela
Organização das Nações Unidas (ONU), em 1948, coloca “a compreensão, a tolerância e a
amizade entre todas as nações e grupos raciais ou religiosos” como um caminho para a
manutenção da paz entre as nações. No Brasil, a Constituição de 1988 também assegura a
liberdade de crença religiosa e a proteção aos cultos e liturgia, isto é, defende a coexistência
pacifica e o respeito as diferentes matrizes religiosas.
Essas ações visam criar medidas que busquem a tolerância religiosa entre os povos.
Mas o que é tolerar? Se olharmos em um dicionário, o verbo “tolerar “está relacionado `a ideia
de “suportar algo” que não nos agrade. Isto é, o termo já pressupõe a “não aceitação” do outro.
No entanto, convencionou-se utilizar a expressão tolerância religiosa com o significado de
aceitar o outro e respeitar as diferenças de credo.
4. Responda no caderno:
a) O que é intolerância religiosa?
b) Escreva um pequeno trecho sobre as atitudes que podemos tomar na escola ou em
outros espaços que frequentamos e que possam contribuir para o respeito e aceitação das
diferentes religiões.
c) De acordo com o texto, o que significa tolerância religiosa?

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a ATIVIDADE 5 - HISTÓRIA - 5º ANO - 05.04.2021.pdf

Religiões da humanidade.
Religiões da humanidade.Religiões da humanidade.
Religiões da humanidade.Over Lane
 
Religioes da humanidade
Religioes da humanidadeReligioes da humanidade
Religioes da humanidadeOver Lane
 
O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.
O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.
O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.Virna Salgado Barra
 
Conhecimento Religioso
Conhecimento ReligiosoConhecimento Religioso
Conhecimento ReligiosoGilberto75
 
Introdução ao pensamento religioso
Introdução ao pensamento religiosoIntrodução ao pensamento religioso
Introdução ao pensamento religiosoJarley Fernandes
 
Slides da Disciplina de Filosofia da Religião
Slides da Disciplina de Filosofia da ReligiãoSlides da Disciplina de Filosofia da Religião
Slides da Disciplina de Filosofia da Religiãoandrealvessobral
 
Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Filosofia das religiões aulas 1 e 2Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Filosofia das religiões aulas 1 e 2Keiler Vasconcelos
 
O fenômeno religioso
O fenômeno religioso O fenômeno religioso
O fenômeno religioso Maycon Paim
 
Os Essênios (e as Escrituras do Mar Morto)
Os Essênios (e as Escrituras do Mar Morto)Os Essênios (e as Escrituras do Mar Morto)
Os Essênios (e as Escrituras do Mar Morto)Sylvio Bazote
 
XIII congresso estadual de ensino religioso
XIII congresso estadual de ensino religiosoXIII congresso estadual de ensino religioso
XIII congresso estadual de ensino religiosoPedro Moraes
 
O luto em diferentes culturas
O luto em diferentes culturasO luto em diferentes culturas
O luto em diferentes culturasTeresa Andrade
 
Trabalho de ensino religioso
Trabalho de ensino religiosoTrabalho de ensino religioso
Trabalho de ensino religiosothayscler
 
Trabalho de ensino religioso
Trabalho de ensino religiosoTrabalho de ensino religioso
Trabalho de ensino religiosothayscler
 
3 história do cristianismo - 3ª aula
3   história do cristianismo - 3ª aula3   história do cristianismo - 3ª aula
3 história do cristianismo - 3ª aulaPIB Penha
 

Semelhante a ATIVIDADE 5 - HISTÓRIA - 5º ANO - 05.04.2021.pdf (20)

Religião
ReligiãoReligião
Religião
 
Religiões da humanidade.
Religiões da humanidade.Religiões da humanidade.
Religiões da humanidade.
 
Religioes da humanidade
Religioes da humanidadeReligioes da humanidade
Religioes da humanidade
 
O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.
O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.
O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.
 
Conhecimento Religioso
Conhecimento ReligiosoConhecimento Religioso
Conhecimento Religioso
 
Introdução ao pensamento religioso
Introdução ao pensamento religiosoIntrodução ao pensamento religioso
Introdução ao pensamento religioso
 
Slides da Disciplina de Filosofia da Religião
Slides da Disciplina de Filosofia da ReligiãoSlides da Disciplina de Filosofia da Religião
Slides da Disciplina de Filosofia da Religião
 
Estudo das Religiões
Estudo das ReligiõesEstudo das Religiões
Estudo das Religiões
 
Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Filosofia das religiões aulas 1 e 2Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Filosofia das religiões aulas 1 e 2
 
Instituição religiosa
Instituição religiosaInstituição religiosa
Instituição religiosa
 
rel.pptx
rel.pptxrel.pptx
rel.pptx
 
O fenômeno religioso
O fenômeno religioso O fenômeno religioso
O fenômeno religioso
 
Os Essênios (e as Escrituras do Mar Morto)
Os Essênios (e as Escrituras do Mar Morto)Os Essênios (e as Escrituras do Mar Morto)
Os Essênios (e as Escrituras do Mar Morto)
 
Curso de teologia
Curso de teologiaCurso de teologia
Curso de teologia
 
XIII congresso estadual de ensino religioso
XIII congresso estadual de ensino religiosoXIII congresso estadual de ensino religioso
XIII congresso estadual de ensino religioso
 
O luto em diferentes culturas
O luto em diferentes culturasO luto em diferentes culturas
O luto em diferentes culturas
 
Trabalho de ensino religioso
Trabalho de ensino religiosoTrabalho de ensino religioso
Trabalho de ensino religioso
 
Trabalho de ensino religioso
Trabalho de ensino religiosoTrabalho de ensino religioso
Trabalho de ensino religioso
 
3 história do cristianismo - 3ª aula
3   história do cristianismo - 3ª aula3   história do cristianismo - 3ª aula
3 história do cristianismo - 3ª aula
 
Os essênios
Os essêniosOs essênios
Os essênios
 

Último

LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024SamiraMiresVieiradeM
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 

Último (20)

LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 

ATIVIDADE 5 - HISTÓRIA - 5º ANO - 05.04.2021.pdf

  • 1. 1 Leia os textos e responda as questões: CULTURA E RELIGIÃO A religiosidade era um aspecto muito importante do cotidiano dos primeiros povos. Os primeiros grupos humanos acreditavam que fenômenos como nascimentos, mortes e mudanças climáticas eram controlados por forças sobrenaturais. Segundo essas crenças, as divindades podiam habitar as árvores, os rios e as rochas e exerciam influência na vida das pessoas. As forças da natureza eram consideradas divindades e, por isso havia ritos e cultos à natureza. Quando os seres humanos começaram a domesticar os animais e a praticar a agricultura, surgiram, também, cultos em agradecimento à fertilidade da terra que envolviam música, dança e práticas consideradas mágicas. Religiões na Antiguidade: Mesopotâmia, Egito e Grécia Os mesopotâmicos eram politeístas, ou seja, cultuavam vários deuses, um dos mais cultuados era Enki, deus da água doce, considerado também o deus da sabedoria. Assim como outros povos da antiguidade, os mesopotâmicos construíram vários templos que representavam a morada dos deuses na Terra. Localizados em posição destacada na cidade, os templos recebiam todas as cerimônias religiosas. Os egípcios também eram politeístas, seus deuses tinham formas humanas e de animais. Eles acreditavam na vida após a morte e, por isso, os ritos funerários eram muito importantes. Acreditava-se que a morte era uma passagem e que, depois dela, as almas iriam para um tribunal comandado por Osiris, deus do mundo dos mortos, no qual enfrentariam um julgamento. Página do Livro dos Mortos produzido há cerca de 3300 anos. Representando o julgamento diante de Osiris. O Livro dos mortos Livro dos Mortos do Egito antigo era uma coletânea de orações, feitiços, cânticos e, por que não dizer, obrigações que o morto deveria cumprir para ajudá-lo na viagem até o Além. ESCOLA MUNICIPAL SEBASTIÃO FERREIRA DE OLIVEIRA Diretora: Rosana Januzzi/ Vice-Diretor: Valeriano Tomaz Pedagogas: Carolina Drumond / Claudia Tito (1º Turno) Professora: Lenícia Torres Ano de Ensino: 5º ano Componente curricular: História Data: 05/04/2021 a 10/04/2021
  • 2. 2 Os deuses gregos Assim como outros povos da Antiguidade, os gregos acreditavam em vários deuses. Porém, os deuses gregos tinham características e comportamento semelhantes aos humanos, com as mesmas qualidades e defeitos. A diferença era que as divindades eram imortais, muito poderosas e estavam ligadas a um aspecto da natureza ou da vida humana. Zeus, por exemplo, comandava o céu, Posseidon reinava sobre os mares e Hades era o senhor do mundo dos mortos. Estátua de mármore de Poseidon. Atividades: 1. Explique em seu caderno, quais eram as crenças dos primeiros grupos humanos. 2. Em relação às crenças religiosas, os povos da antiga Mesopotâmia, do Egito e da Grécia eram: Marque o certo. Politeístas. Monoteístas. 3. Quantas religiões você conhece? Escreva os nomes dessas religiões e o que você sabe sobre seus ritos e tradições. O texto a seguir permite uma reflexão sobre os conceitos de tolerância e intolerância religiosa para ajudar a compreender a importância de atitudes de respeito e aceitação do outro.
  • 3. 3 O respeito às religiões e a “tolerância” religiosa No Brasil, assim como em diversos países, a sociedade é constituída por povos com diferentes vertentes religiosas. Algumas dessas religiões têm crenças, regras de conduta e até ritos em comum, e outras têm credos e costumes totalmente diferentes. Desde a Antiguidade, povos com diferentes religiões conviveram e mantiveram relações. Os egípcios e os povos da Mesopotâmia tinham crenças religiosas diferentes, assim como os persas e os indianos. Porém, apesar de muitas religiões terem como fundamento o respeito, a relação entre os grupos religioso nem sempre é pacífica. Alguns grupos religiosos acreditam que a sua crença é a única verdadeira e não aceitam ou não respeitam a fé, os cultos, as cerimonias e as liturgias de outras religiões. Um exemplo são os conflitos entre muçulmanos e judeus na Palestina. Fonte livro Buriti mais História 5º ano Moderna Em seu 26˚ artigo, a Declaração universal dos direitos humanos, adotada pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 1948, coloca “a compreensão, a tolerância e a amizade entre todas as nações e grupos raciais ou religiosos” como um caminho para a manutenção da paz entre as nações. No Brasil, a Constituição de 1988 também assegura a liberdade de crença religiosa e a proteção aos cultos e liturgia, isto é, defende a coexistência pacifica e o respeito as diferentes matrizes religiosas. Essas ações visam criar medidas que busquem a tolerância religiosa entre os povos. Mas o que é tolerar? Se olharmos em um dicionário, o verbo “tolerar “está relacionado `a ideia de “suportar algo” que não nos agrade. Isto é, o termo já pressupõe a “não aceitação” do outro. No entanto, convencionou-se utilizar a expressão tolerância religiosa com o significado de aceitar o outro e respeitar as diferenças de credo. 4. Responda no caderno: a) O que é intolerância religiosa? b) Escreva um pequeno trecho sobre as atitudes que podemos tomar na escola ou em outros espaços que frequentamos e que possam contribuir para o respeito e aceitação das diferentes religiões. c) De acordo com o texto, o que significa tolerância religiosa?