Dom quixote

3.347 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.347
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
40
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dom quixote

  1. 1. Planejamento 2014 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO – REGIAO SUL 1
  2. 2. Núcleo PedagógicoNúcleo Pedagógico  PCNP Língua Portuguesa - Flavia da Silva  PCNP História - Priscila Lourenço da Silva  PCNP Educação Física - Alexandre Brito de Oliveira  PCNP Filosofia - Pedro Pachinski  PCNP Ciências - Maria Miranda Alvarez Avilla  PCNP Geografia - Wanderlei Evaristo de Mattos  PCNP Física - Carina Emy Kagohara  PCNP Língua Estrangeira Moderna - Aderson Toledo Moreno  PCNP Projetos Especias - Programa Escola da Família Luiz Carlos Mariano  PCNP Sociologia - Celso Francisco do Ó  PCNP Tecnologia - Jefferson Heleno Tsuchiya  PCNP Ensino dos anos iniciais - Ana Emília Bassi Fortes - Claudia Mª O Magalhães - Natália Lamkowski Alves -Kristine Simone Martins Sandoval Cavalcante - Dirigente Regional de Ensino Arlete Aparecida Oliveira de Almeida - Diretor Técnico I
  3. 3.  Apresentação da pauta do dia;  Informes;  2º Encontro de Boas Praticas DE SUL 1 20/03/2014 Rsolução 88/2008 e 89/2008 Organização e combinados gerais
  4. 4. Currículo deCurrículo de LinguagensLinguagens Planejamento 2014 SABORES DA LEITURA PCNP: Flavia da Silva D. Quixote” – Pablo Picasso - 1955
  5. 5. Currículo de Linguagens:Currículo de Linguagens: [...] os alunos se apropriam mais facilmente do conhecimento quando contextualizado, ou seja, quando faz sentido dentro de um encadeamento de informações, conceitos e atividades. Dados, informações, ideias e teorias não podem ser apresentados de maneira estanque, separados de suas condições de produção, do tipo de sociedade em que são gerados e recebidos, de sua relação com outros conhecimentos. (Currículo do Estado de São Paulo: Linguagens, códigos e suas tecnologias / Secretaria da Educação; coordenação geral, Maria Inês Fini;coordenação de área, Alice Vieira. – 2. ed. – São Paulo: SE, 2011, pag. 27).
  6. 6. A contextualização se dá em 3 níveis:A contextualização se dá em 3 níveis: Contextualização Sincrônica Ocorre num mesmo tempo, analisa o objeto em relação à época e a sociedade que o gerou. Contextualização Diacrônica Ocorre através do tempo, considera o objeto cultural no eixo do tempo. De que maneira aquela obra, aquela ideia, aquela teoria se inscrevem na história da Cultura, da Arte e das ideias? A contextualização Interativa Permite relacionar o objeto cultural com o universo específico do aluno. Como ele é visto hoje? Que tipo de interesse ele ainda desperta? Quais as características desse objeto que fazem com que ele ainda seja estudado, apreciado e valorizado? Currículo do estado de São Paulo: Linguagens, códigos e suas tecnologias/ Secretaria da Educação; coordenação geral , Maria Inês Fini; coordenação de área, Alice Vieira. – São Paulo: SEE, 2010, pag.27.
  7. 7. Contextualização diz respeito à:Contextualização diz respeito à: Intertextualidade De que maneira cada objeto cultural se relaciona com outros objetos culturais? Interdisciplinaridade Como uma mesma ideia, um mesmo sentimento, uma mesma informação são tratados pelas diferentes linguagens? Currículo do estado de São Paulo: Linguagens, códigos e suas tecnologias/ Secretaria da Educação; coordenação geral , Maria Inês Fini; coordenação de área, Alice Vieira. – São Paulo: SEE, 2010, pag.27.
  8. 8. Sabores da LeituraSabores da Leitura “Sabores da Leitura”, material elaborado pela Prof.ª Cilza Bignotto e organizado pela equipe de Língua Portuguesa, contendo sequências de atividades com foco no ensino de leitura, utilizando textos dos acervos escolares. As atividades foram apresentadas e discutidas em 2011, numa série de três videoconferências “Sabores da Leitura”, que estão disponíveis nos links abaixo, conforme segue: • VC Mitos e lendas - 08.08.2011 • VC Poesia - 12.09.2011 • VC Romance - 03.10.20111
  9. 9. RomanceRomance Herdeiro da epopeia, o romance é tipicamente um gênero narrativo, assim como a novela e o conto.
  10. 10. POR QUE D. QUIXOTEPOR QUE D. QUIXOTE EM ADAPTAÇÃO?EM ADAPTAÇÃO? •Por ser uma narrativa menos densa que a original; •Os capítulos são curtos; •A leitura dos primeiros capítulos podem ser feitos em sala de aula. •Os alunos precisam ter contato com uma obra fundadora do romance. Frontispício da primeira edição da obra de Cervantes, publicada na cidade de Madri em 1605
  11. 11. Dom Quixote em quadrinhosDom Quixote em quadrinhos
  12. 12. Dom QuixoteDom Quixote crítica ao romance de cavalariacrítica ao romance de cavalaria  A obra original se chama: O engenhoso fidalgo Dom Quixote de La Mancha com 1500 páginas, 126 capítulos e foi escrita em duas partes;  A primeira delas foi publicada em 1605 e a segunda em 1611, ambas em Madri;  Ao todo, o livro original em 659 personagens, 200 delas atuantes. Miguel de Cervantes (1547-1616)
  13. 13. Sugestões:Sugestões:  Conte essa e outras histórias sobre essa obra magistral aos seus alunos antes de propor a leitura, como forma de aguçar-lhes a curiosidade;  Diga que se trata de um livro de aventuras com muita ação e comédia, dois ingredientes que costuma agradar a jovens leitores  Recordar das leituras de infância (nossa trajetória de leitura) antes de planejar as aulas de leitura, pois nos identificamos com as personagens;  Lembrar das teoria : A estética da recepção: a qual o leitor torna sua leitura semelhante aos que vivem na mesma época.
  14. 14.  Contudo tenha em mente que o tipo de aventura e de ação presentes em Dom Quixote são muito diferentes do que um jovem de hoje entende por aventura e ação atual. Como virmos em TV, cinema, jogos de computador ou consoles;  Logo será necessário primeiro introduzir os jovens leitores no universo das novelas de cavalaria e dos cavaleiros andantes para que eles possam perceber a ironia, a comédia, enfim, a paródia que a história faz. Sugestões:Sugestões:
  15. 15. Sugestões após a leitura dosSugestões após a leitura dos primeiros capítulos:primeiros capítulos:  Elaborar uma tabela de categorias: com personagens, narrador, tempo, linguagem;  Abordar sobre aspectos: lexicais, sintáticos, e semânticos.
  16. 16. Sugestões para programar osSugestões para programar os objetivos da aulaobjetivos da aula  O que queremos que os alunos aprendam com a leitura do romance?  Como será feita a leitura?  Fazer um planejamento que concentre uma das categorias. (Ex. Linguagem, personagem, sintaxe);  O professor escolhe de acordo com objetivos para determinadas turmas.
  17. 17. Exemplo de tabela como pós leituraExemplo de tabela como pós leitura inicial.inicial. Narrador Personagem 1 Personagem II Onisciente/ sabe o que se passa no interior da personagem. D. Quixote: Protagonista da sua vida e crença com uma enorme dose de sonho. Um homem sem importância que ganha importância no romance. Personagem plana com pretensão à esférica. Sancho Pança: Seguindo o conceito de Benjamin Abdala Júnior, classificá-o como protagonista menor, ficando Dom Quixote como o protagonista maior. Plana sem muitas variações de comportamento.
  18. 18. Elementos estruturais da narrativa obtidos comElementos estruturais da narrativa obtidos com avanços na leitura do romance.avanços na leitura do romance. Personagens Narrador Tempo Espaço • Principal: D. Quixote (nervoso, altivo, astuto); • Sancho Pança, vizinho de Dom Quixote, homem de bem, honesto, trabalhador, gordo, ingênuo, pacífico, manso, sossegado, escudeiro de Dom Quixote, esposo de Joana Pança mãe de seus filhos. • Dulcinéia Del Toboso (Aldonça Lourenço). • Pedro Alonso (vizinho de Dom Quixote), Dorotéia, Cardênio, D. Fernando, Lucinda, entre outros. • Todas as personagens secundárias são planas, com exceção de Cardênio. Heterodiegético, ou seja, o narrador simplesmente conta o que acontece com Dom Quixote, sem participar da história. Cronológico - a obra é predominantemente linear, retratada a contagem do tempo em dias, meses, etc., apresentando dessa maneira, início, meio e fim. • FÍSICO - casa, aldeia, estradas, Campo de Montiel, Porto Lápice, venda, estalagem, Serra Morena... • PSICOLÓGICO - A imaginação de Dom Quixote e a esperança de Sancho Pança em relação à conquista de uma ilha.
  19. 19. Características daCaracterísticas da personagem D. Quixote, as quaispersonagem D. Quixote, as quais servem de temática paraservem de temática para discussões com os alunosdiscussões com os alunos..  Figura bondosa, sonhadora, honesta, leal, com senso de justiça;  Conquistadora pelas qualidades;  Enlouquece em prol da justiça;  Amante de livros, da literatura de cavalaria da época.  Dificuldade conciliar o mundo interior com a realidade;  Muitas pessoas se identificam com a personagem na atualidade, mesmo tendo sido escrita há 400 anos.
  20. 20. Com o romance D. Quixote também podemos:Com o romance D. Quixote também podemos:  Estimular o imaginário dos alunos;  Aproveitar o material trabalhando os 3 primeiros capítulos;  Trabalhar conjuntamente  Para as crianças: “O D. Quixote de Monteiro Lobato”.
  21. 21. Temáticas mais interessantes as quaisTemáticas mais interessantes as quais também podem ser abordadas:também podem ser abordadas:  Amizade: há uma lealdade e respeito mútuo entre Sancho e D. Quixote, os quais vivem aventuras tais, que se tivessem sozinhos, talvez não viveriam;  Sonho: Sonhar que o mundo fosse diferente (identificação com o personagem, determinação senso de justiça, compromisso com o outro)
  22. 22. Existem diferentes adaptações doExistem diferentes adaptações do livro onde podem ser observados:livro onde podem ser observados:  Estudo do narrador (suas diferentes mudanças de ponto de vista);  Paráfrase;  Estudo da capa do livro em quadrinhos;  A história é do autor e também do leitor; esse faz de um texto, um texto melhor;  Tradução de D. Quixote está no site do domínio público no final do sec. XIX. Pode ajudar a fazer comparação de evolução da linguagem.
  23. 23. D. Quixote das criançasD. Quixote das crianças
  24. 24. Vantagens em apresentar o romance D.Vantagens em apresentar o romance D. Quixote em quadrinhos para os alunos:Quixote em quadrinhos para os alunos:  Hoje há quadrinhos pequenos de sequências rápidas, com impressões de velocidade;  As paisagens são detalhadas;  Interessante para que o aluno perceba também a mudança de linguagem de um gênero para outro.
  25. 25. Alguns aspectos do quadro de conteúdos eAlguns aspectos do quadro de conteúdos e habilidades que pode ser destacados:habilidades que pode ser destacados: 5ª série/ 6º ano do Ensino Fundamental. Habilidades Conteúdos •Traços característicos de textos narrativos: •Enredo, personagem, foco narrativo, tempo, espaço; •Estudos textuais narrativos e suas situações de comunicação; •Variedades linguísticas; •Interpretação de texto literário e não literário; •Produção de ilustração; •Roda de leitura oral; •Roda de conversa; •Analisar a norma padrão em funcionamento no texto; •Analisar narrativas ficcionais: enredo, personagem, tempo e foco narrativo; •Saber procurar informações complementares em dicionários, gramáticas, enciclopédias, internet, etc.
  26. 26. Alguns aspectos do quadro de conteúdos eAlguns aspectos do quadro de conteúdos e habilidades que pode ser destacados:habilidades que pode ser destacados: 6ª série/ 7º ano do Ensino Fundamental Habilidades Conteúdos •Estudo de gêneros narrativos; •Estudos linguísticos. •Criar hipótese de sentido a partir de informações dadas pelo texto (verbal e não verbal).
  27. 27. Alguns aspectos do quadro de conteúdos eAlguns aspectos do quadro de conteúdos e habilidades que podem ser destacadoshabilidades que podem ser destacados 1ª série do Ensino Médio Habilidades Conteúdos •Discurso e valores pessoais e sociais; •Distinguir as marcas próprias do texto literário e o momento de sua produção, situando aspectos do contexto histórico, social e político; •Literatura e Arte como instituições sociais; •Estabelecer relações entre as informações do texto lido com outras de conhecimento prévio.
  28. 28. Alguns aspectos do quadro de conteúdos eAlguns aspectos do quadro de conteúdos e habilidades que podem ser destacadoshabilidades que podem ser destacados 2ª série do Ensino Médio Habilidades Conteúdos Confrontar um texto produzido antes do século XX com outros textos, opiniões e informações, posicionando-se criticamente levando em conta os diferentes modos de ver o mundo presente; Literatura e seu estatuto; Identificar o valor expressivo da metáfora e da metonímia na construção coesiva de um texto; O indivíduo e os pontos de vista e valores sociais; Inferir o sentido de palavras ou expressões em textos literários do século XVII considerando o contexto que as envolve. Valores e atitudes culturais do texto literário. Relacionar a produção textual presente à herança cultural acumulada pela língua portuguesa nos processos de continuidade e ruptura.
  29. 29. Alguns aspectos do quadro de conteúdos eAlguns aspectos do quadro de conteúdos e habilidades que podem ser destacadoshabilidades que podem ser destacados 3ª série do Ensino Médio Habilidades Conteúdos Identificar e analisar características próprias da linguagem literária da modernidade; A literatura e a construção da modernidade e do moderno; Identificar características próprias da linguagem literária da modernidade; Texto narrativo (foco: leitura e escrita): •A narrativa moderna •Cartum ou HQ Compreensão e discussão oral: •A oralidade nos textos escritos; •A discussão de pontos de vista em textos literários; •A importância da tomada de turno. Relacionar diferentes produções artísticas e culturais contemporâneas com outras obras do passado, procurando aproximações de tema e sentido.
  30. 30. Frase de incentivo à leituraFrase de incentivo à leitura
  31. 31. 10 minutos10 minutos
  32. 32. Ciências Humanas - CHTCiências Humanas - CHT Pedro Pachinski – PCNP Filosofia Celso Francisco – PCNP Sociologia Priscila Lourenço – PCNP História Wanderlei Evaristo – PCNP Geografia D. Quixote” – Pablo Picasso - 1955
  33. 33.  Um currículo que promove competências tem o compromisso de articular as disciplinas e as atividades escolares com aquilo que se espera que o aluno aprenda ao longo dos anos. Currículo do Estado de São Paulo: Ciências Humanas e suas tecnologias / Secretaria da Educação; coordenação geral, Maria Inês Fini; coordenação de área, Paulo Miceli. – São Paulo : SEE, 2010 pg. 12 CurrículoCurrículo
  34. 34. Para atingir o objetivo de tornar os alunos capazes de atuar conscientemente na sociedade, com posições políticas definidas e consistentes na Área de Ciências Humanas, é fundamental o incentivo aos hábitos de leitura, vencendo possíveis resistências ou estereótipos como “os alunos não leem”. Segundo o Currículo, (...) Vale considerar uma limitação sempre apontada pelos professores: a resistência à leitura. Ora, considerando que os objetivos fundamentais dos atuais programas curriculares consistem no desenvolvimentos, pelos estudantes, de competências e habilidades de leitura, reflexão e escritas, contextualizadas social e culturalmente no mundo do trabalho, a problematizarão dos temas tratados em sala deve ser amparada pela leitura de textos. Currículo do Estado de São Paulo: Ciências Humanas e suas tecnologias / Secretaria da Educação; coordenação geral, Maria Inês Fini; coordenação de área, Paulo Miceli. – São Paulo : SEE, 2010 pg. 27 CurrículoCurrículo
  35. 35. ObjetivoObjetivo  O Professor deverá ser capaz de :  Desenvolver planos de aula, tendo com base inicial do seu pensamento o livro Dom Quixote de La Mancha, levando em consideração a especificidade de sua disciplina; se possível, realizar um plano de aula com outras disciplinas de CHT.  O aluno deverá ser capaz de:  Desenvolver a capacidade de reflexão, ao ler um texto literário (no caso, Dom Quixote) e realizar debates e análises sobre o mesmo, considerando sua relevância para as Ciências Humanas e demais áreas do conhecimento.
  36. 36. Trabalhando o tema em CHTTrabalhando o tema em CHT  Filosofia  Ética/Moral e Política;  Sociologia  Relações sociais e suas contradições;  História  Contexto histórico social, econômico e cultural (Renascimento);  Geografia  Localização da Espanha frente ao continente europeu, com o detalhamento do espaço geográfico da região, de acordo com as características da época.
  37. 37. SugestõesSugestões
  38. 38. SugestõesSugestões
  39. 39. Dom Quixote (Engenheiros do Hawaii) Muito prazer, meu nome é otário Vindo de outros tempos mas sempre no horário Peixe fora d'água, borboletas no aquário Muito prazer, meu nome é otário Na ponta dos cascos e fora do páreo Puro sangue, puxando carroça Um prazer cada vez mais raro Aerodinâmica num tanque de guerra, Vaidades que a terra um dia há de comer. "Ás" de Espadas fora do baralho Grandes negócios, pequeno empresário. Muito prazer me chamam de otário Por amor às causas perdidas. Tudo bem, até pode ser Que os dragões sejam moinhos de vento Tudo bem, seja o que for Seja por amor às causas perdidas Por amor às causas perdidas Tudo bem... Até pode ser Que os dragões sejam moinhos de vento Muito prazer... Ao seu dispor Se for por amor às causas perdidas Por amor às causas perdidas SugestõesSugestões
  40. 40. SugestõesSugestões Possibilidades de trabalhos com a obra estudada, em Geografia: -Localização das cidades em um espaço geográfico (no caso, o país Espanha e suas regiões).
  41. 41. SugestõesSugestões Possibilidades de trabalhos com a obra estudada, em Geografia: -Rota percorrida por Dom Quixote. Relação da população local com seu lugar de origem (La Mancha: uma região da Espanha). Origem de conflitos separatistas (conteúdo abordado pelo currículo dos anos finais).
  42. 42. SugestõesSugestões Possibilidades de trabalhos com a obra estudada, em Geografia: - Análise das regiões por onde o protagonista passou, segundo a obra lida: características socioeconômicas e físicas (o clima, por exemplo: como era o clima das regiões apontadas na obra estudada?).
  43. 43. SugestõesSugestões
  44. 44. PROGRAMA NOVASPROGRAMA NOVAS TECNOLOGIAS – NOVASTECNOLOGIAS – NOVAS POSSIBILIDADESPOSSIBILIDADES PCNPTecnologia - Jefferson Heleno Tsuchiya
  45. 45. OBJETIVO GERAL Por meio da disponibilização de ferramentas e recursos pedagógicos tecnológicos aos professores e alunos de todos os anos escolares do Ensino Fundamental e Médio, aprimorar o processo de ensino e de aprendizagem. PRINCÍPIOS DO PROGRAMA Foco no Currículo A proposta pedagógica do Programa, que norteia as ações de infraestrutura e de formação, está centrada na proposta curricular do Estado de São Paulo. Construção Conjunta com a Rede Envolvimento e participação direta dos profissionais da Rede Estadual de São Paulo na fase de estruturação e implementação dos projetos, em especial, no âmbito pedagógico. Visão Integrada e Sistêmica Refere-se ao olhar holístico do Programa, com o objetivo de concretizar as soluções, em especial, na sala de aula. No caso do Programa NTNP, são 5 eixos integradores. PROJETOS EM SEU LANÇAMENTO > Currículo+ SOBRE O PROGRAMA NOVAS TECNOLOGIAS - NOVAS POSSIBILIDADES
  46. 46. VÍDEO INSTITUCIONAL DO PROGRAMA NOVAS TECNOLOGIAS, NOVAS POSSIBILIDADES Lançamento oficial em breve
  47. 47. SOBRE O CURRÍCULO+ Objetivos específicos:  oferecer ao professor recursos pedagógicos digitais e formação na utilização destes recursos para complementar o desenvolvimento da sua aula e aprimorar a sua prática;  tornar o processo de ensino e de aprendizagem em sala de aula mais diversificado, dinâmico e personalizado;  disponibilizar ao aluno conteúdo digital para apoiar, recuperar ou complementar seus estudos, individualmente ou com o auxílio do professor. http://curriculomais.educacao.sp.gov.br
  48. 48. SOBRE O CURRÍCULO+ Objetivos específicos:  oferecer ao professor recursos pedagógicos digitais e formação na utilização destes recursos para complementar o desenvolvimento da sua aula e aprimorar a sua prática;  tornar o processo de ensino e de aprendizagem em sala de aula mais diversificado, dinâmico e personalizado;  disponibilizar ao aluno conteúdo digital para apoiar, recuperar ou complementar seus estudos, individualmente ou com o auxílio do professor. http://curriculomais.educacao.sp.gov.br
  49. 49. VÍDEO CURRÍCULO+ Acesso via site do Currículo+ http://curriculomais.educacao.sp.gov.br
  50. 50. 50 Critérios de seleção de conteúdos• Qualidade: O objeto deve ser isento de erros de funcionamento ou baixa qualidade audiovisual; • Imagem: Deve ser relacionada a conceitos; • Portabilidade: O objeto deve “funcionar” em computadores com sistemas operacionais Linux ou Windows • Conteúdo: Devem ser conceitualmente corretos de acordo com referenciais bibliográficos; • Articulação: O objeto deve ter relação com o currículo do Estado de São Paulo; • Isenção: Os objetos não devem indicar materiais que possa ser considerado ilegal ou favoreçam práticas em desacordo com a legislação.
  51. 51. VÍDEO CURRÍCULO+
  52. 52. SOBRE O PROFESSOR 2.0 http://professor20.educacao.sp.gov.br
  53. 53. Ambiente colaborativo que possibilitará o contato entre todos os profissionais da educação para criação de uma Comunidade de Prática que visa DESENVOLVER E COMPARTILHAR PRÁTICAS PEDAGÓGICAS ELABORADAS PELA REDE. PROFESSOR 2.0  Aprimorar a prática pedagógica;  Complementar o desenvolvimento da sala de aula;  Tornar a aprendizagem mais diversificada e dinâmica;  Disponibilizar ao aluno conteúdo digital para apoiar e complementar seus estudos.  disponibilizar espaço na web (hotsite) para os núcleos pedagógicos e escolas. ACESSO INTERNO APENAS COM LOGIN E SENHA (RESTRITO A PROFISSIONAIS DA REDE ESTADUAL DE SÃO PAULO)
  54. 54. Na Plataforma Colaborativa Professor 2.0 é possível acessar páginas das Unidades Escolares, da Diretoria de Ensino e da Secretaria da Educação. ÁREA DA UNIDADE ESCOLARÁREA DO NÚCLEO PEDAGÓGICO PROFESSOR 2.0
  55. 55. 55 Dirigente – visão geral: acesso a postagens dos professores, das Escolas, práticas validadas e a serem validadas pelos PCNPs e relatórios; PCNPs – visão das postagens dos professores e função de validador das práticas em sua Disciplina; Publicador – Visão geral como o Dirigente e função de atualizar as informações do Núcleo Pedagógico; Diretor e Professor Coordenador – Visão de sua Escola, atualizar dados, agenda, arquivos e notícias da Escola, poderá também pedir inclusão em outras comunidades (Escolas); Professor - Como os demais, terá acesso a todas as práticas publicadas e poderá contribuir com suas práticas e pedir adesão a outras comunidades e adicionar colegas. Perfis
  56. 56. ARTICULAÇÃO ENTRE AS INICIATIVAS
  57. 57. Currículo+ curriculomais@edunet.sp.gov.br EM CASO DE DÚVIDAS OU SUGESTÕES: Professor 2.0 professor20@edunet.sp.gov.br
  58. 58. Apoio à gestão doApoio à gestão do Currículo de LEM –Currículo de LEM – InglêsInglês PCNP Aderson Toledo Moreno
  59. 59. ““Apoio à gestão do Currículo de LEM –Apoio à gestão do Currículo de LEM – Inglês”.Inglês”. Argumentos para seu uso:Argumentos para seu uso: aumentar a motivação dos alunos;aumentar a motivação dos alunos; aproximar-se da realidade deles eaproximar-se da realidade deles e promover a aprendizagem.promover a aprendizagem. I sank you ≠ I thank youI sank you ≠ I thank youEu afundei você ≠ Eu agradeçoEu afundei você ≠ Eu agradeço English course ≠ English curseEnglish course ≠ English curse Curso de inglês ≠ MaldiçãoCurso de inglês ≠ Maldição inglesainglesa Chew ≠ twoChew ≠ two mastigar ≠ doismastigar ≠ dois
  60. 60. OthersideOtherside
  61. 61. 1 hora de almoço1 hora de almoço

×