A interdisciplinaridade da arte _1ano_cn_parte 1

321 visualizações

Publicada em

Baseado nas diretrizes básicas do Ensino Fundamental 1, como fazer a interdisciplinaridade da Arte com as outras disciplinas.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

A interdisciplinaridade da arte _1ano_cn_parte 1

  1. 1. A INTERDISCIPLINARIDA DE DA ARTE Ensino Fundamental – 1ª ciclo
  2. 2. O que ensinar? Ensinar para quê? Será que os professores já se perguntaram para que se ensina? O que é ensinado nas escolas? Muitos talvez sim. Todos? É possível que não. Será que têm idéia de quando e como surgem os conteúdos curriculares? É possível que sim. É mesmo provável que muitos educadores conheçam bem as idas e vindas, as mudanças ocorridas nos ensinamentos escolares, ao longo dos tempos. Mas também pode ser que outros estejam seguros de que sempre foi assim e que assim será para sempre.
  3. 3. Princípios curriculares básicos   Curriculum: palavra de origem latina que significa o curso, a rota, o caminho da vida. Tudo indica que vem daí a compartimentação do currículo escolar em diferentes disciplinas que, muitas vezes, sequer dialogam entre si. Diante desse quadro, algumas reflexões se fazem oportunas: Qual a função social do sistema educativo? Por que algumas matérias e não outras? O que ensinar? Que tipo de pessoas o ensino deve promover? São perguntas importantes para quem pensa e executa o currículo na sala de aula.
  4. 4. -Domínio da língua falada e escrita; -Elaboração de conceitos matemáticos; -Percepção espacial e temporal do mundo; -Experimentação e explicação científica; -Fruição da arte e de mensagens Comênio* (1592-1670), autor da Didática Magna, está convencido da estreita relação entre os diversos campos do saber, quando afirma que o ensino fracassa por não relacioná-los e adaptá-los à pessoa. •Jan Amos Komenský (em latim, Comenius; em português, Comênio) (Nivnitz, 28 de março de 1592 Amsterdã, 15 de Novembro de 1670 (78 anos) foi professor, cientista e escritor checo, como pedagogist a é considerado o fundador da Didática Moderna.
  5. 5. Língua Portuguesa e Arte “Eu, por profissão, cavo palavras nas minas do silêncio: não para apaziguar, mas provocar; não para responder, mas porque não cesso de indagar.” (Lya Luft) “Nosso sistema educativo privilegia a separação em vez de praticar a ligação. Deveríamos ser animados por um princípio de pensamento que nos permitisse ligar as coisas que nos parecem separadas, umas em relação às outras.” (Edgar Morin)
  6. 6. Objetivos da L. Portuguesa com a Arte  Três grandes eixos serão abordados aqui, porque são constituintes importantes do currículo básico da Língua Portuguesa na escola:  Conhecer e apreciar a produção artística brasileira, como formadora e expressão da nossa identidade cultural.
  7. 7. Exemplos: Linguagem Oral: “Ambivalentes como nós, palavras preparam armadilhas ou abrem portas de sedução.” (Lya Luft)    Saber que não cabe à escola ensinar alguém a falar, nós já sabemos. Muito menos desqualificar uma ―fala errada‖, porque está em desacordo com a norma ―culta‖, isto também é claro. Qual será então o seu papel diante dessa prática social encravada na vida de todos? Produzir linguagem significa produzir discursos. Significa dizer alguma coisa para alguém, de uma determinada forma, num determinado contexto histórico. (PCN. Língua Portuguesa, 1997) Arte: O humor de Chris Browne na tira de ―Hagar, o horrível‖, por exemplo, pode ser um caminho divertido e bastante sedutor:
  8. 8. Mais exemplos.... Linguagem escrita: “Escrevo porque tenho prazer em elaborar com palavras tantos destinos cujos fios nascem em mim, produzindo novelos para que eu trabalhe muitas tapeçarias.” (Lya Luft)   Dominar a leitura e a escrita é condição inalienável para a cidadania plena, em um mundo onde a informação e a produção de conhecimento circulam, prioritariamente, de forma impressa. Ler e escrever, entretanto, vai além da aquisição da tecnologia de codificação (escrita) e decodificação (leitura) da língua; é preciso exercer as práticas sociais de leitura e de escrita que circulam na sociedade em que se vive, conjugando-as com as práticas sociais de interação oral. Arte: Identificar alguns elementos da linguagem visual que se encontra em múltiplas realidades. James Abbott McNeill Whistler – Arranjo em cinza e preto n.1, Retrato da mãe do artista – 1871- óleo sobre tela
  9. 9. Outros exemplos: Literatura :Lendas, fábulas, romances, poema s, novelas acompanham a vida e a cultura humanas, parece-nos que desde sempre, tão antigas e impregnadas no cotidiano estão elas.   “Quando a gente lê alguém como Exupéry, como Rilke, como Proust, sente uma certa pena de não ter escrito aquilo. Quase uma inveja. Uma vontade esquisita de plagiar. Mas essas coisas ao mesmo tempo nos animam. Ainda há muito a dizer. Milhões de coisas mais, que Proust, Rilke e Exupéry não disseram. E por que eu não posso dizer algumas delas?” (Antonio Maria) “A literatura não nasceu no dia em que um menino gritando lobo! lobo! veio correndo pelo vale de Neandertal com um grande lobo cinzento no seu encalço: a Literatura nasceu no dia em que um menino veio gritando lobo! Arte: Valorizar as fontes de documentação, preservação e acervo da produção artística.  Quando falamos sobre Arte, há sempre uma relação íntima (e muitas vezes polêmica) entre realidade e ficção. Quando a palavra subtrai o previsível do discurso e assume sua capacidade de surpreender, de inventar, de desconstruir, ela potencializa seu valor artístico e amplia uma leitura que só pode ser feita com um novo olhar. O discurso ficcional não recria uma realidade, ele inventa outra. A “ordem”da linguagem literária é a linguagem de desordem, uma linguagem que não se vende ao sentido linear, evidente, simbólico, ao contrário, suplica pela investigação, pela escavação, pela revolução.
  10. 10. Confirmando o aprendizado - Para fazer Como usar esta imagem para estimular a criança a ler, escrever e interpretar? 1º passo – Mostre a imagem para os alunos e peça para que eles falem o que vêem e o que acham da mesma; 2º passo – Conte um pouco sobre a história do autor e sua obra (Faça uma pequena pesquisa antes pois assim você será capaz de saciar a curiosidade dos alunos.); 3º passo – Proponha que eles, em grupo, recriem esta obra de arte em 3D, ou seja, recriar a obra em formato tridimensional. Mostre como fazer usando uma caixa de sapato como balcão, a papel cartão para a sacada e os personagens da obra e outros materiais; 4º passo – Após a confecção da obra em 3D, peça para que eles escrevam uma história sobre os personagens, contando o que aconteceu nesta cena e depois peça para que leiam em voz alta para a turma; OBJETIVOS: Reconhecer e apreciar vários trabalhos e objetos de arte por meio das próprias emoções, reflexões e conhecimentos. Edouard Manet – O balcão 1869

×