SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 99
III.3. Técnicas de Aplicação
mariofcunha@gmail.com
3.3. Regulação, Calibração e Afinação das
Máquinas e Material de Aplicação
mariofcunha@gmail.com
Equipamento de Medição, Comandos e
Sistemas de Regulação.
mariofcunha@gmail.com
ITEM REQUISITOS
Anomalia
Menor Importn
Equipament
s de
Medição,
Comandos e
Sistemas de
Regulação
Fugas e pouca fiabilidade em funcionamento. X
Comandos necessários à pulverização, fora do
alcance do operador e ilegíveis.
X
Impossibilidade de abrir e fechar todos os
bicos em simultâneo.
X
Escala do manómetro não adaptada à gama
de pressão de funcionamento e difícil de ler.
X
A escala do manómetro deve ser graduada:
- 0,2 em 0,2 bar, pressões inferiores a 5 bar;
- 1,0 em 1,0 bar, pressões entre 5 bar e 20 bar
ou, todos os 2,0 bar para pressões superiores
a 20 bar.
X
Diâmetro do manómetro inferior a 63mm. X
mariofcunha@gmail.com
Inspeção de
Equipamentos
de Medição,
Comandos e
Sistemas de
Regulação
Inspeção de
Equipamentos de
Medição,
Comandos e
Sistemas de
Regulação
ITEM REQUISITOS
Anomalia
Menor Impo
rtn
Continuaçã
o
Equipamen
tos de
Medição,
Comandos
e Sistemas
de
Regulação
A exactidão do manómetro deve ser ± 0,2 bar
nas pressões de trabalho compreendidas entre
1 bar e 2 bar (incluídos).
X
O manómetro deve medir com uma exactidão
de ± 10 % do valor real, a partir de uma
pressão de 2 bar.
X
A agulha do manómetro deve manter -se
estável a fim de permitir a leitura da pressão
de
trabalho.
X
Se existirem outros dispositivos de medição,
devem ter um erro não superior a 5 % do
valor real medido.
X
mariofcunha@gmail.com
Mangueiras e Tubos
mariofcunha@gmail.com
Mangueiras e Tubos
ITEM REQUISITOS
Anomalia
Menor Importn
Mangueiras e
Tubos
Não devem ocorrer fugas provenientes dos tubos e
mangueiras quando submetidos à pressão máxima
que é possível obter pelo sistema.
X
O posicionamento das mangueiras deve evitar a
ocorrência de curvas apertadas ou fricções.
X
Quando em posição de trabalho, as mangueiras não
devem ficar suspensas na área do jacto de
pulverização.
X
mariofcunha@gmail.com
Filtragem
mariofcunha@gmail.com
Filtragem
ITEM REQUISITOS
Anomalia
Menor Importn
Filtragem
Deve existir pelo menos um filtro no lado de pressão
da bomba (excluindo filtros de bicos); deve existir
um filtro no lado da aspiração no caso de bombas
volumétricas.
X
O ou os filtros devem estar em bom estado; os
filtros dos bicos devem ser de dimensão da malha
adaptada aos bicos montados (de acordo com as
especificações do fabricante dos bicos).
X
Quando for fornecido um dispositivo de isolamento,
deve ser possível, com o depósito
cheio até ao seu volume nominal, limpar os filtros;
nenhuma calda se deve escoar, com
excepção da eventualmente existente na caixa do
filtro e nos tubos de aspiração.
X
Deve ser possível a substituição dos elementos
filtrantes.
X
mariofcunha@gmail.com
Bicos
(Pulverizadores de culturas baixas)
mariofcunha@gmail.com
Bicos
(Pulverizadores de culturas baixas)
ITEM REQUISITOS
Anomalia
Menor Importn
Bicos
Os bicos instalados devem ter os componentes
idênticos (filtros, dispositivos antigotejo).
X
Os bicos não devem gotejar 5 s depois da paragem
do jacto de pulverização
X
mariofcunha@gmail.com
Bicos
(Pulverizadores de culturas arbustivas e arbóreas)
mariofcunha@gmail.com
ITEM REQUISITOS
Anomalia
Menor Importn
Bicos
Todos os bicos devem ser idênticos (tipo, dimensão,
material e origem) ao longo de toda a
barra, com exceção dos que são destinados a
funções específicas.
X
Deve ser possível fechar cada bico individualmente
ou a cada porta -bicos múltiplo (se for caso disso). X
A posição dos bicos deve poder ser ajustada de
modo simétrico e reprodutível.
X
mariofcunha@gmail.com
Bicos
(Pulverizadores de culturas arbustivas e arbóreas)
Barras de Pulverização
(Pulverizadores de culturas baixas)
mariofcunha@gmail.com
Barras de
Pulverização
(pulverizadores de
culturas baixas)
ITEM REQUISITOS
Anomalia
Menor Import
n
Barras
de
Pulveriza
ção
(culturas
baixas)
Continua
A barra não deve estar dobrada nem ter folgas
em nenhuma articulação; a barra deve ser
estável em todas as direções.
X
O comprimento das secções (direita e esquerda)
da barra deve ser idêntico.
X
O sistema de reposicionamento automático da
barra, se existir, deve funcionar de modo fiável,
movimentando a barra para trás ou para a frente
quando do contacto com obstáculos
X
A barra deve poder ser bloqueada em posição de
transporte.
X
O espaçamento e a orientação dos bicos devem
ser uniformes ao longo da barra (são exceção
os equipamentos especiais, p. ex. para
pulverização de bordaduras).
X
mariofcunha@gmail.com
Barras de
Pulverização
(pulverizado
res de
culturas
baixas)
ITEM REQUISITOS
Anomalia
Menor Impor
tn
Continuaçã
o
Barras de
Pulverizaçã
o
(culturas
baixas)
Continua
A distância entre as extremidades inferiores dos bicos e
uma superfície plana não deve ocorrer variações
superiores a 10 cm ou a 1 % da metade da largura de
trabalho.
X
A calda não deve ser pulverizada sobre o próprio
pulverizador, qualquer que seja a altura da barra acima
do solo.
X
Em barras com largura de trabalho da barra superior ou
igual a 10 m deve estar instalado um dispositivo que
evite danificar os bicos se a barra tocar no solo.
X
As secções da barra devem poder ser abertas e fechadas
individualmente. X
Os dispositivos de regulação em altura da barra devem
ter um funcionamento fiável X
mariofcunha@gmail.com
Barras de Pulverização
(pulverizadores de culturas baixas)
ITEM REQUISITOS
Anomalia
Menor Importn
Continuação
Barras de
Pulverização
(culturas
baixas)
Os dispositivos de correcção da inclinação da barra e de
amortecimento dos movimentos imprevistos da barra
devem ser fiáveis.
X
Quando a pressão for medida à entrada das secções da
barra, a pressão não deve variar mais de 10 %, quando
as secções são fechadas uma a uma.
X
mariofcunha@gmail.com
Distribuição Transversal
(Pulverizadores de culturas baixas)
mariofcunha@gmail.com
ITEM REQUISITOS
Anomalia
Menor Importn
Distribuiçã
o
transversal
Na zona de sobreposição a distribuição
transversal deve ser uniforme; não deve
ultrapassar 10 % na avaliação feita com base no
coeficiente de variação; o líquido recolhido em
cada canalete do banco de distribuição não deve
ter uma variação superior a ± 20 % do valor
médio total.
X
O desvio do débito medido em cada bico do
mesmo tipo não deve ter uma variação superior
a ± 10 % do débito nominal (indicado pelo
fabricante).
X
A perda de pressão medida na extremidade de
cada secção de barra não deve ultrapassar 10 %
da pressão indicada no manómetro do
pulverizador.
X
mariofcunha@gmail.com
Distribuição
Transversal
(Pulverizadores
de culturas
baixas)
Distribuição
(Pulverizadores de culturas arbustivas e arbóreas)
mariofcunha@gmail.com
Distribuição
(Pulverizadores de
culturas arbustivas e
arbóreas)
ITEM REQUISITOS
Anomalia
Menor Importn
Distribuição
Cada bico deve formar um jacto
uniforme na forma e homogeneidade.
X
O desvio do débito medido em cada
bico do mesmo tipo não deve ter uma
variação superior
a ± 15 % do débito nominal (indicado
pelo fabricante) ou superior 10 % em
relação ao
débito médio de todos os bicos com
referência idêntica.
X
Em pulverização simétrica, a
diferença entre os débitos médios de
ambos os lados não deve ser superior
a 10 %.
X
A diferença de pressão, à entrada de
cada secção, não deve ser superior a
15 %.
X
mariofcunha@gmail.com
Ventilador
(Pulverizadores de culturas arbustivas e arbóreas)
mariofcunha@gmail.com
Ventilador
(Pulverizadores
de culturas
arbustivas e
arbóreas)
ITEM REQUISITOS
Anomalia
Menor Importn
Ventilador
Deve existir um protetor que impeça o acesso
ao ventilador. X
O ventilador deve rodar à velocidade indicada
pelo fabricante. X
A embraiagem do ventilador deve ser fiável
(se existir) . X
Todos os deflectores reguláveis do sistema de
ventilação devem funcionar corretamente. X
Os elementos do equipamento só devem
estar expostos à pulverização quando isso se
tornar necessário para o funcionamento do
ventilador; neste caso não deve ocorrer a
formação de gotas.
X
mariofcunha@gmail.com
mariofcunha@gmail.com
Calibragem de Pulverizadores
• Foi publicado no passado dia 21 de Outubro de 2009 a
Diretiva Europeia 2009/128/CE que obriga a inspeção de
pulverizadores em todos os Estados membros da União
Europeia. Diretiva Europeia 2009/128/CE.
• No passado dia 15 de Julho de 2010 foi também publicado o
Decreto-Lei n.º 86/2010 que transpõe para o direito nacional
a Diretiva atrás mencionada. Decreto-Lei n.º 86/2010.
Veio telescópico de cardans
mariofcunha@gmail.com
Inspeção de
Cardans
ITEM REQUISITOS
Anomalia
Menor Importn
Órgãos
de
transmiss
ão de
Potência
(cardans)
Componentes do veio com marcas de
desgaste exagerado. X
Protetor do veio com sinais de desgaste,
deformações, buracos e rasgos. X
Falta de correntes no protetor do veio,
ou mal colocadas. X
Obstáculos ao bom funcionamento do
veio e da proteção. X
Falta de suporte para o veio de cardans
quando desligado. X
Falta de protetor do veio de cardans. X
mariofcunha@gmail.com
Bomba
mariofcunha@gmail.com
Inspeção da Bomba
ITEM REQUISITOS
Anomalia
Menor Importn
Bomba
Débito inferior a 90%, do débito nominal indicado
pelo fabricante.
X
Débito inferior ao indicado pelo fabricante, para a
pressão máxima de trabalho.
X
Identificar pulsações originadas pela bomba.
X
A válvula de segurança de pressão quando existir
deve funcionar corretamente.
X
Fugas visíveis na bomba.
X
mariofcunha@gmail.com
Agitador
mariofcunha@gmail.com
Inspeção do Agitador
ITEM REQUISITOS
Anomalia
Menor Importn
Agitador
Durante a pulverização, ao regime nominal da
tomada de força e com o depósito cheio
até metade da sua capacidade nominal, deve ser
obtida uma recirculação claramente
visível, caso em contrário…
X
mariofcunha@gmail.com
Depósito da Calda
mariofcunha@gmail.com
Depósito da
Calda
ITEM REQUISITOS
Anomalia
Menor Importn
Depósito
da Calda
Não devem ocorrer fugas visíveis
provenientes do depósito ou do
orifício de enchimento quando a
tampa está colocada.
X
O orifício de enchimento deve dispor
de um filtro em bom estado. X
O incorporador de produto (se existir)
deve dispor de um filtro. X
Deve estar assegurada a compensação
de pressão do depósito. X
O indicador do nível do líquido no
depósito deve ser claramente visível e
legível desde o
posto de condução e desde o local de
abastecimento do depósito.
X
mariofcunha@gmail.com
Depósito da
Calda
ITEM REQUISITOS
Anomalia
Menor Importn
Continuação
Depósito da
Calda
O esvaziamento do depósito deve ser
feito de modo simples, seguro e sem
recurso a ferramenta; a calda deve
poder ser recolhida e não devem
ocorrer fugas.
X
O sistema de não retorno no
dispositivo de abastecimento de água
ao depósito (se existir)
deve funcionar de modo fiável.
X
O incorporador do produto (se existir)
deve funcionar de modo fiável. X
O dispositivo de limpeza das
embalagens dos produtos
fitofarmacêuticos (se existir) deve
funcionar de modo fiável.
X
mariofcunha@gmail.com
Princípios da aprovação e reprovação
• 1 — São reprovados os equipamentos de aplicação de
produtos fitofarmacêuticos que numa inspeção:
a) Apresentem pelo menos uma anomalia importante;
e ou
b) Apresentem mais de duas anomalias menores; e ou
c) Apresentem qualquer anomalia menor detetada na
inspeção precedente.
• 2 — São reprovados os equipamentos de aplicação de
produtos fitofarmacêuticos que numa reinspecção apresentem as
anomalias que conduziram à reprovação na inspeção precedente.
mariofcunha@gmail.com
Componentes que devem ser Inspecionados:
• Transmissão de potência por veio de cardans;
• Bomba;
• Agitação;
• Depósito;
• Regulação, medição e controlo;
• Tubagens e ligações;
• Filtros;
• Barra de pulverização;
• Bicos;
• Ventilador.
mariofcunha@gmail.com
3.4. Arrastamento da Calda
De acordo com a definição dada na ISO 22866 Standard “a
deriva ou arrastamento de pulverização é a quantidade de
produto fitofarmacêutico que é transportado para fora da
área a tratar pela ação de correntes de ar durante o
processo de aplicação”.
A consequência da dispersão de parte da calda de
pulverização para fora da área a tratar pode ser a
contaminação de cursos de água, zonas sensíveis (parques
naturais, parques infantis, áreas inundáveis, etc.), áreas
urbanas ou a indesejável contaminação de culturas
vizinhas. Mais tarde, poderá resultar em resíduos de
substâncias não autorizadas ou mesmo danos diretos,
como fitotoxicidade.
mariofcunha@gmail.com
3.5. Cálculo de doses, concentrações e volumes
de calda com herbicidas, inseticidas, fungicidas e
outros produtos fitofarmacêuticos
mariofcunha@gmail.com
Cálculo da Calda deve obedecer:
– Tipo de Cultura a tratar:
• Altas ou baixas
• Muito ou pouco densa
– Tipo de agente a combater:
• Pragas
• Doenças
• Infestantes
– Método de cálculo:
• Por áreas
• Por volume de massa vegetal
– As indicações do rótulo
mariofcunha@gmail.com
Cálculo da Calda deve obedecer:
– Tipo de Pulverizador disponível:
• Térmico
• Centrifugo
• Jacto projectado
• Jacto transportado
• Atomizador
– Volume de calda desejado:
• Ultra baixo volume
• Muito baixo volume
• Baixo volume
• Médio volume
• Alto volume
mariofcunha@gmail.com
Variação do Volume de Calda
• Maiores volumes para:
– Culturas altas e densas.
– Combater infestantes.
– Método de cálculo por área.
– Pulverizadores de Dorso e Jato projetado.
• Menores volumes para:
– Culturas baixas e pouco densas. Combater pragas e
doenças.
– Método de cálculo por volume de massa vegetal.
– Pulverizadores Centrífugos, Jato transportado e
Atomizadores.
mariofcunha@gmail.com
Volume (l/ha) por
altura da cultura
• Alto volume:
– Culturas Baixas – 700 l/ha
– Culturas Altas – 1000 l/ha
• Médio volume:
– Culturas Baixas – 200 a 700 l/ha
– Culturas Altas – 500 a 1000 l/ha
• Baixo volume:
– Culturas Baixas – 50 a 200 l/ha
– Culturas Altas – 200 a 500 l/ha
• Muito baixo volume:
– Culturas Baixas – 5 a 50 l/ha
– Culturas Altas – 50 a 200 l/ha
• Ultra baixo volume:
– Culturas Baixas e Altas – inferior a 5 l/ha
mariofcunha@gmail.com
Formulas de cálculo da quantidade de calda por área:
•Comprovar a velocidade de avanço e o débito em função da
quantidade de calda:
Quantidade de calda (l/ha)=
Débito (l/min) x 600 (constante)
Velocidade (km/h) x largura trabalho (m)
Quantidade de calda (l/m2)=
Débito (l/min)
Velocidade (m/min) x largura trabalho (m)
Velocidade (km/h)=
Débito (l/m) x 600
Quant. de Calda (l/ha) x Larg. Trab. (m)
Débito (l/min) = Quant. de Calda (l/ha) x Velocidade (km/h) x Larg. Trab. (m)
600
mariofcunha@gmail.com
Formulas de cálculo da quantidade de calda por volume de
massa vegetal:
Método de calibração por TRV (Tree- Row - Volume)
TRVM3
(vegetação/ha)=
Altura das árvores (m) x Largura de copa (m) x 10 000 m2
Distância entre linhas (m)
Exemplo:
Altura das árvores (T) - 4m
Largura de copa ( C) - 3m
Distancia entre linhas ( R) - 4m
TRV= 4x3x10000/4
= 30 000m3/ha
Litros por ha (l/ha)= (TRV(m3/ha) x calda (l/1000m3) )/1000
Litros por ha (l/ha)= (30 000 x 20 )/1000 = 600 l/ha
Fruticultura:
-Alto Volume = 60 litros/1000m3
-Médio Volume = 40 litros/ //
-Baixo Volume = 20 litros/ //
Cálculo das doses = (TVR * (litros calda/1000m3 vegetação) * (concentração do produto Comercial (kg/l de calda)) / 1000
Dose (para 600 l/ha) = (30 000 * 20) * (0,002) / 1000 = 1,2 kg/ha
Exemplo do Calculo da Dose para um PF que recomende 2 kg/ha
mariofcunha@gmail.com
Cálculo de Débitos
O Débito é a quantidade em Litros (líquidos) ou Quilos (sólidos),
que um determinado equipamento, aplica, espalha ou
distribui, numa determinada operação, durante um minuto.
• Sendo representado da seguinte forma:
– Líquidos – litros por minuto (l/min).
– Sólidos – quilos por minuto (kg/min).
mariofcunha@gmail.com
O Débito depende:
– Diâmetro e tipo de Bicos:
• Bico de jacto regulável
• Volume da câmara de turbulência
• Posição da pastilha (> maior / < menor)
– Pressão: Bar ou kg/cm2 ou PSI
• 1 Bar = 1 kg/cm2 = 14 PSI
• 14 PSI = 1 kg/cm2 = 1 Bar
– Número de bicos
Variação da pressão em função do débito desejado
• Pressão actual x ( volume desejado / Volume actual)2 = nova
pressão
• Exemplo:
10 Bar x ( 400 l/ha / 432 l/ha )2 = 8,5 Bar
mariofcunha@gmail.com
Ensaio de Débitos do Pulverizador
• Acertar a TDF para as 540 rpm;
• Regular a pressão;
• Abrir condutas de pulverização;
• Corrigir pressão;
• Fechar condutas de pulverização;
• Abrir condutas, cronometrar e recolher água durante um minuto;
• Medir débito individual e comparar valores tendo em conta a
regra dos 10%.
• Calcular e comparar valores por rampa e total.
• Substituir ou limpar bicos e repetir ensaio se necessário.
mariofcunha@gmail.com
mariofcunha@gmail.com
Diferenças de Débito em relação ao estado dos Bicos
mariofcunha@gmail.com
Razões que levam à substituição dos Bicos
• Na zona de sobreposição a distribuição transversal deve ser
uniforme; não deve ultrapassar 10 % na avaliação feita com base
no coeficiente de variação;
• O líquido recolhido em cada canalete do banco de distribuição não
deve ter uma variação superior a ± 20 % do valor médio total.
• O desvio do débito medido em cada bico do mesmo tipo não deve
ter uma variação superior a ± 10 % do débito nominal (indicado
pelo fabricante).
mariofcunha@gmail.com
Pulverização Arbustiva e Arbórea
• Em pulverização simétrica, a diferença entre os débitos
médios de ambos os lados não deve ser superior a 10 %.
mariofcunha@gmail.com
Verificação da simetria do Ventilador
(caso exista)
mariofcunha@gmail.com
mariofcunha@gmail.com
Comprovar Velocidade de Avanço
Velocidade (Km/h) =
100 m (distância percorrida) x 3,6
Tempo em segundos
Comprovar Velocidade de Avanço
Velocidade (Km/h) =
100 m (distância percorrida) x 3,6
Tempo em segundos
Variação da Velocidade
• Variação da velocidade em função do volume pretendido.
Velocidade conhecida x (volume actual / volume pretendido) =
nova velocidade
Exemplo:
5 km/h x ( 480 l/ha / 600 l/ha ) = 4 km/h
mariofcunha@gmail.com
mariofcunha@gmail.com
Ensaio em branco
O ensaio em branco, é um teste de pulverização real feito com
água, realizado antes de iniciar-mos a aplicação da calda. É
onde se avalia a qualidade da pulverização, em função da
quantidade de calda anteriormente determinada.
• Material necessário para realizar um Ensaio em Branco:
• Equipamento de Pulverização
• Resultados do cálculo de calda
• Papeis hidro-sensíveis
mariofcunha@gmail.com
Procedimentos na realização de um ensaio em branco:
• Colocar os papéis hidro-sensíveis em vários pontos da
planta (interior e exterior da copa) ou outra superfície a
tratar.
• Regular o pulverizador de forma a ter o débito predefinido.
• Avançar com a velocidade de deslocação predefinida.
• Dar inicio à pulverização.
• Avaliar os resultados.
mariofcunha@gmail.com
Papeis Hidrosensíveis
3.6. Técnicas de Aplicação
mariofcunha@gmail.com
mariofcunha@gmail.com
Tipos de equipamentos utilizados no tratamento
fitossanitário das plantas
• Polvilhadores
– Equipamentos que fazem a distribuição de produtos
fitofarmacêuticos sobre a forma sólida (pó).
• Pulverizadores
– Equipamentos que fraciona e reparte, homogeneamente,
uma determinada quantidade de líquido sobre a
vegetação ou o solo nu, fazendo a distribuição de
produtos fitofarmacêuticos em caldas.
mariofcunha@gmail.com
Polvilhadores
• Manuais
• Dorso
mariofcunha@gmail.com
Polvilhadores
• Montados
• Rebocados
mariofcunha@gmail.com
Polvilhadores
• São equipamentos de proteção
fitossanitária, utilizados para a
aplicação de produtos
fitofarmacêuticos com ação e
persistência no estado sólido
(ex: enxofre em pó), em que a sua
distribuição é feita através um fluxo de
ar produzido por uma turbina.
mariofcunha@gmail.com
Polvilhadores
• São diversos os sistemas de
distribuição do pó, mas os mais
eficazes e seguros, são aqueles em
que o pó não fica em contacto com
a turbina.
mariofcunha@gmail.com
Tipos de deslocação ou
transporte dos
equipamentos de
proteção das plantas
• Manuais
• Dorso
• Carro de Mão
• Montados ou Suspensos
• Semi-montados
• Rebocados
• Automotrizes
• Aéreos
mariofcunha@gmail.com
Equipamentos Manuais
Equipamentos de Dorso
mariofcunha@gmail.com
Equipamentos Carro de
Mão
Equipamentos acoplados ao
Trator
mariofcunha@gmail.com
Equipamentos Automotrizes
mariofcunha@gmail.com
Equipamentos Aéreos
mariofcunha@gmail.com
• Pressão Prévia
• Pressão Continua
• Centrifugo
• Térmico
• Jato Projetado
• Jato Transportado
• Atomizador ou Pneumático
Modo de Pulverização
mariofcunha@gmail.com
Pulverizador de Pressão Prévia
• O operador introduz previamente ar dentro do depósito
através do acionamento de uma bomba de êmbolo
pneumática.
mariofcunha@gmail.com
Pulverizadores de Pressão Continua
• O operador mantém uma pressão continua através do
acionamento manual de uma bomba hidráulica de êmbolo.
mariofcunha@gmail.com
Pulverizador Centrifugo
• Acionamento elétrico de um disco, que adquire um movimento
centrifugo, que é aproveitado para fazer o espalhamento da calda
com o mesmo movimento.
mariofcunha@gmail.com
Pulverizador Térmico
• Acionado através da queima de combustível numa câmara de
combustão, que vai produzir o calor necessário para vaporizar
e espalhar a calda que vai saindo do depósito para o tubo de
escape.
mariofcunha@gmail.com
Pulverizador de Jato Projetado
• Dispõem de uma bomba hidráulica de
caudal contínuo, que permite através de um
regulador de pressão, ajustar a pressão de
saída do jato projetado por um orifício de
diâmetro reduzido (bico ou pastilha).
mariofcunha@gmail.com
Princípio de Funcionamento
Pulverizadores de Pressão Hidráulica de Jato Projetado
mariofcunha@gmail.com
Pulverizador de Jato Transportado
• Dispõem de uma bomba hidráulica de caudal contínuo,
que permite através de um regulador de pressão, ajustar
a pressão de saída do jato projetado por um orifício de
diâmetro reduzido (bico ou pastilha). Jato esse que é
transportado através de um fluxo de ar produzido por
uma turbina, que vai permitir o esmiuçamento das gotas
e transporta-las até ao interior da massa vegetativa,
permitindo assim uma pulverização homogénea por
toda a planta.
mariofcunha@gmail.com
Pulverizador Pneumático ou Atomizador
• A calda desce por gravidade às boquilhas de distribuição, onde é regulado o
caudal através de torneiras reguladoras, está equipado com uma turbina que
produz um fluxo de ar que passa pelas boquilhas, atomizando e conduzindo
as gotas de calda para o interior da massa vegetativa, permitindo assim uma
pulverização homogénea por toda a planta.
mariofcunha@gmail.com
Princípio de Funcionamento
Pulverizadores Pneumáticos ou Atomizadores
mariofcunha@gmail.com
Constituição do Pulverizador
• Tampa do depósito;
• Pré-filtro;
• Depósito
• Filtro (primário);
• Bomba (êmbolo, membrana ou êmbolo/membrana);
• Diafragma ou campânula;
• Filtro (secundário)(facultativo);
• Válvula reguladora de pressão;
• Manómetro;
• Comandos de distribuição (manuais ou automáticos);
• Filtro (secundário ou terciário);
• Rampas de distribuição (verticais ou horizontais);
• Bicos de pulverização (com filtro e anti-gota);
• Turbina e deflectores ou condutas (mangas) de ar, apenas nos
pulverizadores de Jato Transportado e Pneumáticos;
Filtros
mariofcunha@gmail.com
Filtro de enchimento
Filtro de linha
Suporte do
filtro de linha Filtro do bico
Bombas Volumétricas de Movimento Alternativo
• Êmbolos - Alta pressão e alto caudal.
• Êmbolo – membrana – Média pressão e médio
caudal. Também podem ser de alta pressão.
• Membrana – Baixa pressão e baixo/médio caudal.
mariofcunha@gmail.com
• Bombas de êmbolos
• Bomba êmbolo membrana
• Bomba de membranas
mariofcunha@gmail.com
Comandos: Pressão e Distribuição
• A escala do manómetro deve ser graduada:
• Todos os 0,2 bar para as pressões de trabalho inferiores a 5 bar;
• Todos os 1,0 bar para as pressões de trabalho compreendidas entre 5 bar
e 20 bar;
• Todos os 2,0 bar para as pressões de
trabalho superiores a 20 bar.
mariofcunha@gmail.com
Comando Elétrico
mariofcunha@gmail.com
Manómetro
• A escala do manómetro deve ser graduada da seguinte forma:
– 0,2 em 0,2 bar, pressões inferiores a 5 bar;
– 1,0 em 1,0 bar, pressões entre 5 bar e 20 bar;
– todos os 2,0 bar para pressões superiores a 20 bar.
• O manómetro deve ter um diâmetro igual ou superior a
63mm.
mariofcunha@gmail.com
mariofcunha@gmail.com
Bicos de Pulverização
• Bicos cónicos ou de turbulência
• Bicos de fenda ou leque
• Bicos de espelho ou deflectores
• Pastilhas
Exemplos de Pulverização
mariofcunha@gmail.com
mariofcunha@gmail.com
Suporte para Bicos de Pulverização
• Suporte de conjunto de bicos
com anti-gota.
mariofcunha@gmail.com
mariofcunha@gmail.com
Ângulos de Pulverização do Bico de Fenda
Distância do bico ao solo ou alvo a tratar
• Tendo em conta a distância entre bicos de 50 cm ao longo
da barra de pulverização ao solo:
– Os bicos de 110º devem estar a uma altura de 50cm;
– Os bicos de 80º devem estar a uma altura de 70cm.
mariofcunha@gmail.com
Sobreposição do Jato Projetado pelos Bicos de Fenda ou
Leque na barra de pulverização:
Para garantir uma distribuição homogénea da calda, temos que garantir a
sobreposição do leque em 25% da largura de distribuição.
Ex: em bicos com 110º, a uma distância entre bicos de 50cm, à altura de 50cm, a
largura de distribuição é 75cm, a largura de trabalho vai ser 50cm.
mariofcunha@gmail.com
mariofcunha@gmail.com
Dimensão das gotículas
• Quanto menores forem as
gotículas, maior é a
superfície tocada pelo
produto, logo mais eficiente
se torna a pulverização.
50 m
100 m
200 m
400 m




mariofcunha@gmail.com
Relação entre o diâmetro das gotas e o tipo de bico,
para um débito de 1 l / min, à pressão de 3 bar
Tipo de bico Diâmetro
volumétrico
médio (*), em mm
turbulência 260
fenda de
110º
300
fenda de 80º 400
espelho 650
(*) DVM é o diâmetro da gota cujo
volume é a média aritmética dos
volumes de todas as gotas de uma
população
mariofcunha@gmail.com
Fatores que condicionam a dimensão das gotas:
• Tipo de bicos;
• Ângulo do jato pois, quanto maior for este menor é o diâmetro das
gotas;
• Dimensão do orifício, quanto maior for este, maiores serão as gotas;
• Pressão no bico, quanto maior esta for menores serão as gotas.
3.7. Conservação e Manutenção do
Material de Aplicação
mariofcunha@gmail.com
Fazer a manutenção?
mariofcunha@gmail.com
mariofcunha@gmail.com
Manutenção do Pulverizador
• Limpeza interna e externa do pulverizador.
• Limpeza do circuito de pulverização.
• Limpeza de todos os filtros.
• Limpeza dos bicos.
• Verificação da pressão do diafragma da bomba.
• Verificação dos níveis de óleo.
• Substituição do óleo da bomba ás 200 horas.
• Substituição do óleo da transmissão ás 150 horas.
• Lubrificação do veio de cardan.
• Armazenar o pulverizador em cima de uma palete e sempre ao abrigo do
sol, da chuva e do frio, durante este período, devemos ter a bomba vazia
ou com anticongelante.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manual Lavadora de Roupas LTA15
Manual Lavadora de Roupas LTA15Manual Lavadora de Roupas LTA15
Manual Lavadora de Roupas LTA15rrcftc
 
Treinamento sinalização de segurança
Treinamento sinalização de segurançaTreinamento sinalização de segurança
Treinamento sinalização de segurançaAne Costa
 
Ast s-it0025 - it prensa bacalhau
Ast s-it0025 - it prensa bacalhauAst s-it0025 - it prensa bacalhau
Ast s-it0025 - it prensa bacalhauBorsalin
 
Manual de máquina de lavar roupa
Manual de máquina de lavar roupaManual de máquina de lavar roupa
Manual de máquina de lavar roupaDanillo Silva
 
Ast s-it0027 - it maquina serradora
Ast s-it0027 - it maquina serradoraAst s-it0027 - it maquina serradora
Ast s-it0027 - it maquina serradoraBorsalin
 
Ast s-it0033 - it fiambreira manual
Ast s-it0033 - it fiambreira manualAst s-it0033 - it fiambreira manual
Ast s-it0033 - it fiambreira manualBorsalin
 
Ast s-it0066 tanque higienização
Ast s-it0066 tanque higienizaçãoAst s-it0066 tanque higienização
Ast s-it0066 tanque higienizaçãoBorsalin
 
Ast s-it0061 cortadora manual bacalhau
Ast s-it0061 cortadora manual bacalhauAst s-it0061 cortadora manual bacalhau
Ast s-it0061 cortadora manual bacalhauBorsalin
 
Ast s-it0048 - varinha mágica
Ast s-it0048 - varinha mágicaAst s-it0048 - varinha mágica
Ast s-it0048 - varinha mágicaBorsalin
 
Ast s-it008 - it maquina forno lares
Ast s-it008 - it maquina forno laresAst s-it008 - it maquina forno lares
Ast s-it008 - it maquina forno laresBorsalin
 
Ast s-it0013 - it maquina forno rotativo
Ast s-it0013 - it maquina forno rotativoAst s-it0013 - it maquina forno rotativo
Ast s-it0013 - it maquina forno rotativoBorsalin
 
Kodak encad nova-jet_850_novajet_880_training_guide.en.pt(1)
Kodak encad nova-jet_850_novajet_880_training_guide.en.pt(1)Kodak encad nova-jet_850_novajet_880_training_guide.en.pt(1)
Kodak encad nova-jet_850_novajet_880_training_guide.en.pt(1)Marconi Silva
 
Apresentação nr 26 sinalização de segurança
Apresentação nr 26 sinalização de segurança Apresentação nr 26 sinalização de segurança
Apresentação nr 26 sinalização de segurança João Vitor Rocha
 
Cores na segurança apresentação slide
Cores na segurança apresentação slideCores na segurança apresentação slide
Cores na segurança apresentação slideMichael Rebouça
 
Ast s-it0047 - fritadeira eléctrica
Ast s-it0047 - fritadeira eléctricaAst s-it0047 - fritadeira eléctrica
Ast s-it0047 - fritadeira eléctricaBorsalin
 
Ast s-it0010 - it fatiadora pao
Ast s-it0010 - it fatiadora paoAst s-it0010 - it fatiadora pao
Ast s-it0010 - it fatiadora paoBorsalin
 
Ast s-it0036 - it máquina afiar
Ast s-it0036 - it máquina afiarAst s-it0036 - it máquina afiar
Ast s-it0036 - it máquina afiarBorsalin
 
Ast s-it0012 - it embaladora manual
Ast s-it0012 - it embaladora manualAst s-it0012 - it embaladora manual
Ast s-it0012 - it embaladora manualBorsalin
 

Mais procurados (20)

Manual Lavadora de Roupas LTA15
Manual Lavadora de Roupas LTA15Manual Lavadora de Roupas LTA15
Manual Lavadora de Roupas LTA15
 
Treinamento sinalização de segurança
Treinamento sinalização de segurançaTreinamento sinalização de segurança
Treinamento sinalização de segurança
 
Ast s-it0025 - it prensa bacalhau
Ast s-it0025 - it prensa bacalhauAst s-it0025 - it prensa bacalhau
Ast s-it0025 - it prensa bacalhau
 
Nr 26
Nr 26Nr 26
Nr 26
 
Manual de máquina de lavar roupa
Manual de máquina de lavar roupaManual de máquina de lavar roupa
Manual de máquina de lavar roupa
 
Ast s-it0027 - it maquina serradora
Ast s-it0027 - it maquina serradoraAst s-it0027 - it maquina serradora
Ast s-it0027 - it maquina serradora
 
Ast s-it0033 - it fiambreira manual
Ast s-it0033 - it fiambreira manualAst s-it0033 - it fiambreira manual
Ast s-it0033 - it fiambreira manual
 
Ast s-it0066 tanque higienização
Ast s-it0066 tanque higienizaçãoAst s-it0066 tanque higienização
Ast s-it0066 tanque higienização
 
Manual lf80
Manual lf80Manual lf80
Manual lf80
 
Ast s-it0061 cortadora manual bacalhau
Ast s-it0061 cortadora manual bacalhauAst s-it0061 cortadora manual bacalhau
Ast s-it0061 cortadora manual bacalhau
 
Ast s-it0048 - varinha mágica
Ast s-it0048 - varinha mágicaAst s-it0048 - varinha mágica
Ast s-it0048 - varinha mágica
 
Ast s-it008 - it maquina forno lares
Ast s-it008 - it maquina forno laresAst s-it008 - it maquina forno lares
Ast s-it008 - it maquina forno lares
 
Ast s-it0013 - it maquina forno rotativo
Ast s-it0013 - it maquina forno rotativoAst s-it0013 - it maquina forno rotativo
Ast s-it0013 - it maquina forno rotativo
 
Kodak encad nova-jet_850_novajet_880_training_guide.en.pt(1)
Kodak encad nova-jet_850_novajet_880_training_guide.en.pt(1)Kodak encad nova-jet_850_novajet_880_training_guide.en.pt(1)
Kodak encad nova-jet_850_novajet_880_training_guide.en.pt(1)
 
Apresentação nr 26 sinalização de segurança
Apresentação nr 26 sinalização de segurança Apresentação nr 26 sinalização de segurança
Apresentação nr 26 sinalização de segurança
 
Cores na segurança apresentação slide
Cores na segurança apresentação slideCores na segurança apresentação slide
Cores na segurança apresentação slide
 
Ast s-it0047 - fritadeira eléctrica
Ast s-it0047 - fritadeira eléctricaAst s-it0047 - fritadeira eléctrica
Ast s-it0047 - fritadeira eléctrica
 
Ast s-it0010 - it fatiadora pao
Ast s-it0010 - it fatiadora paoAst s-it0010 - it fatiadora pao
Ast s-it0010 - it fatiadora pao
 
Ast s-it0036 - it máquina afiar
Ast s-it0036 - it máquina afiarAst s-it0036 - it máquina afiar
Ast s-it0036 - it máquina afiar
 
Ast s-it0012 - it embaladora manual
Ast s-it0012 - it embaladora manualAst s-it0012 - it embaladora manual
Ast s-it0012 - it embaladora manual
 

Semelhante a aplicação

manual da maquina limpar bicos.pdf
manual da maquina limpar bicos.pdfmanual da maquina limpar bicos.pdf
manual da maquina limpar bicos.pdfRicardo550053
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação Geagra UFG
 
Manual de serviço cb450 cabecote
Manual de serviço cb450 cabecoteManual de serviço cb450 cabecote
Manual de serviço cb450 cabecoteThiago Huari
 
Manual de serviço cb450 e cb450 custom (1983) ms443831 p cabecote
Manual de serviço cb450 e cb450 custom (1983)   ms443831 p cabecoteManual de serviço cb450 e cb450 custom (1983)   ms443831 p cabecote
Manual de serviço cb450 e cb450 custom (1983) ms443831 p cabecoteThiago Huari
 
Como Instalar seu Filtro para Poço Artesiano
Como Instalar seu Filtro para Poço ArtesianoComo Instalar seu Filtro para Poço Artesiano
Como Instalar seu Filtro para Poço ArtesianoMaiquel Vieira
 
78791852 sistema-de-combustivel-volvo-fh12-d12 a-1
78791852 sistema-de-combustivel-volvo-fh12-d12 a-178791852 sistema-de-combustivel-volvo-fh12-d12 a-1
78791852 sistema-de-combustivel-volvo-fh12-d12 a-1Luis Xavier de Oliveira
 
Manual de serviço vt600 c cabecote
Manual de serviço vt600 c cabecoteManual de serviço vt600 c cabecote
Manual de serviço vt600 c cabecoteThiago Huari
 
Manual de serviço vt600 c 00x6b-mz8-601 cabecote
Manual de serviço vt600 c   00x6b-mz8-601 cabecoteManual de serviço vt600 c   00x6b-mz8-601 cabecote
Manual de serviço vt600 c 00x6b-mz8-601 cabecoteThiago Huari
 
20 PASSOS REPARO TRANSMISSÃO
20 PASSOS REPARO TRANSMISSÃO20 PASSOS REPARO TRANSMISSÃO
20 PASSOS REPARO TRANSMISSÃORenan Moura
 
Manual injetronic
Manual injetronicManual injetronic
Manual injetronicRamon Fraga
 
Saiba como instalar seu filtro para poços artesiano
Saiba como instalar seu filtro para poços artesianoSaiba como instalar seu filtro para poços artesiano
Saiba como instalar seu filtro para poços artesianoMaiquel Vieira
 
Manual de serviço cr250 99 chassi
Manual de serviço cr250 99 chassiManual de serviço cr250 99 chassi
Manual de serviço cr250 99 chassiThiago Huari
 
Manual bombas-perifericas man
Manual bombas-perifericas manManual bombas-perifericas man
Manual bombas-perifericas manAdjamar Raimundo
 
Procedimento para manutenção veicular
Procedimento para manutenção veicularProcedimento para manutenção veicular
Procedimento para manutenção veicularAnderson Fonseca
 
Manual de serviço nx200 xr buzina
Manual de serviço nx200 xr buzinaManual de serviço nx200 xr buzina
Manual de serviço nx200 xr buzinaThiago Huari
 

Semelhante a aplicação (20)

aplicacao
aplicacaoaplicacao
aplicacao
 
manual da maquina limpar bicos.pdf
manual da maquina limpar bicos.pdfmanual da maquina limpar bicos.pdf
manual da maquina limpar bicos.pdf
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
 
Manual de serviço cb450 cabecote
Manual de serviço cb450 cabecoteManual de serviço cb450 cabecote
Manual de serviço cb450 cabecote
 
Manual de serviço cb450 e cb450 custom (1983) ms443831 p cabecote
Manual de serviço cb450 e cb450 custom (1983)   ms443831 p cabecoteManual de serviço cb450 e cb450 custom (1983)   ms443831 p cabecote
Manual de serviço cb450 e cb450 custom (1983) ms443831 p cabecote
 
SIDE TRIMMER - TESOURA LATERAL
SIDE TRIMMER - TESOURA LATERALSIDE TRIMMER - TESOURA LATERAL
SIDE TRIMMER - TESOURA LATERAL
 
Como Instalar seu Filtro para Poço Artesiano
Como Instalar seu Filtro para Poço ArtesianoComo Instalar seu Filtro para Poço Artesiano
Como Instalar seu Filtro para Poço Artesiano
 
78791852 sistema-de-combustivel-volvo-fh12-d12 a-1
78791852 sistema-de-combustivel-volvo-fh12-d12 a-178791852 sistema-de-combustivel-volvo-fh12-d12 a-1
78791852 sistema-de-combustivel-volvo-fh12-d12 a-1
 
Aspersores1
Aspersores1Aspersores1
Aspersores1
 
Fertirrigação2
Fertirrigação2Fertirrigação2
Fertirrigação2
 
Manual de serviço vt600 c cabecote
Manual de serviço vt600 c cabecoteManual de serviço vt600 c cabecote
Manual de serviço vt600 c cabecote
 
Manual de serviço vt600 c 00x6b-mz8-601 cabecote
Manual de serviço vt600 c   00x6b-mz8-601 cabecoteManual de serviço vt600 c   00x6b-mz8-601 cabecote
Manual de serviço vt600 c 00x6b-mz8-601 cabecote
 
20 PASSOS REPARO TRANSMISSÃO
20 PASSOS REPARO TRANSMISSÃO20 PASSOS REPARO TRANSMISSÃO
20 PASSOS REPARO TRANSMISSÃO
 
Manual injetronic
Manual injetronicManual injetronic
Manual injetronic
 
Manual.pdf
Manual.pdfManual.pdf
Manual.pdf
 
Saiba como instalar seu filtro para poços artesiano
Saiba como instalar seu filtro para poços artesianoSaiba como instalar seu filtro para poços artesiano
Saiba como instalar seu filtro para poços artesiano
 
Manual de serviço cr250 99 chassi
Manual de serviço cr250 99 chassiManual de serviço cr250 99 chassi
Manual de serviço cr250 99 chassi
 
Manual bombas-perifericas man
Manual bombas-perifericas manManual bombas-perifericas man
Manual bombas-perifericas man
 
Procedimento para manutenção veicular
Procedimento para manutenção veicularProcedimento para manutenção veicular
Procedimento para manutenção veicular
 
Manual de serviço nx200 xr buzina
Manual de serviço nx200 xr buzinaManual de serviço nx200 xr buzina
Manual de serviço nx200 xr buzina
 

Mais de Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda

Mais de Consultua Ensino e Formação Profissional, Lda (20)

Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formadorMviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
 
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formadorMviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
Mviii cots intervenção tecnico-pedagógica do formador
 
4 produtos fitofarmaceuticos
4 produtos fitofarmaceuticos4 produtos fitofarmaceuticos
4 produtos fitofarmaceuticos
 
Introd
IntrodIntrod
Introd
 
Modulo i pf
Modulo i  pfModulo i  pf
Modulo i pf
 
Manual acolhimento
Manual acolhimentoManual acolhimento
Manual acolhimento
 
Ii.4
Ii.4Ii.4
Ii.4
 
Ii.3
Ii.3Ii.3
Ii.3
 
Mi 4 parte ii_01-mpb-2021
Mi 4 parte ii_01-mpb-2021Mi 4 parte ii_01-mpb-2021
Mi 4 parte ii_01-mpb-2021
 
apresentacao_curso_MPB_FNF
apresentacao_curso_MPB_FNFapresentacao_curso_MPB_FNF
apresentacao_curso_MPB_FNF
 
Manual acolhimento
Manual acolhimentoManual acolhimento
Manual acolhimento
 
Metodologia avaliacao de rega de pivot 2021-10
Metodologia avaliacao de rega de pivot  2021-10Metodologia avaliacao de rega de pivot  2021-10
Metodologia avaliacao de rega de pivot 2021-10
 
Metodologia avaliacao de rega de aspersão 2021-11
Metodologia avaliacao de rega de aspersão   2021-11Metodologia avaliacao de rega de aspersão   2021-11
Metodologia avaliacao de rega de aspersão 2021-11
 
09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada
 
09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada09 11 2021 auditoria da rega localizada
09 11 2021 auditoria da rega localizada
 
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral uniformidade de rega apresentacao de 8 11
 
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...
Ii.4 avaliacao sistema de rega geral eficiência de aplicacao apresentacao de ...
 
Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021
Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021
Ii.3 tecnicas de medicao de pressao apresentação 2021
 
Avaliação sistema de rega aspersão
Avaliação sistema de rega aspersãoAvaliação sistema de rega aspersão
Avaliação sistema de rega aspersão
 
Avaliação da rega localizada
Avaliação da rega localizadaAvaliação da rega localizada
Avaliação da rega localizada
 

Último

apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptxapresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptxReservadaBiosferadaM
 
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_ReservadaBiosferadaM
 
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMPSEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMPReservadaBiosferadaM
 
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta RBMA.pdf
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta  RBMA.pdfAruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta  RBMA.pdf
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta RBMA.pdfReservadaBiosferadaM
 
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdfApresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdfReservadaBiosferadaM
 
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdfHELLEN CRISTINA
 
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptxCEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptxReservadaBiosferadaM
 
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMAÁrea de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMAReservadaBiosferadaM
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfrisene8298
 
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptxReservadaBiosferadaM
 
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...atendimento93
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
poluição da água trabalho biologia 2024
poluição da água trabalho biologia 2024poluição da água trabalho biologia 2024
poluição da água trabalho biologia 2024LorenaRocha85
 
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdfFazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdfReservadaBiosferadaM
 
avaliação pratica .pdf
avaliação pratica                      .pdfavaliação pratica                      .pdf
avaliação pratica .pdfHELLEN CRISTINA
 

Último (15)

apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptxapresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
 
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
 
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMPSEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
 
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta RBMA.pdf
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta  RBMA.pdfAruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta  RBMA.pdf
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta RBMA.pdf
 
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdfApresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
 
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
 
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptxCEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
 
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMAÁrea de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
 
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
poluição da água trabalho biologia 2024
poluição da água trabalho biologia 2024poluição da água trabalho biologia 2024
poluição da água trabalho biologia 2024
 
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdfFazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
 
avaliação pratica .pdf
avaliação pratica                      .pdfavaliação pratica                      .pdf
avaliação pratica .pdf
 

aplicação

  • 1. III.3. Técnicas de Aplicação mariofcunha@gmail.com
  • 2. 3.3. Regulação, Calibração e Afinação das Máquinas e Material de Aplicação mariofcunha@gmail.com
  • 3. Equipamento de Medição, Comandos e Sistemas de Regulação. mariofcunha@gmail.com
  • 4. ITEM REQUISITOS Anomalia Menor Importn Equipament s de Medição, Comandos e Sistemas de Regulação Fugas e pouca fiabilidade em funcionamento. X Comandos necessários à pulverização, fora do alcance do operador e ilegíveis. X Impossibilidade de abrir e fechar todos os bicos em simultâneo. X Escala do manómetro não adaptada à gama de pressão de funcionamento e difícil de ler. X A escala do manómetro deve ser graduada: - 0,2 em 0,2 bar, pressões inferiores a 5 bar; - 1,0 em 1,0 bar, pressões entre 5 bar e 20 bar ou, todos os 2,0 bar para pressões superiores a 20 bar. X Diâmetro do manómetro inferior a 63mm. X mariofcunha@gmail.com Inspeção de Equipamentos de Medição, Comandos e Sistemas de Regulação
  • 5. Inspeção de Equipamentos de Medição, Comandos e Sistemas de Regulação ITEM REQUISITOS Anomalia Menor Impo rtn Continuaçã o Equipamen tos de Medição, Comandos e Sistemas de Regulação A exactidão do manómetro deve ser ± 0,2 bar nas pressões de trabalho compreendidas entre 1 bar e 2 bar (incluídos). X O manómetro deve medir com uma exactidão de ± 10 % do valor real, a partir de uma pressão de 2 bar. X A agulha do manómetro deve manter -se estável a fim de permitir a leitura da pressão de trabalho. X Se existirem outros dispositivos de medição, devem ter um erro não superior a 5 % do valor real medido. X mariofcunha@gmail.com
  • 7. Mangueiras e Tubos ITEM REQUISITOS Anomalia Menor Importn Mangueiras e Tubos Não devem ocorrer fugas provenientes dos tubos e mangueiras quando submetidos à pressão máxima que é possível obter pelo sistema. X O posicionamento das mangueiras deve evitar a ocorrência de curvas apertadas ou fricções. X Quando em posição de trabalho, as mangueiras não devem ficar suspensas na área do jacto de pulverização. X mariofcunha@gmail.com
  • 9. Filtragem ITEM REQUISITOS Anomalia Menor Importn Filtragem Deve existir pelo menos um filtro no lado de pressão da bomba (excluindo filtros de bicos); deve existir um filtro no lado da aspiração no caso de bombas volumétricas. X O ou os filtros devem estar em bom estado; os filtros dos bicos devem ser de dimensão da malha adaptada aos bicos montados (de acordo com as especificações do fabricante dos bicos). X Quando for fornecido um dispositivo de isolamento, deve ser possível, com o depósito cheio até ao seu volume nominal, limpar os filtros; nenhuma calda se deve escoar, com excepção da eventualmente existente na caixa do filtro e nos tubos de aspiração. X Deve ser possível a substituição dos elementos filtrantes. X mariofcunha@gmail.com
  • 10. Bicos (Pulverizadores de culturas baixas) mariofcunha@gmail.com
  • 11. Bicos (Pulverizadores de culturas baixas) ITEM REQUISITOS Anomalia Menor Importn Bicos Os bicos instalados devem ter os componentes idênticos (filtros, dispositivos antigotejo). X Os bicos não devem gotejar 5 s depois da paragem do jacto de pulverização X mariofcunha@gmail.com
  • 12. Bicos (Pulverizadores de culturas arbustivas e arbóreas) mariofcunha@gmail.com
  • 13. ITEM REQUISITOS Anomalia Menor Importn Bicos Todos os bicos devem ser idênticos (tipo, dimensão, material e origem) ao longo de toda a barra, com exceção dos que são destinados a funções específicas. X Deve ser possível fechar cada bico individualmente ou a cada porta -bicos múltiplo (se for caso disso). X A posição dos bicos deve poder ser ajustada de modo simétrico e reprodutível. X mariofcunha@gmail.com Bicos (Pulverizadores de culturas arbustivas e arbóreas)
  • 14. Barras de Pulverização (Pulverizadores de culturas baixas) mariofcunha@gmail.com
  • 15. Barras de Pulverização (pulverizadores de culturas baixas) ITEM REQUISITOS Anomalia Menor Import n Barras de Pulveriza ção (culturas baixas) Continua A barra não deve estar dobrada nem ter folgas em nenhuma articulação; a barra deve ser estável em todas as direções. X O comprimento das secções (direita e esquerda) da barra deve ser idêntico. X O sistema de reposicionamento automático da barra, se existir, deve funcionar de modo fiável, movimentando a barra para trás ou para a frente quando do contacto com obstáculos X A barra deve poder ser bloqueada em posição de transporte. X O espaçamento e a orientação dos bicos devem ser uniformes ao longo da barra (são exceção os equipamentos especiais, p. ex. para pulverização de bordaduras). X mariofcunha@gmail.com
  • 16. Barras de Pulverização (pulverizado res de culturas baixas) ITEM REQUISITOS Anomalia Menor Impor tn Continuaçã o Barras de Pulverizaçã o (culturas baixas) Continua A distância entre as extremidades inferiores dos bicos e uma superfície plana não deve ocorrer variações superiores a 10 cm ou a 1 % da metade da largura de trabalho. X A calda não deve ser pulverizada sobre o próprio pulverizador, qualquer que seja a altura da barra acima do solo. X Em barras com largura de trabalho da barra superior ou igual a 10 m deve estar instalado um dispositivo que evite danificar os bicos se a barra tocar no solo. X As secções da barra devem poder ser abertas e fechadas individualmente. X Os dispositivos de regulação em altura da barra devem ter um funcionamento fiável X mariofcunha@gmail.com
  • 17. Barras de Pulverização (pulverizadores de culturas baixas) ITEM REQUISITOS Anomalia Menor Importn Continuação Barras de Pulverização (culturas baixas) Os dispositivos de correcção da inclinação da barra e de amortecimento dos movimentos imprevistos da barra devem ser fiáveis. X Quando a pressão for medida à entrada das secções da barra, a pressão não deve variar mais de 10 %, quando as secções são fechadas uma a uma. X mariofcunha@gmail.com
  • 18. Distribuição Transversal (Pulverizadores de culturas baixas) mariofcunha@gmail.com
  • 19. ITEM REQUISITOS Anomalia Menor Importn Distribuiçã o transversal Na zona de sobreposição a distribuição transversal deve ser uniforme; não deve ultrapassar 10 % na avaliação feita com base no coeficiente de variação; o líquido recolhido em cada canalete do banco de distribuição não deve ter uma variação superior a ± 20 % do valor médio total. X O desvio do débito medido em cada bico do mesmo tipo não deve ter uma variação superior a ± 10 % do débito nominal (indicado pelo fabricante). X A perda de pressão medida na extremidade de cada secção de barra não deve ultrapassar 10 % da pressão indicada no manómetro do pulverizador. X mariofcunha@gmail.com Distribuição Transversal (Pulverizadores de culturas baixas)
  • 20. Distribuição (Pulverizadores de culturas arbustivas e arbóreas) mariofcunha@gmail.com
  • 21. Distribuição (Pulverizadores de culturas arbustivas e arbóreas) ITEM REQUISITOS Anomalia Menor Importn Distribuição Cada bico deve formar um jacto uniforme na forma e homogeneidade. X O desvio do débito medido em cada bico do mesmo tipo não deve ter uma variação superior a ± 15 % do débito nominal (indicado pelo fabricante) ou superior 10 % em relação ao débito médio de todos os bicos com referência idêntica. X Em pulverização simétrica, a diferença entre os débitos médios de ambos os lados não deve ser superior a 10 %. X A diferença de pressão, à entrada de cada secção, não deve ser superior a 15 %. X mariofcunha@gmail.com
  • 22. Ventilador (Pulverizadores de culturas arbustivas e arbóreas) mariofcunha@gmail.com
  • 23. Ventilador (Pulverizadores de culturas arbustivas e arbóreas) ITEM REQUISITOS Anomalia Menor Importn Ventilador Deve existir um protetor que impeça o acesso ao ventilador. X O ventilador deve rodar à velocidade indicada pelo fabricante. X A embraiagem do ventilador deve ser fiável (se existir) . X Todos os deflectores reguláveis do sistema de ventilação devem funcionar corretamente. X Os elementos do equipamento só devem estar expostos à pulverização quando isso se tornar necessário para o funcionamento do ventilador; neste caso não deve ocorrer a formação de gotas. X mariofcunha@gmail.com
  • 24. mariofcunha@gmail.com Calibragem de Pulverizadores • Foi publicado no passado dia 21 de Outubro de 2009 a Diretiva Europeia 2009/128/CE que obriga a inspeção de pulverizadores em todos os Estados membros da União Europeia. Diretiva Europeia 2009/128/CE. • No passado dia 15 de Julho de 2010 foi também publicado o Decreto-Lei n.º 86/2010 que transpõe para o direito nacional a Diretiva atrás mencionada. Decreto-Lei n.º 86/2010.
  • 25. Veio telescópico de cardans mariofcunha@gmail.com
  • 26. Inspeção de Cardans ITEM REQUISITOS Anomalia Menor Importn Órgãos de transmiss ão de Potência (cardans) Componentes do veio com marcas de desgaste exagerado. X Protetor do veio com sinais de desgaste, deformações, buracos e rasgos. X Falta de correntes no protetor do veio, ou mal colocadas. X Obstáculos ao bom funcionamento do veio e da proteção. X Falta de suporte para o veio de cardans quando desligado. X Falta de protetor do veio de cardans. X mariofcunha@gmail.com
  • 28. Inspeção da Bomba ITEM REQUISITOS Anomalia Menor Importn Bomba Débito inferior a 90%, do débito nominal indicado pelo fabricante. X Débito inferior ao indicado pelo fabricante, para a pressão máxima de trabalho. X Identificar pulsações originadas pela bomba. X A válvula de segurança de pressão quando existir deve funcionar corretamente. X Fugas visíveis na bomba. X mariofcunha@gmail.com
  • 30. Inspeção do Agitador ITEM REQUISITOS Anomalia Menor Importn Agitador Durante a pulverização, ao regime nominal da tomada de força e com o depósito cheio até metade da sua capacidade nominal, deve ser obtida uma recirculação claramente visível, caso em contrário… X mariofcunha@gmail.com
  • 32. Depósito da Calda ITEM REQUISITOS Anomalia Menor Importn Depósito da Calda Não devem ocorrer fugas visíveis provenientes do depósito ou do orifício de enchimento quando a tampa está colocada. X O orifício de enchimento deve dispor de um filtro em bom estado. X O incorporador de produto (se existir) deve dispor de um filtro. X Deve estar assegurada a compensação de pressão do depósito. X O indicador do nível do líquido no depósito deve ser claramente visível e legível desde o posto de condução e desde o local de abastecimento do depósito. X mariofcunha@gmail.com
  • 33. Depósito da Calda ITEM REQUISITOS Anomalia Menor Importn Continuação Depósito da Calda O esvaziamento do depósito deve ser feito de modo simples, seguro e sem recurso a ferramenta; a calda deve poder ser recolhida e não devem ocorrer fugas. X O sistema de não retorno no dispositivo de abastecimento de água ao depósito (se existir) deve funcionar de modo fiável. X O incorporador do produto (se existir) deve funcionar de modo fiável. X O dispositivo de limpeza das embalagens dos produtos fitofarmacêuticos (se existir) deve funcionar de modo fiável. X mariofcunha@gmail.com
  • 34. Princípios da aprovação e reprovação • 1 — São reprovados os equipamentos de aplicação de produtos fitofarmacêuticos que numa inspeção: a) Apresentem pelo menos uma anomalia importante; e ou b) Apresentem mais de duas anomalias menores; e ou c) Apresentem qualquer anomalia menor detetada na inspeção precedente. • 2 — São reprovados os equipamentos de aplicação de produtos fitofarmacêuticos que numa reinspecção apresentem as anomalias que conduziram à reprovação na inspeção precedente. mariofcunha@gmail.com
  • 35. Componentes que devem ser Inspecionados: • Transmissão de potência por veio de cardans; • Bomba; • Agitação; • Depósito; • Regulação, medição e controlo; • Tubagens e ligações; • Filtros; • Barra de pulverização; • Bicos; • Ventilador. mariofcunha@gmail.com
  • 36. 3.4. Arrastamento da Calda De acordo com a definição dada na ISO 22866 Standard “a deriva ou arrastamento de pulverização é a quantidade de produto fitofarmacêutico que é transportado para fora da área a tratar pela ação de correntes de ar durante o processo de aplicação”. A consequência da dispersão de parte da calda de pulverização para fora da área a tratar pode ser a contaminação de cursos de água, zonas sensíveis (parques naturais, parques infantis, áreas inundáveis, etc.), áreas urbanas ou a indesejável contaminação de culturas vizinhas. Mais tarde, poderá resultar em resíduos de substâncias não autorizadas ou mesmo danos diretos, como fitotoxicidade.
  • 37. mariofcunha@gmail.com 3.5. Cálculo de doses, concentrações e volumes de calda com herbicidas, inseticidas, fungicidas e outros produtos fitofarmacêuticos
  • 38. mariofcunha@gmail.com Cálculo da Calda deve obedecer: – Tipo de Cultura a tratar: • Altas ou baixas • Muito ou pouco densa – Tipo de agente a combater: • Pragas • Doenças • Infestantes – Método de cálculo: • Por áreas • Por volume de massa vegetal – As indicações do rótulo
  • 39. mariofcunha@gmail.com Cálculo da Calda deve obedecer: – Tipo de Pulverizador disponível: • Térmico • Centrifugo • Jacto projectado • Jacto transportado • Atomizador – Volume de calda desejado: • Ultra baixo volume • Muito baixo volume • Baixo volume • Médio volume • Alto volume
  • 40. mariofcunha@gmail.com Variação do Volume de Calda • Maiores volumes para: – Culturas altas e densas. – Combater infestantes. – Método de cálculo por área. – Pulverizadores de Dorso e Jato projetado. • Menores volumes para: – Culturas baixas e pouco densas. Combater pragas e doenças. – Método de cálculo por volume de massa vegetal. – Pulverizadores Centrífugos, Jato transportado e Atomizadores.
  • 41. mariofcunha@gmail.com Volume (l/ha) por altura da cultura • Alto volume: – Culturas Baixas – 700 l/ha – Culturas Altas – 1000 l/ha • Médio volume: – Culturas Baixas – 200 a 700 l/ha – Culturas Altas – 500 a 1000 l/ha • Baixo volume: – Culturas Baixas – 50 a 200 l/ha – Culturas Altas – 200 a 500 l/ha • Muito baixo volume: – Culturas Baixas – 5 a 50 l/ha – Culturas Altas – 50 a 200 l/ha • Ultra baixo volume: – Culturas Baixas e Altas – inferior a 5 l/ha
  • 42. mariofcunha@gmail.com Formulas de cálculo da quantidade de calda por área: •Comprovar a velocidade de avanço e o débito em função da quantidade de calda: Quantidade de calda (l/ha)= Débito (l/min) x 600 (constante) Velocidade (km/h) x largura trabalho (m) Quantidade de calda (l/m2)= Débito (l/min) Velocidade (m/min) x largura trabalho (m) Velocidade (km/h)= Débito (l/m) x 600 Quant. de Calda (l/ha) x Larg. Trab. (m) Débito (l/min) = Quant. de Calda (l/ha) x Velocidade (km/h) x Larg. Trab. (m) 600
  • 43. mariofcunha@gmail.com Formulas de cálculo da quantidade de calda por volume de massa vegetal: Método de calibração por TRV (Tree- Row - Volume) TRVM3 (vegetação/ha)= Altura das árvores (m) x Largura de copa (m) x 10 000 m2 Distância entre linhas (m) Exemplo: Altura das árvores (T) - 4m Largura de copa ( C) - 3m Distancia entre linhas ( R) - 4m TRV= 4x3x10000/4 = 30 000m3/ha Litros por ha (l/ha)= (TRV(m3/ha) x calda (l/1000m3) )/1000 Litros por ha (l/ha)= (30 000 x 20 )/1000 = 600 l/ha Fruticultura: -Alto Volume = 60 litros/1000m3 -Médio Volume = 40 litros/ // -Baixo Volume = 20 litros/ // Cálculo das doses = (TVR * (litros calda/1000m3 vegetação) * (concentração do produto Comercial (kg/l de calda)) / 1000 Dose (para 600 l/ha) = (30 000 * 20) * (0,002) / 1000 = 1,2 kg/ha Exemplo do Calculo da Dose para um PF que recomende 2 kg/ha
  • 44. mariofcunha@gmail.com Cálculo de Débitos O Débito é a quantidade em Litros (líquidos) ou Quilos (sólidos), que um determinado equipamento, aplica, espalha ou distribui, numa determinada operação, durante um minuto. • Sendo representado da seguinte forma: – Líquidos – litros por minuto (l/min). – Sólidos – quilos por minuto (kg/min).
  • 45. mariofcunha@gmail.com O Débito depende: – Diâmetro e tipo de Bicos: • Bico de jacto regulável • Volume da câmara de turbulência • Posição da pastilha (> maior / < menor) – Pressão: Bar ou kg/cm2 ou PSI • 1 Bar = 1 kg/cm2 = 14 PSI • 14 PSI = 1 kg/cm2 = 1 Bar – Número de bicos
  • 46. Variação da pressão em função do débito desejado • Pressão actual x ( volume desejado / Volume actual)2 = nova pressão • Exemplo: 10 Bar x ( 400 l/ha / 432 l/ha )2 = 8,5 Bar mariofcunha@gmail.com
  • 47. Ensaio de Débitos do Pulverizador • Acertar a TDF para as 540 rpm; • Regular a pressão; • Abrir condutas de pulverização; • Corrigir pressão; • Fechar condutas de pulverização; • Abrir condutas, cronometrar e recolher água durante um minuto; • Medir débito individual e comparar valores tendo em conta a regra dos 10%. • Calcular e comparar valores por rampa e total. • Substituir ou limpar bicos e repetir ensaio se necessário. mariofcunha@gmail.com
  • 49. Diferenças de Débito em relação ao estado dos Bicos mariofcunha@gmail.com
  • 50. Razões que levam à substituição dos Bicos • Na zona de sobreposição a distribuição transversal deve ser uniforme; não deve ultrapassar 10 % na avaliação feita com base no coeficiente de variação; • O líquido recolhido em cada canalete do banco de distribuição não deve ter uma variação superior a ± 20 % do valor médio total. • O desvio do débito medido em cada bico do mesmo tipo não deve ter uma variação superior a ± 10 % do débito nominal (indicado pelo fabricante). mariofcunha@gmail.com
  • 51. Pulverização Arbustiva e Arbórea • Em pulverização simétrica, a diferença entre os débitos médios de ambos os lados não deve ser superior a 10 %. mariofcunha@gmail.com
  • 52. Verificação da simetria do Ventilador (caso exista) mariofcunha@gmail.com
  • 53. mariofcunha@gmail.com Comprovar Velocidade de Avanço Velocidade (Km/h) = 100 m (distância percorrida) x 3,6 Tempo em segundos Comprovar Velocidade de Avanço Velocidade (Km/h) = 100 m (distância percorrida) x 3,6 Tempo em segundos
  • 54. Variação da Velocidade • Variação da velocidade em função do volume pretendido. Velocidade conhecida x (volume actual / volume pretendido) = nova velocidade Exemplo: 5 km/h x ( 480 l/ha / 600 l/ha ) = 4 km/h mariofcunha@gmail.com
  • 55. mariofcunha@gmail.com Ensaio em branco O ensaio em branco, é um teste de pulverização real feito com água, realizado antes de iniciar-mos a aplicação da calda. É onde se avalia a qualidade da pulverização, em função da quantidade de calda anteriormente determinada. • Material necessário para realizar um Ensaio em Branco: • Equipamento de Pulverização • Resultados do cálculo de calda • Papeis hidro-sensíveis
  • 56. mariofcunha@gmail.com Procedimentos na realização de um ensaio em branco: • Colocar os papéis hidro-sensíveis em vários pontos da planta (interior e exterior da copa) ou outra superfície a tratar. • Regular o pulverizador de forma a ter o débito predefinido. • Avançar com a velocidade de deslocação predefinida. • Dar inicio à pulverização. • Avaliar os resultados.
  • 58. 3.6. Técnicas de Aplicação mariofcunha@gmail.com
  • 59. mariofcunha@gmail.com Tipos de equipamentos utilizados no tratamento fitossanitário das plantas • Polvilhadores – Equipamentos que fazem a distribuição de produtos fitofarmacêuticos sobre a forma sólida (pó). • Pulverizadores – Equipamentos que fraciona e reparte, homogeneamente, uma determinada quantidade de líquido sobre a vegetação ou o solo nu, fazendo a distribuição de produtos fitofarmacêuticos em caldas.
  • 62. mariofcunha@gmail.com Polvilhadores • São equipamentos de proteção fitossanitária, utilizados para a aplicação de produtos fitofarmacêuticos com ação e persistência no estado sólido (ex: enxofre em pó), em que a sua distribuição é feita através um fluxo de ar produzido por uma turbina.
  • 63. mariofcunha@gmail.com Polvilhadores • São diversos os sistemas de distribuição do pó, mas os mais eficazes e seguros, são aqueles em que o pó não fica em contacto com a turbina.
  • 64. mariofcunha@gmail.com Tipos de deslocação ou transporte dos equipamentos de proteção das plantas • Manuais • Dorso • Carro de Mão • Montados ou Suspensos • Semi-montados • Rebocados • Automotrizes • Aéreos
  • 69. mariofcunha@gmail.com • Pressão Prévia • Pressão Continua • Centrifugo • Térmico • Jato Projetado • Jato Transportado • Atomizador ou Pneumático Modo de Pulverização
  • 70. mariofcunha@gmail.com Pulverizador de Pressão Prévia • O operador introduz previamente ar dentro do depósito através do acionamento de uma bomba de êmbolo pneumática.
  • 71. mariofcunha@gmail.com Pulverizadores de Pressão Continua • O operador mantém uma pressão continua através do acionamento manual de uma bomba hidráulica de êmbolo.
  • 72. mariofcunha@gmail.com Pulverizador Centrifugo • Acionamento elétrico de um disco, que adquire um movimento centrifugo, que é aproveitado para fazer o espalhamento da calda com o mesmo movimento.
  • 73. mariofcunha@gmail.com Pulverizador Térmico • Acionado através da queima de combustível numa câmara de combustão, que vai produzir o calor necessário para vaporizar e espalhar a calda que vai saindo do depósito para o tubo de escape.
  • 74. mariofcunha@gmail.com Pulverizador de Jato Projetado • Dispõem de uma bomba hidráulica de caudal contínuo, que permite através de um regulador de pressão, ajustar a pressão de saída do jato projetado por um orifício de diâmetro reduzido (bico ou pastilha).
  • 75. mariofcunha@gmail.com Princípio de Funcionamento Pulverizadores de Pressão Hidráulica de Jato Projetado
  • 76. mariofcunha@gmail.com Pulverizador de Jato Transportado • Dispõem de uma bomba hidráulica de caudal contínuo, que permite através de um regulador de pressão, ajustar a pressão de saída do jato projetado por um orifício de diâmetro reduzido (bico ou pastilha). Jato esse que é transportado através de um fluxo de ar produzido por uma turbina, que vai permitir o esmiuçamento das gotas e transporta-las até ao interior da massa vegetativa, permitindo assim uma pulverização homogénea por toda a planta.
  • 77. mariofcunha@gmail.com Pulverizador Pneumático ou Atomizador • A calda desce por gravidade às boquilhas de distribuição, onde é regulado o caudal através de torneiras reguladoras, está equipado com uma turbina que produz um fluxo de ar que passa pelas boquilhas, atomizando e conduzindo as gotas de calda para o interior da massa vegetativa, permitindo assim uma pulverização homogénea por toda a planta.
  • 79. mariofcunha@gmail.com Constituição do Pulverizador • Tampa do depósito; • Pré-filtro; • Depósito • Filtro (primário); • Bomba (êmbolo, membrana ou êmbolo/membrana); • Diafragma ou campânula; • Filtro (secundário)(facultativo); • Válvula reguladora de pressão; • Manómetro; • Comandos de distribuição (manuais ou automáticos); • Filtro (secundário ou terciário); • Rampas de distribuição (verticais ou horizontais); • Bicos de pulverização (com filtro e anti-gota); • Turbina e deflectores ou condutas (mangas) de ar, apenas nos pulverizadores de Jato Transportado e Pneumáticos;
  • 80. Filtros mariofcunha@gmail.com Filtro de enchimento Filtro de linha Suporte do filtro de linha Filtro do bico
  • 81. Bombas Volumétricas de Movimento Alternativo • Êmbolos - Alta pressão e alto caudal. • Êmbolo – membrana – Média pressão e médio caudal. Também podem ser de alta pressão. • Membrana – Baixa pressão e baixo/médio caudal. mariofcunha@gmail.com
  • 82. • Bombas de êmbolos • Bomba êmbolo membrana • Bomba de membranas mariofcunha@gmail.com
  • 83. Comandos: Pressão e Distribuição • A escala do manómetro deve ser graduada: • Todos os 0,2 bar para as pressões de trabalho inferiores a 5 bar; • Todos os 1,0 bar para as pressões de trabalho compreendidas entre 5 bar e 20 bar; • Todos os 2,0 bar para as pressões de trabalho superiores a 20 bar. mariofcunha@gmail.com
  • 85. Manómetro • A escala do manómetro deve ser graduada da seguinte forma: – 0,2 em 0,2 bar, pressões inferiores a 5 bar; – 1,0 em 1,0 bar, pressões entre 5 bar e 20 bar; – todos os 2,0 bar para pressões superiores a 20 bar. • O manómetro deve ter um diâmetro igual ou superior a 63mm. mariofcunha@gmail.com
  • 86. mariofcunha@gmail.com Bicos de Pulverização • Bicos cónicos ou de turbulência • Bicos de fenda ou leque • Bicos de espelho ou deflectores • Pastilhas
  • 89. Suporte para Bicos de Pulverização • Suporte de conjunto de bicos com anti-gota. mariofcunha@gmail.com
  • 91. Distância do bico ao solo ou alvo a tratar • Tendo em conta a distância entre bicos de 50 cm ao longo da barra de pulverização ao solo: – Os bicos de 110º devem estar a uma altura de 50cm; – Os bicos de 80º devem estar a uma altura de 70cm. mariofcunha@gmail.com
  • 92. Sobreposição do Jato Projetado pelos Bicos de Fenda ou Leque na barra de pulverização: Para garantir uma distribuição homogénea da calda, temos que garantir a sobreposição do leque em 25% da largura de distribuição. Ex: em bicos com 110º, a uma distância entre bicos de 50cm, à altura de 50cm, a largura de distribuição é 75cm, a largura de trabalho vai ser 50cm. mariofcunha@gmail.com
  • 93. mariofcunha@gmail.com Dimensão das gotículas • Quanto menores forem as gotículas, maior é a superfície tocada pelo produto, logo mais eficiente se torna a pulverização. 50 m 100 m 200 m 400 m    
  • 94. mariofcunha@gmail.com Relação entre o diâmetro das gotas e o tipo de bico, para um débito de 1 l / min, à pressão de 3 bar Tipo de bico Diâmetro volumétrico médio (*), em mm turbulência 260 fenda de 110º 300 fenda de 80º 400 espelho 650 (*) DVM é o diâmetro da gota cujo volume é a média aritmética dos volumes de todas as gotas de uma população
  • 95. mariofcunha@gmail.com Fatores que condicionam a dimensão das gotas: • Tipo de bicos; • Ângulo do jato pois, quanto maior for este menor é o diâmetro das gotas; • Dimensão do orifício, quanto maior for este, maiores serão as gotas; • Pressão no bico, quanto maior esta for menores serão as gotas.
  • 96. 3.7. Conservação e Manutenção do Material de Aplicação
  • 99. mariofcunha@gmail.com Manutenção do Pulverizador • Limpeza interna e externa do pulverizador. • Limpeza do circuito de pulverização. • Limpeza de todos os filtros. • Limpeza dos bicos. • Verificação da pressão do diafragma da bomba. • Verificação dos níveis de óleo. • Substituição do óleo da bomba ás 200 horas. • Substituição do óleo da transmissão ás 150 horas. • Lubrificação do veio de cardan. • Armazenar o pulverizador em cima de uma palete e sempre ao abrigo do sol, da chuva e do frio, durante este período, devemos ter a bomba vazia ou com anticongelante.