SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 53
INDICADORES SOCIAIS
CONCEIÇÃO APARECIDA FONTOLAN
DEFINIÇÃO
PIB (Produto Interno Bruto) é a soma de todos os serviços e bens
produzidos num período (mês, semestre, ano) numa determinada
região (país, estado, cidade, continente). O PIB é expresso em
valores monetários (no caso do Brasil em Reais). Ele é um
importante indicador da atividade econômica de uma região,
representando o crescimento econômico. Vale dizer que no cálculo
do PIB não são considerados os insumos de produção (matérias-
primas, mão-de-obra, impostos e energia).
A Fórmula para o cálculo do PIB de uma região é a seguinte: PIB =
C+I+G+X-M. Onde, C (consumo privado), I (investimentos totais
feitos na região), G (gastos dos governos), X (exportações) e M
(importações).
O PIB per capita (por pessoa), também conhecido como renda per
capita, é obtido ao pegarmos o PIB de uma região, dividindo-o pelo
número de habitantes desta região.
O PIB do Brasil no ano de 2008, em valores correntes, foi de R$
2,889 trilhões (5,1% sobre o ano de 2007).
PIB X PNB
O PIB difere do produto nacional bruto (PNB) basicamente pela
renda líquida enviada ao exterior (RLEE): ela é desconsiderada no
cálculo do PNB, e considerada no cálculo do PIB. Esta renda
representa a diferença entre recursos enviados ao exterior
(pagamento de fatores de produção internacionais alocados no país)
e os recursos recebidos do exterior a partir de fatores de produção
que, sendo do país considerado, encontram-se em atividade em
outros países. Assim, caso um país possua empresas atuando em
outros países, mas proíba a instalação de transnacionais no seu
território, terá uma renda líquida enviada ao exterior negativa. Pela
fórmula:
PNB = PIB - RLEE + Renda Recebida do Exterior
RANKING ECONÔMICO
BRASIL PROJEÇÕES
Definição
IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) é um índice que
serve de comparação entre os países, com objetivo de medir o
grau de desenvolvimento econômico e a qualidade de vida
oferecida à população. Este índice é calculado com base em
dados econômicos e sociais. O IDH vai de 0 (nenhum
desenvolvimento humano) a 1 (desenvolvimento humano total).
Quanto mais próximo de 1, mais desenvolvido é o país. Este
índice também é usado para apurar o desenvolvimento de
cidades, estados e regiões.
No cálculo do IDH são computados os seguintes fatores: educação
(taxas de alfabetização e escolarização), longevidade (expectativa
de vida da população) e renda (PIB per capita).
ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO
0,800 a 1,000 Muito Alto
0,700 a 0,799 Alto
0,600 a 0,699 Médio
0,500 a 0,599 Baixo
0,000 a 0,499 Muito Baixo
ESCALA DO IDH
EDUCAÇÃO E ESCOLARIDADE
Segundo o IBGE em 2005, 90% dos alunos frequentavam instituições
públicas na educação básica e 88% no ensino médio. A política
implantada inicialmente pelo governo Fernando Henrique Cardoso desde
1995 e que perdura até os dias atuais ampliou os investimentos na
educação básica, com vistas a superar as deficiências no grau de
instrução desde o princípio da formação acadêmica. O gráfico a seguir
demonstra a taxa de frequência a instituições públicas e privadas por
categoria de ensino:
AS ÁREAS DE MAIORES PENETAÇÕES : NORTE E NORDESTE
Este crescimento consistente do ensino superior
no Brasil tem elevado os níveis de receita no setor
privado a uma taxa composta anual de 8% no
período entre 2000 e 2005, segundo dados da
Hoper Educacional:
Este nível de receitas deve crescer em função do número de novas matrículas
futuras, direcionadas principalmente devido:
ao crescimento da renda real da população;
aos ainda baixos níveis de penetração, matrículas e instituições na região Norte e
Nordeste, principalmente;
às novas exigências por parte do mercado de trabalho com relação à qualificação
da mão-de-obra;
ao crescimento da demanda de cursos de especialização de curta e média
duração; (v) ao ingresso de trabalhadores em cursos de reciclagem;
à meta governamental de crescimento da participação da população entre 18 e 24
anos no ensino superior de 30% até 2010 com conseqüente elevação da
participação destes no ensino superior;
ao crescimento do grau de escolarização da população, com conseqüente
elevação da média de anos cursados;
ao aumento da taxa de conclusão do ensino médio com posterior ingresso no
ensino superior, seja por cursos tradicionais de graduação, ou por cursos de
curta e média duração, bem como pela oferta de cursos ministrados à distância;
e
pelo aumento do investimento privado no ensino superior, bem como pelo
movimento de consolidação deste fragmentado setor em instituições de porte e
qualidade assegurada.
A renda per capita é o resultado da soma de tudo que é produzido em
uma nação no ano, em geral os países expressam a renda per capita
em dólar, que no caso é a moeda referência no mundo, para realizar
comparações entre os países. Para conceber a renda per capita de
um país é preciso dividir o PIB pelo número de habitantes, o
resultado é a renda per capita, que corresponde ao valor das riquezas
que caberia a cada pessoa.
Hoje, no Brasil, cerca de 49 milhões recebem até meio salário mínimo
per capita, cerca de 54 milhões de brasileiros não possuem
rendimento, esses são considerados pobres. As disparidades são
explícitas entre regiões e estados brasileiros, no nordeste 51% da
população vive com até meio salário mínimo, ao contrário da região
sudeste que é de apenas 18%. Outra desigualdade está entre homens
e mulheres, pois as mulheres são em média mais pobres que os
homens. Hoje no Brasil a renda per capita é de 8.020 dólares, quase a
metade da Argentina com 12.460 dólares, isso conforme dados do
FMI e do Banco Mundial.
RENDA PERCAPITA
RIO - O Produto Interno Bruto (PIB) por habitante no
Brasil ficou em R$ 15.240,00 em 2008, o que
representou uma alta de 4% em relação ao PIB per
capita do ano anterior. Em 2007, a expansão do PIB
per capita havia sido um pouco maior, de 4,5%, em
relação a 2006. O IBGE fez o cálculo por habitante
foi feito a partir da divisão do valor do PIB brasileiro
em 2008, de R$ 2,9 trilhões, pela população
residente na metade do ano, de 189,6 milhões de
habitantes.
RENDA PER CAPITA
EXPECTATIVA DE VIDA
São os anos de vida que uma pessoa espera viver em um
determinado local.
Expectativa de vida Brasil
- 2000
Expectativa de vida Brasil - 2004
Expectativa de vida Brasil - 2007
De acordo com a expectativa de vida de uma população pode-se saber a
qualidade de vida das pessoas, isso fica evidente porque uma sociedade que
possui bons rendimentos, aquisição ao conhecimento, saúde de qualidade e
habitação tende a ter uma expectativa de vida maior.
Mundo envelhecido, país envelhecido
O aumento da proporção de idosos na população é um
fenômeno mundial tão profundo que muitos chamam de
"revolução demográfica". No último meio século, a
expectativa de vida aumentou em cerca de 20 anos. Se
considerarmos os últimos dois séculos, ela quase dobrou.
E, de acordo com algumas pesquisas, esse processo pode
estar longe do fim .
Pirâmides etárias da população
© Atlas Geográfico do Brasil - Editora Melhoramentos Ltda
Direitos para Internet reservados ao UOL - www.uol.com.br/atlas
imprimir fechar
PIRÂMIDE ETÁRIA
Demografia - Redução das taxas de Crescimento e
estrutura etária da população brasileira
Urbanização e queda das taxas de crescimento
O intenso processo de urbanização, verificado no Brasil
principalmente a partir da década de 1960, foi o principal
responsável pela redução das taxas de fecundidade e a
consequentemente queda das taxas de crescimento demográfico.
Fatores inibidores
A urbanização era o resultado de mudanças estruturais na
economia e na sociedade. O Brasil transformava-se num
país urbano-industrial e as grandes cidades atraíam um
contingente, cada vez maior, de população que antes vivia no
meio rural. As mulheres engrossaram o mercado de trabalho
urbano e as famílias passaram a dispor de menos tempo
para se dedicar aos filhos. Além disso, na cidade as despesas
com a criação e formação da criança são maiores que no
meio rural, constituindo um fator inibidor para a formação
de famílias numerosas.
Métodos anticoncepcionais
No caso das mulheres mais pobres, a esterilização foi
a principal opção adotada. As alternativas de contra-
concepção mais utilizadas pelas mulheres brasileiras
são, respectivamente: a ligadura de trompas
(esterilização), a pílula e a camisinha. Nos países
desenvolvidos a ligadura de trompas é o método
menos utilizado, sendo mais comum a vasectomia,
que é o processo de esterilização masculina, que pode
ser reversível.
Crescimento populacional e estrutura etária
A distribuição da população por faixas de idade
em um país é consequência das taxas de
crescimento populacional, da expectativa de
vida e das migrações. A população é geralmente
agrupada em três faixas etárias:
jovens (O-14 anos)
adultos (15-64 anos)
idosos (acima de
65 anos)
Estrutura etária em países desenvolvidos
Nos países desenvolvidos, a estrutura etária é caracterizada
pela presença marcante da população adulta e de uma
porcentagem expressiva de idosos, consequência do baixo
crescimento vegetativo e da elevada expectativa de vida. Essa
situação tem levado a reformas sociais, particularmente, no
sistema previdenciário em diversos países do mundo, já que o
envelhecimento da população obriga o Estado a destinar boa
parte de seus recursos econômicos para a aposentadoria
Estrutura etária em países subdesenvolvidos
Nos países subdesenvolvidos os jovens superam os adultos e os
idosos, consequência do alto crescimento vegetativo e da baixa
expectativa de vida. Essa situação coloca os países
subdesenvolvidos numa situação de desvantagem,
particularmente os pobres que possuem famílias mais
numerosas: sustentar um número maior de filhos limita as
possibilidades do Estado e da família em oferecer uma
formação de boa qualidade, coloca a criança no mercado de
trabalho e reproduz o círculo vicioso da pobreza e da miséria ao
dificultar a possibilidade de ascensão social futura.
Países emergentes – Brasil
No caso do Brasil, e de outros países classificados como
"emergentes", a proporção de jovens tem diminuído a cada
ano, ao passo que o índice da população idosa vem
aumentando. Essa é uma das razões das mudanças recentes no
sistema de previdência social, com estabelecimento de idade
mínima para a aposentadoria e teto máximo para pagamento
ao aposentado.
TAXA DE FECUNDIDADE
Fecundidade
Fecundidade da mulher brasileira
(Nº médio de filhos que uma mulher teria ao final de sua idade
reprodutiva)
Em 1970 a mulher brasileira tinha, em média, 5,8 filhos.
Trinta anos depois, esta média era de 2,3 filhos.
TEORIA MALTHUSIANA
Malthus acreditava que o crescimento demográfico
iria ultrapassar a capacidade produtiva da terra
gerando fome e miséria.
Segundo Malthus, as únicas formas de evitar que isso
acontecesse seria reduzindo a taxa de natalidade
através da proibição de que casais muito jovens
tivessem filhos, do controle da quantidade de filhos
por família nos países pobres, do aumento do preço
dos alimentos e da redução dos salários para forçar
as populações mais pobres a ter menos filhos.
A “Teoria da População” de Thomas Malthus publicada
em 1798 demonstra sua preocupação diante da questão
social agravada pela miséria crescente do operariado na
Inglaterra. Segundo ele, a população crescia em
progressão geométrica, enquanto os meios de
subsistência cresciam em progressão aritmética, o que
resultava em miséria e pobreza. Malthus era contrário a
qualquer intervenção do Estado para tentar resolver o
problema e afirmava que isso serviria apenas para
estimular o aumento da população e o agravamento da
questão. Para ele, a própria natureza seria incumbida
de resolver tal problema, pois aumentaria a
mortalidade devido à fome.
TEORIA NEOMALTHUSIANA E SEU
CONTEXTO HISTÓRICO
Essa teoria se baseia no crescimento populacional
nos países subdesenvolvidos, pois, esse
crescimento provocaria a escassez de recursos
naturais, o crescimento da pobreza e o
desemprego.
Para tentar evitar todo esse transtorno para a
população, os neomalthusianos elaboraram políticas
de controle da natalidade, o conhecido "planejamento
familiar".
Essa teoria foi originada no final da 2ª Guerra
Mundial, quando o crescimento populacional atingiu
níveis elevados. Segundo Malthus, a fome, a pobreza e
a miséria são consequências do grande número de
pessoas e estes só seriam solucionados através de um
rigoroso controle de natalidade.
Na política implantada com o planejamento familiar,
foram distribuídas, anticoncepcionais e feitas
esterilizações em massa. Essas idéias reduziram a
natalidade, mais geraram muitas críticas.
TEORIA REFORMISTA
Essa teoria foi elaborada em resposta a teoria neomalthusiana.
Segundo a teoria reformista, uma população jovem e numerosa,
em virtude de elevadas taxas de natalidade, não é causa, mas
conseqüência do subdesenvolvimento.
Nos países desenvolvidos, onde o padrão de vida da população é
alto, o controle da natalidade ocorre paralelamente a melhoria da
qualidade de vida da população e espontaneamente, de uma
geração para outra.
Marxismo
A teoria marxista, formulada pelo filósofo alemão Karl Marx
no século 19, dizia que o modo de produção capitalista,
baseado na divisão entre classes sociais, gerava as
desigualdades e a fome na sociedade. Pois a burguesia,
detentora dos meios de produção, está preocupada em
garantir a acumulação capitalista e o lucro, e não em suprir
as necessidades da população, que depende do salário para
subsistir.
Segundo a teoria marxista, portanto, não é o crescimento da
população em si que gera a miséria, mas a desigualdade
social e a forma por meio da qual a sociedade se organiza, a
partir do sistema capitalista.
Figura 3: Distribuição etária da população brasileira no Censo Demográfico de 1980.
Figura 4: Distribuição etária da população brasileira no Censo Demográfico de 1991.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Industrialização brasileira alterações no espaço
Industrialização brasileira   alterações no espaçoIndustrialização brasileira   alterações no espaço
Industrialização brasileira alterações no espaçoLuciano Pessanha
 
Industrialização brasil
Industrialização brasilIndustrialização brasil
Industrialização brasiledsonluz
 
Modulo 12 - América Latina - a produção econômica
Modulo 12 - América Latina - a produção econômicaModulo 12 - América Latina - a produção econômica
Modulo 12 - América Latina - a produção econômicaClaudio Henrique Ramos Sales
 
Questão agrária no brasil
Questão agrária no brasilQuestão agrária no brasil
Questão agrária no brasilArtur Lara
 
Regionalização do espaço brasileiro fundamental
Regionalização do espaço brasileiro    fundamentalRegionalização do espaço brasileiro    fundamental
Regionalização do espaço brasileiro fundamentalAbner de Paula
 
Geografia teorias demograficas
Geografia   teorias demograficasGeografia   teorias demograficas
Geografia teorias demograficasGustavo Soares
 
Mapas temáticos - Aula 01
Mapas temáticos - Aula 01Mapas temáticos - Aula 01
Mapas temáticos - Aula 01ProfGeoJean
 
Globalização 2
Globalização   2Globalização   2
Globalização 2Professor
 
Geografia da População
Geografia da PopulaçãoGeografia da População
Geografia da PopulaçãoEduardo Mendes
 
Espaço geografico e globalização
Espaço geografico e globalizaçãoEspaço geografico e globalização
Espaço geografico e globalizaçãoJosé Maria Ribeiro
 
Formação do território brasileiro 1
Formação do território brasileiro 1Formação do território brasileiro 1
Formação do território brasileiro 1AlessandroRubens
 
IDH - Índice de Desenvolvimento Humano
IDH - Índice de Desenvolvimento HumanoIDH - Índice de Desenvolvimento Humano
IDH - Índice de Desenvolvimento HumanoIdalina Leite
 
01 geopolítica
01 geopolítica01 geopolítica
01 geopolíticaedsonluz
 

Mais procurados (20)

Industrialização brasileira alterações no espaço
Industrialização brasileira   alterações no espaçoIndustrialização brasileira   alterações no espaço
Industrialização brasileira alterações no espaço
 
Industrialização brasil
Industrialização brasilIndustrialização brasil
Industrialização brasil
 
Modulo 12 - América Latina - a produção econômica
Modulo 12 - América Latina - a produção econômicaModulo 12 - América Latina - a produção econômica
Modulo 12 - América Latina - a produção econômica
 
Setores da Economia
Setores da EconomiaSetores da Economia
Setores da Economia
 
Questão agrária no brasil
Questão agrária no brasilQuestão agrária no brasil
Questão agrária no brasil
 
Tipos de indústria
Tipos de indústriaTipos de indústria
Tipos de indústria
 
Regionalização do espaço brasileiro fundamental
Regionalização do espaço brasileiro    fundamentalRegionalização do espaço brasileiro    fundamental
Regionalização do espaço brasileiro fundamental
 
Geografia teorias demograficas
Geografia   teorias demograficasGeografia   teorias demograficas
Geografia teorias demograficas
 
Mapas temáticos - Aula 01
Mapas temáticos - Aula 01Mapas temáticos - Aula 01
Mapas temáticos - Aula 01
 
Globalização 2
Globalização   2Globalização   2
Globalização 2
 
Demografia mundial
Demografia mundialDemografia mundial
Demografia mundial
 
Geopolítica e ordens mundiais I
Geopolítica e ordens mundiais IGeopolítica e ordens mundiais I
Geopolítica e ordens mundiais I
 
Geografia da População
Geografia da PopulaçãoGeografia da População
Geografia da População
 
Espaço geografico e globalização
Espaço geografico e globalizaçãoEspaço geografico e globalização
Espaço geografico e globalização
 
Conflitos fundiários
Conflitos fundiáriosConflitos fundiários
Conflitos fundiários
 
Formação do território brasileiro 1
Formação do território brasileiro 1Formação do território brasileiro 1
Formação do território brasileiro 1
 
IDH - Índice de Desenvolvimento Humano
IDH - Índice de Desenvolvimento HumanoIDH - Índice de Desenvolvimento Humano
IDH - Índice de Desenvolvimento Humano
 
Orientacao e localizacao no espaco
Orientacao e localizacao no espacoOrientacao e localizacao no espaco
Orientacao e localizacao no espaco
 
01 geopolítica
01 geopolítica01 geopolítica
01 geopolítica
 
Geopolítica
Geopolítica Geopolítica
Geopolítica
 

Semelhante a REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE OS INDICADORES SOCIAIS.

Conceitos socieconômicos .pptx
Conceitos socieconômicos .pptxConceitos socieconômicos .pptx
Conceitos socieconômicos .pptxutilizageoeduca
 
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Unidade 3   7º ano - População do BrasilUnidade 3   7º ano - População do Brasil
Unidade 3 7º ano - População do BrasilChristie Freitas
 
População Brasileira..pptx
População Brasileira..pptxPopulação Brasileira..pptx
População Brasileira..pptxSvioCarvalho10
 
Trabalho de geo
Trabalho de geoTrabalho de geo
Trabalho de geosss
 
Geografia - População do Brasil
Geografia - População do BrasilGeografia - População do Brasil
Geografia - População do BrasilCarson Souza
 
Análise do mercado de turismo no brasil
Análise do mercado de turismo no brasilAnálise do mercado de turismo no brasil
Análise do mercado de turismo no brasilbrasiltravel_ri
 
Análise do mercado de turismo no brasil
Análise do mercado de turismo no brasilAnálise do mercado de turismo no brasil
Análise do mercado de turismo no brasilhering_ri
 
Desenvolvimento idh x distribuição de renda gini
Desenvolvimento idh x distribuição de renda giniDesenvolvimento idh x distribuição de renda gini
Desenvolvimento idh x distribuição de renda giniWesley Germano Otávio
 
Demografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibularDemografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibularArtur Lara
 
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimento
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimentoPaíses desenvolvidos vs países em desenvolvimento
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimentolidia76
 
Aula 08 população do brasil
Aula 08   população do brasilAula 08   população do brasil
Aula 08 população do brasilJonatas Carlos
 
INDICADORES SOCIOECONÔMICO indice de desenvolvimento humano
INDICADORES SOCIOECONÔMICO indice de desenvolvimento humanoINDICADORES SOCIOECONÔMICO indice de desenvolvimento humano
INDICADORES SOCIOECONÔMICO indice de desenvolvimento humanoLucianoPrado15
 
Geografia do brasil populacao
Geografia do brasil populacaoGeografia do brasil populacao
Geografia do brasil populacaoroseni
 

Semelhante a REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE OS INDICADORES SOCIAIS. (20)

Qualidade de vida em numeros
Qualidade de vida em numerosQualidade de vida em numeros
Qualidade de vida em numeros
 
Conceitos socieconômicos .pptx
Conceitos socieconômicos .pptxConceitos socieconômicos .pptx
Conceitos socieconômicos .pptx
 
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
Unidade 3   7º ano - População do BrasilUnidade 3   7º ano - População do Brasil
Unidade 3 7º ano - População do Brasil
 
População Brasileira..pptx
População Brasileira..pptxPopulação Brasileira..pptx
População Brasileira..pptx
 
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
 
Trabalho de geo
Trabalho de geoTrabalho de geo
Trabalho de geo
 
Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
 
Geografia - População do Brasil
Geografia - População do BrasilGeografia - População do Brasil
Geografia - População do Brasil
 
Análise do mercado de turismo no brasil
Análise do mercado de turismo no brasilAnálise do mercado de turismo no brasil
Análise do mercado de turismo no brasil
 
Análise do mercado de turismo no brasil
Análise do mercado de turismo no brasilAnálise do mercado de turismo no brasil
Análise do mercado de turismo no brasil
 
Desenvolvimento idh x distribuição de renda gini
Desenvolvimento idh x distribuição de renda giniDesenvolvimento idh x distribuição de renda gini
Desenvolvimento idh x distribuição de renda gini
 
Demografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibularDemografia aplicada ao vestibular
Demografia aplicada ao vestibular
 
População2ª ii
População2ª iiPopulação2ª ii
População2ª ii
 
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimento
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimentoPaíses desenvolvidos vs países em desenvolvimento
Países desenvolvidos vs países em desenvolvimento
 
Treinamento - Demografia
Treinamento - DemografiaTreinamento - Demografia
Treinamento - Demografia
 
Treinamento Demografia
Treinamento DemografiaTreinamento Demografia
Treinamento Demografia
 
Aula 08 população do brasil
Aula 08   população do brasilAula 08   população do brasil
Aula 08 população do brasil
 
População brasileira.ppt
População brasileira.pptPopulação brasileira.ppt
População brasileira.ppt
 
INDICADORES SOCIOECONÔMICO indice de desenvolvimento humano
INDICADORES SOCIOECONÔMICO indice de desenvolvimento humanoINDICADORES SOCIOECONÔMICO indice de desenvolvimento humano
INDICADORES SOCIOECONÔMICO indice de desenvolvimento humano
 
Geografia do brasil populacao
Geografia do brasil populacaoGeografia do brasil populacao
Geografia do brasil populacao
 

Mais de Conceição Fontolan (20)

ÁFRICA
ÁFRICAÁFRICA
ÁFRICA
 
ÁSIA ORIENTAL
ÁSIA ORIENTALÁSIA ORIENTAL
ÁSIA ORIENTAL
 
AMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINAAMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINA
 
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTEÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
 
PAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTESPAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTES
 
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEAFLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
 
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANASFLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAISSAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
 
FLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAISFLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAIS
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
 
INDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAISINDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAIS
 
SUDESTE ASIÁTICO
SUDESTE ASIÁTICOSUDESTE ASIÁTICO
SUDESTE ASIÁTICO
 
CONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANOCONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANO
 
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTEÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
 
CONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANOCONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANO
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
CANADÁ
CANADÁCANADÁ
CANADÁ
 

Último

APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfemeio123
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosbiancaborges0906
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 

Último (20)

APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 

REVISÃO DE CONTEÚDO SOBRE OS INDICADORES SOCIAIS.

  • 2. DEFINIÇÃO PIB (Produto Interno Bruto) é a soma de todos os serviços e bens produzidos num período (mês, semestre, ano) numa determinada região (país, estado, cidade, continente). O PIB é expresso em valores monetários (no caso do Brasil em Reais). Ele é um importante indicador da atividade econômica de uma região, representando o crescimento econômico. Vale dizer que no cálculo do PIB não são considerados os insumos de produção (matérias- primas, mão-de-obra, impostos e energia). A Fórmula para o cálculo do PIB de uma região é a seguinte: PIB = C+I+G+X-M. Onde, C (consumo privado), I (investimentos totais feitos na região), G (gastos dos governos), X (exportações) e M (importações). O PIB per capita (por pessoa), também conhecido como renda per capita, é obtido ao pegarmos o PIB de uma região, dividindo-o pelo número de habitantes desta região. O PIB do Brasil no ano de 2008, em valores correntes, foi de R$ 2,889 trilhões (5,1% sobre o ano de 2007).
  • 3. PIB X PNB O PIB difere do produto nacional bruto (PNB) basicamente pela renda líquida enviada ao exterior (RLEE): ela é desconsiderada no cálculo do PNB, e considerada no cálculo do PIB. Esta renda representa a diferença entre recursos enviados ao exterior (pagamento de fatores de produção internacionais alocados no país) e os recursos recebidos do exterior a partir de fatores de produção que, sendo do país considerado, encontram-se em atividade em outros países. Assim, caso um país possua empresas atuando em outros países, mas proíba a instalação de transnacionais no seu território, terá uma renda líquida enviada ao exterior negativa. Pela fórmula: PNB = PIB - RLEE + Renda Recebida do Exterior
  • 6.
  • 7. Definição IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) é um índice que serve de comparação entre os países, com objetivo de medir o grau de desenvolvimento econômico e a qualidade de vida oferecida à população. Este índice é calculado com base em dados econômicos e sociais. O IDH vai de 0 (nenhum desenvolvimento humano) a 1 (desenvolvimento humano total). Quanto mais próximo de 1, mais desenvolvido é o país. Este índice também é usado para apurar o desenvolvimento de cidades, estados e regiões. No cálculo do IDH são computados os seguintes fatores: educação (taxas de alfabetização e escolarização), longevidade (expectativa de vida da população) e renda (PIB per capita). ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO
  • 8. 0,800 a 1,000 Muito Alto 0,700 a 0,799 Alto 0,600 a 0,699 Médio 0,500 a 0,599 Baixo 0,000 a 0,499 Muito Baixo ESCALA DO IDH
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 15. Segundo o IBGE em 2005, 90% dos alunos frequentavam instituições públicas na educação básica e 88% no ensino médio. A política implantada inicialmente pelo governo Fernando Henrique Cardoso desde 1995 e que perdura até os dias atuais ampliou os investimentos na educação básica, com vistas a superar as deficiências no grau de instrução desde o princípio da formação acadêmica. O gráfico a seguir demonstra a taxa de frequência a instituições públicas e privadas por categoria de ensino:
  • 16. AS ÁREAS DE MAIORES PENETAÇÕES : NORTE E NORDESTE
  • 17.
  • 18. Este crescimento consistente do ensino superior no Brasil tem elevado os níveis de receita no setor privado a uma taxa composta anual de 8% no período entre 2000 e 2005, segundo dados da Hoper Educacional:
  • 19. Este nível de receitas deve crescer em função do número de novas matrículas futuras, direcionadas principalmente devido: ao crescimento da renda real da população; aos ainda baixos níveis de penetração, matrículas e instituições na região Norte e Nordeste, principalmente; às novas exigências por parte do mercado de trabalho com relação à qualificação da mão-de-obra; ao crescimento da demanda de cursos de especialização de curta e média duração; (v) ao ingresso de trabalhadores em cursos de reciclagem; à meta governamental de crescimento da participação da população entre 18 e 24 anos no ensino superior de 30% até 2010 com conseqüente elevação da participação destes no ensino superior; ao crescimento do grau de escolarização da população, com conseqüente elevação da média de anos cursados; ao aumento da taxa de conclusão do ensino médio com posterior ingresso no ensino superior, seja por cursos tradicionais de graduação, ou por cursos de curta e média duração, bem como pela oferta de cursos ministrados à distância; e pelo aumento do investimento privado no ensino superior, bem como pelo movimento de consolidação deste fragmentado setor em instituições de porte e qualidade assegurada.
  • 20. A renda per capita é o resultado da soma de tudo que é produzido em uma nação no ano, em geral os países expressam a renda per capita em dólar, que no caso é a moeda referência no mundo, para realizar comparações entre os países. Para conceber a renda per capita de um país é preciso dividir o PIB pelo número de habitantes, o resultado é a renda per capita, que corresponde ao valor das riquezas que caberia a cada pessoa. Hoje, no Brasil, cerca de 49 milhões recebem até meio salário mínimo per capita, cerca de 54 milhões de brasileiros não possuem rendimento, esses são considerados pobres. As disparidades são explícitas entre regiões e estados brasileiros, no nordeste 51% da população vive com até meio salário mínimo, ao contrário da região sudeste que é de apenas 18%. Outra desigualdade está entre homens e mulheres, pois as mulheres são em média mais pobres que os homens. Hoje no Brasil a renda per capita é de 8.020 dólares, quase a metade da Argentina com 12.460 dólares, isso conforme dados do FMI e do Banco Mundial. RENDA PERCAPITA
  • 21. RIO - O Produto Interno Bruto (PIB) por habitante no Brasil ficou em R$ 15.240,00 em 2008, o que representou uma alta de 4% em relação ao PIB per capita do ano anterior. Em 2007, a expansão do PIB per capita havia sido um pouco maior, de 4,5%, em relação a 2006. O IBGE fez o cálculo por habitante foi feito a partir da divisão do valor do PIB brasileiro em 2008, de R$ 2,9 trilhões, pela população residente na metade do ano, de 189,6 milhões de habitantes. RENDA PER CAPITA
  • 22.
  • 23. EXPECTATIVA DE VIDA São os anos de vida que uma pessoa espera viver em um determinado local.
  • 24. Expectativa de vida Brasil - 2000
  • 25. Expectativa de vida Brasil - 2004
  • 26. Expectativa de vida Brasil - 2007
  • 27.
  • 28. De acordo com a expectativa de vida de uma população pode-se saber a qualidade de vida das pessoas, isso fica evidente porque uma sociedade que possui bons rendimentos, aquisição ao conhecimento, saúde de qualidade e habitação tende a ter uma expectativa de vida maior. Mundo envelhecido, país envelhecido O aumento da proporção de idosos na população é um fenômeno mundial tão profundo que muitos chamam de "revolução demográfica". No último meio século, a expectativa de vida aumentou em cerca de 20 anos. Se considerarmos os últimos dois séculos, ela quase dobrou. E, de acordo com algumas pesquisas, esse processo pode estar longe do fim .
  • 29.
  • 30.
  • 31. Pirâmides etárias da população © Atlas Geográfico do Brasil - Editora Melhoramentos Ltda Direitos para Internet reservados ao UOL - www.uol.com.br/atlas imprimir fechar PIRÂMIDE ETÁRIA
  • 32. Demografia - Redução das taxas de Crescimento e estrutura etária da população brasileira Urbanização e queda das taxas de crescimento O intenso processo de urbanização, verificado no Brasil principalmente a partir da década de 1960, foi o principal responsável pela redução das taxas de fecundidade e a consequentemente queda das taxas de crescimento demográfico.
  • 33. Fatores inibidores A urbanização era o resultado de mudanças estruturais na economia e na sociedade. O Brasil transformava-se num país urbano-industrial e as grandes cidades atraíam um contingente, cada vez maior, de população que antes vivia no meio rural. As mulheres engrossaram o mercado de trabalho urbano e as famílias passaram a dispor de menos tempo para se dedicar aos filhos. Além disso, na cidade as despesas com a criação e formação da criança são maiores que no meio rural, constituindo um fator inibidor para a formação de famílias numerosas.
  • 34. Métodos anticoncepcionais No caso das mulheres mais pobres, a esterilização foi a principal opção adotada. As alternativas de contra- concepção mais utilizadas pelas mulheres brasileiras são, respectivamente: a ligadura de trompas (esterilização), a pílula e a camisinha. Nos países desenvolvidos a ligadura de trompas é o método menos utilizado, sendo mais comum a vasectomia, que é o processo de esterilização masculina, que pode ser reversível.
  • 35. Crescimento populacional e estrutura etária A distribuição da população por faixas de idade em um país é consequência das taxas de crescimento populacional, da expectativa de vida e das migrações. A população é geralmente agrupada em três faixas etárias: jovens (O-14 anos) adultos (15-64 anos) idosos (acima de 65 anos)
  • 36. Estrutura etária em países desenvolvidos Nos países desenvolvidos, a estrutura etária é caracterizada pela presença marcante da população adulta e de uma porcentagem expressiva de idosos, consequência do baixo crescimento vegetativo e da elevada expectativa de vida. Essa situação tem levado a reformas sociais, particularmente, no sistema previdenciário em diversos países do mundo, já que o envelhecimento da população obriga o Estado a destinar boa parte de seus recursos econômicos para a aposentadoria
  • 37. Estrutura etária em países subdesenvolvidos Nos países subdesenvolvidos os jovens superam os adultos e os idosos, consequência do alto crescimento vegetativo e da baixa expectativa de vida. Essa situação coloca os países subdesenvolvidos numa situação de desvantagem, particularmente os pobres que possuem famílias mais numerosas: sustentar um número maior de filhos limita as possibilidades do Estado e da família em oferecer uma formação de boa qualidade, coloca a criança no mercado de trabalho e reproduz o círculo vicioso da pobreza e da miséria ao dificultar a possibilidade de ascensão social futura.
  • 38. Países emergentes – Brasil No caso do Brasil, e de outros países classificados como "emergentes", a proporção de jovens tem diminuído a cada ano, ao passo que o índice da população idosa vem aumentando. Essa é uma das razões das mudanças recentes no sistema de previdência social, com estabelecimento de idade mínima para a aposentadoria e teto máximo para pagamento ao aposentado.
  • 40. Fecundidade Fecundidade da mulher brasileira (Nº médio de filhos que uma mulher teria ao final de sua idade reprodutiva) Em 1970 a mulher brasileira tinha, em média, 5,8 filhos. Trinta anos depois, esta média era de 2,3 filhos.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46. TEORIA MALTHUSIANA Malthus acreditava que o crescimento demográfico iria ultrapassar a capacidade produtiva da terra gerando fome e miséria. Segundo Malthus, as únicas formas de evitar que isso acontecesse seria reduzindo a taxa de natalidade através da proibição de que casais muito jovens tivessem filhos, do controle da quantidade de filhos por família nos países pobres, do aumento do preço dos alimentos e da redução dos salários para forçar as populações mais pobres a ter menos filhos.
  • 47. A “Teoria da População” de Thomas Malthus publicada em 1798 demonstra sua preocupação diante da questão social agravada pela miséria crescente do operariado na Inglaterra. Segundo ele, a população crescia em progressão geométrica, enquanto os meios de subsistência cresciam em progressão aritmética, o que resultava em miséria e pobreza. Malthus era contrário a qualquer intervenção do Estado para tentar resolver o problema e afirmava que isso serviria apenas para estimular o aumento da população e o agravamento da questão. Para ele, a própria natureza seria incumbida de resolver tal problema, pois aumentaria a mortalidade devido à fome.
  • 48.
  • 49. TEORIA NEOMALTHUSIANA E SEU CONTEXTO HISTÓRICO Essa teoria se baseia no crescimento populacional nos países subdesenvolvidos, pois, esse crescimento provocaria a escassez de recursos naturais, o crescimento da pobreza e o desemprego.
  • 50. Para tentar evitar todo esse transtorno para a população, os neomalthusianos elaboraram políticas de controle da natalidade, o conhecido "planejamento familiar". Essa teoria foi originada no final da 2ª Guerra Mundial, quando o crescimento populacional atingiu níveis elevados. Segundo Malthus, a fome, a pobreza e a miséria são consequências do grande número de pessoas e estes só seriam solucionados através de um rigoroso controle de natalidade. Na política implantada com o planejamento familiar, foram distribuídas, anticoncepcionais e feitas esterilizações em massa. Essas idéias reduziram a natalidade, mais geraram muitas críticas.
  • 51. TEORIA REFORMISTA Essa teoria foi elaborada em resposta a teoria neomalthusiana. Segundo a teoria reformista, uma população jovem e numerosa, em virtude de elevadas taxas de natalidade, não é causa, mas conseqüência do subdesenvolvimento. Nos países desenvolvidos, onde o padrão de vida da população é alto, o controle da natalidade ocorre paralelamente a melhoria da qualidade de vida da população e espontaneamente, de uma geração para outra.
  • 52. Marxismo A teoria marxista, formulada pelo filósofo alemão Karl Marx no século 19, dizia que o modo de produção capitalista, baseado na divisão entre classes sociais, gerava as desigualdades e a fome na sociedade. Pois a burguesia, detentora dos meios de produção, está preocupada em garantir a acumulação capitalista e o lucro, e não em suprir as necessidades da população, que depende do salário para subsistir. Segundo a teoria marxista, portanto, não é o crescimento da população em si que gera a miséria, mas a desigualdade social e a forma por meio da qual a sociedade se organiza, a partir do sistema capitalista.
  • 53. Figura 3: Distribuição etária da população brasileira no Censo Demográfico de 1980. Figura 4: Distribuição etária da população brasileira no Censo Demográfico de 1991.