SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 119
Daniel Pereira dos Santos
Historiador
RÁDIO
COMUNITÁRIA
O QUE É?
Quais são as
DATAS
IMPORTANTES
do rádio?
Esta experiência é a brincadeira do telefone de latas que as crianças brincam hoje
em dia e que dá origem ao telefone que mais tarde seria de fato e de direito
desenvolvido por Graham Bell.
1667 – Neste ano o físico inglês
Robert Hooke, realiza a primeira
transmissão de som através de fio
da história, ele demonstrou sua
experiência através de um fio esticado
entre dois diafragmas, onde as ondas
sonoras passavam de um lado a
outro.
1800 – Alessandro Volta, físico italiano, inventa a
pilha elétrica. Ele empilhou discos alternados de
zinco e cobre, separando-os por pedaços de
tecidos embebidos em solução de ácido sulfúrico.
O aparelho produzia corrente elétrica, sempre
que um fio condutor era ligado aos discos de
zinco e de cobre das extremidades.
A partir daí, todos os aparelhos que produziam eletricidade por meio de processos
químicos passaram a ser chamados de: celas voltaicas por conta de
Vollta, pilhas galvânicas por conta de Luigi Galvani.
1840 – Samuel Morse registra a patente do telégrafo elétrico.
Baseado em um código binário de pontos e traços (o
chamado Código Morse), mensagens eram enviadas
rapidamente a grandes distâncias. A repercussão foi imediata,
em pouco tempo o mundo todo estava utilizando o telégrafo.
1850 – Foi construído um cabo submarino sob o canal da mancha ligando
França e Inglaterra para suas transmissões telegráficas.
1858 – Neste ano foram ligados dos cabos submarinos transatlânticos que
realizaram a primeira transmissão telegráfica que ligou Europa à América, mas o
cabo não funcionava adequadamente.
1865 – Em 05 de maio nasce Cândido
Mariano da Silva Rondon. Este dia foi
escolhido para celebrar o “Dia Nacional
das Comunicações” no Brasil, em
homenagem Marechal Rondon, pelo seu
papel importante na difusão dos sistemas
de comunicação no Brasil.
1865 – Em 17 de maio, representantes de 20 países europeus se encontraram
para fundar em Paris a União Telegráfica Internacional. Durante o encontro eles
assinaram a Primeira Convenção Internacional do Telégrafo para controlar a
aquela que se tornaria a primeira rede internacional de telégrafos. Por este motivo
a data deu origem ao dia “Internacional da Comunicação e das
Telecomunicações”.
1866 – Neste ano foi construído o cabo
submarino transatlântico que resolveu os
problemas de transmissões telegráficas
e ligou definitivamente Europa à América.
Reunião UTI em Paris
1876 – Alexander Graham Bell, nascido na
Escócia, patenteia e utiliza, seu invento para
transmitir uma mensagem durante à Exposição
do Centenário da Independência dos Estados
Unidos, na Filadélfia. Na ocasião o teste foi
realizado com o Imperador do Brasil D. Pedro
II, que ficou espantado, quando ouviu
nitidamente pelo aparelho a voz de Graham
Bell e falou a celebre frase "Meu Deus, isso
fala!”. Essa foi a primeira apresentação oficial
do Telefone.
1879 - D. Pedro II autoriza o funcionamento da primeira Empresa de Telefonia no
Brasil. Os primeiros telefones começam a funcionar na cidade do Rio de Janeiro,
ligando a residência Imperial que está situado no Palácio da Quinta da Boa Vista
com as então residências dos ministros de Estado.
Foi a empresa Western and
Brazilian Telegraph Company,
que ficou encarregada de
realizar as instalações e os
planos técnicos iniciais.
1879 – Thomas Edison patenteia a primeira lâmpada elétrica
incandescente de pequeno porte e a fez funcionar 48 horas seguidas
para provar sua invenção. Isso sua influência no desenvolvimento da
eletricidade é muito importante, para o desenvolvimento do rádio.
1883 – Henrich Rudolf Hertz descobre as ondas de rádio, o
rumo da comunicação na humanidade começaria a mudar.
1887 – Nikolas Tesla, desenvolve a
corrente alternada, que é
comprada e patenteada por George
Westinghouse, está descoberta iria
criar o que ficou conhecido como
“Guerra das Correntes”, uma
alusão a briga que houve com
Edson e a corrente continua.
1893 – Padre Roberto Landell de Moura faz a primeira transmissão de
palavra falada sem fios, através de ondas eletromagnéticas, este fato
aconteceu no Brasil, fato que vários brasileiros e mesmo pessoas de outros
países desconhecem.
1896 – Gluglielmo Marconi
realiza as primeiras
transmissões sem fios e
patenteia o transmissor sem fio.
1919 – Primeira transmissão radiofônica oficial brasileira foi na cidade
de Recife.
1920 – A primeira emissora de rádio a operar com licença comercial foi
a KDKA, nos Estados Unidos, na cidade de Pittsburgh, em 1920.
1922 – A primeira emissora foi instalada no Rio
de Janeiro, em sete de Setembro de 1922.
Com um transmissor de 500 watts, da
Westinghouse, no alto do Corcovado.
O primeiro programa foi o discurso do
Presidente Epitácio Pessoa acompanhado dos
Reis da Bélgica, Alberto I e Isabel, que abriu a
Exposição do Centenário da Independência no
Rio de Janeiro.
O discurso de abertura foi transmitido para 80
receptores instalados em Niterói, Petrópolis e
São Paulo. Durante a noite, a ópera O Guarani,
de Carlos Gomes foi transmitida do Teatro
Municipal para alto-falantes instalados na
exposição isso foi assombroso para a
população ali presente.
1923 – Roquette-Pinto e Enrique Morize
fundam a primeira emissora brasileira
Rádio Sociedade do Rio de Janeiro. É
feita a primeira transmissão de rádio em
cadeia no mundo, envolvendo a WEAF e
a WNAC, de Boston. No dia 30 de
novembro é criada a Sociedade Rádio
Educadora Paulista - PRA-E.
1926 – John Logie Baird demonstra o primeiro sistema de televisão do
mundo aos 40 membros do Royal Institution, em Londres, Inglaterra.
1927 – Philo Taylor Farnsworth, inventor estadunidense, tornou-se a
primeira pessoa a transmitir um sinal da televisão com sucesso no
mundo.
1928 – John Logie Baird, demonstra um sistema de televisão em
cores ao mundo.
Ela começa a fazer suas transmissões através de alto falantes estalados
nos postes do centro histórico de João Pessoa, no início eram feitos os
pronunciamentos políticos e ela foi pioneira na transmissão das aulas em
inglês. No futuro se tornaria a Rádio Tabajara.
1930 – Fundada a primeira
estação a retransmissora
de rádio na Paraíba, a
Rádio Clube – PRA8.
Futura PRI-4.
1931 – É fundada a PRB 9 - Rádio Record de São Paulo. No início dos anos 30 o
Brasil já tinha 29 emissoras de rádio, transmitindo óperas, músicas e textos
instrutivos.
1932 – O Governo de Getúlio Vargas autoriza a
publicidade em rádio através do decreto nº 21.111, de
1º de março de 1932, que correspondia a 10% da
programação veiculada. Ademar Casé estreia seu
programa na Rádio Philips. Casé (avô da atriz Regina
Casé) criou o 1º jingle do rádio brasileiro: "Oh!
Padeiro desta rua/Tenha sempre na lembrança/Não
me traga outro pão/Que não seja o pão Bragança...”.
1933 – O americano Edwing Armstrong demonstra o
sistema FM para os executivos da RCA.
1934 – Criada a Rádio Difusora, apelidada de "Som de
Cristal", onde surge o termo "radialista", inventado por
Nicolau Tuma.
1935 – Acontece na Alemanha, a primeira emissão oficial de
TV. Já no Brasil, Assis Chateaubriand inaugura em 25 de
setembro a PRG-3, Rádio Tupi do RJ.
1936 – Roquete-Pinto doa a sua rádio para o Estado, a Rádio
Sociedade do Rio de Janeiro torna-se Rádio MEC.
1939 – O americano Edwin Armstrong inicia operação da primeira
FM em Alpine, New Jersey. No Brasil Almirante ("a maior patente
do rádio!") chamava-se Henrique Foréis Domingues, ele fez
sucesso nas décadas de 30 e 40 e criou o primeiro programa de
auditório do rádio brasileiro, chamado "Caixa de Perguntas“, na
então Rádio Nacional.
1941 – Em 12 de julho começa a transmissão da primeira rádio novela do
País, que foi apresentada durante cerca de três anos, pela PRE-8, Rádio
Nacional do RJ. Era a novela "Em Busca da Felicidade".
A seguir foi a vez de "O Direito de Nascer". Na década de 40 entra no ar o
primeiro jornal falado do rádio brasileiro: o "Grande Jornal Falado Tupi", de
São Paulo. Surge o noticiário mais importante do rádio brasileiro: o
"Repórter Esso".
A primeira transmissão do Repórter Esso, aconteceu às 12h45min do dia
28 de agosto de 1941, quando a voz de Romeu Fernandez anunciou o
ataque de aviões da Alemanha à Normandia, durante a 2ª Guerra Mundial.
1942 – Abelardo Barbosa (Chacrinha) surgiu no final dos anos 30, na PRA-
8 Rádio Clube de Pernambuco. No mesmo ano ele foi para a Rádio
Difusora Fluminense. A partir de então ficou conhecido como Chacrinha,
pois a emissora ficava numa chácara em Niterói. É criado o "Cassino do
Chacrinha".
1946 – Surgem os gravadores de fita
magnética, dando maior agilidade ao rádio.
1958 - Com o objetivo de impulsionar a pesquisa e o desenvolvimento
tecnológico e militar nasceu a Advanced Research Projects Agency
(ARPA) precursora da Internet.
1950 – A TV Tupi é inaugurada em
18 de setembro de 1950 em São
Paulo, trazida por Assis
Chateaubriand. A TV Tupi é o
primeiro canal de Televisão da
América Latina.
1959 - O Velho Guerreiro “Chacrinha” estreia na Televisão. No mesmo
ano surge o Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística
(IBOPE).
1962 – Primeira transmissão via satélite é realizada.
1962 – Em 27 de novembro, é criada a
Associação Brasileira de Rádio e Televisão
(ABERT), entidade de classe que responde
pelas ações dos meios de comunicação
comercial, mais a frente se tornaria uma das
mais importantes e influentes entidades do país.
1965 – O Brasil é integrado no Sistema Intelsat, a comunicação no
nosso país começa a ficar mais fácil e rápida.
1965 – É criado através das ações do Conselho Nacional de
Telecomunicações (CONTEL), a Empresa Brasileira de
Telecomunicações (EMBRATEL), responsável pelas telecomunicações
interestaduais e internacionais.
1965 – É inaugurado o Museu da
Imagem e do Som (MIS) do Rio de
Janeiro.
1967 – Criado no dia 25 de fevereiro o Ministério das
Comunicações, órgão responsável por todas as ações
de comunicação do país. Desde sua criação é um dos
ministérios mais disputados pelos partidos.
1968 – É inaugurada a primeira emissora
educativa do país em Recife Pernambuco,
entra no ar a TV Universitária da Universidade
Federal de Pernambuco (UFPE).
1968 – É instituído pelo presidente
Artur da Costa e Silva após uma
reunião com seus generais e
ministros o Ato Institucional nº 5, no
dia 13 de dezembro, este que é
considerado o pior de todos os atos
institucionais, pois, foi o que
implementou a censura de fato e de
direito no Brasil.
1976 – Devido à expansão e ao conteúdo da
radiodifusão sonora, o Governo mostra sua
preocupação criando, a Empresa Brasileira de
Radiodifusão (RADIOBRÁS), para “organizar
emissoras, operá-las e explorar os serviços de
radiodifusão do Governo Federal”.
1978 - É realizada a ativação da telefonia móvel celular no Japão. As
estações de telefone móvel são interligadas entre si, através dos cabos de
fibra ótica ou por ondas de rádio terrestres e o sinal recebido pelo telefone
móvel vem destas estações montadas pelo país.
1982 – A Rádio Jornal do Brasil é a
pioneira na utilização de discos laser no
Brasil.
1982 – É apresentado nos EUA o primeiro
computador portátil do mundo, o Macintosh, produzido
pelo gênio da informática e dono da APLE Steve Jobs.
1997 – Sancionada a Lei Geral das Telecomunicação (LGT)
9472/1997.
1998 – Sancionada a Lei
9612/98 que passa a
regulamentar o serviço de
radiodifusão comunitária no
Brasil. A lei teve a autoria do
Deputado Fernando Ferro do
PT de Pernambuco.
1999 – Início das ações de rádio
pela AMAZONA (Associação de
Prevenção a AIDS), que daria
origem a mais de meia dúzia de
rádios na região metropolitana de
João Pessoa entre elas: a rádio
Fala Garotada, Independente, Casa
Branca, Sintonia e Alta Estação.
2000 – A Rádio Favela em
Belo Horizonte recebe a
permissão para funcionar
após 20 anos de luta contra a
repressão do Ministério das
telecomunicações e da
Anatel.
2000 – A Entidade Beneficente Evangélica (EBE) junto com a AMAZONA
começa a instalar a Rádio Difusora Fala Garotada com 20 caixas na
Comunidade São Rafael.
2002 – Fechada a primeira rádio comunitária do Brasil no governo Lula,
por coincidência a emissora esta localizada na cidade de Itabaiana no
Estado da Paraíba a Rádio Comunitária Vale do Paraíba FM. O
fechamento repercutiu em nível internacional.
2003 – Foi assinado pelo
então presidente Luiz
Inácio Lula da Silva o
decreto nº 4901 que
instituiu o Sistema Brasileiro
de Televisão Digital
(SBTVD).
2005 – É fundado o Centro Popular
de Cultura e Comunicação (CPCC)
na Comunidade São Rafael, no
bairro do Castelo Branco III, em João
Pessoa na Paraíba, a partir daí a
Rádio Fala Garotada, passa a se
chamar: Rádio Comunitária Voz
Popular, com o jargão “Onde você
faz a diferença”.
2006 – Sancionada a Lei
7.928/06 que passa a
regulamentar o serviço de Rádio
Alternativa a Cabo no estado da
Paraíba, Decreto do então
Governador da Paraíba Cássio
da Cunha Lima do PSDB.
2007 – Neste ano o Brasil começa a implantar o sinal da TV Digital. A
primeira cidade a ser coberta e testar o novo sistema foi à capital do
estado de São Paulo. A Policia Federal e a ANATEL fecham as Rádios
Comunitárias Independente do Timbó e Diversidade do Jardim Veneza na
cidade de João Pessoa.
2009 – É utilizado pela 1ª vez no Estado da Paraíba o sinal da TV digital,
os testes são feitos pelo Sistema Correio de Comunicação e pela Rede
Paraíba de Comunicação.
2009 – São realizadas as duas Primeiras
Conferências Municipais de comunicação
da Cidade de João Pessoa e Campina
Grande, além da 1ª Conferência Estadual
da Paraíba.
2009 – É Realizada 1ª
Conferência Nacional de
Comunicação (CONFECOM)
no Brasil, a conferência contou
com a participação de varias
entidades da área de
comunicação mais a Rede
Globo de Televisão se retirou
da conferência juntamente com
a ABERT.
2011 – Realizado o Sétimo Congresso Nacional da ABRAÇO no Museu Nacional
em Brasília-DF. Pela Primeira vez a entidade consegue reunir radialistas
comunitários de todos os lugares do Brasil, foram mais de 500 emissoras reunidas
em dois dias de debates sobre como o movimento deveria caminhar dali em diante
em nosso país.
2011 – A Radcom Voz Popular,
sai do ar nas caixinhas, após,
todos os equipamentos do
estúdio queimarem. No mesmo
ano entra no ar o site
www.cpcc.webnode.com.br do
CPCC, para manter a
divulgação e produção de
conteúdos da rádio comunitária,
desta vez, através da internet.
2013 – A CCR FM Nova Dutra é o primeiro serviço de FM sincronizado via
satélite dedicado a uma única rodovia. A emissora começou a operar em
julho de 2013, depois de obter aprovação da Agência Nacional de
Telecomunicações (Anatel) para atuar em caráter experimental e
científico.
O estúdio da emissora foi
instalado em Santa Isabel (SP),
de onde irradia seu sinal as 40
antenas de transmissão,
espalhadas ao longo da Via
Dutra.
Ministro do MINICOM em visita a CCR FM Nova Dutra em 2015
2014 – O CPCC, se torna Ponto de
Cultura e com os recursos vindos do
Ministério da Cultura e da FUNJOPE,
reestrutura a Rádio Comunitária Voz
Popular e volta ao ar nas caixinhas e
na web.
2014 – A ABRAÇO-PB e INCUBES-UFPB, promovem Seminário de Comunicação
Comunitária na Paraíba, que mostra resultados obtidos com Projeto PROEXT
RÁDIO desenvolvido nas Radcom Voz Popular, Voz do Povo, Boa Vista e
Independente. A partir deste projeto cada emissora passa a ter, seu site e suas
webradio e webtv.
2015 – Realizado o Oitavo Congresso Nacional da ABRAÇO no Hotel Nacional em
Brasília-DF. A entidade discute o modelo de comunicação atual do país e como as
rádios comunitárias atuarão com a nova direção nacional da ABRAÇO. A Paraíba
continua fazendo parte da coordenação executiva nacional.
Quais são os
TIPOSde rádio?
Rádios FM
Rádios Alternativas a Cabo
Rádios AM
Rádios Educativas
Rádios Estatais
Rádios Piratas
Rádios Comunitárias
Rádios Comercias
Rádios Web
O que é uma
RÁDIO AM
no Brasil?
Rádios AM
A Transmissão AM é o processo de transmissão através do rádio usando Modulação
em Amplitude, ou seja, (Amplitude Modular).
É transmitido em várias bandas de frequência. Foi por oitenta anos o principal método
de transmissão via rádio, ele é caracterizado pelo longo alcance dos sinais, a
frequência AM está sujeita a interferências de outras fontes eletromagnéticas as
primeiras transmissões utilizando a frequência iniciaram-se em 1906 por Reginald
Fessenden.
A situação modificou-se com o surgimento das rádios comerciais, que deram início a
era de ouro do rádio, que foi da década de 20 até os anos 50.
Hoje serão extintas pelo Governo Federal.
CD Player, Mp3,
Computador,
Rádio ou outros
equipamentos
Esquema de uma Rádio AM
Mesa de Som/ Misturador/Mixer DANIEL PEREIRA DOS
SANTOS
Antena
da AM
Cabo
Coaxial 30m
TRANSMISS
OR
DE AM
Cobre para
dissipar o calor da
transmissão
O que é uma
RÁDIO FM
no Brasil?
Rádios FM
FM é a abreviatura para modulação em frequência ou frequência modulada,
(frequency modulation, em inglês). Iniciada nos Estados Unidos no início Século
XX, FM é uma modalidade de radiodifusão que usa a faixa 87,5 MHz a 108 MHz
com modulação em frequência.
Uma rádio em FM apresenta uma ótima qualidade sonora, mas, com limitado
alcance, chegando à média de 100 quilômetros de raio de alcance. Em
condições esporádicas de propagação, é possível sintonizar emissores a centenas
de quilômetros.
A potência dos sistemas de emissão pode variar entre poucos watts (rádios locais)
até centenas de quilowatts, no caso de retransmissores de grande cobertura.
Gerador de Estéreo/
Processador de Áudio
CD Player, Mp3,
Computador,
Rádio ou outros
equipamentos
Torre com
Antena 30m
Esquema de uma Rádio FM
Cabo
Coaxial 30m
Transmissor de FM
Comunitária 25 Watts
Mesa de Som/ Misturador/Mixer DANIEL PEREIRA DOS
SANTOS
O que é uma RÁDIO
COMERCIAL
no Brasil?
Rádios Comerciais
É o serviço de radiodifusão sonora em frequência modulada (FM),
Amplitude Modular (AM), Webradio ou outro meio, direcionado a
empresários de pequeno, médio e grande porte da área de
comunicação.
Nele as concessionárias e permissionárias possuem total liberdade
para a exploração comercial, não esquecendo é claro, os limites da lei.
Rádios Comerciais
Implantado no Brasil no início dos anos 80 o rádio FM, devido a sua
qualidade de áudio estéreo e fácil operacionalidade, rapidamente
difundiu-se superando o então tradicional rádio AM (amplitude
modulada).
Através do FM, anunciantes, ouvintes e concessionários, passaram a
viver uma nova era em radiodifusão no Brasil.
O que é uma
RÁDIO PIRATA
no Brasil?
Rádios Piratas
É necessário saber que bem antes das rádios livres, na própria Europa
já existiam as rádios consideradas “PIRATAS” que eram emissoras
montadas em barcos, que ficavam nas costas dos países europeus,
inicialmente na costa inglesa transmitindo seu conteúdo livremente
sem nenhuma interferência do governo.
Este termo também esta atrelado ao fato das emissoras erguerem
sobre seus mastros bandeiras negras, símbolo dos corsários.
Rádios Piratas
Este tipo de emissora foi tão importante para democratização da
comunicação que gerou um filme chamado: “Piratas do Rock”, que
conta a história de uma destas rádios.
Esta expressão tem força até hoje e muitos ainda criminalizam as
emissoras comunitárias com tal termo.
Rádios Piratas
O que é uma RÁDIO
ESTATAL
no Brasil?
Rádios Estatais
São as emissoras pertencentes ao Poder Público (Municipal, Estadual e
Federal).
Boa parte destas emissoras estatais passou a pertencer ao Estado no
período da Ditadura Militar, quando foram tomadas de seus donos e
incorporadas ao Governo.
Existem várias emissoras estatais no país, exemplo
deste tipo de emissora é a Rádio Tabajara no Estado
da Paraíba, que é o veiculo oficial de comunicação
do Estado.
O que é uma RÁDIO
EDUCATIVA
no Brasil?
Rádios Educativas
Radiodifusão Educativa – Os canais previstos no PBFME (Plano Básico
de Frequência Modulada Educativa) destinam-se exclusivamente para
atender os interesses de entidades dos setores da educação e cultura.
Suas principais características apontam para a divulgação e promoção
de atividades tais como: festas culturais, eventos esportivos, peças
teatrais, produções cinematográficas, coberturas jornalísticas, auxílio a
população em geral, divulgação de notícias de interesse da população
em geral, entre outras de cunho educacional e cultural.
O que é a
Lei 9.612/98
das rádios comunitárias?
Lei 9.612/98
Art. 1º Denomina-se Serviço de Radiodifusão Comunitária a radiodifusão sonora,
em frequência modulada, operada em baixa potência e cobertura restrita,
outorgada a fundações e associações comunitárias, sem fins lucrativos, com
sede na localidade de prestação do serviço.
§ 1º Entende-se por baixa potência o serviço de radiodifusão prestado a
comunidade, com potência limitada a um máximo de 25 watts ERP e altura do
sistema irradiante não superior a trinta metros.
§ 2º Entende-se por cobertura restrita aquela destinada ao atendimento de
determinada comunidade de um bairro e/ou vila
Lei 9.612/98
Art. 3º O Serviço de Radiodifusão Comunitária tem por finalidade o atendimento à comunidade
beneficiada, com vistas a:
I - dar oportunidade à difusão de ideias, elementos de cultura, tradições e hábitos sociais da
comunidade;
II - oferecer mecanismos à formação e integração da comunidade, estimulando o lazer, a cultura e
o convívio social;
III - prestar serviços de utilidade pública, integrando-se aos serviços de defesa civil, sempre que
necessário;
IV - contribuir para o aperfeiçoamento profissional nas áreas de atuação dos jornalistas e
radialistas, de conformidade com a legislação profissional vigente;
V - permitir a capacitação dos cidadãos no exercício do direito de expressão da forma mais
acessível possível.
Art. 4º As emissoras do Serviço de Radiodifusão Comunitária atenderão, em sua
programação, aos seguintes princípios:
I - preferência a finalidades educativas, artísticas, culturais e informativas em benefício do
desenvolvimento geral da comunidade;
II - promoção das atividades artísticas e jornalísticas na comunidade e da integração dos
membros da comunidade atendida;
III - respeito aos valores éticos e sociais da pessoa e da família, favorecendo a integração
dos membros da comunidade atendida;
IV - não discriminação de raça, religião, sexo, preferências sexuais, convicções político-
ideológico-partidárias e condição social nas relações comunitárias.
Lei 9.612/98
Artigo 4º
§ 3º Qualquer cidadão da comunidade beneficiada terá direito a emitir
opiniões sobre quaisquer assuntos abordados na programação da
emissora, bem como manifestar ideias, propostas, sugestões,
reclamações ou reivindicações, devendo observar apenas o momento
adequado da programação para fazê-lo, mediante pedido encaminhado à
Direção responsável pela Rádio Comunitária.
Lei 9.612/98
O que é a RÁDIO
ALTERNATIVA A
CABO
na Paraíba?
Sistema de Som Ambiente (Radiodifusão Alternativa a Cabo)
O Sistema de Radiodifusão Alternativa a Cabo, também conhecida como Rádio Difusora, de
Caixinhas ou de Poste é o serviço de transmissão de áudio via cabo, geralmente utilizada
em comunidades pequenas ou por empresários do meio de comunicação em locais de
comércio.
Basicamente este sistema é constituído de uma Mesa de Som que joga o som para um
Amplificador, que dependendo da distância da rede de caixas, precisará ou não ter um
Transformador Tronco na sua saída, e o mesmo vai repassar para os Cabos que podem
ser fios bicolor ou rígido de telefone, até as Caixas que também podem ou não ter
transformadores de linha dentro delas.
Deve-se sempre tomar cuidado para que as numerações dos postes não fiquem obstruídas,
pois, poderá atrapalhar o trabalho da concessionária que fornece energia elétrica em sua
região, sem contar com uma possível advertência judicial.
Sistema de Som Ambiente (Radiodifusão Alternativa a Cabo)
Este tipo de emissora tem um baixo custo e é de fácil manutenção, mas isso não quer dizer
que qualquer um deva fazê-lo, pois, isso o trabalho de manutenção cabe a um eletricista,
pois, é este profissional é formado e capacitado para tal
Muitos acidentes acontecem, pois, pessoas sem conhecimento tentam fazer os reparos,
alguns são simples, mas outros requerem alguma experiência, então não se arrisque, peça
ajuda antes de fazer algo que não sabe.
O Estado da Paraíba, já possui uma lei que regulamenta este tipo de transmissão de som, é
a LEI 7.928/06.
A Cidade de João Pessoa está discutindo em sua Câmara Municipal baseada na Lei
estadual uma PL que também regulamentará o funcionamento deste sistema na capital
paraibana. É o Projeto de Lei 426/2010 (PL 426/10).
Sistema de Som Ambiente (Radiodifusão Alternativa a Cabo)
Art. 1º Fica regulamentada a atividade de Radiodifusão Alternativa em circuito fechado a
cabo, sendo obrigatório:
I - Toda e qualquer empresa que explore Radiodifusão Alternativa a Cabo terá que ter, na
direção específica de seu funcionamento, um radialista responsável, devidamente registrado
na DRT de sua região, e a referida emissora deverá ter registro no CNPJ, sob o código 7440
(Outros Serviços de Publicidade) ou outro código específico de radiodifusão, atividade
jornalística ou exploração de música ambiente; e
II - Licença de Operação do órgão ambiental correspondente de sua região, Alvará de
Funcionamento e Cadastro obrigatório na APRAC – Associação Paraibana de Rádios
Alternativas a Cabo.
Parágrafo Único. O referido cadastro não implicará filiação obrigatória sob associação, da
empresa com a entidade de classe.
Sistema de Som Ambiente (Radiodifusão Alternativa a Cabo)
DANIEL PEREIRA DOS
SANTOS
CD Player, Mp3,
Computador,
Rádio ou outros
equipamentos
Auto falantes
a partir de 5’’
Cabo de
Telefone / Fio
Bicolor
Mesa de Som/ Misturador/Mixer
DANIEL PEREIRA DOS
SANTOS
Amplificador/ Módulo
2º Ligue o
Estabilizador
3º Ligue o
Computador
4º Ligue a mesa de
som
5º Ligue o
DVD
6º Ligue o distribuidor de
áudio
7º Ligue o
Amplificador
8º ouça o
som das
caixas
1º Ligue o
Disjuntor
O que é a
RADIOWEB
para as radcom?
Rádios Web
Web Rádio, também conhecida como Rádio Via Internet ou Rádio Online é o
serviço de transmissão de áudio via Internet com a tecnologia “Streaming”
que significa: “Fluxo de Mídia”, ela é uma forma de distribuir informação
multimídia numa rede através de pacotes e é frequentemente utilizada para
distribuir conteúdo multimídia através da internet.
Gerando áudio em tempo real, havendo possibilidade de emitir programação
ao vivo ou gravada. Muitas estações tradicionais de rádio transmitem a
mesma programação pelo meio convencional (transmissão analógica por
ondas de rádio, limitado ao alcance do sinal) e também pela Internet,
conseguindo desta forma a possibilidade de alcance global na audiência.
Outras estações transmitem somente via Internet. O custo para criação de
uma web rádio geralmente é bem inferior ao custo de criação de uma rádio
tradicional.
Rádios Web
Para realizar a transmissão de áudio através da Internet é necessário enviar o
áudio para um servidor que irá realizar a codificação apropriada (Encoder) e a
transmissão (Broadcast) aos usuários.
Um dos aplicativos mais conhecidos para transmissão de áudio por streaming é o
SHOUTCAST. Muitas emissoras comerciais usam essa tecnologia para emitir sua
programação também pela Internet.
A INCUBES-UFPB (Incubadora de Empreendimentos Solidários da Universidade
Federal da Paraíba), a partir do ano de 2013 com o Projeto PROEXT RÁDIO
2013, juntamente com as emissoras comunitárias: Independente, Voz Popular,
Boa Vista e Voz do Povo, implantou com as formações na área de RADCOM, as
rádios web e os sites de cada emissora, totalmente gratuitos.
São sites de utilização para webradio e webtv: Ustream, listen2myradio,
Livestream entre outros que surgem a todo momento na internet.
CD Player, Mp3,
Computador,
Rádio ou outros
equipamentos
PROVEDOR
Mesa de Som/ Misturador/Mixer DANIEL PEREIRA DOS
SANTOS
O que é a
CONVERGÊNCIA
DIGITAL
para as rádios?
Convergência Digital
Convergência Tecnológica é um termo que, de uma maneira geral, é
utilizado para designar a tendência de utilização de uma única
infraestrutura de tecnologia para prover serviços que, anteriormente,
requeriam equipamentos, canais de comunicação, protocolos e padrões
independentes.
Faz-se para permitir que o utilizador acesse às informações de qualquer
lugar e através de qualquer meio de comunicação por uma interface
única e as suas evidências revelam-se em muitos sectores, como na
economia, na comunicação, na produção e outros afora.
O “Deutsche Bank Research” define convergência como "um processo
de mudança qualitativa que liga dois ou mais mercados existentes e
anteriormente distintos”.
Convergência Digital
As tecnologias envolvidas no processo de convergência são, de forma
geral, tecnologias modernas de telecomunicações tais como
rádio, televisão, redes de computadores e de telefonia.
Embora todos os horizontes apontem agora para outro tipo de
convergência, mais alargada e cujas oportunidades de aplicação são
ainda mais abrangentes do que as da Web, o encontro entre
a nanotecnologia, biotecnologia e tecnologia da informação, a atenção
deste artigo visa apenas a convergência em telecomunicações.
Provavelmente o histórico das tecnologias em convergência inicia-se com
o desenvolvimento da rede telefônica tradicional, comutada por circuitos,
que serviu de base para a prestação dos primeiros serviços de maneira
convergente.
O que são as
INTERFERÊNCIAS
no Rádio?
Interferência
30 M
Quais são as
ENTIDADES DE
CLASSE das rádios?
APRAC APRAÇO
Quais são as
ENTIDADES DE
FISCALIZAÇÃO
das rádios?
Quantas são as
RADCOM
no Brasil e na Paraíba?
FONTE: http://artigo19.org/obscomcom/radcom/mapa/
• Rádio com licença definitiva (105)
• Rádio com licença provisória (27)
• Rádio outorgadas, sem licença (1)
Emissoras RADCOM (01)
Emissora RAC +- (30)
Emissoras AM/FM (02)
Emissora de TV (01)
Rádio a Cabo (02)
Amplificadora (01)
Quais são os
SOFTWARES
usados nas rádios?
Software
Zararádio: é um programa de automação para rádio que foi desenvolvido a partir
da plataforma de outro programa de automação o Raduga.
Audacity: o Audacity é um editor de áudio freeware, ou seja, assim como o zara
um software gratuito, ele vários recursos e é muito intuitivo de fácil acesso para
iniciantes e avançados.
Any Vídeo Convertr: Any Vídeo (Áudio) Converter é um programa que extrai
áudio de vídeos para os formatos mais populares hoje.
Freerip: é um programa Free que converte áudio de forma simples e eficaz.
Quais são os
TIPOS DE
PROGRAMAS
nas rádios?
Tipos de Programas
Serviço – Ofertas de emprego, festas de aniversário de gente da
comunidade, reuniões de moradores, encontros, etc. As notas de serviço
podem ser encaixadas durante a programação da rádio a qualquer hora
do dia. São elas que fazem a integração da rádio comunitária com a
comunidade.
Jornal – Noticiários curtos ou de maior densidade.
Debates – É o momento em que os temas que interessam à comunidade
podem ser aprofundados.
Tipos de Programas
Entrevistas – Os programas de entrevista podem ser feitos com
autoridades locais ou gente do povo. A escolha deve ser feita sempre
baseada no interesse da comunidade.
Esportes – Programa que estimule a prática esportiva na comunidade, a
prática de esporte faz bem ao corpo, à saúde e à mente. Procure dar
visibilidade a todos os esportes e não só ao futebol, como geralmente
acontece nos meios de comunicação.
Tipos de Programas
Musical – Os programas musicais devem promover o bom gosto, a arte e a cultura
na comunidade. Devem valorizar o artista local (cuidado com o artista local que
reproduz o mau gosto). O produtor de um programa de música deve estudar,
pesquisar, conhecer o tema.
Revista – É o programa balaio: tem de tudo um pouco. Música, debates,
entrevistas, reportagens, entre outros.
Radionovela – É o formato da novela que conhecemos na televisão, mas que
aborda temas ligados ao dia-a-dia das pessoas. Deve possuir conteúdos
educativos, que convidem a comunidade à reflexão.
Onde achar
CONTEÚDOS
sobre Radcom?
Referências Bibliográficas
ALFONSIN, Jacques Távora. Cidadania e Participação Popular. In: Revista de Estudos Jurídicos,
vol. 31, nº 83, p. 66-67, São Leopoldo: 1998.
BOLAÑO, César Ricardo Siqueira, et al: apoio técnico: Universidade Federal de Sergipe
Departamento de Economia, Políticas de Comunicação e Economia Política das Telecomunicações
no Brasil. CONVERGÊNCIA, REGIONALIZAÇÃO E REFORMA. Segunda Edição, Aracaju-Al:
2003.
BRASIL, Congresso Nacional. Câmara dos Deputados. Comissão de Ciência e tecnologia,
comunicação e informática, subcomissão especial de radiodifusão, Revisão das normas de
concessão, permissão e autorização, Brasília: 2009.
CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. Livros proibidos, idéias malditas: o Deops e as minorias
silenciadas. São Paulo, Estação Liberdade, 1997.
GARCIA, Nélson Jhar. Estado novo, ideologia e propaganda política. 1ª ed. Em eBooks: 2005.
Referências Bibliográficas
GOMES, Meyrilane da Silva. Rádio comunitária: A reação da comunidade de São Rafael com sua
rádio comunitária. Revista Eletrônica Temática: 2008.
RATTON, Helvécio. UMA ONDA NO AR. Belo Horizonte: Quimera Filmes, 2002.
INTERVOZES - Coletivo Brasil de Comunicação Social. Vozes da Democracia: histórias da
comunicação na redemocratização do Brasil. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo.
2006.
MOZART. Fábio, Democracia no ar, João Pessoa: INPREL, 2008.
SANTOS, Rosangela de Souza. Rádio Comunitária: um canal de expressão e participação do
povo. João Pessoa-PB: UFPB, 2009.
SANTOS, Daniel Pereira dos. O Rádio e a Mudança Comunitária. Pará de Minas-MG. Editora
Virtual Book, 2013.
Referências Bibliográficas
Página oficial da ABRAÇO Paraíba, disponível em: < http://abracopb.webnode.com>. Acesso em
08-04-2014 as 15:56:43.
Página oficial da AMAZONA, disponível em: <http://www.amazona.org.br>. Acesso em 08-03-2014
as 15:56:43.
Página oficial da ANATEL, disponível em: <http://www.anatel.gov.br>. Acesso em 08-03-2014 as
15:56:43.
Página oficial da Associação Brasileira de Normas Técnicas, disponível em:
<http://www.abnt.org.br>. Acesso em 08-03-2014 as 15:56:43.
Página oficial da Rádio Livre.Org, disponível em: <http://www.radiolivre.org>. Acesso em 08-03-
2014 as 15:56:43.
Página oficial do Brasil Escola, disponível em:
<http://www.brasilescola.com/fisica/eletricidade.htm>. Acesso em 08-03-2014 as 15:56:43.
Referências Bibliográficas
Página oficial do Ministério das telecomunicações, disponível em: <http://www.mc.gov.br>. Acesso
em 08-03-2014 as 15:56:43.
Site oficial da Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária, disponível em:
<http://www.abraconacional.org>. Acesso em 08-03-2014 as 15:56:43.
Site oficial da Rádio Tabajara, disponível em: <http://www.radiotabajara.com.br>. Acesso em 08-03-
2014 as 15:56:43.
Site oficial do Centro Popular de Cultura e Comunicação, disponível em:
<http://www.cpcc.webnode.com.br>. Acesso em 08-03-2014 as 15:56:43.
Site oficial do Estado da Paraíba, disponível em: <http://www.paraiba.pb.gov.br>. Acesso em 08-03-
2014 as 15:56:43.
UFRN. Documentário Democratização FM. Natal-RN: DECOM, 2009.
Fone: (83) 9 8854 – 8148
E-mail
danielpereiraradio@gmail.com
danielsantosradio@hotmail.com
CPCC
Rua Arquivista Jonathas Carecas, nº 110,
Comunidade São Rafael, João Pessoa,
Paraíba.
Fone: (83) 9 8886 - 6277
E-mail: cpcc.org.br@gmail.com
Site: www.cpcc.webnode.com.br
Site: www.abracopb.webnode.com
Site: http://corais.org/danielfaculdades

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação - História da TV
Apresentação - História da TVApresentação - História da TV
Apresentação - História da TVLayla Balconi
 
Roteiro de Documentário
Roteiro de DocumentárioRoteiro de Documentário
Roteiro de DocumentárioLuciano Dias
 
Pré produção audiovisual
Pré produção audiovisualPré produção audiovisual
Pré produção audiovisualMarcioveras
 
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdfPRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdfUNIP. Universidade Paulista
 
História do rádio no Brasil
História do rádio no BrasilHistória do rádio no Brasil
História do rádio no BrasilEdenilson Morais
 
Signos | Semiótica: símbolo, índice e ícone
Signos | Semiótica: símbolo, índice e íconeSignos | Semiótica: símbolo, índice e ícone
Signos | Semiótica: símbolo, índice e íconeThaís Rodrigues
 
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduoComunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduoPedro Alves
 
Pre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e Storyboard
Pre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e StoryboardPre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e Storyboard
Pre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e StoryboardPedro Almeida
 
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)Mauricio Mallet Duprat
 
Jornalismo Hiperlocal - Ideias e ferramentas para criar novos produtos e cont...
Jornalismo Hiperlocal - Ideias e ferramentas para criar novos produtos e cont...Jornalismo Hiperlocal - Ideias e ferramentas para criar novos produtos e cont...
Jornalismo Hiperlocal - Ideias e ferramentas para criar novos produtos e cont...Alexandre Gonçalves
 

Mais procurados (20)

Animação 1 - Storyboard
Animação 1 - StoryboardAnimação 1 - Storyboard
Animação 1 - Storyboard
 
Como se faz uma introdução
Como se faz uma introduçãoComo se faz uma introdução
Como se faz uma introdução
 
Aula 3 PAUTA
Aula 3   PAUTAAula 3   PAUTA
Aula 3 PAUTA
 
Apresentação - História da TV
Apresentação - História da TVApresentação - História da TV
Apresentação - História da TV
 
Roteiro de Documentário
Roteiro de DocumentárioRoteiro de Documentário
Roteiro de Documentário
 
Pré produção audiovisual
Pré produção audiovisualPré produção audiovisual
Pré produção audiovisual
 
Rtp
RtpRtp
Rtp
 
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdfPRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdf
 
Tecnicas de reportagem
Tecnicas de reportagemTecnicas de reportagem
Tecnicas de reportagem
 
História do rádio no Brasil
História do rádio no BrasilHistória do rádio no Brasil
História do rádio no Brasil
 
Signos | Semiótica: símbolo, índice e ícone
Signos | Semiótica: símbolo, índice e íconeSignos | Semiótica: símbolo, índice e ícone
Signos | Semiótica: símbolo, índice e ícone
 
Comunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduoComunicação e o indivíduo
Comunicação e o indivíduo
 
Pautas e fontes
Pautas e fontesPautas e fontes
Pautas e fontes
 
AULA 2 - PROJETO EDITORIAL
AULA 2 - PROJETO EDITORIALAULA 2 - PROJETO EDITORIAL
AULA 2 - PROJETO EDITORIAL
 
A pauta
A pautaA pauta
A pauta
 
Aula reportagem tv
Aula reportagem tvAula reportagem tv
Aula reportagem tv
 
Pre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e Storyboard
Pre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e StoryboardPre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e Storyboard
Pre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e Storyboard
 
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
 
Jornalismo Hiperlocal - Ideias e ferramentas para criar novos produtos e cont...
Jornalismo Hiperlocal - Ideias e ferramentas para criar novos produtos e cont...Jornalismo Hiperlocal - Ideias e ferramentas para criar novos produtos e cont...
Jornalismo Hiperlocal - Ideias e ferramentas para criar novos produtos e cont...
 
A entrevista
A entrevistaA entrevista
A entrevista
 

Destaque

A participação popular em uma rádio comunitária - um estudo de caso da Melodi...
A participação popular em uma rádio comunitária - um estudo de caso da Melodi...A participação popular em uma rádio comunitária - um estudo de caso da Melodi...
A participação popular em uma rádio comunitária - um estudo de caso da Melodi...Isaac Coelho
 
Audacity - Tutorial
Audacity - TutorialAudacity - Tutorial
Audacity - Tutorialrtvunb
 
01 emissora de radio comunitaria 1 pronto pra internet
01   emissora de radio comunitaria  1 pronto  pra  internet01   emissora de radio comunitaria  1 pronto  pra  internet
01 emissora de radio comunitaria 1 pronto pra internetsolrac2012
 
APRESENTAÇÃO RÁDIO COMUNITÁRIA VOZ POPULAR
APRESENTAÇÃO RÁDIO COMUNITÁRIA VOZ POPULARAPRESENTAÇÃO RÁDIO COMUNITÁRIA VOZ POPULAR
APRESENTAÇÃO RÁDIO COMUNITÁRIA VOZ POPULARINSTITUTO VOZ POPULAR
 
TCC Rádios Comunitárias
TCC Rádios ComunitáriasTCC Rádios Comunitárias
TCC Rádios ComunitáriasLeandro Destro
 
Resumo 02 slides - disciplina técnicas de produção de vídeo para tv - pós m...
Resumo 02   slides - disciplina técnicas de produção de vídeo para tv - pós m...Resumo 02   slides - disciplina técnicas de produção de vídeo para tv - pós m...
Resumo 02 slides - disciplina técnicas de produção de vídeo para tv - pós m...Erika Zuza
 
Radio comunitaria (IPC)
Radio comunitaria (IPC)Radio comunitaria (IPC)
Radio comunitaria (IPC)NANCY OJEDA
 

Destaque (20)

Lei 7.928 2006 lei da rac
Lei 7.928 2006 lei da racLei 7.928 2006 lei da rac
Lei 7.928 2006 lei da rac
 
Lei 9.612 98 RADCOM
Lei 9.612 98 RADCOMLei 9.612 98 RADCOM
Lei 9.612 98 RADCOM
 
APRESENTAÇÃO - WEB RÁDIO
APRESENTAÇÃO - WEB RÁDIOAPRESENTAÇÃO - WEB RÁDIO
APRESENTAÇÃO - WEB RÁDIO
 
Mídias e meios de comunicação rádio
Mídias e meios de comunicação   rádioMídias e meios de comunicação   rádio
Mídias e meios de comunicação rádio
 
MK nas Ondas do Rádio
MK nas Ondas do RádioMK nas Ondas do Rádio
MK nas Ondas do Rádio
 
A participação popular em uma rádio comunitária - um estudo de caso da Melodi...
A participação popular em uma rádio comunitária - um estudo de caso da Melodi...A participação popular em uma rádio comunitária - um estudo de caso da Melodi...
A participação popular em uma rádio comunitária - um estudo de caso da Melodi...
 
Audacity - Tutorial
Audacity - TutorialAudacity - Tutorial
Audacity - Tutorial
 
01 emissora de radio comunitaria 1 pronto pra internet
01   emissora de radio comunitaria  1 pronto  pra  internet01   emissora de radio comunitaria  1 pronto  pra  internet
01 emissora de radio comunitaria 1 pronto pra internet
 
APRESENTAÇÃO RÁDIO COMUNITÁRIA VOZ POPULAR
APRESENTAÇÃO RÁDIO COMUNITÁRIA VOZ POPULARAPRESENTAÇÃO RÁDIO COMUNITÁRIA VOZ POPULAR
APRESENTAÇÃO RÁDIO COMUNITÁRIA VOZ POPULAR
 
Tipos de radios
Tipos de radiosTipos de radios
Tipos de radios
 
TCC Rádios Comunitárias
TCC Rádios ComunitáriasTCC Rádios Comunitárias
TCC Rádios Comunitárias
 
Anos80
Anos80Anos80
Anos80
 
Resumo 02 slides - disciplina técnicas de produção de vídeo para tv - pós m...
Resumo 02   slides - disciplina técnicas de produção de vídeo para tv - pós m...Resumo 02   slides - disciplina técnicas de produção de vídeo para tv - pós m...
Resumo 02 slides - disciplina técnicas de produção de vídeo para tv - pós m...
 
Porque Ter Programas De RáDio
Porque Ter Programas De RáDioPorque Ter Programas De RáDio
Porque Ter Programas De RáDio
 
Nas ondas do rádio projeto pptx
Nas ondas do rádio projeto pptxNas ondas do rádio projeto pptx
Nas ondas do rádio projeto pptx
 
Nas ondas do rádio projeto
Nas ondas do rádio projetoNas ondas do rádio projeto
Nas ondas do rádio projeto
 
Radio comunitaria
Radio comunitariaRadio comunitaria
Radio comunitaria
 
Comunicação produção rádio e tv
Comunicação  produção rádio e tvComunicação  produção rádio e tv
Comunicação produção rádio e tv
 
Radio comunitaria (IPC)
Radio comunitaria (IPC)Radio comunitaria (IPC)
Radio comunitaria (IPC)
 
A era do rádio no brasil
A era do rádio no brasilA era do rádio no brasil
A era do rádio no brasil
 

Semelhante a APRESENTAÇÃO SOBRE RÁDIOS COMUNITÁRIAS

História do rádio
História do rádioHistória do rádio
História do rádioJúlio Rocha
 
Tecnologia do Audiovisual - 13/4/2017
Tecnologia do Audiovisual - 13/4/2017Tecnologia do Audiovisual - 13/4/2017
Tecnologia do Audiovisual - 13/4/2017Renato Cruz
 
O radio no mundo
O radio no mundo O radio no mundo
O radio no mundo Cláudia
 
Evolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass mediaEvolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass mediaAntonia Mendes
 
A historiado rádionobrasiversao 20112
A historiado rádionobrasiversao 20112A historiado rádionobrasiversao 20112
A historiado rádionobrasiversao 20112Rafachinelato
 
Negócios em Cinema e Audiovisual - 2/9/2019
Negócios em Cinema e Audiovisual - 2/9/2019Negócios em Cinema e Audiovisual - 2/9/2019
Negócios em Cinema e Audiovisual - 2/9/2019Renato Cruz
 
Negócios em Cinema e Audiovisual - 28/2/2019
Negócios em Cinema e Audiovisual - 28/2/2019Negócios em Cinema e Audiovisual - 28/2/2019
Negócios em Cinema e Audiovisual - 28/2/2019Renato Cruz
 
Tecnologia e Negócios de Rádio e TV - 17/2/2014
Tecnologia e Negócios de Rádio e TV - 17/2/2014Tecnologia e Negócios de Rádio e TV - 17/2/2014
Tecnologia e Negócios de Rádio e TV - 17/2/2014Renato Cruz
 
Rádio trabalho filo br
Rádio trabalho filo brRádio trabalho filo br
Rádio trabalho filo breTirloni
 
Rádio bla bla bla
Rádio bla bla blaRádio bla bla bla
Rádio bla bla blaeTirloni
 
Evolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass mediaEvolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass mediaAntonia Mendes
 
Evolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass mediaEvolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass mediaAntonia Mendes
 
Evolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass mediaEvolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass mediaAntonia Mendes
 
Evolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass mediaEvolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass mediaAntonia Mendes
 
Evolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass mediaEvolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass mediaAntonia Mendes
 
Evolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass mediaEvolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass mediaAntonia Mendes
 
Tecnologia e Negócios de Rádio e TV - 12/8/2013
Tecnologia e Negócios de Rádio e TV - 12/8/2013Tecnologia e Negócios de Rádio e TV - 12/8/2013
Tecnologia e Negócios de Rádio e TV - 12/8/2013Renato Cruz
 
Radiojornalismo
RadiojornalismoRadiojornalismo
RadiojornalismoKaren Sica
 
Jb news informativo nr. 1164
Jb news   informativo nr. 1164Jb news   informativo nr. 1164
Jb news informativo nr. 1164JBNews
 

Semelhante a APRESENTAÇÃO SOBRE RÁDIOS COMUNITÁRIAS (20)

História do rádio
História do rádioHistória do rádio
História do rádio
 
Tecnologia do Audiovisual - 13/4/2017
Tecnologia do Audiovisual - 13/4/2017Tecnologia do Audiovisual - 13/4/2017
Tecnologia do Audiovisual - 13/4/2017
 
O radio no mundo
O radio no mundo O radio no mundo
O radio no mundo
 
Evolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass mediaEvolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass media
 
A historiado rádionobrasiversao 20112
A historiado rádionobrasiversao 20112A historiado rádionobrasiversao 20112
A historiado rádionobrasiversao 20112
 
Rádiooo
RádioooRádiooo
Rádiooo
 
Negócios em Cinema e Audiovisual - 2/9/2019
Negócios em Cinema e Audiovisual - 2/9/2019Negócios em Cinema e Audiovisual - 2/9/2019
Negócios em Cinema e Audiovisual - 2/9/2019
 
Negócios em Cinema e Audiovisual - 28/2/2019
Negócios em Cinema e Audiovisual - 28/2/2019Negócios em Cinema e Audiovisual - 28/2/2019
Negócios em Cinema e Audiovisual - 28/2/2019
 
Tecnologia e Negócios de Rádio e TV - 17/2/2014
Tecnologia e Negócios de Rádio e TV - 17/2/2014Tecnologia e Negócios de Rádio e TV - 17/2/2014
Tecnologia e Negócios de Rádio e TV - 17/2/2014
 
Rádio trabalho filo br
Rádio trabalho filo brRádio trabalho filo br
Rádio trabalho filo br
 
Rádio bla bla bla
Rádio bla bla blaRádio bla bla bla
Rádio bla bla bla
 
Evolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass mediaEvolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass media
 
Evolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass mediaEvolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass media
 
Evolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass mediaEvolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass media
 
Evolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass mediaEvolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass media
 
Evolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass mediaEvolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass media
 
Evolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass mediaEvolução tecnológica dos mass media
Evolução tecnológica dos mass media
 
Tecnologia e Negócios de Rádio e TV - 12/8/2013
Tecnologia e Negócios de Rádio e TV - 12/8/2013Tecnologia e Negócios de Rádio e TV - 12/8/2013
Tecnologia e Negócios de Rádio e TV - 12/8/2013
 
Radiojornalismo
RadiojornalismoRadiojornalismo
Radiojornalismo
 
Jb news informativo nr. 1164
Jb news   informativo nr. 1164Jb news   informativo nr. 1164
Jb news informativo nr. 1164
 

Mais de INSTITUTO VOZ POPULAR

APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULAR
APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULARAPRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULAR
APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULARINSTITUTO VOZ POPULAR
 
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIAS
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIASMODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIAS
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIASINSTITUTO VOZ POPULAR
 
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCC
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCCREGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCC
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCCINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTE
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTEAPRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTE
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTEINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIALAPRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIALINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - CONSELHO GESTOR BCD
APRESENTAÇÃO - CONSELHO GESTOR BCDAPRESENTAÇÃO - CONSELHO GESTOR BCD
APRESENTAÇÃO - CONSELHO GESTOR BCDINSTITUTO VOZ POPULAR
 
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)INSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIAS
APRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIASAPRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIAS
APRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIASINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCD
APRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCDAPRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCD
APRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCDINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - BANCOS COMUNITÁRIOS
APRESENTAÇÃO - BANCOS COMUNITÁRIOSAPRESENTAÇÃO - BANCOS COMUNITÁRIOS
APRESENTAÇÃO - BANCOS COMUNITÁRIOSINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - MAPEAMENTO SOCIOECONÔMICO
APRESENTAÇÃO - MAPEAMENTO SOCIOECONÔMICOAPRESENTAÇÃO - MAPEAMENTO SOCIOECONÔMICO
APRESENTAÇÃO - MAPEAMENTO SOCIOECONÔMICOINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCD
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCDAPRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCD
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCDINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIROAPRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIROINSTITUTO VOZ POPULAR
 
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUALAPRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUALINSTITUTO VOZ POPULAR
 
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTELISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTEINSTITUTO VOZ POPULAR
 
PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)
PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)
PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)INSTITUTO VOZ POPULAR
 

Mais de INSTITUTO VOZ POPULAR (20)

APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULAR
APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULARAPRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULAR
APRESENTAÇÃO DO INSTITUTO VOZ POPULAR
 
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIAS
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIASMODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIAS
MODELO DE ESTATUTO SOCIAL PARA RÁDIOS COMUNITÁRIAS
 
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCC
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCCREGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCC
REGIMENTO INTERNO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DO CPCC
 
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTE
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTEAPRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTE
APRESENTAÇÃO - COMO MONTAR UMA RÁDIO POSTE
 
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIALAPRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
APRESENTAÇÃO - EMPREENDEDORISMO SOCIAL
 
APRESENTAÇÃO - CONSELHO GESTOR BCD
APRESENTAÇÃO - CONSELHO GESTOR BCDAPRESENTAÇÃO - CONSELHO GESTOR BCD
APRESENTAÇÃO - CONSELHO GESTOR BCD
 
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)
LEI nº 6.615 78 (PROFISSÃO DO RADIALISTA)
 
APRESENTAÇÃO - NOTA DE $ 100
APRESENTAÇÃO - NOTA DE $ 100APRESENTAÇÃO - NOTA DE $ 100
APRESENTAÇÃO - NOTA DE $ 100
 
APRESENTAÇÃO E-DINHEIRO
APRESENTAÇÃO  E-DINHEIROAPRESENTAÇÃO  E-DINHEIRO
APRESENTAÇÃO E-DINHEIRO
 
APRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIAS
APRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIASAPRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIAS
APRESENTAÇÃO - FINANÇAS SOLIDÁRIAS
 
APRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCD
APRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCDAPRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCD
APRESENTAÇÃO - ENTIDADE GESTORA DO BCD
 
APRESENTAÇÃO CAC
APRESENTAÇÃO CACAPRESENTAÇÃO CAC
APRESENTAÇÃO CAC
 
APRESENTAÇÃO - BANCOS COMUNITÁRIOS
APRESENTAÇÃO - BANCOS COMUNITÁRIOSAPRESENTAÇÃO - BANCOS COMUNITÁRIOS
APRESENTAÇÃO - BANCOS COMUNITÁRIOS
 
APRESENTAÇÃO - MAPEAMENTO SOCIOECONÔMICO
APRESENTAÇÃO - MAPEAMENTO SOCIOECONÔMICOAPRESENTAÇÃO - MAPEAMENTO SOCIOECONÔMICO
APRESENTAÇÃO - MAPEAMENTO SOCIOECONÔMICO
 
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCD
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCDAPRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCD
APRESENTAÇÃO - POLÍTICA DE CRÉDITO PARA BCD
 
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIROAPRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
 
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUALAPRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
APRESENTAÇÃO - MEI DECLARAÇÃO ANUAL
 
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTELISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE
LISTA DE BANCOS COMUNITÁRIOS DE DESENVOLVIMENTO DO NORDESTE
 
APRESENTAÇÃO SOBRE MEI
APRESENTAÇÃO SOBRE MEIAPRESENTAÇÃO SOBRE MEI
APRESENTAÇÃO SOBRE MEI
 
PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)
PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)
PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº , DE 2007 (Da Sra. Luiza Erundina)
 

Último

Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persafelipescherner
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 

APRESENTAÇÃO SOBRE RÁDIOS COMUNITÁRIAS

  • 1. Daniel Pereira dos Santos Historiador RÁDIO COMUNITÁRIA O QUE É?
  • 3. Esta experiência é a brincadeira do telefone de latas que as crianças brincam hoje em dia e que dá origem ao telefone que mais tarde seria de fato e de direito desenvolvido por Graham Bell. 1667 – Neste ano o físico inglês Robert Hooke, realiza a primeira transmissão de som através de fio da história, ele demonstrou sua experiência através de um fio esticado entre dois diafragmas, onde as ondas sonoras passavam de um lado a outro.
  • 4. 1800 – Alessandro Volta, físico italiano, inventa a pilha elétrica. Ele empilhou discos alternados de zinco e cobre, separando-os por pedaços de tecidos embebidos em solução de ácido sulfúrico. O aparelho produzia corrente elétrica, sempre que um fio condutor era ligado aos discos de zinco e de cobre das extremidades. A partir daí, todos os aparelhos que produziam eletricidade por meio de processos químicos passaram a ser chamados de: celas voltaicas por conta de Vollta, pilhas galvânicas por conta de Luigi Galvani.
  • 5. 1840 – Samuel Morse registra a patente do telégrafo elétrico. Baseado em um código binário de pontos e traços (o chamado Código Morse), mensagens eram enviadas rapidamente a grandes distâncias. A repercussão foi imediata, em pouco tempo o mundo todo estava utilizando o telégrafo. 1850 – Foi construído um cabo submarino sob o canal da mancha ligando França e Inglaterra para suas transmissões telegráficas. 1858 – Neste ano foram ligados dos cabos submarinos transatlânticos que realizaram a primeira transmissão telegráfica que ligou Europa à América, mas o cabo não funcionava adequadamente.
  • 6. 1865 – Em 05 de maio nasce Cândido Mariano da Silva Rondon. Este dia foi escolhido para celebrar o “Dia Nacional das Comunicações” no Brasil, em homenagem Marechal Rondon, pelo seu papel importante na difusão dos sistemas de comunicação no Brasil.
  • 7. 1865 – Em 17 de maio, representantes de 20 países europeus se encontraram para fundar em Paris a União Telegráfica Internacional. Durante o encontro eles assinaram a Primeira Convenção Internacional do Telégrafo para controlar a aquela que se tornaria a primeira rede internacional de telégrafos. Por este motivo a data deu origem ao dia “Internacional da Comunicação e das Telecomunicações”. 1866 – Neste ano foi construído o cabo submarino transatlântico que resolveu os problemas de transmissões telegráficas e ligou definitivamente Europa à América. Reunião UTI em Paris
  • 8. 1876 – Alexander Graham Bell, nascido na Escócia, patenteia e utiliza, seu invento para transmitir uma mensagem durante à Exposição do Centenário da Independência dos Estados Unidos, na Filadélfia. Na ocasião o teste foi realizado com o Imperador do Brasil D. Pedro II, que ficou espantado, quando ouviu nitidamente pelo aparelho a voz de Graham Bell e falou a celebre frase "Meu Deus, isso fala!”. Essa foi a primeira apresentação oficial do Telefone.
  • 9. 1879 - D. Pedro II autoriza o funcionamento da primeira Empresa de Telefonia no Brasil. Os primeiros telefones começam a funcionar na cidade do Rio de Janeiro, ligando a residência Imperial que está situado no Palácio da Quinta da Boa Vista com as então residências dos ministros de Estado. Foi a empresa Western and Brazilian Telegraph Company, que ficou encarregada de realizar as instalações e os planos técnicos iniciais.
  • 10. 1879 – Thomas Edison patenteia a primeira lâmpada elétrica incandescente de pequeno porte e a fez funcionar 48 horas seguidas para provar sua invenção. Isso sua influência no desenvolvimento da eletricidade é muito importante, para o desenvolvimento do rádio.
  • 11. 1883 – Henrich Rudolf Hertz descobre as ondas de rádio, o rumo da comunicação na humanidade começaria a mudar.
  • 12. 1887 – Nikolas Tesla, desenvolve a corrente alternada, que é comprada e patenteada por George Westinghouse, está descoberta iria criar o que ficou conhecido como “Guerra das Correntes”, uma alusão a briga que houve com Edson e a corrente continua.
  • 13. 1893 – Padre Roberto Landell de Moura faz a primeira transmissão de palavra falada sem fios, através de ondas eletromagnéticas, este fato aconteceu no Brasil, fato que vários brasileiros e mesmo pessoas de outros países desconhecem.
  • 14. 1896 – Gluglielmo Marconi realiza as primeiras transmissões sem fios e patenteia o transmissor sem fio. 1919 – Primeira transmissão radiofônica oficial brasileira foi na cidade de Recife. 1920 – A primeira emissora de rádio a operar com licença comercial foi a KDKA, nos Estados Unidos, na cidade de Pittsburgh, em 1920.
  • 15. 1922 – A primeira emissora foi instalada no Rio de Janeiro, em sete de Setembro de 1922. Com um transmissor de 500 watts, da Westinghouse, no alto do Corcovado. O primeiro programa foi o discurso do Presidente Epitácio Pessoa acompanhado dos Reis da Bélgica, Alberto I e Isabel, que abriu a Exposição do Centenário da Independência no Rio de Janeiro. O discurso de abertura foi transmitido para 80 receptores instalados em Niterói, Petrópolis e São Paulo. Durante a noite, a ópera O Guarani, de Carlos Gomes foi transmitida do Teatro Municipal para alto-falantes instalados na exposição isso foi assombroso para a população ali presente.
  • 16. 1923 – Roquette-Pinto e Enrique Morize fundam a primeira emissora brasileira Rádio Sociedade do Rio de Janeiro. É feita a primeira transmissão de rádio em cadeia no mundo, envolvendo a WEAF e a WNAC, de Boston. No dia 30 de novembro é criada a Sociedade Rádio Educadora Paulista - PRA-E.
  • 17. 1926 – John Logie Baird demonstra o primeiro sistema de televisão do mundo aos 40 membros do Royal Institution, em Londres, Inglaterra.
  • 18. 1927 – Philo Taylor Farnsworth, inventor estadunidense, tornou-se a primeira pessoa a transmitir um sinal da televisão com sucesso no mundo. 1928 – John Logie Baird, demonstra um sistema de televisão em cores ao mundo.
  • 19. Ela começa a fazer suas transmissões através de alto falantes estalados nos postes do centro histórico de João Pessoa, no início eram feitos os pronunciamentos políticos e ela foi pioneira na transmissão das aulas em inglês. No futuro se tornaria a Rádio Tabajara. 1930 – Fundada a primeira estação a retransmissora de rádio na Paraíba, a Rádio Clube – PRA8. Futura PRI-4.
  • 20.
  • 21. 1931 – É fundada a PRB 9 - Rádio Record de São Paulo. No início dos anos 30 o Brasil já tinha 29 emissoras de rádio, transmitindo óperas, músicas e textos instrutivos. 1932 – O Governo de Getúlio Vargas autoriza a publicidade em rádio através do decreto nº 21.111, de 1º de março de 1932, que correspondia a 10% da programação veiculada. Ademar Casé estreia seu programa na Rádio Philips. Casé (avô da atriz Regina Casé) criou o 1º jingle do rádio brasileiro: "Oh! Padeiro desta rua/Tenha sempre na lembrança/Não me traga outro pão/Que não seja o pão Bragança...”.
  • 22. 1933 – O americano Edwing Armstrong demonstra o sistema FM para os executivos da RCA.
  • 23. 1934 – Criada a Rádio Difusora, apelidada de "Som de Cristal", onde surge o termo "radialista", inventado por Nicolau Tuma. 1935 – Acontece na Alemanha, a primeira emissão oficial de TV. Já no Brasil, Assis Chateaubriand inaugura em 25 de setembro a PRG-3, Rádio Tupi do RJ.
  • 24. 1936 – Roquete-Pinto doa a sua rádio para o Estado, a Rádio Sociedade do Rio de Janeiro torna-se Rádio MEC. 1939 – O americano Edwin Armstrong inicia operação da primeira FM em Alpine, New Jersey. No Brasil Almirante ("a maior patente do rádio!") chamava-se Henrique Foréis Domingues, ele fez sucesso nas décadas de 30 e 40 e criou o primeiro programa de auditório do rádio brasileiro, chamado "Caixa de Perguntas“, na então Rádio Nacional.
  • 25. 1941 – Em 12 de julho começa a transmissão da primeira rádio novela do País, que foi apresentada durante cerca de três anos, pela PRE-8, Rádio Nacional do RJ. Era a novela "Em Busca da Felicidade". A seguir foi a vez de "O Direito de Nascer". Na década de 40 entra no ar o primeiro jornal falado do rádio brasileiro: o "Grande Jornal Falado Tupi", de São Paulo. Surge o noticiário mais importante do rádio brasileiro: o "Repórter Esso". A primeira transmissão do Repórter Esso, aconteceu às 12h45min do dia 28 de agosto de 1941, quando a voz de Romeu Fernandez anunciou o ataque de aviões da Alemanha à Normandia, durante a 2ª Guerra Mundial.
  • 26. 1942 – Abelardo Barbosa (Chacrinha) surgiu no final dos anos 30, na PRA- 8 Rádio Clube de Pernambuco. No mesmo ano ele foi para a Rádio Difusora Fluminense. A partir de então ficou conhecido como Chacrinha, pois a emissora ficava numa chácara em Niterói. É criado o "Cassino do Chacrinha". 1946 – Surgem os gravadores de fita magnética, dando maior agilidade ao rádio.
  • 27. 1958 - Com o objetivo de impulsionar a pesquisa e o desenvolvimento tecnológico e militar nasceu a Advanced Research Projects Agency (ARPA) precursora da Internet. 1950 – A TV Tupi é inaugurada em 18 de setembro de 1950 em São Paulo, trazida por Assis Chateaubriand. A TV Tupi é o primeiro canal de Televisão da América Latina.
  • 28. 1959 - O Velho Guerreiro “Chacrinha” estreia na Televisão. No mesmo ano surge o Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE). 1962 – Primeira transmissão via satélite é realizada.
  • 29. 1962 – Em 27 de novembro, é criada a Associação Brasileira de Rádio e Televisão (ABERT), entidade de classe que responde pelas ações dos meios de comunicação comercial, mais a frente se tornaria uma das mais importantes e influentes entidades do país. 1965 – O Brasil é integrado no Sistema Intelsat, a comunicação no nosso país começa a ficar mais fácil e rápida.
  • 30. 1965 – É criado através das ações do Conselho Nacional de Telecomunicações (CONTEL), a Empresa Brasileira de Telecomunicações (EMBRATEL), responsável pelas telecomunicações interestaduais e internacionais. 1965 – É inaugurado o Museu da Imagem e do Som (MIS) do Rio de Janeiro.
  • 31. 1967 – Criado no dia 25 de fevereiro o Ministério das Comunicações, órgão responsável por todas as ações de comunicação do país. Desde sua criação é um dos ministérios mais disputados pelos partidos. 1968 – É inaugurada a primeira emissora educativa do país em Recife Pernambuco, entra no ar a TV Universitária da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).
  • 32. 1968 – É instituído pelo presidente Artur da Costa e Silva após uma reunião com seus generais e ministros o Ato Institucional nº 5, no dia 13 de dezembro, este que é considerado o pior de todos os atos institucionais, pois, foi o que implementou a censura de fato e de direito no Brasil.
  • 33. 1976 – Devido à expansão e ao conteúdo da radiodifusão sonora, o Governo mostra sua preocupação criando, a Empresa Brasileira de Radiodifusão (RADIOBRÁS), para “organizar emissoras, operá-las e explorar os serviços de radiodifusão do Governo Federal”. 1978 - É realizada a ativação da telefonia móvel celular no Japão. As estações de telefone móvel são interligadas entre si, através dos cabos de fibra ótica ou por ondas de rádio terrestres e o sinal recebido pelo telefone móvel vem destas estações montadas pelo país.
  • 34. 1982 – A Rádio Jornal do Brasil é a pioneira na utilização de discos laser no Brasil. 1982 – É apresentado nos EUA o primeiro computador portátil do mundo, o Macintosh, produzido pelo gênio da informática e dono da APLE Steve Jobs.
  • 35. 1997 – Sancionada a Lei Geral das Telecomunicação (LGT) 9472/1997.
  • 36. 1998 – Sancionada a Lei 9612/98 que passa a regulamentar o serviço de radiodifusão comunitária no Brasil. A lei teve a autoria do Deputado Fernando Ferro do PT de Pernambuco.
  • 37. 1999 – Início das ações de rádio pela AMAZONA (Associação de Prevenção a AIDS), que daria origem a mais de meia dúzia de rádios na região metropolitana de João Pessoa entre elas: a rádio Fala Garotada, Independente, Casa Branca, Sintonia e Alta Estação.
  • 38. 2000 – A Rádio Favela em Belo Horizonte recebe a permissão para funcionar após 20 anos de luta contra a repressão do Ministério das telecomunicações e da Anatel.
  • 39. 2000 – A Entidade Beneficente Evangélica (EBE) junto com a AMAZONA começa a instalar a Rádio Difusora Fala Garotada com 20 caixas na Comunidade São Rafael. 2002 – Fechada a primeira rádio comunitária do Brasil no governo Lula, por coincidência a emissora esta localizada na cidade de Itabaiana no Estado da Paraíba a Rádio Comunitária Vale do Paraíba FM. O fechamento repercutiu em nível internacional.
  • 40. 2003 – Foi assinado pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva o decreto nº 4901 que instituiu o Sistema Brasileiro de Televisão Digital (SBTVD).
  • 41. 2005 – É fundado o Centro Popular de Cultura e Comunicação (CPCC) na Comunidade São Rafael, no bairro do Castelo Branco III, em João Pessoa na Paraíba, a partir daí a Rádio Fala Garotada, passa a se chamar: Rádio Comunitária Voz Popular, com o jargão “Onde você faz a diferença”.
  • 42. 2006 – Sancionada a Lei 7.928/06 que passa a regulamentar o serviço de Rádio Alternativa a Cabo no estado da Paraíba, Decreto do então Governador da Paraíba Cássio da Cunha Lima do PSDB.
  • 43. 2007 – Neste ano o Brasil começa a implantar o sinal da TV Digital. A primeira cidade a ser coberta e testar o novo sistema foi à capital do estado de São Paulo. A Policia Federal e a ANATEL fecham as Rádios Comunitárias Independente do Timbó e Diversidade do Jardim Veneza na cidade de João Pessoa. 2009 – É utilizado pela 1ª vez no Estado da Paraíba o sinal da TV digital, os testes são feitos pelo Sistema Correio de Comunicação e pela Rede Paraíba de Comunicação.
  • 44. 2009 – São realizadas as duas Primeiras Conferências Municipais de comunicação da Cidade de João Pessoa e Campina Grande, além da 1ª Conferência Estadual da Paraíba.
  • 45. 2009 – É Realizada 1ª Conferência Nacional de Comunicação (CONFECOM) no Brasil, a conferência contou com a participação de varias entidades da área de comunicação mais a Rede Globo de Televisão se retirou da conferência juntamente com a ABERT.
  • 46. 2011 – Realizado o Sétimo Congresso Nacional da ABRAÇO no Museu Nacional em Brasília-DF. Pela Primeira vez a entidade consegue reunir radialistas comunitários de todos os lugares do Brasil, foram mais de 500 emissoras reunidas em dois dias de debates sobre como o movimento deveria caminhar dali em diante em nosso país.
  • 47. 2011 – A Radcom Voz Popular, sai do ar nas caixinhas, após, todos os equipamentos do estúdio queimarem. No mesmo ano entra no ar o site www.cpcc.webnode.com.br do CPCC, para manter a divulgação e produção de conteúdos da rádio comunitária, desta vez, através da internet.
  • 48. 2013 – A CCR FM Nova Dutra é o primeiro serviço de FM sincronizado via satélite dedicado a uma única rodovia. A emissora começou a operar em julho de 2013, depois de obter aprovação da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para atuar em caráter experimental e científico. O estúdio da emissora foi instalado em Santa Isabel (SP), de onde irradia seu sinal as 40 antenas de transmissão, espalhadas ao longo da Via Dutra. Ministro do MINICOM em visita a CCR FM Nova Dutra em 2015
  • 49. 2014 – O CPCC, se torna Ponto de Cultura e com os recursos vindos do Ministério da Cultura e da FUNJOPE, reestrutura a Rádio Comunitária Voz Popular e volta ao ar nas caixinhas e na web.
  • 50. 2014 – A ABRAÇO-PB e INCUBES-UFPB, promovem Seminário de Comunicação Comunitária na Paraíba, que mostra resultados obtidos com Projeto PROEXT RÁDIO desenvolvido nas Radcom Voz Popular, Voz do Povo, Boa Vista e Independente. A partir deste projeto cada emissora passa a ter, seu site e suas webradio e webtv.
  • 51. 2015 – Realizado o Oitavo Congresso Nacional da ABRAÇO no Hotel Nacional em Brasília-DF. A entidade discute o modelo de comunicação atual do país e como as rádios comunitárias atuarão com a nova direção nacional da ABRAÇO. A Paraíba continua fazendo parte da coordenação executiva nacional.
  • 53. Rádios FM Rádios Alternativas a Cabo Rádios AM Rádios Educativas Rádios Estatais Rádios Piratas Rádios Comunitárias Rádios Comercias Rádios Web
  • 54. O que é uma RÁDIO AM no Brasil?
  • 55. Rádios AM A Transmissão AM é o processo de transmissão através do rádio usando Modulação em Amplitude, ou seja, (Amplitude Modular). É transmitido em várias bandas de frequência. Foi por oitenta anos o principal método de transmissão via rádio, ele é caracterizado pelo longo alcance dos sinais, a frequência AM está sujeita a interferências de outras fontes eletromagnéticas as primeiras transmissões utilizando a frequência iniciaram-se em 1906 por Reginald Fessenden. A situação modificou-se com o surgimento das rádios comerciais, que deram início a era de ouro do rádio, que foi da década de 20 até os anos 50. Hoje serão extintas pelo Governo Federal.
  • 56. CD Player, Mp3, Computador, Rádio ou outros equipamentos Esquema de uma Rádio AM Mesa de Som/ Misturador/Mixer DANIEL PEREIRA DOS SANTOS Antena da AM Cabo Coaxial 30m TRANSMISS OR DE AM Cobre para dissipar o calor da transmissão
  • 57. O que é uma RÁDIO FM no Brasil?
  • 58. Rádios FM FM é a abreviatura para modulação em frequência ou frequência modulada, (frequency modulation, em inglês). Iniciada nos Estados Unidos no início Século XX, FM é uma modalidade de radiodifusão que usa a faixa 87,5 MHz a 108 MHz com modulação em frequência. Uma rádio em FM apresenta uma ótima qualidade sonora, mas, com limitado alcance, chegando à média de 100 quilômetros de raio de alcance. Em condições esporádicas de propagação, é possível sintonizar emissores a centenas de quilômetros. A potência dos sistemas de emissão pode variar entre poucos watts (rádios locais) até centenas de quilowatts, no caso de retransmissores de grande cobertura.
  • 59. Gerador de Estéreo/ Processador de Áudio CD Player, Mp3, Computador, Rádio ou outros equipamentos Torre com Antena 30m Esquema de uma Rádio FM Cabo Coaxial 30m Transmissor de FM Comunitária 25 Watts Mesa de Som/ Misturador/Mixer DANIEL PEREIRA DOS SANTOS
  • 60. O que é uma RÁDIO COMERCIAL no Brasil?
  • 61. Rádios Comerciais É o serviço de radiodifusão sonora em frequência modulada (FM), Amplitude Modular (AM), Webradio ou outro meio, direcionado a empresários de pequeno, médio e grande porte da área de comunicação. Nele as concessionárias e permissionárias possuem total liberdade para a exploração comercial, não esquecendo é claro, os limites da lei.
  • 62. Rádios Comerciais Implantado no Brasil no início dos anos 80 o rádio FM, devido a sua qualidade de áudio estéreo e fácil operacionalidade, rapidamente difundiu-se superando o então tradicional rádio AM (amplitude modulada). Através do FM, anunciantes, ouvintes e concessionários, passaram a viver uma nova era em radiodifusão no Brasil.
  • 63. O que é uma RÁDIO PIRATA no Brasil?
  • 64. Rádios Piratas É necessário saber que bem antes das rádios livres, na própria Europa já existiam as rádios consideradas “PIRATAS” que eram emissoras montadas em barcos, que ficavam nas costas dos países europeus, inicialmente na costa inglesa transmitindo seu conteúdo livremente sem nenhuma interferência do governo. Este termo também esta atrelado ao fato das emissoras erguerem sobre seus mastros bandeiras negras, símbolo dos corsários.
  • 65. Rádios Piratas Este tipo de emissora foi tão importante para democratização da comunicação que gerou um filme chamado: “Piratas do Rock”, que conta a história de uma destas rádios. Esta expressão tem força até hoje e muitos ainda criminalizam as emissoras comunitárias com tal termo.
  • 67. O que é uma RÁDIO ESTATAL no Brasil?
  • 68. Rádios Estatais São as emissoras pertencentes ao Poder Público (Municipal, Estadual e Federal). Boa parte destas emissoras estatais passou a pertencer ao Estado no período da Ditadura Militar, quando foram tomadas de seus donos e incorporadas ao Governo. Existem várias emissoras estatais no país, exemplo deste tipo de emissora é a Rádio Tabajara no Estado da Paraíba, que é o veiculo oficial de comunicação do Estado.
  • 69. O que é uma RÁDIO EDUCATIVA no Brasil?
  • 70. Rádios Educativas Radiodifusão Educativa – Os canais previstos no PBFME (Plano Básico de Frequência Modulada Educativa) destinam-se exclusivamente para atender os interesses de entidades dos setores da educação e cultura. Suas principais características apontam para a divulgação e promoção de atividades tais como: festas culturais, eventos esportivos, peças teatrais, produções cinematográficas, coberturas jornalísticas, auxílio a população em geral, divulgação de notícias de interesse da população em geral, entre outras de cunho educacional e cultural.
  • 71. O que é a Lei 9.612/98 das rádios comunitárias?
  • 72. Lei 9.612/98 Art. 1º Denomina-se Serviço de Radiodifusão Comunitária a radiodifusão sonora, em frequência modulada, operada em baixa potência e cobertura restrita, outorgada a fundações e associações comunitárias, sem fins lucrativos, com sede na localidade de prestação do serviço. § 1º Entende-se por baixa potência o serviço de radiodifusão prestado a comunidade, com potência limitada a um máximo de 25 watts ERP e altura do sistema irradiante não superior a trinta metros. § 2º Entende-se por cobertura restrita aquela destinada ao atendimento de determinada comunidade de um bairro e/ou vila
  • 73.
  • 74. Lei 9.612/98 Art. 3º O Serviço de Radiodifusão Comunitária tem por finalidade o atendimento à comunidade beneficiada, com vistas a: I - dar oportunidade à difusão de ideias, elementos de cultura, tradições e hábitos sociais da comunidade; II - oferecer mecanismos à formação e integração da comunidade, estimulando o lazer, a cultura e o convívio social; III - prestar serviços de utilidade pública, integrando-se aos serviços de defesa civil, sempre que necessário; IV - contribuir para o aperfeiçoamento profissional nas áreas de atuação dos jornalistas e radialistas, de conformidade com a legislação profissional vigente; V - permitir a capacitação dos cidadãos no exercício do direito de expressão da forma mais acessível possível.
  • 75. Art. 4º As emissoras do Serviço de Radiodifusão Comunitária atenderão, em sua programação, aos seguintes princípios: I - preferência a finalidades educativas, artísticas, culturais e informativas em benefício do desenvolvimento geral da comunidade; II - promoção das atividades artísticas e jornalísticas na comunidade e da integração dos membros da comunidade atendida; III - respeito aos valores éticos e sociais da pessoa e da família, favorecendo a integração dos membros da comunidade atendida; IV - não discriminação de raça, religião, sexo, preferências sexuais, convicções político- ideológico-partidárias e condição social nas relações comunitárias. Lei 9.612/98
  • 76. Artigo 4º § 3º Qualquer cidadão da comunidade beneficiada terá direito a emitir opiniões sobre quaisquer assuntos abordados na programação da emissora, bem como manifestar ideias, propostas, sugestões, reclamações ou reivindicações, devendo observar apenas o momento adequado da programação para fazê-lo, mediante pedido encaminhado à Direção responsável pela Rádio Comunitária. Lei 9.612/98
  • 77. O que é a RÁDIO ALTERNATIVA A CABO na Paraíba?
  • 78. Sistema de Som Ambiente (Radiodifusão Alternativa a Cabo) O Sistema de Radiodifusão Alternativa a Cabo, também conhecida como Rádio Difusora, de Caixinhas ou de Poste é o serviço de transmissão de áudio via cabo, geralmente utilizada em comunidades pequenas ou por empresários do meio de comunicação em locais de comércio. Basicamente este sistema é constituído de uma Mesa de Som que joga o som para um Amplificador, que dependendo da distância da rede de caixas, precisará ou não ter um Transformador Tronco na sua saída, e o mesmo vai repassar para os Cabos que podem ser fios bicolor ou rígido de telefone, até as Caixas que também podem ou não ter transformadores de linha dentro delas. Deve-se sempre tomar cuidado para que as numerações dos postes não fiquem obstruídas, pois, poderá atrapalhar o trabalho da concessionária que fornece energia elétrica em sua região, sem contar com uma possível advertência judicial.
  • 79. Sistema de Som Ambiente (Radiodifusão Alternativa a Cabo)
  • 80. Este tipo de emissora tem um baixo custo e é de fácil manutenção, mas isso não quer dizer que qualquer um deva fazê-lo, pois, isso o trabalho de manutenção cabe a um eletricista, pois, é este profissional é formado e capacitado para tal Muitos acidentes acontecem, pois, pessoas sem conhecimento tentam fazer os reparos, alguns são simples, mas outros requerem alguma experiência, então não se arrisque, peça ajuda antes de fazer algo que não sabe. O Estado da Paraíba, já possui uma lei que regulamenta este tipo de transmissão de som, é a LEI 7.928/06. A Cidade de João Pessoa está discutindo em sua Câmara Municipal baseada na Lei estadual uma PL que também regulamentará o funcionamento deste sistema na capital paraibana. É o Projeto de Lei 426/2010 (PL 426/10). Sistema de Som Ambiente (Radiodifusão Alternativa a Cabo)
  • 81. Art. 1º Fica regulamentada a atividade de Radiodifusão Alternativa em circuito fechado a cabo, sendo obrigatório: I - Toda e qualquer empresa que explore Radiodifusão Alternativa a Cabo terá que ter, na direção específica de seu funcionamento, um radialista responsável, devidamente registrado na DRT de sua região, e a referida emissora deverá ter registro no CNPJ, sob o código 7440 (Outros Serviços de Publicidade) ou outro código específico de radiodifusão, atividade jornalística ou exploração de música ambiente; e II - Licença de Operação do órgão ambiental correspondente de sua região, Alvará de Funcionamento e Cadastro obrigatório na APRAC – Associação Paraibana de Rádios Alternativas a Cabo. Parágrafo Único. O referido cadastro não implicará filiação obrigatória sob associação, da empresa com a entidade de classe. Sistema de Som Ambiente (Radiodifusão Alternativa a Cabo)
  • 83. CD Player, Mp3, Computador, Rádio ou outros equipamentos Auto falantes a partir de 5’’ Cabo de Telefone / Fio Bicolor Mesa de Som/ Misturador/Mixer DANIEL PEREIRA DOS SANTOS Amplificador/ Módulo
  • 84. 2º Ligue o Estabilizador 3º Ligue o Computador 4º Ligue a mesa de som 5º Ligue o DVD 6º Ligue o distribuidor de áudio 7º Ligue o Amplificador 8º ouça o som das caixas 1º Ligue o Disjuntor
  • 85. O que é a RADIOWEB para as radcom?
  • 86. Rádios Web Web Rádio, também conhecida como Rádio Via Internet ou Rádio Online é o serviço de transmissão de áudio via Internet com a tecnologia “Streaming” que significa: “Fluxo de Mídia”, ela é uma forma de distribuir informação multimídia numa rede através de pacotes e é frequentemente utilizada para distribuir conteúdo multimídia através da internet. Gerando áudio em tempo real, havendo possibilidade de emitir programação ao vivo ou gravada. Muitas estações tradicionais de rádio transmitem a mesma programação pelo meio convencional (transmissão analógica por ondas de rádio, limitado ao alcance do sinal) e também pela Internet, conseguindo desta forma a possibilidade de alcance global na audiência. Outras estações transmitem somente via Internet. O custo para criação de uma web rádio geralmente é bem inferior ao custo de criação de uma rádio tradicional.
  • 87. Rádios Web Para realizar a transmissão de áudio através da Internet é necessário enviar o áudio para um servidor que irá realizar a codificação apropriada (Encoder) e a transmissão (Broadcast) aos usuários. Um dos aplicativos mais conhecidos para transmissão de áudio por streaming é o SHOUTCAST. Muitas emissoras comerciais usam essa tecnologia para emitir sua programação também pela Internet. A INCUBES-UFPB (Incubadora de Empreendimentos Solidários da Universidade Federal da Paraíba), a partir do ano de 2013 com o Projeto PROEXT RÁDIO 2013, juntamente com as emissoras comunitárias: Independente, Voz Popular, Boa Vista e Voz do Povo, implantou com as formações na área de RADCOM, as rádios web e os sites de cada emissora, totalmente gratuitos. São sites de utilização para webradio e webtv: Ustream, listen2myradio, Livestream entre outros que surgem a todo momento na internet.
  • 88. CD Player, Mp3, Computador, Rádio ou outros equipamentos PROVEDOR Mesa de Som/ Misturador/Mixer DANIEL PEREIRA DOS SANTOS
  • 89. O que é a CONVERGÊNCIA DIGITAL para as rádios?
  • 90.
  • 91. Convergência Digital Convergência Tecnológica é um termo que, de uma maneira geral, é utilizado para designar a tendência de utilização de uma única infraestrutura de tecnologia para prover serviços que, anteriormente, requeriam equipamentos, canais de comunicação, protocolos e padrões independentes. Faz-se para permitir que o utilizador acesse às informações de qualquer lugar e através de qualquer meio de comunicação por uma interface única e as suas evidências revelam-se em muitos sectores, como na economia, na comunicação, na produção e outros afora. O “Deutsche Bank Research” define convergência como "um processo de mudança qualitativa que liga dois ou mais mercados existentes e anteriormente distintos”.
  • 92. Convergência Digital As tecnologias envolvidas no processo de convergência são, de forma geral, tecnologias modernas de telecomunicações tais como rádio, televisão, redes de computadores e de telefonia. Embora todos os horizontes apontem agora para outro tipo de convergência, mais alargada e cujas oportunidades de aplicação são ainda mais abrangentes do que as da Web, o encontro entre a nanotecnologia, biotecnologia e tecnologia da informação, a atenção deste artigo visa apenas a convergência em telecomunicações. Provavelmente o histórico das tecnologias em convergência inicia-se com o desenvolvimento da rede telefônica tradicional, comutada por circuitos, que serviu de base para a prestação dos primeiros serviços de maneira convergente.
  • 93. O que são as INTERFERÊNCIAS no Rádio?
  • 94.
  • 95.
  • 97. Quais são as ENTIDADES DE CLASSE das rádios?
  • 99. Quais são as ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO das rádios?
  • 100.
  • 101. Quantas são as RADCOM no Brasil e na Paraíba?
  • 103. • Rádio com licença definitiva (105) • Rádio com licença provisória (27) • Rádio outorgadas, sem licença (1)
  • 105. Emissoras AM/FM (02) Emissora de TV (01) Rádio a Cabo (02) Amplificadora (01)
  • 107.
  • 108. Software Zararádio: é um programa de automação para rádio que foi desenvolvido a partir da plataforma de outro programa de automação o Raduga. Audacity: o Audacity é um editor de áudio freeware, ou seja, assim como o zara um software gratuito, ele vários recursos e é muito intuitivo de fácil acesso para iniciantes e avançados. Any Vídeo Convertr: Any Vídeo (Áudio) Converter é um programa que extrai áudio de vídeos para os formatos mais populares hoje. Freerip: é um programa Free que converte áudio de forma simples e eficaz.
  • 109.
  • 110. Quais são os TIPOS DE PROGRAMAS nas rádios?
  • 111. Tipos de Programas Serviço – Ofertas de emprego, festas de aniversário de gente da comunidade, reuniões de moradores, encontros, etc. As notas de serviço podem ser encaixadas durante a programação da rádio a qualquer hora do dia. São elas que fazem a integração da rádio comunitária com a comunidade. Jornal – Noticiários curtos ou de maior densidade. Debates – É o momento em que os temas que interessam à comunidade podem ser aprofundados.
  • 112. Tipos de Programas Entrevistas – Os programas de entrevista podem ser feitos com autoridades locais ou gente do povo. A escolha deve ser feita sempre baseada no interesse da comunidade. Esportes – Programa que estimule a prática esportiva na comunidade, a prática de esporte faz bem ao corpo, à saúde e à mente. Procure dar visibilidade a todos os esportes e não só ao futebol, como geralmente acontece nos meios de comunicação.
  • 113. Tipos de Programas Musical – Os programas musicais devem promover o bom gosto, a arte e a cultura na comunidade. Devem valorizar o artista local (cuidado com o artista local que reproduz o mau gosto). O produtor de um programa de música deve estudar, pesquisar, conhecer o tema. Revista – É o programa balaio: tem de tudo um pouco. Música, debates, entrevistas, reportagens, entre outros. Radionovela – É o formato da novela que conhecemos na televisão, mas que aborda temas ligados ao dia-a-dia das pessoas. Deve possuir conteúdos educativos, que convidem a comunidade à reflexão.
  • 115. Referências Bibliográficas ALFONSIN, Jacques Távora. Cidadania e Participação Popular. In: Revista de Estudos Jurídicos, vol. 31, nº 83, p. 66-67, São Leopoldo: 1998. BOLAÑO, César Ricardo Siqueira, et al: apoio técnico: Universidade Federal de Sergipe Departamento de Economia, Políticas de Comunicação e Economia Política das Telecomunicações no Brasil. CONVERGÊNCIA, REGIONALIZAÇÃO E REFORMA. Segunda Edição, Aracaju-Al: 2003. BRASIL, Congresso Nacional. Câmara dos Deputados. Comissão de Ciência e tecnologia, comunicação e informática, subcomissão especial de radiodifusão, Revisão das normas de concessão, permissão e autorização, Brasília: 2009. CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. Livros proibidos, idéias malditas: o Deops e as minorias silenciadas. São Paulo, Estação Liberdade, 1997. GARCIA, Nélson Jhar. Estado novo, ideologia e propaganda política. 1ª ed. Em eBooks: 2005.
  • 116. Referências Bibliográficas GOMES, Meyrilane da Silva. Rádio comunitária: A reação da comunidade de São Rafael com sua rádio comunitária. Revista Eletrônica Temática: 2008. RATTON, Helvécio. UMA ONDA NO AR. Belo Horizonte: Quimera Filmes, 2002. INTERVOZES - Coletivo Brasil de Comunicação Social. Vozes da Democracia: histórias da comunicação na redemocratização do Brasil. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. 2006. MOZART. Fábio, Democracia no ar, João Pessoa: INPREL, 2008. SANTOS, Rosangela de Souza. Rádio Comunitária: um canal de expressão e participação do povo. João Pessoa-PB: UFPB, 2009. SANTOS, Daniel Pereira dos. O Rádio e a Mudança Comunitária. Pará de Minas-MG. Editora Virtual Book, 2013.
  • 117. Referências Bibliográficas Página oficial da ABRAÇO Paraíba, disponível em: < http://abracopb.webnode.com>. Acesso em 08-04-2014 as 15:56:43. Página oficial da AMAZONA, disponível em: <http://www.amazona.org.br>. Acesso em 08-03-2014 as 15:56:43. Página oficial da ANATEL, disponível em: <http://www.anatel.gov.br>. Acesso em 08-03-2014 as 15:56:43. Página oficial da Associação Brasileira de Normas Técnicas, disponível em: <http://www.abnt.org.br>. Acesso em 08-03-2014 as 15:56:43. Página oficial da Rádio Livre.Org, disponível em: <http://www.radiolivre.org>. Acesso em 08-03- 2014 as 15:56:43. Página oficial do Brasil Escola, disponível em: <http://www.brasilescola.com/fisica/eletricidade.htm>. Acesso em 08-03-2014 as 15:56:43.
  • 118. Referências Bibliográficas Página oficial do Ministério das telecomunicações, disponível em: <http://www.mc.gov.br>. Acesso em 08-03-2014 as 15:56:43. Site oficial da Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária, disponível em: <http://www.abraconacional.org>. Acesso em 08-03-2014 as 15:56:43. Site oficial da Rádio Tabajara, disponível em: <http://www.radiotabajara.com.br>. Acesso em 08-03- 2014 as 15:56:43. Site oficial do Centro Popular de Cultura e Comunicação, disponível em: <http://www.cpcc.webnode.com.br>. Acesso em 08-03-2014 as 15:56:43. Site oficial do Estado da Paraíba, disponível em: <http://www.paraiba.pb.gov.br>. Acesso em 08-03- 2014 as 15:56:43. UFRN. Documentário Democratização FM. Natal-RN: DECOM, 2009.
  • 119. Fone: (83) 9 8854 – 8148 E-mail danielpereiraradio@gmail.com danielsantosradio@hotmail.com CPCC Rua Arquivista Jonathas Carecas, nº 110, Comunidade São Rafael, João Pessoa, Paraíba. Fone: (83) 9 8886 - 6277 E-mail: cpcc.org.br@gmail.com Site: www.cpcc.webnode.com.br Site: www.abracopb.webnode.com Site: http://corais.org/danielfaculdades