E.B.2,3 Visconde De
Chanceleiros
Ano Letivo
2014/2015
Prof. Ana
Veloso
Trabalho Realizado
Por: Ana Rita
Carvalho 8ºC Nº3
L...
O que é o olho humano?
O olho humano é
o órgão responsável
pela visão no ser
humano. Tem diâmetro
ântero-posterior de
apro...
Constituição de um olho
O olho humano é dividido por três
membranas: Esclerótica, Coróide e a
Retina.
A esclerótica, protetora, que forma na
frent...
Córnea
Superfície frontal transparente
do olho
Protege a região interna do
olho
Atua como um para-brisa. A
córnea têm como...
Iris e Pupila
Íris é a parte mais visível e colorida
do olho de vertebrados no meio da
íris, tem um oríficio de cor escura...
Cristalino
É a ‘’lente’’; do olho. É uma estrutura biconvexa,
vascular e incolor, responsável pela projeção
nítida da imag...
Retina
A Retina é uma membrana sensorial que recebe os raios
luminosos. É uma extensão do nervo ótico que vai da
entrada d...
Nervo ótico
Envia um impulso elétrico para o cérebro transmitindo a
imagem. O nervo ótico é o segundo dos doze pares
crani...
Ponto Cego
Não há bastonetes nem cones onde o
nervo ótico conecta com a retina, neste
local nós não podemos transmitir a
i...
Visão Conclusão:
A visão é um dos cinco sentidos que permite aos seres vivos dotados
de órgãos adequados, aprimorarem a pe...
Visão Conclusão:
As duas juntas levam a formação da imagem
sobre a retina. O cristalino pode, através da
mudança de sua cu...
Heterocromia
Heterocromia ou heterocromia
ocular é definida como uma anomalia genética
na qual o indivíduo apresenta olhos...
Heterocromia
Embora o elemento genético esteja relacionado
com essa condição, outros fatores podem levar
à heterocromia, c...
Albinismo
O albinismo é uma anomalia genética, na qual ocorre um defeito na
produção de melanina (pigmento), esta anomalia...
Albinismo
A síndrome de Hermanski-Pudlak é uma forma de
albinismo causada só por um gene e pode ocorrer com
um transtorno ...
Daltonismo
O daltonismo é uma
deficiência visual, onde o
indivíduo daltônico não
diferencia principalmente as
cores vermel...
Daltonismo
A mulher XDXd é normal, mas é
portadora do gene recessivo para
o daltonismo. Se esse gene
recessivo for passado...
Terçolho
As pálpebras são estruturas que possuem a
função de proteção dos olhos, ajudando a distribuir
a umidade, através ...
Terçolho
Inicialmente, o terçol aparece na forma de um
pequeno caroço, apresentando vermelhidão na
pálpebra, dor e calor. ...
Cura Para o Terçolho
As recomendações feitas no caso do
aparecimento do terçol são:
1. Compressas feitas com água filtrada...
Cataratas
A catarata é uma doença dos olhos caracterizada por uma
perda da visão como consequência da falta de transparênc...
Cataratas
Esteroides: pessoas que foram medicadas durante muito tempo
com esteroides têm mais possibilidades de desenvolve...
Miopia
A miopia (palavra oriunda do grego, que
significa “olhos fechados”) consiste em uma
condição na qual os olhos são c...
Miopia
Indivíduos míopes costumam reclamar,
inicialmente, de visão turva dos objetos
distantes. É comum também que esses
p...
Astigmatismo
O Astigmatismo é uma deficiência visual provocada
em pessoas que apresentam um formato irregular
da córnea ou...
Astigmatismo
Classificação do Astigmatismo:
O Astigmatismo pode ser baseado pela estrutura
assimétrica, pelos meridianos p...
Astigmatismo
Astigmatismo baseado no foco dos meridianos principais
Pode ser:
Astigmatismo simples: No olho do astigmático...
Hipermétrope
A Hipermetropia é uma anomalia reacional,
ocorre quando os raios luminosos são
intercetados pela retina, ante...
Hipermétrope
Classificação da Hipermetropia
A hipermetropia pode ser classificada como axial ou refrativa.
Causas da hiper...
Hipermétrope
Sintomas da Hipermetropia
A pessoa com hipermetropia apresenta os seguintes sintomas:
Visão desfocada - dific...
Quimica-o olho e a visão
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Quimica-o olho e a visão

1.822 visualizações

Publicada em

O olho e os seus defeitos.

Publicada em: Ciências
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Quimica-o olho e a visão

  1. 1. E.B.2,3 Visconde De Chanceleiros Ano Letivo 2014/2015 Prof. Ana Veloso Trabalho Realizado Por: Ana Rita Carvalho 8ºC Nº3 LH E VISÃ
  2. 2. O que é o olho humano? O olho humano é o órgão responsável pela visão no ser humano. Tem diâmetro ântero-posterior de aproximadamente 24,15 milímetros, diâmetros horizontal e vertical ao nível do equador de aproximadamente 23,48 milímetros, circunferência ao equador de 75 milímetros, pesa 7,5 gramas e tem volume de 6,5 cm³. Os olhos são bolsas membranosas cheias de líquido, embutidas em cavidades ósseas do crânio, ás órbitas oculares. A eles estão associadas estruturas acessórias: pálpebras, supercílios (sobrancelhas), conjuntiva, músculos e aparelho lacrimal. O formato do olho proporciona um esboço perfeito para o foco , seleção , absorção e regulam da intensidade dos raios de luz. A interpretação das imagens transportadas ao olho pela luz acontece no cérebro.
  3. 3. Constituição de um olho
  4. 4. O olho humano é dividido por três membranas: Esclerótica, Coróide e a Retina. A esclerótica, protetora, que forma na frente a córnea transparente; A coróide, pigmentada e que assegura a nutrição, que se prolonga para a frente pela íris, com a pupila no meio, abertura variável segundo a intensidade de luz incidente; A retina, nervosa e sensível ao excitante luminoso, ligada ao encéfalo pelo nervo óptico, e na qual se desenham as imagens que passam através dos meios anteriores transparentes do olho (córnea, humor aquoso, cristalino, humor vítreo). Membranas
  5. 5. Córnea Superfície frontal transparente do olho Protege a região interna do olho Atua como um para-brisa. A córnea têm como função focar a luz. São as lágrimas (secreção lacrimal) que mantêm a córnea húmida e saudável.
  6. 6. Iris e Pupila Íris é a parte mais visível e colorida do olho de vertebrados no meio da íris, tem um oríficio de cor escura, chamado de Pupila, cuja função é controlar a quantidade de luz que entra no olho. Em um ambiente com muita luz, ocorre a miose (diminuição do diâmetro da pupila), ao passo que, com pouca luz, ocorre a midríase (aumento do diâmetro da pupila).
  7. 7. Cristalino É a ‘’lente’’; do olho. É uma estrutura biconvexa, vascular e incolor, responsável pela projeção nítida da imagem na retina através da mudança de sua espessura promovida pelo músculo ciliar, mecanismo conhecido como acomodação. Os músculos ciliares, no limite da íris e da coroide, fazem variar a convergência do cristalino, permitindo desta forma a acomodação, cuja amplitude diminui durante a velhice (presbitismo).
  8. 8. Retina A Retina é uma membrana sensorial que recebe os raios luminosos. É uma extensão do nervo ótico que vai da entrada do globo ocular até ao orifício da pupila, é responsável pela formação de imagens. A retina tem dois tipos de células recetoras, os cones células que tem a capacidade de reconhecer as cores, e os bastonetes tem a capacidade de reconhecer a luminosidade, estes convertem os raios luminosos em impulsos nervosos, os quais vão através do nervo ótico ao quiasma ótico e dai passam para o cérebro. Em cada retina há cerca de 100 milhões de fotorreceptores (cones e bastonetes) que libertam moléculas neurotransmissores a uma taxa que é máxima na escuridão e diminui, de um modo proporcional, com o aumento da intensidade luminosa. Esse sinal é transmitido depois à cadeia de células bipolares e células ganglionares.
  9. 9. Nervo ótico Envia um impulso elétrico para o cérebro transmitindo a imagem. O nervo ótico é o segundo dos doze pares cranianos presentes em nosso cérebro. De função sensitiva, este nervo capta as informações através dos cones e bastonetes presentes na retina que são estimulados pela luz projetada em objetos. As informações visuais são captadas e enviadas ao lóbulo occipital do cérebro para as áreas 17, 18 e 19 que são responsáveis de processar esta informação, gerando resultados de cor, forma, tamanho, distância e noções de espaço. Este nervo está formado por um conglomerado de fibras nervosas que nascem nas células ganglionares da retina. Todas estas fibras agrupadas convergem o disco ótico, atravessam a coroide e a escleral e constituem na sua emergência do globo ocular, um cordão voluminoso arredondado chamado Nervo Ótico.
  10. 10. Ponto Cego Não há bastonetes nem cones onde o nervo ótico conecta com a retina, neste local nós não podemos transmitir a informação ou não podemos ‘ver’. Todos os indivíduos possuem o ‘Ponto Cego’ em ambos os olhos.
  11. 11. Visão Conclusão: A visão é um dos cinco sentidos que permite aos seres vivos dotados de órgãos adequados, aprimorarem a perceção do mundo. Como Ocorre ? Raios de luz que atingem o olho são convergidos por duas lentes para serem focados na retina (área nervosa no fundo do olho, responsável pela captação das imagens). Essas duas lentes são a córnea, estrutura transparente localizada na parte mais anterior dos olhos com poder aproximado de 40 dioptrias (graus) e a outra é o cristalino, localizado no interior dos olhos com poder aproximado de 20 dioptrias.
  12. 12. Visão Conclusão: As duas juntas levam a formação da imagem sobre a retina. O cristalino pode, através da mudança de sua curvatura, modificar o ponto de foco para longe e perto, fenômeno denominado de acomodação. As imagens que chegam na retina são captadas por recetores de cores e formas chamados cones e bastonetes e enviadas ao cérebro através do nervo ótico, onde serão codificadas e interpretadas. A íris é a estrutura responsável pela cor dos olhos e através de seu fechamento ou abertura (semelhante ao diafragma da máquina fotográfica), regula a intensidade de luz que entra.
  13. 13. Heterocromia Heterocromia ou heterocromia ocular é definida como uma anomalia genética na qual o indivíduo apresenta olhos de cores distintas, ou duas cores em um mesmo olho. Esta condição é rara em humanos, sendo mais observada em animais, especialmente em cães (como dálmatas e pastores australianos), gatos e cavalos. Quando acomete gatos, estes recebem a denominação de gato de olho ímpar. Ocorre devido a uma modificação no gene EYCL3 presente no cromossomo 15, responsável por apontar a quantidade de melanina que o olho deve apresentar (muita melanina resulta na cor marrom; pouca, na azul). O gene EYCL1, que designa a quantidade de pigmentos de gordura, diz respeito a nuance de tom, azul ou verde.
  14. 14. Heterocromia Embora o elemento genético esteja relacionado com essa condição, outros fatores podem levar à heterocromia, como a síndrome de Waardenburg, que gera surdez e incita essa alteração. Mais comumente, ocorre devido a lesões ou derrames que acarretam modificações da quantidade de melanina presente na retina. Não existe tratamento específico para essa anomalia. Contudo, lentes de contato podem ser usadas para equiparar as cores.
  15. 15. Albinismo O albinismo é uma anomalia genética, na qual ocorre um defeito na produção de melanina (pigmento), esta anomalia é a causa da ausência total ou parcial de pigmentação da pele, dos olhos e dos cabelos. O albinismo é hereditário e aparece com a combinação dos dois pais portadores do gene recessivo. O albinismo, também conhecido como Hipo pigmentação, recebe seu nome da palavra latina “albus” e significa branco. Esta anomalia afeta todas as raças. Existem três tipos principais de albinismo: o tipo 1 é caracterizado pelos defeitos que afetam a produção da melanina (cabelo branco, pele rosada, olhos cor violeta ou azuis, ausência de sardas). O tipo 2 ocorre em função de um defeito do gene “P”. As pessoas com este tipo de albinismo têm uma pigmentação clara ao nascer (cabelo branco, amarelo, ou mais escuro em pessoas da raça negra, pele rosada, presença de sardas, olhos azuis ou castanhos em pessoas da raça negra). A forma mais grave deste distúrbio é denominada albinismo oculo cutâneo e as pessoas afetadas têm cabelos, pele, cor da Íris brancos e problemas de visão. Outro tipo de albinismo, chamado albinismo ocular tipo 1, afeta somente os olhos, e o exame ocular mostra a ausência de pigmentação na parte posterior do olho (retina).
  16. 16. Albinismo A síndrome de Hermanski-Pudlak é uma forma de albinismo causada só por um gene e pode ocorrer com um transtorno hemorrágico, bem como com patologias pulmonares e intestinais. Outras doenças complexas podem levar à perda de pigmentação em só um lugar do corpo (albinismo localizado), estas podem ser: Síndrome Chediak-Higashi (falta de pigmentação em toda a pele, mas não é uma despigmentação completa); Esclerose Tuberosa: (áreas pequenas despigmentadas); Síndrome de Waardenberg (usualmente a pessoa tem uma parte do seu cabelo e um ou os dois olhos sem pigmentação). Normalmente a pessoa albina tem a sua visão diminuída e afetada por diversos problemas, apresenta ainda, problemas de pele por propensão a queimaduras solares e dificuldades sociais, visto que são rejeitadas por serem diferentes. Em alguns casos, até os próprios pais oscilam entre a aceitação e a rejeição por estarem temerosos em relação à futura aceitação do(a) filho(a).
  17. 17. Daltonismo O daltonismo é uma deficiência visual, onde o indivíduo daltônico não diferencia principalmente as cores vermelho e verde. É causada por um gene recessivo localizado no cromossomo X. Dessa forma, podem existir indivíduos com os seguintes genótipos e fenótipo:
  18. 18. Daltonismo A mulher XDXd é normal, mas é portadora do gene recessivo para o daltonismo. Se esse gene recessivo for passado para seu filho, ele será daltônico. Um pai daltônico nunca passa seu gene recessivo para um filho do sexo masculino, pois ele só passa o seu cromossomo Y para os meninos. As pessoas com Daltonismo não conseguem identificar os números acima.
  19. 19. Terçolho As pálpebras são estruturas que possuem a função de proteção dos olhos, ajudando a distribuir a umidade, através das lágrimas, assim como também desempenham uma barreira física contra lesões. Podem ocorrer diversos tipos de patologias palpebrais que podem prejudicar as estruturas oculares. Uma afeção que acomete a região palpebral e é muito comum, é o terçolho. O terçol, ou hordéolo, é uma pequena infeção de uma glândula sebácea Zeiss e Mol, causada por bactérias, geralmente estreptococo ou estafilococo e, dependendo de sua localização, pode ser interno ou externo, atingindo a margem palpebral ou a parte do olho que se conecta aos cílios. A região onde aparece esta afeção fica inchada e dolorida. Existe também outra patologia quer afeta a pálpebra, mas que não é provocada por uma infeção e é muito confundido com o terçol, que é o calázio.
  20. 20. Terçolho Inicialmente, o terçol aparece na forma de um pequeno caroço, apresentando vermelhidão na pálpebra, dor e calor. Dento de dois a três dias instala-se o quadro e, na maior parte das vezes, a resolução é espontânea, havendo a drenagem e o desaparecimento do terçol. É muito raro, mas o terçol pode evoluir para casos mais graves, resultando numa infeção em toda a região orbitária. O tratamento é feito com o uso de pomadas a base de antibióticos, colírios e, também, com a aplicação local de calor húmido, através do uso de compressas quentes. Nos casos de pessoas idosas ou imunossuprimidos, há a necessidade da realização de uma antibioticoterapia sistêmica, por via oral, devido à alta vascularização da pálpebra, tornando assim, mais fácil a disseminação da infeção.
  21. 21. Cura Para o Terçolho As recomendações feitas no caso do aparecimento do terçol são: 1. Compressas feitas com água filtrada morna, ou soro fisiológico diversas vezes ao dia; 2. Cuidado no processo de higiene da pele com xampus de pH neutro (funcionam como detergente), ajudam a desobstruir os canículas das glândulas; 3. Lave a mão várias vezes ao dia e evite passá-la no local onde está instalado o terçol
  22. 22. Cataratas A catarata é uma doença dos olhos caracterizada por uma perda da visão como consequência da falta de transparência do cristalino. É um problema da visão que afeta 75% das pessoas com mais de 70 anos, e pode afetar qualquer um dos olhos, de forma igual ou diferente cada um deles. Os principais sintomas da catarata são: falta de visibilidade, manchas escuras nas imagens captadas pelos olhos, visão dupla, halos em volta das luzes, alteração das cores, pupilas com especto leitoso, sensibilidade à luz e deficiência de visão noturna. Dentre as suas causas podemos citar: a idade, ou seja, o distúrbio surge à medida que os olhos vão sofrendo agressões ao longo da vida. Doenças: algumas delas, como a rubéola durante os primeiros meses de gravidez, podem produzir cataratas no bebê. O diabetes também pode desencadeá-la. Traumatismo: pancadas nos olhos podem causar catarata. Maus hábitos: o costume de tomar longos banhos de sol, sem utilizar óculos adequados, faz com que os raios ultravioleta produzam a catarata.
  23. 23. Cataratas Esteroides: pessoas que foram medicadas durante muito tempo com esteroides têm mais possibilidades de desenvolver esta doença. Alimentação: quando inadequada, pode levar a uma saúde ocular ruim, quer dizer, a má alimentação, aliada a condições ambientais agressivas e à própria oxidação do organismo, são a causa da aparição dos radicais livres, que afetam facilmente a visão. Para tratar desta doença é preciso a avaliação de um especialista para determinar a real causa do transtorno. A solução deste problema, quando impossibilita uma vida normal, é a intervenção cirúrgica, processo que permite a recuperação da visão. Para prevenir a catarata, portanto, é necessário proteger os olhos com óculos adequados quando da exposição prolongada ao sol (bronzeamento e atividades esportivas, p. ex.), evitar olhar diretamente para o sol, praticar técnicas de relaxamento e evitar o estresse, manter uma alimentação rica em alimentos naturais, especialmente ricos em vitaminas (A, B e C) bem como minerais (selênio, zinco, magnésio e cálcio) e usar muito pouco (ou preferencialmente não fazer uso de álcool e tabaco.
  24. 24. Miopia A miopia (palavra oriunda do grego, que significa “olhos fechados”) consiste em uma condição na qual os olhos são capazes de focar objetos que se encontram perto, mas não conseguem visualizar, com clareza, objetos situados mais distantes. Os olhos de indivíduos míopes apresentam acentuada curvatura da córnea ou comprimento do olho além do normal, ou seja, quando o comprimento físico do olho é maior do que o comprimento ótico, o que leva à formação da imagem antes da retina, resultando em baixa acuidade visual. Esta condição costuma ter etiologia genética e, comumente, intensifica-se durante a fase de crescimento. Contrariamente ao que muitos imaginam, hábitos como a leitura, utilizar a visão em ambientes pouco iluminados e deficiências nutricionais aparentemente não possuem nenhum efeito sobre a miopia.
  25. 25. Miopia Indivíduos míopes costumam reclamar, inicialmente, de visão turva dos objetos distantes. É comum também que esses pacientes apresentam dores de cabeça, pestanejar constante e/ou tensão ocular. Exames oftalmológicos são capazes de detetar a miopia. Uma pessoa com miopia pode facilmente ler a tabela de Jagger (para leitura de perto), mas apresentam dificuldades para ler a tabela de Snellen (para leitura de longe). O tratamento corretivo da miopia inclui: Uso de lentes divergentes; Cirurgias por diferentes técnicas, que visam corrigir os defeitos físicos da córnea.
  26. 26. Astigmatismo O Astigmatismo é uma deficiência visual provocada em pessoas que apresentam um formato irregular da córnea ou do cristalino, tal irregularidade gera no olho vários focos em diferentes eixos fazendo com que a pessoa tenha uma visão desfocada, distorcida e deformada dos objetos. Ao contrário da hipermetropia e da miopia, a pessoa tem dificuldade de ver objetos distantes e próximos. O olho humano normal é formado por uma córnea redonda e lisa; no olho do astigmático ela tem um formato elíptico (similar o de uma bola de futebol americano) fazendo com que os raios luminosos refletidos pelos objetos se dispersem, concentrando- os em dois ou mais focos diferentes. É comum encontrarmos pessoas que tenham uma visão defeituosa no eixo vertical e uma boa visão no eixo horizontal, isso, porque um foco foi concentrado perfeitamente no eixo x, e outro foi concentrado erroneamente no eixo y, por exemplo.
  27. 27. Astigmatismo Classificação do Astigmatismo: O Astigmatismo pode ser baseado pela estrutura assimétrica, pelos meridianos principais ou pelo foco dos meridianos principais. Astigmatismo baseado na estrutura assimétrica: Pode ser provocado pela irregularidade da córnea ou do cristalino, que são estruturas responsáveis pela focalização dos raios luminosos. Astigmatismo baseado nos meridianos principais: Esse tipo de astigmatismo pode ser: Regular – quando há uma diferença de curvatura na córnea, geralmente é hereditário Irregular - quando a córnea é muito desigual; pode ser provocada por cicatrizes na córnea devida a lesões ou inflamações. Composto – quando é associado à outra deficiência visual, como miopia ou hipermetropia.
  28. 28. Astigmatismo Astigmatismo baseado no foco dos meridianos principais Pode ser: Astigmatismo simples: No olho do astigmático as imagens são focalizadas antes da retina, apenas em um plano vertical sendo que no plano horizontal a focalização é na retina. Geralmente é provocado pela curva vertical da córnea ser mais acentuada do que a curva horizontal Astigmatismo hipermétrope simples - A imagem se forma num plano e se focaliza atrás da retina e no outro se focaliza exatamente na retina. Astigmatismo miótico simples - quando a visão não é nítida em um dos meridianos (eixo) e normal no meridiano oposto, para correção o portador desse tipo de astigmatismo utiliza lentes negativas no meridiano com problema e no outro ele utiliza lente plana. Astigmatismo composto - quando é associado à outra deficiência visual, como miopia ou hipermetropia. Astigmatismo misto - quando em um dos olhos as imagens são focalizadas antes da retina e no outro são focalizadas atrás da retina.
  29. 29. Hipermétrope A Hipermetropia é uma anomalia reacional, ocorre quando os raios luminosos são intercetados pela retina, antes de se formar a imagem, em outras palavras a imagem só é formada depois da retina. Se um objeto situado longe do olho de uma pessoa que apresentar hipermetropia, for se aproximando pouco a pouco, será visto cada vez mais embaçado, já que a imagem na retina vai se desfocando progressivamente. Quanto mais divergentes forem os raios que incidem no olho, mais atrás se formará a imagem e mais borrada ficará.
  30. 30. Hipermétrope Classificação da Hipermetropia A hipermetropia pode ser classificada como axial ou refrativa. Causas da hipermetropia axial: • Eixo do globo ocular mais curto que o normal, causando assim, dificuldades em ver de perto, sendo muito comum em crianças, uma vez que os seus olhos normalmente são menores do que o que deveriam ser, porem é normal o grau de hipermetropia diminuir na adolescência; • Aumento do raio de curvatura; • Diminuição da curvatura das faces do cristalino; Causas da hipermetropia refrativa: • Diminuição do índice de refração do cristalino e humor aquoso; • Aumento do índice de refração do vítreo; • Falta do cristalino (afacia). • A hipermetropia também pode ocorrer pela perda da capacidade de acomodação do olho com a idade (vista cansada).
  31. 31. Hipermétrope Sintomas da Hipermetropia A pessoa com hipermetropia apresenta os seguintes sintomas: Visão desfocada - dificuldade para ver com nitidez objetos próximo; Fadiga ocular e dores de cabeça - O esforço permanente de acomodação pode ser a causa destas manifestações, mais frequentes ao fim da tarde e depois do trabalho. Dificuldades de concentração, de leitura e de executar tarefas que necessitem visão de perto. Correção da Hipermetropia A hipermetropia pode ser corrigida com óculos ou lentes de contato. Utilizam-se lentes positivas (também chamadas de lentes convexas) a fim de aumentar a potência do sistema ótico de forma que os raios paralelos de objetos distantes comecem a convergir antes de penetrar no olho para serem focalizados na retina com o músculo ciliar relaxado convergindo assim a luz para a retina, onde se vai formar a imagem. Uma outra alternativa de correção do problema, restrita, geralmente, a maiores de 21 anos, é a cirurgia a laser refrativa realizada com Eximir Laser ou Lasik, essa cirurgia utiliza o laser para tornar a borda externa da córnea plana, fazendo com que a porção central se projete, aumentando o grau.

×