SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
OS
SENTIDOS
VISÃO

A visão

é um dos cinco sentidos que

permite aos seres vivos dotados de órgãos
adequados, aprimorarem a percepção do
mundo.
MECANISMOS DA VISÃO
Os raios luminosos atravessam a córnea, o
cristalino, o humor aquoso e o humor vítreo e
atingem a retina. Esses raios ao penetrarem na
córnea e no humor aquoso, passando pela pupila,
chegam ao cristalino, que leva a imagem mais para
trás ou para frente, permitindo que ela se projete
sobre a retina.
A imagem formada na retina é invertida.
O nervo óptico conduz os impulsos nervosos para
o centro da visão, no cérebro, que o interpreta e
permite ver os objetos nas posições em que
realmente se encontram.
PROBLEMAS DE VISÃO
Presbiopia

A capacidade do cristalino de alterar seu poder de
refração tem tendência a diminuir com o decorrer da idade, e
a medida que o mesmo perde sua elasticidade, provoca a
Presbiopia que atingem um grande número de pessoas após
os 40 anos. A focalização de objetos próximos torna-se
cada vez mais difícil, a solução é feita com a utilização de
lentes convergentes.
Hipermetropia

Devido alteração no diâmetro do globo ocular ser pequeno demais ou
das lentes que tem pouca refração, os raios luminosos não são desviados
e com isso não focalizado sobre a retina.
Se o objeto está longe, a pessoa ainda pode focalizá-lo usando seu
poder de acomodação que é o aumento da convergência do cristalino.
Agora para os objetos próximos há necessidade de grande aumento na
refração, que está acima da capacidade de acomodação do olho. A
pessoa que é hipermetrope enxerga muito mal de perto.
Miopia

Quando o globo ocular fica muito alongado ou quando possui um
número maior de poder de refração no sistema de lentes, onde os raios
luminosos são focalizados antes da retina através de um ponto, quanto o
objeto está perto a acomodação não consegue resolver o problema, e
conforme a distância aumenta o cristalino não consegue diminuir mais a
sua convergência, portanto a pessoa míope passa a ter dificuldade de
enxergar de longe, o uso de lentes divergentes ajudam na correção,
fazendo com que os raios luminosos de maneira que estes se afastem uns
dos outros formando um feixe divergente.
Astigmatismo

Causado devido formato irregular da córnea ou do
cristalino, fazendo com que os raios luminosos sejam
desviados de maneira incorreta, deixando a imagem fora de
foco para algumas direções.
As lentes cilíndricas de curvatura desiguais, compensa a
curvatura desigual do olho.
Glaucoma

O problema é causado devido o acúmulo do humor
aquoso, que faz que com aumenta a pressão intra-ocular, que
poderá fazer com que ocorra lesão no nervo óptico. A
pressão intra-ocular que é feita pelo oftalmologista é utilizada
para identificar os indícios de glaucoma.
Podendo

assim

medicamentos

e

ser

tratado

cirurgia,

a

podendo

tempo

através

causar

irreversível através da destruição do nervo óptico.

de

cegueira
Catarata

Causada quando o cristalino perde boa parte da
transparência dificultando a visão, sendo mais comum após
os 50 anos de idade, pode ser corrigida através de cirurgia no
qual é feita a retirada do núcleo de cristalino e é colocada
uma lente artificial.
Daltonismo

De origem genética onde afeta as cores, fazendo com que
a pessoa não consiga distinguir as cores, a dificuldade
comum é distinguir o vermelho e o verde, é provocada pela
ausência de cones que são responsáveis por essas cores.
Conjuntivite

É a inflamação da conjuntiva, que é causada por bactérias,
vírus. Os olhos costumam ficar avermelhados, e a pessoa
apresenta a sensação de incomodação, é como se tivesse
“areia nos olhos”, é muito importante procurar um médico e
não

usar

colírios

ou

outros

medicamentos

sem

a

recomendação médica, podendo provocar efeitos indesejados
e até o aparecimento de outras doenças.
AUDIÇÃ
O

A orelha consiste em 3 partes básicas – a
orelha externa, o ouvido médio, e o ouvido
interno. Cada parte serve para uma função
específica para interpretar o som. O ouvido
externo serve para coletar o som e o levar
por um canal ao ouvido médio.
O ouvido médio serve para transformar a
energia de uma onda sonora em vibrações
internas da estrutura óssea do ouvido médio
e finalmente transformar estas vibrações em
uma onda de compressão ao ouvido
interno. O ouvido interno serve para
transformar a energia da onda de
compressão dentro de um fluido em
impulsos nervosos que podem ser
transmitidos ao cérebro.
POLUIÇÃO SONORA
A poluição sonora é o efeito
provocado pela difusão do som
num tom demasiado alto, sendo o
mesmo muito acima do tolerável
pelos organismos vivos, no meio
ambiente.
intensidade,

Dependendo
causa

da

sua

danos

irreversíveis nos seres humanos.
•o ruído de uma sala de estar chega a 40dB;
•um grupo de amigos conversando em tom normal chega a 55dB;
•o ruído de um escritório chega a quase 64dB;
•um caminhão pesado em circulação chega a 74dB;
•em creches foram encontrados níveis de ruído superiores a 75dB;
•o tráfego de uma avenida de grande movimento pode chegar aos
85dB;
•trios elétricos num carnaval fora de época tem em média de 110 dB;
•o tráfego de uma avenida com grande movimento em obras com
britadeiras até 120dB;
•bombas recreativas podem proporcionar até 140dB;
•discoteca a intensidade sonora chega até 130dB.
AP ARELHO AUDITIVO

Um

aparelho

auditivo

tem

como

finalidade ajudar as pessoas com uma
perda

auditiva

a

perceber

os

sons.

Atualmente, graças ao desenvolvimento
da tecnologia digital e a um designer
bastante
encontrar

avançado,

é

aparelhos

hoje

possível

auditivos

tão

pequenos que podem ser colocados no
fundo do canal auditivo – sem prejuízo da
reprodução sonora, a qual é tão clara e
cristalina,

como

a

dos

reprodutores sonoros modernos.

melhores
OLFATO

O olfato é um dos cinco sentidos. Por

meio do olfato o homem, assim como os
demais

animais,

percebe

diferentes

odores. Em comparação com o olfato de
outros mamíferos, o olfato do ser humano
é pouco desenvolvido.
As células olfatórias (ou mucosa amarela) localizadas no
topo da cavidade nasal captam as moléculas aromáticas
dissolvidas no ar. Funciona da seguinte forma: ao inspirarmos,
o ar entra pelo nariz e alcança as células olfatórias, que,
estimuladas pelas moléculas aromáticas, enviam impulsos
nervosos ao cérebro, onde são produzidas as sensações
olfatórias. A sensibilidade das células olfativas é grande, de
modo que poucas partículas são capazes de estimulá-las e
produzir a sensação de odor. Quanto maior o estimulo, maior
a intensidade da sensação de odor.
Uma curiosidade sobre o olfato é
sua capacidade adaptativa. Ao sermos
expostos a um forte odor, a sensação
olfativa que a princípio é intensa, após
alguns minutos, torna-se imperceptível.
Pessoas

que

perdem

o

olfato,

sofrem uma diminuição na intensidade
das sensações antes agradáveis, como
comer.
PALADA
R

O paladar é um sentido dos organismos animais,
induzindo à percepção do sabor, o gosto das substâncias que
compõem normalmente o hábito alimentar de um determinado
animal.
Essa capacidade ocorre à existência de diferentes tipos de
células sensoriais, denominadas papilas gustativas, situadas
ao longo da língua (órgão muscular posicionado na parte
ventral da boca), em regiões específicas.
As papilas captam quimicamente as características do
alimento, transmitindo a informação através de impulsos
nervosos até o cérebro, que codifica a informação,
permitindo identificar os quatro sabores básicos: azedo,
amargo, doce e salgado.
DOENÇAS QUE PODEM ALTERAR O
PALADAR
O paladar é percebido pela língua, desde que úmida e lubrificada.

Doenças degenerativas em estado avançado, como diabetes (que vai

minando o organismo todo, interferindo na sensibilidade), podem alterá-lo,
assim como algumas doenças auto-imunes como artrite reumatóide e
doença de Sjoeenen, que ataca as glândulas salivares, e a radioterapia
em regiões da face. Já a boca seca, que também interfere no paladar, na
maioria das vezes é efeito colateral da ingestão de medicamentos. Já na
pessoa idosa os órgãos dos sentidos vão sofrendo uma perda gradativa
devido ao processo de envelhecimento.
TATO
O sentido do tato não se encontra em uma região
específica, pois todas as regiões do organismo possuem
mecanorreceptores responsáveis pela percepção do toque,
termoceptores responsáveis pela percepção do frio e do
calor e terminações nervosas livres responsáveis pela
percepção da dor, mudando apenas de intensidade.
Os mecanorreceptores são divididos em Corpúsculos de
Pacini, responsáveis pela percepção da pressão; Corpúlos de
Meissner

e

Discos

de

Merkel,

responsáveis

pelas

movimentações leves; Corpúlos de Ruffini, responsáveis pela
percepção de calor e distensões na pele; e os Receptores de
Krause,

responsáveis

pela

sensação.

As

terminações

nervosas livres reagem a estímulos mecânicos, térmicos e
químicos.
MEDIDAS DE PREVENÇÃO
Com relação às alergias, é correto lembrar
que por ser um processo de dentro para fora,
ou seja, uma reação natural do corpo diante
de um fator desencadeante, o certo é
descobrir o que está causando e evitar o
contato.
Os sentidos
Os sentidos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os cinco sentidos
Os cinco sentidosOs cinco sentidos
Os cinco sentidos
Joice04
 
O sentido da visão
O sentido da visãoO sentido da visão
O sentido da visão
DeaaSouza
 
Biofísica da Visão
Biofísica da VisãoBiofísica da Visão
Biofísica da Visão
Sarah Noleto
 
Apresentação sistema auditivo
Apresentação sistema auditivoApresentação sistema auditivo
Apresentação sistema auditivo
Vanessa Paiva
 
14 o sistema nervoso
14   o sistema nervoso14   o sistema nervoso
14 o sistema nervoso
Rebeca Vale
 
Sistema sensorial fisiologia
Sistema sensorial   fisiologiaSistema sensorial   fisiologia
Sistema sensorial fisiologia
Malu Correia
 

Mais procurados (20)

Órgãos dos Sentidos
Órgãos dos SentidosÓrgãos dos Sentidos
Órgãos dos Sentidos
 
Biofísica da visão
Biofísica da visãoBiofísica da visão
Biofísica da visão
 
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologiaAula 08   sistema sensorial - anatomia e fisiologia
Aula 08 sistema sensorial - anatomia e fisiologia
 
Os cinco sentidos
Os cinco sentidosOs cinco sentidos
Os cinco sentidos
 
Visão
VisãoVisão
Visão
 
Trabalho sistema sensorial
Trabalho sistema sensorialTrabalho sistema sensorial
Trabalho sistema sensorial
 
8 olho-e-visao-humana
8 olho-e-visao-humana8 olho-e-visao-humana
8 olho-e-visao-humana
 
OS 5 SENTIDOS DO CORPO HUMANO
OS 5 SENTIDOS  DO CORPO HUMANOOS 5 SENTIDOS  DO CORPO HUMANO
OS 5 SENTIDOS DO CORPO HUMANO
 
O sentido da visão
O sentido da visãoO sentido da visão
O sentido da visão
 
Audição
AudiçãoAudição
Audição
 
Sistema sensorial
Sistema sensorialSistema sensorial
Sistema sensorial
 
Órgãos dos sentidos, Slid!
Órgãos dos sentidos, Slid!Órgãos dos sentidos, Slid!
Órgãos dos sentidos, Slid!
 
Biofísica da Visão
Biofísica da VisãoBiofísica da Visão
Biofísica da Visão
 
Apresentação sistema auditivo
Apresentação sistema auditivoApresentação sistema auditivo
Apresentação sistema auditivo
 
Microscopia
MicroscopiaMicroscopia
Microscopia
 
Órgãos dos sentidos
Órgãos dos sentidosÓrgãos dos sentidos
Órgãos dos sentidos
 
Os cinco sentidos
Os cinco sentidosOs cinco sentidos
Os cinco sentidos
 
14 o sistema nervoso
14   o sistema nervoso14   o sistema nervoso
14 o sistema nervoso
 
Sistema sensorial
Sistema sensorialSistema sensorial
Sistema sensorial
 
Sistema sensorial fisiologia
Sistema sensorial   fisiologiaSistema sensorial   fisiologia
Sistema sensorial fisiologia
 

Semelhante a Os sentidos

Revisão para bimestral: Os Sentidos
Revisão para bimestral: Os SentidosRevisão para bimestral: Os Sentidos
Revisão para bimestral: Os Sentidos
Ediberg Moura
 
+Texto+informativo+ +os+órgãos+dos+sentidos-13+cópias
+Texto+informativo+ +os+órgãos+dos+sentidos-13+cópias+Texto+informativo+ +os+órgãos+dos+sentidos-13+cópias
+Texto+informativo+ +os+órgãos+dos+sentidos-13+cópias
sibelems
 
UFCD - 6565 - Noções Gerais do Sistema Neurológico, Endócrino e órgãos dos s...
UFCD - 6565 - Noções Gerais  do Sistema Neurológico, Endócrino e órgãos dos s...UFCD - 6565 - Noções Gerais  do Sistema Neurológico, Endócrino e órgãos dos s...
UFCD - 6565 - Noções Gerais do Sistema Neurológico, Endócrino e órgãos dos s...
Nome Sobrenome
 
Sistema sensorial .. anatomia
Sistema sensorial   .. anatomiaSistema sensorial   .. anatomia
Sistema sensorial .. anatomia
Alenice Aliane
 

Semelhante a Os sentidos (20)

Órgãos dos sentidos
Órgãos dos sentidosÓrgãos dos sentidos
Órgãos dos sentidos
 
Revisão para bimestral: Os Sentidos
Revisão para bimestral: Os SentidosRevisão para bimestral: Os Sentidos
Revisão para bimestral: Os Sentidos
 
Sistema sensorial
Sistema sensorial Sistema sensorial
Sistema sensorial
 
orgãos dos sentidos do corpo humano.pdf
orgãos dos sentidos do corpo humano.pdforgãos dos sentidos do corpo humano.pdf
orgãos dos sentidos do corpo humano.pdf
 
+Texto+informativo+ +os+órgãos+dos+sentidos-13+cópias
+Texto+informativo+ +os+órgãos+dos+sentidos-13+cópias+Texto+informativo+ +os+órgãos+dos+sentidos-13+cópias
+Texto+informativo+ +os+órgãos+dos+sentidos-13+cópias
 
Sentidos
SentidosSentidos
Sentidos
 
Orgãos dos sentidos.pptx
Orgãos dos sentidos.pptxOrgãos dos sentidos.pptx
Orgãos dos sentidos.pptx
 
UFCD - 6565 - Noções Gerais do Sistema Neurológico, Endócrino e órgãos dos s...
UFCD - 6565 - Noções Gerais  do Sistema Neurológico, Endócrino e órgãos dos s...UFCD - 6565 - Noções Gerais  do Sistema Neurológico, Endócrino e órgãos dos s...
UFCD - 6565 - Noções Gerais do Sistema Neurológico, Endócrino e órgãos dos s...
 
Orgãos dos Sentidos
Orgãos dos SentidosOrgãos dos Sentidos
Orgãos dos Sentidos
 
Slide de aula para Sistema Nervoso Sensorial
Slide de aula para Sistema Nervoso SensorialSlide de aula para Sistema Nervoso Sensorial
Slide de aula para Sistema Nervoso Sensorial
 
aula sobre sistema nervoso sensorial e vias
aula sobre sistema nervoso sensorial e viasaula sobre sistema nervoso sensorial e vias
aula sobre sistema nervoso sensorial e vias
 
Olho e Visão
Olho e VisãoOlho e Visão
Olho e Visão
 
Apresentação de ciências
Apresentação de ciênciasApresentação de ciências
Apresentação de ciências
 
Sistema sensorial .. anatomia
Sistema sensorial   .. anatomiaSistema sensorial   .. anatomia
Sistema sensorial .. anatomia
 
Capítulo 9 – Sentidos.pptx
Capítulo 9 – Sentidos.pptxCapítulo 9 – Sentidos.pptx
Capítulo 9 – Sentidos.pptx
 
Sentidos
SentidosSentidos
Sentidos
 
ORGÃOS E SENTIDOS.pdf
ORGÃOS E SENTIDOS.pdfORGÃOS E SENTIDOS.pdf
ORGÃOS E SENTIDOS.pdf
 
Visao
VisaoVisao
Visao
 
8 ano Visão
8 ano Visão8 ano Visão
8 ano Visão
 
Sentindo o mundo os receptores sensoriais
Sentindo o mundo os receptores sensoriaisSentindo o mundo os receptores sensoriais
Sentindo o mundo os receptores sensoriais
 

Mais de Governo do Estado do Rio Grande do Sul

Mais de Governo do Estado do Rio Grande do Sul (20)

Genética: Noções de Hereditariedade
Genética: Noções de HereditariedadeGenética: Noções de Hereditariedade
Genética: Noções de Hereditariedade
 
Conceitos básicos de Genética
Conceitos básicos de GenéticaConceitos básicos de Genética
Conceitos básicos de Genética
 
Ecossistemas e Biomas
Ecossistemas e BiomasEcossistemas e Biomas
Ecossistemas e Biomas
 
Sistema Excretor (Urinário) Humano
Sistema Excretor (Urinário) HumanoSistema Excretor (Urinário) Humano
Sistema Excretor (Urinário) Humano
 
Gametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
Gametogênese, Fecundação e Embriologia HumanaGametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
Gametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Metodologia de projetos
Metodologia de projetosMetodologia de projetos
Metodologia de projetos
 
A crise ambiental - Seminário Integrado - CCTA
A crise ambiental - Seminário Integrado - CCTAA crise ambiental - Seminário Integrado - CCTA
A crise ambiental - Seminário Integrado - CCTA
 
Alimentação e nutrientes
Alimentação e nutrientesAlimentação e nutrientes
Alimentação e nutrientes
 
Mosquito em foco
Mosquito em focoMosquito em foco
Mosquito em foco
 
Ciências da Natureza IEEBA
Ciências da Natureza IEEBACiências da Natureza IEEBA
Ciências da Natureza IEEBA
 
Combate ao Aedes aegypti
Combate ao Aedes aegyptiCombate ao Aedes aegypti
Combate ao Aedes aegypti
 
Surto, Epidemia, Pandemia e Endemia
Surto, Epidemia, Pandemia e EndemiaSurto, Epidemia, Pandemia e Endemia
Surto, Epidemia, Pandemia e Endemia
 
Portfólio - Seminário Integrado
Portfólio - Seminário IntegradoPortfólio - Seminário Integrado
Portfólio - Seminário Integrado
 
Reprodução humana - 8º ano
Reprodução humana - 8º anoReprodução humana - 8º ano
Reprodução humana - 8º ano
 
Movimento e Medidas Astronômicas - 9º ANO
Movimento e Medidas Astronômicas - 9º ANOMovimento e Medidas Astronômicas - 9º ANO
Movimento e Medidas Astronômicas - 9º ANO
 
Sistema nervoso - 8º ANO
Sistema nervoso - 8º ANOSistema nervoso - 8º ANO
Sistema nervoso - 8º ANO
 
Lixo eletrônico e Tabela Periódica
Lixo eletrônico e Tabela PeriódicaLixo eletrônico e Tabela Periódica
Lixo eletrônico e Tabela Periódica
 
Sistema cardiovascular - 8º ano
Sistema cardiovascular - 8º anoSistema cardiovascular - 8º ano
Sistema cardiovascular - 8º ano
 
Atividades do PIBID Heloisa Louzada (Apresentação em Bagé 11/06)
Atividades do PIBID Heloisa Louzada (Apresentação em Bagé 11/06)Atividades do PIBID Heloisa Louzada (Apresentação em Bagé 11/06)
Atividades do PIBID Heloisa Louzada (Apresentação em Bagé 11/06)
 

Os sentidos

  • 2. VISÃO A visão é um dos cinco sentidos que permite aos seres vivos dotados de órgãos adequados, aprimorarem a percepção do mundo.
  • 3. MECANISMOS DA VISÃO Os raios luminosos atravessam a córnea, o cristalino, o humor aquoso e o humor vítreo e atingem a retina. Esses raios ao penetrarem na córnea e no humor aquoso, passando pela pupila, chegam ao cristalino, que leva a imagem mais para trás ou para frente, permitindo que ela se projete sobre a retina.
  • 4. A imagem formada na retina é invertida. O nervo óptico conduz os impulsos nervosos para o centro da visão, no cérebro, que o interpreta e permite ver os objetos nas posições em que realmente se encontram.
  • 5.
  • 6. PROBLEMAS DE VISÃO Presbiopia A capacidade do cristalino de alterar seu poder de refração tem tendência a diminuir com o decorrer da idade, e a medida que o mesmo perde sua elasticidade, provoca a Presbiopia que atingem um grande número de pessoas após os 40 anos. A focalização de objetos próximos torna-se cada vez mais difícil, a solução é feita com a utilização de lentes convergentes.
  • 7.
  • 8. Hipermetropia Devido alteração no diâmetro do globo ocular ser pequeno demais ou das lentes que tem pouca refração, os raios luminosos não são desviados e com isso não focalizado sobre a retina. Se o objeto está longe, a pessoa ainda pode focalizá-lo usando seu poder de acomodação que é o aumento da convergência do cristalino. Agora para os objetos próximos há necessidade de grande aumento na refração, que está acima da capacidade de acomodação do olho. A pessoa que é hipermetrope enxerga muito mal de perto.
  • 9.
  • 10. Miopia Quando o globo ocular fica muito alongado ou quando possui um número maior de poder de refração no sistema de lentes, onde os raios luminosos são focalizados antes da retina através de um ponto, quanto o objeto está perto a acomodação não consegue resolver o problema, e conforme a distância aumenta o cristalino não consegue diminuir mais a sua convergência, portanto a pessoa míope passa a ter dificuldade de enxergar de longe, o uso de lentes divergentes ajudam na correção, fazendo com que os raios luminosos de maneira que estes se afastem uns dos outros formando um feixe divergente.
  • 11.
  • 12. Astigmatismo Causado devido formato irregular da córnea ou do cristalino, fazendo com que os raios luminosos sejam desviados de maneira incorreta, deixando a imagem fora de foco para algumas direções. As lentes cilíndricas de curvatura desiguais, compensa a curvatura desigual do olho.
  • 13.
  • 14. Glaucoma O problema é causado devido o acúmulo do humor aquoso, que faz que com aumenta a pressão intra-ocular, que poderá fazer com que ocorra lesão no nervo óptico. A pressão intra-ocular que é feita pelo oftalmologista é utilizada para identificar os indícios de glaucoma. Podendo assim medicamentos e ser tratado cirurgia, a podendo tempo através causar irreversível através da destruição do nervo óptico. de cegueira
  • 15.
  • 16. Catarata Causada quando o cristalino perde boa parte da transparência dificultando a visão, sendo mais comum após os 50 anos de idade, pode ser corrigida através de cirurgia no qual é feita a retirada do núcleo de cristalino e é colocada uma lente artificial.
  • 17.
  • 18. Daltonismo De origem genética onde afeta as cores, fazendo com que a pessoa não consiga distinguir as cores, a dificuldade comum é distinguir o vermelho e o verde, é provocada pela ausência de cones que são responsáveis por essas cores.
  • 19.
  • 20. Conjuntivite É a inflamação da conjuntiva, que é causada por bactérias, vírus. Os olhos costumam ficar avermelhados, e a pessoa apresenta a sensação de incomodação, é como se tivesse “areia nos olhos”, é muito importante procurar um médico e não usar colírios ou outros medicamentos sem a recomendação médica, podendo provocar efeitos indesejados e até o aparecimento de outras doenças.
  • 21.
  • 22. AUDIÇÃ O A orelha consiste em 3 partes básicas – a orelha externa, o ouvido médio, e o ouvido interno. Cada parte serve para uma função específica para interpretar o som. O ouvido externo serve para coletar o som e o levar por um canal ao ouvido médio.
  • 23. O ouvido médio serve para transformar a energia de uma onda sonora em vibrações internas da estrutura óssea do ouvido médio e finalmente transformar estas vibrações em uma onda de compressão ao ouvido interno. O ouvido interno serve para transformar a energia da onda de compressão dentro de um fluido em impulsos nervosos que podem ser transmitidos ao cérebro.
  • 24.
  • 25. POLUIÇÃO SONORA A poluição sonora é o efeito provocado pela difusão do som num tom demasiado alto, sendo o mesmo muito acima do tolerável pelos organismos vivos, no meio ambiente. intensidade, Dependendo causa da sua danos irreversíveis nos seres humanos.
  • 26. •o ruído de uma sala de estar chega a 40dB; •um grupo de amigos conversando em tom normal chega a 55dB; •o ruído de um escritório chega a quase 64dB; •um caminhão pesado em circulação chega a 74dB; •em creches foram encontrados níveis de ruído superiores a 75dB; •o tráfego de uma avenida de grande movimento pode chegar aos 85dB; •trios elétricos num carnaval fora de época tem em média de 110 dB; •o tráfego de uma avenida com grande movimento em obras com britadeiras até 120dB; •bombas recreativas podem proporcionar até 140dB; •discoteca a intensidade sonora chega até 130dB.
  • 27. AP ARELHO AUDITIVO Um aparelho auditivo tem como finalidade ajudar as pessoas com uma perda auditiva a perceber os sons. Atualmente, graças ao desenvolvimento da tecnologia digital e a um designer bastante encontrar avançado, é aparelhos hoje possível auditivos tão pequenos que podem ser colocados no fundo do canal auditivo – sem prejuízo da reprodução sonora, a qual é tão clara e cristalina, como a dos reprodutores sonoros modernos. melhores
  • 28. OLFATO O olfato é um dos cinco sentidos. Por meio do olfato o homem, assim como os demais animais, percebe diferentes odores. Em comparação com o olfato de outros mamíferos, o olfato do ser humano é pouco desenvolvido.
  • 29. As células olfatórias (ou mucosa amarela) localizadas no topo da cavidade nasal captam as moléculas aromáticas dissolvidas no ar. Funciona da seguinte forma: ao inspirarmos, o ar entra pelo nariz e alcança as células olfatórias, que, estimuladas pelas moléculas aromáticas, enviam impulsos nervosos ao cérebro, onde são produzidas as sensações olfatórias. A sensibilidade das células olfativas é grande, de modo que poucas partículas são capazes de estimulá-las e produzir a sensação de odor. Quanto maior o estimulo, maior a intensidade da sensação de odor.
  • 30.
  • 31. Uma curiosidade sobre o olfato é sua capacidade adaptativa. Ao sermos expostos a um forte odor, a sensação olfativa que a princípio é intensa, após alguns minutos, torna-se imperceptível. Pessoas que perdem o olfato, sofrem uma diminuição na intensidade das sensações antes agradáveis, como comer.
  • 32. PALADA R O paladar é um sentido dos organismos animais, induzindo à percepção do sabor, o gosto das substâncias que compõem normalmente o hábito alimentar de um determinado animal. Essa capacidade ocorre à existência de diferentes tipos de células sensoriais, denominadas papilas gustativas, situadas ao longo da língua (órgão muscular posicionado na parte ventral da boca), em regiões específicas.
  • 33.
  • 34. As papilas captam quimicamente as características do alimento, transmitindo a informação através de impulsos nervosos até o cérebro, que codifica a informação, permitindo identificar os quatro sabores básicos: azedo, amargo, doce e salgado.
  • 35.
  • 36. DOENÇAS QUE PODEM ALTERAR O PALADAR O paladar é percebido pela língua, desde que úmida e lubrificada. Doenças degenerativas em estado avançado, como diabetes (que vai minando o organismo todo, interferindo na sensibilidade), podem alterá-lo, assim como algumas doenças auto-imunes como artrite reumatóide e doença de Sjoeenen, que ataca as glândulas salivares, e a radioterapia em regiões da face. Já a boca seca, que também interfere no paladar, na maioria das vezes é efeito colateral da ingestão de medicamentos. Já na pessoa idosa os órgãos dos sentidos vão sofrendo uma perda gradativa devido ao processo de envelhecimento.
  • 37. TATO O sentido do tato não se encontra em uma região específica, pois todas as regiões do organismo possuem mecanorreceptores responsáveis pela percepção do toque, termoceptores responsáveis pela percepção do frio e do calor e terminações nervosas livres responsáveis pela percepção da dor, mudando apenas de intensidade.
  • 38.
  • 39. Os mecanorreceptores são divididos em Corpúsculos de Pacini, responsáveis pela percepção da pressão; Corpúlos de Meissner e Discos de Merkel, responsáveis pelas movimentações leves; Corpúlos de Ruffini, responsáveis pela percepção de calor e distensões na pele; e os Receptores de Krause, responsáveis pela sensação. As terminações nervosas livres reagem a estímulos mecânicos, térmicos e químicos.
  • 40.
  • 41. MEDIDAS DE PREVENÇÃO Com relação às alergias, é correto lembrar que por ser um processo de dentro para fora, ou seja, uma reação natural do corpo diante de um fator desencadeante, o certo é descobrir o que está causando e evitar o contato.