BIOFÍSICA DA VISÃO
COMPONENTES:
ALINE NAYRA
ANA CAROLINA
ANDREZA RAVENA
EVA MARIA
FRANCISCA JÉSSICA
JOANA CAROLINA
JOÃO DA...
ILUSÃO DE ÓPTICA
 São imagens que enganam
momentaneamente o cérebro deixando o
inconsciente confuso e fazendo com que est...
ANATOMIA DO
OLHO
PRINCIPAIS ELEMENTOS DO OLHO
HUMANO
 O BULBO OCULAR:
 Túnica Fibrosa; a mais externa
 Túnica Vascular; a média
 Túnica...
Túnica fibrosa
 Compreende a esclera e a córnea.
 A córnea é a parte anterior do olho,uma
camada curva e transparente,re...
Túnica Vascular
 Compreende três partes: coroide, corpo ciliar
e Iris.
 A coroide é a parte posterior, marrom e forma
a ...
Túnica Interna
 É a porção receptora da retina, contém células
especiais, fotorreceptoras, os cones e os
bastonetes.
 Co...
Índice de Refração do Olho
Formação de Imagem no Olho
 A luz incide na córnea e converge até a retina,
formando as imagens.
 Para esta formação de ...
CRISTALINO
RETINA
1,5 mm
p p’
i- A imagem
retiniana é real,
invertida e menor.
Músculos Ciliares
O
Adaptação Visual
 Chama-se adaptação visual a capacidade
apresentada pela pupila de se adequar a
luminosidade de cada amb...
Acomodação Visual
 As pessoas que tem visão considerada
normal, emétropes, têm a capacidade de
acomodar objetos de distân...
Equação de Gauss
Considerando o olho com distância entre a lente e a retina de 15mm,
ou seja, p'=15mm:
Neste caso, o foco ...
Ponto Remoto
 Quanto a distância infinita, corresponde
ao ponto remoto, que a distância máxima
alcançada para uma imagem ...
No entanto , é um valor indeterminado, mas se
pensarmos que infinito corresponde a um valor muito alto,
veremos que esta d...
Ametropias da Visão
 Miopia:é um defeito da visão que consiste em
um alongamento do globo ocular na direção do
eixo óptic...
 Astigmatismo: A córnea normal é
arredondada, com a mesma curvatura em
todas as direções, o que favorece uma visão
clara ...
Estrabismo
 Desequilíbrio na função dos músculos oculares,
fazendo com que os olhos não fiquem paralelos.
No estrabismo, ...
Biofísica da visão
Biofísica da visão
Biofísica da visão
Biofísica da visão
Biofísica da visão
Biofísica da visão
Biofísica da visão
Biofísica da visão
Biofísica da visão
Biofísica da visão
Biofísica da visão
Biofísica da visão
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Biofísica da visão

1.806 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.806
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
22
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
161
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Biofísica da visão

  1. 1. BIOFÍSICA DA VISÃO COMPONENTES: ALINE NAYRA ANA CAROLINA ANDREZA RAVENA EVA MARIA FRANCISCA JÉSSICA JOANA CAROLINA JOÃO DA CRUZ LAÍZ ALVES LENYSE FONTINELE RENATA AMANDA
  2. 2. ILUSÃO DE ÓPTICA  São imagens que enganam momentaneamente o cérebro deixando o inconsciente confuso e fazendo com que este capte ideias falsas, preenchendo espaços que não ficam claros à primeira vista. Podem ser fisiológicas quando surgem naturalmente ou cognitivas quando se cria com artifícios visuais.
  3. 3. ANATOMIA DO OLHO
  4. 4. PRINCIPAIS ELEMENTOS DO OLHO HUMANO  O BULBO OCULAR:  Túnica Fibrosa; a mais externa  Túnica Vascular; a média  Túnica interna; é a retina onde se localiza os fotorreceptores
  5. 5. Túnica fibrosa  Compreende a esclera e a córnea.  A córnea é a parte anterior do olho,uma camada curva e transparente,responsável por 2/3 da focalização da luz na retina e funciona como meio dióptico, isto é como meio de refração para os raios luminosos.  A esclera é a parte opaca, posterior, tendo uma coloração esbranquiçada e servindo como meio de proteção e para inserção de tendões dos músculos motores do olho.
  6. 6. Túnica Vascular  Compreende três partes: coroide, corpo ciliar e Iris.  A coroide é a parte posterior, marrom e forma a maior parte da esclera.  O corpo ciliar é um espessamento da túnica vascular e une a coroide com a iris; e a lente (cristalino) que está preso ao corpo ciliar.  A iris é um diafragma circular, pigmentado.
  7. 7. Túnica Interna  É a porção receptora da retina, contém células especiais, fotorreceptoras, os cones e os bastonetes.  Cones: São sensíveis as cores primárias(azul, verde e vermelho). São responsáveis pela visão detalhada à luz do dia.  Bastonetes: Funcionam mais eficientes que os cones quando se está sob luz fraca, são pouco sensíveis as cores  Os impulsos luminosos captados na retina, onde ocorre a conversão da imagem luminosa em impulsos elétricos nervosos, são levados ao
  8. 8. Índice de Refração do Olho
  9. 9. Formação de Imagem no Olho  A luz incide na córnea e converge até a retina, formando as imagens.  Para esta formação de imagem acontecem vários fenômenos fisiológicos, no entanto, para o estudo da óptica podemos considerar o olho como uma lente convergente, com distância focal variável.  Tal representação é chamada olho reduzido, e traz a representação das distâncias entre a córnea e a lente e entre a lente e a retina, sendo a última a distância da imagem produzida em relação a lente (p').
  10. 10. CRISTALINO RETINA 1,5 mm p p’ i- A imagem retiniana é real, invertida e menor. Músculos Ciliares O
  11. 11. Adaptação Visual  Chama-se adaptação visual a capacidade apresentada pela pupila de se adequar a luminosidade de cada ambiente, comprimindo-se ou dilatando-se.  Em ambientes com grande luminosidade a pupila pode atingir um diâmetro de até 1,5mm, fazendo com que entre menos luz no globo ocular, protegendo a retina de um possível ofuscamento.  Já em ambientes mais escuros, a pupila se dilata, atingindo diâmetro de até 10mm. Assim a incidência de luminosidade aumenta no globo ocular, possibilitando a visão em tais ambientes.
  12. 12. Acomodação Visual  As pessoas que tem visão considerada normal, emétropes, têm a capacidade de acomodar objetos de distâncias de 25 cm em média, até distâncias no infinito visual.  Ponto próximo: A primeira distância (25cm) corresponde ao ponto próximo, que é a mínima distância que um pessoa pode enxergar corretamente. O que caracteriza esta situação é que os músculos ciliares encontram-se totalmente contraídos.
  13. 13. Equação de Gauss Considerando o olho com distância entre a lente e a retina de 15mm, ou seja, p'=15mm: Neste caso, o foco da imagem será encontrado 14,1mm distante da lente.
  14. 14. Ponto Remoto  Quanto a distância infinita, corresponde ao ponto remoto, que a distância máxima alcançada para uma imagem focada. Nesta situação os músculos ciliares encontram-se totalmente relaxados.  Da mesma forma que para o ponto próximo, podemos utilizar a equação de Gauss, para determinar o foco da imagem.
  15. 15. No entanto , é um valor indeterminado, mas se pensarmos que infinito corresponde a um valor muito alto, veremos que esta divisão resultará em um valor muito pequeno, podendo ser desprezado. Assim, teremos que:
  16. 16. Ametropias da Visão  Miopia:é um defeito da visão que consiste em um alongamento do globo ocular na direção do eixo óptico. A distância cristalino-retina é superior a 1,5 cm, fazendo com que a imagem de um objeto impróprio se forme na retina.  Hipermetropia: é um defeito da visão que consiste em um alongamento do globo ocular na direção perpendicular ao eixo óptico. A distância cristalino-retina é inferior a 1,5 cm , fazendo com que a imagem de um objeto impróprio se forme além da retina.
  17. 17.  Astigmatismo: A córnea normal é arredondada, com a mesma curvatura em todas as direções, o que favorece uma visão clara e uniforme dos objetos.  O astigmatismo ocorre quando a córnea apresenta uma maior curvatura em uma direção, o que distorce e nubla a visão para perto como para longe.
  18. 18. Estrabismo  Desequilíbrio na função dos músculos oculares, fazendo com que os olhos não fiquem paralelos. No estrabismo, ou “vesgueira”, enquanto um dos olhos olha em frente, o outro está desviado.  Tipos: Existem diversos tipos de estrabismo; o olho afetado pode estar desviado em direção ao nariz (estrabismo convergente), para o lado (estrabismo divergente), para cima ou para baixo (estrabismo vertical). Pode haver uma combinação de desvio horizontal e vertical num mesmo paciente, como, por exemplo, em direção ao nariz e para cima.

×