CORRELAÇÃO FENOTÍPICA ENTRE DESCRITORES AGRONÔMICOS DA 1 MACAÚBA Acrocomia aculeata (Jacq.) Lodd. ex Mart. 2 
3 
SARA MORR...
a 885 m e a precipitação varia de 1200 a 1800 mm ano 
-1, com períodos secos de dois a quatro 34 meses. Foram avaliadas 54...
Tabela 1. Média, mínimo, máximo e desvio-padrão de quatro caracteres vegetativos quantitativos 68 de macaúba avaliadas em ...
AGRADECIMENTOS 97 
À PETROBRAS pelo financiamento do projeto, à FAPEMIG, ao CNPq e CAPES pelas 98 concessões das bolsas de...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Correlação fenotípica entre descritores agronômicos da macaúba acrocomia aculeata (jacq.) lodd. ex mart. sara coser final

129 visualizações

Publicada em

Artigo publicado nos anais do Congresso Brasileiro de Macaúba, em 2013.

Publicada em: Ciências
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Correlação fenotípica entre descritores agronômicos da macaúba acrocomia aculeata (jacq.) lodd. ex mart. sara coser final

  1. 1. CORRELAÇÃO FENOTÍPICA ENTRE DESCRITORES AGRONÔMICOS DA 1 MACAÚBA Acrocomia aculeata (Jacq.) Lodd. ex Mart. 2 3 SARA MORRA COSER1; SÉRGIO YOSHIMITSU MOTOIKE1; CARLOS NICK1; FABIANA 4 SILVA DE SOUZA1 5 6 INTRODUÇÃO 7 A macaúba Acrocomia aculeata (Jacq.) Lodd. ex Mart., atualmente considerada um dos 8 principais recursos fitogenéticos da flora brasileira, destaca-se como espécie altamente promissora 9 devido ao seu potencial para uso alimentício, medicinal, na indústria de cosméticos e 10 principalmente pelo seu alto rendimento energético por unidade de área cultivada, cerca de 4000 L 11 ha ano-1 (ABREU et al., 2012; NUCCI, 2008). É nativa de florestas tropicais, também conhecida no 12 Brasil por bocaiúva, coco de espinho, macaúva, marcová e mucajá (RUBIO NETO et al., 2010). 13 A exploração comercial da macaúba, todavia, depende do desenvolvimento de tecnologias, 14 que permitam a seleção de genótipos que combinem alelos que expressem características de 15 interesse agronômico para que programas de pré-melhoramento e melhoramento da cultura possam 16 ser subsidiados. A priori, a conservação e caracterização da variabilidade genética de macaúba 17 existente nos maciços naturais em bancos de germoplasma, tornam-se fundamental. 18 Concomitantemente aos trabalhos de conservação e caracterização do germoplasma, mensurar a 19 variabilidade genética e conhecer as correlações entre caracteres de interesse para seleção numa 20 população por meio de descritores agronômicos constitui uma das etapas iniciais em programas de 21 melhoramento genético (CORRÊA et al., 2012). 22 Dada a importância dos recursos fitogenéticos de macaúba e escassez de informações a 23 respeito de características agronômicas de interesse ao melhoramento da espécie, o estudo destes 24 caracteres e o conhecimento da relação entre eles são de suma importância. 25 O objetivo deste trabalho foi avaliar a associação entre caracteres agronômicos da fase 26 juvenil úteis ao melhoramento da macaúba por meio de quatro descritores fenotípicos quantitativos 27 em 54 famílias de meios-irmãos de macaúba e estimar a correlação fenotípica entre os descritores. 28 29 MATERIAL E MÉTODOS 30 As avaliações foram realizadas na Estação Experimental da Universidade Federal de Viçosa, 31 localizada no munícipio de Araponga, Minas Gerais, a 20º 40’ 14’’ S, 42º 30’ 47’’ W. Conforme 32 classificação de Koppen, o clima da região é subtropical úmido, do tipo CWA. O município situa-se 33 1 Universidade Federal de Viçosa, e-mails: fassouza@yahoo.com.br; motoike@ufv.br; carlos.nick@ufv.br; cosersm@gmail.com 1
  2. 2. a 885 m e a precipitação varia de 1200 a 1800 mm ano -1, com períodos secos de dois a quatro 34 meses. Foram avaliadas 54 famílias de meios-irmãos conservadas no Banco Ativo de Germoplasma 35 de Macaúba da UFV (BAG - Macaúba), credenciado junto ao Conselho de Gestão do Patrimônio 36 Genético Nacional sob o número 083/2013/SECEX/CGEN, coletadas nos estados de Minas Gerais 37 e São Paulo. O plantio das mudas foi realizado em novembro de 2009 e o espaçamento adotado foi 38 o de 5,0 x 5,0 m. 39 Os acessos pertencentes à área denominada Gleba I, foram avaliados por meio de descritores 40 agronômicos relacionados à fase vegetativa da cultura, para o entendimento das relações entre estes 41 caracteres. Os seguintes caracteres agronômicos foram avaliados: a) altura média do estipe (AETP) 42 – distância mensurada entre a base peciolar da flecha e a superfície do solo, em cm; b) número 43 médio de folhas (NUFO) – contagem do número de folhas total da planta; c) distância média do 44 entrenó (DENT) – medidas tomadas no terço médio da planta, entre a inserção do pecíolo de uma 45 folha e a folha subsequente e d) diâmetro médio do estipe (DETP) – diâmetro da base do estipe, 46 mensurado a 50 cm do solo, em cm. Os dados referentes aos caracteres agronômicos foram 47 analisados por meio de estatística descritiva e a associação entre eles por meio de correlação 48 simples entre todas as variáveis analisadas, pelo método de Pearson (STEEL; TORRIE, 1998). As 49 análises foram realizadas com o auxílio do programa computacional GENES (CRUZ, 2013). 50 51 52 RESULTADOS E DISCUSSÃO 53 A análise descritiva das características agronômicas é apresentada na Tabela 1. Para todas as 54 variáveis em questão, grande amplitude entre os valores foi encontrada, sendo AETP, aquela com 55 maior amplitude e consequentemente maior desvio-padrão. Tais resultados sugerem a existência de 56 variabilidade para estas características, condição necessária para obtenção de ganhos e progresso na 57 seleção de indivíduos superiores. 58 Segundo Rios et al. (2011), a altura do estipe em dendezeiro, é uma variável que deve ser 59 quantificada anualmente, pois, por meio desta, é possível calcular a taxa anual de crescimento. 60 Ainda segundo os autores, esta variável é de grande interesse para o melhoramento de espécies da 61 família Arecaceae, pois a seleção de genótipos com menor taxa de crescimento resulta em maior 62 facilidade para colheita dos cachos, que por sua vez garante maior longevidade para a exploração 63 comercial das palmeiras. 64 65 66 67 2
  3. 3. Tabela 1. Média, mínimo, máximo e desvio-padrão de quatro caracteres vegetativos quantitativos 68 de macaúba avaliadas em 54 famílias de meios-irmãos conservadas no BAG – Macaúba UFV 69 Variável Média Mínimo Máximo σ AETP 186,60 40,00 480,00 81,34 NUFO 18,49 3,00 39,00 5,88 DENT 10,10 1,38 19,67 3,06 DEST 33,96 6,00 70,60 10,72 AETP – altura da estipe em cm; NUFO – número de folhas; DENT – distância de entrenós em cm e 70 DETP – diâmetro do estipe em cm. 71 72 73 A análise de correlação simples revelou coeficientes de correlação positivos, de magnitude 74 intermediária e significativos entre AETP/NUFO e AETP/DENT (Tabela 2). Estes resultados são 75 extremamente promissores, pois estas variáveis são de grande interesse para o melhoramento. Por 76 se tratarem de variáveis relacionadas à taxa de crescimento, indivíduos com menor taxa de 77 crescimento do estipe, observado por meio dos menores valores de DENT, por exemplo, resultarão 78 em plantas mais baixas. Por conseguinte, esta característica condiciona a maior facilidade do 79 manejo no período de colheita, além da maior longevidade da exploração comercial destes 80 genótipos. 81 82 Tabela 2. Coeficientes de correlação entre quatro caracteres quantitativos relativos à fase juvenil de 83 acessos de macaúba conservados no BAG - Macaúba da UFV 84 Variável NUFO DENT DETP AETP 0,70** 0,66** 0,11* NUFO - -0,02 0,01 DENT - - 0,14** AETP – altura do estipe em cm; NUFO – número de folhas; DENT – distância de entrenós em cm e 85 DIAM – diâmetro da base do estipe em cm. **Significativo a 1 e 5 % pelo teste t. 86 87 88 CONCLUSÕES 89 A seleção de genótipos com menor distância entre os entrenós poderá resultar no aumento 90 da longevidade comercial da macaúba, em função da redução do porte e maior facilidade da 91 colheita. 92 Significativa variabilidade foi detectada para os descritores fenotípicos quantitativos nas 93 famílias conservadas no BAG - Macaúba da UFV. 94 95 96 3
  4. 4. AGRADECIMENTOS 97 À PETROBRAS pelo financiamento do projeto, à FAPEMIG, ao CNPq e CAPES pelas 98 concessões das bolsas de estudo e à Universidade Federal de Viçosa pelo apoio logístico e de 99 infraestrutura. 100 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 101 ABREU, A.G.; PRIOLLI, R.H.G.; AZEVEDO-FILHO, J.A.; NUCCI, S.M.; ZUCCHI, M.I.; 102 COELHO, R.M.; COLOMBO, C.A. The genetic structure and mating system of Acrocomia 103 aculeata (Arecaceae). Genetics and molecular biology, Ribeirão Preto. v. 35, n. 1, p. 119 - 121, 104 2012. 105 106 CORRÊA, A.M.; CECCON, G.C.; CÉSAR, M. de A.; DELBEN, D.S. Estimativas de parâmetros 107 genéticos e correlações entre caracteres fenológicos e morfoagronômicos em feijão-caupi. Revista 108 Ceres, Viçosa, v. 59, n.1, p. 88-94, 2012. 109 110 CRUZ, C.D. Genes: a software package for analysis in experimental statistics and quantitative 111 genetics. Acta Scientiarum. Agronomy, Maringá, v.35, n.3, p. 271-276, 2013. 112 113 NUCCI, S.M.; AZEVEDO‐FILHO, J.A.; COLOMBO, C.A.; PRIOLLI, R.H.G.; COELHO, R.M.; 114 MATA, T.L.; ZUCCHI, M.I. Development and characterization of microsatellites markers from the 115 macaw. Molecular ecology resources, New Jersey, v. 8, n.1, p. 224-226, 2008. 116 117 RIOS, S.A.; CUNHA, R.N.V.; LOPES, R.; BARCELOS, E.; TEIXEIRA, P.C.; LIMA. W.A.A.; 118 ABREU, S.C. Caracterização fenotípica e diversidade genética em subamostras de Caiaué (Elaeis 119 oleifera). Unimontes Científica, Montes Claros, v. 13, n.1/2, p. 49-56, 2011. 120 121 RUBIO NETO, A.; SILVA, F.G.; SALES, J.F.; REIS, E.F.; SILVA, M.V.V.; SOUZA, A.L. Effect 122 of dry in gand soaking fruits and seeds on germination of macaw palm (Acrocomia aculeata [Jacq.] 123 Loddigesex MART.). Acta Scientiarum Agronomy, Maringá, v. 34, n. 2, p. 179-185, 2012. 124 125 STEEL, R.G.; TORRIE, J.H. Principles and procedures of statistics. New York: MacGraw-Hill, 126 1998. 632p. 127 128 4

×