CORRELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS EM1
PROGÊNIES DE MACAÚBA2
3
JEAN CARLOS ALEKCEVETCH1
; GISELE...
avaliadas foram: (i) Altura da planta (H, em m); (ii) comprimento da ráquis (CR, em m); (iii)30
largura das ráquis (LR, em...
apenas 15 famílias foram avaliadas, e para a maioria das características avaliadas essas progênies64
não diferem entre si ...
Tabela 1. Estimativas de correção de Pearson entre variáveis morfológicas e fisiológicas em Macaúba. H – altura; CR – comp...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Correlação entre características morfológicas e fisiológicas em progênies de macaúba jean alecvete final

158 visualizações

Publicada em

Artigo publicado nos anais do Congresso Brasileiro de Macaúba, em 2013.

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
158
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
50
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Correlação entre características morfológicas e fisiológicas em progênies de macaúba jean alecvete final

  1. 1. CORRELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS EM1 PROGÊNIES DE MACAÚBA2 3 JEAN CARLOS ALEKCEVETCH1 ; GISELE PEREIRA DOMICIANO1 ; RODRIGO FURTADO4 SANTOS1 ; LEYCIANE MARCIA VIEIRA1 ; LEO DUC HAA CARSON SCHWARTZHAUPT DA5 CONCEIÇÃO2 ; BRUNO GALVEAS LAVIOLA1 ; ALEXANDRE ALONSO ALVES1 6 7 INTRODUÇÃO8 A Macaúba (Acrocomia aculeata (Jacq.) Lodd. ex Martius) é uma palmeira oleaginosa9 nativa do Brasil, que está se destacando devido a seu elevado potencial produtivo. Devido sua10 promissora capacidade em fornecer, ao mercado interno, óleo para produção de biocombustíveis,11 diversas instituições estão investindo em PD&I para a espécie. À longo prazo, programas de12 melhoramento é uma das principais necessidades para obtenção de variedades melhoradas e13 viabilização do cultivo comercial da espécie. Nesse sentido, um extenso trabalho de mapeamento e14 caracterização em maciços naturais e implantação de coleções de germoplasma estão sendo15 conduzidos. Testes de progênies também vem sendo implantados e consistem hoje nas primeiras16 ações de melhoramento. Estes testes são avaliados principalmente quanto às características17 morforlógicas. Aspectos ecofisiológicos da espécie também já foram investigados (PIRES et al;18 2013). Flood et al. (2011) demonstraram que os parâmetros ecofisiológicos podem estar diretamente19 ligados à produtividade de inúmeras espécies, e dada à carência de informações sobre a associação20 destes parâmetros com os componentes de produção na cultura da macaúba, o objetivo deste estudo21 foi obter estimativas de correlação entre características morfológicas e fisiológicas avaliadas ao22 nível de campo.23 MATERIAL E MÉTODOS24 O experimento foi conduzido em um teste de progênies mantido pela Embrapa25 Agroenergia em campo experimental da Embrapa Cerrados (Planaltina – DF) (15°35’30”S e26 47°42’30”W, 1007m). Neste ensaio, 15 famílias de meios-irmãos, oriundas de coletas realizadas27 nos estados de Minas Gerais, Goiás e Distrito Federal, foram distribuídas em blocos ao acaso (528 parcelas com três plantas por bloco, com espaçamento de 5x5m). As características morfológicas29 1 Embrapa Agroenergia, Parque Estação Biológica, Avenida W3 Norte (Final), Brasília/DF, Brasil, 70770- 901 (jean.carlos@colaborador.embrapa.br; gisele.domiciano@embrapa.br; rodrigo.santos@embrapa.br; lecianymvieira@hotmail.com; leo.carson@embrapa.br; bruno.laviola@embrapa.br; alexandre.alonso@embrapa.br) 2 Embrapa Cerrados, Rodovia Brasília/Fortaleza BR 020 Km 18, Planaltina/DF, Brasil, 73310-970.
  2. 2. avaliadas foram: (i) Altura da planta (H, em m); (ii) comprimento da ráquis (CR, em m); (iii)30 largura das ráquis (LR, em cm), (iv) número de ráquis (NR). A (v) área foliar total (AFT, em m2 )31 foi estimada por meio da seguinte equação: AFT (m2 ) = -0,852 + 6,49*H, onde H equivale à altura.32 Também foram avaliadas características fisiológicas associadas às trocas gasosas como a (vi) taxa33 de assimilação liquida de CO2 (A); (vii) a condutância estomática (gs), (viii) a concentração34 mesofílica de CO2 (Ci), (ix) a taxa de transpiração (E) e (x) o déficit de pressão de vapor (VpdL).35 As mensurações foram realizadas no folíolo médio da primeira ráquis totalmente expandida (PIRES36 et al. 2013), com o auxílio de um analisador de gás por infra-vermelho (IRGA) (Licor 6400 XL) sob37 condições atmosféricas naturais (~380-390 ppm de CO2). As avaliações foram realizadas sob luz38 saturante (1200µmol m-2 .s-1 ). Utilizando dados de temperatura da folha, umidade relativa na câmara39 e a diferença entre a saturação e pressão do ar, foi calculado o VpdL. Além destes parâmetros, a (xi)40 relação entre a concentração mesofílica e a ambiental de CO2 (Ci/Ca), (xii) eficiência intrínseca no41 uso da água (A/gs) e a (xiii) eficiência no uso da água (A/E) foram posteriormente calculados. Os42 dados obtidos foram então correlacionados entre si, por meio da computação do coeficiente de43 correlação de Pearson. Todas as análises foram realizadas por meio do aplicativo Genes (CRUZ44 2013).45 RESULTADOS E DISCUSSÃO46 Os dados deste estudo fornecem evidências que as características morfológicas em avaliação47 no teste de progênies são relacionadas entre si, bem como as características fisiológicas aqui48 avaliadas (Tabela 1). Estes resultados indicam que em programas de melhoramento genético de49 macaúba pode-se realizar seleção indireta para algumas características. Esse parece ser o caso de50 algumas características como altura, por exemplo, que correlaciona-se com o comprimento de51 ráquis ou largura de ráquis (Tabela 1). Se essa correlação se manter ao longo dos anos, pode-se52 pensar em selecionar plantas de menor porte por meio da seleção daquelas que em idade precoce53 apresentam ráquis menores. Cabe ressaltar que o porte reduzido é uma característica interessante,54 pois permite que palmeiras sejam mais facilmente manejadas por um período maior de tempo. Um55 ponto importante que ainda precisa ser investigado é se as palmeiras de menor porte são tão56 produtivas quanto às de porte elevado. Um indicativo que isso pode ser verdade é o fato da57 capacidade fotossintética, medida pela taxa de assimilação liquida de CO2, não ter se58 correlacionado significativamente com nem com a altura das plantas, nem com as características da59 ráquis (Tabela 1). Isso pode indicar que plantas de menor porte podem fixar o CO2 atmosférico com60 a mesma eficiência de plantas mais altas. Ainda no que tange a análise de correlação entre61 características fisiológicas e morfológicas, verifica-se pela Tabela 1, que não houve correlação entre62 nenhum par de características. Esse fato, pode ser decorrente da pequena amostragem. Neste estudo63
  3. 3. apenas 15 famílias foram avaliadas, e para a maioria das características avaliadas essas progênies64 não diferem entre si – exceção A/gs - (dados não publicados). Considerando o fato da espécie ser65 nativa, e por apresentar ampla diversidade fenotípica, talvez uma maior amostragem possa revelar66 genótipos contrastantes tanto para características morfológicas quanto para características67 fisiológicas. Nesse caso é plausível que alguma correlação entre essas características seja68 verificado. Além disso, cabe ressaltar que a macaúba é uma planta perene, e como toda espécie de69 ciclo longo, a repetibilidade das características pode não ser revelada em idade juvenil. Isso porque,70 determinadas características morfológicas e fisiológicas alteram ao longo do ciclo da planta. Nesse71 caso, um número de medidas mínimo, estabelecido com base no coeficiente de repetibilidade, deve72 ser necessário para se verificar o real relacionamento entre características complexas. Além disso,73 interações complexas entre genótipos e ambientes podem influenciar a expressão destas74 características. Assim, é possível que haja variações nos coeficientes de correlação estimados em75 função da idade da planta. Flood et al. (2011) sugeriram recentemente que parâmetros fisiológicos76 podem ser utilizados como marcadores para características morfológicas de complexa e/ou difícil77 mensuração, uma vez que em muitos casos existe ligação direta entre tais parâmetros. Entretanto,78 no presente trabalho não foi possível verificar associações que permitam tal abordagem no79 melhoramento do conjunto das progênies avaliadas. Talvez, ao se expandir tal estudo para um80 conjunto mais diverso de progênies, e tomando medidas repetidas ao longo de vários anos, possa-se81 identificar associações entre características morfológicas e fisiológicas.82 CONCLUSÕES83 Não se verificou correlações significativas entre características fisiológicas e morfológicas.84 Estudos posteriores, que amostrem maior diversidade genética da espécie, e que avaliem progênies85 em diferentes estádios de desenvolvimento e/ou condições ambientais devem ser realizados para86 validar se tais parâmetros de fato não guardam relação entre si.87 REFERÊNCIAS88 CRUZ, C. D.. GENES - a software package for analysis in experimental statistics and quantitative89 genetics . Acta Scientiarum. Agronomy (Online), v. 35, p. 271-276, 2013.90 FLOOD, P. J.; HARBINSON, J.; AARTS, M.. G. M. Natural genetic variation in plant91 photosynthesis. Trends in Plant Science. v.16, n.6, 2011.92 PIRES, T. P.; SOUZA, E. dosS.; KUKI, K. N.; MOTOIKE, S. Y. Ecophysiological traits of the macaw93 palm: A contribution towards the domestication of a novel oil crop. Industrial Crops and Products94 v. 44, p. 200-210, 2013.95
  4. 4. Tabela 1. Estimativas de correção de Pearson entre variáveis morfológicas e fisiológicas em Macaúba. H – altura; CR – comprimento da ráquis; LR –96 largura da ráquis; NR – número de ráquis; ATR – área total da ráquis; A - Taxa de assimilação liquida de CO2; gs - condutância estomática; E - taxa de97 transpiração; VpdL - déficit de pressão de vapor ; Ci/Ca - relação entre a concentração mesofílica e a ambiental de CO2; A/gs - eficiência intrínseca no98 uso da água; A/E - eficiência no uso da água.99 Variáveis A gs Ci E VpdL Ci/Ca A/gs A/E H CR LR NR ATR A 1 -0,10 -0,28* 0,67** 0,32** -0,23* 0,13 -0,17 -0,20 -0,12 -0,20 0,07 -0,19 gs 1 0,82** 0,20 -0,61** 0,84** -0,85** -0,39** 0,06 0,08 0,11 0,07 0,06 Ci 1 0,00 -0,75** 0,98** -0,95** -0,25* 0,09 0,05 0,05 0,13 0,09 E 1 0,49** 0,04 -0,13 -0,82** -0,12 -0,15 -0,18 0,07 -0,12 VpdL 1 -0,77** 0,73** -0,36** -0,14 -0,20 -0,19 -0,07 -0,14 Ci/Ca 1 -0,98** -0,27* 0,12 0,10 0,10 0,13 0,12 A/gs 1 0,33** -0,13 -0,13 -0,12 -0,13 -0,13 A/E 1 0,03 0,10 0,08 -0,03 0,04 H 1 0,82** 0,69** 0,22* 0,99** CR 1 0,83** 0,10 0,82** LR 1 -0,07 0,69** NR 1 0,22 ATR 1 **,*Correlação significativa ao nível de 1 e 5% de probabilidade pelo teste t, respectivamente.100

×