Variabilidade fenotípica de acrocomia aculeata (jacq.) lodd. ex mart. thais correa final

305 visualizações

Publicada em

Artigo publicado nos anais do Congresso Brasileiro de Macaúba, em 2013.

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
305
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
76
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Variabilidade fenotípica de acrocomia aculeata (jacq.) lodd. ex mart. thais correa final

  1. 1. VARIABILIDADE FENOTÍPICA DE Acrocomia aculeata (Jacq.) Lodd. ex Mart. 1 ESTIMADA POR MEIO DE DESCRITORES MORFOLÓGICOS 2 QUALITATIVOS 3 THAIS ROSELI CORRÊA1; SÉRGIO Y. MOTOIKE1; FABIANA SILVA DE SOUZA1 ; 4 CARLOS NICK1; SARA MORRA COSER 5 1 6 INTRODUÇÃO 7 8 Palmeira arborescente amplamente distribuída nas Américas tropical e subtropical, a 9 macaúba Acrocomia aculeata (Jacq.) Lodd. ex Mart., é considerada matéria-prima com grande 10 potencial para produção de energia renovável, de produtos alimentícios, indústria de cosméticos, 11 dentre outros. Face à suas potencialidades, o melhoramento da espécie torna-se imprescindível para 12 o desenvolvimento de cultivares elites, aptas ao cultivo comercial. Para tanto, é indispensável à 13 identificação e resgate da variabilidade genética nos maciços naturais, bem como a sua conservação 14 em bancos de germoplasma (MANFIO et al., 2012). 15 Uma vez coletados e armazenados em bancos de germoplasma, os acessos 16 necessitam de ser caracterizados e avaliados para disponibilizar aos melhoristas as características 17 peculiares de cada acesso bem como suas aptidões. Nestas atividades, são utilizados descritores 18 qualitativos e quantitativos. Os primeiros, denominados dados de passaporte, têm como objetivo 19 principal a identificação de cada acesso nos bancos de germoplasma. 20 Os descritores qualitativos utilizados para este fim são aplicados por meio de 21 atividades de caracterização de germoplasma e tem como finalidade prover informações a respeito 22 de certos caracteres, que são úteis aos programas de melhoramento. A caracterização deve 23 considerar características que apresentem pouca interação genótipo x ambiente, com alta 24 herdabilidade e de fácil mensuração. Atividades de caracterização devem ser realizadas 25 sistematicamente no banco de germoplasma, para que os acessos conservados sejam bem descritos. 26 Diante do exposto e considerando a importância das atividades de caracterização de 27 acessos conservados em bancos de germoplasma, o presente estudo objetivou descrever por meio de 28 descritores morfológicos qualitativos de progênies de macaúba conservados no Banco Ativo de 29 Germoplasma de Macaúba - UFV. 30 31 MATERIAL E MÉTODOS 32 1 Universidade Federal de Viçosa. E-mail: thaisroselicorrea@hotmail.com; motoike@ufv.br; fassouza@yahoo.com.br; carlos.nick@ufv.br; cosersm@gmail.com 1
  2. 2. As atividades de caracterização das progênies de macaúba foram realizadas na Estação 33 Experimental da Universidade Federal de Viçosa, localizada no munícipio de Araponga, Minas 34 Gerais, a 20º 40’ 14’’ S, 42º 30’ 47’’ W. Conforme classificação de Koppen, o clima da região é 35 subtropical úmido, do tipo CWA. O município situa-se a 885 m e a precipitação varia de 1200 a 36 1800 mm ano-1, com períodos secos de dois a quatro meses. Foram caracterizadas 54 progênies de 37 meios-irmãos de macaúba coletados nos estados de Minas Gerais e São Paulo que se encontram 38 conservadas no Banco Ativo de Germoplasma de Macaúba da UFV (BAG – Macaúba), credenciado 39 junto ao Conselho de Gestão do Patrimônio Genético sob o número 083/2013/SECEX/CGEN. O 40 plantio foi realizado em novembro de 2009 e o espaçamento adotado foi o de 5,0 x 5,0 m. Foram 41 aplicados 10 descritores morfológicos qualitativos, conforme apresentado na Tabela 1. 42 43 Tabela 1. Lista de descritores morfológicos qualitativos propostos para caracterização de 54 44 progênies de meios-irmãos de macaúba conservados no BAG - Macaúba – UFV 45 Característica Fenótipos Forma da copa Esférica 1 Semi-esférica 2 V Shape 2 X Shape 2 Espinhos na estipe Aculeada 0 Glabra 1 Formato do estipe Ereta 1 Tortuosa 2 Indeiscência do pecíolo Indeiscente 0 Deiscente 1 Espinhos na folha Ausência 0 Presença 1 Espinhos na ráquis Ausência 0 Presença 1 Angulação da ráquis Ereta 1 Decumbente 2 Inserção dos folíolos Espiralado 1 Alternado 2 Pilosidade na ráquis Ausente 0 Presente 1 Bainha foliar Ausente 0 Presente 1 Espinhos no bordo foliar Ausência 0 Presença 1 Comprimento da folha Curta 1 Comprida 2 46 2
  3. 3. As análises de diversidade genética foram realizadas por meio do algoritmo de Gower 47 (Gower, 1971). O agrupamento hierárquico das progênies foi obtido pelo método de UPGMA 48 (Unweighted Pair-GroupMethod Usingan Arithmetic Average). A validação dos agrupamentos foi 49 determinada pelo coeficiente de correlação cofenético (CCC). As análises estatísticas foram 50 realizadas por meio do auxílio do programa computacional Past (Hamer et al., 2001). 51 52 RESULTADOS E DISCUSSÃO 53 O agrupamento hierárquico obtido por meio do algoritmo de UPGMA revela significativa 54 variabilidade para os caracteres qualitativos avaliados. Tal fato fica evidenciado com a formação de 55 diferentes grupos de progênies como apresentado no dendrograma (Figura 1). 56 57 Figura 1. Dendrograma de dissimilaridade genética entre 54 progênies de meios-irmãos de 58 macaúba, obtido pelo método UPGMA com base no algoritmo de Gower, a partir de 12 caracteres 59 qualitativos. 60 O coeficiente de correlação cofenético obtido foi de 96 %, e representa a correlação entre a 61 matriz de distância e a matriz gráfica. Valores superiores a 80 %, de acordo com Sokal e Rohlf 62 (1962) são considerados de elevada magnitude evidenciando consistência no agrupamento. Tal 63 adequação dos dados, quando se utiliza o método UPGMA, pode ser explicada pelo fato de que este 64 método se baseia nas médias aritméticas das medidas de dissimilaridade. 65 Ao ser considerado como ponto de corte as mudanças abruptas nos ramos que constituem o 66 dendrograma pode-se identificar a formação de cinco grupos distintos. 67 3
  4. 4. Ressalta-se que das 54 progênies avaliadas, seis foram coletadas no estado de São Paulo, 68 BGP 34, BGP 35, BGP 39, BGP 42, BGP 47 E BGP 51 e as demais no estado de Minas Gerais. 69 Esta consideração é pertinente, pois progênies de matrizes coletadas no estado de São Paulo têm 70 característica específica em relação às demais, o menor comprimento da folha. 71 É importante destacar que os descritores aplicados foram eficientes em agrupar quatro, das 72 seis progênies coletadas em São Paulo: BGP 34, BGP 39, BGP 42 e BGP 47. Outra consideração 73 importante, é que estes descritores não foram capazes de agrupar as progênies segundo sua origem 74 geográfica. 75 CONCLUSÕES 76 Os descritores qualitativos foram eficientes em classificar os acessos coletados em São 77 Paulo, todavia, pouco eficientes no agrupamento das demais progênies segundo sua origem. 78 79 AGRADECIMENTOS 80 À PETROBRAS pelo financiamento do projeto, à FAPEMIG, ao CNPq e CAPES pelas 81 concessões das bolsas de estudo e à Universidade Federal de Viçosa pelo apoio logístico e de 82 infraestrutura. 83 84 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 85 MANFIO, C.E.; MOTOIKE, S.Y.; DE RESENDE, M.D.V.; SANTOS, C.E.; SATO, A.Y. 86 Avaliação de progênies de macaúba na fase juvenil e estimativas de parâmetros genéticos e 87 diversidade genética. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, v.32, n.69, p. 63. 88 SOKAL, R.R.; ROHLF, F. J. The comparison of dendrograms by objective methods. 89 Taxon, v. 11, n. 2, p. 33-40, 1962. 90 GOWER, J. C. A general coefficient of similarity and some of its properties. Biometrics, 91 v. 27, n. 4, p. 857-874, 1971. 92 HAMMER, Ø., HARPER, D.A.T.; RYAN, P.D. PAST – Palaeontological statistics, 2001. 93 94 4

×