ESTIMATIVA DE PARÂMETROS GENÉTICOS E AMBIENTAIS PARA 1 CARACTERÍSTICAS JUVENIS DE PROGÊNIES DE MEIOS-IRMÃOS DE Acrocomia 2...
Conforme classificação de Koppen, o clima da região é do tipo CWA, subtropical úmido. O 34 município situa-se a 885 m de a...
Valores elevados de coeficiente de variação (CV) são esperados, tendo em vista que 64 progênies de meios-irmãos foram aval...
MANFIO, Cândida. Elisa; MOTOIKE, Sérgio.Yoshimitsu.; DE RESENDE, Marcos .Deon 97 .Vilela.; SANTOS, Carlos .Eeduardo.; SATO...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Estimativa de parâmetros genéticos e ambientais para características juvenis de progênies de meios irmãos de acrocomia aculeata (jacq ) lodd ex mart sara co

207 visualizações

Publicada em

Artigo publicado nos anais do Congresso Brasileiro de Macaúba, em 2013.

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
207
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estimativa de parâmetros genéticos e ambientais para características juvenis de progênies de meios irmãos de acrocomia aculeata (jacq ) lodd ex mart sara co

  1. 1. ESTIMATIVA DE PARÂMETROS GENÉTICOS E AMBIENTAIS PARA 1 CARACTERÍSTICAS JUVENIS DE PROGÊNIES DE MEIOS-IRMÃOS DE Acrocomia 2 aculeata (Jacq.) Lodd. ex Mart. 3 SARA MORRA COSER1; SÉRGIO YOSHIMITSU MOTOIKE1; FABIANA SILVA DE 4 SOUZA1; CARLOS NICK1; 5 6 INTRODUÇÃO 7 A macaúba Acrocomia aculeata (Jacq.) Lodd. ex Mart. destaca-se como recurso 8 fitogenético por ser uma espécie de múltiplos propósitos, podendo ser utilizada nos diversos ramos 9 industriais, como o farmacêutico, a indústria de cosméticos, alimentícia, entre outros (NUCCI, 10 2007). Todavia, o recente interesse na palmeira reside no fato da mesma ser fonte de óleo vegetal, 11 logo, passível de ser utilizada para produção de biocombustíveis. 12 A viabilidade de cultivo para fins comerciais da espécie passa necessariamente pelo 13 desenvolvimento de tecnologias que permitam do ponto de vista econômico, maior rentabilidade. 14 Tais tecnologias podem ser desenvolvidas pela manipulação e melhoramento ambiental, como por 15 exemplo, com a redução do espaçamento entre plantas, utilizando-se de adubações segundo a 16 necessidade da cultura, desenvolvendo-se tecnologias mais eficientes de controle de pragas e/ou 17 doenças e por meio do melhoramento genético. Este, por sua vez, tem a vantagem de ser herdável. 18 Todavia, para que seja exequível, é preciso variabilidade genética para a característica que se deseja 19 melhorar. 20 O desenvolvimento de um programa de melhoramento genético da macaúba, visando 21 aumentar a rentabilidade em termos da produção, e ao mesmo tempo, preservar e recuperar os 22 recursos fitogenéticos, é fundamental para manter a sustentabilidade do seu sistema de cultivo 23 (MANFIO et al., 2012). Informações acerca de parâmetros genéticos e ambientais em um programa 24 de melhoramento podem fornecer informações úteis aos melhoristas de plantas para definir quais as 25 melhores estratégias no desenvolvimento e execução do programa. 26 Diante do exposto, as avaliações agronômicas de caracteres relativos à fase juvenil das 27 progênies de meios-irmãos de macaúba visaram à estimação de parâmetros genéticos úteis ao 28 programa de melhoramento da macaúba da Universidade Federal de Viçosa. 29 30 MATERIAL E MÉTODOS 31 As avaliações foram realizadas na Estação Experimental da Universidade Federal 32 de Viçosa, localizada no munícipio de Araponga, Minas Gerais, a 20º 40’ 14’’ S, 42º 30’ 47’’ W. 33 1 Universidade Federal de Viçosa. E-mail: cosersm@gmail.com; motoike@ufv.br; fassouza@yahoo.com.br; carlos.nick@ufv.br 1
  2. 2. Conforme classificação de Koppen, o clima da região é do tipo CWA, subtropical úmido. O 34 município situa-se a 885 m de altitude, e a precipitação varia de 1200 a 1800 mm ano -1, com 35 períodos secos de dois a quatro meses. Foram avaliadas 34 progênies de meios-irmãos conservadas 36 no Banco Ativo de Germoplasma de Macaúba da UFV, credenciado junto ao Conselho de Gestão 37 do Patrimônio Genético sob o número 083/2013/SECEX/CGEN, na área designada como Gleba II. 38 O plantio foi realizado em novembro de 2009 e o espaçamento adotado foi o de 5,0 x 5,0 m. A 39 plantas foram dispostas de forma inteiramente ao acaso com número variável de repetições. As 40 características fenotípicas relacionadas ao crescimento durante o período juvenil foram: altura do 41 estipe (AEST) –medida corresponde à distância entre a base peciolar da flecha e o solo, em cm; 42 diâmetro do estipe (DEST) – medida tomada na base do estipe, a 50 cm do solo, em cm; 43 comprimento da ráquis (CORA) – medida tomada da inserção do primeiro folíolo da parte basal até 44 o ápice, em cm e largura da folha (LAFO) – utilizaram-se dados de seis folíolos (três folíolos à 45 esquerda e três à direita) na porção mediana da ráquis, em cm. Os dados fenotípicos foram 46 mensurados em novembro de 2012. Os seguintes parâmetros genéticos e ambientais foram 47 avaliados: variância fenotípica média (σf2), variância ambiental média (σa2), herdabilidade média da 48 família, coeficiente de variação genético (CVG), coeficiente de variação experimental (CV). Os 49 procedimentos estatísticos foram realizados por meio do programa computacional GENES (CRUZ, 50 2013). 51 52 RESULTADOS E DISCUSSÃO 53 As estimativas dos parâmetros genéticos e ambientais são apresentadas na Tabela 1. De 54 acordo com as estimativas, substancial influência ambiental foi constatada nos descritores 55 agronômicos avaliados. Para os descritores AEST e DEST, a magnitude da variância ambiental 56 média é indicativa da grande influência do ambiente nos caracteres. 57 58 Tabela 1. Estimativa de parâmetros genéticos e ambientais de quatro descritores agronômicos 59 avaliados em 34 progênies de meios-irmãos de macaúba 60 Parâmetros Descritores agronômicos AEST DEST CORA LAFO Variância fenotípica média 781,7 27,5 501,0 190,6 Variância ambiental média 298,8 13,7 198,6 61,0 Herdabilidade média, % 61,8 50,3 60,4 68,0 Coeficiente de variação genético, % 21,8 14,6 7,9 9,0 Coeficiente de variação 42,4 35,7 15,8 15,2 Altura do estipe (AEST); diâmetro do estipe (DEST); comprimento da ráquis (CORA) e largura da 61 folha (LAFO) 62 63 2
  3. 3. Valores elevados de coeficiente de variação (CV) são esperados, tendo em vista que 64 progênies de meios-irmãos foram avaliadas. A elevada magnitude das estimativas dos coeficientes 65 de variação para AEST e DEST também foram acompanhadas de elevados valores de coeficientes 66 de variação genético, reduzindo, assim, a magnitude do efeito ambiental que atua sobre as 67 progênies. No entanto, para CORA e LAFO, a magnitude intermediária do CV seguido de reduzido 68 valor de coeficiente de variação genético demonstra a necessidade de melhor controle ambiental. 69 As estimativas do coeficiente de herdabilidade são importantes para a escolha de estratégia 70 eficaz de seleção. Quando os tratamentos são considerados fixos, a herdabilidade é denominada 71 coeficiente de determinação genotípica. O maior valor observado quanto ao coeficiente de 72 determinação genotípica (Tabela 1) foi de 68,0 % para LAFO; 61,8 % indicativo de que este caráter 73 é menos influenciado pelo ambiente, podendo ser selecionado em gerações mais precoces. Este 74 resultado é coerente com a estimativa do coeficiente de variação, menor dentre aqueles estimados. 75 A maior importância da herdabilidade em estudos genéticos de caráter métrico, é o papel preditivo 76 por expressar a confiança do valor fenotípico como guia genético ou o grau de correspondência 77 entre os valores fenotípico e genético (FALCONER, 1987). Isso indica que de toda a variação 78 observada aproximadamente mais da metade dela é de origem genética e a outra metade 79 possivelmente está relacionada a desvios experimentais. 80 81 CONCLUSÕES 82 Há possibilidade de selecionar precocemente progênies com maior largura de folha, que 83 podem resultar em genótipos com maior área foliar. 84 85 AGRADECIMENTOS 86 À PETROBRAS pelo financiamento do projeto, à FAPEMIG, ao CNPq e CAPES pelas 87 concessões das bolsas de estudo e à Universidade Federal de Viçosa pelo apoio logístico e de 88 infraestrutura. 89 90 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 91 CRUZ, Cosme Damião. GENES - a software package for analysis in experimental 92 statistics and quantitative genetics.Acta Scientiarum. Agronomy, Maringá, v. 35, n. 3, p. 271-276, 93 jul./set., 2013. 94 FALCONER, Douglas Scott. Introdução à genética quantitativa.Viçosa: UFV, 1987. 95 279 p. 96 3
  4. 4. MANFIO, Cândida. Elisa; MOTOIKE, Sérgio.Yoshimitsu.; DE RESENDE, Marcos .Deon 97 .Vilela.; SANTOS, Carlos .Eeduardo.; SATO, Aurora .Yoshiko. Avaliação de progênies de 98 macaúba na fase juvenil e estimativas de parâmetros genéticos e diversidade genética. Pesquisa 99 Florestal Brasileira, Colombo, v.32, n.69, p. 63 – 68, jan./mar., 2012. 100 NUCCI, Stela M.; AZEVEDO‐FILHO, Joquim Adelino; COLOMBO, Carlos Augusto; 101 PRIOLLI, Regina Helena Geribello; COELHO, Ricardo Marques; ZUCCHI, Maria Imaculada 102 Development and characterization of microsatellites markers from the macaw. Molecular ecology 103 resources, New Jersey, v. 8, n.1, p. 224-226, jan., 2008. 104 105 4

×