Macário; aline ball-jointed dolls uma forma de arte

1.850 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.850
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
57
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
32
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Macário; aline ball-jointed dolls uma forma de arte

  1. 1. ALINE MACÁRIO BALL-JOINTED DOLLS: UMA FORMA DE ARTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CURSO DE ARTES VISUAIS – BACHARELADO Campo Grande 2011
  2. 2. 2 ALINE MACÁRIO BALL-JOINTED DOLLS: UMA FORMA DE ARTE Relatório apresentado como exigência final para obtenção do grau de Bacharel em Artes Visuais à Banca Examinadora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Orientadora: Profª. Drª Carla Maria Buffo de Cápua UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CURSO DE ARTES VISUAIS – BACHARELADO Campo Grande 2011
  3. 3. 3 ALINE MACÁRIO BALL-JOINTED DOLLS: UMA FORMA DE ARTE Relatório apresentado como exigência final para obtenção do grau de Bacharel em Artes Visuais à Banca Examinadora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Campo Grande, MS, ____ de ____________________ de 2011. COMISSÃO EXAMINADORA ________________________________________ Profª. Drª. Carla Maria Buffo de Cápua Universidade Federal de Mato Grosso do Sul ________________________________________ Profª. Mª. Priscila Paula Pessoa Universidade Federal de Mato Grosso do Sul ________________________________________ Prof. Me. Darwin Antonio Longo de Oliveira Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
  4. 4. 4 Dedico esse trabalho a todos os amantes de BJD.
  5. 5. 5 AGRADECIMENTOS A minha Mãe, por sempre me apoiar nos meus projetos, e por acreditar em mim e no meu futuro. A Bruna, minha companheira de todas as horas, meu amor, minha melhor amiga, que sempre me dá forças nas horas mais difíceis, e que tornou possível a conclusão desse trabalho. A minha orientadora Professora Carla, que acreditou no meu projeto, e sempre teve paciência com o meu ritmo de trabalho. Aos meus amigos queridos, por me apoiar e ajudar em todas as horas. Por dividir bons e maus momentos, sempre ao meu lado.
  6. 6. 6 RESUMO Esse trabalho tem o objetivo de abordar os BJDs como obra artística. Inicialmente faz-se uma narrativa contando a história desses bonecos ao longo dos anos, uma discussão sobre customização, os artistas que trabalham com esse suporte, e uma reflexão sobre as várias técnicas artísticas comparáveis aos dolls. Em seguida é apresentado o processo metodológico, iniciando com a modelagem com Das, as fôrmas de silicone, as peças em resina, e finalmente o acabamento e a customização. Todas as etapas da produção estão descritas em capítulos, abordando a contextualização teórica, o processo de criação dos BJDs, e ao final o tema escolhido para a customização com a análise da obra. Palavras Chave: BJD, Customização, Arte.
  7. 7. 7 ABSTRACT This work aims to address the BJDs as a work of art. At first there is a narrative telling the story of these figures over the years, a discussion of customization, artists working with this support, and a reflection on the various artistic techniques comparable to those dolls. Then we present the methodological process, starting modeling with DAS, molds of silicone, resin parts, and finally the final aesthetic and customization. All production steps are described in chapters, covering the theoretical background, the process of creation of BJDs, and at the end the theme chosen for customization through analysis of the work. Keywords: BJD, Custom, Art.
  8. 8. 8 LISTA DE FIGURAS Fig.1 Eureka! , 2010...................................................................................................13 Fig.2 Hans Bellmer – Unknown, 1930……………………………………………………14 Fig.3 Super Dollfie Girl “Kun”, 2010………………………………………………………15 Fig.4 Chara Dollfie 002 Tamase Miki…………………………………………………….15 Fig.5 Neo Blythe “Pheobe Maybe”, 2011………………………………………………..17 Fig.6 Pullip Romantic Alice, 2011…………………………………………………………17 Fig.7 Jdoll Loosterweg Noord, 2011……………………………………………………...17 Fig.8 Monster High Frankie Stein, 2010…………………………………………………17 Fig.9 Lobotomy Rape my Head. 2011……………………………………………………19 Fig.10 Oh Mary. 2011………………………………………………………………………19 Fig.11 Fade to Blank. 2011………………………………………………………………..20 Fig.12 Steam Robot. 2011…………………………………………………………………20 Fig.13 Pretty Nini, 2009……………………………………………………………………21 Fig.14 Custom Blythe #30 “Minuit”, 2010……………………………………………..…21 Fig.15 Custom Blythe #29 “Scarlet” 10, 2010………………………………………...…21 Fig.16 Barroque Decadence III, 2009……………………………………………………21 Fig.17 Custom Blythe NO48………………………………………………………………21 Fig.18 Alice, 2008……………………………………………………………………..……22 Fig.19 Cinderella, 2009……………………………………………………………………22 Fig.20 Little Lace Doll – Pierrot, 2011……………………………………………………22 Fig.21 Venus of Bone China, 2011…………………………………………………….…22 Fig.22 Cameo, 2011……………………………………………………………………..…22 Fig.23 Blueberry Cupcake, 2010…………………………………………………………23 Fig.24 Grey, 2010…………………………………………………………………..………23 Fig.25 K-rose-N, 2010……………………………………………………………..………24 Fig.26 Briséis, en souris, 2010……………………………………………………………24 Fig.27 Hans Bellmer, 1932……………………………………………………………..…25 Fig.28 Alexander McQueen – The Horn of Plenty, 2009-10………………………...…26 Fig.29 Mariko Mori –Star Doll, 1998……………………………………………………...26 Fig.30 Desenho em Escala, 2011………………………………………………………...27 Fig. 31 Estrutura de Isopor, 2011…………………………………………………………28 Fig. 32 Processo de separação de peças, 2011………………………………………..28 Fig.33 Protótipo das juntas, 2011………………………………………………………...29 Fig.34 Teste de mobilidade das pernas, 2011……………………….………………….30 Fig.35 Teste de encaixe das juntas e proporções, 2011……………………………....30 Fig.36 Progresso da cabeça, 2011............................................................................31 Fig.37 Processo da caixa de gesso, 2011……………………………………………….33 Fig.38 Progresso da fôrma de silicone, 2011…………………………….……..………33 Fig.39 Progresso da forma de silicone simples, 2011………………………………….34 Fig.40 Defeitos causados pela umidade na resina, 2011……….……………………..37 Fig.41 Resina em banho-maria, 2011……………………………………………………37 Fig.42 Fases do acabamento, 2011……………………………………………………...39 Fig.43 Perucas e Olhos, 2011……………………………………………………….……40 Fig.44 Material para face up e body blushing, 2011……………………………………41 Fig. 45 Esquema de elásticos, 2011……………………………………………………..42 Fig.46 Concept art digital de face up: Boy, 2011 ……………………………………….43 Fig.47 Concept art digital de face up: Girl, 2011………………………………………..43
  9. 9. 9 Fig.48 Pose 1, 2011……………………………....………………………………………..44 Fig.49 Caixa 1, 2011………………………………………………………………...……..45 Fig.50 Caixa 2, 2011……………………………………………………………...………..46
  10. 10. 10 SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO........................................................................................................11 2.BALL-JOINTED DOLLS..........................................................................................13 1. O que são BJDs?.......................................................................................13 2. Customização.............................................................................................16 3. Por que BJDs como arte?..........................................................................24 3.PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS................................................................27 1. Modelagem................................................................................................27 2. Fôrmas......................................................................................................32 3. Resina.......................................................................................................35 4. Acabamento..............................................................................................38 5. Customização............................................................................................39 4.OS DOLLS...............................................................................................................43 CONCLUSÃO.............................................................................................................47 REFERÊNCIAS..........................................................................................................48
  11. 11. 11 1 INTRODUÇÃO Conheci os BJDs1 em um site da internet, por meio de uma fotografia. Foi amor à primeira vista. Fiquei extremamente admirada com a expressividade e beleza que o doll2 passava através daquela foto. Foi nesse momento que comecei a correr atrás de informações, conheci pessoas, e decidir entrar no hobby3 . Mesmo desejando comprar um doll para mim, nunca fugia a minha mente a idéia de um dia esculpir um. Quando comecei minha graduação em Artes Visuais e ganhei meu primeiro doll, vi grandes possibilidades de tornar minha idéia realidade. Apaixonei- me pela customização e também pela maneira que é possível trabalhar sobre esse doll em branco. As possibilidades, as roupas, a perucas, os olhos. Tudo isso é mutável, a mercê do gosto do artista. Foi então que minha idéia de fazer um doll foi amadurecendo, ampliando minha visão para com a customização, e até modificação das peças, para reproduzir um personagem, uma raça, um ser mágico, ou até deformado, machucado. Resolvi escolher o tema para o meu Trabalho de Conclusão de Curso, pois além de ser uma paixão, o mundo dos BJDs precisa de mais informações acadêmicas. Outro fator que me motivou foi também que o mundo das artes precisa de mais registros e informações dessa nova possibilidade de expressão. O objetivo desse trabalho é trazer os BJDs de volta a visão artística, por meio das possibilidades de customização que esses bonecos oferecem, mostrar que uma peça artística não precisa estar necessariamente no museu para ser considerado arte. Tem por objetivo também pesquisar e registrar suas origens históricas, apresentando e analisando trabalhos de customização de artistas contemporâneos, explorando sua poseabilidade4 e expressividade através da fotografia, criação, modelagem e customização dos BJDs, registrando cada procedimento realizado e também fornecer um material acadêmico, de modo a ser usado futuramente por outros artistas interessados no mundo dos BJDs. Para realizar meu trabalho, iniciei uma pesquisa teórica por meio da 1 BJDs, mais conhecidos como Ball Jointed Dolls, são bonecos com juntas de bola. 2 Doll é o termo em inglês que significa boneca(o). 3 Passatempo, entretenimento. 4 Derivada da palavra inglesa poseability, que significa a capacidade de posar (fazer poses).
  12. 12. 12 internet, procurando os procedimentos práticos, passo a passo de como esculpir o doll, seu corpo, suas juntas, trabalhar a poseabilidade, como fazer o molde de silicone e os processos para castear5 o doll em resina de poliuretano. Também fiz um levantamento de artistas que trabalham com modelagem e customização de dolls, suas técnicas, seus estilos, algumas de suas obras mais conhecidas e um pouco de sua estética. No final, customizei dois dolls modelados por mim, e explorei sua poseabilidade e expressividade por meio da fotografia. Para melhor compreensão, o trabalho está dividido em capítulos. No primeiro capítulo faço uma apresentação do conceito e caracterização dos dolls, sua origem e como são conhecidos. No segundo capitulo descrevo a construção do trabalho prático, ou seja, como foi confeccionado o produto final, com o detalhamento metodológico, e finalmente, a análise das obras e as considerações finais. 5 Vazar, tirar peça em (termo referente à escultura).
  13. 13. 13 2. BALL-JOINTED DOLLS 2.1O que são BJDs? Os BJDs (Fig.1), mais conhecidos como Ball Jointed Dolls, como seu nome diz, são bonecos com juntas de bola. Sua articulação é composta de juntas em forma de bola, que se encaixam e são presos por um elástico de alta tensão, permitindo uma grande poseabilidade do boneco. São mais conhecidos como dolls, e foram criados com a finalidade de serem um hobby para adultos, por isso tem grandes possibilidades de customização. Seu preço é elevado devido à mão de obra utilizada na manufatura, e o material que apesar de resistente, é extremamente delicado (resina de poliuretano). Muitas das lojas deixam isso bem claro (de que não são brinquedos), e até estipulam uma faixa etária para o uso. Historicamente, os dolls articulados existem desde os tempos dos Egípcios. Eram feitos principalmente de madeira e possuíam uma cabeleira farta, essa feita de cabelo humano banhado em argila. Os mais sofisticados possuíam até roupas. No período do barroco espanhol, os bonecos articulados de madeira, também chamados de estátuas de roca, eram confeccionados para representar santos na igreja. Além da madeira para o corpo e gesso para as cabeças e as mãos, outros materiais como vidro ou cristal para os olhos, algodão para as roupas e pelo de carneiro (mohair), ou crina de cavalo para os cabelos eram utilizados. (BONECA, 2006) Fig.1 Eureka! , 2010 Fonte: Acervo Pessoal
  14. 14. 14 A era moderna dos BJDs começou no final do século 19, com os franceses e os alemães. Eles produziam bonecos de porcelana não esmaltada, conhecida como biscuit, e faziam as juntas de bola, usando uma mistura de cola, areia, serragem e materiais semelhantes. Esses bonecos mediam de 15 a 100 cm, e hoje em dia são peças de antiquário. Mais tarde, nos anos 30, o artista alemão Hans Bellmer criou os ball jointed dolls e os usou em suas fotografias e trabalhos surrealistas (Fig.2). Foi Bellmer que introduziu o conceito artístico de dolls na fotografia, que hoje em dia ainda é utilizado por artistas e pessoas como hobby. Influenciados por Bellmer, e pela cultura tradicional de Bonecos Japoneses, os artistas japoneses começaram a produzir BJDs, direcionados a exposições, e geralmente em grandes proporções, chegando a medir 100 cm. São peças únicas, que hoje em dia são altamente valorizadas no mercado das artes. Os ball jointed dolls comerciais começaram a ser produzidos em 1999, pela loja japonesa Volks. Eles criaram a linha Super Dollfie (Fig.3), que medem 57 cm, possuem juntas de bola, unidas por elástico de alta tensão, feitas de Fig.2 Hans Bellmer – Unknown, 1930 Fonte: http://ml.virose.pt/blogs/at_11/?p=705
  15. 15. 15 resina de poliuretano e muito semelhantes à Garage Kits (Fig.4), que são kits de bonecos, que podem ser montados, geralmente representando personagens de animes (desenhos animados japoneses). Essa linha foi criada com o objetivo de atrair o público feminino. (BALL-JOINTED DOLL, 2008) Primeiramente, os BJDs tinham uma estética inspirada nos personagens de animes, com olhos grandes e expressivos. Com o passar dos anos, surgiram novos fabricantes, grande parte coreanas, que começaram a adotar uma estética mais realista. Hoje em dia, temos os dois tipos de estéticas, distribuídos em vários tamanhos, agradando todo o tipo de público. Depois que foram adotados como hobby, muitas das pessoas passaram a não enxergar mais os dolls como peças artísticas, e sim como meros produtos comerciais. Fig.3 Super Dollfie Girl “Kun”, 2010 Fig.4 Chara Dollfie 002 Tamase Miki Fonte: www.volks.co.jp
  16. 16. 16 2.2Customização Existem basicamente dois tipos de pessoas que participam do hobby: os colecionadores, que costumam comprar dolls completos (fullset), geralmente de edições limitadas, e que não customizam o doll depois que ele chega, mantendo-o como o fabricante montou, ou seja, com a mesma roupa, mesma peruca, mesmo faceup (pintura do rosto do doll, onde se desenha os lábios, as sobrancelhas, cílios inferiores e o corado do doll). Já há outro tipo, que são os de customizadores, que geralmente compram o doll, com faceup, ou em branco, e customizam de acordo com o gosto, trocando as roupas, os olhos, a peruca, os sapatos, deixando o boneco como um objeto único. Geralmente, os donos de dolls customizados gostam de trazer personagens próprios para os dolls, criando uma personalidade e histórias que geralmente são registradas usando a fotografia, como em ensaios fotográficos e foto estórias. As customizações não se resumem somente ao mundo dos BJDs. Elas abrangem outros tipos de bonecas que são famosas no Japão, como as Blythes (Fig.5) e as Pullips (Fig.6). Também podemos incluir as J-dolls (Fig.7) e as Momokos. Essa cultura também existe com a customização de Barbies, que são as fashion dolls mais famosas do mundo, bonecas de pano, bonecas de porcelana, e até bonecas extremamente comerciais como as Monster High (Fig.8).
  17. 17. 17 Nesse trabalho, dou foco aos BJDs porque eles são bonecos que nasceram para a customização. A primeira opção de compra sempre é o doll em branco. Acessórios como perucas, olhos, faceup, roupas, sapatos são adicionais, que geralmente compramos a parte, ou pagamos extra. Fig.5 Neo Blythe “Pheobe Maybe”, 2011 Fig.6 Pullip Romantic Alice, 2011 Fonte: http://juniemoonshop.com Fonte: www.pullip.net Fig.7 Jdoll Loosterweg Noord, 2011 Fig.8 Monster High Frankie Stein, 2010 Fonte: www.pullip.net Fonte: http://shop.mattel.com
  18. 18. 18 Os materiais utilizados para a customização são as perucas, mais conhecidas como wigs, que são feitas geralmente de fibra de cabelo sintética, fur (pelo sintético de acrílico), e mohair (pelo de carneiro extremamente macio, com efeito volumoso e ligeiramente cacheado); olhos, que variam de 08 a 20 mm, que geralmente são feitos de acrílico, vidro, silicone ou poliuretano (esse sendo extremamente caro); além de roupas (que variam do clássico até o contemporâneo), sapatos e acessórios (como brincos, colares, lenços, etc). Para a personalização são utilizados giz pastel seco, lápis de cor aquarela e tinta acrílica para a execução de faceups, o body blushing (pintura e sombreamento do corpo com giz pastel seco ou tinta acrílica), tatuagens e até manicure e pedicure, já que não podemos esquecer que o doll geralmente vem em branco. Quando falamos de customização, podemos discutir a idéia de que os dolls, depois que esculpidos por um artista, são reproduzidos em série, perdendo seu valor de obra artística, perdendo sua aura. “Despojar o objeto de seu véu, destruir sua aura, eis o que assinala de imediato a presença de uma percepção, tão atenta àquilo que “se repete identicamente pelo mundo”, que, graças à reprodução, consegue até estandardizar aquilo que existe só uma vez.” (BENJAMIN, 1936) Os customizadores se propõem, artisticamente, a retomar a aura desse objeto por meio da customização, fazendo com que aquilo que era mais uma peça de produção em série, se torne um objeto único de novo, como se aquela peça voltasse a ter sua aura artística. E isso fica muito mais evidenciado quando o artista ainda propõe a criação de um personagem em cima do boneco, fazendo com que ele se torne ainda mais especial, sendo praticamente impossível ser reproduzido fisicamente. Assim como as pessoas que participam do hobby, podemos classificar em dois tipos os artistas que trabalham com customização. Podemos classificar entre os artistas que compram moldes prontos e fazem suas customizações a partir dele, modificando, esculpindo, adicionando peças extras, retirando partes, trabalhando com suas formas, com tintas, texturas, massas (como o epóxi, e o fimmo), transformando o molde original em um molde completamente novo, algumas vezes beirando ao irreconhecível. Podemos até comparar esse tipo de artista aos que trabalham com customização de bonecas menos “únicas”, com produção em série (como as Blythes, Pullips, Barbies, que nunca tem o molde do
  19. 19. 19 seu rosto alterado). Também temos outro grupo de artistas que preferem esculpir seus próprios dolls, e depois de prontos, trabalham com as cores, pintando-os, realizando algumas modificações, o mesmo processo que os artistas que customizam moldes prontos. A única diferença é que a marca do artista está gravada desde o processo de esculpir o molde até o resultado final da customização. Alguns artistas também preferem não trabalhar com a customização, somente com o processo de esculpir o doll, e casteá-lo em resina de poliuretano ou em porcelana. Esses preferem ver as possibilidades de customização pelas mãos de outros, ficando no papel de fornecer apenas as “telas em branco”. Claro que nada impede os artistas que customizam seus próprios moldes não customizar moldes de outros artistas, ou que esses artistas que customizam outros moldes não criem seus próprios, e assim por diante. Podemos citar como exemplo de artistas que trabalham com customização em molde pronto Celine “CitronRouge”, que adota uma estética obscura, beirando ao macabro, bizarro. Ela trabalha com modificações mais radicais, mexendo bastante com a estrutura física do doll (Fig.9 e 10). Fig.9 Lobotomy Rape my Head. 2011 Fig.10 Oh Mary. 2011 Fonte: http://jadecitronrouge.deviantart.com/
  20. 20. 20 Também podemos citar como exemplo Taissia Abdoullina, mais conhecida como “Bluoxyde”, que customiza dolls moldando o corpo, adicionando linhas e texturas. Trabalha bem as cores, adotando uma estética que mistura fantasia com tecnologia, como extraterrestres (Fig.11), dragões, robôs, remetendo ao steampunk (Fig.12), mas ao estilo dela. Como trabalham com moldes prontos, podemos comparar ao trabalho de artistas como a Esthy e a Lulla, que trabalham em conjunto não só customizando BJDs (Fig.13), como também Blythes (Figs.14 e 15), essas adotando uma estética mais delicada, com cores de sua maioria pastel, remetendo ao rococó. E ao trabalho de “Pícara”, que adota desde a fantasia ao steampunk, sempre usando cores fortes, e traços marcantes, e uma pitada “dark” em suas blythes (Fig.16) e bjds. Ou a Xuan Zhao, artista chinesa que trabalha com temas fofos, coloridos, mas com uma pitada de macabro (Fig.17). Fig.11 Fade to Blank. 2011. Fig.12 Steam Robot. 2011. Fonte: http://bluoxyde.deviantart.com/
  21. 21. 21 Já temos artistas que esculpem seus próprios dolls e trabalham com a customização em cima de seus próprios moldes, como Marina Bychkova, que criou as Enchanted Dolls, que são feitas de porcelana, customizadas usando como tema grandes personagens femininas (Fig.18), tanto fantasiosas, quanto étnicas, ou até mesmo reais. Ela também trabalha com ornamentos de metais nobres (Fig.19), como a prata, o bronze, e até o ouro. São produzidas verdadeiras jóias. Fig.13 Pretty Nini, 2009 Fig.14 Custom Blythe #30 “Minuit”, 2010 Fig.15 Custom Blythe #29 “Scarlet” 10, 2010 Fonte: http://www.flickr.com/photos/esthy_et_lulla/ Fig.16 Barroque Decadence III, 2009 Fonte: http://www.flickr.com/photos/roguedolls/ Fig.17 Custom Blythe NO48 Fonte: http://www.flickr.com/photos/sundae44/
  22. 22. 22 A artista japonesa “Marmite Sue” também trabalha com dolls de porcelana. Adota uma estética que vai do rococó ao tibetano. Ela trabalha bastante com talha de rendas (Fig.20), camafeus (Fig.22) e flores (Fig.21) nos dolls, dando um efeito vazado às peças. Fig.18 Alice, 2008 Fig.19 Cinderella, 2009 Fonte: http://marina-b. deviantart.com/ Fig.20 Little Lace Doll – Pierrot, 2011 Fig.21 Venus of Bone China, 2011 Fig.22 Cameo, 2011 Fonte: http://www.flickr.com/photos/marmite-sue/
  23. 23. 23 Já artistas que trabalham com resina de poliuretano são Rachelle Bartel, conhecida como “Lillycat”. Ela esculpe os próprios dolls, faz os moldes, vaza em resina, e ainda customiza, trabalhando com pintura corporal (Fig.24). Também produz alguns acessórios, além das perucas, de modo a compor a obra final. Ela trabalha temas que vão desde os elementos da natureza, como seres fantásticos (Fig.23) até releituras do corpo humano. Já a artista Enaibi, também trabalha com a resina de poliuretano. Seus dolls possuem uma estética mais fantasiosa, que vai de animais humanizados (Fig.26), fadas e até andróides (Fig.25). Fig.23 Blueberry Cupcake, 2010 Fig.24 Grey, 2010 Fonte: http://www.flickr.com/photos/cerisedolls/
  24. 24. 24 2.3Por que BJDs como arte? Desde quando Duchamp lançou obras como “A Fonte”, ele abriu a discussão de que arte não é só os modelos clássicos, como pinturas ou esculturas de mármore. Ele colocou em questão o uso de materiais, o conceito das obras, abrindo portas para uma gama de experimentações. Influenciou movimentos como Dadaísmo, Surrealismo, Expressionismo Abstrato, e até a Arte Conceitual. Foi no Surrealismo, em que Hans Bellmer, como citei anteriormente, começou a trabalhar com seus BJDs. Além de expor como escultura, também os fotografava, de modo a criar uma atmosfera surreal, macabra. Usava os dolls para se opor ao nazismo, fazendo crítica ao corpo perfeito, utilizando formas deformadas e poses nada convencionais. Seu trabalho até hoje é usado como referência por vários artistas que trabalham com BJDs, mangás, e até na concepção de personagens de vídeo game. (HANS BELLMER, 2003) Fig.25 K-rose-N, 2010 Fig.26 Briséis, en souris, 2010 Fonte: http://www.flickr.com/photos/45120089@N05/
  25. 25. 25 Seguindo na história da arte, vemos os trabalhos de Hélio Oiticica, que ao criar o Parangolé, discutia a obra quanto à maneira de expor, afinal o Parangolé só estava completo se estivesse em movimento, no corpo de um sambista. Também podemos citar os Irmãos Campana, que ao fazer o design de suas cadeiras, discutiam se essas mesmas também poderiam ser consideradas arte, tendo em vista a capacidade de reinterpretar temas populares, fundindo culturas, resultando em uma obra com caráter único. (EGUCHI; PINHEIRO, 2009) Seguindo a linha do design, também podemos discutir a imagem da moda como arte. Um produto que usamos, que além de ter a função de exprimir uma idéia, demonstrar a personalidade de quem a usa, é exposta nos museus, gerando discussões, reflexões, tudo o que uma obra de arte nos oferece. Cito como exemplo a exposição de moda sobre o estilista Alexander McQueen no Metropolitan Museum of Art (MET). Ele que faleceu em 2010, e produziu uma obra que “desafiou e ampliou a compreensão da moda além da utilidade, para uma expressão conceitual da cultura, política e identidade” (MET, 2011). Fig.27 Hans Bellmer, 1932 Fonte: http://inspirational- magery.blogspot.com/ 2010_05_01_archive.html
  26. 26. 26 Mariko Mori, ao criticar a visão da mulher como um produto de entretenimento, um robô, no pós-pop, usou além de painéis fotográficos retratando ela mesma como um robô, utilizou uma série de bonecas, customizadas, imitando uma de suas fotografias. A partir dessas referências, justifico o uso dos BJDs como peça de arte, sendo possível sua exploração conceitual e estética no campo artístico. Fig.29 Mariko Mori –Star Doll, 1998 Fonte: http://www.moma.org/interactives/ exhibitions/2001/parkett/parkett2.html Fig.28 Alexander McQueen – The Horn of Plenty, 2009-10 Fonte: http://blog.metmuseum.org/ alexandermcqueen/dress-horn-of-plenty/
  27. 27. 27 3.PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Nesse capítulo são descritos os processos metodológicos, desde a modelagem da peça, a confecção das fôrmas, a tiragem das peças em resina, acabamento e a customização, descrevendo todos os meus acertos e erros, dificuldades, passo a passo. 3.1.Modelagem A partir do registro de modelagem de alguns artistas encontrados na internet, como a artista japonesa Aimi6 , e outros encontrados no The Joints7 , comecei o procedimento com um desenho da peça em escala, com as medidas de altura do doll e suas proporções. Após esse desenho, usei um bloco de isopor e desenhei os planos frente e lateral do torso e da perna nesse bloco e cortei essas peças. Depois de ajustar o formato de maneira tridimensional, comecei a revesti-las com DAS, um tipo de cerâmica fria que seca ao ar livre, sem a necessidade de queima. Escolhi o DAS porque além de ser um material que eu consigo encontrar aqui na cidade, é um bom material para modelar. Ele seca rápido e pode ser lixado facilmente. 6 Aimi é uma artista japonesa que faz dolls desde 2004. Uma das primeiras artistas a registrar passo a passo suas etapas de produção, além de expor os materiais utilizados. 7 The Joints, tradução literal: As Juntas. Fórum internacional que reúne artistas que trabalham com criação e modelagem de BJDs. Disponível no endereço http://www.denofangels.com/joints. Fig.30 Desenho em Escala, 2011 Fonte: Acervo Pessoal
  28. 28. 28 Comecei a modelar uma estrutura básica de torso e pernas sobre o isopor, de modo a formar uma camada resistente para que depois eu pudesse separar as peças. Quando essa camada ficou resistente o suficiente, separei as peças em partes que também seriam as juntas do doll. Separei o torso ao meio, o quadril das pernas, e a perna em coxa, joelho e panturrilha. Infelizmente o joelho e a panturrilha ficaram muito finos e igualmente frágeis, então eles acabaram quebrando. Para separar as partes, usei uma serra, uma faca de serra, uma goiva e um martelo de madeira. Assim pude delicadamente separar as partes uma das outras. Para tirar depois o isopor do interior das peças usei thinner8 e um garfo. O thinner derrete o isopor, e o garfo ajuda a tirar os restos que sobravam no meio. Para modelar a panturrilha e os braços, que são estruturas mais delicadas, usei palitos de madeira e papel alumínio para fazer a base. Revesti com o DAS e comecei a modelar novamente, até que se formasse uma camada resistente o suficiente para deixar a peça oca. Quando essa camada foi formada, separei os braços em braço e antebraço utilizando faca de serra, goiva e um martelo de madeira. Quando consegui separar as peças, começou o trabalho de tirar o 8 Solvente utilizado para a diluição de tintas sintéticas e vernizes, e limpeza de peças. Fig. 31 Estrutura de Isopor, 2011 Fonte: Acervo Pessoal Fig. 32 Processo de separação de peças, 2011 Fonte: Acervo Pessoal
  29. 29. 29 alumínio do interior das mesmas. Para isso, usei um alicate de ponta bem fina e uma retificadora elétrica. Nesse momento descobri que não foi uma boa idéia usar o alumínio como estrutura interna para os braços e panturrilha, mas apesar do trabalho para deixar as peças ocas, a modelagem externa não foi alterada. Para a produção das juntas utilizei bolas geralmente usadas em colares. Para comprar essas bolas no tamanho certo fiz bolas de papel alumínio para usar como referência de tamanho. Para as juntas das coxas utilizei bolas de plástico que geralmente vem em desodorantes roll-on, preenchidas com gesso. Duas bolas para cada junta da coxa, e duas para cada junta do joelho e cotovelo. Dessa maneira produzi juntas duplas para os braços e pernas, aumentando o poder de mobilidade do doll. Juntei as bolas com super bonder9 , e as revesti de um lado com DAS, para modelar os joelhos e os cotovelos. Para as mãos e pés utilizei apenas uma bola em cada peça, pois nesses membros não há a necessidade de juntas duplas, assim como no pescoço e nos ombros. Para encaixar as juntas, utilizei a retificadora elétrica e lixas d’água 80 e 120 para fazer com que o busto e o quadril encaixassem. Depois usei a retificadora com uma lixa em formato de bola para fazer com que as juntas do ombro, cotovelos, pulsos, coxas, joelhos e tornozelos se encaixassem perfeitamente. Foi um longo processo de adição e subtração de massa, até que os encaixes ficassem perfeitos. 9 Super Bonder é uma marca de super cola, que cola qualquer superfície de maneira rápida e resistente. Fig.33 Protótipo das juntas, 2011 Fonte: Acervo Pessoal
  30. 30. 30 Em cada junta cortei um buraco diferente, assim como nas peças que encaixavam com as juntas, de modo a definir a mobilidade de cada parte do doll. Durante todo o processo de confecção das juntas montei o doll com elástico para testar sua mobilidade, além de conferir suas proporções e detectar erros. Para modelar a cabeça, utilizei uma bola de isopor semelhante ao tamanho que eu queria para a mesma. Depois de esculpir o isopor para que ele ficasse mais semelhante ao formato que eu queria, revesti-o com DAS. Depois que a cabeça secou, comecei a modelar a estrutura do rosto por cima. Adicionei DAS até que a estrutura ficasse resistente o suficiente para abrir a cabeça No procedimento de abertura da cabeça, realizado com uma serra, acabei acidentalmente quebrando o nariz e a boca modelada. DAS é um material muito bom de modelar, mas quando a estrutura está muito fina, ele quebra com facilidade. Refiz o nariz e a boca algumas vezes devido à fragilidade da massa e a Fig. 34 Teste de mobilidade das pernas, 2011 Fonte: Acervo Pessoal Fig.35 Teste de encaixe das juntas e proporções, 2011 Fonte: Acervo Pessoal
  31. 31. 31 delicadeza de detalhes Os olhos também foram complicados de modelar, afinal quando construía as pálpebras, a massa muitas vezes ficava muito fina e acabava quebrando, danificando toda a estrutura do olho. Exigiu de mim extrema paciência para colocar várias camadas de massa, sem que o resultado final ficasse grosseiro e tirasse a delicadeza do rosto As orelhas foram uma das partes mais trabalhosas devido à riqueza de detalhes em uma estrutura tão pequena. Ao modelar, prezei por deixar a massa mais lisa possível, pois a estrutura é tão pequena que é difícil o acesso da lixa no local. Também utilizei a retificadora elétrica para esculpir alguns detalhes na cabeça, além de abrir os olhos, e o furo do elástico na base da cabeça. Para esculpir os pés e as mãos utilizei para os pés uma estrutura de papel alumínio, essa sendo extremamente útil, afinal o pé não é uma estrutura que necessita ser oca. Revesti a estrutura com DAS e comecei a modelar o formato dos pés. Depois adicionei uma bola para completar a estrutura da junta do tornozelo, e auxiliar na modelagem do formato do pé. Modelei os dedos do pé adicionando “cobrinhas” de DAS, definindo suas formas até que chegasse ao resultado desejado. Já as mãos foram mais trabalhosas. Primeiramente fiz uma estrutura de arame torcido para cada dedo, juntando-os para formar a base da mão. Fig. 36 Progresso da cabeça, 2011 Fonte: Acervo Pessoal
  32. 32. 32 Infelizmente o primeiro arame que utilizei era muito grosso e pouco maleável, fazendo com que eu não conseguisse posar as mãos, e quebrando o DAS. Usei em seguida um arame mais fino, geralmente usado na confecção de pulseiras, brincos e colares. Com esse arame consegui posar as mãos tranquilamente. Revesti essa estrutura com fita crepe, para facilitar a fixação do DAS, afinal o arame sozinho é muito liso, fazendo com que o DAS não fixasse na estrutura. Depois de revestir com a fita crepe, revesti os dedos e as mãos com a massa, e modelei os detalhes até obter um resultado satisfatório. 3.2.Fôrmas Para fazer os moldes escolhi o silicone, pois é um material que grava mais fielmente os detalhes da escultura, além de ser fácil seu manuseio quando se tira as peças, não sendo necessário desmoldantes10 . Para a confecção das fôrmas de silicone usei basicamente duas técnicas: uma forma com caixa de gesso e contra-fôrma, e outra fôrma simples de duas partes. Usei no total 20 quilos de silicone na confecção de todas as fôrmas de cada parte do doll, essas divididas em: cabeça, tampa da cabeça, braços, pernas, busto, quadril, uma para cada mão, uma para cada pé, juntas do quadril, juntas do joelho, juntas do cotovelo; totalizando 13 formas. Para fazer a fôrma do busto de do quadril primeiramente fiz uma caixa de gesso em duas partes, com respiros para o silicone em sua lateral. Utilizei isopor e palitos de madeira para fazer as fôrmas dessa caixa, além de massinha de modelar para os respiros do silicone no gesso. Depois das caixas prontas, fiz uma cama de massinha de modelar e argila na face interna de uma das partes da caixa para colocar a peça e fazer uma das partes da fôrma de silicone. 10 Produtos, geralmente vaselina ou cera, utilizados para soltar as peças do molde, ou evitar que duas partes de uma forma se fundam durante o processo de confecção de uma das partes.
  33. 33. 33 Depois de fazer os registros e os respiros na cama utilizando palitos de madeira e bolas de resina e de plástico, passei cera em pasta para evitar que a peça grudasse definitivamente na forma de silicone, e o silicone grudasse definitivamente no gesso. Depois que fechei a caixa de gesso e selei suas laterais com argila, verti o silicone pelos respiros abertos na caixa, de maneira a fazer a fôrma. Ao terminar de fazer as duas partes externas da fôrma, coloquei uma das partes na caixa de gesso, a outra encaixei sem a caixa de gesso, selei com massinha de modelar e fita adesiva. Com a peça devidamente encaixada dentro das duas partes da fôrma, verti o silicone dentro da parte oca da peça, fazendo uma contra-fôrma, para que quando tirasse as peças em resina esta também saísse oca. Fig.37 Processo da caixa de gesso, 2011 Fonte: Acervo Pessoal Fig. 38 Progresso da fôrma de silicone, 2011 Fonte: Acervo Pessoal
  34. 34. 34 Só foi possível utilizar essa técnica para o busto e o quadril, pois essas peças além de serem as maiores partes do corpo do doll, são as mais ocas, fazendo com que elas suportem uma contra-fôrma. Braços e pernas são muito finos para suportar contra-fôrmas, e as mãos e pés não são peças ocas. A cabeça, apesar de oca, é divida em duas partes, então não há necessidade de fazer moldes com caixa de gesso e contra-fôrma. Para as fôrmas de duas partes o processo foi mais simples. Primeiro fiz uma cama de argila/massinha de modelar escolar, onde afundei as peças pela metade, fiz os espaços para as juntas, fiz um circuito de respiros para garantir que não juntassem bolhas usando palitos de madeira e massinha/argila, e fiz registros usando bolinhas de plástico. Essa cama foi feita sobre uma placa de isopor. Utilizando outras placas de isopor e palitos de madeira, construí paredes em volta da cama para abrigar o silicone. Usei massinha/argila para selar possíveis falhas nas paredes, e fita adesiva para reforçar a estrutura por fora, e evitar que ela cedesse. Depois verti o silicone por cima da cama, assim concluindo a primeira parte da fôrma. Para fazer a outra parte, coloquei a peça sobre a metade da fôrma, encaixando perfeitamente com a parte já gravada. Depois usava massinha/argila e palitos de madeira para reconstruir os respiros sobre as estruturas já gravadas, e cobria tudo com uma camada bem generosa de cera em pasta, para evitar que as partes se unissem. Fiz o mesmo processo de construir paredes de isopor em volta da metade da fôrma, e verti o silicone. Assim terminou a segunda parte da fôrma, Fig.39 Progresso da forma de silicone simples, 2011 Fonte: Acervo Pessoal
  35. 35. 35 completando-a. Para selar as peças antes de começar as formas usei primeiramente goma laca indiana. O que parecia uma boa escolha no começo se revelou um engano, pois ela isola a peça muito superficialmente. Algumas peças (como braços, pernas e quadril), ao ficar em contato prolongado com a cama de argila/massinha de modelar absorveram a umidade, ficaram moles de novo e quebraram. Eu reconstruí as partes que quebraram com argila, o que gerou uma textura mais grossa na peça final, facilmente corrigida com lixa d’água. Para evitar os mesmos acidentes, selei a cabeça, as mãos, os pés e as juntas com primer automotivo11 diluído no thinner. Funcionou perfeitamente, mantendo as peças intactas depois dos moldes. Os únicos problemas que tive com as fôrmas foram umas disposições mal calculadas das pernas e braços que fragilizou um pouco a mesma; a falta de um respiro na fôrma da cabeça, o que gerou uma bolha enorme na peça, mas que logo foi consertada assim que o respiro foi aberto na fôrma; a disposição do respiro do nariz e o contorno do olho na forma da cabeça, que acabaram danificando a fôrma e a peça, mas que foram resolvidos na peça final; e o silicone em si, que ficou em falta na cidade, fazendo com que eu perdesse um tempo precioso na espera, atrasando a produção das fôrmas. 3.3.Resina Quando fui pesquisar a resina perfeita para castear as peças do doll, descobri que a mais usada é a resina de poliuretano, devido a sua alta resistência e leveza, ela faz com que a peça suporte a tensão dos elásticos sem que seja danificada. Aqui em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, essa resina não é vendida. Após uma pesquisa, encontrei uma loja em São Paulo/SP que vende a mesma por um bom preço. Decidi fazer a compra e encomendei 5 kits de resina, cada kit contendo 1,7 kg, sendo 850g de Parte A e 850g de Parte B. A resina de poliuretano não possui um catalisador como a resina de poliéster. Ela é dividida em Parte A, chamada de “resina”, e Parte B, o “endurecedor”. As duas partes devem ser misturadas, sendo a proporção 100:100 em peso. Isso significa que devem ser duas partes de pesos iguais. Quando fizemos 11 Primer Automotivo é um selador geralmente usado como base em carros antes da pintura final.
  36. 36. 36 o primeiro teste a balança não estava regulada, fazendo com que os pesos ficassem diferentes, e a resina não reagiu corretamente. Depois fizemos um segundo teste usando uma balança digital de precisão, e tudo ocorreu tranquilamente. Antes de verter a resina nas fôrmas, todas foram fechadas. As fôrmas simples de duas partes eu fechei, selei as extremidades com massinha de modelar, e passei fita adesiva em volta para evitar que abrissem. As fôrmas maiores como as dos braços, pernas e cabeça eu coloquei em uma estrutura de isopor, feita com uma placa na base, e outra em cada lado maior da fôrma, fazendo um “sanduíche”, e passei mais fita adesiva para garantir que elas não abrissem. Depois verti a resina por um funil de plástico, de maneira lenta e constante, para diminuir a possibilidade de bolhas na peça. Quanto às fôrmas com caixa de gesso, primeiramente encaixei uma das partes na caixa, depois encaixei as outras duas peças de silicone e selei com massinha de modelar (o quadril) e fita adesiva (o busto). A seguir, coloquei a outra parte da caixa de gesso por cima e amarrei as duas partes por fora com borracha de pneu de bicicleta cortada em tiras. Usei essas tiras para fixar bem a caixa e evitar que ela saísse do lugar. Depois coloquei o funil na abertura do silicone e verti a resina normalmente. O primeiro problema que tivemos com a resina foi que ela é extremamente sensível a mudanças climáticas e umidade. Então quando começamos a tirar o último busto e o primeiro quadril, a resina havia absorvido umidade ambiente derivada de dias chuvosos anteriores, fazendo com que em algumas partes ela não reagisse quimicamente, mantendo-se líquida. Devido a esse problema, acabamos desperdiçando muita resina com os consertos necessários.
  37. 37. 37 Outro problema gerado pela umidade foi a falta de uniformidade da cor da resina. Algumas peças ficaram extremamente manchadas, como se fosse uma tinta mal misturada. Esse problema foi resolvido na customização, usando os pasteis secos para uniformizar a cor da “pele”. Para solucionar o problema da umidade na resina, o fornecedor recomendou que deixasse as partes da resina em banho-maria, para que o calor retirasse a umidade da mesma. As tampas ficaram fechadas para evitar que o cheiro da resina intoxicasse alguém. Coloquei panos em volta da panela para evitar que o vapor que saía pela lateral umedecesse Fig. 40 Defeitos causados pela umidade na resina, 2011 Fonte: Acervo Pessoal Fig.41 Resina em banho-maria, 2011 Fonte: Acervo Pessoal
  38. 38. 38 novamente a resina. Depois de 1 hora em banho-maria ela voltou a reagir normalmente. O segundo problema foram as bolhas. Como o pot life12 da resina é muito curto (cerca de 1minuto e meio), em algumas peças as bolhas de ar não tiveram o tempo necessário para sair pelos respiros, fazendo com que algumas peças ficassem cheias de micro-bolhas, que mesmo sendo pequenas, são numerosas. Gastamos boa parte da resina consertando essas bolhas, grandes e pequenas, para que a peça ficasse uniforme. Outro problema causado pelo curto pot life foi que em algumas fôrmas as partes superiores, próximas à saída dos respiros secaram mais rapidamente que as partes inferiores, fazendo com que as mesmas não liberassem a umidade absorvida do ambiente. Isso gerou o mesmo problema da resina com umidade: ela não reagiu corretamente, mantendo-se líquida. Para resolver foi necessário retirar das peças a resina líquida e repor com uma resina nova, com a forma aberta, cada parte de uma vez para tapar os buracos. Para resolver esse tipo de problema seria necessário uma resina nova, que tivesse o tempo maior de pot life. Também poderíamos usar um pressure pot13 , que ao formar um vácuo com a pressão, elimina todas as bolhas da resina, evitando esses problemas. Mas para usar o pressure pot, é necessário uma resina com o pot life maior. Infelizmente eu não tive tempo para procurar uma nova resina, nem providenciar um pressure pot, mas os resultados ficam como experiência para futuros trabalhos. 3.4.Acabamento Essa etapa foi extremamente fundamental para o meu trabalho. As peças apresentaram defeitos, grandes ou pequenos, então todas tiveram que passar por essa fase. 12 Pot life é o tempo de manuseio disponível com a resina líquida, antes de ela virar “gel”. 13 Pressure Pot. Tradução literal: Panela de Pressão. Funciona exatamente como uma panela de pressão, mas ao invés de usar o calor pra conseguir a pressão, se usa um compressor para retirar o ar da panela. Também é usado um medidor para controlar a pressão interna da panela.
  39. 39. 39 Primeiramente usei a retificadora elétrica para retirar todas as emendas. Também usei a retificadora para afinar e nivelar algumas peças (pernas e braços) que sofreram alguns acidentes na fôrma. Essas fôrmas acabaram abrindo um pouco quando eu verti a resina, então elas ficaram mais largas do que o original. Depois de tirar os excessos, foram usadas as lixas d’água 80, 220 e 600 para o acabamento final. Na cabeça eu tive que refazer o olho esquerdo do doll à mão, pois a fôrma sofreu um pequeno acidente resultando na perda do contorno dos olhos. Também tive que furar os braços, pernas, juntas, pescoço, ombros, quadris, usando a furadeira vertical que fica na marcenaria da universidade. Pedi ajuda ao Sr. Jucelino, o responsável pela marcenaria, afinal se eu tentasse furar sozinha, pela minha falta de prática e firmeza, poderia quebrar as peças. Ao final, lavei todas as peças com água e sabão neutro para tirar todos os resquícios de pó de resina, ficando prontas para a customização. 3.5.Customização Primeiramente, para começar o processo de customização das peças, fiz uma pesquisa sobre o tema que gostaria de abordar com a caracterização dos dolls. Após decidir o tema, fiz um concept art14 , para ter noção do resultado final da custom15 . Foi então que planejei as etapas, que vão desde a modificação profunda do personagem masculino, a realização da face up e do body blushing, confecção das roupas e acessórios, escolha das perucas e olhos, e composição final 14 Concept art. Tradução literal: arte de concepção. Um desenho feito com a finalidade de descrever visualmente um personagem, um design, uma idéia, um clima. Usado na concepção, uma primeira idéia para depois evoluir a obra final. 15 Custom. Significa customização. Fig.42 Fases do acabamento, 2011 Fonte: Acervo Pessoal
  40. 40. 40 da obra, incluindo a pose e cenário. Decidi fazer um personagem feminino e outro masculino, sendo este último construído a partir do mesmo molde de corpo e rosto feminino. Para começar, usei a retificadora para lixar os peitos e quadris, deixando o corpo quadrado e masculino, sem as curvas femininas. Depois, com as lixas 80, 220 e 600, dei o acabamento final, deixando o corpo uniforme. Depois, usando DAS, modelei um pênis na região da virilha, usando uma fita adesiva para isolar a massa da peça e a resina. Tirei fôrma desse órgão de DAS para que fosse passado para resina. Usei algumas gotas de resina para grudar o órgão na região da virilha, transformando o corpo definitivamente em masculino. Após terminar a modificação no corpo, comecei a fazer o face up e o body blushing. O processo é o mesmo para os dois dolls. Primeiro aplico uma camada de MSC Flat16 para selar a peça e servir como base para o giz pastel seco, esse raspado em uma folha de papel comum para usar o pó com o pincel. Eu particularmente começo pelas sobrancelhas, que para mim são as partes mais difíceis. Depois de definir seu formato, começo a adicionar sombra nos olhos, corado das bochechas e cor nos lábios. Para deixar as cores mais intensas, uso várias camadas de MSC e giz pastel seco. Para fazer os pelos da sobrancelha, cílios inferiores e os “risquinhos” dos lábios uso lápis aquarela. Para delineador e pintas uso tinta acrílica diluída em água ou em gel acrílico. Para fazer sardas, uso tinta sépia bem diluída em água, uma escova de dente velha e um cotonete. Uso a escova para espirrar gotas de tinta, e o cotonete para tirar os excessos. Quando termino a face up, passo uma última camada de MSC para selar, e passo verniz brilhante para dar brilho na parte interna dos olhos e na boca. 16 MSC é uma marca de verniz de alta qualidade. Ele vem em uma lata spray. Esse especificamente é fosco (Flat). Fig.43 Perucas e Olhos, 2011 Fonte: Acervo Pessoal
  41. 41. 41 Para o body blushing utilizo os mesmos materiais. Geralmente vou colorindo áreas do corpo onde este é mais corado, como os ombros, cotovelos, pulsos mamilos, abdome, virilha, joelhos e tornozelos. Nas mãos e pés eu sombreio as juntas dos dedos, a palma das mãos, e faço o desenho das unhas. Se preciso fazer alguma pinta ou sardas, uso a mesma técnica do face up. Quando vou fazer alguma tatuagem, desenho bem levemente com o lápis aquarela com a cor mais próxima a cor da “pele” do doll. Depois faço as sombras e cores com giz pastel seco, e para o acabamento final uso tinta acrílica. Para finalizar, depois de selar com MSC, passo verniz brilhante nas unhas. Para brincos e piercings eu uso cola branca normal em pequeníssima quantidade para não sujar, miçangas metalizadas nas cores e formatos que me interessam, ou argolas de metal, e colo na área desejada. Sempre uso uma pinça como auxílio para colar de maneira correta. Depois que eu termino todo o trabalho de pintura no doll, eu o monto, usando duas tiras de elástico roliço de aproximadamente 1 metro e meio. A Fig.44 Material para face up e body blushing, 2011 Fonte: Acervo Pessoal
  42. 42. 42 espessura do elástico sempre é entre 3 e 5mm. As duas tiras servem uma para prender as duas pernas e o torso, e outra para prender braços e mãos. Uso o elástico roliço, pois a tensão dele é muito maior que a de um elástico chato. Uso pequenos ganchos, em formato de “S”, de alumínio nos pulsos e nos tornozelos para prender as mãos e os pés, e um gancho maior dentro da cabeça para prender o elástico principal. Depois de montado, confecciono as roupas e acessórios que eles usam. Geralmente uso tecidos como brim e tricoline. Procuro usar estampas pequenas, para que fiquem na escala do doll. Para acessórios como colares e cintos, busco por correntes finas e pingentes pequenos. Os sapatos, perucas e olhos eu compro prontos, mas sempre tendo modificar um detalhe ou outro para que fique único. Ao final, monto a composição e o doll fica completo. Fig. 45 Esquema de elásticos, 2011 Fonte: Acervo Pessoal
  43. 43. 43 4.OS DOLLS O conceito que eu escolhi para a customização das peças foi “Eu não sou só mais um boneco/boneca”. Esse tema retrata exatamente o que eu pretendo defender nesse trabalho: de que os BJDs não são só mais uma boneca comercial dedicada ao consumo em massa. É uma boneca que possui o conceito artístico embutido. A proposta sempre é a criação, mesmo essa não tendo objetivo nenhum além do estético. E um objeto que propõe a criação, o desenvolvimento artístico como forma de apreciação de tempo não pode ser tratado como mais uma boneca, ordinariamente. Esse objeto é artístico, e seus resultados finais são obras de arte. Customizei os dois dolls de maneira diferente, para explorar as possibilidades do molde. Os dois estão dispostos em caixas de vidro, um em cada caixa. Dentro delas, várias peças de bonecas e bonecos de venda em massa, brinquedos simples e comerciais, desmontados, como se aquela caixa virasse um depósito de bonecos e bonecas de consumo de massa. Os dois estarão com uma expressão corporal acuada, tentando chamar a atenção do mundo fora daquela Fig.46 Concept art digital de face up: Boy, 2011 Fig.47 Concept art digital de face up: Girl, 2011 Fonte: Acervo Pessoal
  44. 44. 44 caixa, com a expressão de que não pertencem àquele mundo de consumo ligeiro, sem apreciação, de comprar por comprar. Dessa forma, busco criticar as pessoas que observam com certo preconceito esse tipo de arte. Aquele tipo de pessoa que fica tão cega com a estética da boneca que acaba colocando tudo em uma mesma caixa. Acaba tratando as bonecas como todas iguais. Acaba não reconhecendo o que é um produto único, e o que é um produto de consumo de massas. Quero mostrar que hoje em dia, temos uma farta opção de suportes a se usar em uma obra de arte, e que mesmo esse sendo inusitado, ele não perde a sua aura artística. Fig.48 Pose 1, 2011 Fonte: Acervo Pessoal
  45. 45. 45 Fig.49 Caixa 1, 2011 Fonte: Acervo Pessoal
  46. 46. 46 Fig.50 Caixa 2, 2011 Fonte: Acervo Pessoal
  47. 47. 47 CONCLUSÃO A pesquisa demonstrou que a criação de BJDs não pode ser considerada apenas como a criação de um objeto em si, ou seja, apenas uma boneca. A confecção dessas peças desde a pesquisa até sua materialização demonstrou que é necessário todo um processo de elaboração mental e artística. Acredito que o objetivo desse trabalho foi alcançado, pois o estudo das bases teóricas e artísticas que foram utilizadas para a produção das BJDs nos mostra que elas são sim uma forma de arte. Foi observado pela pesquisa um grande número de pessoas que usam dolls como suporte para conceitos artísticos, e também foi encontrado na história da arte que o artista que começou a era moderna dos BJDs, foi Hans Bellmer. Ao registrar todo o processo de criação e desenvolvimento das peças, dolls, foi demonstrado que a construção do trabalho exige pesquisa, elaboração dos moldes, criação das fôrmas, vazar as peças em resina, acabamento individual de cada uma das partes até o produto final. Concluindo, o trabalho exige muito envolvimento, disciplina, cuidado e disponibilidade artística. Com isso podemos verificar que as BJDs não são simplesmente bonecas, pois o processo de confecção é trabalhoso como todo trabalho em escultura, desde o início até o seu processo final.
  48. 48. 48 REFERÊNCIAS BALL-JOINTED doll. Wikipedia, the free encyclopedia. 2008. Disponível em: <http://en.wikipedia.org/wiki/Ball-jointed_doll>. Acesso em: out. e nov. 2010. BENJAMIN, Walter; tradução de Jose Lino Grünnewald. A obra de arte na época de suas técnicas de reprodução. São Paulo. Abril Cultural, 1980. BONECA. Wikipedia, the free encyclopedia. 2006. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Boneca>. Acesso em: maio. 2011. HANS BELLMER. Wikipedia, the free encyclopedia. 2003. Disponível em: < http://en.wikipedia.org/wiki/Hans_Bellmer>. Acesso em: maio. 2011. EGUCHI, Haroldo Cotri; PINHEIRO, Olympio José. Arte ou design? Metodologia e ideologia na obra dos Irmãos Campana. 2009. Disponível em: < http://www.anpap.org.br/anais/2009/pdf/chtca/olympio_jose_pinheiro-1.pdf>. Acesso em: maio.2011. METROPOLITAN MUSEUM OF ART. Alexander McQueen: Savage Beauty. 2011. Disponível em: < http://blog.metmuseum.org/alexandermcqueen/>. Acesso em: maio.2011.

×