SlideShare uma empresa Scribd logo
HUDSON JUSTINO DE ANDRADE
DELÍRIOS: TIRINHAS DIGITAIS
CAMPO GRANDE - MS
2016
HUDSON JUSTINO DE ANDRADE
DELÍRIOS: TIRINHAS DIGITAIS
Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à
Banca Examinadora da Universidade Federal
de Mato Grosso do Sul/ Campus Campo
Grande, como exigência parcial para obtenção
do título de Bacharel em Artes Visuais, sob a
orientação do Prof. Me. ElomarBakonyi.
CAMPO GRANDE - MS
2016
HUDSON JUSTINO DE ANDRADE
DELÍRIOS: TIRINHAS DIGITAIS
Monografia defendida no curso de Bacharelado da Faculdade de Artes Visuais da
Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, para obtenção do grau de Bacharel, aprovada
em 25 de Abril de 2016, pela Banca Examinadora constituída pelos seguintes professores:
___________________________________________
Prof. Me. ElomarBakonyi
Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
___________________________________________
Prof. Dr. Paulo César Antonini de Souza
Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
___________________________________________
Prof. Me. Sérgio de Moraes Bonilha Filho
Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Campo Grande, MS, 25 de Abril de 2016
Aos invisíveis no mundo.
AGRADECIMENTOS
A minha mais sincera gratidão aos meus pais, Sra. Maria Onice Justino de Andrade e
Sr. José Mário de Andrade, a minha companheira de todas as horas Srta. Letícia Brandão
Simões, pois sem vocês, sem nenhuma dúvida, esta monografia teria sido impossível de se
fazer.
“Ninguém baterá tão forte quanto à vida. Mas
isso não se trata de quão forte se pode bater. Se
trata de quão forte pode ser atingido e
continuar seguindo em frente... O quanto você
pode apanhar e continuar em frente. É assim
que a vitória é conquistada.”
BALBOA, Rocky (2006).
RESUMO
O mundo contemporâneo está pautado pelas novas mídias digitais que modelam e alteram as
relações sociais, econômicas, culturais e educacionais. A arte não escapa desta tendência
mundial e adere às novas expressões que a tecnologia proporciona. Neste quadro artístico,
muitas expressões do mundo analógico passaram a incorporar e desenvolver uma nova forma
de traduzir a sua linguagem artística. Neste contexto, esta pesquisa visa analisar o potencial
contido nas histórias em quadrinhos dentro do ambiente digital, chamadas de webcomics,
especificamente, no campo das tirinhas digitais. As webcomics já assumiram diversos
formatos diferentes ao longo dos últimos anos, e continuam a explorar novas opções
narrativas. Portanto, a obra apresentada neste projeto tem caráter experimental, utilizando um
dos formatos propostos neste novo suporte.
Palavras-chave: Tirinhas digitais, webcomics, Histórias em quadrinhos.
ABSTRACT
The contemporary world is guided by new digital media that shape and change the social,
economic, cultural and educational relations. The art does not escape this global trend and
adheres to the new expressions that provides technology. In this artistic context, many
expressions of the analog world began to incorporate and develop a new way to translate his
artistic language. In this context, this research aims to analyze the potential contained in
comic books into the digital environment, call webcomics, specifically in the field of digital
comic strips. The webcomics have already taken many different forms over the past few years,
and continue to explore new narrative options. Therefore, the work presented in this project is
experimental, using one of the proposed formats this new support.
Keywords: Digital Comic Strips, webcomics, Comic books.
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO ............................................................................................................ 10
CAPÍTULO I: A ARTE DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS:.......................... 11
1.1 Quadrinhos e a origem das tirinhas:................................................................. 14
1.2 As tirinhas conquistando o mundo: .................................................................. 15
1.3 Tirinha: O teor de gênero em discussão:.......................................................... 16
CAPÍTULO II: HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E SUAS MÚLTIPLAS
LINGUAGENS:............................................................................................................ 18
2.1 Ideologias que permitem Histórias em quadrinhos, questão midiática:........ 19
2.2 As tirinhas e a cultura de convergência:........................................................... 20
2.3 Convergência midiática:..................................................................................... 20
2.4 As tirinhas nas mídias digitais:.......................................................................... 21
CAPÍTULO III: DELÍRIOS: ...................................................................................... 23
3.1 Históricos de criação: ......................................................................................... 24
3.2 Processo de criação:............................................................................................ 26
3.3 Elementos: ........................................................................................................... 31
3.4 Redes sociais:....................................................................................................... 37
CAPÍTULO IV: O CAÇADOR DE ESTRELAS:..................................................... 40
CONSIDERAÇÕES FINAIS: ..................................................................................... 44
REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS:...................................................................... 45
10
INTRODUÇÃO
Com a convergência midiática, as tiras diárias (ou tirinhas) publicadas em jornais e
revistas estão ganhando cada vez mais espaço dentro da web. Novas possibilidades de
criação e veiculação deste gênero tem surgido, principalmente através das redes sociais e
blogs. O objetivo desta monografia é mostrar como o modelo de produção das tirinhas está
sendo modificado dentro das novas mídias, principalmente com a possibilidade de publicar
seus trabalhos dentro de blogs e redes sociais.
A convergência faz surgir uma nova dinâmica em que os usuários estão exigindo cada
vez mais sua participação no processo de produção e distribuição de conteúdo.
Este trabalho está dividido em três partes. Na primeira, traremos um pouco da
história dos quadrinhos e seus conceitos, para poder conceituar as tirinhas, na ótica de
autores como Scott McCloud (1995), Marcos Nicolau (2011), Jacques Marny (1970).
A segunda parte discutiremos sobre as mídias digitais e suas possibilidades de
interação com o usuário, passeando por autores como Henry Jenkins (2008), Lucia Santaella
(2002), além de estudiosos em quadrinhos nas mídias digitais Scott McCloud (2006) e Edgar
Franco (2004).
E finalizando, na terceira parte será apresentada a produção dos Delírios, são tirinhas
digitais divulgadas dentro das redes sociais onde um pensamento ou história pode ser
contada em apenas uma imagem ou numa série de imagens que produzem interpretações e
sensações individuais nos expectadores. Um desenho estilizado e lúdico com influência de
autores de tirinhas de jornal e grande influência da cultura pop.
11
CAPÍTULO I: A ARTE DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS:
De acordo com o texto de GUIMARÃES (1999), Uma caracterização Ampla para
História em Quadrinhos e seus limites com outras Formas de Expressão,
“História em quadrinhos é a forma de expressão artística que tenta representar um
movimento através do registro de imagens estáticas. Assim é a história em
quadrinhos, toda a produção humana, ao longo de sua história, que tenha tentado
narrar um evento através do registro de imagens, não importando se esta tentativa foi
feita em uma parede de caverna há milhares de anos, em uma tapeçaria, ou mesmo
em uma única tela pintada. Não se restringe, nesta caracterização, o tipo de
superfície empregado, o material usado para o registro, nem o grau de tecnologia
disponível”.
Embora o referido texto não descaracterize como história em quadrinhos a tentativa de
representar um movimento através de uma única imagem (como o cartum e a charge, por
exemplo), a história em quadrinhos tem seu maior potencial quando faz uso de uma sequência
de imagens encadeadas, o que lhe permite realizar narrativas mais complexas.
O pesquisador americano Scott McCloud cunhou uma definição de comics que
considera estas criações pré imprensa na obra “Desvendando os Quadrinhos”, além de dar um
novo escopo as pesquisas em quadrinhos: “Imagens pictóricas e outras justapostas em
sequência deliberada destinadas a transmitir informações e/ou produzir uma resposta no
espectador”. (McCLOUD, 2005, p. 09).
Por mais limitada que possa ser uma definição, a de McCloud tem a vantagem de
desfazer alguns dos equívocos mais comuns sobre o estudo das histórias em quadrinho, por
desviar o entendimento sobre sua especificidade das partes que a constituem para a maneira
como se organizam. Em outras palavras descreve um meio através do qual é possível construir
textualidades, que fazem uso da justaposição de painéis (quadrinhos), com desenhos, textos
ou ambos na construção de sequências que emulam a passagem de tempo, lugar ou ideia
através de sua disposição espacial.
Segundo McCLOUD (2005), a partir desta definição foi possível compreender o termo
histórias em quadrinhos como algo muito mais antigo, provavelmente a forma mais difícil de
narrar. Assim, a história em quadrinhos embarca narrativas pré imprensa como: As pinturas
rupestres da caverna de Lascaux; A tapeçaria de Bayeux; Um bordado com 70,34 metros de
comprimento, representando em 58 cenas a conquista da Inglaterra pelos normandos,
concluída no ano de 1066; A coluna de Trajano, construída entre 112 e 114 em Roma no
fórum de Trajano sobre o túmulo do imperador para comemorar a vitória dos Romanos sobre
os Dácios; O Códice Zouche-Nuttall no México pré-colombiano; As sequências de vitrais (em
12
alguns casos mesmo as catedrais bizantinas); Os quadros Trípticos, etc, entre diversas outras
obras.
Detalhe da tapeçaria de Bayeux.1
DUARTE, Rafael Soares, 2013, p. 31.
As Histórias em Quadrinhos, como todas as formas de arte, fazem parte do contexto
histórico e social que as cercam. Elas não surgem isoladas e isentas de influências.
Na verdade, as ideologias e o momento político moldam, de maneira decisiva, até
mesmo o mais descompromissado dos gibis (...) (DUTRA, 2001).
As primeiras manifestações das Histórias em quadrinhos são no começo do século
XX, na busca de novos meios de comunicação e expressão gráfica e visual. Com o avanço da
imprensa, da tecnologia e dos novos meios de impressão, possibilitaram o desenvolvimento
desse meio de comunicação de massa.
Entre os precursores estão o Suíço Rudolph Töpfler, o Alemão Wilhelm Bush, o
Francês Georges (Christophe) Colomb, e o Brasileiro Angelo Agostini. Alguns consideram
como a primeira história em quadrinhos a criação de Richard Fenton Oultcalt, The yellowkid
em 1895, Oultcalt essencialmente sintetizou o que tinha sido feito antes dele e introduziu um
novo elemento, o balão.
Segundo MARNY (1970) Oultcalt foi o criador da série de desenhos conhecida como
Hogan’sAlley (algo como O Beco de Hogan), no qual transitavam uma série de personagens:
varredores negros, chineses de tranças, mulheres com laços e, entre eles, um garoto de orelhas
largas vestido com uma camisola. Certo dia o garoto apareceu com a camisola pintada de
amarelo e foi imediatamente batizado pelos leitores de yellowkid, o chinesinho amarelo. Seu
desenhista passou a explorá-lo como personagem principal, dando-lhe vos por meio de balões.
1
Na página da Wikipédia é possível encontrar a imagem completa da tapeçaria de Bayeux.
13
Outcault, R. F. "The Yellow Kid and His New Phonograph." The Yellow Kid. New York Journal. 25 Oct. 1896.2
Nas primeiras décadas os quadrinhos eram essencialmente humorísticos, e essa é a
explicação para o nome que elas carregam ainda hoje em inglês, comics (cômicos). Algumas
destas histórias eram Zitte Nemo (de Winsor McCay), Mutt e Jeff (de Bud Fisher), Popeye (de
E. C. Segar) e Krazy Kat (de Georges Harriman).
Os temas das histórias eram basicamente travessuras de crianças e bichinhos, e dessa
época vem às designações kid strips, animal strips, family strips, boy-dog strips, boy-family-
dog strips, dentre outros.
A queda da bolsa de 1929 teve relevante importância em relação a perspectiva da
história em quadrinhos, e nos anos 30 eles cresceram, invadindo o gênero de aventura. Flash
Gordon, de Alex Raymond, Dick Tracy, de Chester Gould e a adaptação de Hal Foster para
Tarzan, de E. R. Borroughs são conhecidos como o início da era de ouro (Golden age). Nesta
década, três gêneros essenciais eram produzidos: ficção cientifica, o policial e as aventuras na
selva.
2
Disponível em: http://xroads.virginia.edu/~ma04/wood/ykid/images/centennial/yk_phonograph.jpg, acesso,
Abril, 2016.
14
Nos anos 50 os quadrinhos foram alvo da maior caça às bruxas que já aconteceu por
meio de comunicação de massa. O psiquiatra Frederic Wertham escreveu um livro, A sedução
do Inocente (The Seduction og the innocent), onde ele acusava os quadrinhos de corrupção e
delinquência juvenis.
Nas 400 páginas de sua obra o psiquiatra Alemão, esmiuçou suas idéias sobre o
“verdadeiro intento subversivo” por trás dos quadrinhos. Dentre as hipóteses do tratado, havia
a de que a Mulher Maravilha representava idéias sadomasoquistas e a da homossexualidade
da dupla Batman & Robin.
Entre outros argumentos de Whertham, também estão que os quadrinhos incitavam a
juventude à violência havendo então o código de ética, para limitar e regular o que podia (e o
que não podia) aparecer nas páginas, limitando assim o alcance e a maneira de enfocar
assuntos, o que acabou por destruir todos os títulos de terror da EC Comics, exceto um, a
revista humorista: Mad.
Foi quando surgiu numa tira de jornal aparentemente inocente sobre um grupo de
crianças: Peanuts, de Charles M. Schulz. Charlie Brown, o personagem principal, é um garoto
de 6 anos, perdedor nato, simboliza insegurança, a ingenuidade, a falta de iniciativa; um
eterno esperançoso. Seu cão Snoopy, é um beagle filosófico em cima de sua casinha
vermelha. Esta tira marcou o começo da era intelectual dos quadrinhos, como uma maior
valorização do texto com as imagens.
1.1 QUADRINHOS E A ORIGEM DAS TIRINHAS:
A tirinha, também conhecida como tira diária, pode ser definida como uma sequência
narrativa em quadrinhos humorística e satírica que utiliza a linguagem verbal e não verbal
transmitindo, em sua grande maioria, uma mensagem de caráter opinativo.
Através da utilização de metáforas, que a aproxima da sua representação do cotidiano,
ela é capaz de burlar censuras e se afirmar dentro dos jornais impressos como um gênero
jornalístico que apresenta as mesmas propriedades de uma crônica, artigo, editorial ou charge.
Tomando empréstimo de narrativas e diálogos próprios dos folhetins e romances,
associando-os às ilustrações e gravuras, as histórias em quadrinhos alcançaram uma expressão
suigeneris com recortes visuais de ações e expressões linguísticas em balões.
Segundo MARNY (1970), foi the yellow kid, criação de Richard Fenton Oultcalt,
publicado em 1895 no jornal sensacionalista New york World, com a incursão de texto
naquele formato que viria a ser o balão.
15
Vendo o interesse dos leitores por essas narrativas deflagrarem o aumento da venda de
jornais, seus proprietários passaram a investir no gênero e em pouco tempo já havia uma série
de personagens preenchendo as coloridas páginas dos suplementos dominicais.
Com relação ao surgimento das tirinhas, de acordo com PATATI e BRAGA (2006,
p.23), o formato clássico do gênero com piadas desdobradas em três tempos ou três quadros
surgiu graças à escassez de espaço nos jornais, bem como a popularidade dos personagens.
A tirinha é uma excelente forma de expressão no jornal e na revista. A mídia impressa
precisou se diversificar e atender a diversos públicos, dando a possibilidade de o autor adoçar
suas vivências, experiências e problemas da vida cotidiana de forma divertida e provocativa,
em uma realidade metaforizada.
Fonte: NICOLAU, 2011, p. 3.3
1.2 AS TIRINHAS CONQUISTANDO O MUNDO:
O celeiro da criação de tirinhas foram os Estados Unidos com a força de suas
empresas de distribuição. Em 1912, segundo MARNY (1970), Hearst funda o primeiro
“sindicato” encarregado de comercializar as histórias em quadrinhos, conhecido como King
Features Syndicate.
Além do King Features Syndicate, surgiram o Universal Press Syndicate, o United
Feature Syndicate, entre outros, encarregadas de espalhar tirinhas para jornais e revistas de
todo o mundo. Para se ter uma idéia da força mercadológica alcançada pelas tirinhas, segundo
MARNY (1970, p. 15), no final dos anos 1960, trezentas histórias em quadrinhos aparecem
no mercado americano em 1.700 jornais diários, sendo lidas por cerca de 100 milhões de
3
Calvin & Haroldo, WATTERSON, 2007, p. 26
16
leitores: “Um jornal conhecido, Washington Post, um dos mais sérios dos Estados Unidos,
publica todos os dias cinco páginas de comics. Total de umas trinta histórias diferentes”.
Por essa época, o gênero já estava consolidado com presença marcante para gerações
de leitores, em jornais de diferentes partes do mundo. Foram fontes de inspiração para jovens
desenhistas em seus países, que passaram a criar seus próprios personagens, embora não
conseguissem competir com a força mercadológica de produção em massa dos syndicates
americanos.
1.3 TIRINHA: O TEOR DE GÊNERO EM DISCUSSÃO:
Segundo NICOLAU (2010), a tirinha tem como característica básica o fato de ser uma
piada curta de um, dois, três ou até quatro quadrinhos, e geralmente envolve personagens
fixos: Um personagem principal em torno do qual gravitam outros. Mesmo que se trate de
personagens de épocas remotas, de países diferentes ou ainda de animais, representam o que
há de universal na condição humana. A estereotipia dos personagens facilita sua identificação
por parte de leitores das mais diversas culturas.
Quanto à temática, apesar da função inicial das tirinhas terem sido o de fazer rir, e que
permanece até hoje, de acordo com MARNY (1970, as tirinhas americanas não tiveram medo
de adentrar em todos os campos, tais como a metafísica, a sátira social, e política, a
psicanálise, atraindo a leitura, inclusive, dos intelectuais.
Além de Jules Feiffer, com seus anti-heróis, MARNY (1970) cita como exemplo de
temática metafísica, os personagens de Peanuts, publicado aqui no Brasil com o nome de seu
principal personagem: Charlie Brown, de Charles M. Schulz, criação de 1950.
“Sinto-me inquieto. Penso no fim do mundo. Experimento terror, pânico e
nervosismo de descaídas, cujo focinho está adornado com uma “penca”. O seu
nome: Snoopy. Do fundo da casota, tortura-se com considerações metafísicas. Mas
isto nunca dura muito, por que surge o dono, Charlie Brown, a trazer-lhe a comida e,
bruscamente, o mundo passa a ser novamente cor-de-rosa”. (MARNY, 1970, p. 200)
Segundo ainda o autor, em pouco mais de dez anos, ainda nos anos 60, Peanuts já era
publicado em 900 jornais dos Estados Unidos e em 100 jornais estrangeiros. A temática do
cotidiano ancorada, geralmente, pelas circunstâncias da época sempre foi uma constante nas
tirinhas.
Na primeira metade dos anos 1970, por exemplo, era muito comum encontrar
crônicas, artigos e charges tratando da guerra do Vietnã, e as tirinhas não ficaram fora desse
universo crítico e irônico, como bem demonstra um exemplar da personagem Mafalda,
desenhada pelo Argentino Quino e publicada nos jornais de então.
17
Fonte: M. NICOLAU, 2010, p. 3118. 4
Em um período mais atual, podemos verificar a pertinência dessas comparações,
quando retiramos uma situação tratada por qualquer um desses gêneros e a observamos longe
das funções que lhes poderiam ser atribuídas pelo gênero. Vejamos o seguinte diálogo: ”Eu
trabalho para mim mesmo. - Eu pensava assim, mas só até pagar meu imposto de renda.”
Esse trecho bem que poderia ser tema de um artigo de coluna do articulista econômico
Joelmir Betting ou da crônica de Arnaldo Jabor, entretanto encontra-se na tira dos
personagens Frank & Ernest, de autoria Bob Chaves e que já chegou a ser publicada em mais
de mil e trezentos jornais de várias partes do mundo desde as suas primeiras publicações em
1972.
Fonte: M. NICOLAU, 2010, p. 3118.5
As tirinhas brasileiras também seguem esse padrão comum às tiras internacionais e
apresentam questionamentos cotidianos que estão presentes nos demais gêneros. A exemplo
da criação de Laerte, intitulada Piratas do Tietê. Neste exemplar, dois personagens, gatos
preto e branco, fazem uma leitura crítica da conjuntura sócio-política:
4
Toda Mafalda (Martins Fontes)
5
Jornal Estadão
18
Fonte: M. NICOLAU, 2010, p. 3118.6
CAPÍTULO II: HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E SUAS MÚLTIPLAS
LINGUAGENS:
Cada período da história é mercado por meios de produção de linguagem que lhe são
próprios. Quando novos meios surgem, seus potenciais e usos, ainda desconhecidos,
têm de ser explorados. (SANTAELLA, 2008, p. 36)
Uma narrativa, para existir e chegar ao seu receptor necessita de uma estrutura que a
suporte, seja língua falada, visual ou um meio mais complexo comunicação, uma narrativa
precisa recorrer a alguma mídia para poder ser comunicada e ao fazer será condicionada as
articulações especificas do meio ao qual utilizou para ser narrada. Não existe uma narrativa
“pura”, que não irá se ancorar em nenhuma linguagem, em nenhum sistema semiótico que a
carregue.
Entretanto, a questão é mais profunda do que isso, pois a narrativa é um dos discursos
do homem sobre o mundo e o homem para enunciar seus discursos a outros, faz, para isso,
uso da linguagem, tanto visual, textual ou verbal.
Esta, para ser possível, se baseia em códigos que sejam mais ou menos conhecidos
tanto pelo emissor quanto pelo receptor. A linguagem é a faculdade que possibilita e
condiciona a comunicação.
6
Jornal Folha de São Paulo
19
2.1 IDEOLOGIAS QUE PERMITEM HISTÓRIAS EM QUADRINHOS, QUESTÃO MIDIÁTICA:
Contemporaneamente, vive-se também em um período de forte transição midiática. Se
ao fim do século XIX havia uma tendência a multiplicação de canais e conteúdo que se
dispersam em diversas frentes, o cenário midiático atual tende a convergência. Talvez
nenhuma outra sociedade tenha sido tão ávida por informação quanto à atual, em nenhuma
outra forma como a mensagem chega até de e em como ela é construída.
Ainda que não tenha ciência disso, é justamente o consumidor midiático quem detém o
poder. Se antes, a informação eram escassas, e diferentes meios atendiam diferentes
demandas, presumia-se um receptor passivo, uma lógica mercadológica que condiciona toda a
produção cultural, este panorama irá se inverter totalmente a favor do receptor, que ele é
quem decide a informação que vai consumir, é ele quem, em última instância, escolhe o canal
pelo qual quer receber essa informação.
Não é necessário dizer as inúmeras formas de essa informação chegar até ele.
Tampouco da miríade de escolha, em termos de conteúdo, que tem a sua disposição. Mas o
receptor ainda pode mais, ele pode participar na produção ou mesmo produzir conteúdo, ele
pode interferir, se tornando em essência um prossumer midiático.
O acelerado desenvolvimento técnico-científico e o consequente “boom” comercial
das novas tecnologias, aliados a outros fatores culturais, inerentes a sociedade contemporânea,
acarretaram em implicâncias significativas para o campo das comunicações. Acrescentadas as
formas através das quais a sociedade até então dialogava consigo mesma, novas plataformas,
mostram diariamente ao que vieram.
Os principais pilares da tradicional comunicação em massa tiveram de sair de sua zona
de conforto e se adaptar a era digital, para se manterem enquanto plataformas viáveis ao novo
paradigma e cultural. Nesse sentido, cabe enfatizar que não basta interagir ou se inserir dentro
do plano digital, é necessário se integrar e agregar a este.
A rede mundial, a velocidade de informação são apenas alguns dos pontos a se citar
desse admirável mundo novo, cuja característica de que se pode ter certeza são as suas
constantes mudanças.
20
2.2 AS TIRINHAS E A CULTURA DE CONVERGÊNCIA:
As novas tecnologias permitiram que vários gêneros midiáticos migrassem para a
internet adaptando-se as exigências do seu público, principalmente procurando formas
inovadoras de interação e participação no processo de produção de conteúdo. Surgiu então o
conceito de cultura da convergência, trazido por JENKINS (2008) e que explora as
possibilidades de confluência de dispositivos midiáticos e de produção de conteúdo como
uma transformação cultural, à medida que os consumidores são incentivados a procurar novas
formas de se comunicar.
Neste contexto, as tiras diárias (ou tirinhas) surgiram como um meio de expressão
adaptado e atrativo, principalmente com a possibilidade de integração de todos os recursos
disponíveis na hipermídia.
Este gênero, que habitava os jornais há mais de cem anos, teve suas perspectivas
renovadas dentro da web, mas o processo de criação das tirinhas ainda exigia habilidade de
seus autores que não permitiam uma produção democrática, já que utilizar programas de
edição de imagens era a única forma de criar tirinhas digitais.
Contudo, um aumento ocorreu quando alguns sites começaram a disponibilizar
sistemas que permitiam aos usuários criar suas tirinhas com apenas alguns cliques. Assim a
produção deste modelo de arte sequencial tornou-se verdadeiramente democrática, bastando
apenas ter boas idéias.
2.3 CONVERGÊNCIA MIDIÁTICA:
Atualmente, estamos vivendo aquela que pode ser considerada a era do usuário.
Graças à convergência midiática, as novas e velhas mídias se cruzam, fazendo com que o
consumidor e o produtor de mídia interagindo na produção de conteúdo cada vez mais
diversificado e imprevisível.
Segundo, JENKINS (2008), em seu livro Cultura da Convergência, define esta nova
era através do fluxo continuo de conteúdo entre múltiplos suportes, da cooperação entre
mercados midiáticos e do comportamento migratório do público em busca de novas
experiências e formas de interagir.
Contudo, JENKINS (2008), mostra este fenômeno como uma transformação cultural,
à medida que os consumidores são incentivados a procurar novas informações e fazer
21
conexões entre os conteúdos midiáticos. Neste novo paradigma da convergência, as novas e as
antigas mídias estão interagindo de forma cada vez mais complexa, principalmente devido às
novas tecnologias midiáticas, que permitem que o mesmo conteúdo transite por vários canais
e com diferentes pontos de recepção.
A palavra mídia de acordo com SANTAELLA (2002), não pode mais ser considerada
como um meio de comunicação de massa. O surgimento de novos equipamentos técnicos e da
internet começou a minar o exclusivismo dos grandes meios. Ela considera que o termo
“indústria” se tornou obsoleta nos dias de hoje.
A convergência é um processo de mudança nos padrões dos meios de comunicação e
impacta principalmente o modo como consumimos aquilo é veiculado por estes meios. Ela
não envolve apenas coisas materiais e serviços produzidos comercialmente, mas ocorre
quando pessoas começam a assumir o controle das mídias.
A cultura de convergência representa uma mudança no modo de encararmos nossas
relações com as mídias. O público que ganhou espaço com as novas tecnologias está exigindo
o direito de participar intimamente da produção de conteúdo e da cultura.
A interatividade é uma das peças chave da convergência. Ela é compreendida por
JENKINS (2008) como o modo que a novas tecnologias foram planejadas para responder as
necessidades de se comunicar do consumidor. A participação por parte do usuário é ilimitada
e cada vez menos controlada pelos produtores dos grandes meios de comunicação.
A web está fornecendo um ponto de exibição para o produtor alternativo, além de
servir de espaço para a experimentação e inovação, onde os amadores podem desenvolver
novos métodos e temas, com o objetivo de atrair seguidores. E, algumas destas produções
independentes ainda podem ser absorvidas pelas grandes mídias de maneira comercial.
2.4 AS TIRINHAS NAS MÍDIAS DIGITAIS:
Com o advento das mídias digitais, as histórias em quadrinhos e as tirinhas têm
encontrado na web um novo espaço, utilizando-se, inclusive, dos elementos disponíveis nas
mídias interativas, como considera McCLOUD (2006). A agilidade e o imediatismo da
tirinha, características estas também presentes nas mídias digitais, nos faz entender que elas
são imprescindíveis para a construção do pensamento crítico, quando elas não se dobram à
massificação e se permitem à liberdade inventiva.
Agora a produção experimental é livre, ficando a critério do autor e não da formatação
dos meios impressos, que tipo de estilo ele irá seguir na transmissão da sua mensagem.
22
McCLOUD (2006) considera que o intercâmbio entre os quadrinhos e as novas
tecnologias já é uma realidade e a partir destes cruzamentos uma reconfiguração do gênero
tirinhas e um novo produto cultural pode estar surgindo.
Para FRANCO (2004), traz a arte sequencial dos quadrinhos e das tirinhas para o
contexto da web, onde podemos encontrar os principais elementos agregados à linguagem dos
quadrinhos clássicos, produzidos para serem veiculados em suporte de papel, nas mídias
digitais, mas alguns deles apresentam inovações, como animações, diagramação dinâmica,
efeitos sonoros, narrativas multilineares e interatividade, criando um gênero hibridam com a
linguagem da hipermídia.
Muitas das tirinhas digitais não são mais do que adaptações das impressas, levadas
para o meio digital. Por mais de cem anos as tirinhas habitaram a imprensa e hoje a mídia
digital está convergindo para um único suporte: o computador. Sua evolução dependerá de
sua capacidade de se adaptar a este novo ambiente, que inclui tanto as novas tecnologias
como os desejos do público de consumi-las.
Neste contexto, os blogs tem sido a principal plataforma de divulgação das tirinhas
digitais. Eles proporcionam que novos desenhistas expusessem seus trabalhos, sem depender,
por exemplo, dos conhecidos Syndicates, que se encarregavam de espalhar tirinhas para
jornais e revistas de todo o mundo, e selecionavam previamente as tirinhas que pareciam ser
mais mercadológicas, assim como influenciavam o modelo de produção dos artistas.
Mesmo que a veiculação das tirinhas esteja cada vez mais simples, a produção ainda
exige o domínio de programas de edição de imagens, como o Photoshop, o GIMP, entre
outros. Esta necessidade ainda limitada que alguns usuários publiquem suas idéias e faz da
tirinha, mesmo que nas mídias digitais, um gênero com autores reduzidos.
Contudo, alguns sites estão desenvolvendo Softwares que permitem a todos aqueles
que tenham boas idéias criar tirinhas de maneira simples e rápida. Bons exemplos são o Strip
Generator, o ToonLet, o ToonDoo, o StripCreator e o Pixton, este ultimo com suporte em
português.
No Brasil, destaca-se o site da Máquina de Quadrinhos, criado por Maurício de Sousa
durante a comemoração de 50 anos da Turma da Mônica em 2009. Na página você pode criar
histórias da Turma da Mônica e as melhores são publicadas em revistas e gibis.
A DC Lançou uma divisão de quadrinhos on-line, a Zuda Comics, no site, os usuários
podem votar em histórias feitas por artistas e fazer alguns comentários em relação a eles,
estabelecendo um canal direto entre quem produz e quem consome. Neste caso, estamos
falando da produção de quadrinhos em si e não especificamente da produção de tirinhas, mas
23
o site é um embrião do que pode se tornar uma rede social de produtores de quadrinhos e uma
boa janela para exposição de produções amadoras, tanto de histórias em quadrinhos como de
tirinhas.
Com a produção de tirinhas cada vez mais simples e acessível, além da facilidade de
sua divulgação, uma nova geração de produtores está surgindo, com novas idéias e cada vez
mais interessados em explorar as potencialidades das novas tecnologias das mídias digitais.
Diferentes denominações que as histórias em quadrinhos receberam em diferentes
línguas de certa forma influíram no modo de como esta forma textual e artística já foi
encarada. Através do estabelecimento de alguns parâmetros sobre os aspectos formais das
histórias em quadrinhos será pensada a relação com as formas narrativas que Scott McCloud
entende como quadrinhos pré-imprensa, as mudanças nas suas possibilidades narrativas
quando de seu advento na página, e a dupla relação de retomada e desenvolvimento nos
quadrinhos para internet.
No tocante aos webcomics, suas possibilidades narrativas serão analisadas em dois
aspectos: a possibilidade de recriar e reformular os processos pré-imprensa, e as
possibilidades relativas unicamente ao meio digital.
CAPÍTULO III: DELÍRIOS:
O mundo contemporâneo está pautado pelas novas mídias digitais que modelam e
alteram as relações sociais, econômicas, culturais e educacionais.
A arte não escapa desta tendência mundial e adere às novas expressões que a
tecnologia proporciona. Neste quadro artístico, muitas expressões do mundo analógico
passaram a incorporar e desenvolver uma nova forma de traduzir a sua linguagem artística.
Neste contexto, viso analisar o potencial contido nas histórias em quadrinhos dentro
do ambiente digital, especificamente as tirinhas digitais.
As Tirinhas digitais já assumiram diversos formatos diferentes ao longo dos últimos
anos, e continuam a explorar novas opções narrativas.
Portanto, a obra apresentada neste projeto tem caráter experimental, utilizando um dos
formatos propostos neste novo suporte.
24
Fonte: Elaborada pelo autor
Criada pelo ilustrador baiano Hud Justino, os Delírios são um desabafo, recheado de
referências a cultura pop e também de boas mensagens, vitórias e derrotas vividas
pelo próprio autor. É um diário auto motivacional nonsense, no qual você
acompanha as aventuras (e desventuras!) de um ilustrador que viaja no tempo para
encontrar consigo mesmo, enfrenta os terríveis monstros da falta de
responsabilidade enquanto descobre, nas pequenas coisas do dia-a-dia, razões para
seguir adiante. (BRUEH, Luís, 2015).
3.1 HISTÓRICOS DE CRIAÇÃO:
Os delírios nasceram como uma forma de desabafar e narrar o que acontecia comigo
através de um personagem, que também, foi inspirado em minha aparência. Tudo começou
com uma mistura de desabafo e vontade de criar tirinhas em quadrinhos. As inspirações são
normalmente baseadas no meu cotidiano às vezes um questionamento profundo, um filme,
uma musica, frustrações, vitórias, basicamente tudo pode virar uma tirinha.
O traço e a finalização têm bastante inspiração com o que foi aprendido com o
cartunista Luís Augusto (criador do Fala Menino!) na Bahia, ainda sim guarda um pouco do
que foi aprendido com revistas sobre criação de desenhos em mangá ainda na infância.
25
Fonte: Blog Fala Menino! Luís Augusto, 13 de Abril, 2016.7
Segundo NICOLAU (2010), a tirinha tem como característica básica o fato de ser uma
piada curta de um, dois, três ou até quatro quadrinhos, e geralmente envolve personagens
fixos: Um personagem principal em torno do qual gravitam outros.
Levando em conta as inspirações do trabalho realizado nas tiras do Fala Menino! Os
Delírios apresentam uma idéia mais contemplativa, mesmo assim, não deixa de ser
humorística. Buscando por um traço único e agradável ao público é constante, a estrutura do
personagem passa por mudanças freqüentes tênues desde a criação delas em 2014.
Delírios ainda é um projeto em constante metamorfose, mantendo o foco no carisma
do estilo de desenho para apoiar seus textos. Onde procuram manter uma linguagem lúdica,
que conversa com todo o tipo de receptor, seja um adulto ou mesmo criança, de várias crenças
e culturas diferentes. O importante é proporcionar um momento para o receptor, que através
de um Delírio, possa conversar também com seus próprios pensamentos e diálogos interiores.
7
Disponível em: http://blogfalamenino.blogspot.com.br/, Acesso, Abril, 2016.
26
Fonte: Página do Facebook, Delírios.8
3.2 PROCESSO DE CRIAÇÃO:
O processo de criação começa com a criação de um texto, normalmente inspirado em
alguma situação do dia-a-dia, uma olhada para o céu vendo o formato das nuvens, ou mesmo
um dia chuvoso, alguma derrota ou vitória pessoal, pequenos ou grandes feitos, alguma
lembrança dolorosa ou mesmo sublime, ver pessoas passando nas ruas, uma canção ou um
filme são bons pretextos para a criação de um delírio. A prática é rotineira, diariamente são
lançadas tiras para os meios de divulgação.
Após o texto pronto é feito o esboço inicial, buscando criar uma metáfora visual para
agregar valor de interpretação para a tirinha. Normalmente o esboço é feito em grafite azul ou
vermelho, caso não use mesa de luz, poder facilitar o tratamento digital.
8
Disponível em: https://www.facebook.com/DeliriosdoHud/photos/pb.1454970454749450.-
2207520000.1460747242./1658794377700389/?type=3&theater, acesso, Abril, 2016.
27
Fonte: Elaborada pelo autor.
O traçado é finalizado com bico de pena e tinta nanquim, muitas vezes com o auxílio
de uma mesa de luz, a fim de preservar o esboço caso ocorra algum erro.
Fonte: Elaborada pelo autor
28
Feito isso, a imagem é digitalizada em alta resolução para um melhor tratamento.
Fonte: print screen da aplicação no sistema operacional Windows 8.
A imagem digitalizada é levada ao software Adobe Illustrator, para ser transformada
em vetor e poder finalmente ser enviada para o Layout.
Fonte: print screen da aplicação no sistema operacional Windows 8.
29
No software Adobe Photoshop, onde receberá o texto o acabamento final para
postagem.
Fonte: print screen da aplicação no sistema operacional Windows 8.
Fonte: print screen da aplicação no sistema operacional Windows 8.
30
Finalmente o Delírio está pronto para ser enviado para as redes sociais.
Fonte: #0446 - By hud-justino.9
Fonte: Página do Facebook, Delírios.10
9
Disponível em: http://hud-justino.deviantart.com/art/0446-603185381, acesso, Abril, 2016.
10
Disponível em: https://www.facebook.com/DeliriosdoHud/, acesso, Abril, 2016.
31
3.3 ELEMENTOS:
Os elementos que compõem os Delírios são simples, mas ajudam a padronizar a
produção e agilizar o processo, alguns para dialogar e melhorar o contato do receptor com o
personagem.
 Do personagem:
Nosso personagem, como dito antes, foi inspirado em mim, o criador, porém, ele
carrega elementos que dão muita singularidade e dinâmica.
A ausência da boca, serve para aumentar a conexão com o personagem, será preciso
olhar diretamente para os olhos para identificar suas expressões.
A aparência infantil foi dada para ele poder dialogar com o lado mais lúdico e infantil
do receptor, o traço simplificado também ajuda em sua reprodução constante.
Fonte: Elaborada pelo autor
32
 Dos Textos:
Conforme produzidos, os textos são arquivados e preferencialmente usados em ordem,
a fonte (Blessings through Raindrops regular), é usada para os textos de diálogo, a fonte
(Arial) é usada para o registro e a data do trabalho.
A ausência de balões é devida a ausência de interlocução, o texto encontrado
representa um fragmento de pensamento, uma vontade, algo ligado intimamente ao leitor e o
personagem, esse texto é um recorte de pensamento do momento representado na tira. Não
existem conversas ou diálogos dentro dos Delírios eles podem ser considerados tirinhas
“mudas e “silenciosas”.
Fonte: Página do Facebook, Delírios.11
11
Disponível em: https://www.facebook.com/DeliriosdoHud/photos/pb.1454970454749450.-
2207520000.1460772306./1535141386732356/?type=3&theater, acesso, Abril, 2016
33
 Do Layout:
O Layout dos delírios é bem simples, 10x20cm, com bordas de 2mm, a fonte do texto
interno é Blessings through Raindrops regular 14pt, a assinatura feita em Arial 12pt, A
assinatura ocupa um espaço de 1x1cm. Os elementos internos não têm um local definido,
sua posição vai depender da leitura e composição da imagem final. O próprio Layout é
dividido em nove partes proporcionais para auxiliar a colocação dos elementos.
Fonte: Elaborada pelo autor
 Outros personagens:
Os personagens que circulam o mundo dos Delírios são poucos e em sua grande
maioria apenas funcionam para apoio visual de algumas séries ou contos, seguem os mais
comuns.
 Senhor e senhora Delírios:
O senhor Delírios, como o público o nomeou, logo recebeu uma companheira (nada
mais justo, baseá-la em minha real companheira), chamada de Senhora Delírios, ela é a
personagem de maior interação com o protagonista, apesar de não conversarem verbalmente
nas tiras, ela está sempre lá com seu companheirismo e carinho de sempre, ajudando a encarar
os problemas e celebrar as vitórias.
34
Fonte: Página do Facebook, Delírios.12
12
Disponível em: https://www.facebook.com/DeliriosdoHud/photos/pb.1454970454749450.-
2207520000.1460752463./1654553284791165/?type=3&theater, acesso, Abril, 2016.
35
 A cadelinha:
Inspirada na cadelinha que tive, por muito tempo participou e protagonizou várias
tiras, mas da mesma maneira que ela se foi, decidi que seria digno e menos doloroso mantê-la
nos Delírios.
Fonte: Página do Facebook, Delírios.13
13
Disponível em: https://www.facebook.com/DeliriosdoHud/photos/pb.1454970454749450.-
2207520000.1460752463./1666116116968215/?type=3&theater, acesso, Abril, 2016.
36
 Irresponsabilidade:
É um monstrinho que fez parte da série composta por sete tiras, chamada
Irresponsável, que narram a história de um monstrinho alimentado pela irresponsabilidade e
cresce junto com os problemas acumulados.
Fonte: Página do Facebook, Delírios.14
14
Disponível em:
https://www.facebook.com/DeliriosdoHud/photos/a.1520784388168056.1073741841.1454970454749450/15215
79161421912/?type=3&theater, acesso, Abril, 2016.
37
 Estrelinha:
Este personagem faz parte da primeira série lançada pelos Delírios, chamada “O
Caçador de Estrelas”, que narra à história de uma estrela que caiu perto do personagem e é
ajudada por ele a voltar para casa, mostrando o valor de uma amizade e de ajudar o próximo.
Fonte: Página do Facebook, Delírios.15
3.4 REDES SOCIAIS:
Segundo FRANCO (2004), os blogs tem sido a principal plataforma de divulgação das
tirinhas digitais. Porém, atualmente isso mudou com a abrangência das redes sociais, elas
tornaram mais fácil o acesso a este material, sendo mais intuitiva a pesquisa, disposição de
imagens ou mesmo links para os blogs de tirinhas.
15
Disponível em:
https://www.facebook.com/DeliriosdoHud/photos/a.1454977261415436.1073741829.1454970454749450/14549
77334748762/?type=3&theater, acesso, Abril, 2016.
38
 Facebook
É um site e serviço de rede social que foi lançado em 4 de fevereiro de 2004, operado
e de propriedade privada da Facebook Inc. Em 4 de outubro de 2012, o Facebook atingiu a
marca de 1 bilhão de usuários ativos, sendo por isso a maior rede social em todo o mundo. Em
média 316.455 pessoas se cadastram, por dia, no Facebook, desde sua criação em 4 de
fevereiro de 2004 (Wikipédia, a enciclopédia livre. Acessado em Abril de 2016).
Com o grande número de pessoas acessando, torna-se automático o contato com as
tirinhas digitais, uma vez que a rede edita o conteúdo baseado nos interesses dos usuários, o
crescimento de acessos e interações é constante.
Fonte: Álbuns da página do Facebook, Delírios16
16
Disponível em: https://www.facebook.com/DeliriosdoHud/photos_stream?tab=photos_albums, acesso, Abril,
2016.
39
 Deviantart
É uma empresa virtual estadunidense, formando uma rede social que permite aos
artistas iniciantes e consagrados, exporem seus trabalhos, promovê-los, compartilhá-los bem
como interagir com seus pares ou interessados, através do envio das imagens digitalizadas.
Fundada em 2000, até março de 2013 o site possuía mais de 25 milhões de membros,
que superavam 246 milhões de submissões. Em julho de 2011 foi avaliado como a 13ª maior
rede social da internet, com 3,8 milhões de visitas semanais. A comunidade incorpora desde a
fotografia digital, foto manipulação, arte tradicional e digital,mostrando muito da produção
contemporânea, entre outros. (Wikipédia, a enciclopédia livre. Acessado em Abril de 2016).
Dentro desta rede tenho contato com vários artistas, amadores ou não, que observam a
produção, dando suas avaliações e críticas, além de expandir a o alcance das tirinhas para
usuários internacionais.
Galeria dedicada ao Delírios no Deviantart.17
17
Disponível em: http://hud-justino.deviantart.com/gallery/47997841/Delirios, acesso em Abril, 2016.
40
 Feedbacks
A vantagem de utilizar as redes sociais como veículo das tiras, é poder ver o retorno
que os receptores têm com a produção, se estão agradando ou não, se surtem algum efeito
social ou moral. As pessoas que comentam, além de mostrarem reconhecimento, ajudam a
estimular a produção, ver imediatamente o resultado de um trabalho dá ânimo para continuá-
lo.
 Múltiplas interpretações
Os delírios trazem aquele rápido momento de reflexão, que aos olhos do autor fazia
um sentido, mas nem sempre para o receptor terá aquele mesmo sentido, as tiras permitem a
todo o momento diversas maneiras de interpretá-las.
Sendo assim, o objetivo é que, cada Delírio traga uma experiência única para cada
expectador, divertir, esclarecer, ponderar, desdenhar, adorar e até inspirar as pessoas, é o que
torna cada delírio uma história do próprio leitor para ele mesmo, cada um conversará com a
obra à sua maneira, e principalmente, trazendo à tona a criança interior de cada um.
CAPÍTULO IV: O CAÇADOR DE ESTRELAS:
Uma série de sete Delírios que narram a jornada para devolver uma estrelinha que caiu
do céu e onde podemos lembrar ou aprender; como é doloroso dizer adeus; relações de
amizades e fundamentalmente fazer o que é certo acima de tudo.
Contamos com a estética clássica dos Delírios em preto e branco, acrescida com os
amarelos vibrantes da estrela como personagem central, além de outras cores usadas no meio
da série para levantar o ar animado de uma grande aventura e dar vida a pequenos detalhes em
meio às ilustrações.
A exposição inicial aconteceu na Morada dos Baís em Campo Grande – MS e ocorreu
entre os dias 02 de Dezembro de 2015 e 20 de Janeiro de 2016. As sete tiras foram
distribuídas em quatro suportes de madeira, impressas em papel couche 230g fosco, em
impressora de alta definição.
O processo de produção para uma mídia física foi um pouco mais cuidadoso, quanto
às medidas, o espaço, a iluminação, qualidade da impressão, posicionamento e leitura da obra,
diferente de quando divulgo nas redes sociais.
Durante a exposição, tive o prazer de dialogar diretamente com as pessoas que viram a
obra e ver a reação delas, o encanto e suas próprias interpretações, é uma experiência
diferente, ver o sorriso das pessoas ao lerem as tiras, vendo-as comentar com outras pessoas,
41
chamando seus filhos e amigos para verem também, foi um momento bem especial e único
para mim, que apenas podia imaginar como as pessoas reagiam a um trabalho desse tipo.
Fonte: Fotográfa Bruna Motta
42
43
Acervo pessoal do Autor
44
CONSIDERAÇÕES FINAIS:
As tirinhas sempre tiveram um papel importantíssimo em nossa cultura, mesmo em
seus primórdios como atualmente, uma forma de arte que sobreviveu tantas mudanças
tecnológicas e midiáticas, sem perder seu charme, carisma, poder opinativo, e claro, o senso
de humor. De piadas simples a questionamentos existenciais, podemos dizer que as tiras
cumprem bem seu papel como objeto de arte, textual e jornalístico.
Com a pesquisa, pude aprofundar um projeto que servia apenas para desabafar e
desenhar aos finais de dias puxados e transformá-los em peças de entretenimento e apreciação
cultural, independente de qual for seu receptor, mais uma dentre muitas maneiras de lembrar
que todos nós somos eternas crianças, mesmo que por dentro, é um sentimento fundamental
para passar para gerações futuras, espero que os Delírios também possam exercer essa função,
assim como tantas outras tiras consagradas e personagens que guardamos e levamos muitas
dessas pequenas, mas poderosas, lições para nossas vidas.
45
REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
MCCLOUD, Scott. Desvendando os quadrinhos. São Paulo: M. Books do Brasil Editora
LTDA, 2005.
______. Reinventando os quadrinhos. São Paulo: M. Books do Brasil Editora LTDA, 2006.
MARNY, Jacques. Sociologia das histórias aos quadradinhos. Portugal: Civilização, 1970.
JENKINS, Henry. Cultura da convergência. 2 ed. São Paulo: Aleph, 2009.
FRANCO, Edgar Silveira. Hqtrônicas. Do suporte papel à rede Internet. São Paulo,
Annablume, 2004.
EISNER, Will. Narrativas gráficas. São Paulo: Devir, 2005.
BRAGA, Flávio; PATATI, Carlos. Almanaque dos quadrinhos: 100 anos de uma mídia.
São Paulo: Ediouro, 2006.
NICOLAU, Marcos. Tirinha: a síntese criativa de um gênero jornalístico. João Pessoa:
Marca de Fantasia, 2007.
SOUSA, Frederico Duarte, A análise estrutural da narrativa gráfica. UFG, Goiás, 2013.
SANTAELLA, Lúcia. A crítica das mídias na entrada do século XXI. ADAIR PRADO, José
Luiz. A crítica das práticas midiáticas: da sociedade de massas às ciberculturas. São
Paulo: Hacker, p. 44-56, 2002.
FREITAS, Deise J. T.; DUARTE, Rafael Soares. Literaturas entre o digital e o analógico,
Teresina, Edupfi, P. 29-39, 2013.
DUTRA, JOATAN PREIS. História & História em Quadrinhos. A utilização das HQs.Ilha
de Santa Catarina – SC, 2002.
BRUEH, Luís. Papo de autor. Recomendação: Delírios. Halifax. Canad. 2015. Disponível
em: http://www.papodeautor.com.br/recomendacao-delirios/. Acessado em 10 de Abril de
2016.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tcc 2014 beatriz demirdjian
Tcc 2014 beatriz demirdjianTcc 2014 beatriz demirdjian
Tcc 2014 beatriz demirdjian
Acervo_DAC
 
Tcc 2014 sarah caires
Tcc 2014 sarah cairesTcc 2014 sarah caires
Tcc 2014 sarah caires
Acervo_DAC
 
Tcc 2014 susy kanezakyi
Tcc 2014 susy kanezakyiTcc 2014 susy kanezakyi
Tcc 2014 susy kanezakyi
Acervo_DAC
 
Tcc 2014 vasco paez neto
Tcc 2014 vasco paez netoTcc 2014 vasco paez neto
Tcc 2014 vasco paez neto
Acervo_DAC
 
Tcc 2014 rodolfo parangaba
Tcc 2014 rodolfo parangabaTcc 2014 rodolfo parangaba
Tcc 2014 rodolfo parangaba
Acervo_DAC
 
Tcc 2015 húldo tréfzger cândido júnior
Tcc 2015 húldo tréfzger cândido júniorTcc 2015 húldo tréfzger cândido júnior
Tcc 2015 húldo tréfzger cândido júnior
Acervo_DAC
 
Rodrigues; lucilene colares a temática social vendedores ambulantes
Rodrigues; lucilene colares   a temática social vendedores ambulantesRodrigues; lucilene colares   a temática social vendedores ambulantes
Rodrigues; lucilene colares a temática social vendedores ambulantes
Acervo_DAC
 
Narrativas visuais: um “olhar” voltado para um cotidiano escolar sob a perspe...
Narrativas visuais: um “olhar” voltado para um cotidiano escolar sob a perspe...Narrativas visuais: um “olhar” voltado para um cotidiano escolar sob a perspe...
Narrativas visuais: um “olhar” voltado para um cotidiano escolar sob a perspe...
Vis-UAB
 
Manual de cinema ii gêneros cinematograficos - luis nogueira
Manual de cinema ii   gêneros cinematograficos - luis nogueiraManual de cinema ii   gêneros cinematograficos - luis nogueira
Manual de cinema ii gêneros cinematograficos - luis nogueira
Luara Schamó
 
Vargas, andréia terrazas
Vargas, andréia terrazasVargas, andréia terrazas
Vargas, andréia terrazas
Acervo_DAC
 
Tcc paula sampedro
Tcc paula sampedroTcc paula sampedro
Tcc paula sampedro
Acervo_DAC
 
A CULTURA VISUAL SERTANEJA DA CIDADE DE BARRETOS NAS AULAS DE ARTES VISUAIS
A CULTURA VISUAL SERTANEJA DA CIDADE DE BARRETOS NAS AULAS DE ARTES VISUAISA CULTURA VISUAL SERTANEJA DA CIDADE DE BARRETOS NAS AULAS DE ARTES VISUAIS
A CULTURA VISUAL SERTANEJA DA CIDADE DE BARRETOS NAS AULAS DE ARTES VISUAIS
Vis-UAB
 
A linguagem visual aplicada a anúncios publicitários
A linguagem visual aplicada a anúncios publicitáriosA linguagem visual aplicada a anúncios publicitários
A linguagem visual aplicada a anúncios publicitários
Blogotipos - Diário das Marcas
 
Dissert lucas tais_campelo
Dissert lucas tais_campeloDissert lucas tais_campelo
Dissert lucas tais_campelo
+ Aloisio Magalhães
 
O DESENHO COMO FORMA DE MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA PENITENCIÁRIA EVARISTO DE M...
O DESENHO COMO FORMA DE MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA PENITENCIÁRIA EVARISTO DE M...O DESENHO COMO FORMA DE MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA PENITENCIÁRIA EVARISTO DE M...
O DESENHO COMO FORMA DE MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA PENITENCIÁRIA EVARISTO DE M...
Vis-UAB
 
contexto + arte + tecnologia (tese) Nunes, fábio.
contexto + arte + tecnologia (tese) Nunes, fábio. contexto + arte + tecnologia (tese) Nunes, fábio.
contexto + arte + tecnologia (tese) Nunes, fábio.
Joss Silveira
 
Ratier; kaio felipe de oliveira o fim do espartilho e a elegância confortável
Ratier; kaio felipe de oliveira   o fim do espartilho e a elegância confortávelRatier; kaio felipe de oliveira   o fim do espartilho e a elegância confortável
Ratier; kaio felipe de oliveira o fim do espartilho e a elegância confortável
Acervo_DAC
 
Fotografia e Educação Ambiental na escola Raimundo Magalhães .
Fotografia e Educação Ambiental na escola Raimundo Magalhães .Fotografia e Educação Ambiental na escola Raimundo Magalhães .
Fotografia e Educação Ambiental na escola Raimundo Magalhães .
Vis-UAB
 
Anais do 22º seminário nacional de arte e educação, 2010
Anais do 22º seminário nacional de arte e educação, 2010Anais do 22º seminário nacional de arte e educação, 2010
Anais do 22º seminário nacional de arte e educação, 2010
grupopesquisamusicauergs
 
UTILIZAÇÃO DE TINTAS NATURAIS NO CONTEXTO EDUCACIONAL A PARTIR DE PIGMENTOS E...
UTILIZAÇÃO DE TINTAS NATURAIS NO CONTEXTO EDUCACIONAL A PARTIR DE PIGMENTOS E...UTILIZAÇÃO DE TINTAS NATURAIS NO CONTEXTO EDUCACIONAL A PARTIR DE PIGMENTOS E...
UTILIZAÇÃO DE TINTAS NATURAIS NO CONTEXTO EDUCACIONAL A PARTIR DE PIGMENTOS E...
Vis-UAB
 

Mais procurados (20)

Tcc 2014 beatriz demirdjian
Tcc 2014 beatriz demirdjianTcc 2014 beatriz demirdjian
Tcc 2014 beatriz demirdjian
 
Tcc 2014 sarah caires
Tcc 2014 sarah cairesTcc 2014 sarah caires
Tcc 2014 sarah caires
 
Tcc 2014 susy kanezakyi
Tcc 2014 susy kanezakyiTcc 2014 susy kanezakyi
Tcc 2014 susy kanezakyi
 
Tcc 2014 vasco paez neto
Tcc 2014 vasco paez netoTcc 2014 vasco paez neto
Tcc 2014 vasco paez neto
 
Tcc 2014 rodolfo parangaba
Tcc 2014 rodolfo parangabaTcc 2014 rodolfo parangaba
Tcc 2014 rodolfo parangaba
 
Tcc 2015 húldo tréfzger cândido júnior
Tcc 2015 húldo tréfzger cândido júniorTcc 2015 húldo tréfzger cândido júnior
Tcc 2015 húldo tréfzger cândido júnior
 
Rodrigues; lucilene colares a temática social vendedores ambulantes
Rodrigues; lucilene colares   a temática social vendedores ambulantesRodrigues; lucilene colares   a temática social vendedores ambulantes
Rodrigues; lucilene colares a temática social vendedores ambulantes
 
Narrativas visuais: um “olhar” voltado para um cotidiano escolar sob a perspe...
Narrativas visuais: um “olhar” voltado para um cotidiano escolar sob a perspe...Narrativas visuais: um “olhar” voltado para um cotidiano escolar sob a perspe...
Narrativas visuais: um “olhar” voltado para um cotidiano escolar sob a perspe...
 
Manual de cinema ii gêneros cinematograficos - luis nogueira
Manual de cinema ii   gêneros cinematograficos - luis nogueiraManual de cinema ii   gêneros cinematograficos - luis nogueira
Manual de cinema ii gêneros cinematograficos - luis nogueira
 
Vargas, andréia terrazas
Vargas, andréia terrazasVargas, andréia terrazas
Vargas, andréia terrazas
 
Tcc paula sampedro
Tcc paula sampedroTcc paula sampedro
Tcc paula sampedro
 
A CULTURA VISUAL SERTANEJA DA CIDADE DE BARRETOS NAS AULAS DE ARTES VISUAIS
A CULTURA VISUAL SERTANEJA DA CIDADE DE BARRETOS NAS AULAS DE ARTES VISUAISA CULTURA VISUAL SERTANEJA DA CIDADE DE BARRETOS NAS AULAS DE ARTES VISUAIS
A CULTURA VISUAL SERTANEJA DA CIDADE DE BARRETOS NAS AULAS DE ARTES VISUAIS
 
A linguagem visual aplicada a anúncios publicitários
A linguagem visual aplicada a anúncios publicitáriosA linguagem visual aplicada a anúncios publicitários
A linguagem visual aplicada a anúncios publicitários
 
Dissert lucas tais_campelo
Dissert lucas tais_campeloDissert lucas tais_campelo
Dissert lucas tais_campelo
 
O DESENHO COMO FORMA DE MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA PENITENCIÁRIA EVARISTO DE M...
O DESENHO COMO FORMA DE MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA PENITENCIÁRIA EVARISTO DE M...O DESENHO COMO FORMA DE MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA PENITENCIÁRIA EVARISTO DE M...
O DESENHO COMO FORMA DE MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA NA PENITENCIÁRIA EVARISTO DE M...
 
contexto + arte + tecnologia (tese) Nunes, fábio.
contexto + arte + tecnologia (tese) Nunes, fábio. contexto + arte + tecnologia (tese) Nunes, fábio.
contexto + arte + tecnologia (tese) Nunes, fábio.
 
Ratier; kaio felipe de oliveira o fim do espartilho e a elegância confortável
Ratier; kaio felipe de oliveira   o fim do espartilho e a elegância confortávelRatier; kaio felipe de oliveira   o fim do espartilho e a elegância confortável
Ratier; kaio felipe de oliveira o fim do espartilho e a elegância confortável
 
Fotografia e Educação Ambiental na escola Raimundo Magalhães .
Fotografia e Educação Ambiental na escola Raimundo Magalhães .Fotografia e Educação Ambiental na escola Raimundo Magalhães .
Fotografia e Educação Ambiental na escola Raimundo Magalhães .
 
Anais do 22º seminário nacional de arte e educação, 2010
Anais do 22º seminário nacional de arte e educação, 2010Anais do 22º seminário nacional de arte e educação, 2010
Anais do 22º seminário nacional de arte e educação, 2010
 
UTILIZAÇÃO DE TINTAS NATURAIS NO CONTEXTO EDUCACIONAL A PARTIR DE PIGMENTOS E...
UTILIZAÇÃO DE TINTAS NATURAIS NO CONTEXTO EDUCACIONAL A PARTIR DE PIGMENTOS E...UTILIZAÇÃO DE TINTAS NATURAIS NO CONTEXTO EDUCACIONAL A PARTIR DE PIGMENTOS E...
UTILIZAÇÃO DE TINTAS NATURAIS NO CONTEXTO EDUCACIONAL A PARTIR DE PIGMENTOS E...
 

Semelhante a Tcc 2015 hudson justino de andrade

#OiOiOi: Os usos sociais das tecnologias digitais em um mundo colaborativo
#OiOiOi: Os usos sociais das tecnologias digitais em um mundo colaborativo#OiOiOi: Os usos sociais das tecnologias digitais em um mundo colaborativo
#OiOiOi: Os usos sociais das tecnologias digitais em um mundo colaborativo
Bárbara Caparroz Sobral
 
Olhar pixelizado
Olhar pixelizadoOlhar pixelizado
Olhar pixelizado
Karla Rodrigues de Souza
 
Jornalismo em Quadrinhos e Internet - uma analise da apropriacao das potencia...
Jornalismo em Quadrinhos e Internet - uma analise da apropriacao das potencia...Jornalismo em Quadrinhos e Internet - uma analise da apropriacao das potencia...
Jornalismo em Quadrinhos e Internet - uma analise da apropriacao das potencia...
Karina Dacol
 
Projeto HQI - Histórias em Quadrinhos Interativas
Projeto HQI - Histórias em Quadrinhos InterativasProjeto HQI - Histórias em Quadrinhos Interativas
Projeto HQI - Histórias em Quadrinhos Interativas
Juliana Garcia Sales
 
TCC de Morana Liss Morais de Oliveira
TCC de Morana Liss Morais de OliveiraTCC de Morana Liss Morais de Oliveira
TCC de Morana Liss Morais de Oliveira
UNEB
 
Waldomiro vergueiro
Waldomiro vergueiroWaldomiro vergueiro
Waldomiro vergueiro
Isabel Santos
 
Proposta de estratégia para a produção de conteúdo transmídia em publicações ...
Proposta de estratégia para a produção de conteúdo transmídia em publicações ...Proposta de estratégia para a produção de conteúdo transmídia em publicações ...
Proposta de estratégia para a produção de conteúdo transmídia em publicações ...
Cauã Taborda
 
1°B,C FILOSOFIA GUIA DE APRENDIZAGEM 3°BIMESTRE.docx
1°B,C FILOSOFIA GUIA DE APRENDIZAGEM 3°BIMESTRE.docx1°B,C FILOSOFIA GUIA DE APRENDIZAGEM 3°BIMESTRE.docx
1°B,C FILOSOFIA GUIA DE APRENDIZAGEM 3°BIMESTRE.docx
JULIOPAULOSILVADEOLI
 
TCC - Os Viajantes da Arte - 2015
TCC - Os Viajantes da Arte - 2015 TCC - Os Viajantes da Arte - 2015
TCC - Os Viajantes da Arte - 2015
Maria Luiza Silveira de Oliveira
 
Jornadas de junho.br.com: Mídia, Jornalismo e Redes Sociais 2014
Jornadas de junho.br.com: Mídia, Jornalismo e Redes Sociais 2014Jornadas de junho.br.com: Mídia, Jornalismo e Redes Sociais 2014
Jornadas de junho.br.com: Mídia, Jornalismo e Redes Sociais 2014
claudiocpaiva
 
Novas tecnologias, novos modos de viver
Novas tecnologias, novos modos de viverNovas tecnologias, novos modos de viver
Novas tecnologias, novos modos de viver
pricaevaristo
 
Cruz paula-desenho-animado-computacao-grafica
Cruz paula-desenho-animado-computacao-graficaCruz paula-desenho-animado-computacao-grafica
Cruz paula-desenho-animado-computacao-grafica
Edison Magalhães Gonçalves
 
Projeto integrado de aprendizagem
Projeto integrado de aprendizagemProjeto integrado de aprendizagem
Projeto integrado de aprendizagem
Marileizoletrotta
 
Livroppj 2014-emilia-sandra-virginia-cp-140920214644-phpapp01-libre
Livroppj 2014-emilia-sandra-virginia-cp-140920214644-phpapp01-libreLivroppj 2014-emilia-sandra-virginia-cp-140920214644-phpapp01-libre
Livroppj 2014-emilia-sandra-virginia-cp-140920214644-phpapp01-libre
Universidade Estadual da Paraíba
 
Reinaldo mayer arte_novobatel
Reinaldo mayer arte_novobatelReinaldo mayer arte_novobatel
Reinaldo mayer arte_novobatel
Reinaldo Afonso Mayer
 
E-book MÍDIA TECNOLOGIA E LINGUAGEM JORNALÍSTICA - Coletivo PPJ/UFPB
E-book MÍDIA TECNOLOGIA E LINGUAGEM JORNALÍSTICA - Coletivo PPJ/UFPBE-book MÍDIA TECNOLOGIA E LINGUAGEM JORNALÍSTICA - Coletivo PPJ/UFPB
E-book MÍDIA TECNOLOGIA E LINGUAGEM JORNALÍSTICA - Coletivo PPJ/UFPB
claudiocpaiva
 
Santos -projeto_tcc_1._ago.2013
Santos  -projeto_tcc_1._ago.2013Santos  -projeto_tcc_1._ago.2013
Santos -projeto_tcc_1._ago.2013
Cristina Zoya
 
Apresentação oficina2-sjdr
Apresentação oficina2-sjdrApresentação oficina2-sjdr
Apresentação oficina2-sjdr
Fátima Franco
 
NOVAS DEMANDAS AUDIOVISUAIS: a narrativa transmídia entre as novas gerações e...
NOVAS DEMANDAS AUDIOVISUAIS: a narrativa transmídia entre as novas gerações e...NOVAS DEMANDAS AUDIOVISUAIS: a narrativa transmídia entre as novas gerações e...
NOVAS DEMANDAS AUDIOVISUAIS: a narrativa transmídia entre as novas gerações e...
Valeria Guerra
 
Narrativas em Diálogo: A Experiência da Telenovela em Múltiplas Plataformas
Narrativas em Diálogo: A Experiência da Telenovela em Múltiplas PlataformasNarrativas em Diálogo: A Experiência da Telenovela em Múltiplas Plataformas
Narrativas em Diálogo: A Experiência da Telenovela em Múltiplas Plataformas
Mariane Murakami
 

Semelhante a Tcc 2015 hudson justino de andrade (20)

#OiOiOi: Os usos sociais das tecnologias digitais em um mundo colaborativo
#OiOiOi: Os usos sociais das tecnologias digitais em um mundo colaborativo#OiOiOi: Os usos sociais das tecnologias digitais em um mundo colaborativo
#OiOiOi: Os usos sociais das tecnologias digitais em um mundo colaborativo
 
Olhar pixelizado
Olhar pixelizadoOlhar pixelizado
Olhar pixelizado
 
Jornalismo em Quadrinhos e Internet - uma analise da apropriacao das potencia...
Jornalismo em Quadrinhos e Internet - uma analise da apropriacao das potencia...Jornalismo em Quadrinhos e Internet - uma analise da apropriacao das potencia...
Jornalismo em Quadrinhos e Internet - uma analise da apropriacao das potencia...
 
Projeto HQI - Histórias em Quadrinhos Interativas
Projeto HQI - Histórias em Quadrinhos InterativasProjeto HQI - Histórias em Quadrinhos Interativas
Projeto HQI - Histórias em Quadrinhos Interativas
 
TCC de Morana Liss Morais de Oliveira
TCC de Morana Liss Morais de OliveiraTCC de Morana Liss Morais de Oliveira
TCC de Morana Liss Morais de Oliveira
 
Waldomiro vergueiro
Waldomiro vergueiroWaldomiro vergueiro
Waldomiro vergueiro
 
Proposta de estratégia para a produção de conteúdo transmídia em publicações ...
Proposta de estratégia para a produção de conteúdo transmídia em publicações ...Proposta de estratégia para a produção de conteúdo transmídia em publicações ...
Proposta de estratégia para a produção de conteúdo transmídia em publicações ...
 
1°B,C FILOSOFIA GUIA DE APRENDIZAGEM 3°BIMESTRE.docx
1°B,C FILOSOFIA GUIA DE APRENDIZAGEM 3°BIMESTRE.docx1°B,C FILOSOFIA GUIA DE APRENDIZAGEM 3°BIMESTRE.docx
1°B,C FILOSOFIA GUIA DE APRENDIZAGEM 3°BIMESTRE.docx
 
TCC - Os Viajantes da Arte - 2015
TCC - Os Viajantes da Arte - 2015 TCC - Os Viajantes da Arte - 2015
TCC - Os Viajantes da Arte - 2015
 
Jornadas de junho.br.com: Mídia, Jornalismo e Redes Sociais 2014
Jornadas de junho.br.com: Mídia, Jornalismo e Redes Sociais 2014Jornadas de junho.br.com: Mídia, Jornalismo e Redes Sociais 2014
Jornadas de junho.br.com: Mídia, Jornalismo e Redes Sociais 2014
 
Novas tecnologias, novos modos de viver
Novas tecnologias, novos modos de viverNovas tecnologias, novos modos de viver
Novas tecnologias, novos modos de viver
 
Cruz paula-desenho-animado-computacao-grafica
Cruz paula-desenho-animado-computacao-graficaCruz paula-desenho-animado-computacao-grafica
Cruz paula-desenho-animado-computacao-grafica
 
Projeto integrado de aprendizagem
Projeto integrado de aprendizagemProjeto integrado de aprendizagem
Projeto integrado de aprendizagem
 
Livroppj 2014-emilia-sandra-virginia-cp-140920214644-phpapp01-libre
Livroppj 2014-emilia-sandra-virginia-cp-140920214644-phpapp01-libreLivroppj 2014-emilia-sandra-virginia-cp-140920214644-phpapp01-libre
Livroppj 2014-emilia-sandra-virginia-cp-140920214644-phpapp01-libre
 
Reinaldo mayer arte_novobatel
Reinaldo mayer arte_novobatelReinaldo mayer arte_novobatel
Reinaldo mayer arte_novobatel
 
E-book MÍDIA TECNOLOGIA E LINGUAGEM JORNALÍSTICA - Coletivo PPJ/UFPB
E-book MÍDIA TECNOLOGIA E LINGUAGEM JORNALÍSTICA - Coletivo PPJ/UFPBE-book MÍDIA TECNOLOGIA E LINGUAGEM JORNALÍSTICA - Coletivo PPJ/UFPB
E-book MÍDIA TECNOLOGIA E LINGUAGEM JORNALÍSTICA - Coletivo PPJ/UFPB
 
Santos -projeto_tcc_1._ago.2013
Santos  -projeto_tcc_1._ago.2013Santos  -projeto_tcc_1._ago.2013
Santos -projeto_tcc_1._ago.2013
 
Apresentação oficina2-sjdr
Apresentação oficina2-sjdrApresentação oficina2-sjdr
Apresentação oficina2-sjdr
 
NOVAS DEMANDAS AUDIOVISUAIS: a narrativa transmídia entre as novas gerações e...
NOVAS DEMANDAS AUDIOVISUAIS: a narrativa transmídia entre as novas gerações e...NOVAS DEMANDAS AUDIOVISUAIS: a narrativa transmídia entre as novas gerações e...
NOVAS DEMANDAS AUDIOVISUAIS: a narrativa transmídia entre as novas gerações e...
 
Narrativas em Diálogo: A Experiência da Telenovela em Múltiplas Plataformas
Narrativas em Diálogo: A Experiência da Telenovela em Múltiplas PlataformasNarrativas em Diálogo: A Experiência da Telenovela em Múltiplas Plataformas
Narrativas em Diálogo: A Experiência da Telenovela em Múltiplas Plataformas
 

Mais de Acervo_DAC

Tcc 2015 edimar ferreira barbosa
Tcc 2015 edimar ferreira barbosaTcc 2015 edimar ferreira barbosa
Tcc 2015 edimar ferreira barbosa
Acervo_DAC
 
Tcc 2015 hugo munarini
Tcc 2015 hugo munariniTcc 2015 hugo munarini
Tcc 2015 hugo munarini
Acervo_DAC
 
Tcc 2014 francielly tamiozo
Tcc 2014 francielly tamiozoTcc 2014 francielly tamiozo
Tcc 2014 francielly tamiozo
Acervo_DAC
 
Tcc 2014 diogo luciano
Tcc 2014 diogo lucianoTcc 2014 diogo luciano
Tcc 2014 diogo luciano
Acervo_DAC
 
Tcc 2014 cybelle manvailler
Tcc 2014 cybelle manvaillerTcc 2014 cybelle manvailler
Tcc 2014 cybelle manvailler
Acervo_DAC
 
Tcc 2013 thiago moraes
Tcc 2013 thiago moraesTcc 2013 thiago moraes
Tcc 2013 thiago moraes
Acervo_DAC
 
Campos; júlia maria atitudes expressivas da dança moderna na pintura – a da...
Campos; júlia maria   atitudes expressivas da dança moderna na pintura – a da...Campos; júlia maria   atitudes expressivas da dança moderna na pintura – a da...
Campos; júlia maria atitudes expressivas da dança moderna na pintura – a da...
Acervo_DAC
 
Rojas; irina a poesia entre o poema e o video(portifólio)
Rojas; irina   a poesia entre o poema e o video(portifólio)Rojas; irina   a poesia entre o poema e o video(portifólio)
Rojas; irina a poesia entre o poema e o video(portifólio)
Acervo_DAC
 
Rojas; irina agostário-a poesia entre o poema e o video
Rojas; irina   agostário-a poesia entre o poema e o videoRojas; irina   agostário-a poesia entre o poema e o video
Rojas; irina agostário-a poesia entre o poema e o video
Acervo_DAC
 
Gomes; marcia maria a cena kadiwéu uma instalação cenográfica
Gomes; marcia maria    a cena kadiwéu uma instalação cenográficaGomes; marcia maria    a cena kadiwéu uma instalação cenográfica
Gomes; marcia maria a cena kadiwéu uma instalação cenográfica
Acervo_DAC
 
Gadotti; francielle melinna araujo transparência sentimento e forma
Gadotti; francielle melinna araujo   transparência sentimento e formaGadotti; francielle melinna araujo   transparência sentimento e forma
Gadotti; francielle melinna araujo transparência sentimento e forma
Acervo_DAC
 
Bakargy; thiago duarte o simbolismo do macrocosmos(portifólio)
Bakargy; thiago duarte   o simbolismo do macrocosmos(portifólio)Bakargy; thiago duarte   o simbolismo do macrocosmos(portifólio)
Bakargy; thiago duarte o simbolismo do macrocosmos(portifólio)
Acervo_DAC
 
Bakargy; thiago duarte o simbolismo do macrocosmos
Bakargy; thiago duarte   o simbolismo do macrocosmosBakargy; thiago duarte   o simbolismo do macrocosmos
Bakargy; thiago duarte o simbolismo do macrocosmos
Acervo_DAC
 
Almeida; mário duarte de releitura de imagens do guerreiro em marchetaria
Almeida; mário duarte de   releitura de imagens do guerreiro em marchetariaAlmeida; mário duarte de   releitura de imagens do guerreiro em marchetaria
Almeida; mário duarte de releitura de imagens do guerreiro em marchetaria
Acervo_DAC
 
Martins; fábio mira ar elemento de poética
Martins; fábio mira   ar elemento de poéticaMartins; fábio mira   ar elemento de poética
Martins; fábio mira ar elemento de poética
Acervo_DAC
 
Moreira; daniel augusto nunes linhas delicadas
Moreira; daniel augusto nunes   linhas delicadasMoreira; daniel augusto nunes   linhas delicadas
Moreira; daniel augusto nunes linhas delicadas
Acervo_DAC
 

Mais de Acervo_DAC (16)

Tcc 2015 edimar ferreira barbosa
Tcc 2015 edimar ferreira barbosaTcc 2015 edimar ferreira barbosa
Tcc 2015 edimar ferreira barbosa
 
Tcc 2015 hugo munarini
Tcc 2015 hugo munariniTcc 2015 hugo munarini
Tcc 2015 hugo munarini
 
Tcc 2014 francielly tamiozo
Tcc 2014 francielly tamiozoTcc 2014 francielly tamiozo
Tcc 2014 francielly tamiozo
 
Tcc 2014 diogo luciano
Tcc 2014 diogo lucianoTcc 2014 diogo luciano
Tcc 2014 diogo luciano
 
Tcc 2014 cybelle manvailler
Tcc 2014 cybelle manvaillerTcc 2014 cybelle manvailler
Tcc 2014 cybelle manvailler
 
Tcc 2013 thiago moraes
Tcc 2013 thiago moraesTcc 2013 thiago moraes
Tcc 2013 thiago moraes
 
Campos; júlia maria atitudes expressivas da dança moderna na pintura – a da...
Campos; júlia maria   atitudes expressivas da dança moderna na pintura – a da...Campos; júlia maria   atitudes expressivas da dança moderna na pintura – a da...
Campos; júlia maria atitudes expressivas da dança moderna na pintura – a da...
 
Rojas; irina a poesia entre o poema e o video(portifólio)
Rojas; irina   a poesia entre o poema e o video(portifólio)Rojas; irina   a poesia entre o poema e o video(portifólio)
Rojas; irina a poesia entre o poema e o video(portifólio)
 
Rojas; irina agostário-a poesia entre o poema e o video
Rojas; irina   agostário-a poesia entre o poema e o videoRojas; irina   agostário-a poesia entre o poema e o video
Rojas; irina agostário-a poesia entre o poema e o video
 
Gomes; marcia maria a cena kadiwéu uma instalação cenográfica
Gomes; marcia maria    a cena kadiwéu uma instalação cenográficaGomes; marcia maria    a cena kadiwéu uma instalação cenográfica
Gomes; marcia maria a cena kadiwéu uma instalação cenográfica
 
Gadotti; francielle melinna araujo transparência sentimento e forma
Gadotti; francielle melinna araujo   transparência sentimento e formaGadotti; francielle melinna araujo   transparência sentimento e forma
Gadotti; francielle melinna araujo transparência sentimento e forma
 
Bakargy; thiago duarte o simbolismo do macrocosmos(portifólio)
Bakargy; thiago duarte   o simbolismo do macrocosmos(portifólio)Bakargy; thiago duarte   o simbolismo do macrocosmos(portifólio)
Bakargy; thiago duarte o simbolismo do macrocosmos(portifólio)
 
Bakargy; thiago duarte o simbolismo do macrocosmos
Bakargy; thiago duarte   o simbolismo do macrocosmosBakargy; thiago duarte   o simbolismo do macrocosmos
Bakargy; thiago duarte o simbolismo do macrocosmos
 
Almeida; mário duarte de releitura de imagens do guerreiro em marchetaria
Almeida; mário duarte de   releitura de imagens do guerreiro em marchetariaAlmeida; mário duarte de   releitura de imagens do guerreiro em marchetaria
Almeida; mário duarte de releitura de imagens do guerreiro em marchetaria
 
Martins; fábio mira ar elemento de poética
Martins; fábio mira   ar elemento de poéticaMartins; fábio mira   ar elemento de poética
Martins; fábio mira ar elemento de poética
 
Moreira; daniel augusto nunes linhas delicadas
Moreira; daniel augusto nunes   linhas delicadasMoreira; daniel augusto nunes   linhas delicadas
Moreira; daniel augusto nunes linhas delicadas
 

Tcc 2015 hudson justino de andrade

  • 1. HUDSON JUSTINO DE ANDRADE DELÍRIOS: TIRINHAS DIGITAIS CAMPO GRANDE - MS 2016
  • 2. HUDSON JUSTINO DE ANDRADE DELÍRIOS: TIRINHAS DIGITAIS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Banca Examinadora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul/ Campus Campo Grande, como exigência parcial para obtenção do título de Bacharel em Artes Visuais, sob a orientação do Prof. Me. ElomarBakonyi. CAMPO GRANDE - MS 2016
  • 3. HUDSON JUSTINO DE ANDRADE DELÍRIOS: TIRINHAS DIGITAIS Monografia defendida no curso de Bacharelado da Faculdade de Artes Visuais da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, para obtenção do grau de Bacharel, aprovada em 25 de Abril de 2016, pela Banca Examinadora constituída pelos seguintes professores: ___________________________________________ Prof. Me. ElomarBakonyi Universidade Federal de Mato Grosso do Sul ___________________________________________ Prof. Dr. Paulo César Antonini de Souza Universidade Federal de Mato Grosso do Sul ___________________________________________ Prof. Me. Sérgio de Moraes Bonilha Filho Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Campo Grande, MS, 25 de Abril de 2016
  • 5. AGRADECIMENTOS A minha mais sincera gratidão aos meus pais, Sra. Maria Onice Justino de Andrade e Sr. José Mário de Andrade, a minha companheira de todas as horas Srta. Letícia Brandão Simões, pois sem vocês, sem nenhuma dúvida, esta monografia teria sido impossível de se fazer.
  • 6. “Ninguém baterá tão forte quanto à vida. Mas isso não se trata de quão forte se pode bater. Se trata de quão forte pode ser atingido e continuar seguindo em frente... O quanto você pode apanhar e continuar em frente. É assim que a vitória é conquistada.” BALBOA, Rocky (2006).
  • 7. RESUMO O mundo contemporâneo está pautado pelas novas mídias digitais que modelam e alteram as relações sociais, econômicas, culturais e educacionais. A arte não escapa desta tendência mundial e adere às novas expressões que a tecnologia proporciona. Neste quadro artístico, muitas expressões do mundo analógico passaram a incorporar e desenvolver uma nova forma de traduzir a sua linguagem artística. Neste contexto, esta pesquisa visa analisar o potencial contido nas histórias em quadrinhos dentro do ambiente digital, chamadas de webcomics, especificamente, no campo das tirinhas digitais. As webcomics já assumiram diversos formatos diferentes ao longo dos últimos anos, e continuam a explorar novas opções narrativas. Portanto, a obra apresentada neste projeto tem caráter experimental, utilizando um dos formatos propostos neste novo suporte. Palavras-chave: Tirinhas digitais, webcomics, Histórias em quadrinhos.
  • 8. ABSTRACT The contemporary world is guided by new digital media that shape and change the social, economic, cultural and educational relations. The art does not escape this global trend and adheres to the new expressions that provides technology. In this artistic context, many expressions of the analog world began to incorporate and develop a new way to translate his artistic language. In this context, this research aims to analyze the potential contained in comic books into the digital environment, call webcomics, specifically in the field of digital comic strips. The webcomics have already taken many different forms over the past few years, and continue to explore new narrative options. Therefore, the work presented in this project is experimental, using one of the proposed formats this new support. Keywords: Digital Comic Strips, webcomics, Comic books.
  • 9.
  • 10. SUMÁRIO INTRODUÇÃO ............................................................................................................ 10 CAPÍTULO I: A ARTE DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS:.......................... 11 1.1 Quadrinhos e a origem das tirinhas:................................................................. 14 1.2 As tirinhas conquistando o mundo: .................................................................. 15 1.3 Tirinha: O teor de gênero em discussão:.......................................................... 16 CAPÍTULO II: HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E SUAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS:............................................................................................................ 18 2.1 Ideologias que permitem Histórias em quadrinhos, questão midiática:........ 19 2.2 As tirinhas e a cultura de convergência:........................................................... 20 2.3 Convergência midiática:..................................................................................... 20 2.4 As tirinhas nas mídias digitais:.......................................................................... 21 CAPÍTULO III: DELÍRIOS: ...................................................................................... 23 3.1 Históricos de criação: ......................................................................................... 24 3.2 Processo de criação:............................................................................................ 26 3.3 Elementos: ........................................................................................................... 31 3.4 Redes sociais:....................................................................................................... 37 CAPÍTULO IV: O CAÇADOR DE ESTRELAS:..................................................... 40 CONSIDERAÇÕES FINAIS: ..................................................................................... 44 REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS:...................................................................... 45
  • 11.
  • 12.
  • 13. 10 INTRODUÇÃO Com a convergência midiática, as tiras diárias (ou tirinhas) publicadas em jornais e revistas estão ganhando cada vez mais espaço dentro da web. Novas possibilidades de criação e veiculação deste gênero tem surgido, principalmente através das redes sociais e blogs. O objetivo desta monografia é mostrar como o modelo de produção das tirinhas está sendo modificado dentro das novas mídias, principalmente com a possibilidade de publicar seus trabalhos dentro de blogs e redes sociais. A convergência faz surgir uma nova dinâmica em que os usuários estão exigindo cada vez mais sua participação no processo de produção e distribuição de conteúdo. Este trabalho está dividido em três partes. Na primeira, traremos um pouco da história dos quadrinhos e seus conceitos, para poder conceituar as tirinhas, na ótica de autores como Scott McCloud (1995), Marcos Nicolau (2011), Jacques Marny (1970). A segunda parte discutiremos sobre as mídias digitais e suas possibilidades de interação com o usuário, passeando por autores como Henry Jenkins (2008), Lucia Santaella (2002), além de estudiosos em quadrinhos nas mídias digitais Scott McCloud (2006) e Edgar Franco (2004). E finalizando, na terceira parte será apresentada a produção dos Delírios, são tirinhas digitais divulgadas dentro das redes sociais onde um pensamento ou história pode ser contada em apenas uma imagem ou numa série de imagens que produzem interpretações e sensações individuais nos expectadores. Um desenho estilizado e lúdico com influência de autores de tirinhas de jornal e grande influência da cultura pop.
  • 14. 11 CAPÍTULO I: A ARTE DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS: De acordo com o texto de GUIMARÃES (1999), Uma caracterização Ampla para História em Quadrinhos e seus limites com outras Formas de Expressão, “História em quadrinhos é a forma de expressão artística que tenta representar um movimento através do registro de imagens estáticas. Assim é a história em quadrinhos, toda a produção humana, ao longo de sua história, que tenha tentado narrar um evento através do registro de imagens, não importando se esta tentativa foi feita em uma parede de caverna há milhares de anos, em uma tapeçaria, ou mesmo em uma única tela pintada. Não se restringe, nesta caracterização, o tipo de superfície empregado, o material usado para o registro, nem o grau de tecnologia disponível”. Embora o referido texto não descaracterize como história em quadrinhos a tentativa de representar um movimento através de uma única imagem (como o cartum e a charge, por exemplo), a história em quadrinhos tem seu maior potencial quando faz uso de uma sequência de imagens encadeadas, o que lhe permite realizar narrativas mais complexas. O pesquisador americano Scott McCloud cunhou uma definição de comics que considera estas criações pré imprensa na obra “Desvendando os Quadrinhos”, além de dar um novo escopo as pesquisas em quadrinhos: “Imagens pictóricas e outras justapostas em sequência deliberada destinadas a transmitir informações e/ou produzir uma resposta no espectador”. (McCLOUD, 2005, p. 09). Por mais limitada que possa ser uma definição, a de McCloud tem a vantagem de desfazer alguns dos equívocos mais comuns sobre o estudo das histórias em quadrinho, por desviar o entendimento sobre sua especificidade das partes que a constituem para a maneira como se organizam. Em outras palavras descreve um meio através do qual é possível construir textualidades, que fazem uso da justaposição de painéis (quadrinhos), com desenhos, textos ou ambos na construção de sequências que emulam a passagem de tempo, lugar ou ideia através de sua disposição espacial. Segundo McCLOUD (2005), a partir desta definição foi possível compreender o termo histórias em quadrinhos como algo muito mais antigo, provavelmente a forma mais difícil de narrar. Assim, a história em quadrinhos embarca narrativas pré imprensa como: As pinturas rupestres da caverna de Lascaux; A tapeçaria de Bayeux; Um bordado com 70,34 metros de comprimento, representando em 58 cenas a conquista da Inglaterra pelos normandos, concluída no ano de 1066; A coluna de Trajano, construída entre 112 e 114 em Roma no fórum de Trajano sobre o túmulo do imperador para comemorar a vitória dos Romanos sobre os Dácios; O Códice Zouche-Nuttall no México pré-colombiano; As sequências de vitrais (em
  • 15. 12 alguns casos mesmo as catedrais bizantinas); Os quadros Trípticos, etc, entre diversas outras obras. Detalhe da tapeçaria de Bayeux.1 DUARTE, Rafael Soares, 2013, p. 31. As Histórias em Quadrinhos, como todas as formas de arte, fazem parte do contexto histórico e social que as cercam. Elas não surgem isoladas e isentas de influências. Na verdade, as ideologias e o momento político moldam, de maneira decisiva, até mesmo o mais descompromissado dos gibis (...) (DUTRA, 2001). As primeiras manifestações das Histórias em quadrinhos são no começo do século XX, na busca de novos meios de comunicação e expressão gráfica e visual. Com o avanço da imprensa, da tecnologia e dos novos meios de impressão, possibilitaram o desenvolvimento desse meio de comunicação de massa. Entre os precursores estão o Suíço Rudolph Töpfler, o Alemão Wilhelm Bush, o Francês Georges (Christophe) Colomb, e o Brasileiro Angelo Agostini. Alguns consideram como a primeira história em quadrinhos a criação de Richard Fenton Oultcalt, The yellowkid em 1895, Oultcalt essencialmente sintetizou o que tinha sido feito antes dele e introduziu um novo elemento, o balão. Segundo MARNY (1970) Oultcalt foi o criador da série de desenhos conhecida como Hogan’sAlley (algo como O Beco de Hogan), no qual transitavam uma série de personagens: varredores negros, chineses de tranças, mulheres com laços e, entre eles, um garoto de orelhas largas vestido com uma camisola. Certo dia o garoto apareceu com a camisola pintada de amarelo e foi imediatamente batizado pelos leitores de yellowkid, o chinesinho amarelo. Seu desenhista passou a explorá-lo como personagem principal, dando-lhe vos por meio de balões. 1 Na página da Wikipédia é possível encontrar a imagem completa da tapeçaria de Bayeux.
  • 16. 13 Outcault, R. F. "The Yellow Kid and His New Phonograph." The Yellow Kid. New York Journal. 25 Oct. 1896.2 Nas primeiras décadas os quadrinhos eram essencialmente humorísticos, e essa é a explicação para o nome que elas carregam ainda hoje em inglês, comics (cômicos). Algumas destas histórias eram Zitte Nemo (de Winsor McCay), Mutt e Jeff (de Bud Fisher), Popeye (de E. C. Segar) e Krazy Kat (de Georges Harriman). Os temas das histórias eram basicamente travessuras de crianças e bichinhos, e dessa época vem às designações kid strips, animal strips, family strips, boy-dog strips, boy-family- dog strips, dentre outros. A queda da bolsa de 1929 teve relevante importância em relação a perspectiva da história em quadrinhos, e nos anos 30 eles cresceram, invadindo o gênero de aventura. Flash Gordon, de Alex Raymond, Dick Tracy, de Chester Gould e a adaptação de Hal Foster para Tarzan, de E. R. Borroughs são conhecidos como o início da era de ouro (Golden age). Nesta década, três gêneros essenciais eram produzidos: ficção cientifica, o policial e as aventuras na selva. 2 Disponível em: http://xroads.virginia.edu/~ma04/wood/ykid/images/centennial/yk_phonograph.jpg, acesso, Abril, 2016.
  • 17. 14 Nos anos 50 os quadrinhos foram alvo da maior caça às bruxas que já aconteceu por meio de comunicação de massa. O psiquiatra Frederic Wertham escreveu um livro, A sedução do Inocente (The Seduction og the innocent), onde ele acusava os quadrinhos de corrupção e delinquência juvenis. Nas 400 páginas de sua obra o psiquiatra Alemão, esmiuçou suas idéias sobre o “verdadeiro intento subversivo” por trás dos quadrinhos. Dentre as hipóteses do tratado, havia a de que a Mulher Maravilha representava idéias sadomasoquistas e a da homossexualidade da dupla Batman & Robin. Entre outros argumentos de Whertham, também estão que os quadrinhos incitavam a juventude à violência havendo então o código de ética, para limitar e regular o que podia (e o que não podia) aparecer nas páginas, limitando assim o alcance e a maneira de enfocar assuntos, o que acabou por destruir todos os títulos de terror da EC Comics, exceto um, a revista humorista: Mad. Foi quando surgiu numa tira de jornal aparentemente inocente sobre um grupo de crianças: Peanuts, de Charles M. Schulz. Charlie Brown, o personagem principal, é um garoto de 6 anos, perdedor nato, simboliza insegurança, a ingenuidade, a falta de iniciativa; um eterno esperançoso. Seu cão Snoopy, é um beagle filosófico em cima de sua casinha vermelha. Esta tira marcou o começo da era intelectual dos quadrinhos, como uma maior valorização do texto com as imagens. 1.1 QUADRINHOS E A ORIGEM DAS TIRINHAS: A tirinha, também conhecida como tira diária, pode ser definida como uma sequência narrativa em quadrinhos humorística e satírica que utiliza a linguagem verbal e não verbal transmitindo, em sua grande maioria, uma mensagem de caráter opinativo. Através da utilização de metáforas, que a aproxima da sua representação do cotidiano, ela é capaz de burlar censuras e se afirmar dentro dos jornais impressos como um gênero jornalístico que apresenta as mesmas propriedades de uma crônica, artigo, editorial ou charge. Tomando empréstimo de narrativas e diálogos próprios dos folhetins e romances, associando-os às ilustrações e gravuras, as histórias em quadrinhos alcançaram uma expressão suigeneris com recortes visuais de ações e expressões linguísticas em balões. Segundo MARNY (1970), foi the yellow kid, criação de Richard Fenton Oultcalt, publicado em 1895 no jornal sensacionalista New york World, com a incursão de texto naquele formato que viria a ser o balão.
  • 18. 15 Vendo o interesse dos leitores por essas narrativas deflagrarem o aumento da venda de jornais, seus proprietários passaram a investir no gênero e em pouco tempo já havia uma série de personagens preenchendo as coloridas páginas dos suplementos dominicais. Com relação ao surgimento das tirinhas, de acordo com PATATI e BRAGA (2006, p.23), o formato clássico do gênero com piadas desdobradas em três tempos ou três quadros surgiu graças à escassez de espaço nos jornais, bem como a popularidade dos personagens. A tirinha é uma excelente forma de expressão no jornal e na revista. A mídia impressa precisou se diversificar e atender a diversos públicos, dando a possibilidade de o autor adoçar suas vivências, experiências e problemas da vida cotidiana de forma divertida e provocativa, em uma realidade metaforizada. Fonte: NICOLAU, 2011, p. 3.3 1.2 AS TIRINHAS CONQUISTANDO O MUNDO: O celeiro da criação de tirinhas foram os Estados Unidos com a força de suas empresas de distribuição. Em 1912, segundo MARNY (1970), Hearst funda o primeiro “sindicato” encarregado de comercializar as histórias em quadrinhos, conhecido como King Features Syndicate. Além do King Features Syndicate, surgiram o Universal Press Syndicate, o United Feature Syndicate, entre outros, encarregadas de espalhar tirinhas para jornais e revistas de todo o mundo. Para se ter uma idéia da força mercadológica alcançada pelas tirinhas, segundo MARNY (1970, p. 15), no final dos anos 1960, trezentas histórias em quadrinhos aparecem no mercado americano em 1.700 jornais diários, sendo lidas por cerca de 100 milhões de 3 Calvin & Haroldo, WATTERSON, 2007, p. 26
  • 19. 16 leitores: “Um jornal conhecido, Washington Post, um dos mais sérios dos Estados Unidos, publica todos os dias cinco páginas de comics. Total de umas trinta histórias diferentes”. Por essa época, o gênero já estava consolidado com presença marcante para gerações de leitores, em jornais de diferentes partes do mundo. Foram fontes de inspiração para jovens desenhistas em seus países, que passaram a criar seus próprios personagens, embora não conseguissem competir com a força mercadológica de produção em massa dos syndicates americanos. 1.3 TIRINHA: O TEOR DE GÊNERO EM DISCUSSÃO: Segundo NICOLAU (2010), a tirinha tem como característica básica o fato de ser uma piada curta de um, dois, três ou até quatro quadrinhos, e geralmente envolve personagens fixos: Um personagem principal em torno do qual gravitam outros. Mesmo que se trate de personagens de épocas remotas, de países diferentes ou ainda de animais, representam o que há de universal na condição humana. A estereotipia dos personagens facilita sua identificação por parte de leitores das mais diversas culturas. Quanto à temática, apesar da função inicial das tirinhas terem sido o de fazer rir, e que permanece até hoje, de acordo com MARNY (1970, as tirinhas americanas não tiveram medo de adentrar em todos os campos, tais como a metafísica, a sátira social, e política, a psicanálise, atraindo a leitura, inclusive, dos intelectuais. Além de Jules Feiffer, com seus anti-heróis, MARNY (1970) cita como exemplo de temática metafísica, os personagens de Peanuts, publicado aqui no Brasil com o nome de seu principal personagem: Charlie Brown, de Charles M. Schulz, criação de 1950. “Sinto-me inquieto. Penso no fim do mundo. Experimento terror, pânico e nervosismo de descaídas, cujo focinho está adornado com uma “penca”. O seu nome: Snoopy. Do fundo da casota, tortura-se com considerações metafísicas. Mas isto nunca dura muito, por que surge o dono, Charlie Brown, a trazer-lhe a comida e, bruscamente, o mundo passa a ser novamente cor-de-rosa”. (MARNY, 1970, p. 200) Segundo ainda o autor, em pouco mais de dez anos, ainda nos anos 60, Peanuts já era publicado em 900 jornais dos Estados Unidos e em 100 jornais estrangeiros. A temática do cotidiano ancorada, geralmente, pelas circunstâncias da época sempre foi uma constante nas tirinhas. Na primeira metade dos anos 1970, por exemplo, era muito comum encontrar crônicas, artigos e charges tratando da guerra do Vietnã, e as tirinhas não ficaram fora desse universo crítico e irônico, como bem demonstra um exemplar da personagem Mafalda, desenhada pelo Argentino Quino e publicada nos jornais de então.
  • 20. 17 Fonte: M. NICOLAU, 2010, p. 3118. 4 Em um período mais atual, podemos verificar a pertinência dessas comparações, quando retiramos uma situação tratada por qualquer um desses gêneros e a observamos longe das funções que lhes poderiam ser atribuídas pelo gênero. Vejamos o seguinte diálogo: ”Eu trabalho para mim mesmo. - Eu pensava assim, mas só até pagar meu imposto de renda.” Esse trecho bem que poderia ser tema de um artigo de coluna do articulista econômico Joelmir Betting ou da crônica de Arnaldo Jabor, entretanto encontra-se na tira dos personagens Frank & Ernest, de autoria Bob Chaves e que já chegou a ser publicada em mais de mil e trezentos jornais de várias partes do mundo desde as suas primeiras publicações em 1972. Fonte: M. NICOLAU, 2010, p. 3118.5 As tirinhas brasileiras também seguem esse padrão comum às tiras internacionais e apresentam questionamentos cotidianos que estão presentes nos demais gêneros. A exemplo da criação de Laerte, intitulada Piratas do Tietê. Neste exemplar, dois personagens, gatos preto e branco, fazem uma leitura crítica da conjuntura sócio-política: 4 Toda Mafalda (Martins Fontes) 5 Jornal Estadão
  • 21. 18 Fonte: M. NICOLAU, 2010, p. 3118.6 CAPÍTULO II: HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E SUAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS: Cada período da história é mercado por meios de produção de linguagem que lhe são próprios. Quando novos meios surgem, seus potenciais e usos, ainda desconhecidos, têm de ser explorados. (SANTAELLA, 2008, p. 36) Uma narrativa, para existir e chegar ao seu receptor necessita de uma estrutura que a suporte, seja língua falada, visual ou um meio mais complexo comunicação, uma narrativa precisa recorrer a alguma mídia para poder ser comunicada e ao fazer será condicionada as articulações especificas do meio ao qual utilizou para ser narrada. Não existe uma narrativa “pura”, que não irá se ancorar em nenhuma linguagem, em nenhum sistema semiótico que a carregue. Entretanto, a questão é mais profunda do que isso, pois a narrativa é um dos discursos do homem sobre o mundo e o homem para enunciar seus discursos a outros, faz, para isso, uso da linguagem, tanto visual, textual ou verbal. Esta, para ser possível, se baseia em códigos que sejam mais ou menos conhecidos tanto pelo emissor quanto pelo receptor. A linguagem é a faculdade que possibilita e condiciona a comunicação. 6 Jornal Folha de São Paulo
  • 22. 19 2.1 IDEOLOGIAS QUE PERMITEM HISTÓRIAS EM QUADRINHOS, QUESTÃO MIDIÁTICA: Contemporaneamente, vive-se também em um período de forte transição midiática. Se ao fim do século XIX havia uma tendência a multiplicação de canais e conteúdo que se dispersam em diversas frentes, o cenário midiático atual tende a convergência. Talvez nenhuma outra sociedade tenha sido tão ávida por informação quanto à atual, em nenhuma outra forma como a mensagem chega até de e em como ela é construída. Ainda que não tenha ciência disso, é justamente o consumidor midiático quem detém o poder. Se antes, a informação eram escassas, e diferentes meios atendiam diferentes demandas, presumia-se um receptor passivo, uma lógica mercadológica que condiciona toda a produção cultural, este panorama irá se inverter totalmente a favor do receptor, que ele é quem decide a informação que vai consumir, é ele quem, em última instância, escolhe o canal pelo qual quer receber essa informação. Não é necessário dizer as inúmeras formas de essa informação chegar até ele. Tampouco da miríade de escolha, em termos de conteúdo, que tem a sua disposição. Mas o receptor ainda pode mais, ele pode participar na produção ou mesmo produzir conteúdo, ele pode interferir, se tornando em essência um prossumer midiático. O acelerado desenvolvimento técnico-científico e o consequente “boom” comercial das novas tecnologias, aliados a outros fatores culturais, inerentes a sociedade contemporânea, acarretaram em implicâncias significativas para o campo das comunicações. Acrescentadas as formas através das quais a sociedade até então dialogava consigo mesma, novas plataformas, mostram diariamente ao que vieram. Os principais pilares da tradicional comunicação em massa tiveram de sair de sua zona de conforto e se adaptar a era digital, para se manterem enquanto plataformas viáveis ao novo paradigma e cultural. Nesse sentido, cabe enfatizar que não basta interagir ou se inserir dentro do plano digital, é necessário se integrar e agregar a este. A rede mundial, a velocidade de informação são apenas alguns dos pontos a se citar desse admirável mundo novo, cuja característica de que se pode ter certeza são as suas constantes mudanças.
  • 23. 20 2.2 AS TIRINHAS E A CULTURA DE CONVERGÊNCIA: As novas tecnologias permitiram que vários gêneros midiáticos migrassem para a internet adaptando-se as exigências do seu público, principalmente procurando formas inovadoras de interação e participação no processo de produção de conteúdo. Surgiu então o conceito de cultura da convergência, trazido por JENKINS (2008) e que explora as possibilidades de confluência de dispositivos midiáticos e de produção de conteúdo como uma transformação cultural, à medida que os consumidores são incentivados a procurar novas formas de se comunicar. Neste contexto, as tiras diárias (ou tirinhas) surgiram como um meio de expressão adaptado e atrativo, principalmente com a possibilidade de integração de todos os recursos disponíveis na hipermídia. Este gênero, que habitava os jornais há mais de cem anos, teve suas perspectivas renovadas dentro da web, mas o processo de criação das tirinhas ainda exigia habilidade de seus autores que não permitiam uma produção democrática, já que utilizar programas de edição de imagens era a única forma de criar tirinhas digitais. Contudo, um aumento ocorreu quando alguns sites começaram a disponibilizar sistemas que permitiam aos usuários criar suas tirinhas com apenas alguns cliques. Assim a produção deste modelo de arte sequencial tornou-se verdadeiramente democrática, bastando apenas ter boas idéias. 2.3 CONVERGÊNCIA MIDIÁTICA: Atualmente, estamos vivendo aquela que pode ser considerada a era do usuário. Graças à convergência midiática, as novas e velhas mídias se cruzam, fazendo com que o consumidor e o produtor de mídia interagindo na produção de conteúdo cada vez mais diversificado e imprevisível. Segundo, JENKINS (2008), em seu livro Cultura da Convergência, define esta nova era através do fluxo continuo de conteúdo entre múltiplos suportes, da cooperação entre mercados midiáticos e do comportamento migratório do público em busca de novas experiências e formas de interagir. Contudo, JENKINS (2008), mostra este fenômeno como uma transformação cultural, à medida que os consumidores são incentivados a procurar novas informações e fazer
  • 24. 21 conexões entre os conteúdos midiáticos. Neste novo paradigma da convergência, as novas e as antigas mídias estão interagindo de forma cada vez mais complexa, principalmente devido às novas tecnologias midiáticas, que permitem que o mesmo conteúdo transite por vários canais e com diferentes pontos de recepção. A palavra mídia de acordo com SANTAELLA (2002), não pode mais ser considerada como um meio de comunicação de massa. O surgimento de novos equipamentos técnicos e da internet começou a minar o exclusivismo dos grandes meios. Ela considera que o termo “indústria” se tornou obsoleta nos dias de hoje. A convergência é um processo de mudança nos padrões dos meios de comunicação e impacta principalmente o modo como consumimos aquilo é veiculado por estes meios. Ela não envolve apenas coisas materiais e serviços produzidos comercialmente, mas ocorre quando pessoas começam a assumir o controle das mídias. A cultura de convergência representa uma mudança no modo de encararmos nossas relações com as mídias. O público que ganhou espaço com as novas tecnologias está exigindo o direito de participar intimamente da produção de conteúdo e da cultura. A interatividade é uma das peças chave da convergência. Ela é compreendida por JENKINS (2008) como o modo que a novas tecnologias foram planejadas para responder as necessidades de se comunicar do consumidor. A participação por parte do usuário é ilimitada e cada vez menos controlada pelos produtores dos grandes meios de comunicação. A web está fornecendo um ponto de exibição para o produtor alternativo, além de servir de espaço para a experimentação e inovação, onde os amadores podem desenvolver novos métodos e temas, com o objetivo de atrair seguidores. E, algumas destas produções independentes ainda podem ser absorvidas pelas grandes mídias de maneira comercial. 2.4 AS TIRINHAS NAS MÍDIAS DIGITAIS: Com o advento das mídias digitais, as histórias em quadrinhos e as tirinhas têm encontrado na web um novo espaço, utilizando-se, inclusive, dos elementos disponíveis nas mídias interativas, como considera McCLOUD (2006). A agilidade e o imediatismo da tirinha, características estas também presentes nas mídias digitais, nos faz entender que elas são imprescindíveis para a construção do pensamento crítico, quando elas não se dobram à massificação e se permitem à liberdade inventiva. Agora a produção experimental é livre, ficando a critério do autor e não da formatação dos meios impressos, que tipo de estilo ele irá seguir na transmissão da sua mensagem.
  • 25. 22 McCLOUD (2006) considera que o intercâmbio entre os quadrinhos e as novas tecnologias já é uma realidade e a partir destes cruzamentos uma reconfiguração do gênero tirinhas e um novo produto cultural pode estar surgindo. Para FRANCO (2004), traz a arte sequencial dos quadrinhos e das tirinhas para o contexto da web, onde podemos encontrar os principais elementos agregados à linguagem dos quadrinhos clássicos, produzidos para serem veiculados em suporte de papel, nas mídias digitais, mas alguns deles apresentam inovações, como animações, diagramação dinâmica, efeitos sonoros, narrativas multilineares e interatividade, criando um gênero hibridam com a linguagem da hipermídia. Muitas das tirinhas digitais não são mais do que adaptações das impressas, levadas para o meio digital. Por mais de cem anos as tirinhas habitaram a imprensa e hoje a mídia digital está convergindo para um único suporte: o computador. Sua evolução dependerá de sua capacidade de se adaptar a este novo ambiente, que inclui tanto as novas tecnologias como os desejos do público de consumi-las. Neste contexto, os blogs tem sido a principal plataforma de divulgação das tirinhas digitais. Eles proporcionam que novos desenhistas expusessem seus trabalhos, sem depender, por exemplo, dos conhecidos Syndicates, que se encarregavam de espalhar tirinhas para jornais e revistas de todo o mundo, e selecionavam previamente as tirinhas que pareciam ser mais mercadológicas, assim como influenciavam o modelo de produção dos artistas. Mesmo que a veiculação das tirinhas esteja cada vez mais simples, a produção ainda exige o domínio de programas de edição de imagens, como o Photoshop, o GIMP, entre outros. Esta necessidade ainda limitada que alguns usuários publiquem suas idéias e faz da tirinha, mesmo que nas mídias digitais, um gênero com autores reduzidos. Contudo, alguns sites estão desenvolvendo Softwares que permitem a todos aqueles que tenham boas idéias criar tirinhas de maneira simples e rápida. Bons exemplos são o Strip Generator, o ToonLet, o ToonDoo, o StripCreator e o Pixton, este ultimo com suporte em português. No Brasil, destaca-se o site da Máquina de Quadrinhos, criado por Maurício de Sousa durante a comemoração de 50 anos da Turma da Mônica em 2009. Na página você pode criar histórias da Turma da Mônica e as melhores são publicadas em revistas e gibis. A DC Lançou uma divisão de quadrinhos on-line, a Zuda Comics, no site, os usuários podem votar em histórias feitas por artistas e fazer alguns comentários em relação a eles, estabelecendo um canal direto entre quem produz e quem consome. Neste caso, estamos falando da produção de quadrinhos em si e não especificamente da produção de tirinhas, mas
  • 26. 23 o site é um embrião do que pode se tornar uma rede social de produtores de quadrinhos e uma boa janela para exposição de produções amadoras, tanto de histórias em quadrinhos como de tirinhas. Com a produção de tirinhas cada vez mais simples e acessível, além da facilidade de sua divulgação, uma nova geração de produtores está surgindo, com novas idéias e cada vez mais interessados em explorar as potencialidades das novas tecnologias das mídias digitais. Diferentes denominações que as histórias em quadrinhos receberam em diferentes línguas de certa forma influíram no modo de como esta forma textual e artística já foi encarada. Através do estabelecimento de alguns parâmetros sobre os aspectos formais das histórias em quadrinhos será pensada a relação com as formas narrativas que Scott McCloud entende como quadrinhos pré-imprensa, as mudanças nas suas possibilidades narrativas quando de seu advento na página, e a dupla relação de retomada e desenvolvimento nos quadrinhos para internet. No tocante aos webcomics, suas possibilidades narrativas serão analisadas em dois aspectos: a possibilidade de recriar e reformular os processos pré-imprensa, e as possibilidades relativas unicamente ao meio digital. CAPÍTULO III: DELÍRIOS: O mundo contemporâneo está pautado pelas novas mídias digitais que modelam e alteram as relações sociais, econômicas, culturais e educacionais. A arte não escapa desta tendência mundial e adere às novas expressões que a tecnologia proporciona. Neste quadro artístico, muitas expressões do mundo analógico passaram a incorporar e desenvolver uma nova forma de traduzir a sua linguagem artística. Neste contexto, viso analisar o potencial contido nas histórias em quadrinhos dentro do ambiente digital, especificamente as tirinhas digitais. As Tirinhas digitais já assumiram diversos formatos diferentes ao longo dos últimos anos, e continuam a explorar novas opções narrativas. Portanto, a obra apresentada neste projeto tem caráter experimental, utilizando um dos formatos propostos neste novo suporte.
  • 27. 24 Fonte: Elaborada pelo autor Criada pelo ilustrador baiano Hud Justino, os Delírios são um desabafo, recheado de referências a cultura pop e também de boas mensagens, vitórias e derrotas vividas pelo próprio autor. É um diário auto motivacional nonsense, no qual você acompanha as aventuras (e desventuras!) de um ilustrador que viaja no tempo para encontrar consigo mesmo, enfrenta os terríveis monstros da falta de responsabilidade enquanto descobre, nas pequenas coisas do dia-a-dia, razões para seguir adiante. (BRUEH, Luís, 2015). 3.1 HISTÓRICOS DE CRIAÇÃO: Os delírios nasceram como uma forma de desabafar e narrar o que acontecia comigo através de um personagem, que também, foi inspirado em minha aparência. Tudo começou com uma mistura de desabafo e vontade de criar tirinhas em quadrinhos. As inspirações são normalmente baseadas no meu cotidiano às vezes um questionamento profundo, um filme, uma musica, frustrações, vitórias, basicamente tudo pode virar uma tirinha. O traço e a finalização têm bastante inspiração com o que foi aprendido com o cartunista Luís Augusto (criador do Fala Menino!) na Bahia, ainda sim guarda um pouco do que foi aprendido com revistas sobre criação de desenhos em mangá ainda na infância.
  • 28. 25 Fonte: Blog Fala Menino! Luís Augusto, 13 de Abril, 2016.7 Segundo NICOLAU (2010), a tirinha tem como característica básica o fato de ser uma piada curta de um, dois, três ou até quatro quadrinhos, e geralmente envolve personagens fixos: Um personagem principal em torno do qual gravitam outros. Levando em conta as inspirações do trabalho realizado nas tiras do Fala Menino! Os Delírios apresentam uma idéia mais contemplativa, mesmo assim, não deixa de ser humorística. Buscando por um traço único e agradável ao público é constante, a estrutura do personagem passa por mudanças freqüentes tênues desde a criação delas em 2014. Delírios ainda é um projeto em constante metamorfose, mantendo o foco no carisma do estilo de desenho para apoiar seus textos. Onde procuram manter uma linguagem lúdica, que conversa com todo o tipo de receptor, seja um adulto ou mesmo criança, de várias crenças e culturas diferentes. O importante é proporcionar um momento para o receptor, que através de um Delírio, possa conversar também com seus próprios pensamentos e diálogos interiores. 7 Disponível em: http://blogfalamenino.blogspot.com.br/, Acesso, Abril, 2016.
  • 29. 26 Fonte: Página do Facebook, Delírios.8 3.2 PROCESSO DE CRIAÇÃO: O processo de criação começa com a criação de um texto, normalmente inspirado em alguma situação do dia-a-dia, uma olhada para o céu vendo o formato das nuvens, ou mesmo um dia chuvoso, alguma derrota ou vitória pessoal, pequenos ou grandes feitos, alguma lembrança dolorosa ou mesmo sublime, ver pessoas passando nas ruas, uma canção ou um filme são bons pretextos para a criação de um delírio. A prática é rotineira, diariamente são lançadas tiras para os meios de divulgação. Após o texto pronto é feito o esboço inicial, buscando criar uma metáfora visual para agregar valor de interpretação para a tirinha. Normalmente o esboço é feito em grafite azul ou vermelho, caso não use mesa de luz, poder facilitar o tratamento digital. 8 Disponível em: https://www.facebook.com/DeliriosdoHud/photos/pb.1454970454749450.- 2207520000.1460747242./1658794377700389/?type=3&theater, acesso, Abril, 2016.
  • 30. 27 Fonte: Elaborada pelo autor. O traçado é finalizado com bico de pena e tinta nanquim, muitas vezes com o auxílio de uma mesa de luz, a fim de preservar o esboço caso ocorra algum erro. Fonte: Elaborada pelo autor
  • 31. 28 Feito isso, a imagem é digitalizada em alta resolução para um melhor tratamento. Fonte: print screen da aplicação no sistema operacional Windows 8. A imagem digitalizada é levada ao software Adobe Illustrator, para ser transformada em vetor e poder finalmente ser enviada para o Layout. Fonte: print screen da aplicação no sistema operacional Windows 8.
  • 32. 29 No software Adobe Photoshop, onde receberá o texto o acabamento final para postagem. Fonte: print screen da aplicação no sistema operacional Windows 8. Fonte: print screen da aplicação no sistema operacional Windows 8.
  • 33. 30 Finalmente o Delírio está pronto para ser enviado para as redes sociais. Fonte: #0446 - By hud-justino.9 Fonte: Página do Facebook, Delírios.10 9 Disponível em: http://hud-justino.deviantart.com/art/0446-603185381, acesso, Abril, 2016. 10 Disponível em: https://www.facebook.com/DeliriosdoHud/, acesso, Abril, 2016.
  • 34. 31 3.3 ELEMENTOS: Os elementos que compõem os Delírios são simples, mas ajudam a padronizar a produção e agilizar o processo, alguns para dialogar e melhorar o contato do receptor com o personagem.  Do personagem: Nosso personagem, como dito antes, foi inspirado em mim, o criador, porém, ele carrega elementos que dão muita singularidade e dinâmica. A ausência da boca, serve para aumentar a conexão com o personagem, será preciso olhar diretamente para os olhos para identificar suas expressões. A aparência infantil foi dada para ele poder dialogar com o lado mais lúdico e infantil do receptor, o traço simplificado também ajuda em sua reprodução constante. Fonte: Elaborada pelo autor
  • 35. 32  Dos Textos: Conforme produzidos, os textos são arquivados e preferencialmente usados em ordem, a fonte (Blessings through Raindrops regular), é usada para os textos de diálogo, a fonte (Arial) é usada para o registro e a data do trabalho. A ausência de balões é devida a ausência de interlocução, o texto encontrado representa um fragmento de pensamento, uma vontade, algo ligado intimamente ao leitor e o personagem, esse texto é um recorte de pensamento do momento representado na tira. Não existem conversas ou diálogos dentro dos Delírios eles podem ser considerados tirinhas “mudas e “silenciosas”. Fonte: Página do Facebook, Delírios.11 11 Disponível em: https://www.facebook.com/DeliriosdoHud/photos/pb.1454970454749450.- 2207520000.1460772306./1535141386732356/?type=3&theater, acesso, Abril, 2016
  • 36. 33  Do Layout: O Layout dos delírios é bem simples, 10x20cm, com bordas de 2mm, a fonte do texto interno é Blessings through Raindrops regular 14pt, a assinatura feita em Arial 12pt, A assinatura ocupa um espaço de 1x1cm. Os elementos internos não têm um local definido, sua posição vai depender da leitura e composição da imagem final. O próprio Layout é dividido em nove partes proporcionais para auxiliar a colocação dos elementos. Fonte: Elaborada pelo autor  Outros personagens: Os personagens que circulam o mundo dos Delírios são poucos e em sua grande maioria apenas funcionam para apoio visual de algumas séries ou contos, seguem os mais comuns.  Senhor e senhora Delírios: O senhor Delírios, como o público o nomeou, logo recebeu uma companheira (nada mais justo, baseá-la em minha real companheira), chamada de Senhora Delírios, ela é a personagem de maior interação com o protagonista, apesar de não conversarem verbalmente nas tiras, ela está sempre lá com seu companheirismo e carinho de sempre, ajudando a encarar os problemas e celebrar as vitórias.
  • 37. 34 Fonte: Página do Facebook, Delírios.12 12 Disponível em: https://www.facebook.com/DeliriosdoHud/photos/pb.1454970454749450.- 2207520000.1460752463./1654553284791165/?type=3&theater, acesso, Abril, 2016.
  • 38. 35  A cadelinha: Inspirada na cadelinha que tive, por muito tempo participou e protagonizou várias tiras, mas da mesma maneira que ela se foi, decidi que seria digno e menos doloroso mantê-la nos Delírios. Fonte: Página do Facebook, Delírios.13 13 Disponível em: https://www.facebook.com/DeliriosdoHud/photos/pb.1454970454749450.- 2207520000.1460752463./1666116116968215/?type=3&theater, acesso, Abril, 2016.
  • 39. 36  Irresponsabilidade: É um monstrinho que fez parte da série composta por sete tiras, chamada Irresponsável, que narram a história de um monstrinho alimentado pela irresponsabilidade e cresce junto com os problemas acumulados. Fonte: Página do Facebook, Delírios.14 14 Disponível em: https://www.facebook.com/DeliriosdoHud/photos/a.1520784388168056.1073741841.1454970454749450/15215 79161421912/?type=3&theater, acesso, Abril, 2016.
  • 40. 37  Estrelinha: Este personagem faz parte da primeira série lançada pelos Delírios, chamada “O Caçador de Estrelas”, que narra à história de uma estrela que caiu perto do personagem e é ajudada por ele a voltar para casa, mostrando o valor de uma amizade e de ajudar o próximo. Fonte: Página do Facebook, Delírios.15 3.4 REDES SOCIAIS: Segundo FRANCO (2004), os blogs tem sido a principal plataforma de divulgação das tirinhas digitais. Porém, atualmente isso mudou com a abrangência das redes sociais, elas tornaram mais fácil o acesso a este material, sendo mais intuitiva a pesquisa, disposição de imagens ou mesmo links para os blogs de tirinhas. 15 Disponível em: https://www.facebook.com/DeliriosdoHud/photos/a.1454977261415436.1073741829.1454970454749450/14549 77334748762/?type=3&theater, acesso, Abril, 2016.
  • 41. 38  Facebook É um site e serviço de rede social que foi lançado em 4 de fevereiro de 2004, operado e de propriedade privada da Facebook Inc. Em 4 de outubro de 2012, o Facebook atingiu a marca de 1 bilhão de usuários ativos, sendo por isso a maior rede social em todo o mundo. Em média 316.455 pessoas se cadastram, por dia, no Facebook, desde sua criação em 4 de fevereiro de 2004 (Wikipédia, a enciclopédia livre. Acessado em Abril de 2016). Com o grande número de pessoas acessando, torna-se automático o contato com as tirinhas digitais, uma vez que a rede edita o conteúdo baseado nos interesses dos usuários, o crescimento de acessos e interações é constante. Fonte: Álbuns da página do Facebook, Delírios16 16 Disponível em: https://www.facebook.com/DeliriosdoHud/photos_stream?tab=photos_albums, acesso, Abril, 2016.
  • 42. 39  Deviantart É uma empresa virtual estadunidense, formando uma rede social que permite aos artistas iniciantes e consagrados, exporem seus trabalhos, promovê-los, compartilhá-los bem como interagir com seus pares ou interessados, através do envio das imagens digitalizadas. Fundada em 2000, até março de 2013 o site possuía mais de 25 milhões de membros, que superavam 246 milhões de submissões. Em julho de 2011 foi avaliado como a 13ª maior rede social da internet, com 3,8 milhões de visitas semanais. A comunidade incorpora desde a fotografia digital, foto manipulação, arte tradicional e digital,mostrando muito da produção contemporânea, entre outros. (Wikipédia, a enciclopédia livre. Acessado em Abril de 2016). Dentro desta rede tenho contato com vários artistas, amadores ou não, que observam a produção, dando suas avaliações e críticas, além de expandir a o alcance das tirinhas para usuários internacionais. Galeria dedicada ao Delírios no Deviantart.17 17 Disponível em: http://hud-justino.deviantart.com/gallery/47997841/Delirios, acesso em Abril, 2016.
  • 43. 40  Feedbacks A vantagem de utilizar as redes sociais como veículo das tiras, é poder ver o retorno que os receptores têm com a produção, se estão agradando ou não, se surtem algum efeito social ou moral. As pessoas que comentam, além de mostrarem reconhecimento, ajudam a estimular a produção, ver imediatamente o resultado de um trabalho dá ânimo para continuá- lo.  Múltiplas interpretações Os delírios trazem aquele rápido momento de reflexão, que aos olhos do autor fazia um sentido, mas nem sempre para o receptor terá aquele mesmo sentido, as tiras permitem a todo o momento diversas maneiras de interpretá-las. Sendo assim, o objetivo é que, cada Delírio traga uma experiência única para cada expectador, divertir, esclarecer, ponderar, desdenhar, adorar e até inspirar as pessoas, é o que torna cada delírio uma história do próprio leitor para ele mesmo, cada um conversará com a obra à sua maneira, e principalmente, trazendo à tona a criança interior de cada um. CAPÍTULO IV: O CAÇADOR DE ESTRELAS: Uma série de sete Delírios que narram a jornada para devolver uma estrelinha que caiu do céu e onde podemos lembrar ou aprender; como é doloroso dizer adeus; relações de amizades e fundamentalmente fazer o que é certo acima de tudo. Contamos com a estética clássica dos Delírios em preto e branco, acrescida com os amarelos vibrantes da estrela como personagem central, além de outras cores usadas no meio da série para levantar o ar animado de uma grande aventura e dar vida a pequenos detalhes em meio às ilustrações. A exposição inicial aconteceu na Morada dos Baís em Campo Grande – MS e ocorreu entre os dias 02 de Dezembro de 2015 e 20 de Janeiro de 2016. As sete tiras foram distribuídas em quatro suportes de madeira, impressas em papel couche 230g fosco, em impressora de alta definição. O processo de produção para uma mídia física foi um pouco mais cuidadoso, quanto às medidas, o espaço, a iluminação, qualidade da impressão, posicionamento e leitura da obra, diferente de quando divulgo nas redes sociais. Durante a exposição, tive o prazer de dialogar diretamente com as pessoas que viram a obra e ver a reação delas, o encanto e suas próprias interpretações, é uma experiência diferente, ver o sorriso das pessoas ao lerem as tiras, vendo-as comentar com outras pessoas,
  • 44. 41 chamando seus filhos e amigos para verem também, foi um momento bem especial e único para mim, que apenas podia imaginar como as pessoas reagiam a um trabalho desse tipo. Fonte: Fotográfa Bruna Motta
  • 45. 42
  • 47. 44 CONSIDERAÇÕES FINAIS: As tirinhas sempre tiveram um papel importantíssimo em nossa cultura, mesmo em seus primórdios como atualmente, uma forma de arte que sobreviveu tantas mudanças tecnológicas e midiáticas, sem perder seu charme, carisma, poder opinativo, e claro, o senso de humor. De piadas simples a questionamentos existenciais, podemos dizer que as tiras cumprem bem seu papel como objeto de arte, textual e jornalístico. Com a pesquisa, pude aprofundar um projeto que servia apenas para desabafar e desenhar aos finais de dias puxados e transformá-los em peças de entretenimento e apreciação cultural, independente de qual for seu receptor, mais uma dentre muitas maneiras de lembrar que todos nós somos eternas crianças, mesmo que por dentro, é um sentimento fundamental para passar para gerações futuras, espero que os Delírios também possam exercer essa função, assim como tantas outras tiras consagradas e personagens que guardamos e levamos muitas dessas pequenas, mas poderosas, lições para nossas vidas.
  • 48. 45 REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS: MCCLOUD, Scott. Desvendando os quadrinhos. São Paulo: M. Books do Brasil Editora LTDA, 2005. ______. Reinventando os quadrinhos. São Paulo: M. Books do Brasil Editora LTDA, 2006. MARNY, Jacques. Sociologia das histórias aos quadradinhos. Portugal: Civilização, 1970. JENKINS, Henry. Cultura da convergência. 2 ed. São Paulo: Aleph, 2009. FRANCO, Edgar Silveira. Hqtrônicas. Do suporte papel à rede Internet. São Paulo, Annablume, 2004. EISNER, Will. Narrativas gráficas. São Paulo: Devir, 2005. BRAGA, Flávio; PATATI, Carlos. Almanaque dos quadrinhos: 100 anos de uma mídia. São Paulo: Ediouro, 2006. NICOLAU, Marcos. Tirinha: a síntese criativa de um gênero jornalístico. João Pessoa: Marca de Fantasia, 2007. SOUSA, Frederico Duarte, A análise estrutural da narrativa gráfica. UFG, Goiás, 2013. SANTAELLA, Lúcia. A crítica das mídias na entrada do século XXI. ADAIR PRADO, José Luiz. A crítica das práticas midiáticas: da sociedade de massas às ciberculturas. São Paulo: Hacker, p. 44-56, 2002. FREITAS, Deise J. T.; DUARTE, Rafael Soares. Literaturas entre o digital e o analógico, Teresina, Edupfi, P. 29-39, 2013. DUTRA, JOATAN PREIS. História & História em Quadrinhos. A utilização das HQs.Ilha de Santa Catarina – SC, 2002. BRUEH, Luís. Papo de autor. Recomendação: Delírios. Halifax. Canad. 2015. Disponível em: http://www.papodeautor.com.br/recomendacao-delirios/. Acessado em 10 de Abril de 2016.