SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
Associação Empresarial do Baixo Alentejo e Litoral
Associação Empresarial do Baixo Alentejo e Litoral
Apresentação do Baixo Alentejo e Alentejo Litoral
Factores de Atractividade do Território na Atracção de IDE
1- Enquadramento
2- Eixos Estratégicos
2.1 – Agricultura e Sector Agro-Alimentar
2.2- Turismo
2.3- Recursos Naturais e Minerais
2.4 – Industria Aeronáutica e Logística
2.5 – Energias Renováveis
3- Ensino e Formação
1 - Enquadramento
Área – 13.852,1 km2 (15% do território
nacional)
19 Concelhos
População – 217.954 pessoas (29,7% da
população do Alentejo e 2,12% da
população Nacional
Densidade Populacional – 15,7 hab/km2
1 - Enquadramento
2010 Agricultura, produçã
o
animal, caça, florest
a e pesca
Indústria Serviços
Portugal 2,2 23,3 74,4
Alentejo 9,3 24,5 66,2
Alentejo Litoral 12,2 31,7 56,1
Baixo Alentejo 11,5 29,0 59,5
VAB por sector de atividade (%)
Fonte: INE
1 - Enquadramento
VAB por sector de atividade (%)
0
10
20
30
40
50
60
70
80
Agricultura, produção
animal, caça, floresta
e pesca
Indústria Serviços
Portugal
Alentejo
Alentejo Litoral
Baixo Alentejo
1 - Enquadramento
2007 2008 2009 2010 2011
Portugal 38.294.062 38.847.346 31.963.763 36.762.238 42.325.641
Alentejo 2.303.737 2.190.691 1.699.198 2.164.814 2.622.163
Alentejo
Litoral
730.957 624.293 369.911 677.854 850.028
Baixo
Alentejo
489.992 430.975 336.757 418.439 505.881
Exportações de mercadorias (milhares de euros)
Fonte: INE
1 - Enquadramento
Exportações de mercadorias (milhares de euros)
0
500,000
1,000,000
1,500,000
2,000,000
2,500,000
3,000,000
2007 2008 2009 2010 2011
Alentejo
Alentejo Litoral
Baixo Alentejo
1 - Enquadramento
2007 2008 2009 2010
Portugal 15.961 16.191 15.848 16.223
Alentejo 14.840 14.847 14.314 14.695
Alentejo Litoral 22.727 23.217 19.446 19.519
Baixo Alentejo 15.008 14.077 14.925 15.666
PIB per capita a preços de mercado (euros)
Fonte: INE
1 - Enquadramento
Centralidade da Região:
Ligações Rodoviárias: a IP8
e a A2 colocam a região a
cerca de 1 hora e 45
minutos da capital; a IP8
coloca a região a cerca de
45 minutos de Espanha.
Ligações Aeroportuárias
Ligações Ferroviárias
2 - Eixos Estratégicos
2.1 – Agricultura e Sector Agroalimentar
2.2 – Turismo
2.3 - Recursos Naturais e Minerais
2.4 - Industria Aeronáutica e Logística
2.5 – Energias Renováveis
2.1 – Agricultura e Sector Agroalimentar
Um dos sectores tradicionais com potencialidades económicas
largamente diagnosticadas no território é o agroalimentar de
qualidade com bases fundadas nos produtos tradicionais da
Região, de que os mais conhecidos são o azeite, o pão, o vinho, o
queijo e os enchidos.
O Baixo Alentejo possui um património inigualável de produtos
tradicionais, conta com o know-how daqueles que de geração em
geração com o seu conhecimento e as suas técnicas se têm vindo a
dedicar à sua produção, preservando as condições ambientais
naturais, e respeitando os ecossistemas existentes e a
biodiversidade.
2.1 – Agricultura e Sector Agroalimentar
Assim, a importância na qualificação dos produtos tradicionais surge
na medida em que a sub-região usufrui de todas as condições
necessárias a este processo:
• Qualidade das matérias-primas e dos produtos
• Elevado número de produtos alentejanos com denominação de
origem protegida
• Rendibilidade do sector
• Elevadas Produções em sectores como o vinho, as carnes e o
queijo
• Clima e Solos
• Água
2.1 – Agricultura e Sector Agroalimentar
• Ainda assim, estão a ocorrer um conjunto de alterações
significativas neste sector, associadas ao regadio do Alqueva que
possibilitará a conversão de parte dos terrenos agrícolas
adaptando a produção aos padrões de consumo nacionais e
internacionais.
• O regadio do Alqueva surge ainda associado a diversas
potencialidades agrícolas e agroindustriais relacionados com a
produção de horto frutícolas frescos e congelados ou
transformados.
2.1 – Agricultura e Sector Agroalimentar
• Projeto Alqueva – Maior investimento Hidroagrícola em Portugal
• Investimento total 2.500 milhões €
• Área irrigada 120.000 ha
• Agricultores 7.000
• Água disponível 600 hm3/ano
• Garantia de Água > 3 anos
2.1 – Agricultura e Sector Agroalimentar
• Projeto Alqueva – Maior investimento Hidroagrícola em Portugal
PROJETO ALQUEVA
ÁREA DE INFLUÊNCIA
2.1 – Agricultura e Sector Agroalimentar
• EDIA – Apoio ao Investidor
Investidores
Culturas
Modelo de
Negócio
SISAP
Potencial da
Cultura
Agronómico
& Económico
Potencial Negócio
Perfil do Agricultor
& Terras Disponíveis
PROMOÇÃO DO
NEGÓCIO
2.2 Turismo
Oferta Turística
• O Alentejo concentra um total
de quase 13.000 camas
turísticas, crescimento
sustentado na última
década, TCMA de
4,6%, enquanto o mesmo
indicador verificado em
Portugal foi de 2,4%;
• Do total de oferta, os hotéis
concentram 5.744 camas
representando 45% da oferta
da região (os hotéis 5 estrelas
apenas agregam 308 camas
que demonstram um grande
potencial de crescimento).
2.2 Turismo
• Procura turística
• O Alentejo registou em 2011
um total de 1 244 000
dormidas o que representa
um crescimento de 6,1%
relativamente ao ano
anterior, registando um
crescimento médio anual de
3,9% tendo em consideração
a ultima década
(crescimento médio anual de
1,7% em Portugal no mesmo
período);
2.2 Turismo
• Procura turística
• Com um crescimento médio
anual de 3,3%, os
estrangeiros têm vindo a
aumentar a sua quota de
procura no Alentejo;
• Fatores como a reconhecida
gastronomia, o enoturismo,
o turismo rural e as nossas
praias fazem da região
Alentejo uma região de alto
potencial turístico.
2.3 Recursos Naturais e Minerais
• O Baixo Alentejo e Alentejo
Litoral possuiem recursos
naturais invejáveis ao nível da
silvicultura, das espécies
cinegéticas, ervas aromáticas e
medicinais, etc.
• Muitas atividades económicas
se desenvolvem por via destes
recursos, como a produção de
cortiça, mel, ervas aromáticas,
aguardente de medronho, etc.
2.3 Recursos Naturais e Minerais
• A indústria mineira localizada no Baixo Alentejo assume particular
relevância no panorama regional, nacional e europeu, e em
termos da U.E., Portugal constitui um dos maiores produtores de
Concentrados de Cobre e de Estanho.
• Por outro lado, a sua dimensão e relevância para a economia
regional do Alentejo, onde se localiza a totalidade da produção de
concentrados de cobre, faz desta indústria um Pólo dinamizador
com impacte significativo quer em termos económicos quer em
termos sociais.
2.3 Recursos Naturais e Minerais
• Responsável por esta produção é a empresa mineira “Somincor –
Sociedade Mineira de Neves Corvo, S.A.”, com sede em Castro
Verde, cuja atividade é a produção de concentrados de cobre,
estanho e zinco. Também a “Almina – Mina do Alentejo, S.A.”, com
sede em Aljustrel, localizada no Couto Mineiro de Aljustrel,
contribui para o mesmo Pólo com a produção de zinco e chumbo.
2.4 - Industria Aeronáutica e Logística
Aeroporto de Beja – Plataforma Logística
e Industrial
• Instalações aeroespaciais Aeronáutica
investigação e desenvolvimento;
• Manufatura, fabricação, montagem,
reparação, revisão, testes e
manutenção de aeronaves ou
aeronáutica / produtos aeroespaciais;
• Técnicos e profissionais aeronáuticos /
industriais aeroespaciais e de serviços
de apoio administrativo;
2.4 - Industria Aeronáutica e Logística
Aeroporto de Beja –
Plataforma
Logística e
Industrial
• Armazenagem de
carga aérea,
montagem de valor
agregado e
distribuição;
• Charters /
aeronaves privadas
e instalações e
outros serviços de
voo.
2.4 - Industria Aeronáutica e Logística
Porto de Sines – Plataforma Logística e Industrial
• Porto de águas profundas, apresenta condições
naturais ímpares na costa portuguesa para
acolher todos os tipos de navios;
• Líder nacional na quantidade de mercadorias
movimentadas;
• Dotado de 5 modernos terminais
especializados, podendo movimentar os
diferentes tipos de mercadorias;
• Principal porta de abastecimento energético do
país (petróleo e derivados, carvão e gás
natural).
2.4 - Industria Aeronáutica e Logística
Porto de Sines – Plataforma Logística e Industrial
• Dispõe ainda das acessibilidades terrestres adequadas ao tráfego atual,
existindo um plano de evolução rodo-ferroviário que irá permitir dar
resposta às projeções futuras de crescimento do porto e da sua área de
influência;
• Estas ligações deverão servir de elo de ligação, e potenciar
investimentos estruturantes como o Porto de Sines, o empreendimento
de fins múltiplos de Alqueva, o Aeroporto de Beja e os projetos
turísticos previstos para o litoral e o interior.
2.4 - Industria Aeronáutica e Logística
Porto de Sines – Plataforma Logística e Industrial
2.5 – Energias Renováveis
Na senda das últimas tendências
europeias ao nível dos sistemas de
produção energética sustentável, o Baixo
Alentejo tem vindo a realizar
investimentos significativos nesta área.
Beneficiando de condições bastante
favoráveis em termos do número de
horas de exposição solar, de relevo
significativamente plano e de uma Rede
Elétrica com capacidade para integrar a
energia solar, o Baixo Alentejo tem
atualmente um importante conjunto de
investimentos nesta área.
Central fotovoltaica da
amareleja
2.5 – Energias Renováveis
A produção de energia a partir dos diversos recursos endógenos
existentes no Baixo Alentejo, é considerada uma potencialidade deste
território, não só pela sua contribuição para a produção de riqueza,
mas também pela criação de emprego que é passível de gerar.
Os concelhos que integram esta sub-região têm apostado fortemente
neste sector nomeadamente no que concerne à energia fotovoltaica e
à energia eólica.
No que se refere à energia fotovoltaica, temos como exemplos:
A Central de Serpa – PFH Parque Fotovoltaico Hércules SA criada em
2007;
A Central de Moura – AMPER Central Solar SA, em funcionamento
desde Março de 2008;
2.5 – Energias Renováveis
No que se refere à energia fotovoltaica, temos como exemplos
(continuação):
• Central Solar de Mértola constituída pelas unidades Central de Sol
Poente, em funcionamento desde Abril de 2008;
• Central de Ferreira do Alentejo que conta com quatro unidades, a
tendo iniciado a sua produção desde Julho de 2008.
Quanto à energia eólica, A serra do Mú, em Almodôvar, ponto de
maior altitude do Baixo Alentejo, possibilitou a construção do maior
parque até hoje construído a sul do Tejo. O parque eólico da serra do
Mú abrange uma área total de 94 hectares das Freguesias de S.
Barnabé e de Almodôvar.
3 – Ensino e Formação
• O Baixo Alentejo está dotado de estabelecimentos de ensino superior, na
sua grande maioria agregados no Instituto Politécnico de Beja, como a
Escola Superior Agrária, Escola Superior de Tecnologia e Gestão, a Escola
Superior de Educação, e a Escola Superior de Saúde, contando ainda com
o Instituto Piaget de Vila Nova de Santo André.
• Existe uma aposta forte feita pela Região nas sinergias existentes para
alavancar o ensino e formação, sendo disso exemplo:
– a criação recente da Rede de Fomento do Empreendedorismo no Baixo
Alentejo e Alentejo Litoral;
– desenvolvimento de uma rede de incubadoras de empresas de base
tecnológica nas capitais de Distrito do Alentejo;
3 – Ensino e Formação
• Existe uma aposta forte feita pela Região nas sinergias que existentes
para alavancar o ensino e formação, sendo disso exemplo:
– o reforço da oferta formativa em parcerias internacionais;
– na criação do Sistema Regional de Transferência de Tecnologia que integra o
Parque de Ciência e Tecnologia do Alentejo
– a criação de uma plataforma integrada de infraestruturas científicas e
laboratoriais existentes no Alentejo e em cada sub-região
ESTIG – Escola Superior
de Tecnologia e Gestão
de Beja
Associação Empresarial do Baixo Alentejo e Litoral
Baixo Alentejo e Alentejo Litoral, Região de oportunidades

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Apresentação bx alentejo e alentejo litoral

Antonio parreira conferencia_aljustrel_2014_2
Antonio parreira conferencia_aljustrel_2014_2Antonio parreira conferencia_aljustrel_2014_2
Antonio parreira conferencia_aljustrel_2014_2DigitEmotions
 
PROPOSTA TEMÁTICA - O Alentejo é Futuro
PROPOSTA TEMÁTICA - O Alentejo é Futuro PROPOSTA TEMÁTICA - O Alentejo é Futuro
PROPOSTA TEMÁTICA - O Alentejo é Futuro Cláudio Carneiro
 
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenhoAgricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenhoIdalina Leite
 
Recursos do Subsolo
Recursos do SubsoloRecursos do Subsolo
Recursos do Subsoloana pinho
 
Tipos de turismo - Geografia
Tipos de turismo - Geografia Tipos de turismo - Geografia
Tipos de turismo - Geografia abarros
 
apresentao_angola_atualizada.pptx
apresentao_angola_atualizada.pptxapresentao_angola_atualizada.pptx
apresentao_angola_atualizada.pptxHelderLuisVieira
 
Grupo Insular de Molinos de Madeira
Grupo Insular de Molinos de MadeiraGrupo Insular de Molinos de Madeira
Grupo Insular de Molinos de MadeiraPTMacaronesia
 
Trabalho de Geografia A - Mértola
Trabalho de Geografia A - MértolaTrabalho de Geografia A - Mértola
Trabalho de Geografia A - Mértolacarolinagomesss
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografiacavip
 
Moção sectorial vinho congresso nacional js 2010
Moção sectorial vinho congresso nacional js 2010Moção sectorial vinho congresso nacional js 2010
Moção sectorial vinho congresso nacional js 2010 Vasco Casimiro
 
AS BOAS PRÁTICAS  COMO FACTOR DE DESENVOLVIMENTO  NO MUNDO RURAL
AS BOAS PRÁTICAS  COMO FACTOR DE DESENVOLVIMENTO  NO MUNDO RURALAS BOAS PRÁTICAS  COMO FACTOR DE DESENVOLVIMENTO  NO MUNDO RURAL
AS BOAS PRÁTICAS  COMO FACTOR DE DESENVOLVIMENTO  NO MUNDO RURALCláudio Carneiro
 
3 Exames nacionais Recursos Subsolo.pdf
3 Exames nacionais Recursos Subsolo.pdf3 Exames nacionais Recursos Subsolo.pdf
3 Exames nacionais Recursos Subsolo.pdfGuilherme20061
 
Estudo de caso Projectos em Almada financiados pela U.E - Madalena Daniel e...
Estudo de caso   Projectos em Almada financiados pela U.E - Madalena Daniel e...Estudo de caso   Projectos em Almada financiados pela U.E - Madalena Daniel e...
Estudo de caso Projectos em Almada financiados pela U.E - Madalena Daniel e...MadalenaRui
 
iMeeting: presentación David Mascarelhas, presidente CCDR ALGARVE
iMeeting: presentación David Mascarelhas, presidente CCDR ALGARVEiMeeting: presentación David Mascarelhas, presidente CCDR ALGARVE
iMeeting: presentación David Mascarelhas, presidente CCDR ALGARVEAgencia IDEA
 
Terminal XXI - Porto de Sines
Terminal XXI - Porto de SinesTerminal XXI - Porto de Sines
Terminal XXI - Porto de SinesTânia Domingos
 

Semelhante a Apresentação bx alentejo e alentejo litoral (20)

2º Encontro Nacional de Grupos de Acção Costeira (Aveiro) GAC Além Tejo
2º Encontro Nacional de Grupos de Acção Costeira (Aveiro) GAC Além Tejo2º Encontro Nacional de Grupos de Acção Costeira (Aveiro) GAC Além Tejo
2º Encontro Nacional de Grupos de Acção Costeira (Aveiro) GAC Além Tejo
 
Antonio parreira conferencia_aljustrel_2014_2
Antonio parreira conferencia_aljustrel_2014_2Antonio parreira conferencia_aljustrel_2014_2
Antonio parreira conferencia_aljustrel_2014_2
 
PROPOSTA TEMÁTICA - O Alentejo é Futuro
PROPOSTA TEMÁTICA - O Alentejo é Futuro PROPOSTA TEMÁTICA - O Alentejo é Futuro
PROPOSTA TEMÁTICA - O Alentejo é Futuro
 
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenhoAgricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
Agricultura Nacional - propostas para um melhor desempenho
 
Recursos do Subsolo
Recursos do SubsoloRecursos do Subsolo
Recursos do Subsolo
 
Tipos de turismo - Geografia
Tipos de turismo - Geografia Tipos de turismo - Geografia
Tipos de turismo - Geografia
 
apresentao_angola_atualizada.pptx
apresentao_angola_atualizada.pptxapresentao_angola_atualizada.pptx
apresentao_angola_atualizada.pptx
 
Ppt4
Ppt4Ppt4
Ppt4
 
Grupo Insular de Molinos de Madeira
Grupo Insular de Molinos de MadeiraGrupo Insular de Molinos de Madeira
Grupo Insular de Molinos de Madeira
 
Trabalho de Geografia A - Mértola
Trabalho de Geografia A - MértolaTrabalho de Geografia A - Mértola
Trabalho de Geografia A - Mértola
 
Grupo de Acção Costeira da Região de Aveiro
Grupo de Acção Costeira da Região de AveiroGrupo de Acção Costeira da Região de Aveiro
Grupo de Acção Costeira da Região de Aveiro
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
Moção sectorial vinho congresso nacional js 2010
Moção sectorial vinho congresso nacional js 2010Moção sectorial vinho congresso nacional js 2010
Moção sectorial vinho congresso nacional js 2010
 
AS BOAS PRÁTICAS  COMO FACTOR DE DESENVOLVIMENTO  NO MUNDO RURAL
AS BOAS PRÁTICAS  COMO FACTOR DE DESENVOLVIMENTO  NO MUNDO RURALAS BOAS PRÁTICAS  COMO FACTOR DE DESENVOLVIMENTO  NO MUNDO RURAL
AS BOAS PRÁTICAS  COMO FACTOR DE DESENVOLVIMENTO  NO MUNDO RURAL
 
3 Exames nacionais Recursos Subsolo.pdf
3 Exames nacionais Recursos Subsolo.pdf3 Exames nacionais Recursos Subsolo.pdf
3 Exames nacionais Recursos Subsolo.pdf
 
2º Encontro Nacional de Grupos de Acção Costeira (Aveiro) GAC Mondego Mar
2º Encontro Nacional de Grupos de Acção Costeira (Aveiro) GAC Mondego Mar2º Encontro Nacional de Grupos de Acção Costeira (Aveiro) GAC Mondego Mar
2º Encontro Nacional de Grupos de Acção Costeira (Aveiro) GAC Mondego Mar
 
Estudo de caso Projectos em Almada financiados pela U.E - Madalena Daniel e...
Estudo de caso   Projectos em Almada financiados pela U.E - Madalena Daniel e...Estudo de caso   Projectos em Almada financiados pela U.E - Madalena Daniel e...
Estudo de caso Projectos em Almada financiados pela U.E - Madalena Daniel e...
 
AULA 5 - COSTA RICA.pptx
AULA 5 - COSTA RICA.pptxAULA 5 - COSTA RICA.pptx
AULA 5 - COSTA RICA.pptx
 
iMeeting: presentación David Mascarelhas, presidente CCDR ALGARVE
iMeeting: presentación David Mascarelhas, presidente CCDR ALGARVEiMeeting: presentación David Mascarelhas, presidente CCDR ALGARVE
iMeeting: presentación David Mascarelhas, presidente CCDR ALGARVE
 
Terminal XXI - Porto de Sines
Terminal XXI - Porto de SinesTerminal XXI - Porto de Sines
Terminal XXI - Porto de Sines
 

Mais de Plataforma Empreendedor

Guia professor Academia Empreender Jovem
Guia professor Academia Empreender JovemGuia professor Academia Empreender Jovem
Guia professor Academia Empreender JovemPlataforma Empreendedor
 
Manual do Aluno - Academia Empreender Jovem
Manual do Aluno - Academia Empreender JovemManual do Aluno - Academia Empreender Jovem
Manual do Aluno - Academia Empreender JovemPlataforma Empreendedor
 
Plano de negocios_empreender e inovar no turismo
Plano de negocios_empreender e inovar no turismoPlano de negocios_empreender e inovar no turismo
Plano de negocios_empreender e inovar no turismoPlataforma Empreendedor
 
be Involved Coimbra - Apresentação Pedro Vaz Serra
be Involved Coimbra - Apresentação Pedro Vaz Serrabe Involved Coimbra - Apresentação Pedro Vaz Serra
be Involved Coimbra - Apresentação Pedro Vaz SerraPlataforma Empreendedor
 
be Involved Coimbra - Apresentação António Henriques
be Involved Coimbra - Apresentação António Henriquesbe Involved Coimbra - Apresentação António Henriques
be Involved Coimbra - Apresentação António HenriquesPlataforma Empreendedor
 
Luís Sousa e Ricardo Alves - be IN Algarve
Luís Sousa e Ricardo Alves - be IN AlgarveLuís Sousa e Ricardo Alves - be IN Algarve
Luís Sousa e Ricardo Alves - be IN AlgarvePlataforma Empreendedor
 
be Involved - Aveiro - José Carlos Mota
be Involved - Aveiro - José Carlos Motabe Involved - Aveiro - José Carlos Mota
be Involved - Aveiro - José Carlos MotaPlataforma Empreendedor
 
be Involved - AML - António Fonseca Ferreira
be Involved - AML - António Fonseca Ferreirabe Involved - AML - António Fonseca Ferreira
be Involved - AML - António Fonseca FerreiraPlataforma Empreendedor
 
be Involved - "Colaborar para Empreender" - APGICO
be Involved - "Colaborar para Empreender" - APGICObe Involved - "Colaborar para Empreender" - APGICO
be Involved - "Colaborar para Empreender" - APGICOPlataforma Empreendedor
 

Mais de Plataforma Empreendedor (20)

Guia professor Academia Empreender Jovem
Guia professor Academia Empreender JovemGuia professor Academia Empreender Jovem
Guia professor Academia Empreender Jovem
 
Manual do Aluno - Academia Empreender Jovem
Manual do Aluno - Academia Empreender JovemManual do Aluno - Academia Empreender Jovem
Manual do Aluno - Academia Empreender Jovem
 
Sara nerbe
Sara nerbeSara nerbe
Sara nerbe
 
Ppt trienal alentejo_template
Ppt trienal alentejo_templatePpt trienal alentejo_template
Ppt trienal alentejo_template
 
Plano de negocios_empreender e inovar no turismo
Plano de negocios_empreender e inovar no turismoPlano de negocios_empreender e inovar no turismo
Plano de negocios_empreender e inovar no turismo
 
Cefpe sessão de_23_abril_2013
Cefpe sessão de_23_abril_2013Cefpe sessão de_23_abril_2013
Cefpe sessão de_23_abril_2013
 
Maisfitness essência
Maisfitness  essênciaMaisfitness  essência
Maisfitness essência
 
Iluztra apresentação be-in
Iluztra apresentação be-inIluztra apresentação be-in
Iluztra apresentação be-in
 
be Involved Coimbra - Apresentação Pedro Vaz Serra
be Involved Coimbra - Apresentação Pedro Vaz Serrabe Involved Coimbra - Apresentação Pedro Vaz Serra
be Involved Coimbra - Apresentação Pedro Vaz Serra
 
be Involved Coimbra - Apresentação António Henriques
be Involved Coimbra - Apresentação António Henriquesbe Involved Coimbra - Apresentação António Henriques
be Involved Coimbra - Apresentação António Henriques
 
Luís Sousa e Ricardo Alves - be IN Algarve
Luís Sousa e Ricardo Alves - be IN AlgarveLuís Sousa e Ricardo Alves - be IN Algarve
Luís Sousa e Ricardo Alves - be IN Algarve
 
Jânio Monteiro - be IN Algarve
Jânio Monteiro - be IN AlgarveJânio Monteiro - be IN Algarve
Jânio Monteiro - be IN Algarve
 
be IN - Apresentção Algarve
be IN - Apresentção Algarvebe IN - Apresentção Algarve
be IN - Apresentção Algarve
 
be Involved - Aveiro - José Carlos Mota
be Involved - Aveiro - José Carlos Motabe Involved - Aveiro - José Carlos Mota
be Involved - Aveiro - José Carlos Mota
 
be Involved - AML - António Fonseca Ferreira
be Involved - AML - António Fonseca Ferreirabe Involved - AML - António Fonseca Ferreira
be Involved - AML - António Fonseca Ferreira
 
be Involved - "Colaborar para Empreender" - APGICO
be Involved - "Colaborar para Empreender" - APGICObe Involved - "Colaborar para Empreender" - APGICO
be Involved - "Colaborar para Empreender" - APGICO
 
Apresentação apgico
Apresentação apgicoApresentação apgico
Apresentação apgico
 
Sandra Vicente - be IN Coimbra
Sandra Vicente - be IN Coimbra Sandra Vicente - be IN Coimbra
Sandra Vicente - be IN Coimbra
 
Joana Ramos - be IN Coimbra
Joana Ramos - be IN CoimbraJoana Ramos - be IN Coimbra
Joana Ramos - be IN Coimbra
 
Fernando Mendes - be IN Coimbra
Fernando Mendes - be IN CoimbraFernando Mendes - be IN Coimbra
Fernando Mendes - be IN Coimbra
 

Apresentação bx alentejo e alentejo litoral

  • 1. Associação Empresarial do Baixo Alentejo e Litoral
  • 2. Associação Empresarial do Baixo Alentejo e Litoral
  • 3. Apresentação do Baixo Alentejo e Alentejo Litoral Factores de Atractividade do Território na Atracção de IDE 1- Enquadramento 2- Eixos Estratégicos 2.1 – Agricultura e Sector Agro-Alimentar 2.2- Turismo 2.3- Recursos Naturais e Minerais 2.4 – Industria Aeronáutica e Logística 2.5 – Energias Renováveis 3- Ensino e Formação
  • 4. 1 - Enquadramento Área – 13.852,1 km2 (15% do território nacional) 19 Concelhos População – 217.954 pessoas (29,7% da população do Alentejo e 2,12% da população Nacional Densidade Populacional – 15,7 hab/km2
  • 5. 1 - Enquadramento 2010 Agricultura, produçã o animal, caça, florest a e pesca Indústria Serviços Portugal 2,2 23,3 74,4 Alentejo 9,3 24,5 66,2 Alentejo Litoral 12,2 31,7 56,1 Baixo Alentejo 11,5 29,0 59,5 VAB por sector de atividade (%) Fonte: INE
  • 6. 1 - Enquadramento VAB por sector de atividade (%) 0 10 20 30 40 50 60 70 80 Agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca Indústria Serviços Portugal Alentejo Alentejo Litoral Baixo Alentejo
  • 7. 1 - Enquadramento 2007 2008 2009 2010 2011 Portugal 38.294.062 38.847.346 31.963.763 36.762.238 42.325.641 Alentejo 2.303.737 2.190.691 1.699.198 2.164.814 2.622.163 Alentejo Litoral 730.957 624.293 369.911 677.854 850.028 Baixo Alentejo 489.992 430.975 336.757 418.439 505.881 Exportações de mercadorias (milhares de euros) Fonte: INE
  • 8. 1 - Enquadramento Exportações de mercadorias (milhares de euros) 0 500,000 1,000,000 1,500,000 2,000,000 2,500,000 3,000,000 2007 2008 2009 2010 2011 Alentejo Alentejo Litoral Baixo Alentejo
  • 9. 1 - Enquadramento 2007 2008 2009 2010 Portugal 15.961 16.191 15.848 16.223 Alentejo 14.840 14.847 14.314 14.695 Alentejo Litoral 22.727 23.217 19.446 19.519 Baixo Alentejo 15.008 14.077 14.925 15.666 PIB per capita a preços de mercado (euros) Fonte: INE
  • 10. 1 - Enquadramento Centralidade da Região: Ligações Rodoviárias: a IP8 e a A2 colocam a região a cerca de 1 hora e 45 minutos da capital; a IP8 coloca a região a cerca de 45 minutos de Espanha. Ligações Aeroportuárias Ligações Ferroviárias
  • 11. 2 - Eixos Estratégicos 2.1 – Agricultura e Sector Agroalimentar 2.2 – Turismo 2.3 - Recursos Naturais e Minerais 2.4 - Industria Aeronáutica e Logística 2.5 – Energias Renováveis
  • 12. 2.1 – Agricultura e Sector Agroalimentar Um dos sectores tradicionais com potencialidades económicas largamente diagnosticadas no território é o agroalimentar de qualidade com bases fundadas nos produtos tradicionais da Região, de que os mais conhecidos são o azeite, o pão, o vinho, o queijo e os enchidos. O Baixo Alentejo possui um património inigualável de produtos tradicionais, conta com o know-how daqueles que de geração em geração com o seu conhecimento e as suas técnicas se têm vindo a dedicar à sua produção, preservando as condições ambientais naturais, e respeitando os ecossistemas existentes e a biodiversidade.
  • 13. 2.1 – Agricultura e Sector Agroalimentar Assim, a importância na qualificação dos produtos tradicionais surge na medida em que a sub-região usufrui de todas as condições necessárias a este processo: • Qualidade das matérias-primas e dos produtos • Elevado número de produtos alentejanos com denominação de origem protegida • Rendibilidade do sector • Elevadas Produções em sectores como o vinho, as carnes e o queijo • Clima e Solos • Água
  • 14. 2.1 – Agricultura e Sector Agroalimentar • Ainda assim, estão a ocorrer um conjunto de alterações significativas neste sector, associadas ao regadio do Alqueva que possibilitará a conversão de parte dos terrenos agrícolas adaptando a produção aos padrões de consumo nacionais e internacionais. • O regadio do Alqueva surge ainda associado a diversas potencialidades agrícolas e agroindustriais relacionados com a produção de horto frutícolas frescos e congelados ou transformados.
  • 15. 2.1 – Agricultura e Sector Agroalimentar • Projeto Alqueva – Maior investimento Hidroagrícola em Portugal • Investimento total 2.500 milhões € • Área irrigada 120.000 ha • Agricultores 7.000 • Água disponível 600 hm3/ano • Garantia de Água > 3 anos
  • 16. 2.1 – Agricultura e Sector Agroalimentar • Projeto Alqueva – Maior investimento Hidroagrícola em Portugal PROJETO ALQUEVA ÁREA DE INFLUÊNCIA
  • 17. 2.1 – Agricultura e Sector Agroalimentar • EDIA – Apoio ao Investidor Investidores Culturas Modelo de Negócio SISAP Potencial da Cultura Agronómico & Económico Potencial Negócio Perfil do Agricultor & Terras Disponíveis PROMOÇÃO DO NEGÓCIO
  • 18. 2.2 Turismo Oferta Turística • O Alentejo concentra um total de quase 13.000 camas turísticas, crescimento sustentado na última década, TCMA de 4,6%, enquanto o mesmo indicador verificado em Portugal foi de 2,4%; • Do total de oferta, os hotéis concentram 5.744 camas representando 45% da oferta da região (os hotéis 5 estrelas apenas agregam 308 camas que demonstram um grande potencial de crescimento).
  • 19. 2.2 Turismo • Procura turística • O Alentejo registou em 2011 um total de 1 244 000 dormidas o que representa um crescimento de 6,1% relativamente ao ano anterior, registando um crescimento médio anual de 3,9% tendo em consideração a ultima década (crescimento médio anual de 1,7% em Portugal no mesmo período);
  • 20. 2.2 Turismo • Procura turística • Com um crescimento médio anual de 3,3%, os estrangeiros têm vindo a aumentar a sua quota de procura no Alentejo; • Fatores como a reconhecida gastronomia, o enoturismo, o turismo rural e as nossas praias fazem da região Alentejo uma região de alto potencial turístico.
  • 21. 2.3 Recursos Naturais e Minerais • O Baixo Alentejo e Alentejo Litoral possuiem recursos naturais invejáveis ao nível da silvicultura, das espécies cinegéticas, ervas aromáticas e medicinais, etc. • Muitas atividades económicas se desenvolvem por via destes recursos, como a produção de cortiça, mel, ervas aromáticas, aguardente de medronho, etc.
  • 22. 2.3 Recursos Naturais e Minerais • A indústria mineira localizada no Baixo Alentejo assume particular relevância no panorama regional, nacional e europeu, e em termos da U.E., Portugal constitui um dos maiores produtores de Concentrados de Cobre e de Estanho. • Por outro lado, a sua dimensão e relevância para a economia regional do Alentejo, onde se localiza a totalidade da produção de concentrados de cobre, faz desta indústria um Pólo dinamizador com impacte significativo quer em termos económicos quer em termos sociais.
  • 23. 2.3 Recursos Naturais e Minerais • Responsável por esta produção é a empresa mineira “Somincor – Sociedade Mineira de Neves Corvo, S.A.”, com sede em Castro Verde, cuja atividade é a produção de concentrados de cobre, estanho e zinco. Também a “Almina – Mina do Alentejo, S.A.”, com sede em Aljustrel, localizada no Couto Mineiro de Aljustrel, contribui para o mesmo Pólo com a produção de zinco e chumbo.
  • 24. 2.4 - Industria Aeronáutica e Logística Aeroporto de Beja – Plataforma Logística e Industrial • Instalações aeroespaciais Aeronáutica investigação e desenvolvimento; • Manufatura, fabricação, montagem, reparação, revisão, testes e manutenção de aeronaves ou aeronáutica / produtos aeroespaciais; • Técnicos e profissionais aeronáuticos / industriais aeroespaciais e de serviços de apoio administrativo;
  • 25. 2.4 - Industria Aeronáutica e Logística Aeroporto de Beja – Plataforma Logística e Industrial • Armazenagem de carga aérea, montagem de valor agregado e distribuição; • Charters / aeronaves privadas e instalações e outros serviços de voo.
  • 26. 2.4 - Industria Aeronáutica e Logística Porto de Sines – Plataforma Logística e Industrial • Porto de águas profundas, apresenta condições naturais ímpares na costa portuguesa para acolher todos os tipos de navios; • Líder nacional na quantidade de mercadorias movimentadas; • Dotado de 5 modernos terminais especializados, podendo movimentar os diferentes tipos de mercadorias; • Principal porta de abastecimento energético do país (petróleo e derivados, carvão e gás natural).
  • 27. 2.4 - Industria Aeronáutica e Logística Porto de Sines – Plataforma Logística e Industrial • Dispõe ainda das acessibilidades terrestres adequadas ao tráfego atual, existindo um plano de evolução rodo-ferroviário que irá permitir dar resposta às projeções futuras de crescimento do porto e da sua área de influência; • Estas ligações deverão servir de elo de ligação, e potenciar investimentos estruturantes como o Porto de Sines, o empreendimento de fins múltiplos de Alqueva, o Aeroporto de Beja e os projetos turísticos previstos para o litoral e o interior.
  • 28. 2.4 - Industria Aeronáutica e Logística Porto de Sines – Plataforma Logística e Industrial
  • 29. 2.5 – Energias Renováveis Na senda das últimas tendências europeias ao nível dos sistemas de produção energética sustentável, o Baixo Alentejo tem vindo a realizar investimentos significativos nesta área. Beneficiando de condições bastante favoráveis em termos do número de horas de exposição solar, de relevo significativamente plano e de uma Rede Elétrica com capacidade para integrar a energia solar, o Baixo Alentejo tem atualmente um importante conjunto de investimentos nesta área. Central fotovoltaica da amareleja
  • 30. 2.5 – Energias Renováveis A produção de energia a partir dos diversos recursos endógenos existentes no Baixo Alentejo, é considerada uma potencialidade deste território, não só pela sua contribuição para a produção de riqueza, mas também pela criação de emprego que é passível de gerar. Os concelhos que integram esta sub-região têm apostado fortemente neste sector nomeadamente no que concerne à energia fotovoltaica e à energia eólica. No que se refere à energia fotovoltaica, temos como exemplos: A Central de Serpa – PFH Parque Fotovoltaico Hércules SA criada em 2007; A Central de Moura – AMPER Central Solar SA, em funcionamento desde Março de 2008;
  • 31. 2.5 – Energias Renováveis No que se refere à energia fotovoltaica, temos como exemplos (continuação): • Central Solar de Mértola constituída pelas unidades Central de Sol Poente, em funcionamento desde Abril de 2008; • Central de Ferreira do Alentejo que conta com quatro unidades, a tendo iniciado a sua produção desde Julho de 2008. Quanto à energia eólica, A serra do Mú, em Almodôvar, ponto de maior altitude do Baixo Alentejo, possibilitou a construção do maior parque até hoje construído a sul do Tejo. O parque eólico da serra do Mú abrange uma área total de 94 hectares das Freguesias de S. Barnabé e de Almodôvar.
  • 32. 3 – Ensino e Formação • O Baixo Alentejo está dotado de estabelecimentos de ensino superior, na sua grande maioria agregados no Instituto Politécnico de Beja, como a Escola Superior Agrária, Escola Superior de Tecnologia e Gestão, a Escola Superior de Educação, e a Escola Superior de Saúde, contando ainda com o Instituto Piaget de Vila Nova de Santo André. • Existe uma aposta forte feita pela Região nas sinergias existentes para alavancar o ensino e formação, sendo disso exemplo: – a criação recente da Rede de Fomento do Empreendedorismo no Baixo Alentejo e Alentejo Litoral; – desenvolvimento de uma rede de incubadoras de empresas de base tecnológica nas capitais de Distrito do Alentejo;
  • 33. 3 – Ensino e Formação • Existe uma aposta forte feita pela Região nas sinergias que existentes para alavancar o ensino e formação, sendo disso exemplo: – o reforço da oferta formativa em parcerias internacionais; – na criação do Sistema Regional de Transferência de Tecnologia que integra o Parque de Ciência e Tecnologia do Alentejo – a criação de uma plataforma integrada de infraestruturas científicas e laboratoriais existentes no Alentejo e em cada sub-região ESTIG – Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Beja
  • 34. Associação Empresarial do Baixo Alentejo e Litoral Baixo Alentejo e Alentejo Litoral, Região de oportunidades