Gestão ambiental e saneamento

270 visualizações

Publicada em

Constituem, atualmente, em preocupação nas decisões dos empresários e nos programas de imagem institucional das organizações. A legislação poderá punir uma empresa que transgrida padrões de qualidade em suas descargas e emissões ou que introduza modificações indesejadas no meio ambiente. Essas punições vão desde simples multa quanto uma interdições.

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
270
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gestão ambiental e saneamento

  1. 1. GESTÃO AMBIENTAL A Gestão Ambiental visa ordenar as atividades humanas para que estas originem o menor impacto possível sobre o meio. Esta organização vai desde a escolha das melhores técnicas até o cumprimento da legislação e a alocação correta de recursos humanos e financeiros.
  2. 2. NBR ISO 14001 • mais voltada à implantação de um modelo de gestão ambiental nas organizações podendo integrar-se a outros modelos de gestão.
  3. 3. ESTUDO IMPACTO AMBIENTAL • um instrumento constitucional da Política Ambiental um dos elementos do processo de avaliação de impacto ambiental. Trata-se da execução, por equipe multidisciplinar, das tarefas técnicas e científicas destinadas a analisar, sistematicamente, as conseqüências da implantação de um projeto no meio ambiente, por métodos de AIA e técnicas de previsão dos impactos ambientais. • A Resolução CONAMA nº 01/86, ao tratar do assunto cita as atividades que precisam elaborar EIA/RIMA, sem contudo excluir outras que o órgão ambiental competente possa exigir conforme sua avaliação
  4. 4. AIA – AVALIAÇÃO IMPACTOS AMBIENTAIS • É um instrumento preventivo usado nas políticas de ambiente e gestão ambiental com o intuito de assegurar que um determinado projeto possível de causar de danos ambientais seja analisado de acordo com os prováveis impactos no meio ambiente e que esse mesmos impactos sejam analisados e tomados em consideração no seu processo de aprovação
  5. 5. Impacto Ambiental Qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente, causada por qualquer forma de matéria ou energia resultante das atividades humanas que, direta ou indiretamente, afetam a saúde, a segurança e o bem-estar da população; as atividades sociais e econômicas; a biota, as condições estéticas e sanitárias do meio ambiente; a qualidade dos recursos ambientais. Podendo ser benéfico/positivo ou adverso/negativo.
  6. 6. Critério valor - IMPACTO BENÉFICO/ POSITIVO
  7. 7. ADVERSO/ NEGATIVO
  8. 8. poluição dos solos • pode ser causada pelo seu mau uso (exploração mineral de forma irracional, aplicação de pesticidas, queimadas...) e pela disposição incorreta de resíduos sólidos ou efluentes líquidos que podem também além de contaminar o próprio solo, alcançar o lençol freático da região gerando uma questão de poluição das águas.
  9. 9. Impacto reversível ou irreversível Critério plástica
  10. 10. Critério ordem - Impacto direto ou indireto simples relação de causa e efeito • Reação em cadeia
  11. 11. Critério de espaço - Impacto local, regional ou estratégico
  12. 12. Critério tempo – curto prazo ou médio e longo prazo • Curto – aparece na hora da ação • Médio ou longo – aparece certo tempo depois
  13. 13. Critério dinâmica – temporário, cíclico ou permanente
  14. 14. Camadas solo e os principais constituintes Ar 20%, água 5%, minerais e matérias orgânicas
  15. 15. poluição das águas • acontece quando da introdução de substâncias que, por suas ações físicas, químicas ou biológicas, degradam a qualidade da água e afetam os organismos vivos existentes nela.
  16. 16. poluição do ar • é causada pelo acúmulo de substâncias cujas concentrações podem ser nocivas ao homem e ao meio ambiente.
  17. 17. Radiações ionizantes • (Energia Nuclear) – vazamentos e perdas ocorridos em centrais nucleares, equipamentos médicos utilizados em radioterapia e exames radiológicos ou ainda rejeitos de algumas instalações de mineração que exploram minerais radioativos.
  18. 18. Poluição sonora • gerada em grandes conglomerados urbanos ou nas atividades industriais que não foram adequadamente projetadas para controlar a propagação dos ruídos resultantes dos processos de produção.
  19. 19. Dosímetro de Ruído
  20. 20. ÁGUA
  21. 21. DISTRIBUIÇÃO DA ÁGUA
  22. 22. poluição orgânica • resíduos orgânicos por serem degradados por bactérias presentes na água, provocam um consumo excessivo de oxigênio, podendo ocasionar um fenômeno de mortandade de peixes por asfixia.
  23. 23. Presença de nutrientes • nitratos, fosfatos, são substâncias que provocam a eutrofização das águas, isto é, o crescimento descontrolado das populações de algas e plantas aquáticas que acabam consumindo muito oxigênio em seu processo de decomposição, além de contribuírem para o assoreamento de corpos de d’água principalmente em lagos. A fonte que contribui para a presença dessas substâncias na água podem advir da agricultura através dos fertilizantes, dejetos animais advindos da pecuária e conglomerados urbanos, por exemplo, sabões e detergentes são fortes contribuintes de fosfato.
  24. 24. Presença de produtos tóxicos • podem ser considerados nesta categoria, metais pesados, ácidos, solventes, pesticidas, herbicidas quando usados indiscriminadamente.
  25. 25. Poluição térmica • proveniente do lançamento de águas de resfriamento em temperatura superior à do corpo d’água, podendo provocar: aumento da atividade bacteriana e conseqüente aumento no consumo de oxigênio; redução da solubilidade do oxigênio na água; diminuição da densidade da água contribuindo para uma decantação de microorganismos que servem de alimento para peixes e pequenos animais aquáticos etc.
  26. 26. RESUMO • O lançamento de resíduos sólidos e efluentes em corpos d’água, sem prévio tratamento, é uma prática condenada, passível de autuação legal, assim como o despejo desses resíduos em mares e oceanos já está proibido por tratados internacionais. Os poluentes que merecem atenção, no caso de tratamento de águas residuais, são os metais pesados, óleos, graxas, sulfetos, fenóis, cianetos, fluoretos além de produtos químicos orgânicos de um modo geral. Deve-se também corrigir alguns parâmetros de qualidade de água considerados importantes para caracterizar a sua potabilidade: acidez ou alcalinidade, turbidez, coloração, cargas orgânicas elevadas e temperatura, quando for muito diferente da temperatura natural do corpo d’água receptor.

×