UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE                              UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL                        Tecno...
JUSTIFICATIVA:      Sabedora da importância da leitura no cotidiano escolar como fonte de reflexão, interpretação ecrescim...
encantadora e contextual. Que nesta construção de saberes tornem-se cidadãos conscientes de seu ser epertencer no mundo.3....
E assim como Queirós (1999):                       “As palavras são portas e janelas. Se debruçarmos e repararmos, nos ins...
confeccionar os materiais e orientações sobre o uso da mesma, que fará parte do material constante nela.  Dentro desta mal...
1h – Exposição de livros na biblioteca e Feira do Livro na Escola;               1h – Ouvir história com CD e livro de lit...
BAMBERGER, Richard. Como Incentivar o Hábito de Leitura. São Paulo: Ática, 2000CADORIN, Severino. Monografia e Tese Passo ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Leitura@Tecnologia

1.424 visualizações

Publicada em

Projeto de Ação para incentivar a leitura

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.424
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Leitura@Tecnologia

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL Tecnologias da Informação e Comunicação na Educação PROJETO DE AÇÃO NA ESCOLA: COMUNICAÇÃO E EDUCAÇÃO NA WEB Maria Conceição de Melo LEITURA @ TECNOLOGIASTEMA: Formação de alunos leitores que sintam prazer em ler adquirindo o hábito da leitura como também daescrita através de multimídias onde o aluno terá oportunidade de interagir com diversos tipos de literaturae tecnologias.PÚBLICO: Alunos do 4ºe 5º ano da Escola Estadual de Ensino Fundamental Jovelino Theodoro, localizada emSanto Antônio da Patrulha, zona rural, pertencente a 11ª Coordenadoria Regional de Educação- Osório-RS. O nível sócio econômico da comunidade é baixo. A escola possui 13 professores, 5 funcionários e141alunos sendo que nestas turmas de amostra para o projeto são 22 alunos.INTRODUÇÃO Percebendo a educação como um aprender a aprender “Piaget tem mostrado que, desde o princípio, aprópria criança exerce controle sobre a obtenção e organização de sua experiência do mundo exterior”(Piaget, apud Goulart, 1984. p. 12) sendo assim é a protagonista da sua auto aprendizagem, onde éconstruída paulatinamente de forma cognitiva e interacionista, da ação e reação contextualizadaresultando numa mudança de hábitos e atitudes é que acredito que a leitura é um caminho que resulta noaprender a aprender. Procurando integrar as metodologias educativas através dos (AVAs) Ambientes Virtuais deAprendizagens, (PAs) Projetos de Aprendizagens e (UA) Unidades de Aprendizagens que percebe aeducação num contexto de interação do sujeito com o mundo, ultrapassando o espaço escola e incidindosobre a vida do educando é que penso numa prática pedagógica com projetos que oportunizem aconstrução do saber. Neste contexto de mundo em que as tecnologias digitais da comunicação e informação formam umarede de busca pelo conhecimento torna-se visivelmente crucial que acompanhemos esta evoluçãotecnológica procurando resignificar o modo de como a leitura é vista por nossos alunos e pais. Utilizando os Projetos de Ensino Aprendizagem, que partem do interesse do aluno promovendo amotivação e uma autonomia na construção do saber onde os agentes envolvidos interagem construindo ereconstruindo conhecimento como ser pensante e atuante é que proponho meu Projeto de Ação nestecontexto da Biblioteca Escolar.
  2. 2. JUSTIFICATIVA: Sabedora da importância da leitura no cotidiano escolar como fonte de reflexão, interpretação ecrescimento intelectual. Da sua função lúdica, de informação, de prazer e de interações nas redes sociais,no contexto político e cultural. Da inter relação entre leitura e escrita e diante das constatações sobre onível do aprendizado de nossos alunos em diversos meios como vestibulares, avaliações externas dasescolas e queixas constantes dos professores assim como estatísticas em feiras de livros com relação àformação de leitores é que penso em desenvolver um projeto de ação que possibilite o gosto pela leitura. As razões que me motivaram a escolher este tema são pelo fato da Biblioteca Escolar ser meu espaçode trabalho e por acreditar no poder da leitura para o desenvolvimento integral do aluno, tanto cognitivoquanto cultural e emocional também pelas possibilidades de múltiplas leituras que a biblioteca oferece. Neste projeto quero motivar nosso aluno a gostar de ler e a descobrir o encanto dos livros dehistorinhas, de CDs, DVDs junto ao ambiente familiar promovendo a integração entre família e escola e aresponsabilidade da mesma com as tarefas de seus filhos através da multimídia. A simples leitura, assimcomo ouvir, ver e assistir fábulas, poesias, cantiga, histórias e refletir sobre estas junto à família é umimportante encontro para fortalecer as relações de confiança entre pais e filhos. Como incentivadora de leitura acredito que a mesma é crucial para a aprendizagem do ser humano,pois é por meio dela que podemos descobrir novos valores, favorecer nosso autoconhecimento, dinamizaro raciocínio, estimular a imaginação, a fantasia, o lúdico e a dramatização. O hábito de ler deve serestimulado na infância como algo importante e prazeroso. Cabe a escola este desafio, pois através delapromoverá o trabalho de questões do cotidiano que aparecem nos conteúdos de várias disciplinas eproporcionará a capacidade de interpretação, informação e criticidade. Despertando assim a necessidade ea pertinência do poder da leitura. Penso que assim as crianças terão a oportunidade de viver uma experiência encantadora que aliteratura pode proporcionar e ao mesmo tempo irão despertando o hábito da leitura que vai ajudar no seudesempenho na escola e na vida.OBJETIVO GERAL:1. Reconhecer a relevância da leitura na formação de novos leitores no processo ensino aprendizagem ecomo mecanismo de lazer, cultura, comunicação, informação e formação interligando biblioteca etecnologias de comunicação e informação.OBJETIVOS ESPECÍFICOS:1. Dinamizar a Biblioteca Escolar oferecendo um espaço de contestação do saber através do aprender pelaleitura junto às novas tecnologias de informação e comunicação.2. Propiciar ambientes motivadores que oportunizem a aproximação dos alunos com a literatura, de forma
  3. 3. encantadora e contextual. Que nesta construção de saberes tornem-se cidadãos conscientes de seu ser epertencer no mundo.3. Criar um espaço de encantamento, onde a fantasia se misture a realidade buscando preencher asnecessidades básicas de afeto, auto-estima e auto realização através de um programa lúdico de leitura emultimídias.4. Promover ações que desencadeie o gosto e o hábito da leitura assim como conscientizar da importânciapara desenvolver sua capacidade de observar, imaginar, descobrir e pensar.5. Motivar a descobrir o encanto dos contos de fadas e histórias infantis junto ao ambiente familiarpromovendo a integração e harmonia familiar e escolar e a responsabilidade com as tarefas do filho emparceria com a escola.REFERENCIAL TEÓRICO: Educar na cultura digital junto a biblioteca escolar implica em inovar o ambiente de aprendizagemimplícito através da literatura e pesquisa que permeiam este espaço. Pensando assim é fundamental que oprofessor bibliotecário busque infinitas possibilidades de interação e crie diferentes oportunidades paramotivar alunos e educadores a aventurar-se nas páginas dos livros, formando o hábito de ler. Os desafiosque as inovações tecnológicas da atualidade trazem para o cotidiano de ensino e aprendizagens na escolapassam, com certeza, pelas bibliotecas escolares. Desafio este que se acumula a antigos que é de tornar abiblioteca um espaço dinâmico e contextualizado. "o conhecimento humano é essencialmente coletivo, e a vida social constitui um dos fatores essenciais da formação e do crescimento dos conhecimentos...” (Piaget, 1973 p.17). O que justifica a preocupação contestadora partindo do fato de que as tecnologias avançam numavelocidade rápida e os currículos escolares não acompanham esta velocidade, constatando a angustiavivenciada e experimentada por todos nós educadores reforçando a importância da interatividade onde aaprendizagem acontece de forma que o conhecimento não parte nem do sujeito, nem do objeto, mas dainteração que permite possibilidades do aprender coletivamente. Presente nos meios de comunicaçãovirtual, tão visitado e integrado aos hábitos diários dos educandos da contemporaneidade. Justificando assim a difusão e incorporação dos AVA no meio escolar de acordo com Vieira e Vaniel:“O indivíduo, através da interação, poderá ampliar e seu conhecimento, (re) significando-o e, com isso,desenvolver e colaborar para a construção de uma sociedade aprendente.” e “Enfim trabalhar com AVA noensino fundamental proporciona não só aos discentes, como também aos docentes, oportunidades de transformar ereconstruir saberes existentes em aprendizagens significativas.” Em conformidade com esta nova visão do aprendente a Biblioteca Escolar procura formas de interagircontextualizada propondo uma ação inovadora e atual em sintonia com a realidade do mundo dainformação e da comunicação ao qual o aluno esta inserido.
  4. 4. E assim como Queirós (1999): “As palavras são portas e janelas. Se debruçarmos e repararmos, nos inscrevemos na paisagem. Se destrancarmos as portas, o enredo do universo nos visita. Ler é somar-se ao mundo, é iluminar-se com a claridade do já decifrado. Escrever é dividir-se. Cada palavra descortina um horizonte, cada frase anuncia outra estação. E os olhos, tomando as rédeas, abrem caminhos, entre linhas, para as viagens do pensamento. O livro é passaporte, é bilhete de partida.... A leitura acorda no sujeito dizeres insuspeitados enquanto redimensiona entendimentos. Há trabalho mais definitivo, há ação mais absoluta do que essa de aproximar o homem do livro?” O projeto de ação na Biblioteca Escolar prevê no seu conteúdo além da sistematização e efetivação dogosto e o hábito da leitura uma nova visão deste espaço escolar por entender o mesmo como um processode interação entre o lúdico e a realidade, possibilitando nestes novos tempos a vitoria do respeito, dadignidade e a consciência de si e do outro independente da posição social, da raça, credos e crença. A leitura é um diálogo franco, cristalino e único, posto que a cada releitura as significações se dilatame fortalecem segundo Pennac (1999, p. 84).PROCEDIMENTOS: Num primeiro momento iniciarei minha proposta investigando os alunos sobre quais literaturasconhecem e se gostam de ler proporcionando situações que entre em contato com estas através:1. De exposição de livros na biblioteca escolar, onde terão a oportunidade de conhecer, manusear,observar, interagir com os colegas e outras literaturas;2. Ouvir histórias através de CDs interativos, com narração de histórias oportunizando ao mesmo tempo omanuseio dos livros;3. Promover uma sessão de cinema com DVDs, Data Show ou Vídeos de histórias infantis e contos defadas;4. Levar a Sala Digital e interagir com sites de contos infantis narrados e animados ou Vídeos com ashistorias de Monteiro Lobato;5. Participar de sarau Poético com declamações de poemas, quadrinhas, poesias, charadas e advinhas;6. Assistir peças de teatro e Contação de histórias com diferentes técnicas;7. Divertir-se com brincadeiras e rodas cantadas ouvindo CDs e interpretando as músicas com gestos ecoreografias;8. Retirar livrinhos de literatura infantil e infanto-juvenil levando para casa e efetuando a troca a cadasemana; Durante estas atividades de motivação os alunos serão convidados a participar do Projeto MalaEncantada, onde cada um fará a apresentação da mala usando uma das atividades exploradas acima. Os alunos participarão da construção da mala desenhando, colando gravuras, pintando e ajudando a
  5. 5. confeccionar os materiais e orientações sobre o uso da mesma, que fará parte do material constante nela. Dentro desta maleta o professor colocará um kit multimídia composto por livros de literaturas, CDs eDVDs de acordo com a faixa etária de cada aluno. Haverá também um envelope lacrado, de EVA ou TNTque chamaremos de Segredo. Dentro dele será colocada uma atividade ou brincadeira ou jogos oubrinquedos e também os DVDs e CDs que será sempre uma surpresa para quem levar a mala. Fará partedo conteúdo da mala materiais didáticos como lápis, borracha, giz de cera, folhas de ofício para execuçãoda tarefa e brinquedos como bichinho de pelúcia ou carrinho ou boneco ou a boneca Emília e um mimoque poderá ser um pirulito, bala, balão, etc. O critério utilizado para que o aluno leve a Mala para sua casa será sorteio através de fichas como onome dos alunos participantes e será u ma vez a cada semana. Serão fixadas dentro da maleta as normas, as orientações, a descrição e objetivo do projeto,resumidamente, permitindo que a família entenda o mesmo e também um bilhete de autorização eresponsabilidade sobre a participação no projeto e conservação dos materiais contidos. Será feito também um cartaz do projeto e malinhas onde o nome do aluno sorteado ficará expostodurante o tempo em que estiver com ela. Com o suporte e envolvimento da família, a criança escreverásua história a partir da história escolhida e criará uma técnica para a contação. Os registros serão feitos através de fotos, filmagens, slides, ficha de leitor, produção dos alunos esocialização dos mesmos no blog. Para culminância faremos um acoplamento das tecnologias digitais junto à literatura construindo vídeodidático no Movie Maker com as fotos das histórias recontadas e Power Point contendo a digitalização daconstrução dos alunos, seus desenhos e escritas no slideshare ou e-book. Postaremos no blog e noYoutube socializado com toda a comunidade escolar na Feira Pedagógica da escola, onde os alunos farãoa recepção dos convidados, demonstrado seu trabalho e divulgando o endereço de acesso na internetatravés de um cartão com fotos, nome do projeto e site.CRONOGRAMA: O Projeto de Ação terá como subsídio a proposta de aprendizagem construtivista segundo Piaget “Oprofessor não ensina, mas arranja modos de a própria criança descobrir. Cria situações-problemas”. O tempo do desenvolvimento do projeto será de 4h semanal com os alunos do 4°ano, a partir de abril de2011.MÊS ATIVIDADESAbril/4h 1 h – Abertura da Biblioteca com os teatros feitos com os alunos da escola: “A Pílula Falante” e a “A vida é um Pisca Pisca” sobre Monteiro Lobato; 1h – Visitação na Biblioteca conhecendo o ambiente e as normas;
  6. 6. 1h – Exposição de livros na biblioteca e Feira do Livro na Escola; 1h – Ouvir história com CD e livro de literatura infantil.Maio/4h 1h – Sessão cinema contos de fada na Sala de Aula Digital no Data Show; 1h – Hora do Conto com fantoche “Aurora a Arara Cantora” de Gládis Ferrão. 1h – Apresentação do Projeto “Mala Encantada” com o sorteio do aluno e retirada de livros de literatura; 1h – Contar história da “Mala Encantada” e troca dos livros de literatura.Junho-4h 2h – Contar história da “Mala Encantada” e troca dos livros de literatura; 1h – Hora do Conto com avental e troca dos livros de literatura; 1h – Acessar sites com Contos de Fadas na Sala de Aula Digital da Escola.Agos– 4h 2h – Contar história da “Mala Encantada” e troca dos livros de literatura; 2h – Sessão cinema com DVD de histórias infantis troca de livros de literatura.Set- 4h 4h – Contar a história da “Mala Encantada” e troca dos livros de literatura.Out - 4h 2h – Contar a história da “Mala Encantada” e troca dos livros de literatura. 2h – Criação do Movie Maker, slideshere, e-book e postagem no blog.Nov – 4h 1 h – Construção Power Point, Postagem no Youtube; 3 h – Culminância e Socialização com a comunidade escolar.RECURSOS: No desenvolvimento do Projeto de Ação teremos como recursos humanos toda a comunidade escolardesde os alunos, professores e pais; Como recursos tecnológicos utilizarão recursos da escola como a Salade Aula Digital, Data Show, Movie Maker, Slideshere, Youtube, Blog, Som, CD, DVD, TV, assim comoas tecnologias de uso do aluno partido do celular,mp3mp4mp5 aos laptops; Materiais de literatura, umavariedade de recursos e jogos didáticos, fantoches, mala e outros. Buscaremos apoio financeiro através daescola, dos órgãos competentes que a mantém e da própria comunidade escolar, para a concretização daprática dos mesmos.RFERENCIAS BIBLIOGRÁFICA:ALVARADO, Maitê. O Leiturão: Jogos Para Despertar Leitores. São Paulo: Ática, 2000.ANGELOS, Maria Clara dos. Hora do conto: Incentivo à leitura. In: Revista do professor. Ano I,junho, 1985.ANTUNES, Celso. A Criatividade na Sala de Aula. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.
  7. 7. BAMBERGER, Richard. Como Incentivar o Hábito de Leitura. São Paulo: Ática, 2000CADORIN, Severino. Monografia e Tese Passo a Passo. Rio de Janeiro: Sotese, 2002.CARRAHER, Terezinha Nunes org. Aprender Pensando: Contribuições da Psicologia Cognitiva para aEducação. 2ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1986FAGUNDES, Lea; LAURINO, Débora; SATO, Luciane. Aprendizes do Futuro: as inovaçõescomeçaram! 2 ed. Brasília: MEC/PROINFO, 2006.FILHO, Jair Rosário e Nobre, Júlio César: Meu Artigo » Educação » Ação cultural da práticabibliotecária. Site visitadohttp://meuartigo.brasilescola.com/educacao/acao-cultural-pratica-bibliotecaria.htmFREIRE, Paulo. A Importância do Ato de Ler: em três artigos que se completam. 22 ed. São Paulo:Cortez, 1988. 80p.GOULART, Iris Barbosa. Piaget: Experiências Básicas para utilização pelo professor. 2ed.Petrópolis,RJ:Vozes,1984.124p.LÉVY, Pierre. As Tecnologias da Inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. SãoPaulo: Editora 34, 1993. RENCIAS:KUHLTAU, Carol. Como usar a biblioteca na escola: um programa de atividades para o ensinofundamental. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.VANIEL, Berenice Vahl, Adamatti, Diana e Moraes, Maritza Costa. Texto adaptado do Projeto deAção do Curso de Especialização em Educação Ambiental – versão 2007 EAD/FURG, comautorização da Prof.ª Maria do Carmo Galliazzi.

×