Respiração

131 visualizações

Publicada em

1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
131
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Respiração

  1. 1. RespiraçãoPara que o organismo de qualquer animal ou vegetal funcione, é preciso energia. Esta energia vem de reações químicasque ocorrem continuamente na respiração intracelular.As reações bioquímicas que ocorrem entre o oxigênio e a glicose, por exemplo, fornecem às células energia para manter todas asatividades. Quanto mais energia o corpo precisa, mais glicose e oxigênio são gastos nessa reação.Esportes de longa duração, por exemplo, exigem do atleta mais fôlego e resistência, pois os músculos devem trabalhar durantemuito tempo e precisam estar bem oxigenados. Além disso, o atleta possui um gasto energético superior ao de um não atleta, poissuas atividades consomem muita energia; por isso deve seguir uma dieta diferenciada, balanceada e rica em carboidratos, que lheforneça energia e proteína, além de vitaminas e minerais, responsáveis por uma boa formação da estrutura muscular, óssea efisiológica.Os pulmões podem sofrer expansão e relaxamento pelos movimentos de subida ou descida do diafragma, o que aumentaou diminui a cavidade torácica, e pela elevação e depressão das costelas, o que aumenta ou diminui o diâmetro antero-posterior dacavidade torácica.Os músculos que elevam a caixa torácica podem ser chamados músculos da inspiração, e os que a relaxam são osmúsculos da expiração. A respiração normal é realizada quase inteiramente pelo movimento do diafragma, mas, na respiraçãomáxima, o aumento nos diâmetros do tórax deve-se mais da metade à dilatação dos pulmões.Os músculos respiratórios realizam a ventilação pulmonar ao comprimir e expandir alternadamente os pulmões, o que, por sua vez,faz a pressão do interior dos alvéolos elevar-se e cair.A ventilação pulmonar normal é realizada quase inteiramente pelos músculos da inspiração. A inspiração se faz pelacontração da musculatura inspiratória, enquanto que a expiração, em condições de repouso, é passiva, ou seja, não há contraçãoda musculatura expiratória.Durante a inspiração, a cavidade torácica aumenta de volume e os pulmões se expandem para preencher o espaço deixado. Com oaumento da capacidade pulmonar, a pressão interna alveolar torna-se ligeiramente menor do que a pressão atmosférica, e isto faz oar entrar pelas vias respiratórias.A inspiração é seguida imediatamente pela expiração, que provoca a diminuição do volume pulmonar e a expulsão do gás. Porémainda permanece um volume de ar nos pulmões, o volume residual.O volume residual representa o ar que não pode ser removido dos pulmões mesmo pela expiração forçada.Isto é importante porque permite a oxigenação do sangue pelo ar alveolar, mesmo entre as respirações. Se não fosse o ar residual,as concentrações de oxigênio e gás carbônico no sangue sofreriam subidas e descidas significativas em cada respiração, o queseria certamente uma desvantagem para o processo respiratório.Ventilação dos alvéolosUm fator importante no processo da ventilação pulmonar é a velocidade com a qual o ar alveolar é renovado a cadaminuto pelo ar atmosférico; essa renovação chama-se ventilação alveolar.Na inspiração, a maior parte do ar renovado deve primeiro preencher as vias respiratórias, vias nasais, faringe, traquéia, brônquios,antes de atingir os alvéolos.Na expiração, todo o ar contido nas vias respiratórias é expirado primeiro, antes que o ar dos alvéolos possa chegar à atmosfera.A ventilação alveolar é um dos principais fatores a determinar as concentrações de oxigênio e gás carbono nos alvéolos.Diversos fatores modificam a ventilação, como alterações na frequência no volume corrente (quantidade de ar inspirada ou expiradaespontaneamente em cada ciclo respiratório) e também no ritmo.Difusão de gases nos tecidosOs gases importantes na respiração são altamente solúveis em lipídios e, conseqüentemente, muito solúveis nasmembranas celulares. Por este motivo, os gases se difundem facilmente através das membranas das células.Por outro lado, o limite mais importante para a movimentação dos gases nos tecidos é a velocidade na qual os gases podemdifundir-se através dos líquidos teciduais, e não através das membranas celulares.Além do gradiente de difusão (os gases se difundem de áreas de maior pressão para as de menor pressão),outros fatores afetam a velocidade de difusão de um gás num líquido: a solubilidade do gás no líquido; a distância na qual ogás deve difundir-se; o peso molecular do gás; a viscosidade do líquido e a temperatura do líquido (estes dois último fatorespermanecem razoavelmente constantes no organismo).Composição do ar alveolarO ar alveolar não apresenta a mesma concentração de gases que o ar atmosférico. Existem várias razõespara essas diferenças:O ar alveolar é só parcialmente substituído pelo ar atmosférico em cada movimento respiratório;O oxigênio está constantemente sendo absorvido do ar alveolar;O gás carbônico está constantemente sendo adicionado ao ar alveolar;O ar atmosférico seco que entra nas vias respiratórias é umedecido antes de atingir os alvéolos.O umedecimento do ar reduz a pressão parcial do oxigênio, no nível do mar, de 159mmHg (milímetro de mercúrio) no ar atmosféricopara 100mmHg no ar alveolar, reduzindo também a pressão parcial dos outros gases no ar inspirado.
  2. 2. Velocidade na qual o ar alveolar é renovado pelo ar atmosféricoA quantidade de ar que permanece nos pulmões ao término de uma expiração normal mede aproximadamente 2300ml.Em cada movimento respiratório normal, apenas 350 ml de ar novo são trazidos para os alvéolos.Assim, a quantidade de ar alveolar substituído por ar atmosférico, em cada movimento respiratório, é bem pequena, demodo que são necessários muitos movimentos respiratórios para substituir todo o ar alveolar.A renovação lenta do ar alveolar é importante para impedir súbitas mudanças nas concentrações gasosas no sangue.Isso torna o mecanismo de controle respiratório muito mais estável do que seria em outras condições e impede reduções eaumentos excessivos na oxigenação dos tecidos, no gás carbono e no pH tecidual quando a respiração é temporariamenteinterrompida.Concentração de oxigênio nos alvéolosO oxigênio está continuamente sendo absorvido pelo sangue, e o oxigênio atmosférico está continuamente penetrandonos alvéolos.Quanto mais rapidamente é absorvido o oxigênio, menor se torna a sua concentração alveolar; por outro lado, quantomais rapidamente é trazido oxigênio da atmosfera para os alvéolos, maior se torna a sua concentração.Concentração de gás carbono nos alvéolosO gás carbono está sendo continuamente formado no organismo, sendo levado para os alvéolos e removido dos alvéolospelo processo de ventilação.Logo, a concentração de oxigênio e gás carbônico nos alvéolos é determinada pela velocidade de absorção ou deexcreção, respectivamente, desses dois gases e também pela ventilação alveolar.Membrana pulmonar ou respiratóriaAs trocas gasosas entre o ar alveolar e o sangue pulmonar ocorrem através das membranas de todas as porçõesterminais dos pulmões. As membranas são conhecidas coletivamente como membranas respiratórias ou pulmonares.Uma porção terminal compreende um bronquíolo respiratório, ductos alveolares, sacos alveolares e alvéolos (existemcerca de 250 milhões em ambos os pulmões).O epitélio destas estruturas é uma membrana muito delgada, e os gases alveolares ficam bem próximos ao sangue doscapilares.Os gases, para se transferirem dos alvéolos para o sangue, e vice-versa, precisam atravessar uma "barreira alveolar".Esta é formada pelos seguintes componentes: líquido que banha os alvéolos, epitélio alveolar, membrana basal do epitélio,pequeno espaço intersticial entre o epitélio alveolar e a membrana capilar, membrana basal do capilar e membrana endotelial docapilar.
  3. 3. Transporte através da membrana respiratóriaAs hemácias precisam se deformar para passar através dos capilares pulmonares, porque seu diâmetro é bem pequeno(cerca de 7 micrômetros). A membrana da hemácia habitualmente toca a parede capilar a fim de que o O2 e o gás carbônico nãoprecisem passar através do plasma quando se difundem, e isso auxilia a rapidez da difusão.Alguns fatores combinados determinam com que rapidez um gás poderá atravessar a membrana:1 - espessura da membranaPode aumentar muito em consequência, geralmente, da presença de líquido de edema no espaço intersticial damembrana. O líquido pode, também, acumular-se nos alvéolos, de modo que os gases devam difundir-se não só através damembrana, mas também através do líquido. Qualquer fator que aumente a espessura da membrana (como a fìbrose dos pulmões)pode interferir na velocidade de difusão dos gases através da membrana.2 - área da membrana respiratóriaPode ser reduzida, por exemplo, com a remoção de um dos pulmões, o que reduz a área para a metade do normal. Oenfisema faz com que os alvéolos se unam com a dissolução do septo interalveolar. A área total da membrana respiratória éconsideravelmente reduzida, devido à perda do septo alveolar. Com isso, a troca de gases através da membrana ésignificativamente impedida, mesmo em repouso.3 - coeficiente de difusão do gás (velocidade de difusão através de uma dada área para uma determinada distância)O transporte de cada gás através da membrana respiratória depende da sua solubilidade na membrana e de seu pesomolecular. Por exemplo, o CO2 se difunde através da membrana cerca de 20 vezes mais rápido do que o O2 . Este se difunde 2vezes mais depressa do que o nitrogênio.4 - gradiente de pressãoA pressão parcial representa uma medida do número total de moléculas de um determinado gás, que atinge uma área da membranaalveolar. E a pressão do mesmo gás no sangue representa o número de moléculas que atingem a mesma área da membrana dolado oposto. A diferença entre essas duas pressões, pressão parcial do gás nos alvéolos e sua pressão no sangue, é o gradiente depressão.

×