Exercícios de antropologia, sociologia e sociologia jurídica 1

1.574 visualizações

Publicada em

Exercicios Antropologia

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.574
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Exercícios de antropologia, sociologia e sociologia jurídica 1

  1. 1. Sabrina Bitencourt Ribeiro – Direito 2B 1ª Questão O que é aculturação? O fato de os imigrantes italianos terem introduzido no Brasil o consumo de massas nas refeições regulares, um importante aspecto da sua cultura original, indica que houve aculturação do povo brasileiro? Justifique sua resposta. R: Se dá quando duas culturas diferentes a partir da sua convivência, de forma que a cultura de um sofre ou exerce influência sobre a construção cultural do outro. Sim, o convívio do povo brasileiro com os italianos ocasionou a adoção da cultura italiana de se consumir massa. 2ª Questão Explique o significado da sentença “a Antropologia é a ciência da alteridade”. R: Alteridade é o estudo das diferenças, é o conhecimento do outro. Antropologia é a ciência que estuda o homem por inteiro. A Antropologia busca a possibilidade de uma visão mais ampla do mundo e a alteridade vem a contribuir 3ª Questão A reportagem a seguir, publicada no jornal Folha de São Paulo, enfoca a influência da cultura até mesmo sobre aspectos físicos do ser humano. Analise a notícia e procure explicar a relação entre natureza e cultura. Como surgiu o costume “A admiração chinesa por pés pequenos, ou atrofiados, nasceu em 920, segundo pesquisas históricas. O imperador Li Yu se deixou seduzir por uma concubina que dançava com os pés enfaixados para que se parecessem com uma lua crescente. O costume atravessou dinastias chinesas e se sofisticou em 76 formas diferentes de se enfaixar os pés. Depois da queda da dinastia Qing, em 1911, criou-se a figura do “inspetor de pés”. Cabia a ele verificar se estava sendo respeitada a proibição dessa prática. O poder republicano, no entanto, não conseguia impor sua vontade nas regiões mais remotas da China. Enfaixar os pés sobreviveu alguns anos, até diminuir no início dos anos 30. Em 1931, a invasão japonesa desferiu um forte golpe contra o costume imperial. As mulheres com os pés atrofiados não conseguiam se Exercício de Antropolo gia, Sociologia e Sociologia Jurídica Prof. Márcio José Pella
  2. 2. Página2 movimentar com a velocidade necessária para fugir do invasor e muitas acabavam sendo violentadas. Os camponeses então começaram a abrir mão do costume. Foi apenas o regime comunista que conseguiu livrar definitivamente a China da prática de enfaixar o pé. Algumas mulheres na casa dos 80 anos ainda mantêm faixas, por que com elas sentem menos dores. Os panos protegem os pés. R: Natureza é tudo o que á em nós por hereditariedade biológica; a cultura é, ao contrário, tudo do que possuímos da tradição externa (Cloude Lévi- Strauss). A admiração por pés pequenos é a natureza que originou o costume de se enfaixar os pés, passando a ser cultura. 4ª Questão Em seu livro Le Regardeloigné (O olhar distante), Cloude Lévi- Strauss afirma “quando queremos estudar os homens, é preciso olhar à nossa volta, mas quando queremos conhecer o homem é preciso aprender a olhar mais longe. Podemos afirmar que com essa frase, o antropólogo está defendendo o uso do estruturalismo? Explique! R: sim. Para Cloude Lévi-Strauss o estruturalismo relaciona o estudo de todos os elementos observáveis, os grupos e as instituições. É através da análise dos dados empíricos e do entendimento dos seus significados. Isso está além do que está a nossa volta. 5ª Questão O etnocentrismo pode ser definido como uma “atitude emocionalmente condicionada que leva a considerar e julgar sociedades culturalmente diversas com critérios fornecidos pela própria cultura. Assim, compreende-se a tendência para menosprezar ou odiar culturas cujos padrões se afastam ou divergem dos da cultura do observador que exterioriza a atitude etnocêntrica. (...) Preconceito racial, nacionalismo, preconceito de classe ou de profissão, intolerância religiosa são algumas formas de etnocentrismo”. (WILLEMS, E. Dicionário de Sociologia. Porto Alegre: Editora Globo, 1970. p. 125.) Com base no texto e nos conhecimentos de sociologia, assinale a alternativa cujo discurso revela uma atitude etnocêntrica: a) A existência de culturas subdesenvolvidas relaciona-se à presença, em sua formação, de etnias de tipo incivilizado.
  3. 3. Página3 b) Os povos indígenas possuem um acúmulo de saberes que podem influenciar as formas de conhecimentos ocidentais. c) Os critérios de julgamento das culturas diferentes devem primar pela tolerância e pela compreensão dos valores, da lógica e da dinâmica própria a cada uma delas. d) As culturas podem conviver de forma democrática, dada a inexistência de relações de superioridade e inferioridade entre as mesmas. e) O encontro entre diferentes culturas propicia a humanização das relações sociais, a partir do aprendizado sobre as diferentes visões de mundo. 6ª Questão (UFUB) Assinale a opção que indica o emprego correto do conceito de cultura na perspectiva da antropologia: a) A cultura diz respeito aos atributos a - históricos que singularizam um povo; b) A cultura de um povo é determinada pelo meio natural; c) A cultura é herdada biologicamente e condiciona o comportamento dos povos; d) A cultura é uma forma de linguagem que tem origem simbólica; 7ª Questão (Enen – 2012) Na regulamentação de matérias culturalmente delicadas, como, por exemplo, a linguagem oficial, os currículos da educação pública, o status das Igrejas e das comunidades religiosas, as normas do direito penal (por exemplo, quanto ao aborto), mas também em assuntos menos chamativos, como, por exemplo, a posição da família e dos consórcios semelhantes ao matrimônio, à aceitação de normas de segurança ou a delimitação das esferas pública e privada — em tudo isso reflete-se amiúde apenas o autoentendimento ético-político de uma cultura majoritária, dominante por motivos históricos. Por causa de tais regras, implicitamente repressivas, mesmo dentro de uma comunidade republicana que garanta formalmente a igualdade de direitos para todos, pode eclodir um conflito cultural movido pelas minorias desprezadas contra a cultura da maioria. HABERMAS, J. A inclusão do outro: estudos de teoria política.São Paulo:Loyola,2002 A reivindicação dos direitos culturais das minorias, como exposto por Habermas, encontra amparo nas democracias contemporâneas, na medida em que se alcança.
  4. 4. Página4 a) a secessão, pela qual a minoria discriminada obteria a igualdade de direitos na condição da sua concentração espacial, num tipo de independência nacional. b) a reunificação da sociedade que se encontra fragmentada em grupos de diferentes comunidades étnicas, confissões religiosas e formas de vida, em torno da coesão de uma cultura política nacional. c) a coexistência das diferenças, considerando a possibilidade de os discursos de auto entendimento se submeterem ao debate público, cientes de que estarão vinculados à coerção do melhor argumento. d) a autonomia dos indivíduos que, ao chegarem à vida adulta, tenham condições de se libertar das tradições de suas origens em nome da harmonia da política nacional. e) o desaparecimento de quaisquer limitações, tais como linguagem política ou distintas convenções de comportamento, para compor a arena política a ser compartilhada.

×