Danças folclóricas

23.539 visualizações

Publicada em

0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
23.539
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
361
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Danças folclóricas

  1. 1. DANÇAS FOLCLÓRICAS NA DANÇA/EDUCAÇÃOProf. Esp. Rosely Modesto Silvaroselyymodesto@hotmail.com
  2. 2. INTRODUÇÃO Num passado remoto, o homem primitivo, ao ensinar suas crianças e introduzir o jovem ao esforço humanitário, instituiu convenções das várias formas de ordens política e econômica na sociedade humana, sendo que estas características originadas das percepções do esforço traduziram-se em formas de comunicação e expressão e dentre estas formas surgiram as danças religiosas e nacionais (folclóricas); A Dança Folclórica nada mais é do que o efeito das consequências dos impulsos gerados por esforços definidos e causados pelos aspectos funcionais do sentir, pensar e agir de uma comunidade; Com as mudanças culturais sofridas pelas comunidades a dança vai também acompanhando o processo evolutivo adaptando-se, às vezes, espontaneamente como uma aquisição do próprio homem, outras vezes quase que impostas por culturas dominadoras.
  3. 3.  Dessa forma, a dança modifica-se muitas vezes tornando algo totalmente importado, desvinculada das raízes do homem que a está praticando; A miscigenação, no Brasil, é um forte fator para a profusão dos ritmos e danças em decorrência das características étnicas o que geram uma diversidade dentre os aspectos e características diversas; Desde os primeiros contatos dos europeus com indígenas brasileiros, o processo de aculturação e transculturação se iniciou; Dos valores culturais o que teve maior significação para o colonizador foi a língua. Além disso persistiram práticas mágicas, produtos culinários, implementos de caça e pesca, meios de transporte, flora medicinal e os aspectos ritualísticos onde a dança era parte importante.
  4. 4.  A dança era primordialmente funcional. O índio ama seus rituais. Sua vida gira em torno deles. São as marcas do tempo; Com o passar do tempo, o europeu passa a comercializar a mão-de-obra escrava e o africano, juntamente com o europeu, combinará o processo transcultural que marcou profundamente o folclore brasileiro; Tanto os indígenas quanto os africanos perdem contínua e irreversivelmente os seus valores originais, através da troca e aceitação de novos padrões na vida social e na cultural; Quanto aos negros que para cá vieram eram de diversas culturas diferentes, pois segundo Arthur Ramos, os três principais grupos seguem a seguinte distribuição: culturas sudanesas, culturas sudanesas-negro- maometanas e culturas bantos; Os portugueses também trouxeram suas danças, muitas já influenciadas por outros povos europeus, principalmente o espanhol e os árabes.
  5. 5.  A modinha e lundu surgiram na metade do séc. XVIII. O maxixe surge por volta de 1870. O que se dançava nos salões da camada rica da sociedade do Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo, eram as mazurcas, polcas, valsas e quadrilhas de origem europeia. Enquanto isso, o povo fazia suas danças à parte, transculturando suas formas originais; As danças folclóricas brasileiras possuem características regionais. Dependendo da influência étnica do lugar, ela terá mais aspectos indígenas como nos estados como Amazonas e Pará; africanos como na Bahia, Minas e Rio de Janeiro; ou europeus como nos estados do Sul do país; Além das influências étnicas nas Danças, evidenciam também o sincretismo religioso “afro-católico” que é aspecto decorrente do primeiro a influenciar as manifestações folclóricas e típicas em nosso país. Portanto, cada região brasileira possui características étnicas e culturais diversificada que influenciam o pensar, sentir e agir das respectivas regiões.
  6. 6. DANÇAS FOLCLÓRICASAs Danças Folclóricas são: expressões abertas de emoções, idéias, significado especial; representação de usos, costumes, acontecimentos que constituíram o tempo estrutural e conjuntural em parte da história de um povo; padrões, costumes, maneiras e atividades espontâneas e naturais da vida e experiências significativas de um povo, perpetuadas de geração em geração, da mesma maneira resguardando assim, sua tradicionalidade; passos básicos, configurações espaciais, ritmos próprios, termos e idiomas; gestos e passos ou atividades características, conotações peculiares de um povo como bater de palmas e pés, valsas e sarandeios; formas – passar de geração em geração de maneira rígida, as tradições e costumes;
  7. 7. DANÇAS FOLCLÓRICASAs Danças Folclóricas são: fixas em suas características elementares, porém podem apresentar variações de província em província e sofre influências também na linguagem verbal; divulgação de conhecimento (história, sociologia, antropologia, músicas, aspectos petóricos, conotações corporais); Sentido lúdico utilitário, graça e atributos, diferentes papéis da vida social. Danças folclóricas brasileiras foram embasadas entrebrasileiros nativos e grupos étnicos radicados no Brasil(portugueses, africanos, holandeses, franceses, colonos,italianos, alemães, austríacos, poloneses, finlandeses,russos, suecos, japoneses e outros) que com sua bagagem detradição e cultura trouxeram vasta e valorosa contribuição.
  8. 8. DANÇAS POPULARES As Danças Folclóricas resguardam características essencialmente fixas. São danças naturais que resguardam tradicionalismo e determinados costumes de um povo. Elas resguardam uma evolução natural e espontânea do conjunto de atividades diárias, o desenvolvimento de experiências dos povos perpetuadas de geração a geração. Possuem aspectos diversos e estabelecem as diferenças e variações musicais de região para região.
  9. 9. DANÇAS NACIONAIS São as tradicionais de determinado país que tornaram mais populares, mais praticadas e tem efetivamente diferenças em suas origens, usos, costumes e idiomas. Estas danças geralmente decorrem adaptações a condições climáticas (geográficas) emocionais ou as tradições (incidências e permanências) e têm em seu tempo estrutural a conjuntural seus aspectos mais relevantes. Ex: samba, czardas, cossacos, square dance, tarantela e valsas.
  10. 10. DANÇAS REGIONAIS As Danças Regionais são as mais praticadas e dançadas em uma região de um país. Ex: Forró – Nordeste; Samba – Sudeste; Carimbó – Norte; Chimarrita – Sul; Siriri – Centro-Oeste.
  11. 11. DANÇAS CARACTERÍSTICAS As Danças Características (ou típicas) são as criadas para indivíduos em especial ou grupos de indivíduos que incluem adição de passos, música, coreografia já existentes. São características de determinada região ou país; Deixam transparecer em seu sentir, pensar, agir a riqueza polirrítmica e polifórmica do povo e suas raízes ao estabelecer relação de identidade da dança com a própria cultura.
  12. 12. DANÇAS FOLCLÓRICAS BRASILEIRAS As danças folclóricas “...apresentam incomparável valor visto que conjugam os mais diversos aspectos da vida afetiva. Associam a música e o gesto, a cor e o ritmo, o sentido lúdico e utilitário, a graça e os atributos da resistência física. Contribuem para o apuro das relações interpessoais, o desenvolvimento do espírito comunitário, a compreensão de diferentes papéis na vida social. Por seus efeitos criadores e catárticos, podem e devem ser utilizados como instrumento de socialização”. (Lourenço Filho) Os valores que as danças folclóricas trazem aos seus praticantes podem ser descritos em quatro categorias: física, social, cultural e recreacional, segundo Giffoni (1973).
  13. 13. VALORES PROPORCIONADOS PELA PRÁTICA DA DANÇA FOLCLÓRICA1. VALORES FÍSICOS Contribui para a aprendizagem das habilidades motoras, para o desenvolvimento de um forte senso de ritmo e relações especiais e configurações espaciais; Contribui para o aperfeiçoamento da força, agilidade, equilíbrio e resistência; Permite que seus integrantes se movam graciosa e expressiva mente de maneira plenamente integrada e coordenada; É um exercício completo de agilidade, flexibilidade, elasticidade, vigor e energia física, resistência física invulgar; Corrige atitudes, hábitos higiênicos, harmonia de formas; Compensa o desequilíbrio de atividades profissionais (posições forçadas ou exagerado uso de determinadas partes do corpo); É fator de educação do movimento.
  14. 14. 2. VALORES MORAIS As danças folclóricas incitam e viabilizam oaperfeiçoamento do indivíduo pelo: domínio de si mesmo; entusiasmo e iniciativa; perseverança e cavalheirismo e respeito entre ambos os sexos; desperta o senso de ordem, disciplina, solidariedade e cooperação. A disciplina e obediência às técnicas, asconfigurações espaciais, as convenções, aos dirigentes,à música, as tradições serão posteriormentetransportadas para a vida social geral no futuro.
  15. 15. 3. VALORES SOCIAIS O educando ao participar das danças folclóricas estará também aprendendo a cooperar com outros membros de seu grupo e aceitar responsabilidades por desempenhar sua parte na situação do grupo. Dançando juntos, crianças e jovens aprendem a ter consideração uns com os outros e um código de comportamento social;4. VALORES CULTURAIS A dança folclórica é um meio ideal para desenvolver compreensão internacional e respeito pelos de outras culturas; Por seu aspecto interdisciplinar, dança folclórica se torna excelente meio de animar e enriquecer estudos de unidades de centros de interesses, projetos escolares.
  16. 16. 5. VALORES RECREACIONAIS Deve-se considerar o aspecto do divertimento da dança folclórica – do prazer puro a ser ganho da dança animada num grupo social amistoso; A dança folclórica pode fazer muito para aliviar a pressão mental ou tensão emocional; quer o dançarino seja uma criança de 10 anos ou um homem cansado ele deveria achar a experiência relaxante e divertida de maneira fácil de fazer novos amigos; Todas as formas de dança devem ser induzidas à forma de recreação divertida.6. VALOR MENTAL As grandes funções mentais como a atenção, sensações-percepções, a imaginação, a originalidade, o raciocínio são exercitados e desenvolvidos através das Danças Folclóricas.
  17. 17. 7. VALOR TERAPÊUTICO Atenua as tensões emocionais ao proporcionar auto- controle e confiança pela facilidade de execução dos movimentos e principalmente pela possibilidade de transformar seus pensamentos em expressões plásticas pela terapia.
  18. 18. A DANÇA NO FOLCLORE BRASILEIRO A Dança Folclórica no Brasil sofreu a influência étnica dos índios que aqui viviam, do “descobridor europeu” – senhor dominante das terras, do primitivo africano escravizado, para o labor no Novo mundo; Nos primeiros duzentos anos de colonização, os únicos tipos de música ouvida no Brasil eram os cantos das danças rituais dos indígenas acompanhados pelos instrumentos de sopro. Eram manifestações de aborígenes cujas danças giravam em torno de suas danças rituais (nascimento, morte, guerra e paz, semeadura e colheita) e de certos ritos de passagem (virilidade, casamento, etc.); Mutação e transculturação das danças originais são influenciadas diretamente pelo oficial e pelo erudito; Não existe essência pura nos casos do homem da sociedade e da cultura. Todas as relações entre eles estão sempre articulando cultura popular e erudita.
  19. 19. A DANÇA NO FOLCLORE BRASILEIRO O estudo das danças folclóricas nacionais, hoje se faz necessário na medida que são reveladores da cultura, de diferentes situações, uma vez que algum dia compuseram rituais de instituições religiosas oficiais, de situações políticas instaladas, de academias literárias eruditas distantes, portanto do controle popular. Hoje se faz necessário entendê-las do ponto de vista do seu movimento, de sua dinâmica vertical quanto aos elementos que tirados do povo, levados à burguesia por empréstimo que ao ser representado é devolvido ao povo já modificado; Sendo a Dança a marca cultural de um grupo, o povo que não cultiva suas raízes, perde parte de sua identidade; O Folclore como ciência antropológica pode apresentar em suas danças várias propostas;
  20. 20. A DANÇA NO FOLCLORE BRASILEIRO Os folcloristas agruparam as manifestações populares por “áreas” ou “temas” em suas classificações: Artesanato, Culinária, Literatura Oral, Danças Folclóricas, etc., que comportam subdivisões determinadas pelas especialidades de seus conteúdos; Danças Folclóricas são expressões populares desenvolvidas em conjunto ou individualmente, que tem na coreografia os elementos definidos; De simples marcação rítmica, a Dança chega à arte autônoma, liberta e em contínua criação do povo pelo povo;
  21. 21. A DANÇA NO FOLCLORE BRASILEIRO ALMEIDA agrupou as danças populares brasileiras quanto à coreografia e aos seus dançarinos, apresentando a seguinte classificação:COREOGRAFIA: Mímica – “Peru-de-Atalaia” (AM) Acrobáticas – “Corta-jaca” (RJ, BA) Figurações – “Quadrilha” (BR) De roda – “Ciranda” (PE, PB)DANÇARINOS: Par solto – “Chimareta” (PE, PB) Par unido – “Tote” (NE) Conjunto – “Serafino” (AM) Individual – “Trevo” (PE)
  22. 22. A DANÇA NO FOLCLORE BRASILEIRO FRADE (1991) apresenta os seguintes aspectos como forma de sistematização: quanto ao sexo dos participantes; quanto ao período de celebração; quanto ao espaço de realização; quanto à área geográfica; quanto à indumentária.QUANTO AO SEXO DOS PARTICIPANTES Em geral, se constitui com a presença de ambos os sexos, geralmente formando pares ou integrando conjuntos sem determinação de duplas; FRADE (1991) faz alusão às danças desenvolvidas por homens que trazem conotações e rememorações de guerra ou fazem alusões Às lutas ocorridas na Península Ibérica na era medieval somada às influências étnicas transculturadas para o Brasil pelos africanos.
  23. 23. QUANTO AO PERÍODO DE CELEBRAÇÃO Por razões históricas-aculturativas as danças folclóricas e populares no Brasil são divididas e agrupadas por festas cíclicas, festas móveis; As danças das festas cíclicas estão incluídas em um calendário fixo de cunho oficialmente religioso apresentadas apenas num determinado período. Ex: Quadrilha (festa junina); As danças realizadas no decorrer do calendário popular fazem parte do quadro das devoções populares que as secularizam como o Cururu, a Dança do São Gonçalo;

×