Ed69marco12

420 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
420
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ed69marco12

  1. 1. 1 Revista Canavieiros - Março 2012
  2. 2. 2 Revista Canavieiros - Março de 2012
  3. 3. Editorial Expediente: Conselho Editorial: Antonio Eduardo Tonielo Augusto César Strini Paixão Clóvis Aparecido Vanzella Manoel Carlos de Azevedo Ortolan Manoel Sérgio Sicchieri Oscar Bisson Editora: Carla Rossini - MTb 39.788 Projeto gráfico e Diagramação: Rafael H. Mermejo Equipe de redação e fotos: Carla Rodrigues - MTb 55.115 Murilo Sicchieri Rafael H. Mermejo Comercial e Publicidade: Marília F. Palaveri (16) 3946-3300 - Ramal: 2008 atendimento@revistacanavieiros.com.br comercial@revistacanavieiros.com.br Impressão: São Francisco Gráfica e Editora Ltda Tiragem: 20.000 exemplares ISSN: 1982-1530 A Revista Canavieiros é distribuída gratuitamente aos cooperados, associados e fornecedores do Sistema Copercana, Canaoeste e Sicoob Cocred. As matérias assinadas e informes publicitários são de responsabilidade de seus autores. A reprodução parcial desta revista é autorizada, desde que citada a fonte. Endereço da Redação: A/C Revista Canavieiros Rua Augusto Zanini, 1591 Sertãozinho – SP - CEP:- 14.170-550 Fone: (16) 3946 3300 - (ramal 2190) redacao@revistacanavieiros.com.br www.revistacanavieiros.com.br www.twitter.com/canavieiros www.facebook.com/RevistaCanavieiros 3 As expectativas das safras de amendoim e cana-de-açúcar A Copercana mantém uma parceria com 39 produtores de amendoim que em 2011 produziram 34 mil toneladas do grão. Em 2012, os cooperados vão entregar 48 mil toneladas do produto à cooperativa, o que representa um aumento de mais de 40% em relação ao ano passado. Mas a safra brasileira que era para ser acima da média, pode ser 20% menor do que as estimativas apontavam. As condições climáticas atrapalharam o desenvolvimento das plantas. Confira as informações completas na “Reportagem de Capa” da edição de março da Revista Canavieiros. Manoel Ortolan, presidente da Canaoeste, é o entrevistado desta edição. Ortolan comentou os problemas que os fornecedores enfrentaram com os custos elevados de produção de cana e falou sobre a necessidade de políticas públicas voltadas ao setor de bioenergia. No final da entrevista, o presidente da associação também comentou a reestruturação pela qual a Canaoeste está passando para melhor atender as necessidades dos associados. Dois artigos estão publicados na secção “Ponto de Vista: José Mário Paro, diretor adjunto da Canaoeste e conselheiro da Sicoob Cocred, assina o artigo “Reflexões”. E o jornalista Rodrigo Lara Mesquita fala sobre o código florestal no artigo “Código Florestal, utopia ou loucura?”. No dia 27 de fevereiro, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, realizou a comemoração oficial dos 120 anos de criação da pasta a fim de perpetuar esta data na história. Uma comitiva de cooperados e associados do Sistema Copercana, Canaoeste e RC Sicoob Cocred foram à São Paulo participar das comemorações. Essa notícia o leitor encontra nas páginas da Copercana. Também nestas páginas está o CanaSauro Rex 2012. O presidente da Copercana e Sicoob Cocred, Antonio Eduardo Tonielo recebeu o prêmio na noite de 6 de março, em Araçatuba. Amigos e familiares de Toninho Tonielo prestigiaram a premiação. Nas páginas da Canaoeste, além da Circular do Consecana com os preços de fevereiro, é possível conferir as seguintes notícias: 1) Canaoeste realiza seminários para produtores e técnicos; 2) PECEGE/CNA - levantamento de custos de produção do setor sucroalcooleiro do Centro-Sul. Para complementar as informações da Canaoeste, o advogado da associação, Juliano Bortoloti, escreveu sobre os temas: Declaração de Conformidade da Atividade Agropecuária e Certificação Integrada Unidade Industrial/ Fornecedor – Uma nova realidade. As condições de produtor de alimentos e combustíveis colocaram o Brasil numa posição desafiadora: abastecer com sustentabilidade. Para isso, o país investe cada vez mais em pesquisas e tecnologias de ponta como a “agricultura de precisão”. Esse é o assunto da secção “Novas Tecnologias”. Em “Opinião”, o consultor em gestão agrícola, Fábio Paro, assina o artigo “Nova realidade, oportunidades e pontos de atenção para os fornecedores”. Além disso, confira as Informações Setoriais com o consultor da Canaoeste, Oswaldo Alonso, dicas de leitura e grafia correta, os eventos do mês de abril e o classificados. Boa leitura! Conselho Editorial Revista Canavieiros - Março 2012
  4. 4. 4 Ano VI - Edição 69 - Março de 2012 - Circulação: Mensal Índice: Capa - 20 Copercana vai receber 48 mil toneladas de amendoim 11.000 hectares foram plantados com o grão pelos cooperados que fazem parte do Projeto Amendoim da cooperativa Capa: Produção: Daniel Pelanda e Ercília Mazza; Foto: Rafael Mermejo E mais: Circular Consecana 05 - Entrevista Manoel Ortolan Presidente da Canaoeste “Clima influencia a safra 2012/2013 e a produção deve ser igual a 2011/2012” 08 - Ponto de Vista José Mario Paro Diretora Adjunto da Canaoeste e Conselheiro da Sicoob Cocred Reflexões 10 - Notícias Copercana - Toninho Tonielo recebe o troféu Canasauro Rex 2012 - 120 anos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo 14 - Notícias Canaoeste - Canaoeste realiza seminários para produtores e técnicos - PECEGE/CNA - levantamento de custos de produção do setor sucroalcooleiro do Centro-Sul 18 - Notícias Sicoob Cocred .................página 13 Novas Tecnologias .................página 22 Notas .................página 24 Informações Setoriais .................página 26 Assuntos Legais .................página 28 Opnião .................página 32 Cultura .................página 35 - Balancete Mensal 07 - Ponto de Vista RODRIGO LARA MESQUITA Jornalista Código Florestal, utopia ou loucura? Revista Canavieiros - Março de 2012 Classificados .................página 36 Agende-se .................página 38
  5. 5. 5 Entrevista Clima influencia a safra 2012/2013 e a produção deve ser igual a 2011/2012 Manoel Ortolan Carla Rossini A afirmação é do presidente da Canaoeste, Manoel Ortolan, que concedeu entrevista exclusiva a Revista Canavieiros em meados de março. Ortolan comentou os problemas que os fornecedores enfrentaram com os custos elevados de produção e falou sobre a necessidade de políticas públicas voltadas ao setor de bioenergia. No final da entrevista, o presidente da associação também comentou a reestruturação pela qual a Canaoeste está passando. Confira! Revista Canavieiros: A Safra passada de cana-de-açúcar, sofreu uma quebra de produção por fatores já conhecidos. Que consequências essa quebra de produção trouxe para os fornecedores de cana? Manoel Ortolan: Quebra de produção implica em redução da oferta e consequente alta nos preços. Isso aconteceu em um canavial já debilitado por condições adversas de anos anteriores e daí termos uma redução grande na produção. Mesmo com os preços melhores a equação não fechou. Perdemos renda, tivemos prejuízo e temos dificuldades para investir nos novos plantios. Revista Canavieiros: Geralmente, a safra tem início em maio. Como o senhor acredita que vai ser esse ano? Manoel Ortolan: O período oficial ou normal da safra tem início em 1º de abril e vai até final de novembro. Devido ao estágio de desenvolvimento das plantas, acredito que a maioria das usinas deverão entrar em operação a partir da 2ª quinzena de abril. Teremos usinas moendo em março e início de abril, mas serão poucas. Revista Canavieiros: É esperado um crescimento tímido do setor em 2012. Essa informação se confirma? Manoel Ortolan: A cada dia que passa nos aproximamos mais da produção da safra passada, 493 milhões de toneladas de cana. Falávamos em 530 milhões, mas o clima mais uma vez está desfavorável, a falta de chuvas se acentuando e a produção estimada vai encolhendo. Hoje, já nos conformamos com produção igual a safra 2011/2012. Revista Canavieiros: Em termos de preços, mediante a essa situação que o senhor nos colocou, a safra 2012/2013 vai ser melhor? Manoel Ortolan: É possível que sim. O mercado de açúcar cresce cerca de 3% ao ano e o carro flex continua sendo comercializado. Portanto, a demanda é crescente. A produção desta nova safra implicará em redução de oferta de açúcar e etanol e haverá redução do estoque mundial de açúcar. Essa situação deverá influenciar os preços para cima ao longo da safra. Por volta de agosto/ setembro já começaremos a enxergar a produção final e aí vamos ver o que acontecerá. bom só que não temos a produção, infelizmente, funciona desta forma. Acredito que com a elevação do preço da cana, apesar da produtividade menor, nesta safra o produtor poderá auferir um resultado final melhor. “...O Consecana busca aperfeiçoamento ou ajustes frequentes de forma a promover uma distribuição justa da receita entre as partes...” Revista Canavieiros: O senhor é um dos representantes dos fornecedores de cana do Consecana. Quais são os trabalhos que estão sendo realizados por esse conselho? Manoel Ortolan: O Consecana busca aperfeiçoamento ou ajustes frequentes de forma a promover uma distribuição justa da receita entre as partes. No momento ou nesta safra, vamos realizar um trabalho para determinação do número de cargas a serem amostradas com colheita de cana mecanizada e crua. Estaremos também revendo os indicadores de preços dos produtos açúcar e etanol. Revista Canavieiros: E isso é um bom sinal aos produtores? Manoel Ortolan: O preço será Revista Canavieiros: Como o senhor vê a relação dos produtores de cana com a sustentabilidade? Revista Canavieiros - Março 2012
  6. 6. 6 Entrevista Manoel Ortolan: Hoje todo produtor tem que trabalhar sua propriedade e produzir de forma sustentável, o que significa economicamente viável; socialmente justa e ambientalmente correta. Não é uma tarefa fácil. Houve já grandes avanços na área social e ambiental, mas a econômica implica em fatores que escapam do nosso controle, a exemplo do clima. Revista Canavieiros: Os custos de produção aumentaram significativamente. No que isso implica? Manoel Ortolan: Até alguns anos passados o Brasil tinha uma vantagem competitiva grande em relação a outros países produtores de açúcar e também exportadores, que era o baixo custo de produção. Isso permitiu inclusive essa expansão vertiginosa do setor que em 4 a 5 anos colocou mais de 100 novas unidades em funcionamento. O retorno do investimento era atrativo. Mas, rapidamente o custo cresceu de tal forma que hoje já temos países disputando mercado com o Brasil e principalmente trouxe um problema sério para nós em relação ao etanol. Com um custo baixo, pudemos manter preços baixos para o etanol na bomba por muitos anos, mesmo sem a gasolina aumentar de preço. Hoje isso não é mais possível em função da elevação dos custos. Há que haver algo em termos de política pública que torne a produção do etanol atrativa aos investidores ou essa produção vai estagnar. A pesquisa, iniciativas privadas em tecnologia, ou “...O nosso foco aqui na associação é atender esses produtores que devem estar mais capacitados e especializados. A Canaoeste precisa fazer frente a isso...” seja, algo que dependa dos produtores para promover ganhos de eficiência também precisa ocorrer, mas isso leva tempo. Urge que o governo faça algo tanto com relação ao etanol quanto a bioenergia. Revista Canavieiros: A Canaoeste está passando por uma reestruturação nos seus escritórios regionais e ampliando a sua área de atuação. Quais são os planos para 2012? Manoel Ortolan: É importante Revista Canavieiros - Março de 2012 estarmos próximo ao produtor e essa reestruturação visa estarmos mais próximo de várias formas. Uma dessas formas é colocar os agrônomos no campo, regionalizados, permitindo acesso rápido às propriedades. É uma transferência de tecnologia de uma forma mais rápida, são visitas as propriedades, reuniões realizadas e tudo isso vai chegando com uma velocidade maior pela proximidade ao produtor. Existem medidas também na comunicação que estamos trabalhando. Temos nosso site que foi reformulado recentemente, a revista Canavieiros e o Informe Canaoeste que também visam aproximar o associado da Associação. Se o produtor não tem tempo para deslocamento, é só acessar o site e conversar com os agrônomos ou com a diretoria. Também no site estão todas as nossas informações do setor e as informações do Consecana. Estamos atentos buscando sempre informar mais e melhor, buscamos pessoas que possam escrever e produzir artigos de interesse de nossos produtores, já que está havendo uma mudança no perfil do associado. Esses grandes grupos buscam produtores empreendedores que querem montar suas estruturas e colocar suas canas na usina. Essa nova administração das usinas não quer mais estar fazendo serviços para produtor, como colheita, plantio, como é usual na região de Sertãozinho. O rumo é outro e isso significa que vamos ter cooperados ou produtores mais empreendedores, com conhecimento e visão de negócio. O nosso foco aqui na associação é atender esses produtores que devem estar mais capacitados e especializados. A Canaoeste precisa fazer frente a isso e vamos fazer graças a essa reestruturação, tanto na parte de comunicação como na parte de gestão, na difusão de novas tecnologias e na capacitação dos nossos profissionais. A associação não pode ficar parada no tempo, tem que acompanhar o desenvolvimento.RC Fachada da diretoria da Canaoeste
  7. 7. 7 Ponto de Vista Código Florestal, utopia ou loucura? *RODRIGO LARA MESQUITA, jornalista; Twitter: @rmesquita S ó um indivíduo socialmente irresponsável seria contra a possibilidade de o Brasil reverter, num período de tempo plausível, os erros graves cometidos no seu processo de ocupação territorial. Querer resolver esses problemas numa patada, com um golpe de força, é ignorar o processo histórico, suas circunstâncias e criar um ambiente propício para toda ordem de conflitos. A versão do Senado para o Código Florestal prevê a recuperação de áreas de preservação permanente (APPs) em todas as propriedades rurais. Quem defende esse dispositivo está praticamente condenando à morte 4,5 milhões de pequenos agricultores, responsáveis por mais da metade da produção de alimentos no País, e colocando uma bomba no colo da presidente Dilma Rousseff. E está fazendo isso premido por argumentos e campanhas que muitas vezes se sustentam mais por argumentos emocionais do que racionais; não é possível reverter 500 anos de um processo econômico com um decreto. No final do século passado, foram consideradas APPs as faixas marginais dos rios, as encostas de morros e outras situações. Mas a ocupação desses locais já ocorrera, ao longo dos nossos 500 anos de história. Os principais exemplos são as pastagens nas montanhas de Minas Gerais, como ocorre nos Alpes e nos Andes; os vinhedos e macieiras em encostas do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, como em grande parte da Europa; o café em altitude em São Paulo e Minas Gerais, como na Colômbia; os bananais no Vale do Ribeira, como no Equador; e a ocupação de várzeas e terras férteis à margem de rios com plantios de arroz, irrigação, criação de búfalos e outras atividades, como no Nilo, no Mekong, etc. Na versão aprovada na Câmara dos Deputados, as atividades agropecuárias tradicionais, desenvolvidas até 2008 em APPs, seriam consolidadas, com a proibição de abertura de novas áreas. Mas o Senado impôs mais uma condição: os agricultores devem arrancar cultivos e pomares, retirar o gado e recuperar a vegetação nativa em faixas de 15 até 500 metros de cada lado dos rios e riachos. Ao longo do Rio São Francisco ou de rios de Mato Grosso, por exemplo, isso pode representar a perda de mais da metade das áreas produtivas. Para quem tem diversos riachos na propriedade pode inviabilizar toda a produção. É também o caso dos projetos de irrigação, instalados ao lado dos rios. A proposta, portanto, é de que o Estado imponha essa perda agrícola e ainda transfira o ônus para os agricultores: uma utopia ou loucura, dependendo da sua perspectiva. Segundo fontes do Ministério do Meio Ambiente, a agricultura perderia 33 milhões de hectares. Para outras fontes, isso representaria arrancar cultivos, pomares e pastagens de 60 milhões de hectares. Quanto menor a propriedade rural, pior a sua situação. Os pequenos utilizam a totalidade das terras para produzir e sobreviver. De acordo com a Lei n.º 8.629/93, pequenas propriedades são imóveis entre um e quatro módulos fiscais (MFs), cuja dimensão é definida pelo Incra para cada município. Em parte do Brasil, o Senado propõe que essa perda de terras produtivas se limite ao máximo de 20% da propriedade com menos de quatro MFs. Ora, ao longo dos rios estão os terrenos mais férteis. Na maioria dos casos, esses 20% de terras férteis garantem 50% a 80% da renda do produtor. Um estudo da Embrapa Gestão Territorial verificou, com base no Incra e no Censo Agropecuário do IBGE de 2006, que os imóveis com até quatro MFs correspondem a 89% dos estabelecimentos agropecuários do País, ocupam 11% do território e contribuem com 50% da produção agropecuária. Eles serão duramente atingidos por essa medida, cujo alcance social e econômico o Ministério do Meio Ambiente e o governo não dimensionaram, muito menos o Senado. Como impor indiscriminadamente a recomposição com vegetação nativa de áreas produtivas, se elas foram ocupadas em conformidade com a lei de seu tempo? O ministro Marco Aurélio Mello, do STF, já prevê uma enxurrada de ações judiciais. Se não é uma enorme irresponsabilidade defender tal medida, é uma tentativa de passar a borracha na nossa história e em alguns casos levar a fatura para quem não tem nenhuma responsabilidade sobre esse passado. Áreas de preservação permanente devem ser recuperadas quando e onde for pertinente, e todos os esforços nesse sentido são bem-vindos. Mas exigir a mesma faixa de vegetação para um riacho que corre dois meses na caatinga, ou desce encachoeirado as serras do Espírito Santo, ou escoa quase imperceptível pela pampa gaúcha, ou forma um pequeno igarapé na Amazônia é ignorar a diversidade do meio ambiente. Cada bioma pede critérios específicos. Os Estados devem participar da avaliação e do esforço para recompor as APPs de forma adequada, considerando a ocupação das terras, as tecnologias empregadas, a situação de conservação dos solos e das águas e, mais do que tudo, a história de como isso ocorreu, num processo secular. A regularização das atividades econômicas produtivas até 2008 em APPs dará segurança jurídica ao homem do campo. O princípio da precaução sugere que o governo avalie a situação das APPs e só depois proponha sua recuperação, por meio de critérios técnicos, lá onde for necessário, de forma adequada e no tempo possível. Forçar a recomposição como regra absoluta pode quebrar a agricultura e os agricultores, além de abalar profundamente um dos setores mais desenvolvido e dinâmico da economia do Brasil. Vale lembrar de novo que o objetivo das leis é apoiar a sociedade, e não controlar a sociedade. São dinâmicas, evoluem com ela, contribuindo para a formação do arcabouço institucional. Quando as estruturas legais se chocam com as estruturas sociais, elas criam as condições para conflitos sem fim. RC Rodrigo Lara Mesquita - Jornalista Fonte:- O Estado de S. Paulo Caderno A, página A2 - 17/03/2012 Revista Canavieiros - Março 2012
  8. 8. 8 Ponto de Vista José Mario Paro* Reflexões C ertamente não estarão passando despercebidas, aos leitores desta revista, as dificuldades e transformações que a maioria das nações está atravessando, transformações estas que estão afetando todas as atividades humanas, ao redor do planeta. Observadores conceituados da cena mundial têm afirmado que, ultrapassadas as atuais turbulências, o mundo não será mais o mesmo. Saber qual será o papel de nosso país na nova conjuntura mundial é a questão que vem ocupando as mentes de todos aqueles que se interessam pelo tema. Pelo que se tem noticiado, há consenso a nível mundial de que os países emergentes de hoje, em especial os BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) figurarão entre as maiores potencias globais, dentro de poucos anos. Um outro consenso está no entendimento de que o mundo busca segurança alimentar e energética. As duas situações – ascensão dos países emergentes e produção de alimentos e energia – nos afetam direta e intensamente, abrindo horizontes quase ilimitados de possibilidades, onde o agronegócio continuará sendo o principal motor do nosso desenvolvimento. Já se disse que o Brasil crescerá mesmo que não queira, arrastado pelas necessidades dos demais países. A questão, então, passa a ser esta: seremos apenas atores coadjuvantes neste novo mundo, em função da geografia; da dimensão territorial e populacional; do potencial produtivo agrícola e das disponibilidades de recursos naturais, como tem sido desde os tempos do Brasil – Colônia, ou saberemos nos colocar numa posição de liderança, com peso e competência para influir nos destinos da humanidade? Por tudo que tenho conseguido captar, através das diversas mídias, esta almejada posição no pódio mundial não está assegurada. E o termo pódio não foi aqui usado por acaso: o mundo hoje é extremamente competitivo e só alcançarão o pódio as nações altamente desenvolvidas. Talvez não seja demais lembrar algumas das principais amarras que nos atêm num limbo cinzento, onde, não raro, não se consegue visualizar a luz de um futuro possível. A começar pela mentalidade nacional, tomada no sentido coletivo, possivelmente o maior dos nossos males. Padecemos de um arraigado terceiro – mundismo, que nos aprisiona a um terrível complexo de inferioridade, desacreditando até mesmo de nossas imensas oportunidades de propiciar aos brasileiros um nível de bem-estar ainda não vivenciado. Revista Canavieiros - Março de 2012 Ainda quanto à mentalidade, é preocupante a dificuldade que temos tido em nos posicionar com clareza diante do binômio ideologia x desenvolvimento. O exemplo mais recente é a exasperante discussão do novo Código Florestal. A propósito, lembro-me agora do genial Joãozinho Trinta, mestre carnavalesco, que carimbou: “o povo gosta de luxo. Quem gosta de miséria é o intelectual.” Enquanto isto, as nações mais dinâmicas seguem ocupando um espaço que poderia ser nosso. Até uma próxima oportunidade. RC *
  9. 9. 9 Revista Canavieiros - Março 2012
  10. 10. 10 Notícias Copercana Toninho Tonielo recebe o troféu Canasauro Rex 2012 O prêmio é concedido a profissionais que há mais de 30 anos trabalham em prol do setor sucroenergético Carla Rossini O presidente da Copercana e Sicoob Cocred, Antonio Eduardo Tonielo recebeu o Prêmio CanaSauro Rex 2012. A solenidade de premiação aconteceu na noite de 6 de março, em Araçatuba e é uma realização da Safra Eventos, empresa que organiza a Feicana FeiBio - Feira de Negócios do Setor de Energia. Amigos e familiares de Toninho Tonielo prestigiaram a premiação. Em seu discurso emocionado, Tonielo relembrou sua trajetória profissional e falou da honrosa premiação. “É uma grande alegria receber esse prêmio. Grandes feras já receberam e por isso estou muito orgulhoso. Dedico esse prêmio aos meus familiares, amigos e colaboradores, porque nenhum diretor faz uma empresa sozinho”, ressaltou Tonielo. Durante o evento foram homenageados 40 profissionais que há mais de 30 anos trabalham pelo desenvolvimento do setor sucroenergético. Entre eles, o presidente da Canaoeste, Manoel Ortolan e o prefeito de Nova Independência, José Pedro Tonielo. Esses profissionais receberam o Prêmio CanaSauro 2012, Celso Junqueira (presidente da Udop); Cido Sério (prefeito de Araçatuba); Antonio Tonielo (presidente da Copercana); Plínio Nastari (presidente da Datagro) e Flávio Nasser (diretor da Safra Eventos) mas o grande homenageado da noite foi Toninho Tonielo, eleito CanaSauro Rex. exemplo para aqueles que iniciam as atividades no setor”, disse. Para o diretor da Safra Eventos, Flávio Nasser, a premiação é uma forma de ressaltar a contribuição desses profissionais no desenvolvimento do setor da bioenergia no Oeste Paulista. “Esses CanaSauros passaram por muitas dificuldades e merecem nosso reconhecimento. Antonio Tonielo ao receber o CanaSauro Rex representa essas 40 pessoas, na sua dedicação e disposição que nos impressiona, servindo de O presidente da UDOP, Celso Torquato Junqueira Franco, ressaltou em seu discurso que Toninho Tonielo, assim como os demais homenageados da noite, conseguiram vencer muitas crises. “Esses CanaSauros se dedicaram ao setor ainda quando não existia apoio tecnológico suficiente, mesmo assim insistiram e foram determinantes na construção de um setor que passou e passa por muitas crises, mas que permanece confiante”. Durante o evento foram homenageados 40 profissionais que há mais de 30 anos trabalham pelo desenvolvimento do setor sucroenergético Revista Canavieiros - Março de 2012 Celso Junqueira (Udop); Manoel Ortolan (presidente da Canaoeste) e Flávio Nasser (Safra Eventos)
  11. 11. 11 Sobre o prêmio A Safra Eventos, instituiu em 2008 o Prêmio CanaSauro, uma homenagem aos profissionais que por mais de 30 anos se dedicam ao segmento sucroenergético. Esses profissionais são reconhecidamente considerados a “inteligência do setor”. Em 2008, mais de 70 profissionais, liderados pelo ex-ministro Roberto Rodrigues receberam seus troféus. Em 2009, Araçatuba presenciou um encontro memorável que entrou para a história do setor sucroalcooleiro: 70 personalidades que contribuíram para a consolidação e o crescimento do setor foram homenageados com o Prêmio CanaSauro e CanaSauro Rex, destaque para o empresário Cícero Junqueira Franco. Em 2010 foi realizado o III Prêmio CanaSauro, onde mais de 50 personalidades foram homenageadas e o vice-presidente do Grupo Cosan e presidente da Cosan Açúcar e Álcool, Pedro Izamu Mizuta- A vereadora Rita Tonielo, Toninho e Celso Junqueira ni, recebeu o troféu CanaSauro Rex, a maior homenagem da noite. Em 2011 foram homenageados 50 CanaSauros e o CanaSauro Rex foi o diretor da Datagro, Plínio Nastari. Esse ano, foi a vez de Toninho Tonielo receber o título CanaSauro Rex. RC Toninho e Manoel Ortolan Adézio Marques (CeiseBR), Toninho Tonielo, Lelo Bighetti e Manoel Ortolan Amigos e familiares de Toninho Tonielo prestigiaram a premiação Mauro Sponchiado (Smar); Lelo Bighetti, Toninho, Neli e José Pedro Tonielo Plínio Nastari e Toninho Tonielo Revista Canavieiros - Março 2012
  12. 12. 12 Notícias Copercana 120 anos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo Associados do Sistema Copercana, Canaoeste e Sicoob Cocred participaram das comemorações Carla Rodrigues N o dia 27 de fevereiro, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, realizou a comemoração oficial dos 120 anos de criação da pasta a fim de perpetuar esta data na história. Estiveram presentes produtores rurais, lideranças e autoridades do setor sucroenergético, parlamentares federais e estaduais, ex-secretários, presidentes de entidades de classe e confederações, o governador do Estado, Geraldo Alckmin, o vice-governador, Guilherme Afif Domingos, o presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, Barros Munhoz, a secretária de Agricultura do Estado, Mônika Bergamaschi e o diretor regional dos Correios de São Paulo, Wilson Abadio de Oliveira. A Copercana, Canaoeste e Sicoob Cocred levaram aproximadamente 40 produtores rurais ao evento. Na ocasião foi realizado o lançamento do selo personalizado e do carimbo comemorativo pelo Ministério das Comunicações e Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos. Também foram prestadas homenagens aos ex-secretários da pasta e assinados vários documentos e deliberações pelo governador e pela secretária que irão favorecer aos produtores e todo setor agropecuário. Durante seu discurso, a secretária Monika Bergamaschi, falou sobre o crescimento do valor agropecuário e a importância de sua participação na economia brasileira. Também destacou os investimentos realizados em pesquisas que contribuíram para o seu desenvolvimento. “A agricultura é a base do país. Precisamos trabalhar para que continue sendo aplicados recursos na política agrícola, proporcionando ao setor ferramentas que busquem sempre o que há de melhor. O futuro clama por uma nova agricultura (sustentável), e para isso, contamos com o apoio do Dirigentes e cooperados da Copercana, Canaoeste e Sicoob Cocred participaram das comemorações Antonio Tonielo e Manoel Ortolan plantaram árvores no Bosque de 120 anos da Secretaria observados pelos associados governo, para que juntos estabeleçamos uma real comunicação com a sociedade”, pronunciou a secretária. O governador, Geraldo Alckmin, proferiu palavras de otimismo em relação aos desafios do setor, que segundo ele, é avançar de acordo com aquilo que o momento impõe para a cadeia produtiva. “Nós vamos apoiar muito os nossos institutos de pesquisas, ao produtor rural com melhorias na vigilância sanitária, estradas vicinais, apoio técnico e amparar a agricultura familiar através dos nossos programas. Os desafios são enormes e é uma grande alegria comemorar as conquistas até aqui realizadas, e retemperar as forças para avançarmos ainda mais os 120 anos”, disse Alckmin. Revista Canavieiros - Março de 2012 Bosque dos 120 anos Após o fim da solenidade, todos os presentes se dirigiram para a parte externa da secretaria, onde 120 árvores de espécies nativas do Estado foram plantadas como forma de colaborar para a restauração da flora e fauna do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga. As mudas das árvores foram fornecidas pelo Departamento de Sementes, Mudas e Matrizes da CATI (Coordenadoria de Assistência Técnica Integral) e plantadas pelos produtores, autoridades e lideranças que participaram da comemoração. O presidente da Canaoeste, Manoel Ortolan e o presidente da Copercana e Sicoob Cocred, Antonio Eduardo Tonielo compuseram a lista de autoridades e cada um plantou uma árvore. RC
  13. 13. 13 Notícias Canaoeste Consecana CIRCULAR Nº 13/11 DATA: 29 de Fevereiro de 2012 Conselho dos Produtores de Cana-de-Açúcar, Açúcar e Álcool do Estado de São Paulo A seguir, informamos o preço médio do kg do ATR para efeito de ajuste parcial da safra 2011/2012. O preço médio do kg de ATR para o mês de FEVEREIRO de 2012, referente à Safra 2011/2012, é de R$ 0,5002. O preço de faturamento do açúcar no mercado interno e externo e os preços do etanol anidro e hidratado, destinados aos mercados interno e externo, levantados pela ESALQ/CEPEA, nos meses de abril de 2011 a fevereiro de 2012 e acumulados até FEVEREIRO são apresentados a seguir: Os preços do Açúcar de Mercado Interno (ABMI) incluem impostos, enquanto que os preços do açúcar de mercado externo (ABME e AVHP) e do etanol anidro e hidratado, carburante (EAC e EHC), destinados à indústria (EAI e EHI) e ao mercado externo (EAE e EHE), são líquidos (PVU/PVD). Os preços líquidos médios do kg do ATR, em R$/kg, por produto, obtidos nos meses de abril de 2011 a fevereiro de 2012 e acumulados até FEVEREIRO, calculados com base nas informações contidas na Circular 01/11, são os seguintes: Revista Canavieiros - Março 2012
  14. 14. 14 Notícias Canaoeste Canaoeste realiza seminários para produtores e técnicos O evento foi realizado em parceria com a Stab e discutiu novas ferramentas de fisiologia da cana-de-açúcar Carla Rodrigues A Canaoeste, em parceria com a Stab (Sociedade dos Técnicos Açucareiros Alcooleiros do Brasil) realizou, no dia 28 de fevereiro, no Centro de Convenções do Centro de Cana IAC (Instituto Agronômico), um seminário com o tema “Fisiologia de Florescimento/Isoporização e Maturação em Cana-de-Açúcar – Ailto Antonio Casagrande”, para técnicos, pesquisadores e produtores rurais. O intuito foi discutir e trocar informações sobre as novidades de mercado e a evolução das pesquisas nas lavouras canavieiras. Durante o seminário, vários assuntos foram abordados, como: características varietais quanto à florescimento, isoporização e responsividade à maturadores; fisiologia de florescimento e isoporização; inibição de florescimento e isoporização e impactos agrícolas; fisiologia da maturação; climatologia; e impactos da qualidade da matéria-prima na indústria causados pelo florescimento, isoporização e maturação. O presidente da Canaoeste, Manoel Ortolan e o diretor, Luiz Carlos Tasso Júnior, assim como a equipe técnica da associação, participaram do seminário. Segundo Ortolan, a Canaoeste, ao promover este tipo de evento, está ajudando a disseminar conhecimento dentro da cadeia produtiva do setor sucroenergético, principalmente após a modificação estrutural que houve no setor com a concentração de alguns grupos. “Nós temos um grande número de profissionais que estão chegando ao setor agora, um predomínio muito acentuado de jovens, e, é claro que eles precisam de capacitação e conhecimento para poder desenvolver um trabalho cada vez melhor junto às unidades industriais em prol do setor, e é em eventos como este de que encontramos isso”, disse o presidente da Canaoeste. Produtores e técnicos participaram do Seminário O seminário homenageou o professor Ailto, formado em Engenharia Agronômica em 1967 ESALQ/USP. Para o consultor agronômico da Canaoeste e coordenador do evento, Oswaldo Alonso, o tema “fisiologia” é pouco abordado entre os institutos de pesquisas e até mesmo, dentro do próprio setor, daí a sua importância. “O aspecto mais importante deste encontro foi trazer essa fisiologia trocada em miúdos, ou seja, trazer o linguajar de quem está no campo no dia-a-dia para explicar como estas ferramentas funcionam na prática”, disse Alonso. O pesquisador e diretor do Centro de Cana IAC, Marcos Landell, falou em sua apresentação sobre as estratégias que o produtor deve adotar para minimizar o florescimento e a isoporização na cana-de-açúcar e alertou Revista Canavieiros - Março de 2012 O presidente da Canaoeste, Manoel Ortolan e o diretor, Luiz Carlos Tasso Júnior, assim como a equipe técnica da associação, participaram do seminário. Consultor agronômico da Canaoeste e coordenador do evento, Oswaldo Alonso para a época certa de colheita. “Além do uso de inibidores de florescimento e o uso de variedades que apresentam menos esse fenômeno de florescimento e isoporização, o produtor também pode minimizar esses problemas e
  15. 15. 15 Pesquisador e diretor do Centro de Cana IAC, Marcos Landell aperfeiçoar a produtividade, colhendo a cana mais antecipada. A cana que tem a tendência a florescer e a isoporizar não deve ser colhida depois do mês de agosto, que já é um mês de déficit hídrico muito pronunciado, e essa condição de isoporização passa a ser mais acentuada, reduzindo o colmo, e, portanto, reduzindo a produtividade da cana”, explicou Landell. Professora da UNESP do campus Jaboticabal/SP, Márcia Mutton A professora da UNESP (Universidade Estadual Paulista) do campus Jaboticabal/SP, Márcia Mutton, destacou em sua apresentação a importância da maturação da cana-de-açúcar na qualidade final da matéria-prima, que é destinada à indústria. De acordo com a professora, a maturação é uma característica favorável, pois “quanto mais madura a cana estiver, maior o teor de açúcares acumulado no colmo, e consequentemente, melhor e mais rica a matéria-prima que será destinada ao processamento”. Já o florescimento é um evento natural da planta, algumas variedades florescem mais, outras menos, e este processo pode ou não comprometer o nível de açúcar acumulado nos tecidos de armazenamento. “Quando o florescimen- to afeta a planta, vai gerar problemas no processamento da produção de açúcar e álcool, dentre eles, a isoporização, ou seja, quando a cana isoporiza, diminui o peso dos colmos, a quantidade de caldo extraído pelas moendas é menor, e isso faz com que a moenda tenha mais dificuldade em processar esse material. A quantidade de caldo extraído pela indústria é menor e o processamento deste material, por exemplo, a queima do bagaço, será mais leve e terá dificuldade para queimar na caldeira, prejudicando a geração de vapor para manter a indústria”, esclareceu a professora. Homenagem O seminário “Fisiologia de Florescimento/Isoporização e Maturação em Cana-de-Açúcar – Ailto Antonio Casagrande” homenageou o professor, formado em Engenharia Agronômica em 1967 pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz - ESALQ/USP. Ingressou como docente na Faculdade de Agronomia de Jaboticabal – Instituto Isolado de Ensino Superior, atual FCAV/UNESP. Nesta Instituição de Ensino Superior deixou fluir seu dom natural de Ensinar e de ouvir, dedicando-se integralmente ao Ensino de Graduação em Agronomia ministrando as disciplinas de Agricultura Geral e Cultura da cana-de-açúcar. Presidente da Canaoeste, Manoel Ortolan Além disso, professor Ailto, ocupou cargos de chefe de departamentos, idealizou importantes eventos, dedicou-se a melhorias da faculdade, institutos de pesquisas, entre outras funções e atividades de grande relevância para o setor. O presidente da Canaoeste, Manoel Ortolan, participou deste momento especial na vida do professor e disse estar honrado por poder prestigiar essa homenagem ao seu lado. “Para nós da Canaoeste, o professor Ailto é uma lembrança muito boa. Ele já realizou várias palestras em nossa associação e em todas foi muito feliz em suas apresentações. Foi no campo que ele se apaixonou pela cana-de-açúcar e, graças ao seu empenho e dedicação à esta cultura, se tornou um orgulho muito grande dentro do setor sucroenergético. “II Encontro de Usuários e Variedades de Cana-de-açúcar – Frederico de Menezes Veiga” No dia 15 de março, a Canaoeste participou como uma das associações apoiadoras do “II Encontro de Usuários e Variedades de Cana-de-açúcar – Frederico de Menezes Veiga”, também realizado no Centro de Convenções do Centro de Cana IAC. O evento teve como objetivo reunir produtores e técnicos de diversos grupos e usinas para discutirem a importância e o uso do manejo varietal nas diferentes áreas. Em sua apresentação, o supervisor de desenvolvimento agronômico do Grupo Raízen (Unidade Jaú), Sebastião Santos Ribeiro, explicou como desenvolver e a importância de se ter um manejo adequado para cada região. “Para conseguir alcançar a produtividade desejada, tem que haver planejamento, escolha de variedades propícias e logística adequada”, disse. Estiveram presentes aproximadamente 150 pessoas, entre eles produtores, colaboradores e técnicos das usinas São Luiz, Iracema e São Manoel, dos Grupos Tereos (Guarani), Raízen e Carlos Lyra Sud, da Agrícola Rio Claro e da AFOCAPI (Associação dos Fornecedores de Cana de Piracicaba). RC Revista Canavieiros - Março 2012
  16. 16. 16 Notícias Canaoeste PECEGE/CNA - levantamento de custos de produção do setor sucroalcooleiro do Centro-Sul Fonte: PECEGE/CNA (2012 O PECEGE - Programa de Educação Continuada em Economia e Gestão de Empresas, da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (USP/ESALQ), e a CNA - Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, divulgaram o relatório final de custos de produção de cana-de-açúcar, açúcar e etanol da safra 2011/12, até outubro, da região Centro-Sul. Estes levantamentos já são realizados há 5 safras com o objetivo de desenvolver uma pesquisa de extensão universitária que possibilite a criação e divulgação de informações do setor sucroenergético e de interesse público. A série de levantamentos teve como objetivo original calcular indicadores de custos de produção de cana-de-açúcar, açúcar e etanol nas grandes regiões sucroenergéticas brasileiras. Com a evolução dos trabalhos, foram adicionados: a) definição de uma metodologia de apuração padronizada de custos aos participantes da pesquisa; b) desenvolvimento de indicadores de desempenho de processos técnicos; c) caracterização de nível tecnológico; e, d) criação de conceito em indicadores de preços de uma cesta de insumos para toda produção agroindustrial deste setor. A série de levantamentos tem a contribuição de quase 2 centenas de instituições, entre usinas, associações de classe de fornecedores de cana, sindicatos, federações, fabricantes de equipamentos, centros de pesquisa, fornecedores de insumos e financiadores desses estudos. Neste levantamento, até outubro da safra 2011 / 12, foram mensurados os custos agroindustriais, de fornecedores de cana e usinas das Regiões Tradicional (estados de SP, PR e RJ) e de Expansão (GO, MC, MS e oeste do estado de SP), Amostras estas, que representaram cerca de 20% da produção da Região Centro Sul. Quando comparada às duas safras anteriores (elevado contingente de cana bis na safra 2010/11), a safra 2011/12 foi marcada pela queda na produtividade e qualidade da cana e menor utilização da capacidade industrial. Estes fatores promoveram aumento dos custos agroindustriais e, que de uma safra para outra, foram processados quase 20% menos ARTs-Açúcares Redutores Totais (que, multiplicados por 0,905, correspondem aos ATRs) nas mesmas capacidades médias das Unidades Produtoras Tradicionais (e pouco mais de 15% nas de Expansão – canaviais mais jovens que as Tradicionais). Estas diferenças de idades médias permitem refletir sobre os impactos do elevado índice de florescimento e, principalmente, da isoporização em canaviais mais velhos e de menores produtividades, realçando a indiscutível e forte influência da “Mãe Natureza” sobre o manejo da cultura. A variação de preços dos produtos foi fator importante tanto para o aumento de custos, em função dos aumentos de preços da matéria-prima e da remuneração da terra, bem como em impactos na rentabilidade. As variações nos preços dos demais fatores de produção relevantes foram próximas a taxa de inflação da economia brasileira em 2011, e, consequentemente, tiveram menores influências no aumento de custos da safra 2011/12. Apesar do sensível aumento de custos, os preços mais altos dos produtos, especialmente na região tradicional, permitiram que, pela primei- Tabela A:- Custos de produção de cana-de-açúcar (R$/t) e margem de contribuição na safra 2011/12 (até outubro 2011, inclusive). Regiões Produtores COT* Custo CT** Custo Margem Operacional Econômico Econômica R$ / t cana R$ / t cana em % Tradicionais Fornecedores 52,50 70,63 (1) 4,9 Próprios 62,04 70,06 0,3 Expansões Fornecedores 46,48 56,29 35,6 Próprios 55,09 60,52 21,4 Fonte:- PECEGE/CNA – 2012 Revista Canavieiros - Março de 2012
  17. 17. 17 Tabela B. Custos por etapa de produção de cana (R$/ha) dos fornecedores, na safra 2011/12. Etapa de produção te para o Estado de São Paulo Região Centro Sul, foram 70,9 e 69,3t cana/ ha. A Margem Econômica (na mesma Tradicional Expansão Tabela A) merecerá revisão ao final da 3.162,83 3.227,43 safra (até 10 de abril), após conhecer 3.457,08 3.634,95 os valores médios de “fechamento” 367,08 318,15 da tonelada de cana a serem pagas a 877,94 918,82 1.793,85 1.597,44 fornecedores. I- Lavoura* Formação do canavial Tratos culturais cana-planta Tratos culturais cana-soca Colheita II- Remuneração da terra 1.160,00 802,47 III- Custos administrativos 565,94 188,45 Por sua vez, na área tradicional, IV- Depreciações total 306,30 132,44 os resultados econômicos das produDepreciação de máquina 230,41 101,34 V- Remuneração do capital 332,30 250,07 ções de açúcar e etanol mostraramCusto Total 5.296,96 4.395,22 *A etapa e sub-etapas de produção I incluem os custos com depreciação de máquinas destacados na etapa IV ra vez nos levantamentos PECEGE/ CNA, em termos médios, todos os agentes do setor sucroenergético do Centro-Sul conseguissem remunerar todos os seus fatores de produção. A Tabela A destaca o resumo dos custos totais econômicos da cana na safra 2011/2012 e a Tabela B apresenta a divisão de custos operacionais por processo de produção agrícola de fornecedores de cana-de-açúcar. No cálculo do Custo Operacional Total–COT* (Tabela A) são considerados os desembolsos realizados ao longo da safra (tais como, mão-de-obra, insumos, materiais de escritório e demais custos diretos), assim como depreciações de benfeitorias, máquinas e equipamentos. O Custo Total-CT** leva em conta também os custos de oportunidade do capital investido. O Custo Econômico ou Total apurado pelo estudo PECEGE/CNA, para fornecedores das áreas tradicionais da Região Centro Sul, foi de R$ 70,63 tonelada de cana. Comparativamente e na mesma data, o Custo Total apurado pela Orplana (vide Tabela A, em CT** (1)) totalizou R$ 76,60 e R$ 78,34/t cana, uma vez que as produtividades médias apuradas pelo CTC - Centro de Tecnologia Canavieira, acumuladas até outubro de 2011, respectivamen- -se, até outubro, mais remuneradores que os resultados de cana própria ou de fornecedores, em função da significativa redução da produtividade agrícola. Deve-se, entretanto, aguardar levantamentos PECEGE/CNA ao final do ano-safra (pós abril 2012) para se estabelecer os apropriados comentários. Os relatórios completos são de livre acesso e estão disponíveis no site www.pecege.esalq.usp.br/portal. Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail projetos@pecege.esalq.usp.br ou pelo telefone (19) 3375-4250. RC Assessoria de comunicação ESALQ USP Comentários por Oswaldo Alonso Revista Canavieiros - Março 2012
  18. 18. 18 Notícias Sicoob Cocred Balancete Mensal COOP. CRÉDITO PRODUTORES RURAIS E EMPRESÁRIOS DO INTERIOR PAULISTA - BALANCETE - FEVEREIRO/2012 Valores em Reais Revista Canavieiros - Março de 2012
  19. 19. 19 Revista Canavieiros - Março 2012
  20. 20. 20 Copercana vai receber 48 mil toneladas de amendoim 11.000 hectares foram plantados com o grão pelos cooperados que fazem parte do Projeto Amendoim da cooperativa Carla Rossini E m 2011, os produtores que fazem parte do Projeto Amendoim Copercana, produziram 34 mil toneladas do grão. Neste ano, os cooperados vão entregar 48 mil toneladas do produto à cooperativa, o que representa um aumento de mais de 40% em relação ao ano passado. A área plantada dos cooperados também aumentou 29%. Foram 11.000 hectares plantados, sendo 3.000 hectares de variedades auto-oléicas desenvolvidas pelo IAC – Instituto Agronômico. “Essas variedades tem dado bons resultados de produtividade aos nossos cooperados e também atendem as necessidades de qualidade exigidas pelos compradores”, explicou o gerente da Uname – Unidade de Grãos da Copercana, Augusto César Strini Paixão. A Copercana mantém uma parceria com 39 produtores de amendoim que realizam o manejo atendendo os padrões exigidos pelos compradores. “A cooperativa fornece a semente, os insumos, toda a assistência técnica e o custeio agrícola para os produtores, que depois entregam para a cooperativa um produto de melhor qualidade. É uma parceria que está dando muito certo”, disse Augusto. Em meados de março, apenas 40% da safra dos cooperados havia sido colhida, mas o grão apresentava boa qualidade. Isso é uma boa notícia quando o assunto é preço. Segundo o gerente da Uname, “com o aumento no custo gerado pela queda de produtividade, a lucratividade deste ano deve ser igual à safra passada”. O Estado de São Paulo é o maior produtor nacional de amendoim e, atualmente, o Sudeste do Brasil é a região com a maior área plantada (mais de 70%), seguido pela região Nordeste (cerca de 15%), cujos principais estados produtores são Bahia, Ceará, Sergipe e Paraíba. Brasil No Brasil, foram 115.000 hectares plantados nesta safra que teve início em outubro de 2011. A colheita vai até abril Revista Canavieiros - Março de 2012 Augusto César Strini Paixão, gerente da Uname de 2012, mas a safra que era para ser acima da média, pode ser 20% menor do que as estimativas apontavam. As condições climáticas atrapalharam o desenvolvimento das plantas. “A falta de chuvas no Estado de São Paulo nos meses de dezembro e janeiro prejudicou a formação do grão”, disse Augusto. As estimativas apontavam que o Brasil estaria produzindo 300.000 tone-
  21. 21. Foto: Edgard Junior 21 ladas de amendoim, mas é provável que a produção fique igual ao ano passado: 250.000 toneladas. Desse montante, 25% é exportação e os outros 75% atendem o consumo do mercado interno. Apesar dos bons preços praticados até o momento, ainda não é possível saber se a queda na produtividade também atingiu outros países produtores de amendoim. Por isso, Augusto alerta aos produtores para uma possível variação nos preços pagos pelo mercado. Sobre o amendoim O amendoim é uma leguminosa originária da América do Sul, rica em óleo, proteínas e vitaminas, além de ser importante fonte de energia e aminoácidos. No século XVIII foi introduzido na Europa e no XIX difundiu-se do Brasil para a África e, ainda, do Peru para as Filipinas, China, Japão e Índia. Atualmente o amendoim é apreciado em praticamente todos os países pelo seu incomparável sabor e versatilidade de uso em pratos salgados, em doces e pela indústria de óleos, entre outras aplicações. Com esse diversificado potencial, o amendoim passou a ser uma das leguminosas produtoras de grãos mais plantadas em todo o mundo, tendo adquirido relevância na alimentação de alguns países da América Latina, da África e da Ásia. Desempenha ainda importante papel social na segurança nutricional e na sustentabilidade da agricultura em áreas áridas e semiáridas de diversos países dos cinco continentes. Em geral, o sistema de produção típico da Arachis hypogaea L., nome científico do amendoim, demanda poucos insumos e baixa mecanização. Produção nacional de grãos sobe para 157,8 milhões de toneladas A produção brasileira de grãos do período 2011/12 chega a 157,8 milhões de toneladas, com uma redução de 3,1% ou de 5,026 milhões de toneladas a menos, se comparada à safra anterior, quando chegou a 162,837 milhões de toneladas. Os números são do sexto levantamento realizado pela Conab e anunciado no início de março, em Brasília. Mas em comparação com o último levantamento, houve um aumento de 0,5% ou de 744,2 mil toneladas a mais. O acréscimo se deve à recuperação de parte da lavoura do milho primeira safra e do crescimento do milho segunda safra. O milho e a soja, culturas de maior peso na produção, chegam a 83% de toda a safra, com um volume de 130,451 milhões de toneladas. O milho deve crescer 7,5%, considerando a safra total, estimada em 61,703 milhões de toneladas. No caso do milho segunda safra, a estimativa é de 25,804 milhões de toneladas, 20,1% maior que o colhido no período passado, quando registrou 21,481 milhões de toneladas. A produtividade deve chegar a 3,838 quilos por hectare, com aumento de 5,2% em relação à safra anterior de 3,647 quilos por hectare. Já a soja deve cair 8,7%, ficando a produção em 68,749 milhões de toneladas. Área – O cultivo da safra 2011/12 deve ocupar uma área em torno dos 51,682 milhões de hectares, com um crescimento de 3,6% sobre os 49,888 milhões de hectares do último período. Isto representa um aumento de 1,794 milhão de hectares. A ampliação se deve ao milho primeira safra (9,2%), ao segunda safra (14,1%) e à soja (3,3%). O arroz, no entanto, teve redução de área, devendo perder 10,8% ou o equivalente a 305,2 mil hectares com relação ao cultivo anterior, quando chegou a 2,820 milhões de hectares. A perda maior é do estado do Rio Grande do Sul, que deixa de cultivar 118,6 mil hectares. Outra queda foi do feijão primeira safra. Houve uma redução de 147,9 mil hectares em relação ao cultivo anterior de 1,420 milhão de hectares. O maior produtor nacional, o Paraná, deixou de cultivar 95,2 mil hectares se comparada à safra anterior, quando semeou 344,1 mil hectares. Já o feijão segunda safra, semeado no final de janeiro, deve ter um cultivo de 1,773 mil hectares, com uma redução de 2,8% sobre a safra anterior, de 1,824 mil hectares. O quinto levantamento considerou, no caso da região Nordeste, apenas o oeste da Bahia, o sul do Maranhão e sul do Piauí. Já para a região Norte, considerou somente os estados do Tocantins e de Rondônia. As demais regiões mantiveram as áreas da safra anterior, devido o plantio ser feito somente após o início das chuvas.RC Fonte: Conab – Companhia Nacional de Abastecimento Revista Canavieiros - Março 2012
  22. 22. 22 Novas Tecnologias Agricultura de precisão: nova tecnologia permite ao produtor gerenciar sua lavoura e a respeitar as variações do campo Carla Rodrigues A s condições de produtor de alimentos e combustíveis colocaram o Brasil numa posição desafiadora: abastecer com sustentabilidade. Para isso, o país investe cada vez mais em pesquisas e tecnologias de ponta como a “agricultura de precisão”. A ferramenta é baseada em planejamento - ideal para o momento pelo qual o setor sucroenergético atravessa -, buscando o manejo adequado com o intuito de reduzir os impactos ambientais e aumentar a produtividade. Conhecedora deste cenário, a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) conduz uma Rede de Pesquisa com mais de 200 pesquisadores e conta com o apoio de aproximadamente 50 instituições, com a finalidade de difundir a agricultura de precisão no país, tornando a agricultura mais sustentável. Segundo o pesquisador da Embrapa Instrumentação e coordenador da Rede de Agricultura de Precisão II, Ricardo Inamasu, o Brasil ainda comete muitos excessos. Para ele, cuidar e conhecer a lavoura é um desafio para muitos e é isto que a tecnologia denominada “agricultura de precisão” propõe. Confira a seguir a entrevista concedida pelo pesquisador à Canavieiros. Revista Canavieiros: O que é agricultura de precisão? Como funciona? Ricardo: A agricultura de precisão é uma forma de gerenciamento da lavoura que leva em conta a variabilidade espacial. O campo tem variações. Setores que produzem mais, outros que são mais úmidos, mais férteis, mais suscetíveis à doenças e assim por diante. A agricultura convencional, apesar das diferenças, trata como tudo igual. A agricultura de precisão respeita essas diferenças e faz uso de dados e informações do campo. Ferramentas como GPS, sensores, sis- temas de informação são muito úteis para essa forma de gestão. Revista Canavieiros: A agricultura de precisão pode ser utilizada em todas as culturas e regiões ou tem alguma limitação? Ricardo: Só não pode ser utilizada em culturas e regiões que são uniformes. Quanto mais variações houver pode-se obter maior retorno econômico e benefício ao meio ambiente. Revista Canavieiros: Todo produtor pode utilizá-la? Ricardo: A agricultura de precisão só depende do gestor. Dizemos até que é uma postura gerencial que leva em conta a variabilidade. Isso depende do olho e da sensibilidade do produtor. Se o produtor percebe que separar um setor da lavoura pode melhorar a qualidade, está praticando a agricultura de precisão. Revista Canavieiros: A agricultura de precisão está relacionada somente ao usa de ferramentas de alta tecnologia ou há outros meios para obtê-la? Ricardo: Há exemplos muito interessantes em que o produtor percebeu a diferença da qualidade no seu produto e dessa forma destinou seu produto para Revista Canavieiros - Março de 2012 Ricardo Inamasu diferentes mercados. Nesse caso uma simples prancheta pode resolver, entretanto, se o produtor perceber que comprando máquinas informatizadas traz retorno econômico, deve então investir. Revista Canavieiros: Além da responsabilidade de abastecimento, o país precisa saber produzir com sustentabilidade. De que maneira a agricultura de precisão pode “colaborar” para que o Brasil tenha uma agricultura sustentável? E em relação à economia de combustível? Ricardo: Muitos produtores não conhecem a variabilidade da sua lavoura. Realizar essa gestão é buscar maior rentabilidade tendo como efeito colateral uma redução de excessos. Ora, é cuidar do meio ambiente aumentando retorno econômico. Haveria um meio melhor para ajudar o meio ambiente? Outro
  23. 23. 23 efeito da adoção da agricultura de precisão é o potencial de uso dos dados coletados no campo para a rastreabilidade. É, portanto, a agricultura do futuro e é a agricultura que valoriza o homem como gestor do campo. Ele ainda demandará muitas máquinas e tecnologias. Revista Canavieiros: Qual é o ganho energético da aplicação do sistema de agricultura sustentável? Ricardo: A agricultura brasileira avança a passos notáveis. Com a tecnologia, novas variedades têm obtido ganho energético considerável. Ela (sustentabilidade) tem entrado na pauta cada vez mais com maior força. A sustentabilidade possui três componentes principais: social, ambiental e econômico. Não haverá espaço para excessos e desperdícios irresponsáveis. Nesse contexto a agricultura de precisão é uma forma de exercer a responsabilidade e com os dados coletados o agricultor poderá mostrar a sua contribuição à sociedade. Revista Canavieiros: Fale um pouco sobre a rede de agricultura de precisão da Embrapa. Quais são seus objetivos? Ricardo: A rede é uma forma de vários grupos de pesquisa poder trabalhar de forma sinérgica e com otimização de recursos. Participam cerca de 200 pesquisadores oriundos de 20 unidades da Embrapa de diversas regiões. Conta com apoio e parceria de aproximadamente 50 instituições entre privadas e públicas. O objetivo da rede é difundir a agricultura de precisão no País, fundamentando o conhecimento por meio de trabalhos científicos e desenvolver tecnologias para que a agricultura brasileira seja cada vez mais competitiva e sustentável. Depoimentos “O produtor agrícola tem que obter resultados práticos dentro de um curto período de tempo, a tecnologia tem que estar madura e trazer resultados quanti-qualitativos comprovados. Os produtores que não colhem sua produção devem atentar-se ao uso do piloto automático nas empresas que realizam essa operação. Precisam informar-se e entrar no processo desta tecnologia, pois os resultados na qualidade Fábio Paro da matéria-prima e pisoteio de soqueiras são significativamente melhores, mas que exige um trabalho prévio de plantio ou pelo menos de mapeamento das linhas de cana. Infelizmente os produtores não estão esclarecidos sobre os benefícios que as tecnologias denominadas de agricultura de precisão trazem, já que foram comercialmente mal exploradas. Os fabricantes e fornecedores destas tecnologias não se preocuparam em mostrar os resultados financeiros de forma integrada, e sim em fazer contas isoladas sem levar em conta o negócio como um todo. A agricultura de precisão tornou-se ferramenta de marketing puro e é uma tecnologia com potencial muito acima desta finalidade; envolve administrar a lavoura com uma qualidade que as tecnologias tradicionais não conseguem alcançar. Apesar disso, eu acredito que a agricultura de precisão está conquistando seu espaço no setor produtivo, principalmente nos grandes grupos que já adotam desta tecnologia e de outras que estão chegando a grau de maturidade e resultados. É uma realidade mais presente na cultura de grãos e que ganha espaço na lavoura de cana, deixando de lado os resultados econômicos, de sustentabilidade, de geração de conhecimentos técnicos, que não são mais questionáveis; está faltando ganhar escala e divulgação”. Fábio Paro consultor em gestão agrícola “Começamos a implantar estas tecnologias em nossa área em 2006, mas posso afirmar que ainda não terminamos, uma vez que cada ano que passa, novas tecnologias surgem e possibilitam melhoras constantes em nossas reformas. Para isso, utilizamos o conceito de Victor Campanelli agricultura de precisão em sua essência, fazemos adubação em taxas variáveis desde a correção do solo até mesmo a adubação de formação do canavial. Utilizo também piloto automático em todas as operações agrícolas, desde o preparo de solo, plantio mecanizado, colheita mecanizada e adubação de soqueira. Quanto ao meu custo/benefício de produção, acredito que para isolar fatores na agricultura é muito difícil, pois cada ano é um ano, o clima interfere na cultura muito mais que qualquer tecnologia empregada, portanto este tipo de análise precisa ser feita em longo prazo para ser melhor quantificado economicamente. Mas posso assegurar uma coisa, fazendo adubação e correção da maneira que estamos fazendo, tenho a garantia de que não estou pecando nem por falta nem por excesso. A falta sem dúvida lhe traz um decréscimo de produtividade, porém o excesso não lhe traz aumento de produtividade; é fato que os ganhos com adubação e correção de solo não são lineares. Com o piloto automático, obtivemos alguns ganhos, como: aumento do rendimento operacional no plantio e na colheita, menor compactação do solo, redução de até 40% nos índices de perdas na colheita mecanizada e possibilidade de colheita de alta qualidade em canas altamente produtivas. Já em relação a essência da agricultura de precisão, constatamos que nosso solo é absolutamente heterogêneo. Em primeiro momento, percebemos que estávamos aplicando alguns nutrientes em excesso e pecando em outros. Com esta tecnologia corrigimos nossa adubação e creio que estamos colhendo bons resultados, atingindo produtividades bem acima da média de nossa região”. RC Victor Campanelli – produtor rural Revista Canavieiros - Março 2012
  24. 24. 24 Notas T ecnologia Comprovada O diretor da Copercana, Pedro Esrael Bighetti, intermediou um experimento entre a Usina Aralco e a empresa Jumil, para que uma nova tecnologia fosse aplicada. Trata-se da Plantadora Adubadora JM 7090 PD EXACTA que a usina utilizou em dezembro de 2011 para fazer o plantio de soja na palhada de cana. A máquina possui vários pontos positivos, mas os principais são o rendimento operacional e redução de custos. Após 100 dias do plantio efetuado, observaram que houve uma boa distribuição das plantas na linha de plantio, comprovando o bom desempenho da plantadora Após 100 dias do plantio efetuado, representantes da Copercana e da usina observaram que houve uma boa distribuição das plantas na linha de plantio, comprovando o bom desempenho da plantadora usada no experimento. Sobre o Plantio direto Através do experimento, é possível observar muitos benefícios do sistema de plantio direto na palhada da cana. A região sofreu uma seca no período de fevereiro/março, como a maioria do Estado de São Paulo, mesmo assim, foi possível notar que as plantas de soja se desenvolveram bem, graças a umidade que foi absorvida pelo solo no período mais chuvoso. No sistema de plantio convencional, a quebra de produção causada pela seca seria maior. O bom desempenho da plantadora e os bons resultados do plantio direto na palhada da cana agradaram muito os técnicos da usina que pretendem expandir as áreas para o próximo plantio de soja. RC DuPont inaugura mais um etapa do Centro de Inovação e T ecnologia N o dia 20 de março, o Centro de Inovação e Tecnologia da DuPont, situado na cidade de Paulínia, interior do Estado de São Paulo, inaugurou em seu espaço o “Centro de Inovação Brasil”, voltado para pesquisas realizadas nas áreas de energia, segurança e alimento, necessários para ajudar o país a enfrentar os desafios oriundos do crescimento populacional e da preservação do meio ambiente. Desde sua inauguração em 2009, o Centro de Inovação e Tecnologia, recebeu investimento de US$ 11 milhões para expandir sua área de atuação. Hoje, o Centro é capacitado para desenvolver análises nas áreas de sementes, biocombustíveis, polímeros e embalagens industriais, tintas automotivas e tecnologias para proteção. Estiveram presentes para a inauguração clientes e parceiros da empresa, Victoria Brady, Thomas Connelly, Ricardo Vellutini e Eduardo Wanick Revista Canavieiros - Março de 2012 além do presidente da DuPont Brasil e vice-presidente da América Latina de Vendas de Produtos Agrícolas, Ricardo Vellutini, do presidente da DuPont América Latina, Eduardo Wanick, do vice-presidente Executivo, Diretor de Inovação e membro da Diretoria Executiva da DuPont, Thomas Connelly Jr. e da vice-presidente de Tecnologia e Inovação para a DuPont América Latina, Victoria Brady. RC
  25. 25. 25 Revista Canavieiros - Março 2012
  26. 26. 26 Informações Setoriais Chuvas de fevereiro e Prognósticos Climáticos de março a maio 2012 Fevereiro de 2012:- chuvas anotadas durante o mês Engº Agrônomo Oswaldo Alonso Técnico Agronômico da Canaoeste A média das chuvas anotadas durante o mês de fevereiro (105mm) foi quase a metade da média das normalidades climáticas de todos os locais informados (223mm). Apenas em Bebedouro, na E.E. Citricultura, a chuva do mês foi semelhante à média, mesmo porque choveu quase 100mm só no dia 21. E, à exemplo dos três meses anteriores, a distribuição das chuvas nesta região foi bem irregular. O Mapa 1 mostra, já em meados de fevereiro, que uma larga faixa do oeste do Estado encontrava-se com baixa e crítica Disponibilidade de Água no Solo. Baixa Disponibilidade esta que, até o final do mês, praticamente migrou toda para a faixa centro-norte do estado. Ao final de fevereiro de 2011 (vide Mapa 2) notava-se que apenas no “quadrilátero” Catanduva-S.J. Rio Preto-Araçatuba-Lins e estreita faixa no oeste Andradina-Dracena a Disponibilidade de Água no Solo encontrava-se como baixa; nas demais áreas sucroenergéticas do estado esta Disponibi- Mapa 1:- Água Disponível no Solo entre 13 a 15 de fevereiro de 2012 Revista Canavieiros - Março de 2012 lidade de Água era de boa a alta. Enquanto que, em fevereiro de 2012 (vide Mapas 1 e 3), o efeito La Niña deve ter “subido”, provocando tamanha irregularidade de chuvas durante o mês, estendendo-se por toda região canavieira do Paraná, Oeste de São Paulo, Leste do Mato Grosso do Sul e até significaMapa 2:- Água Disponível no
  27. 27. 27 tiva faixa do Triângulo Mineiro (vide o Mapa reduzido de final janeiro de 2012, anexo ao Mapa 3, que mostrava boa Disponibilidade de Água, exceto núcleo de Bauru). Ainda, ao final de fevereiro de 2012, com exceção de núcleos de Assis e Piracicaba, toda faixa sucroenergética Centro Sul de São Paulo ainda dispunha de média a alta Disponibilidade de Água no Solo. Para subsidiar planejamentos de atividades futuras, a Canaoeste resume o prognóstico climático de consenso entre INMET-Instituto Nacional de Meteorologia e INPE-Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais para os meses de março-abril-maio, conforme mostrado no Mapa 4. • Para os meses abril a maio, prevê-se temperaturas médias próximas das respectivas médias históricas em toda Região Centro Sul; • Quanto às chuvas, o consenso INMET-INPE assinala que, durante o mesmo período, poderá ocorrer iguais probabilidades entre as classes abaixo a acima das respectivas médias históricas em toda área sucroenergética da Região Centro Sul, exceto Rio Grande do Sul; • Como referência de normais climáticas para Ribeirão Preto e municípios vizinhos, pelo Centro de Cana-IAC, as Solo ao final de fevereiro 2011 médias históricas de chuvas são: 70mm em abril e 55mm em maio. A SOMAR Meteorologia, por sua vez, com base em modelos climáticos mais frequentes, prevê que para a região de abrangência da Canaoeste as chuvas de abril poderão se concentrar apenas nos dez dias iniciais e em maio/junho podem “ficar” próximas às respectivas médias históricas. Logo, não se prevê (hoje) chuvas tão intensas como ocorreram no início de abril de 2011 e tampouco, não tem previsão de total escassez de chuvas para os meses subsequentes. E, com possível surpresa (positiva) para julho, que serão revisados nos meses mais próximos. A Canaoeste volta a enfatizar sobre a necessária qualidade das mudas para os plantios, condição mais que fundamental para assegurar maior produtividade e longevidade dos canaviais. A relação custo/benefício das mudas sadias é por demais de favorável. Face estas previsões climáticas para estes próximos meses, a Canaoeste recomenda, ainda, aos produtores de cana muitas atenções mesmo - em monitoramentos / controles de broca e, mesmo, ao final do ciclo da cigarrinha das raízes ela Mapa 4:- Adaptação pela CANAOESTE do Prognóstico de Consenso entre INMET e INPE para o trimestre março-abril-maio. Prognóstico este muito próximo do anterior. pode “aprontar”; às doenças (variedades); e, a partir destes dias de plantios de cana de ano e meio, evitar que matos “daninhem” suas suadas receitas. Estes prognósticos serão revistos a cada edição da Revista Canavieiros. Prognósticos climáticos relevantes ou fatos serão noticiados em nosso site www.canaoeste.com.br. Persistindo dúvidas, consultem os Técnicos mais próximos ou através do Fale Conosco Canaoeste. RC Mapa 3:- Água Disponível no Solo ao final de fevereiro de 2012 RC Revista Canavieiros - Março 2012
  28. 28. 28 Assuntos Legais Declaração de conformidade da atividade agropecuária N o final do ano de 2011, publicou-se no Diário Oficial do Estado de São Paulo a Resolução Conjunta SMA/SAA/SJDC (Secretaria de Agricultura e Abastecimento, Secretaria de Meio Ambiente e Secretaria da Justiça e Defesa da Cidadania.) n. 01, de 27/12/2011, que dispõe sobre o licenciamento ambiental das atividades agropecuárias no Estado de São Paulo. Pela referida Resolução, em função do reduzido potencial de poluição e degradação, fica dispensado de se submeter ao licenciamento ambiental as seguintes atividades: cultivo de espécies de interesse agrícola temporárias, semi-perenes e perenes; apicultura em geral e ranicultura; criação de animais, exceto as atividades de avicultura, suinocultura e aquicultura; limpeza de pastos cuja vegetação a ser removida esteja em estágio pioneiro de regeneração; e, projetos de irrigação. Juliano Bortoloti Advogado da Canaoeste bastando ao produtor o preenchimento de um simples ato declaratório através de um formulário eletrônico publicado no sitio da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral – CATI (http:// www.cati.sp.gov.br/new/servicos/requerimento_dcaa.php, ou, na impossibilidade de acesso, poderá o produtor dirigir-se diretamente na Casa da Agricultura local.` Todas estas atividades são dispensadas de licença ambiental, desde que: a) atendam à legislação pertinente ao Uso e Conservação do Solo; b) atendam à legislação pertinente ao uso de Agrotóxicos; c) adotem boas práticas de produção agropecuária; d) não impliquem intervenção em áreas de preservação permanente, nem supressão de vegetação nativa; e) não ultrapassem 1.000ha caso constituam ampliações de atividades já existentes na propriedade; f) não ultrapassem 1.000ha caso constituam novos empreendimentos agropecuários. Para que a Casa da Agricultura local possa expedir a aludida Declaração, o interessado deverá dirigir-se a ela munido dos seguintes documentos: (i) CPF do declarante; (ii) CPF do proprietário do imóvel - se este não for o declarante (cópia simples); (iii) Inscrição do Produtor no CNPJ Rural; e (iv) Contrato de arrendamento, comodato ou equivalente, se o declarante não for o proprietário do imóvel (original ou cópia autenticada). Para implementação desta dispensa, a Secretaria da Agricultura e Abastecimento, atendendo ao disposto no § 1º, do artigo 2º, da Resolução Conjunta SMA/SAA/SJDC nº 01/2011, expediu e publicou a Resolução SAA nº 3 de 19/01/2012, dispondo sobre o procedimento da Declaração de Conformidade da Atividade Agropecuária, Foto: Divulgação / Governo do Estado de São Paulo Também, ficam desobrigados de licenciamento ambiental a implantação de poços rasos ou profundos e de estruturas para permitir a captação ou lançamento superficial em corpos d’água, bem como a regularização de barra- gens e travessias existentes destinadas a atividades agropecuárias, quando não implicarem supressão de vegetação nativa, não sendo dispensada, porém, a obtenção de outorga ou cadastro para utilização do recurso hídrico. Produtores com pequeno potencial poluidor e de degradação ficarão dispensados da licença Revista Canavieiros - Março de 2012 ambiental, desde que apresentem Declaração de Conformidade da Atividade Agropecuária Feito isso, o técnico da Casa da Agricultura local irá verificar os documentos, bem como irá confrontar as informações preenchidas na Declaração de Conformidade da Atividade Agropecuária (DCAA) com a Unidade de Produção Agropecuária - UPA do imóvel rural e, estando tudo em ordem, emitirá a DCAA em quatro vias, das quais duas serão do declarante, uma ficará arquivada no Escritório de Desenvolvimento Rural e a outra será remetida à Companhia Ambiental do Estado de São Paulo - CETESB. Tudo indica que a Declaração de Conformidade da Atividade Agropecuária será um dos documentos exigidos pelas instituições financeiras da atividade rural, para comprovar a regularidade ambiental da atividade a ser financiada, razão pela qual é de suma importância que os produtores rurais paulistas cumpram referida norma.RC
  29. 29. 29 Revista Canavieiros - Março 2012
  30. 30. 30 Certificação integrada unidade industrial/ fornecedor – uma nova realidade Vínhamos alardeando há algum tempo que as unidades industriais, buscando adequar-se às exigências internacionais para exportação de seus produtos, estavam em processos de certificação aceitos e reconhecidos mundialmente. Prevíamos que em algum momento deste processo, esbarrariam na necessidade de integrar-se com o fornecedor da matéria-prima, no caso a cana-de-açúcar, que deveriam de igual forma comprovar o cumprimento das boas práticas ambientais, trabalhistas, fiscais, dentre outras, de sua atividade agrícola. Pois bem, deparei-me com a notícia veiculada no Valor, em 24/02/2012, que vai ao encontro do que preconizávamos. Vejamos: Raízen e Bayer terão programa de certificação rural em Piracicaba A Raízen, a maior processadora de cana-de-açúcar do país, e a Bayer CropScience anunciaram hoje parceria para desenvolver o programa de certificação Valore, criado pela Bayer e voltado ao incentivo de boas práticas agrícolas. A iniciativa envolverá 14 fornecedores de cana da Raízen que atendem as usinas Costa Pinto, Bom Retiro, Santa Helena e São Francisco, todas na região de Piracicaba (SP). Segundo informações das duas empresas, o projeto-piloto, que será concluído até o segundo semestre de 2012, inclui metodologias como sistema de gestão integrado, adoção de boas práticas agrícolas, preocupação com o meio ambiente e com o bem-estar dos trabalhadores, além de atendimento rigoroso à legislação brasileira. A meta é preparar os produtores que fornecem cana à Raízen para o processo de auditoria e certificação realizado pelo grupo alemão TÜV Rheinland, um dos maiores do mundo e cujos critérios são baseados nos princípios de desenvolvimento sustentável da agricultura e atendem a normas internacionais, a exemplo das solicitadas pela Certificação Bonsucro (Valor, 24/2/12) Revista Canavieiros - Março de 2012 Então, a partida já foi dada e a via é de mão única, razão pela qual o produtor rural cada vez mais se aproxima do conceito de empresário rural, devendo se adequar às normas ambientais, trabalhistas, fiscais, de uso e conservação do solo, de agrotóxicos, dentre outras exigíveis pelas referidos processos de certificação, sob pena de ficarem à margem do mercado e, até mesmo, impedidos de fornecerem seu produto às unidades industriais que se encontram inseridas neste contexto, sem falar, ainda, na impossibilidade de financiamentos públicos e privados para implantação e custeio de sua atividade agrícola, uma vez que as instituições financeiras são consideradas co-responsáveis pelo financiamento de atividades que não atendam à legislação, o que significa que não mais emprestarão dinheiro para quem não respeitar as citadas normas e, consequentemente, decretará a extinção do produtor rural que deixar de observar as novas exigências impostas pelo mercado e pela sociedade. RC
  31. 31. 31 Revista Canavieiros - Março 2012
  32. 32. 32 Ponto de Vista *Fábio Paro Nova realidade, oportunidades e pontos de atenção para os fornecedores A nova realidade econômica nos canaviais brasileiros ocasionado pela entrada de grupos estrangeiros e grupos empresariais de outros segmentos do mercado nacional traz notícias de mudanças quase diariamente na imprensa setorial e aberta. Dentro da cadeia produtiva, os fornecedores de cana-de-açúcar sempre tiveram papel importante tanto nos aspectos econômicos quanto nos aspectos sociais pela descentralização de renda, pela grande capacidade produtiva e entendimento da cultura, pela perseverança na continuidade da atividade econômica mesmo em anos consecutivos de resultados negativos e pelo otimismo renovado com muito pouco incentivo e reconhecimento. As práticas administrativas desses grupos empresariais realizarão transformações significativas e muitas oportunidades surgirão se forem rapidamente detectadas e aproveitadas pelos produtores, associações e cooperativas. Duas áreas chamam a atenção nesse momento: a de cunho tecnológico e a de cunho de participação de mercado e representatividade. Na área de tecnologia vemos o avanço das telecomunicações e da informática nas lavouras onde o acompanhamento da produção e a rastreabilidade da matéria prima cana-de-açúcar ganham destaques pela importância no processo produtivo. O acompanhamento da produção sempre foi e continua sendo fator de grande preocupação para os produtores e gestores agrícolas. A cana-de-açúcar carregada nos caminhões gera dois grandes produtos que se finalizam nas balanças e laboratórios das usinas (leiam-se indústrias): a própria matéria-prima que entra no processo de transformação industrial e as informações geradas nesse momento. A matéria-prima no processo industrial gera os açúcares, o etanol, a energia, o bagaço, a ração animal e os subprodutos. Essa mesma viagem gera informações que serão utilizadas para determinar a produtividade agrícola da área colhida, para pagamento de fornecedores, para pagamento de prestadores de serviços dentre outras que dificilmente são esgotáveis em um artigo. O ponto de atenção nesse segundo enfoque refere-se a qualidade com A nova realidade nos canaviais brasileiros com a entrada de grupos estrangeiros traz notícias de mudanças quase diariamente que essas informações são geradas, tanto para a administração agrícola quanto para terceiros que dependem delas para que seu negócio caminhe. Tradicionalmente os controles dessas viagens são realizados por apontamentos manuais em fichas, colagem de etiquetas com códigos de barras ou com algum dispositivo eletrônico que tenta melhorar esse trabalho. É bastante comum encontrar números altos de perdas de informações ou extravios dessas fichas por falta de atenção, por descuido, por descomprometimento chegando a 10% como número médio de não aproveitamento extremos maiores e menores. Com a chegada de novas tecnologias que permitem um melhor controle, também que os fornecedores de cana e serviços tenham acesso as suas informações com a mesma qualidade que dos administradores agrícolas respeitando e diferenciando quais são as informações pertinentes e quem deve acessá-las. O novo cenário será constituído do uso de rádio comunicador, de sinais de celulares e de satélites em conjunto com os denominados computadores de bordo nas máquinas e caminhões agrícolas da colheita para retirar o papel desse momento e, com isso, gerar a confiabilidade desejada sem a interferência humana nesses resultados. Revista Canavieiros - Março de 2012 Continuação pág. 34...
  33. 33. 33 Revista Canavieiros - Março 2012
  34. 34. 34 Esse modelo de controle já existe e funciona com boa confiabilidade em algumas unidades e tende a crescer rapidamente. Aos fornecedores cabe a atenção na evolução da aplicação dessas tecnologias em suas lavouras, do uso pelas empresas prestadoras de serviços e das usinas, da solicitação ao acesso dessas informações quando forem referentes às suas informações e ao acesso via internet da rastreabilidade de suas produções. Às associações e cooperativas cabem o monitoramento da qualidade desses trabalhos e uso dessas tecnologias, e buscar a maior integração desejável sem comprometer o bom relacionamento comercial e sem perder espaço para outras empresas interessadas nesse modelo integrado de produção. A outra frente de oportunidade se refere à busca da sustentabilidade pelas empresas com destaque aos grandes grupos com capital aberto em bolsa de valores e com capital estrangeiro (controlador ou com participação societária menor), através do relacionamento com seus parceiros e com a comunidade na qual suas atividades econômicas atuam. Esse grupo, que é toda a comunidade com que a empresa interage, é formado pelos fornecedores de matéria-prima, serviços e equipamentos, pelos funcionários, pelos colaboradores indiretos, pelos órgãos públicos e seus representantes nos mais diversos interesses e pelas organizações não governamentais (ONGs). São os denominados stakeholders. A importância desse grupo e de sua opinião vem aumentando, pois as empresas não são mais avaliadas somente pelo que produzem, mas, também pelos benefícios que propiciam ao maior número de pessoas. Em relatos da Unica (União da Indústria da Cana-de-açúcar) de 2010, para o sucesso na obtenção de alguns certificados, as empresas associadas dependem de uma boa avaliação dos seus stakeholders e essa instituição se compromete a ampliar a consulta, melhorar a interação e o diálogo principalmente com ONGs de direitos humanos, de meio ambiente e fornecedores de cana-de-açúcar. Porém, para os fornecedores, as oportunidades caminharão um pouco mais se forem levados em considerações os aspectos econômicos de médio e longo prazos. Para empresas de capital aberto existe um mecanismo legal de oferta de ações aos seus funcionários, financiados pelos próprios rendimentos salariais e interesse de aquisições indi- Revista Canavieiros - Março de 2012 viduais. Por que não trocar quilos de ATR por ações? Em empresas de capital aberto ou capital fechado? Aos fornecedores de cana-de-açúcar esse mecanismo carece de um estudo da viabilidade de adotar essa prática e de buscar participação em maior escala pelas suas cooperativas. Cooperativas de fornecedores buscando comprar ações das empresas e quiçá que seus representantes tenham cadeiras nos conselhos administrativos para atuar e auxiliar nas estratégias adotadas. A CVM – Comissão de Valores Mobiliários passa a ter importância nesse novo cenário e pode vir a ser um novo fórum de negociações de interesses mais voltado ao mercado e suas implicações, sem cair na fácil tentação da beligerância. Nas duas situações e frentes se imaginam que essas oportunidades deverão ser cuidadosamente estudadas e avaliadas pelos fornecedores, suas associações e cooperativas. Esses espaços e oportunidades estão aí para serem explorados, caberão as iniciativas e ações para aproveitá-las lembrando que outros participantes dessa cadeia poderão fazê-las, se já não o estiverem. RC *Consultor em Gestão Agrícola
  35. 35. 35 “General Álvaro Tavares Carmo” A revenda competitiva no Agronegócio O passado recente exibe a revolução na distribuição de insumos agropecuários. O presente livro apresenta alguns fatores críticos que impactam a competitividade das revendas de insumos agropecuários. Os autores contam com ampla experiência em pesquisas acadêmicas, alinhadas a atuação em consultorias no mundo real das revendas, nos últimos 15 anos. Dentre os diversos temas abordados pelos autores em seus respectivos artigos, estão: as tendências da distribuição de insumos agropecuários, com destaque para os setores de defensivos, fertilizantes, máquinas e implementos, sementes e crédito; métodos de planejamento e gestão estratégica, ferramenta gerencial que permite a identificação dos principais pontos críticos das revendas e o desenvolvimento de estratégias para torná-las mais competitivas; o estreitamento da relação das revendas com os fornecedores de insumos, as técnicas da gestão da força de vendas, os possíveis conflitos de uma gestão familiar, a estruturação de um processo eficiente de compras, os cinco principais problemas existentes nas vendas; o merchandising nas revendas é discutido em um conjunto de três artigos que abordam o processo de seleção, compra e gerenciamento e disposição de estoque, a venda em si, etc. A obra encerra-se com a consolidação dos pontos de aprendizado para aumentar a competitividade das revendas. Cultivando a Língua Portuguesa Esta coluna tem a intenção de maneira didática, esclarecer algumas dúvidas a respeito do português. “Eu meço a felicidade pelo vento batendo em meu rosto...” Grillo - Jornalista Correto: perdoo. ...o Novo Acordo Ortográfico não! Dica da Nova Regra: ditongos “ôo” não terão mais o acento circonflexo. 2) Eles “lêem” muito e todos os dias. ...para ler corretamente: eles precisam saber a Nova Regra Ortográfica. Correto: leem. Dica da Nova regra Ortográfica: o circunflexo do hiato “êem”, segundo o Novo Acordo Ortográfico- 5ª edição - não será mais usado com “eem”. 3) - “Apazigúe” a situação familiar, Maria! Para apaziguar, segundo a Nova Regra Ortográfica: o acento agudo do “U” tônico (forte) dos verbos apaziguar, averiguar, arguir... Não será mais usado. Corretos: apazigue, averigue, argue... SAIBA MAIS PARA NÃO ERRAR: 1) PISCINEIRO - É assim que nos referimos àquele profissional que cuida de piscinas. Dica útil: o uso do sufixo “eiro”, designa “atividade profissional”. Ex.: tesoureiro, banqueiro, serralheiro... 2) plural de giz – gizes - correto plural de blitz - blitzes - correto Dica útil: palavras terminadas em “Z” fazem plural com o acréscimo de “es”. 3) Mulher diz: obrigada, grata, agradecida Homem diz: obrigado, grato, agradecido (Trecho extraído e adaptado da introdução do livro.) MARINO, Matheus Kfouri; NEVES, Marcos Fava, org. A revenda competitiva no agronegócio: como melhorar sua rentabilidade. São Paulo: Atlas, 2008. 112 p. Renata Sborgia 1) Pedro disse: Eu “perdôo” a atitude grosseira. PARA VOCÊ PENSAR: Os interessados em conhecer as sugestões de leitura da Revista Canavieiros podem procurar a Biblioteca da Canaoeste. novo endereço: Rua Frederico Osanan, nº842 - Sertãozinho-SP Revista Canavieiros - Março de 2012 “Gosto das belas coisas claras e simples, das grandes ternuras perfeitas, das doces compreensões silenciosas, gosto de tudo, enfim, onde encontro um pouco de beleza e de verdade.” (Florbela Espanca) * Advogada, Prof. de Português, Consultora e Revisora, Mestra USP/RP, Especialista em Língua Portuguesa, Pós-Graduada pela FGV/RJ, com MBA em Direito e Gestão Educacional, autora de vários livros como a Gramática Português Sem Segredos (Ed. Madras), em co-autoria. Revista Canavieiros - Março 2012
  36. 36. 36 COMPRA-SE - Tubos de irrigação de todos os diâmetros, motobombas, rolão autopropelido, pivot, etc. Pagamento a vista. Tratar com Carlos pelos telefones: (19) 9166.1710/ (19) 8128.0290 ou pelo e-mail: cyutakam@hotmail.com VENDEM-SE - Mudas de seringueira da variedade RIM600 com borbulheira registrada; - Porta enxertos para mudas cítricas de todas as variedades; - Mudas de limão e laranja de todas as variedades; - Mudas de manga e abacates. Tratar pelos telefones: (17) 9133.5717 / 9629.5456 / 8101.8767 ou e-mail: branco.estufas@yahoo.com.br - Cleiton Bulgo Verdeiro (BRANCO) 23 anos de experiência. VENDE-SE - Sítio localizado na cidade de Cravinhos com capacidade para produção de 300 matrizes suínas e 550 leitões por mês (fase de cria), contendo um trator, cinco barracões, três casas e um laboratório para preparação de sêmen. Área total de 5,5 alqueires. Tratar com Flávia pelo telefone: (16) 9196.4014. VENDEM-SE - D-20, ano 1996 e na cor branca; - D-20, ano 1995, cabine dupla, completa e na cor vinho; - Caminhão MB 709 com baú térmico, ano 1994 e na cor branca; - F-250 xlt, ano 2005, compl., cor azul; - S10 colina, turbo, diesel, 4x4, ano 2008, cabine simples e na cor branca; - Fiat Strada, cabine estendida, ano 2007, 1.4 com direção hidráulica e na cor prata; - Pampa, ano 1994, 1.6, álcool e na cor azul. Tratar com Diogo ou Pedro pelos telefones: 9213.6928 (Diogo) ou 9280.9392 (Pedro). VENDEM-SE - MATA-BURRO medindo 3,00m de largura x 2.10m, construído com 10 barras de trilhos TR-22 de 3,00m e 4 barras transversais de 2,50m. Preço para pagamento à vista R$ 2.700,00; - MATA-BURRO medindo 3,30m de largura x 2,00m, construído com 9 barras de trilhos TR-25 de 3,30m e 4 barras transversais de 2,60m. Preço para pagamento à vista R$ 3.000,00; - MATA-BURRO medindo 3,00m de largura x 2,20m, construído com 10 barras de trilhos TR-25 de 3,00m e 4 barras transversais TR-22 de 2,20m. Preço para pagamento à vista R$ 3.000,00. Tratar pelos telefones (16) 3628. 1010 ou (16) 9220.4444 com Pedro Bom - Ribeirão Preto. VENDEM-SE - 01 transformador de 45 KVA; - 01 transformador de 112 KVA; - mourões de aroeira; - bag vazio usado; - arame farpado usado. Tratar com Wilson pelo telefone: (17) 9739.2000 – Viradouro/SP VENDEM-SE - 01 moto bomba acoplada em motor Volkswagen 1300 – entrada de 3” e saída de 4” (em ótimo estado) ; - 01 bomba FMC completa, para Jumbim, Atomizador ou outros fins (em ótimo estado); - 01 carroceria Fachini – cana inteira – reforçada – 8m de comprimento X 2.6m de largura. (em ótimo estado); - 01 carroceria Galego – cana inteira e de planta de cana – reforçada – 8m de comprimento X 2,6m de largura. (em ótimo estado); - 01 cultivador DMB com 2 caixas para adubo, acoplado de grade – 8 discos cada linha – acionamento lateral com corrente podendo trabalhar com trator Revista Canavieiros - Março de 2012 abaixo de 100cv (em ótimo estado); - 01 colheitadeira de cana CASE A7700 (esteira), motor Cummins M11, despontador, disco de corte lateral, auto tracks (copiador de solo), elevador estendido. Ano de fabricação 2009 (em ótimo estado); - 04 reboques agrícola (Transbordo) SMR ano 2009 (Sermag) chassis duplo (em ótimo estado); - 01 caminhão FORD 5032, ano 2006, 4x4 traçado, (pneus semi-novos) com carroceria canavieira (GOYDO) ano 2009, com 8m de comprimento, com cabos de aço e cambão. Valor: R$ 150.000,00 (em ótimo estado); - 01 reboque 2 eixos (GOYDO), ano 2009, 8,20m de comprimento X 2,60m de largura e 4,40m de Altura, com cabos de aço e cambão (pneus em bom estado) - medida dos pneus: 1000/20 (em ótimo estado); Tratar pelos telefones: (17) 3281.5120 (Luciana – escritório) / (17) 8158.1010 (Marcus) / (17) 8158.0999 (Nelson). VENDEM-SE - Ford Cargo 2626 / 05, 6x4 e tanque GASCOM 16.000 l Agribomba novo; - Ford Cargo 2425 / 02, 6x4 e tanque GASCOM 16.000 l Multiflex novo; - Ford Cargo 2425 / 98, 6x4, tanque novo 16.000 l, bombeiro e pipa; - Ford F13000 / 86, toco, tanque de água 9.000 l, bombeiro e pipa; - Ford F12000 / 9,3 toco, tanque de água 9.000 l, bombeiro e pipa; - Ford F11000 / 82, toco, tanque de água 9.000 l, bombeiro e pipa; - VW 13-180 / 06 e 08, toco, equipado com tanque de água novo de 10.000 l, bombeiro, pipa; - VW 26-260 / 06 traçado, equipado com betoneira 8m³ nova; - VW 26-260 / 06, 6x4, no chassi com 109.000km – original; - VW 31-260 / 06, 6x4, novo chassi com 38.000km – original;
  37. 37. 37 - VW 26-260 / 08, 6x4, basculante 12m³ com 79.000km – original; - VW 14-220 / 97, truck com munk IMAP - mod. 20.000; - MB 2423K / 07, no chassi com 58.000km – original; - MB 1318 / 89, truck com munk ARGOS - mod. 20.500; - MB 1516 / 86, truck com munk IMAP - mod. 20.000; - MB 1313 / 82, toco com munk MOTOCANA - mod. 10.000; - MB 1113 / 85, toco com munk MUNCK - mod. 640-18; - MB 1318 / 88, truck, com baú 11 metros; - MB 1513 / 81, toco, tanque de água 10.000 l, bombeiro e pipa; - MB 1113 / 73, toco, tanque de água 9.000 l, bombeiro e pipa; - MB 1620 / 03, truck no chassi, único dono, motor novo e pneus excelentes; - Semi Reboque Prancha NOMA / 07, 3 eixos, rampa hidráulica. 3m largura, 19,80 comprimento; - Munk ARGOS / 2010, mod. 20.500, 3 lanças hidráulicas, 2 manuais, e 4 patolas; - Munk MUNCK mod. 640-18. - Tanque de Fibra com capacidade de 16.000 l; - Carreta com Tanque de Fibra, 22.000l e 2 eixos; - Caçamba Basculante para caminhão toco com 5m³ na caixa; - Baú para caminhão 3/4, toco e truck; - Tanque de água para caminhão de 9.000 l, usado e revisado; - Tanque de água para caminhão novo de 16.000 l; - Tanque de água para caminhão usado de 6.000 l e 8.000 l. Tratar com Alexandre pelos telefones: (16) 3945.1250 / 9766.9243 / 7813.3866 id 96*81149 ou com Luiz Monteiro pelos telefones: (16) 3945.4760 / 9766.9244 / 7813.3865 id 96*81149. Email: trecaminhoes@ yahoo.com.br VENDE-SE - 01 Caminhão Ford Cargo 1622, ano 2000 e modelo 2001. Valor R$ 90.000,00. Tratar com Márcio Sarni pelos telefones: (16) 3946.4200 / (16) 9101.5687. VENDEM-SE - Volks 7.90, ano 1991, na cor branca, em perfeito estado e pronto para trabalhar; - Volks 14.210, na cor branca, truck com munck masal 30mil, com 02 lança hidráulica e 02 lança mecânica. Tratar com Adriano pelos telefones: (16) 3945.8980 / (16) 8128.6006 / ID 89*3009. VENDE-SE - Linda propriedade. Possui 13 alqueirões, localizados a 20km de Frutal –MG, formada em pasto com terra boa para plantio de soja e cana-de-açúcar. Possui barracão fechado de 250m² coberto com estrutura metálica, tanque combustível e bomba. A casa sede tem 03 dormitórios, 02 banheiros, lajeada mais duas casas para funcionários, mina de água com roda d’água, poço artesiano, curral com embarcardor, chiqueiro, represa, paiol, campo de futebol, pomar e área verde (APP). Fica situada entre duas usinas, Frutal e Cururipe (asfalto vai parar na porta). Tratar com Francisco pelos telefones: (16) 8843.1179 ou (16) 3023. 5166. VENDE-SE - 01 tanque de inox rodoviário de 4000 l, para leite com duas repartições e bomba. Tratar pelo telefone: (19) 3672. 2818 - Santa Cruz das Palmeiras/SP. VENDEM-SE - Casa de lazer à margem da represa de Volta Grande com quatro suítes, sala, cozinha, varanda com fogão à lenha / forno / churrasqueira, 1 WC externo, spa com oito bicos de hidromassagem e bela jardinagem com piscina ornamental. Tudo isso em um condomínio murado, próximo a Ubatã. Toda sua infraestrutura (piscina, quiosque, campo de futebol iluminado e rampa para barcos) é para apenas 20 lotes, portanto muita privacidade e pouca despesa; - Lotes para construção de casas, localizados a 40 km de Uberaba/MG e 35 Km de Conceição das Alagoas /MG. Tratar pelos telefones: (34) 3338. 3946 ou (34) 9972.3946. VENDEM-SE - Fazenda Sud Menuci com 165 alqueires, formada em pasto às margens do rio Tietê, localizada a 9 km do asfalto e a 15 km da indústria Santa Adélia (cana-de-açúcar). Valor: R$ 39.000,00 o alqueire ou área total por R$ 6.435.000,00. 40% a vista, 30% com um ano de prazo e 30% com mais seis meses de prazo. Correção 0.8 a.m (combinar); - 150 alqueires, formada em pasto com nove divisões. Possui cerca paraguaia, energia elétrica, 100% plana, boa para plantio ou criação de gado, casa sede, duas casas de colonos, curral com brete e balança e lagoas. Localizada as margens do rio Paracatu. Valor pedido: R$ 2.000.000,00; - 36 alqueires, planta 32 de cana, localizado na região de Auriflama. Preço por alqueire: R$ 40.000,00; - 120 alqueires, planta 110 de cana, localizado na região de Santo Antônio do Araguangá/SP. Preço por alqueire: R$ 45.000,00; Tratar com Amaral pelos telefones: 9174.8183 (claro) / 8217.1255 (tim) / 9739 9340 (vivo). VENDE-SE - Tanque de água com duas rodas e capacidade para 4.000 litros. Valor: R$ 3.500,00. Tratar com Luiz Augusto pelo telefone: (16) 8158.7008. VENDE-SE - 01 aviário completo com estrutura metálica para criação de frango de engorda. Capacidade de até 25000 aves. Tratar com Mauro pelo telefone: (16) 9961.4583. VENDE-SE - 66 alqueires margeando (±400m) do Rio Grande, na Barragem Água Vermelha, em Paulo de Faria - SP, toda de terra roxa e em pastagem, possui sede, curral e rancho (para pescaria). Valor: R$ 50.000,00/alqueire. Tratar com o proprietário pelo telefone: (16) 9706.8589. Anuncie aqui, envie um e-mail para classificados@revistacanavieiros.com.br ou ligue para (16) 3946.3300 R:2008 Revista Canavieiros - Março 2012
  38. 38. 38 Eventos em Abril 2012 Tecnoshow Comigo 2012 Empresa Promotora: COMIGO Tipo de Evento: Exposição / Feira Início do Evento: 09/04/2012 Fim do Evento: 13/04/2012 Estado: GO Cidade: Rio Verde Localização do Evento: Centro Tecnológico COMIGO (CTC) Informações com: Secretaria Geral Site: www.tecnoshowcomigo.com.br Telefone: 64 3611-1525 E-mail: secretariageral@tecnoshowcomigo.com.br XVI Dia de Campo Cap jr – soja, milho e amendoim * safra 2011/12 Dia: 14/04 Local: Unesp / Centro de Convenções “Ivaldo Melito” Cidade: Jaboticabal/SP Inscrições: de 13/03 a 14/04 através do site www.capjr. com.br Investimento: R$ 20,00 - até dia 11/04 / R$ 25,00 após 11/04 Informações: (16) 3209-2600 – ramal: 2847 AGRISHOW 2012 19ª Feira Internacional de Tecnologia em Ação Empresa Promotora: ABIMAQ, ABAG, SRB e ANDA Tipo de Evento: Exposição / Feira Início do Evento: 30/04/2012 Fim do Evento: 04/05/2012 Estado: SP Cidade: Ribeirão Preto Localização do Evento: Pólo de Desenvolvimento Tecnológico dos Agronegócios do Centro - Leste Anel Viário Km 321 Informações com: Reed Exhibitions Alcantara Machado Site: www.agrishow.com.br Telefone: 011 3060-5000 E-mail: comunicacao@reedalcantara.com.br Expo Londrina Tipo de Evento: Exposição / Feira Agropecuária Início do Evento: 05/04/2012 Fim do Evento: 15/04/2012 Cidade: Londrina Estado: PR Aberta venda de ingressos para a Agrishow 2012 Visitantes e compradores já podem adquirir seus ingressos para a Agrishow 2012 (Feira Internacional da Tecnologia Agrícola em Ação). A venda antecipada já está disponível no site do evento (http://www.agrishow.com.br/2012/Visitar/Ingressos/). Os ingressos custam de R$ 13 a R$ 26 Promovido pela Reed Exhibitions Alcantara Machado, o evento deve receber nos cinco dias de realização cerca 150 mil visitantes. Em 2011, a Agrishow contou com um público de 146.836 mil pessoas de 50 países e mais 765 expositores de 45 países, movimentando R$ 1,755 bi em negócios. Realizado de 30 de abril a 4 de maio, em Ribeirão Preto/ SP, a Agrishow 2012 é uma iniciativa da ABIMAQ (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos) em conjunto com a ABAG (Associação Brasileira do Agribusiness), ANDA (Associação Nacional para Difusão de Adubos) e SRB (Sociedade Rural Brasileira). Mais informações através do site oficial do evento: http:// www.agrishow.com.br Evento exclusivo para profissionais do setor. É proibida a entrada de menores de 16 anos. Revista Canavieiros - Março de 2012
  39. 39. 39 Revista Canavieiros - Março 2012
  40. 40. 40 Revista Canavieiros - Março de 2012

×