Projeto festa junina

9.430 visualizações

Publicada em

Projeto Festa Junina

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.430
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
134
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Projeto festa junina

  1. 1. Tecnologias na Educação: Ensinando e Aprendendo com as TIC PROINFO/MEC Projeto Festa Junina Nova Era-MG 2012
  2. 2. 1- Identificação do projeto: “Festa Junina 2012 – Promovendo a cultura popular”.2- Autores: alunas do curso Tecnologias na Educação: Ensinando e Aprendendo com as TIC’s – Proinfo/MEC.3- Público alvo: alunos da rede municipal e estadual de Nova Era-MG.4- Período de execução: maio à junho de 2012.5- Justificativa: A Escola tem um papel importante na valorização das tradições, portanto esteprojeto didático visa integrar a comemoração da Festa Junina com a comunidadeescolar e familiar, desenvolvendo o resgate social fundamental para a cidadania.Assim, as Escolas da Rede Municipal e Estadual de Ensino de Nova Era,desenvolverão o Projeto de uma forma interdisciplinar, garantindo a compreensão, ainvestigação e o aprofundamento do saber, atribuindo significados às situaçõespropostas, relacionando-as as situações presentes.6- Objetivos gerais:  Enriquecer o conhecimento dos alunos quanto aos costumes das Festas Juninas;  Ampliar a integração com a comunidade e oferecer novas aprendizagens aos educandos;  Valorizar a cultura popular.7- Objetivos específicos:  Compreender a história da Festa Junina, bem como seu valor dentro do folclore brasileiro, destacando seus aspectos sociais e religiosos;  Conhecer e valorizar as características das Festas Juninas em diferentes regiões do país.  Socializar com a comunidade escolar e familiar;  Desenvolver o ritmo, o compasso e a criatividade;  Desenvolver a linguagem oral e escrita;  Ampliar o vocabulário;
  3. 3.  Perceber a importância do trabalho em equipe;  Incentivar o gosto pela culinária junina.8- DesenvolvimentoOrigens, tradições e história Existem duas explicações para o termo festa junina. A primeira explica quesurgiu em função dos rituais de fertilidade. O mês de junho, tempo do solstício deverão (no dia 21 ou 22 de junho o Sol, ao meio-dia, atinge seu ponto mais alto nocéu; esse é o dia mais longo e a noite mais curta do ano) no Hemisfério Norte, eraa época do ano em que diversos povos faziam rituais de invocação de fertilidadepara estimular o crescimento da vegetação, promover a fartura nas colheitas e trazerchuvas. Outra versão diz que está festa tem origem em países católicos da Europa e,portanto, seriam em homenagem a São João. No princípio, a festa era chamada deJoanina. Os rituais de fertilidade perduraram através dos tempos. Na era cristã, mesmoque fossem considerados pagãos, não era mais possível acabar com eles. É poresse motivo que a Igreja Católica, em vez de condená-los, os adapta àscomemorações do dia de São João, que teria nascido em 24 de junho, dia dosolstício. Na Europa, os festejos do solstício de verão foram adaptados à culturalocal, de modo que em Portugal foi incluída a festa de Santo Antônio de Lisboa oude Pádua, em 13 de junho. A tradição cristã completou o ciclo com os festejos deSão Pedro e São Paulo, ambos apóstolos da maior importância, homenageados em29 de junho. (Rangel, 2008) De acordo com historiadores, esta festividade foi trazida para o Brasil pelosportugueses, ainda durante o período colonial, após o ano de 1500. Várias outrastradições foram sendo incorporadas à festa, como as comidas típicas, fogueira,fogos de artifício e muitos outros. Todos estes elementos foram com o passar do tempo, misturando-se aosaspectos culturais dos brasileiros (indígenas, afro-brasileiros e imigrantes europeus)nas diversas regiões do país, tomando características particulares em cada umadelas.
  4. 4. Comidas e bebidas juninas As tradições fazem parte das comemorações. O mês de junho é marcadopelas fogueiras, que servem como centro para a famosa dança de quadrilhas. Osbalões também compõem este cenário, embora cada vez mais raros em função dasleis que proíbem esta prática, em função dos riscos de incêndio que representam. No Nordeste, ainda é muito comum a formação dos grupos festeiros. Estesgrupos ficam andando e cantando pelas ruas das cidades. Vão passando pelascasas, onde os moradores deixam nas janelas e portas uma grande quantidade decomidas e bebidas para serem degustadas pelos festeiros. Já na região Sudeste são tradicionais a realização de quermesses. Estasfestas populares são realizadas por igrejas, colégios, sindicatos e empresas.Possuem barraquinhas com comidas típicas e jogos para animar os visitantes. Adança da quadrilha, geralmente ocorre durante toda a quermesse. Como Santo Antônio é considerado o santo casamenteiro, são comuns assimpatias para mulheres solteiras que querem se casar. No dia 13 de junho, asigrejas católicas distribuem o “pãozinho de Santo Antônio”. Diz a tradição que o pãobento deve ser colocado junto aos outros mantimentos da casa, para que nuncaocorra a falta. As mulheres que querem se casar, diz a tradição, devem comer destepão. Conta a história que as comemorações juninas surgiram na época pré-gregoriana, em comemoração à fartura das colheitas, no solstício de verão, quandorealizava-se uma grande festa pagã para agradecer a fertilidade da terra. Essa festaera realizada no dia vinte e quatro de junho. Aos poucos, a festa foi sendo difundida por todo o Brasil, tendo chegado aonosso país através da colonização dos portugueses. Nessa data, o milho está em evidência em nossas plantações, sendo a basede todos os alimentos consumidos nas festas juninas. Como o mês de junho é a época da colheita do milho, grande parte dosdoces, bolos e salgados, relacionados às festividades, são feitos deste alimento.Pamonha, cural, milho cozido, canjica, cuzcuz, pipoca, bolo de milho são apenasalguns exemplos. Além das receitas com milho, também fazem parte do cardápio desta época:arroz doce, bolo de amendoim, bolo de pinhão, bombocado, broa de fubá, cocada,pé-de-moleque, quentão, vinho quente, batata doce e muito mais.
  5. 5. Dentre tantos pratos deliciosos podemos destacar a canjica, o curau, apipoca, a pamonha, o bolo de milho, o caldo de milho, milho cozido, dentre outros.Porém, não são apenas esses alimentos que compõem a culinária da festa. Dependendo da região onde é realizada, a festa junina apresenta um caráterpeculiar com a cultura da localidade. Várias são as opções para se fazer uma boa festa junina. O mané-pelado éum bolo feito de mandioca crua, ralada; a paçoquinha é feita de amendoim torrado,bolacha de maisena e leite condensado; a maçã do amor é uma maçã mergulhadaem calda de açúcar, com um cabo de palito de picolé; bolo de coco; cachorro-quente, o delicioso pãozinho com molho e salsicha; pé de moleque, feito comrapadura e amendoim torrado; pinhão cozido, uma castanha característica do sul e ofamoso quentão, feito com gengibre, canela e pinga. As festas juninas são conhecidas como características da Igreja CatólicaApostólica Romana, por manter culto de veneração a três santos: São João, SantoAntônio e São Pedro. Dessa cultura religiosa surgiram as quermesse ou festas de barraquinhas,onde são vendidos esses deliciosos alimentos, além de artesanatos, a fim dearrecadar verbas para as benfeitorias da igreja. Essas festas também são conhecidas como festas de caridade e durante suarealização acontecem várias brincadeiras, também para se arrecadar fundos. Sãofeitos pequenos leilões de alimentos, nos quais os lances chegam a valores bemmaiores que os das prendas, mas somente para levar animação ao momento, alémde fazer a doação para a igreja. Mas o importante mesmo é se divertir e comer as delícias das festas juninas.Danças Juninas Esse tipo de dança (quadrille) surgiu em Paris no século XVIII, tendo comoorigem a contredanse française da aristocracia francesa, que por sua vez é umaadaptação da country dance inglesa, segundo os estudos de Maria Amália Giffoni. Chegou ao Brasil no século XIX, durante o período da Regência e fezbastante sucesso nos salões brasileiros, sendo dançada pela elite portuguesa ebrasileira deixando de ser uma dança apenas das famílias mais abastadas e caiu nogosto popular. Desde sua criação vem sofrendo modificações em suas evoluçõesbásicas.
  6. 6. A quadrilha representa o grande baile de casamento, por isso dança-se empares e as evoluções puxados pelo noivo e pla noiva. Os instrumentos musicais que em geral acompanham a quadrilha são: asanfona, o triângulo e a zabumba. Também sua sados a viola e o violão. A músicatradicionalmente usada para dançar é o forró, variando de região para região. O marcador, ou “marcante”, da quadrilha desempenha papel fundamental,pois é ele que dá a voz de comando e dirige as evoluções da dança. Atualmente,dança-se a quadrilha apenas nas festas juninas e em comemorações festivas comoessas. Utilizam-se trajes típicos sendo os mais comuns para os homens: camisaxadrez e calça com remendos,bota, chapéu de palha, lenço no pesçcoço, no rostofazem barba e bigode. Para as meninas geralmente dança com vestidos lisos ouestampados bem enfeitados com flores, fitas coloridades, babados,rendas, chapéude palha ou enfeite no cabelo como laços, flores, etc., bota ou sapato baixo fechado,trança nos cabelos e no rosto maquiagem e uma pinta no rosto.Roteiro para quadrilhaPersonagens: Noivo, Noiva, Pai e Mãe da noiva, coroinha, delegado, 2 soldados, 2casais de padrinhos e convidados sempre em casai.1º - Casamento na roçaCenário: representação de igreia ou capelaPosicione os convidados em duas fileiras. A noiva deve ficar na extremidade opostaá do altar, como se fosse netrar na igreja. O padre fica no altar, em companhia doscoroinhas e pedrinhos, ansioso, anuncia a cehagada da boiva, que entra animadacom o pai.Padre:__ Palmas para a noiva que está chegando! (olha desconfiado) Cadê onoivo?Noiva: __Mãe, se ele não vié eu dimaio...(finge um desmaio e é socorrida pela mãee pela madrinha. Bravo, o pai da noiva chama o delegado e fala algo. Sisudo, odelegado concorda com a cabeça).Delegado: __Vô bucá ele. (sai carrancudo, pisando forte e acompanhado pelossoldados, para voltar em seguida com o noivo, puxado pelo colarinho. Permaneceno altar, ao lado do noivo, para que ele não fuja)
  7. 7. Padre (com cara de entediado) __ Bão, vamo casá logo. Ocê Maieta Francisca, quêsê, de coração, esposa do Zezinho Barbicha a vida toda?Noiva: __Óia, craro que sim!Padre: __ E ocê, Zezinho, qué mesmo casá com Sinhá Marieta Franscisca?Noivo: __ (olha para o pai de noiva com cara de bravo e pensa um pouco). Veja bemque não é muito a minha ideia sabe Seu Padre, mas agora tô sem jeito di iscoiê né...Padre: __ Então viva os noivos!!Convidados: __Viva! Finalizando o casamento, os participantes mantêm a formação de duasfileiras, uma de frente para a outra e com um espaço de 4 metros, onde moças erapazes se alternam, para formar os pares e dançar a quadrilha, sob o comando domarcador, que usa palavras nativas e francesas aportuguesadas. A seguir, ospassos básicos e o roteiro mais simples e tradicional da dança. Ressaltamos queeste roteiro pode variar devido ao regionalismo. Antes do início da quadrilha, separeduplas por números 1 e 2.2º - Marcação da quadrilha1.ª Parte: Comandos iniciaisA) Caminho da festa! - Os pares se dividem e se colocam nas extremidades. Entramno salão balançando os braços e param no centro, onde as duas filas se encontram.B) Aos seus lugares!; Anarriê (en arrière, para trás) ou Returnê (returner) - Os paresvoltam em marcha-a-ré até o ponto em que estavam.C) Damas para um lado e cavalheiros para o outro! - Os pares se separam. Formamuma fileira de damas e outra de cavalheiros. Uma diante da outra. Cada cavalheirofica em frente à sua dama.COMEÇA A MÚSICA1- BALANCÊ! (balancer) ou Balanceio! - Balançando o corpo no ritmo da música,damas e cavalheiros marcam o passo, sem sair do lugar. // Nota: Além de ser oprimeiro comando "Balancê" é um grito de incentivo, repetido quase todas as vezesque um passo termina. Quando um comando é dado só para damas, os cavalheirospermanecem no "Balancê". E vice-versa.2- BALANCÊ COM SEU PAR:
  8. 8. A) Balancê! (Balanceio!) - Balançando o corpo no ritmo da música, damas ecavalheiros marcam o passo, sem sair do lugar.B) Balancê vis-à-vis! - Os cavalheiros balançam o corpo e caminham até as damas.Ao chegar perto, entrelaçam o braço direito no braço direito da dama. O casal dáduas voltas e as damas param. Eles voltam aos seus lugares caminhando de costas.C) Balancê! (Balanceio!) - Balançando o corpo, damas e cavalheiros marcam opasso, sem sair do lugar.D) Ao centro! ou Anavan! (en avant) - Damas e cavalheiros avançam para o centrobalançando os braços e cumprimentam-se com um aceno de cabeça.E) Beija-flor! - As damas estendem a mão direita para o cavalheiro beijar.F) Voa andorinha! - Os cavalheiros dão um passo pra trás. Sem largar a mão dadama, ficam semi-ajoelhados. As damas dão duas voltas pela esquerda, balançandoo vestido com a outra mão. Eles levantam.G) Voa gavião! - Os cavalheiros enlaçam a cintura da dama, com a mão direita. Elacoloca o braço esquerdo no ombro dele e dão duas voltas para a direita.H) Aos seus lugares! - Todos voltam aos seus lugares caminhando de costas.I) Balancê! (Balanceio!) - Balançando o corpo, damas e cavalheiros marcam opasso, sem sair do lugar.3- SAUDAÇÃO; CUMPRIMENTO ou TRAVESSÊ: Esses comandos podem ser feitosem duas seqüências iguais (A,B,C,D - A, B, C, D) ou quase (A,B,C,D - C,D)A) Cavalheiros, saudação! - (Cumprimento de cavalheiros) ou (Travessê decavalheiros) - Sem sair do lugar, elas balançam o corpo. Eles, balançando o corpo,caminham até elas. Cumprimentam sua dama, flexionando o tronco e mantendo acabeça erguida. Voltam aos lugares caminhando de costas.B) Damas, saudação! - (Cumprimento de damas) ou (Travessê de damas) - Semsair do lugar, eles balançam o corpo. Elas, balançando o corpo, caminham até eles.Cumprimentam seu parceiro, com mesura, levantando levemente a barra da saia.Voltam aos lugares caminhando de costas.C) Saudação geral! - (Cumprimento de casal) ou (Travessê de casal) - Damas ecavalheiros vão para o centro ao mesmo tempo. Cumprimentam-se e voltam aosseus lugares caminhando de costas.D) Damas e cavalheiros, trocar de lado! (Travessê de damas e cavalheiros) - Asduas colunas vão para o centro ao mesmo tempo. Cruzam-se no centro pela direitae seguem até o outro lado do salão, trocando de lado. Eles, vão para o lugar antesocupado por elas. E vice-versa. Ficando novamente de frente ao seu par.
  9. 9. 4- MARCAS AO CENTRO: (Antes do início da quadrilha, os pares são marcadospelo número 1 ou 2)A) Primeiras marcas ao centro! - Só os pares do grupo 1 vão ao centro. Os demaisfazem "Balancê".B) Balancê! (Balanceio!) - No centro, os pares do grupo 1, balançam o corpo, semsair do lugar.C) Giro! ou Tur (tour) - O cavalheiro abraça a cintura da dama, com a mão direita.Ela coloca o braço esquerdo no ombro dele e dão uma volta completa pra direita.D) Aos seus lugares! - Os pares do grupo 1, cumprimentam-se. E voltam aos lugarescaminhando de costas.E) Segundas marcas ao centro! - Só os pares do grupo 2 vão ao centro. Os demaisfazem "Balancê".F) Balancê! (Balanceio!) - No centro, os pares do grupo 2, balançam o corpo, semsair do lugar.G) Giro! (Tur) - O cavalheiro abraça a cintura da dama, com a mão direita. Elacoloca o braço esquerdo no ombro dele e dão um giro completo pra direita.H) Aos seus lugares! - Os pares do grupo 2, cumprimentam-se. E voltam aos lugarescaminhando de costas.2.ª Parte: Comandos em círculoPASSEIO!A) Passeio! - As filas laterais giram pela direita e emendam-se em um grandecírculo. Cada cavalheiro dá a mão direita à sua parceira. Os casais passeiam,balançando os braços soltos para baixo, no ritmo da música.B) Trocar de dama! (Changê de dama!) - Cavalheiros à frente, ao lado da damaseguinte.C) Mais uma vez! - O comando é repetido até que cada cavalheiro tenha passadopor todas as damas e retornado pra seu par. (Se for dado o comando "passar duas"ou "passar três", passa duas ou três damas à frente.)D) Trocar de cavalheiro! (Changê de cavalheiro!) - Damas à frente, ao lado docavalheiro seguinte.E) Mais uma vez! - O comando é repetido até que cada dama tenha passado portodos os cavalheiros e retornado pra seu par. (Se for dado o comando "Passar dois!"ou "Passar três!", passa dois ou três cavalheiros à frente. Se retornar ao "Passaum!", continuar repetindo "Mais uma vez!")
  10. 10. F) Dança da vassoura! - Uma das damas (a noiva) não participa e um doscavalheiros fica sem par. Ao ouvir o comando "Trocar de dama!" ou "Changê dedama!" os cavalheiros trocam de par. Quem sobrar, dança no meio da roda com avassoura.G) Destrocar de dama! - Ao ouvir o comando os cavalheiros voltam para seu par.H) Anavan tur! ( Avantur) - A dama e o cavalheiro dançam como no comando "Tur"(O cavalheiro abraça a cintura da dama, com a mão direita. Ela coloca o braçoesquerdo no ombro dele e dão uma volta para a direita) Após uma volta, a damapassa a dançar com o cavalheiro da frente.I) Mais uma vez! - O comando é repetido até que cada dama tenha dançado comtodos os cavalheiros e alcançado seu par. (Se for dado o comando "Passar dois!" ou"Passar três!", passa dois ou três cavalheiros à frente. Se retornar ao "Passa um!",continuar repetindo "Mais uma vez!")GRANDE PASSEIO!A) Grande passeio! - Com as damas à direita dos cavalheiros, os casais passeiamde braços dados formando um círculo de casais. Dançam balançando os braçossoltos pra baixo, no ritmo da música.B) Damas à direita, cavalheiros à esquerda! - Soltam-se os braços. Damas fazemcurva pra direita. Cavalheiros fazem curva pra esquerda.C) Passeio dos namorados! - Quando os pares voltam a se encontrar no centro,dão-se os braços. O par guia sai junto pra direita e o seguinte pra esquerda. E assimsucessivamente. Quando os pares voltam-se a se encontrar no centro, formam umasó fila. Cada dama à frente do seu parceiro.3.ª Parte: Comandos em filaCAMINHO DA ROÇA: (Vários comandos podem ser acrescentados nesse passo)A) Caminho da roça! - Damas e cavalheiros formam uma só fila e todos batempalmas. Ela fica à frente do seu parceiro. Caminham pra direita, balançando osbraços. A fila deve deslizar como uma cobra pelo chão.B) Olha a cobra! - Todos se voltam e caminham em sentido contrário, dizendo emcoro:- Aiiiiii!C) É mentira! - Damas e cavalheiros voltam a caminhar pra direita, dizendo emcoro:- Ahhh!D) Segue caminho da roça!E) Olha a chuva! - Todos fazem meia volta, dizendo em coro:- Uiiiii!
  11. 11. F) Já passou! - Todos fazem meia volta, dizendo em coro:- Ahhh!G) Segue caminho da roça!H) Olha o buraco! - Todos fazem meia volta, dizendo em coro:- Uiiiii!I) Já consertou! - Todos dão meia volta novamente, dizendo em coro:- Ahhh!J) Segue caminho da roça! - Voltam para o "Caminho da roça".TRENZINHO ou CARACOL: (Escolher um só)A) Trenzinho! - Damas e cavalheiros formam uma só fila, colocando as mãos nosombros de quem estiver à sua frente. A 1.ª pessoa da fila (o guia), coloca as suaspor cima dos ombros e segura as mãos de quem estiver atrás dela. Caminhando pradireita, a fila segue fazendo curvas grandes e movimentos e barulhos de um trem.B) Desfazer - Voltam para o "Caminho da roça".A) Caracol! - Damas e cavalheiros formam uma só fila, colocando as mãos nosombros de quem estiver à sua frente. A 1.ª pessoa da fila (o guia), coloca as suaspor cima dos ombros e segura as mãos de quem estiver atrás dela. Caminhando pradireita e balançando os braços, a fila segue fazendo curvas grandes.B) Enrolar! - O guia começa a enrolar a fileira, como um caracol.C) Desvirar! - O guia faz as curvas em sentido contrário, até voltar a ficar em linhareta.D) Segue o caminho da roça! - Voltam para o "Caminho da roça".CESTINHA DE FLORES:A) Cestinha de flores! - Damas e cavalheiros formam uma só fila. Elas levantam osbraços, passando-os por cima dos ombros com a palma das mãos para cima. Oscavalheiros que estão atrás seguram as mãos da dama e continuam a caminhar.B) Desfazer cestinha de flores! - As damas abaixam os braços.CHANGÊ:A) Preparar o changê! - Todos param de andar e ficam no "Balancê". O cavalheirodá a mão direita à parceira.B) Changê! - Os cavalheiros rodam a dama pela sua esquerda, passando-as paratrás. E a cada sinal do marcador, largam as mãos dela e vão pegar as da dama dasua frente, até reencontrar o seu par.CARANCHÊ:A) Preparar o caranchê! - Todos param de andar e ficam no "Balancê". As damasficam de frente aos cavalheiros. Eles seguram com a mão direita, a mão direitadelas.B) Caranchê! - Os cavalheiros puxam a dama para trás, indo com a mão esquerda,
  12. 12. pegar a mão esquerda da dama que se aproxima, passando de uma dama paraoutra, em zigue zague. Damas e cavalheiros andam em sentido contrário atéreencontrar o seu par.C) Desfazer o caranchê! - Todos param de andar. As damas desviram.TÚNEL!A) Preparar para o túnel! - Cada cavalheiro dá a mão direita à sua parceira e ficamno "Balancê".B) Olha o túnel! - De mãos dados os pares seguem em fila. O casal guia pára,levanta os braços, voltados para dentro, formando um arco. O segundo casal passapor baixo e levanta os braços em arco. O terceiro casal passa pelos dois e faz omesmo. O procedimento se repete até que todos tenham passado pelo túnel.C) Aos seus lugares! - Os pares voltam aos seus lugares.4.ª Parte: Comandos em rodaESTRELA ou CRUZ DE MALTA : (Antes do início da quadrilha, os pares sãomarcados pelo número 1 ou 2)A) Primeiras marcas ao centro! - Apenas os pares do grupo 1 vão ao centro. Edividem-se em grupos de dois pares. As duas damas dão as mãos, segurando-se naaltura do antebraço. Os cavalheiros seguram os punhos de suas damas. Os paresdo grupo 2 permanecem no "Balancê".B) Primeiras marcas pra direita! - Os pares do grupo 1 rodam pra direita ao ritmo damúsica.C) Segundas marcas, preparar! - Apenas os pares do grupo 2, nas laterais, dividem-se em grupos de dois pares. As duas damas dão as mãos, segurando-se na alturado antebraço. Os cavalheiros seguram os punhos de suas damas. Os pares dogrupo 1 permanecem rodando.D) Segundas marcas pra esquerda! - Os pares do grupo 2 rodam pra esquerda aoritmo da música.E) Preparar estrela! - Os casais do grupo 1 continuam rodando e os do grupo 2 vão-se infiltrando na roda, segurando-se nos punhos e formando rodas maiores. Oscavalheiros seguram nas mãos dos cavalheiros e as damas seguram nas mãos dasdamas, formando outro braço da estrela.F) Estrela pra direita! - A roda desloca-se, ao ritmo da música, no sentido indicadopelo marcador.
  13. 13. G) Estrela pra esquerda! - A roda desloca-se, ao ritmo da música, no sentidoindicado pelo marcador.H) Desfazer estrela! - Os casais do grupo 1 continuam rodando e os do grupo 2 vãosaindo da roda e retornando aos seus lugares.I) Aos seus lugares! - Os pares do grupo 1 voltam aos lugares.GRANDE RODA:A) Grande roda! - Todos dão as mãos formando uma grande roda e deslocam-se nosentido indicado pelo marcador (direita ou esquerda).B) Damas ao centro! (Damas pra dentro cavalheiros pra fora) - Forma-se uma rodade damas ao centro e uma de cavalheiros do lado de fora. As duas rodas deslocam-se no mesmo sentido (indicado pelo marcador): "Damas e cavalheiros pra direita!"C) Arco-íris! - As duas rodas deslocam-se em sentido inverso, seguindo oscomandos do marcador: "Damas pra direita, cavalheiros pra esquerda!" ou vice-versa.D) Coroa de rosas! - Eles, de mãos dadas, erguem os braços e passam por cima dacabeça das damas. E sem soltar as mãos, mantêm os braços na altura da barrigadelas. Durante a coroação eles dançam sem sair do lugar. Depois deslocam-seseguindo os comandos do marcador.E) Descoroar! - Todos voltam à posição anterior. Ficando duas rodas novamente.F) Reformar a grande roda! - Elas caminham de costas, colocando-se entre oscavalheiros. Todos dão as mãos, formando uma grande roda e deslocam-se nosentido indicado pelo marcador (direita ou esquerda).G) Cavalheiros ao centro! (Cavalheiros pra dentro damas pra fora) - Forma-se umaroda de cavalheiros ao centro e uma de damas do lado de fora. As duas rodasdeslocam-se no mesmo sentido (indicado pelo marcador).H) Arco-íris! - As duas rodas deslocam-se em sentido inverso, seguindo oscomandos do marcador: "Damas pra direita, cavalheiros pra esquerda!" ou vice-versa.I) Coroa de espinhos! (Cavalheiros pra dentro damas pra fora) - Elas, de mãosdadas, erguem os braços e passam por cima da cabeça dos cavalheiros. E semsoltar as mãos, mantêm os braços na altura da barriga deles. Durante a coroaçãoeles dançam sem sair do lugar. Depois deslocam-se seguindo os comandos.J) Descoroar! - Todos voltam à posição anterior. Ficando duas rodas novamente.
  14. 14. L) Reformar a grande roda! - Os cavalheiros caminham de costas, colocando-seentre as damas. Todos dão as mãos, formando uma grande roda e deslocam-se nosentido indicado (direita ou esquerda).DESPEDIDA! - De um ponto escolhido da roda os pares se formam novamente esaem em fila, pelo meio do salão. Vão se retirando no "Galope" e acenando para aspessoas que estão assistindo.Fontes: Arquivo pessoal / Quadrilha: Teatro, Poema e Dança (Carlos Felipe)9- Culminância Para a culminância do projeto a proposta é realizar um Festival de Cultura Juninaaberta à comunidade, com apresentações das produções desenvolvidas.10-Avaliação Será avaliado no decorrer do projeto a participação, a colaboração e aorganização dos alunos durante as atividades.11- BibliografiaRANGEL, Lúcia Helena Vitalli. Festas juninas, festas de São João: origens, tradiçõese história. São Paulo: Publishing Solutions, 2008.Fontes consultadas: http://mdemulher.abril.com.br/culinaria/especial/receitas-festa-junina/ http://www.comidaereceitas.com.br/especiais/festa-junina.html/ http://www.festajunina.com.br/ http://www.blogbrasil.com.br/dancas-de-festa-junina/ http://www.festajunina.com.br/Organiza-Topico/escola/5 http://pt.wikipedia.org/wiki/Festa_junina http://www.lendorelendogabi.com/datas/datas_quadrilha_marcacao.htm

×