Lingua Portuguesa Pcop Ana Luisa

6.317 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.317
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
132
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lingua Portuguesa Pcop Ana Luisa

  1. 1. LEITURA Propensão aos resfriados, dores de cabeça, debilidade ocular, febre, gota, artrite, hemorróidas, asma, doenças pulmonares, indigestão, oclusão intestinal, distúrbios nervosos, enxaquecas, hipocondria e melancolia. NÃO SE TRATA DE UMA SÍNDROME GRAVE E DESCONHECIDA, SÃO ALGUMAS DAS CONSEQUENCIAS FÍSICAS QUE PODEM RESULTAR DA LEITURA EM EXCESSO, SEGUNDO UM PANFLETO PUBLICADO EM 1795. FOCO : NEM SEMPRE A LEITURA E SUA COMPREENSÃO FORAM CONCEBIDAS COMO HOJE PELA COMUNIDADE CIENTÍFICA.
  2. 2. 2005 – HORA DA LEITURA <ul><li>Inclusão de uma aula semanal na Matriz Curricular do Ensino Fundamental para práticas de leitura </li></ul>
  3. 3. 2009 – LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO <ul><li>Inclusão de duas aulas semanais na Matriz Curricular do Ensino Fundamental para práticas de leitura e produção escrita </li></ul>
  4. 4. Língua Portuguesa – Ensino Fundamental – Ciclo II <ul><li>Organizado por tipologia textual </li></ul><ul><li>Ênfase nos Gêneros não Literários </li></ul><ul><li>5ª SÉRIE - NARRAR </li></ul><ul><li>6ª SÉRIE - RELATAR </li></ul><ul><li>7ª SÉRIE - PRESCREVER </li></ul><ul><li>8ª SÉRIE - ARGUMENTAR </li></ul>
  5. 5. LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO <ul><li>ÊNFASE NA LEITURA DE TEXTOS LITERÁRIOS, EM SEUS DIFERENTES GÊNEROS: </li></ul><ul><li>ÉPICOS – TEXTOS NARRATIVOS </li></ul><ul><li>LÍRICOS – TEXTOS POÉTICOS </li></ul><ul><li>DRAMÁTICO – TEXTOS TEATRAIS </li></ul>
  6. 6. A LEITURA HOJE: <ul><li>O objetivo central do ensino da Língua é favorecer a conquista da capacidade de uso da Linguagem num contexto de usos e funções sociais. </li></ul><ul><li>Produção Oral e Escrita de Gêneros Textuais de Diferentes Domínios Sociais de Comunicação. (DOLZ E SCHNEUWLY, 2004) </li></ul><ul><li>LEITURA EM SALA DE AULA : </li></ul><ul><li>Organizar o tempo pedagógico das aulas de Leitura e Produção de Texto </li></ul>
  7. 7. Como organizar esse tempo: <ul><li>Pensar em diferentes modalidades didáticas como: </li></ul><ul><li>Projeto de Leitura, escuta e produção de textos : </li></ul><ul><li>As atividades devem ser organizadas de forma sequenciada e orientadas para a elaboração de um produto final, que se destina a interlocutores e espaços de circulação, que podem estar fora da sala de aula e mesmo na escola. </li></ul>
  8. 8. Exemplos de Projetos: <ul><li>Elaboração e publicação de uma coletânea de poemas de amor, no “varal poético”, num determinado espaço na escola. </li></ul><ul><li>Elaboração de uma publicação com resenhas de diferentes obras de um autor ou de vários autores </li></ul><ul><li>Elaboração e publicação de uma coletânea de contos de fadas modificados para o momento histórico-cultural da atualidade </li></ul><ul><li>Elaboração de uma coletânea de lendas de diferentes regiões brasileiras, reescritas ou adaptadas pelos alunos </li></ul>
  9. 9. Sequência de Atividades <ul><li>São organizadas com o objetivo de trabalhar determinado conteúdo, quer seja discursivo, textual ou gramatical. </li></ul><ul><li>Exemplos: </li></ul><ul><li>As características de um determinado gênero textual; </li></ul><ul><li>Os recursos linguísticos e estéticos utilizados pelo autor, pela apresentação do cenário em que se desenvolve, por exemplo, um conto; </li></ul><ul><li>Certas características dos Personagens; </li></ul><ul><li>Desenvolvimento do conflito até o desfecho; </li></ul>
  10. 10. Atividades Independentes : <ul><li>Permanentes(Habituais) : leitura em voz alta pelo professor, todo início de aula, roda de leitores, com escolhas pessoais, uma vez a cada quinze dias; </li></ul><ul><li>Ocasionais :quando selecionadas para dar conta de um conteúdo eventualmente considerado necessário como leitura de uma crônica sobre um determinado tema em evidência. </li></ul>
  11. 11. A rotina de trabalho em sala de aula <ul><li>A organização da rotina de trabalho deve ser equilibrada e as modalidades didáticas devem ser selecionadas para possibilitar o desenvolvimento de atividades com os diferentes conteúdos de leitura e de produção de textos, passando inclusive pela análise linguística. </li></ul>
  12. 12. Segundo Marisa Lajolo: <ul><li>O objetivo é sugerir que as atividades de leitura </li></ul><ul><li>propostas ao aluno, quando este se debruça sobre um texto literário, têm sempre de ser centradas no significado mais amplo do texto, significado que não se confunde com o que o texto diz, mas reside no modo como o texto diz o que diz. Nesse sentido, é necessário que os elementos do texto selecionado como gerador de atividades levem o aluno a observar mais de perto procedimentos realmente relevantes para o significado geral do texto. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>Preparando o momento: observar mais de perto procedimentos relevantes para o significado geral do texto </li></ul><ul><li>Aquecendo para a leitura: estimular os alunos a fazer antecipações sobre o texto a ser lido. Essas antecipações serão verificadas após a leitura. </li></ul><ul><li>Saboreando o texto: leitura em voz alta, ou silenciosa, do professor para os alunos, com os alunos. </li></ul><ul><li>Entrelaçando leituras coletivas: compartilhar as leituras, sentimentos, opiniões. </li></ul><ul><li>Desdobramentos para outros momentos/produção escrita. </li></ul>
  14. 14. A seleção de textos e a organização das atividades <ul><li>Uma questão de bom senso? </li></ul><ul><li>Os critérios de seleção e utilização dos textos com propósitos pedagógicos devem considerar sempre: </li></ul><ul><li>a complexidade do gênero; </li></ul><ul><li>o nível de dificuldade da atividade em relação ao gênero; </li></ul><ul><li>a familiaridade dos alunos com o gênero; </li></ul><ul><li>a adequação do conteúdo do texto ao nível de conhecimento dos alunos e às necessidades da classe. </li></ul>
  15. 15. O lugar da leitura do texto literário <ul><li>A proposta do desenvolvimento da disciplina Leitura e Produção de Textos (LPT), com duas aulas semanais, na grade curricular do ciclo II do Ensino Fundamental, foi concebida na perspectiva de uma contribuição para o letramento literário . </li></ul>
  16. 16. Destaques: <ul><li>Necessidade de se chamar a atenção para o valor da literatura e sua função social, bem como para as relações possíveis entre literatura e educação. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Concentração de esforços na formação de leitores literários e na constituição de uma comunidade de leitores e produtores de textos que sejam capazes de atender às demandas das diferentes esferas comunicativas da sociedade </li></ul>
  17. 17. <ul><li>Algumas reflexões sobre o ato de ler: </li></ul><ul><li>Ler é um ato solitário? </li></ul><ul><li>Não existem palavras para expressar o que sentimos quando lemos um texto literário... </li></ul><ul><li>Os livros falam por si mesmos? </li></ul><ul><li>A escola deve fazer a escolarização da literatura, com a leitura das obras e, não apenas, das informações teóricas ou críticas a respeito do autor, ou do texto. </li></ul>
  18. 18. Propostas de produção textual <ul><li>É necessário: </li></ul><ul><li>prever que os alunos sejam capazes de coordenar procedimentos, muitas vezes, complexos, relacionados tanto com o planejamento do que querem expressar, quanto da própria escrita; </li></ul><ul><li>estabelecer comandos e fornecer orientações que deixem clara a proposta. </li></ul>
  19. 19. Planejamento <ul><li>Ao planejar a rotina semanal/quinzenal/mensal/bimestral, é preciso que o professor leve em conta certos critérios e organize as atividades de modo a garantir o ler, o ouvir, o falar, o escrever de memória, o criar, o reescrever, o revisar. </li></ul>
  20. 20. Os livros e a leitura <ul><li>A escola deve favorecer a relação com os livros e com a leitura, pois é o espaço que deve garantir o acesso à cultura letrada. Não se pode deixar de lado a importância de “ler para alguém” ou “contar histórias”. </li></ul><ul><li>Socializar as leituras realizadas com os colegas, em rodas de leitura, para expressar-se oralmente e compartilhar com os outros o que se leu, o que se sentiu, o que se descobriu, as opiniões. </li></ul>
  21. 21. Elementos necessários para o desenvolvimento da compreensão leitora <ul><li>A decodificação é apenas um dos procedimentos que se utiliza para ler. Há outras estratégias utilizadas para que o leitor construa o significado daquilo que lê: seleção, antecipação, inferência, verificação. </li></ul><ul><li>O leitor competente utiliza todas as estratégias quase que ao mesmo tempo. </li></ul>
  22. 22. Estratégias: <ul><li>As estratégias de seleção permitem que o leitor mantenha-se atento apenas aos indícios que lhe são úteis para decifrar o texto escrito. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>As estratégias de antecipação , com base em informações explícitas e em suposições, permitem que o leitor tenha condições de prever o que poderá encontrar em um texto. O gênero, o autor, o título, por exemplo, podem ajudar o leitor a antecipar significados. </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  23. 23. <ul><li>As estratégias de inferência permitem ao leitor captar o que não aparece explicitamente no texto. O texto, em seu contexto, apresenta pistas que articuladas aos conhecimentos que o leitor já possui, possibilitam que ele infira significados. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>As estratégias de verificação permitem confirmar ou não as hipóteses formuladas </li></ul>
  24. 24. <ul><li>“ Produzir bons textos é resultado da leitura de muitos textos diferentes, mas é também fruto da possibilidade de pensar e partilhar idéias sobre outros textos lidos e sobre a própria produção textual.” </li></ul>
  25. 25. O trabalho pedagógico para a produção de textos deve estar apoiado em certas referências <ul><ul><li>um amplo repertório de textos lidos ou ouvidos é condição para se escrever textos; </li></ul></ul><ul><ul><li>além do repertório de leitura, há necessidade de ensinar a organizar o texto e observar como é possível escrever as mesmas coisas de maneira diferente; </li></ul></ul>
  26. 26. <ul><ul><li>é necessário incentivar a elaboração de rascunhos , bem como guardá-los para analisar o percurso de construção do texto, para favorecer a compreensão de que todo texto é provisório; </li></ul></ul><ul><ul><li>as propostas de produção de textos devem ser contextualizadas, funcionais e significativas; </li></ul></ul><ul><ul><li>produzir textos próprios depende da possibilidade de operar com textos produzidos por outras pessoas. </li></ul></ul>
  27. 27. Escrever, revisar, reescrever <ul><li>Para quem? Para quê? O quê? Onde vai publicar? Isto significa que quando alguém escreve deve considerar: </li></ul><ul><ul><li>a quem o texto se destina; </li></ul></ul><ul><ul><li>a finalidade da produção; </li></ul></ul><ul><ul><li>o que vai ser dito; </li></ul></ul><ul><ul><li>o gênero: um poema, um conto, um relato, uma crônica, uma carta, uma notícia, um cartaz; </li></ul></ul><ul><ul><li>o portador: um livro, o mural, o caderno. </li></ul></ul><ul><ul><li>todos os aspectos relacionados à escrita: coerência, adequação da linguagem, gramática, ortografia, pontuação; </li></ul></ul><ul><ul><li>a necessidade de revisão e de reescrita. </li></ul></ul>
  28. 28. Como Avaliamos? A Avaliação será feita em três momentos: <ul><li>Avaliação Inicial:Para conhecer a bagagem que o estudante possui sobre o tema, estimular e pôr em prática os conhecimentos prévios que o aluno possua. </li></ul><ul><li>Avaliação Formativa: Para obter informações acerca das estratégias de leitura que utiliza. Permite intervir nessas estratégias e proporcionar a ajuda necessária no momento adequado. </li></ul><ul><li>Avaliação Cumulativa: Para saber o que o aluno aprendeu. É a que se realiza ao final do processo. </li></ul>
  29. 29. ROTEIRO DE OBSERVAÇÃO DA COMPREENSÃO LEITORA Antes da Leitura: <ul><li>Que atitude emocional apresenta o leitor? </li></ul><ul><li>Qual é o objetivo da Leitura? </li></ul><ul><li>Ativa o conhecimento prévio? </li></ul><ul><li>O leitor faz hipótese ou previsões sobre o conteúdo do texto? </li></ul>
  30. 30. Durante a Leitura: <ul><li>Usa os sinais do texto para construir significados? </li></ul><ul><li>Verifica a hipótese, levanta outras novas e, existindo algum erro, reflete para encontrar a sua causa? </li></ul><ul><li>Diante das dificuldades, que recurso utiliza para superá-las? </li></ul>
  31. 31. Depois da Leitura <ul><li>Identifica o tema? </li></ul><ul><li>Identifica a idéia principal? </li></ul><ul><li>È capaz de ter uma compreensão literal? </li></ul><ul><li>È capaz de ter uma compreensão interpretativa? </li></ul><ul><li>È capaz de ter uma compreensão profunda? </li></ul><ul><li>É capaz de fazer um resumo coerente? </li></ul><ul><li>A velocidade da Leitura é adequada? </li></ul>

×