Universidade Federal de Mato GrossoInstituto de Ciências Humanas e SociaisDepartamento de GeografiaGeografia Agrária do Br...
» Fernando Henrique Cardoso nasceu no estado do  Rio de Janeiro no dia 18 de junho de 1931;»   Com menos de dez (10) anos ...
»   Sua vida política teve início no ano de 1978, quando foi    eleito suplente do Senador paulista Franco Montoro, no    ...
»   Já no primeiro mandato do presidente Fernando Henrique    Cardoso, a política agrária sofreu reorientações significati...
» No primeiro mandato, mas precisamente no de 1997, FHC (como ficou  conhecido) deu continuidade ao processo de reformas e...
Fernando Henrique Cardoso foi o presidente quemais assentou famílias de sem-terra entre os quatroúltimos chefes de estado ...
Seu governo retalhou 18milhões de hectares, uma áreamaior que o Uruguai eequivalente a metade doterritório da Alemanha, e ...
» A política de assentamento não é uma alternativa barata. O governo gasta  até 30.000 reais com cada família que ganha um...
» Conforme dados oficiais do Instituto Nacional de Colonização e Reforma  Agrária (Incra), o governo de Fernando Henrique ...
» Há outros sinais concretos de que a reforma agrária brasileira funciona  equivocadamente. "Apenas um quinto dos que rece...
» O primeiro governo de Fernando Henrique Cardoso havia começado  com base na suposição de que o Brasil já não era um país...
» Portanto, a política agrária de Fernando Henrique Cardoso teve por objetivo fazer a  reforma e ao mesmo tempo instituir ...
» Brasil - Famílias assentadas até 10/09/2002                                     PERÍODO 1995 A 10 DE SETEMBRO DE 2002   ...
Uma das maiores batalhas enfrentadas peloprimeiro governo do FHC foi travada no campo.Vários confrontos envolveram integra...
Jornal do Brasil divulga a morte dos 19 sem –terra em Eldorado dos Carajás, 1996.
18.abr.1996 - Sem-terra morto pela Polícia Militar com um tiro na cabeça durante omassacre de Eldorado dos Carajás, no Ins...
18.abr.1996 - Corpos dos sem-terramortos no massacre de Eldorado dosCarajás jogados em uma sala doInstituto Médico Legal d...
18.abr.1996 - Feridos no hospital de Curionópolis (PA), um dia depois do massacre deEldorado dos Carajás.
18.abr.1996 - Maria Raimunda exibe raio-x do filho José Carlos Hagarito (ao lado dela), quefoi baleado no massacre de Eldo...
18.abr.1996 - Sem-terra procuram corpos em Curionópolis (PA) um dia após o massacre deEldorado dos Carajás.
19.abr.1996 - Então presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores), Vicentinho (decamisa azul claro, à esquerda), e J...
20.abr.1996 - Trabalhadores preparam covas para o enterro dos 19 sem-terra mortos emEldorado dos Carajás.
20.abr.1996 - Caixões dos sem-terra mortos por policiais em Eldorado dos Carajás.
20.abr.1996 - Multidão, em Curionópolis (PA), se dirige ao enterro dos 19 sem-terra mortosno massacre de Eldorado dos Cara...
20.abr.1996 - Sem-terra Andrelina de Souza Araújo, na época com 42 anos, com o filhoRóbson no colo, chora a morte do marid...
11.jun.1996 - Cruzes no local domassacre de Eldorado dos Carajás.
14.jun.1996 - Gerente de fazenda quedenunciou fazendeiros da região comomandantes do massacre de Eldoradodos Carajás, refu...
27.ago.1996 - Maria Angélica Araújo de Souza (à direita), mulher de Manoel deSouza, desaparecido após o massacre de Eldora...
27.ago.1996 - Posseiros que presenciaram o conflito de Eldorado dos Carajás.
16.ago.1999 - Sem-terra enfrentam policiais17.abr.1998 - Memorial em homenagem aos em frente ao local em que os oficiaismo...
16.ago.1999 - Coronel Mário CollaresPantoja, um dos oficiais condenados pelomassacre de Eldorado dos Carajás, chegana     ...
16.ago.1999 - Francinete dos Santos, mulher de Robson Vito Sobrinho, morto no massacre deEldorado dos Carajás, e a filha H...
17.ago.1999 - Sem-terra fazem vigília em Belém enquanto aguardam fim do julgamentodos oficiais acusados pelo massacre de E...
19.ago.1999 - Mulher chora ao lado da imagem dos mortos no massacre de Eldorado dosCarajás, após a absolvição dos policiai...
19.ago.1999 - Heloísa Helena e outros senadores fazem protesto contra a absolvição dospoliciais envolvidos no massacre de ...
23.ago.1999 - Monumento feito com troncos de árvore colocado no local em que 19 sem-terra foram mortos no massacre de Eldo...
23.ago.1999 - Cemitério onde estão enterradas as vítimas do massacre de Eldorado dosCarajás.
16.nov.1996 - Casa de um sem-terra que sobreviveu ao massacre de Eldorado dosCarajás.
12.abr.2001 - As viúvas Maria Alice da Silva, com o retrato do marido Joaquim Pereira, eJulia Pereira, segurando uma cruz ...
12.abr.2001 - Garoto Josivaldo observa painel em homenagem aos mortos no massacrede Eldorado dos Carajás, em que seu pai m...
12.abr.2001 - A viúva Raimunda daConceição e o seu filho Leandroseguram quadro com a imagem deLeonardo Batista, morto no m...
17.abr.2001 - Integrantes do MST fazem marcha em frente ao Palácio da Justiça, emBrasília, para relembrar os 19 mortos no ...
17.abr.2002 - Policiais entram em confronto com integrantes do MST em Recife, duranteprotesto para lembrar os seis anos do...
Jun.2002 - Coronel Mário Collares Pantoja deixa o Tribunal de Justiça do Pará, emBelém, após ser condenado à pena máxima p...
08.abr.2003 - Josimar Pereira de Freitas, atingido com um tiro na perna durante o massacre de Eldorado dosCarajás, acompan...
17.abr.2003 - Integrantes do MST protestam em frente ao Cristo Redentor, no Rio deJaneiro, para relembrar o massacre de El...
17.abr.2004 - Integrantes do MST fazem marcha no local em que houve o massacre deEldorado dos Carajás.
19.nov.2004 - Sem-terra fazem encenação do massacre de Eldorado dos Carajás emfrente ao Tribunal de Justiça do Pará, onde ...
13.abr.2006 - Josimar Pereira de Freitas, atingido por um tiro na perna durante omassacre de Eldorado dos Carajás, exibe f...
13.abr.2006 - Francisco Souza dos Santos segura foto em que ele aparece, ainda criança,durante protesto contra o massacre ...
13.abr.2006 - Maria Raimunda exibe foto do filho José Carlos Hagarito (ao lado dela), quefoi baleado no massacre de Eldora...
13.abr.2006 - Andrelina de Souza Araújo e o filho Róbson carregam imagem símbolo domassacre de Eldorado dos Carajás, em qu...
16.abr.2006 - Pamala, então aos 4anos, observa uma das fotos deSebastião Salgado expostas no local ondeocorreu o massacre ...
17.abr.2006 - MST protesta em frente ao STF (Supremo Tribunal Federal), em Brasília, pararelembrar o massacre de Eldorado ...
17.abr.2007 - Militantes de um acampamento do MST em Piraí (RJ) fecham os doissentidos da rodovia Presidente Dutra em prot...
17.abr.2008 - Garimpeiros e militantes do MST paralisam por 7h trem carregado de minérioda Vale, em Parauapebas (PA), para...
“No dia 17 de abril de 1996, no   Eldorado dos Carajás, ficaram 19estado brasileiro do Pará, perto de uma     mortos, além...
»   MARTINS. José de S. A reforma agrária no segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso:    Tempo soc. Ed 15 nº 2. São P...
O governo fhc
O governo fhc
O governo fhc
O governo fhc
O governo fhc
O governo fhc
O governo fhc
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O governo fhc

982 visualizações

Publicada em

p.s.: As referencias do material são de vários autores pegos na internet.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
982
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O governo fhc

  1. 1. Universidade Federal de Mato GrossoInstituto de Ciências Humanas e SociaisDepartamento de GeografiaGeografia Agrária do Brasil Alunos: Bruno Camargo e Nayara Spohr
  2. 2. » Fernando Henrique Cardoso nasceu no estado do Rio de Janeiro no dia 18 de junho de 1931;» Com menos de dez (10) anos mudou-se para São Paulo, lá concluiu o curso de Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (USP);» Realizou os estudos de pós-graduação na Universidade de Paris. Na década de 1960, após o Golpe Militar no Brasil, foi exilado no Chile e posteriormente na França, onde realizou seus estudos de pós-graduação, retornou para o Brasil como professor da USP;» Após a aposentadoria foi convidado a lecionar em algumas universidades estrangeiras e fundou, juntamente com outros intelectuais brasileiros, o Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (CEBRAP). Esse Centro tinha como principal objetivo a análise da realidade socioeconômica da sociedade brasileira.
  3. 3. » Sua vida política teve início no ano de 1978, quando foi eleito suplente do Senador paulista Franco Montoro, no ano de 1983 assumiu o senado quando Franco Montoro foi eleito governador do estado de São Paulo. Perdeu as eleições para a prefeitura de São Paulo para Jânio Quadros no ano de 1985, mas em 1986 foi eleito senador por São Paulo.» Em 1993 deixou o Ministério da Fazenda e lançou sua candidatura à presidência da República pelo PSDB, seu principal adversário foi Luiz Inácio Lula da Silva, que concorria à presidência pelo Partido dos Trabalhadores (PT), Lula era o favorito à presidência. Fernando Henrique Cardoso ganhou as eleições e assumiu a pasta presidencial no ano de 1994. Seu principal objetivo durante o primeiro mandato foi o combate à inflação.» Governo presidencial de dois mandatos. (1º mandato (1994-1997) e 2º mandato (1998-2002));
  4. 4. » Já no primeiro mandato do presidente Fernando Henrique Cardoso, a política agrária sofreu reorientações significativas, que marcariam seu segundo mandato, a partir da nomeação de Raul Jungmann como ministro do Desenvolvimento Agrário. A reforma agrária finalmente encontrou o seu sujeito, a agricultura familiar, e o Estado encontrou a sua missão agrária como gestor do território.» FHC prometeu e assentou 600 mil famílias e distribuiu 22 milhões de hectares de terra; criou o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), o Banco da Terra e o Programa Nacional de Fortalecimento de Agricultura Familiar (Pronaf), o maior programa de alívio da pobreza rural; realizou a mais extensa mudança na legislação fundiária desde o Estatuto da Terra, de 1964. Além disso, instituiu o rito sumário nas desapropriações, reformou o Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (ITR) e editou uma Lei de Terras, ferindo de morte o latifúndio, e cassou o registro administrativo de todos os grandes latifúndios do País (cerca de 93 milhões de hectares).» Nenhum massacre de sem-terra tornou a ocorrer após Eldorado dos Carajás, de tristíssima memória. Nenhum escândalo de desapropriação fraudulenta de terras ou corrupção pipocou. As invasões de propriedades foram caindo até alcançarem o seu mais baixo nível em décadas — resultado, em parte, da edição da medida provisória (MP) das invasões de terra, que determinava a retirada do Programa de Reforma Agrária, por dois anos, de qualquer área invadida.
  5. 5. » No primeiro mandato, mas precisamente no de 1997, FHC (como ficou conhecido) deu continuidade ao processo de reformas estruturais com a finalidade de evitar a volta da inflação, procurando deixar a economia estável. Durante este mandado o presidente pautou pela privatização de várias estatais brasileiras, como a Companhia Vale do Rio Doce (empresa do setor de mineração e siderurgia), a Telebrás (empresa de telecomunicações) e o Banespa (banco pertencente ao governo do estado de São Paulo). A compra das empresas estatais ocorreu, sobretudo, por grupos estrangeiros, que faziam aquisição das ações ou compravam grande parte dessas, assim, tornavam-se sócios majoritários.» Ainda no ano de 1997, FHC conseguiu enviar e aprovar no Congresso Nacional a emenda da reeleição, tornando-se candidato outra vez à presidência da república e ainda tendo Lula como seu principal adversário. O Plano Real e o controle da inflação continuou sendo sua principal propaganda política, o que favoreceu a FHC mais uma vitória nas urnas, conseguindo a reeleição.» No ano de 1999, FHC assumiu o segundo mandato como presidente do Brasil, neste mandato não houve grandes investimentos nas reformas estruturais (privatizações). Ocorreram, sim, algumas reformas no setor da Educação, sendo aprovadas no ano de 1996 as Leis de Diretrizes e Bases para a Educação (LDB), e posteriormente foram criados os Parâmetros Curriculares para o Ensino Básico.» FHC deixou a presidência no dia 1 de janeiro de 2003, e quem a assumiu foi Luiz Inácio Lula da Silva.
  6. 6. Fernando Henrique Cardoso foi o presidente quemais assentou famílias de sem-terra entre os quatroúltimos chefes de estado brasileiros. Em seu governo, amédia de famílias assentadas foi de 70.000 por ano. ItamarFranco foi o pior, com 11.000 famílias por ano. JoãoBaptista Figueiredo assentou 18.500 famílias por ano; JoséSarney, 18.000; e Fernando Collor, 19.000.
  7. 7. Seu governo retalhou 18milhões de hectares, uma áreamaior que o Uruguai eequivalente a metade doterritório da Alemanha, e nelesassentou 635 000 famílias.Quase 2 milhões de brasileirosreceberam terras entre 1995 e2002. Para isso, o antigogoverno FHC gastou 25 bilhõesde reais na aquisição de terra ena instalação de assentamentos.
  8. 8. » A política de assentamento não é uma alternativa barata. O governo gasta até 30.000 reais com cada família que ganha um pedaço de terra.» A criação de um emprego no comércio custa 40.000 reais. Na indústria, 80.000. Só que esses gastos são da iniciativa privada, enquanto, no campo, teriam de vir do governo. É investimento estatal puro, mesmo que o retorno, no caso, seja alto.» De cada 30.000 reais investidos, estima-se que 23.000 voltem a seus cofres após alguns anos, na forma de impostos e mesmo de pagamentos de empréstimos adiantados.» Para promover a reforma agrária em larga escala, é preciso dinheiro que não acaba mais. Seria errado, contudo, em nome da impossibilidade de fazer o máximo, recusar-se a fazer até o mínimo. O preço dessa recusa está aí, à vista de todos: a urbanização selvagem, a criminalidade em alta, a degradação das grandes cidades.
  9. 9. » Conforme dados oficiais do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), o governo de Fernando Henrique Cardoso (de 1995 a 2002) assentou 1.219.690 famílias de trabalhadores rurais sem-terra, o maior número já registrado na história do Brasil. Porém, os números são contestados pelo governo Lula e pelo projeto Dataluta, da Universidade Estadual Paulista (Unesp). Conforme o Incra, nos últimos quatro anos do governo FHC, foram assentadas 931.696 famílias, sendo 635.035 só em 2002 (até setembro, período divulgado pelo órgão).» No primeiro período do governo FHC, foram criados 2.356 projetos de assentamentos, e, nos anos seguintes, 782 (em 1999), 720 (2000), 539 (2001) e 4.637 (2002). As desapropriações de terras considerados improdutivas somaram 7.321.270 hectares de 1995 a 1998.» Os números de violência no campo apresentados pelo Incra mostram que houve redução os assassinatos de trabalhadores rurais dos anos 80 para os 90. No período FHC, 1996 foi o ano mais violento, com 54 mortes. Em 1997, houve 30 mortes, e, em 1998, ocorreram 47 casos. Nos anos seguintes, o número de homicídios oscilou. Em 1999, foram 27, em 2000, 10, em 2001, 14, e em 2002, foram registrados 20 casos.» O número de invasões de terras também seguiu uma tendência de queda a partir de 1999, passando de 502 neste ano para 236 no ano seguinte, 158 em 2001 e 103 em 2002. Em 2003, o número de ocupações de propriedades privadas volta a crescer, com 171 (oito primeiros meses do governo Lula).
  10. 10. » Há outros sinais concretos de que a reforma agrária brasileira funciona equivocadamente. "Apenas um quinto dos que recebem terra consegue gerar renda suficiente para se manter no campo", informa o pesquisador Eliseu Roberto Alves, ex-presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. "Os outros abandonam a terra num período máximo de dez anos." O fenômeno do esvaziamento populacional no campo, aliás, é absolutamente natural e faz parte da História da maioria dos países desenvolvidos neste século. Nos Estados Unidos, resta apenas 1,5% da população trabalhando no campo. Na França, há 6%, mas isso custa bastante em termos de subsídios. No caso do Brasil, a massa que vai sendo derrotada pela tecnologia ganha o rótulo de excluída e acaba abastecendo iniciativas que parecem exigir que o planeta gire ao contrário.» Se há uma vantagem no modelo atual, ela é do MST, que continua vendo crescer o número de cabeças disponíveis para seguir discursos inflamados como os do líder José Rainha, comandante popular com carisma e poder de persuasão. Em contrapartida às dificuldades nos projetos de reforma agrária, existe no Brasil o sucesso do modelo de cooperativas de pequenos proprietários. Em alguns casos, as cooperativas respondem por mais de 30% da produção nacional de determinada cultura. O problema é que, para ligar uma coisa com a outra, se depende da familiaridade e da aptidão do assentado para o trabalho na terra, habilidades pouco comuns entre os integrantes das fileiras do MST.
  11. 11. » O primeiro governo de Fernando Henrique Cardoso havia começado com base na suposição de que o Brasil já não era um país agrícola, que o número de trabalhadores rurais era proporcionalmente pequeno e caminhava para maior redução ainda, seguindo a tendência moderna dos países desenvolvidos. Dentro e fora do governo, as demandas feitas em nome dos trabalhadores do campo, não raro com sua escassa participação, apareciam para amplo espectro da intelligentsia brasileira como demandas do Brasil arcaico, em descompasso com o Brasil moderno dos projetos nacionais de desenvolvimento.» Para muitos, a pequena agricultura, ou a chamada agricultura familiar, estava necessariamente presa a técnicas agrícolas atrasadas, de baixa produtividade, e representava uma modalidade de economia destituída de empreendedorismo e de futuro. Algo a não ser estimulado nem apoiado. Estudiosos de esquerda até confundiam, e continuam confundindo, agricultura familiar com agricultura de subsistência. Um setor do governo, representado sobretudo por economistas, pensava desse modo e até havia quem entendesse que mais barata e eficaz do que a reforma agrária seria a distribuição direta dos recursos da reforma aos prováveis beneficiários, como um subsídio que pudesse servir para o início de alguma atividade econômica, de preferência urbana.
  12. 12. » Portanto, a política agrária de Fernando Henrique Cardoso teve por objetivo fazer a reforma e ao mesmo tempo instituir a normalidade do conflito, isto é, definir as bases institucionais do conflito agrário, fazendo do Estado o mediador e gestor das soluções. A Medida Provisória que proíbe vistorias para reforma agrária em terras invadidas, mantida pelo governo do PT, propôs-se como o inevitável instrumento do Estado administrador da ordem . A política agrária de Fernando Henrique Cardoso foi no sentido de distribuir a terra e distribuir a paz social, ao mesmo tempo, atenuando e reduzindo a conflitividade dos confrontos sociais que tem a disputa pela terra como causa. A criação da Ouvidoria Agrária, entregue a um reputado e competente desembargador, mantido pelo novo governo, foi certamente medida das mais acertadas numa linha política de conciliação e prudência, com reconhecidos resultados na pacificação do campo.» Um aspecto essencial de como o governo de Fernando Henrique Cardoso propôs e executou sua política agrária diz respeito à clara consciência do presidente de que a questão agrária não se apresentava nem se apresenta solitariamente no elenco dos problemas a resolver. A questão agrária é, no Brasil, como em tantas outras partes do mundo, também uma questão política, pelo conjunto de interesses sociais e políticos que acumulou na definição e na sustentação das classes dominantes, particularmente os setores que expressam os interesses relativos à propriedade da terra. O Brasil tradicional e arcaico da dominação patrimonial, do clientelismo político, do coronelismo, é também um produto do regime fundiário e parte da questão agrária. Não fosse assim, a reforma teria sido feita e concluída há muito tempo. Por isso mesmo, seu governo adotou um conjunto de procedimentos orientados claramente a minar a dominação patrimonial e o clientelismo político, interrompendo a circularidade de suas influências na sustentação da estrutura do Estado (Cardoso, 1994, pp. 39-41). CPT e MST e as esquerdas em geral não se interessaram por esse aspecto essencial do processo político e do momento histórico, sem o qual a reforma agrária tem pouco ou nenhum sentido. É essa despreocupação que dá às ações desses setores a conotação de ações pré- políticas, inseridas na lógica da sociedade tradicional e arcaica.
  13. 13. » Brasil - Famílias assentadas até 10/09/2002 PERÍODO 1995 A 10 DE SETEMBRO DE 2002 PeríodoRegião Incra Total de Beneficiários 1964-1994 Banco da Terra(*) PCPR(*) (INCRA+BT+PCPR)Norte 135.138 219.087 492 219.579Nordeste 41.444 191.319 15.191 3.694 210.204Centro-Oeste 26.196 105.549 7.653 113.202Sudeste 7.914 29.083 9.038 38.121Sul 7.842 34.695 19.234 53.929Brasil 218.534 579.733 51.608 3.694 635.035
  14. 14. Uma das maiores batalhas enfrentadas peloprimeiro governo do FHC foi travada no campo.Vários confrontos envolveram integrantes doMovimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra(MST) e forças policiais. Os mais violentosocorreram em Corumbiara (RO), em 1995, e emEldorado dos Carajás (PA), em abril de 1996,quando 19 sem-terra foram massacrados porpoliciais do estado. Esses episódios,principalmente o do Pará, chocaram acomunidade nacional e internacional.
  15. 15. Jornal do Brasil divulga a morte dos 19 sem –terra em Eldorado dos Carajás, 1996.
  16. 16. 18.abr.1996 - Sem-terra morto pela Polícia Militar com um tiro na cabeça durante omassacre de Eldorado dos Carajás, no Instituto Médico Legal (IML) de Marabá (PA).
  17. 17. 18.abr.1996 - Corpos dos sem-terramortos no massacre de Eldorado dosCarajás jogados em uma sala doInstituto Médico Legal de Marabá.
  18. 18. 18.abr.1996 - Feridos no hospital de Curionópolis (PA), um dia depois do massacre deEldorado dos Carajás.
  19. 19. 18.abr.1996 - Maria Raimunda exibe raio-x do filho José Carlos Hagarito (ao lado dela), quefoi baleado no massacre de Eldorado dos Carajás e ficou cego de um olho.
  20. 20. 18.abr.1996 - Sem-terra procuram corpos em Curionópolis (PA) um dia após o massacre deEldorado dos Carajás.
  21. 21. 19.abr.1996 - Então presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores), Vicentinho (decamisa azul claro, à esquerda), e José Dirceu (de azul escuro), então presidente do PT, vão aCurionópolis (PA) para acompanhar o enterro dos 19 sem-terra mortos no massacre deEldorado dos Carajás.
  22. 22. 20.abr.1996 - Trabalhadores preparam covas para o enterro dos 19 sem-terra mortos emEldorado dos Carajás.
  23. 23. 20.abr.1996 - Caixões dos sem-terra mortos por policiais em Eldorado dos Carajás.
  24. 24. 20.abr.1996 - Multidão, em Curionópolis (PA), se dirige ao enterro dos 19 sem-terra mortosno massacre de Eldorado dos Carajás.
  25. 25. 20.abr.1996 - Sem-terra Andrelina de Souza Araújo, na época com 42 anos, com o filhoRóbson no colo, chora a morte do marido, durante enterro das vítimas do massacre deEldorado dos Carajás em Curionópolis (PA).
  26. 26. 11.jun.1996 - Cruzes no local domassacre de Eldorado dos Carajás.
  27. 27. 14.jun.1996 - Gerente de fazenda quedenunciou fazendeiros da região comomandantes do massacre de Eldoradodos Carajás, refugiado na OAB (Ordemdos Advogados do Brasil), em Brasília.
  28. 28. 27.ago.1996 - Maria Angélica Araújo de Souza (à direita), mulher de Manoel deSouza, desaparecido após o massacre de Eldorado dos Carajás.
  29. 29. 27.ago.1996 - Posseiros que presenciaram o conflito de Eldorado dos Carajás.
  30. 30. 16.ago.1999 - Sem-terra enfrentam policiais17.abr.1998 - Memorial em homenagem aos em frente ao local em que os oficiaismortos no massacre de Eldorado dos envolvidos no massacre de Eldorado dosCarajás. Carajás foram julgados, em Belém.
  31. 31. 16.ago.1999 - Coronel Mário CollaresPantoja, um dos oficiais condenados pelomassacre de Eldorado dos Carajás, chegana Unama (Universidade daAmazônia), em Belém, onde foi julgado.16.ago.1999 - Major José MariaOliveira, um dos oficiais condenadospelo massacre de Eldorado dosCarajás, chega na Unama (Universidadeda Amazônia), em Belém, onde foijulgado.
  32. 32. 16.ago.1999 - Francinete dos Santos, mulher de Robson Vito Sobrinho, morto no massacre deEldorado dos Carajás, e a filha Hailene se abraçam do lado de fora da Unama (Universidade daAmazônia), em Belém, onde os dois oficiais acusados pelas mortes foram julgados.
  33. 33. 17.ago.1999 - Sem-terra fazem vigília em Belém enquanto aguardam fim do julgamentodos oficiais acusados pelo massacre de Eldorado dos Carajás.
  34. 34. 19.ago.1999 - Mulher chora ao lado da imagem dos mortos no massacre de Eldorado dosCarajás, após a absolvição dos policiais envolvidos nas mortes, em Belém.
  35. 35. 19.ago.1999 - Heloísa Helena e outros senadores fazem protesto contra a absolvição dospoliciais envolvidos no massacre de Eldorado dos Carajás, em Brasília.
  36. 36. 23.ago.1999 - Monumento feito com troncos de árvore colocado no local em que 19 sem-terra foram mortos no massacre de Eldorado dos Carajás.
  37. 37. 23.ago.1999 - Cemitério onde estão enterradas as vítimas do massacre de Eldorado dosCarajás.
  38. 38. 16.nov.1996 - Casa de um sem-terra que sobreviveu ao massacre de Eldorado dosCarajás.
  39. 39. 12.abr.2001 - As viúvas Maria Alice da Silva, com o retrato do marido Joaquim Pereira, eJulia Pereira, segurando uma cruz que simboliza Francisco Divino, em Eldorado dosCarajás. Ambos foram mortos no massacre ocorrido há 16 anos.
  40. 40. 12.abr.2001 - Garoto Josivaldo observa painel em homenagem aos mortos no massacrede Eldorado dos Carajás, em que seu pai morreu.
  41. 41. 12.abr.2001 - A viúva Raimunda daConceição e o seu filho Leandroseguram quadro com a imagem deLeonardo Batista, morto no massacrede Eldorado dos Carajás.
  42. 42. 17.abr.2001 - Integrantes do MST fazem marcha em frente ao Palácio da Justiça, emBrasília, para relembrar os 19 mortos no massacre de Eldorado dos Carajás.
  43. 43. 17.abr.2002 - Policiais entram em confronto com integrantes do MST em Recife, duranteprotesto para lembrar os seis anos do massacre de Eldorado dos Carajás.
  44. 44. Jun.2002 - Coronel Mário Collares Pantoja deixa o Tribunal de Justiça do Pará, emBelém, após ser condenado à pena máxima pelo massacre de Eldorado dos Carajás.
  45. 45. 08.abr.2003 - Josimar Pereira de Freitas, atingido com um tiro na perna durante o massacre de Eldorado dosCarajás, acompanhado de Rubenita Justiniano da Silva (à direita), baleada na boca, em Belém.
  46. 46. 17.abr.2003 - Integrantes do MST protestam em frente ao Cristo Redentor, no Rio deJaneiro, para relembrar o massacre de Eldorado dos Carajás.
  47. 47. 17.abr.2004 - Integrantes do MST fazem marcha no local em que houve o massacre deEldorado dos Carajás.
  48. 48. 19.nov.2004 - Sem-terra fazem encenação do massacre de Eldorado dos Carajás emfrente ao Tribunal de Justiça do Pará, onde foram julgados os envolvidos na morte de 19sem-terra.
  49. 49. 13.abr.2006 - Josimar Pereira de Freitas, atingido por um tiro na perna durante omassacre de Eldorado dos Carajás, exibe foto de quanto estava no hospital.
  50. 50. 13.abr.2006 - Francisco Souza dos Santos segura foto em que ele aparece, ainda criança,durante protesto contra o massacre de Eldorado dos Carajás, que ele presenciou.
  51. 51. 13.abr.2006 - Maria Raimunda exibe foto do filho José Carlos Hagarito (ao lado dela), quefoi baleado no massacre de Eldorado dos Carajás e ficou cego de um olho.
  52. 52. 13.abr.2006 - Andrelina de Souza Araújo e o filho Róbson carregam imagem símbolo domassacre de Eldorado dos Carajás, em que eles aparecem no enterro de João Rodrigues deAraújo, marido de Andrelina e pai de Róbson.
  53. 53. 16.abr.2006 - Pamala, então aos 4anos, observa uma das fotos deSebastião Salgado expostas no local ondeocorreu o massacre de Eldorado dosCarajás.
  54. 54. 17.abr.2006 - MST protesta em frente ao STF (Supremo Tribunal Federal), em Brasília, pararelembrar o massacre de Eldorado dos Carajás.
  55. 55. 17.abr.2007 - Militantes de um acampamento do MST em Piraí (RJ) fecham os doissentidos da rodovia Presidente Dutra em protesto para lembrar o Massacre de Eldoradodos Carajás.
  56. 56. 17.abr.2008 - Garimpeiros e militantes do MST paralisam por 7h trem carregado de minérioda Vale, em Parauapebas (PA), para relembrar o massacre de Eldorado dos Carajás.
  57. 57. “No dia 17 de abril de 1996, no Eldorado dos Carajás, ficaram 19estado brasileiro do Pará, perto de uma mortos, além de umas quantas dezenaspovoação chamada Eldorado dos de pessoas feridas. [...] Demasiado sabemos que, muito antes da invençãoCarajás (Eldorado: como pode ser das primeiras armas de fogo, já assarcástico o destino de certas pedras, as foices e os chuços haviampalavras...), 155 soldados da polícia sido considerados ilegais nas mãosmilitarizada, armados com espingardas daqueles que, obrigados pelae metralhadoras, abriram fogo contra necessidade a reclamar pão parauma manifestação de camponeses que comer e terra parabloquearam a estrada em ação de trabalhar, encontraram pela frente aprotesto pelo atraso dos procedimentos polícia militarizada do tempo, armadalegais de expropriação de terras, como de espadas, lanças e alabardas. Ao contrário do que geralmente separte do esboço ou simulacro de uma pretende fazer acreditar, não há nadasuposta reforma agrária no qual, entre mais fácil de compreender que aavanços mínimos e dramáticos história do mundo, que muita genterecuos, se gastaram já cinquenta ilustrada ainda teima em afirmar seranos, sem que alguma vez tivesse sido complicada demais para odada suficiente satisfação aos entendimento rude do povo.”gravíssimos problemas de subsistência(seria mais rigoroso dizer sobrevivência) SARAMAGO, José. In: SALGADO, Sebastião. Terra.dos trabalhadores do campo. Naquele São Paulo: Companhia das letras, 1997.dia, no chão de
  58. 58. » MARTINS. José de S. A reforma agrária no segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso: Tempo soc. Ed 15 nº 2. São Paulo: Novembro 2003.» SALGADO, Sebastião. Terra. São Paulo: Companhia das letras, 1997.» <http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI137176-EI1774,00 Governo+FHC+seria+o+que+mais+assentou+ate+hoje.html > Acesso em: 10.05.12» <http://www.brasilescola.com/historiab/governo-fernando-henrique-cardoso.htm> Acesso em: 10.05.12» <http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/sala_de_aula/geografia/geografia_do_brasil/agri cultura/brasil_reforma_agraria > Acesso em: 10.05.12» <http://veja.abril.com.br/idade/exclusivo/reforma_agrara/historia.html > Acesso em: 10.05.12» <http://www.comciencia.br/reportagens/agraria/agr02.shtml > Acesso em: 10.05.12» <http://antipetistaconvicto.blogspot.com/2010/07/reforma-agraria-de-fhc-e-de-lula-por.html > Acesso em: 10.05.12

×