Residência taques bittencourt

7.835 visualizações

Publicada em

0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.835
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
142
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Residência taques bittencourt

  1. 1. SISTEMAS ESTRUTURAIS Profº Rubens Mauro Cunha
  2. 2. Carolina Arbex Cristiana Badra Mayara Virgulino Paula Oribe Virginia Vasques 7º Semestre – Turma 018207A
  3. 3. Residência Taques Bittencourt Vilanova Artigas / Carlos Cascaldi
  4. 4. Fonte: arquivo pessoal – Abr/12
  5. 5. Localização
  6. 6. Ficha Técnica• Cliente: Mário Taques Bittencourt• Arquiteto: João Batista Vilanova Artigas / Carlos Cascaldi• Ano do Projeto/construção: 1959• Localização: Rua Votuporanga, 275 – Sumaré - São Paulo• Área do terreno: 549m²• Área total construída: 332m², sendo: 32m² no subsolo 130m² no pavimento térreo 170m² no piso superior
  7. 7. Plantas e Cortes
  8. 8. Subsolo 9
  9. 9. Pavimento Térreo Rua Votuporanga
  10. 10. Pavimento SuperiorA AB B
  11. 11. Corte AADimensionamento das lajes:Cobertura: h= 0,35m Pavimentos: h= 0,40mEspaçamento entre nervuras: 0,60m Espaçamento entre nervuras: 0,50m
  12. 12. Corte AADimensionamento das lajes:Cobertura: h= 0,35m Pavimentos: h= 0,40mEspaçamento entre nervuras: 0,60m Espaçamento entre nervuras: 0,50m
  13. 13. Corte BBDimensionamento das lajes:Cobertura: h= 0,35m Pavimentos: h= 0,40mEspaçamento entre nervuras: 0,60m Espaçamento entre nervuras: 0,50m
  14. 14. Imagens
  15. 15. Fonte: arquivo pessoal – Abr/12
  16. 16. 2 Fonte: Vilanova Artigas , Kamita, João Masao– Mar/121 Fonte: arquivo pessoal – Abr/12 2 1
  17. 17. 33 Fonte: arquivo pessoal – Abr/12
  18. 18. 4 5 Fonte: arquivo pessoal – Abr/12 Fonte: arquivo pessoal – Abr/12 5 4
  19. 19. 6 7 Fonte: Vilanova Artigas , Kamita, João Masao– Mar/12 7 6
  20. 20. Maquete
  21. 21. Estrutura
  22. 22. Laje nervurada caixão perdido O uso desta solução não permite o reaproveitamento da fôrma de madeira, pois é impossível retirá-la do miolo da laje. Devido a sua forma de caixas, recebe o nome de laje nervurada caixão perdido. Tipos de fôrmas: podem ser em madeira, papelão rígido ou EPS
  23. 23. Laje nervurada caixão perdido Vantagens: • Ocultação das nervuras • Aparência de laje maciça aparente • A livre passagem de tubulação através dos vazios • Melhora no conforto térmico e acústico do ambiente • Alivia cargas e economiza materiais Desvantagens: • Custo elevado ( as fôrmas são perdidas). • Para minimizar o custo das fôrmas de madeira podem ser usados outros tipos de materiais, tais como tubo de papelão rígido (estrutubo) e blocos de EPS (isopor)
  24. 24. Outros exemplosCasa de vidro – São Paulo – SPLina bo Bardi (1951)
  25. 25. Outros exemplosResidência Carmem Portinho - Rio de Janeiro - RJAffonso Eduardo Reidy (1950)
  26. 26. Outros exemplosFórum de Avaré – Avaré – SPPaulo Mendes da Rocha (1962)
  27. 27. Outros exemplosColégio XII de outubro – São Paulo – SPVilanova Artigas / Cascaldi (1962)
  28. 28. ReferênciasBIBLIOGRAFIAKAMITA, João Masao. 2000. “Vilanova Artigas”. Série Espaços da Arte Brasileira. São Paulo, Cosac & Naify.Instituto Lina Bo e P. M. Bardi & Fundação Vilanova Artigas. 1997. “Vilanova Artigas: Arquitetos Brasileiros”.São PauloSITEShttp://www.arquiteturabrutalista.com.br/fichas-tecnicas/DW%201959-37/1959-37-fichatecnica.htmhttp://www.isar.com.br/index.php?/produtos/isolantes-termicos/poliestireno/caixao-perdidohttp://vitruvius.es/revistas/read/arquitextos/07.074/335http://vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/04.044/622http://casasbrasileiras.wordpress.com/2011/02/24/casa-bittencourt/#more-246http://www.historiaenobres.net/ficha.php?id=234

×