SlideShare uma empresa Scribd logo

Viollet Le Duc

Viollet Le Duc - Princípio e Conceito

1 de 12
Baixar para ler offline
VIOLLET-LE-DUC1814-1879
ApresentaçãoFicha Técnica
	 Este trabalho tem como objetivo
apresentar os princípios e conceitos
relacionados ao restauro arquitetônico,
sobre a ótica de um dos principais teóricos
da história da arquitetura europeia, Eugéne
EmmanuelViollet-Le-Duc,apresentadasem
sua obra L’Architecture no texto “Restauro”.
	 Le-duc atuou em uma época na qual a
restauração se firmava como ciência, onde
as mudanças provocaram a ruptura entre
o passado e o presente fazendo crescer
o sentimento de proteção de edifícios e
ambientes históricos.
Centro Universitário Jorge Amado
Turma de Arquitetura e Urbanismo - 6º Semestre
Orientador Marcelo Pires
Disciplina Construção e Restauração
Alunos
	 Chawana Bastos,
	 Luciano Batista,
	 Tamires Oliveira
Nascido em Paris e
de origem burguesa
desenvolveu seu
trabalho na área de
restauro de catedrais e
castelos medievais.
Viollet-le-duc é
um dos principais
teóricos da história da
arquitetura europeia e
foi um dos primeiros
a teorizar sobre
a preservação do
patrimônio histórico.
Vida e Obra
Apostava nas novas
tecnicas de construção
e na importância da
máquina para a criação de
um novo estilo para o sec.
XIX.
	 Este grande
teórico foi também
arquiteto, desenhista
e um escritor prolixo
e polêmico em sua
época.
Igreja de Madeleine de Vezelay
Vida e Obra
Em 1840 foi indicado pelo
Ministro do Interior para
restaurar a igreja de Vezelay.
Em 1846 é nomeado
chefe de serviço dos
monumentos históricos
e arquiteto da igreja de
Saint Denis.
1858 inicia o restauro do
Castelo de Pierrefonds.
Catedral de Notre-Dame, Paris
Castelo de Pierrefonds
Em 1845 ganhou
o concurso para a
restauração da Catedral
de Notre Dame de Paris
Igreja de Saint Denis
Restauro
da forma a função,
da forma a estrtura,
da forma ao programa
“Nada é supérfluo, nenhuma forma que não
tenha sido prescrita pelas necessidades; tudo
é pensado, estudado, aplicado ao objeto.”
Foi Viollet-le-Duc um dos primeiros
a se opor ao ornamento, que defendeu
veemente a estrita vinculação da forma
a função, da forma a estrutura, da
forma ao programa.
Porte Narbonnaise em Carcassonne, França
Catedral de Notre-Dame, Paris
Criticava o Historicismo Eclético
por empregar a forma sem
analisar a causa e a função.
	 “Então, ela - a arquitetura do séc. XIX -
desprovida de luz que só a razão pode fornecer, tem
tentado se ligar ao medievo, ao renascimento; á
procura do emprego de certas formas sem as analisar,
sem descer às causas que as determinaram, vendo
nelas unicamente os efeitos, se transformou em neo-
grega, neo-romana, neo-gótica; ... se tornou sujeita
à moda ... O fato é que, só é possível ser original com
a verdade, que a originalidade não é outra coisa
senão uma das formas assumidas pela verdade para
manifestar-se; e estas formas são afortunadamente
infinitas”.
Opera de Paris - Estilo Eclético
Quanto mais útil o elemento estrutural,
mais aparente ele deve estar.
Na arquitetura existem duas formas
necessárias de ser verdadeiro, em relação ao
programa e em relação aos procedimentos.
Teto Catedral de Notre-Dame
Anúncio

Recomendados

Arquitetura moderna e contemporanea parte 1
Arquitetura moderna e contemporanea parte 1Arquitetura moderna e contemporanea parte 1
Arquitetura moderna e contemporanea parte 1denise lugli
 
Análise da forma na arquitetura
Análise da forma na arquiteturaAnálise da forma na arquitetura
Análise da forma na arquiteturaViviane Marques
 
PRAÇA DAS ARTES | Centro - S.Paulo, SP
PRAÇA DAS ARTES | Centro - S.Paulo, SPPRAÇA DAS ARTES | Centro - S.Paulo, SP
PRAÇA DAS ARTES | Centro - S.Paulo, SPJuliana Carvalho
 
Tony garnier e a cidade industrial
Tony garnier e a cidade industrialTony garnier e a cidade industrial
Tony garnier e a cidade industrialMarcia Rodrigues
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Técnica Construtiva : Adobe
Técnica Construtiva : AdobeTécnica Construtiva : Adobe
Técnica Construtiva : AdobePaula Bianchi
 
aula 11 - Início séc. XX - parte 1
aula 11 - Início séc. XX - parte 1aula 11 - Início séc. XX - parte 1
aula 11 - Início séc. XX - parte 1arqbras
 
3. Paisagismo - Evolução Histórica II
3. Paisagismo - Evolução Histórica II3. Paisagismo - Evolução Histórica II
3. Paisagismo - Evolução Histórica IIAna Cunha
 
Análise do terreno e do entorno urbano
Análise do terreno e do entorno urbanoAnálise do terreno e do entorno urbano
Análise do terreno e do entorno urbanoAna Leticia Cunha
 
Thau arq 1 aula 1 - principios arquitetura moderna
Thau arq 1  aula 1 - principios arquitetura modernaThau arq 1  aula 1 - principios arquitetura moderna
Thau arq 1 aula 1 - principios arquitetura modernaCristiane Kröhling Bernardi
 
Resenha: Vila Operaria Gamboa
Resenha: Vila Operaria GamboaResenha: Vila Operaria Gamboa
Resenha: Vila Operaria GamboaIZIS PAIXÃO
 
Início da arquitetura moderna
Início da arquitetura modernaInício da arquitetura moderna
Início da arquitetura modernaViviane Marques
 
ESTUDO PRELIMINAR DE PROJETO: HABITAÇÃO SOCIAL
ESTUDO PRELIMINAR DE PROJETO: HABITAÇÃO SOCIALESTUDO PRELIMINAR DE PROJETO: HABITAÇÃO SOCIAL
ESTUDO PRELIMINAR DE PROJETO: HABITAÇÃO SOCIALAna Helena Rodrigues Alves
 
Historia Da Arquitetura
Historia Da ArquiteturaHistoria Da Arquitetura
Historia Da Arquiteturamelins
 
Breve histórico do paisagismo no mundo_parte 01
Breve histórico do paisagismo no mundo_parte 01Breve histórico do paisagismo no mundo_parte 01
Breve histórico do paisagismo no mundo_parte 01Lila Donato
 
Nbr 15220 - Desempenho térmico de edificações
Nbr 15220 - Desempenho térmico de edificaçõesNbr 15220 - Desempenho térmico de edificações
Nbr 15220 - Desempenho térmico de edificaçõesPatricia Lopes
 
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]glauci coelho
 

Mais procurados (20)

Técnica Construtiva : Adobe
Técnica Construtiva : AdobeTécnica Construtiva : Adobe
Técnica Construtiva : Adobe
 
aula 11 - Início séc. XX - parte 1
aula 11 - Início séc. XX - parte 1aula 11 - Início séc. XX - parte 1
aula 11 - Início séc. XX - parte 1
 
Ruskin
RuskinRuskin
Ruskin
 
3. Paisagismo - Evolução Histórica II
3. Paisagismo - Evolução Histórica II3. Paisagismo - Evolução Histórica II
3. Paisagismo - Evolução Histórica II
 
Forma e função
Forma e funçãoForma e função
Forma e função
 
Análise do terreno e do entorno urbano
Análise do terreno e do entorno urbanoAnálise do terreno e do entorno urbano
Análise do terreno e do entorno urbano
 
Estudo de Caso Museu Bilbao
Estudo de Caso Museu BilbaoEstudo de Caso Museu Bilbao
Estudo de Caso Museu Bilbao
 
Arquitetura do Ferro
Arquitetura do FerroArquitetura do Ferro
Arquitetura do Ferro
 
Thau arq 1 aula 1 - principios arquitetura moderna
Thau arq 1  aula 1 - principios arquitetura modernaThau arq 1  aula 1 - principios arquitetura moderna
Thau arq 1 aula 1 - principios arquitetura moderna
 
Resenha: Vila Operaria Gamboa
Resenha: Vila Operaria GamboaResenha: Vila Operaria Gamboa
Resenha: Vila Operaria Gamboa
 
Programa de necessidades
Programa de necessidadesPrograma de necessidades
Programa de necessidades
 
Início da arquitetura moderna
Início da arquitetura modernaInício da arquitetura moderna
Início da arquitetura moderna
 
Morfologia da arquitetura
Morfologia da arquiteturaMorfologia da arquitetura
Morfologia da arquitetura
 
ESTUDO PRELIMINAR DE PROJETO: HABITAÇÃO SOCIAL
ESTUDO PRELIMINAR DE PROJETO: HABITAÇÃO SOCIALESTUDO PRELIMINAR DE PROJETO: HABITAÇÃO SOCIAL
ESTUDO PRELIMINAR DE PROJETO: HABITAÇÃO SOCIAL
 
Historia Da Arquitetura
Historia Da ArquiteturaHistoria Da Arquitetura
Historia Da Arquitetura
 
Breve histórico do paisagismo no mundo_parte 01
Breve histórico do paisagismo no mundo_parte 01Breve histórico do paisagismo no mundo_parte 01
Breve histórico do paisagismo no mundo_parte 01
 
Le corbusier (1887-1965)
Le corbusier (1887-1965)Le corbusier (1887-1965)
Le corbusier (1887-1965)
 
Deutscher Werkbund
Deutscher WerkbundDeutscher Werkbund
Deutscher Werkbund
 
Nbr 15220 - Desempenho térmico de edificações
Nbr 15220 - Desempenho térmico de edificaçõesNbr 15220 - Desempenho térmico de edificações
Nbr 15220 - Desempenho térmico de edificações
 
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]
Aula 9 arte e arquitetura grega [revisado em 040514]
 

Destaque

Reichstag - Restauração e Cúpula
Reichstag - Restauração e CúpulaReichstag - Restauração e Cúpula
Reichstag - Restauração e CúpulaFabricio Menossi
 
Dte avaliação portifolio-quinta
Dte avaliação portifolio-quintaDte avaliação portifolio-quinta
Dte avaliação portifolio-quintaCaliandra Desenhos
 
Tempietto di San Pietro
Tempietto di San PietroTempietto di San Pietro
Tempietto di San Pietroruadopaiol
 
Patrimonio_cultural
Patrimonio_culturalPatrimonio_cultural
Patrimonio_culturalGustavomk
 
Teatro josé de alencar
Teatro josé de alencarTeatro josé de alencar
Teatro josé de alencarcarlosand_1980
 
Declaração de estocolmo - TRAB. ACADÊMICO
Declaração de estocolmo - TRAB. ACADÊMICODeclaração de estocolmo - TRAB. ACADÊMICO
Declaração de estocolmo - TRAB. ACADÊMICOLarissa Chianca
 

Destaque (20)

Viollet le duc
Viollet le ducViollet le duc
Viollet le duc
 
Reichstag - Restauração e Cúpula
Reichstag - Restauração e CúpulaReichstag - Restauração e Cúpula
Reichstag - Restauração e Cúpula
 
25 1937
25 193725 1937
25 1937
 
Macário Correia - Presidente CM Faro
Macário Correia - Presidente CM FaroMacário Correia - Presidente CM Faro
Macário Correia - Presidente CM Faro
 
Os Históricos
Os HistóricosOs Históricos
Os Históricos
 
Dte avaliação portifolio-quinta
Dte avaliação portifolio-quintaDte avaliação portifolio-quinta
Dte avaliação portifolio-quinta
 
Projeto Urbano I - UFRGS
Projeto Urbano I - UFRGS Projeto Urbano I - UFRGS
Projeto Urbano I - UFRGS
 
Aula01 conceitosmemoria
Aula01 conceitosmemoriaAula01 conceitosmemoria
Aula01 conceitosmemoria
 
Memorias 2013 - 2014. Sector 01
Memorias 2013 - 2014. Sector 01Memorias 2013 - 2014. Sector 01
Memorias 2013 - 2014. Sector 01
 
Tempietto di San Pietro
Tempietto di San PietroTempietto di San Pietro
Tempietto di San Pietro
 
Aula9 patrimonio brasil
Aula9 patrimonio brasilAula9 patrimonio brasil
Aula9 patrimonio brasil
 
A construção da identidade Luso-Paraense: Taipa como "lugar de memória"
A construção da identidade Luso-Paraense: Taipa como "lugar de memória"A construção da identidade Luso-Paraense: Taipa como "lugar de memória"
A construção da identidade Luso-Paraense: Taipa como "lugar de memória"
 
Valongo2007c
Valongo2007cValongo2007c
Valongo2007c
 
Capítulo 8 de daniel
Capítulo 8 de danielCapítulo 8 de daniel
Capítulo 8 de daniel
 
Patrimonio_cultural
Patrimonio_culturalPatrimonio_cultural
Patrimonio_cultural
 
Teatro josé de alencar
Teatro josé de alencarTeatro josé de alencar
Teatro josé de alencar
 
Ementa tec retro_teoria
Ementa tec retro_teoriaEmenta tec retro_teoria
Ementa tec retro_teoria
 
Declaração de estocolmo - TRAB. ACADÊMICO
Declaração de estocolmo - TRAB. ACADÊMICODeclaração de estocolmo - TRAB. ACADÊMICO
Declaração de estocolmo - TRAB. ACADÊMICO
 
Anexo 026 oficina de restauração
Anexo 026   oficina de restauraçãoAnexo 026   oficina de restauração
Anexo 026 oficina de restauração
 
Artigo de isaurora cláudia martins de freitas na rba em 2008
Artigo de isaurora cláudia martins de freitas na rba em 2008Artigo de isaurora cláudia martins de freitas na rba em 2008
Artigo de isaurora cláudia martins de freitas na rba em 2008
 

Semelhante a Viollet Le Duc

Semelhante a Viollet Le Duc (20)

Legado moderno na cidade contemporanea (riegl)
Legado moderno na cidade contemporanea (riegl)Legado moderno na cidade contemporanea (riegl)
Legado moderno na cidade contemporanea (riegl)
 
4119_Património.pdf
4119_Património.pdf4119_Património.pdf
4119_Património.pdf
 
Neoclássico
NeoclássicoNeoclássico
Neoclássico
 
Cor na arquitectura
Cor na arquitecturaCor na arquitectura
Cor na arquitectura
 
000747792
000747792000747792
000747792
 
Resenha livro-por-uma-arquitetura-le-corbusier
Resenha livro-por-uma-arquitetura-le-corbusierResenha livro-por-uma-arquitetura-le-corbusier
Resenha livro-por-uma-arquitetura-le-corbusier
 
Grandejean de montigny ok
Grandejean de montigny okGrandejean de montigny ok
Grandejean de montigny ok
 
The Foundation Of Modern Architecture
The Foundation Of Modern ArchitectureThe Foundation Of Modern Architecture
The Foundation Of Modern Architecture
 
Arquitetura moderna
Arquitetura modernaArquitetura moderna
Arquitetura moderna
 
Le duc
Le ducLe duc
Le duc
 
Romchamp
RomchampRomchamp
Romchamp
 
Question�rio02
Question�rio02Question�rio02
Question�rio02
 
Arquitetura Logica
Arquitetura Logica Arquitetura Logica
Arquitetura Logica
 
Eletiva teoria-do-projeto-de-arquitetura-e-urbanismo-para-tcc-profs.-raquel-b...
Eletiva teoria-do-projeto-de-arquitetura-e-urbanismo-para-tcc-profs.-raquel-b...Eletiva teoria-do-projeto-de-arquitetura-e-urbanismo-para-tcc-profs.-raquel-b...
Eletiva teoria-do-projeto-de-arquitetura-e-urbanismo-para-tcc-profs.-raquel-b...
 
Arthur girotto
Arthur girottoArthur girotto
Arthur girotto
 
Arquitetura: expressão simbólica do poder?
Arquitetura: expressão simbólica do poder?Arquitetura: expressão simbólica do poder?
Arquitetura: expressão simbólica do poder?
 
Racionalismo
RacionalismoRacionalismo
Racionalismo
 
Introdução à arquitetura racinalista
Introdução à arquitetura racinalistaIntrodução à arquitetura racinalista
Introdução à arquitetura racinalista
 
A arquitetura renascentista (1)
A arquitetura renascentista (1)A arquitetura renascentista (1)
A arquitetura renascentista (1)
 
Hs arquitetura moderna
Hs arquitetura modernaHs arquitetura moderna
Hs arquitetura moderna
 

Último

ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...azulassessoriaacadem3
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...AaAssessoriadll
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxJean Carlos Nunes Paixão
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...azulassessoriaacadem3
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...azulassessoriaacadem3
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...azulassessoriaacadem3
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...azulassessoriaacadem3
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfRuannSolza
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Mary Alvarenga
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfddddddddddddddddddddddddddddddddddddRenandantas16
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
B) Discorra sobre o que contempla cada uma das cinco dimensões da sustentabil...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docxGABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
GABARITO CRUZADINHA PATRIM E FONTES.docx
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
01. Considerando as informações da imagem acima, explique de formas simples e...
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
c) A fosforilação oxidativa é a etapa da respiração celular que mais produz A...
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
 
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
4. Agora para analisar os resultados obtidos, você irá utilizar a classificaç...
 
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdfAtividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
Atividade O homem mais rico da Babilônia.pdf
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
 
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
004820000101011 (15).pdffdfdfdddddddddddddddddddddddddddddddddddd
 
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, O Batismo – A Primeira Ordenança da Igreja, 1Tr24.pptx
 

Viollet Le Duc

  • 2. ApresentaçãoFicha Técnica Este trabalho tem como objetivo apresentar os princípios e conceitos relacionados ao restauro arquitetônico, sobre a ótica de um dos principais teóricos da história da arquitetura europeia, Eugéne EmmanuelViollet-Le-Duc,apresentadasem sua obra L’Architecture no texto “Restauro”. Le-duc atuou em uma época na qual a restauração se firmava como ciência, onde as mudanças provocaram a ruptura entre o passado e o presente fazendo crescer o sentimento de proteção de edifícios e ambientes históricos. Centro Universitário Jorge Amado Turma de Arquitetura e Urbanismo - 6º Semestre Orientador Marcelo Pires Disciplina Construção e Restauração Alunos Chawana Bastos, Luciano Batista, Tamires Oliveira
  • 3. Nascido em Paris e de origem burguesa desenvolveu seu trabalho na área de restauro de catedrais e castelos medievais. Viollet-le-duc é um dos principais teóricos da história da arquitetura europeia e foi um dos primeiros a teorizar sobre a preservação do patrimônio histórico. Vida e Obra Apostava nas novas tecnicas de construção e na importância da máquina para a criação de um novo estilo para o sec. XIX. Este grande teórico foi também arquiteto, desenhista e um escritor prolixo e polêmico em sua época.
  • 4. Igreja de Madeleine de Vezelay Vida e Obra Em 1840 foi indicado pelo Ministro do Interior para restaurar a igreja de Vezelay. Em 1846 é nomeado chefe de serviço dos monumentos históricos e arquiteto da igreja de Saint Denis. 1858 inicia o restauro do Castelo de Pierrefonds. Catedral de Notre-Dame, Paris Castelo de Pierrefonds Em 1845 ganhou o concurso para a restauração da Catedral de Notre Dame de Paris Igreja de Saint Denis
  • 5. Restauro da forma a função, da forma a estrtura, da forma ao programa “Nada é supérfluo, nenhuma forma que não tenha sido prescrita pelas necessidades; tudo é pensado, estudado, aplicado ao objeto.” Foi Viollet-le-Duc um dos primeiros a se opor ao ornamento, que defendeu veemente a estrita vinculação da forma a função, da forma a estrutura, da forma ao programa. Porte Narbonnaise em Carcassonne, França Catedral de Notre-Dame, Paris
  • 6. Criticava o Historicismo Eclético por empregar a forma sem analisar a causa e a função. “Então, ela - a arquitetura do séc. XIX - desprovida de luz que só a razão pode fornecer, tem tentado se ligar ao medievo, ao renascimento; á procura do emprego de certas formas sem as analisar, sem descer às causas que as determinaram, vendo nelas unicamente os efeitos, se transformou em neo- grega, neo-romana, neo-gótica; ... se tornou sujeita à moda ... O fato é que, só é possível ser original com a verdade, que a originalidade não é outra coisa senão uma das formas assumidas pela verdade para manifestar-se; e estas formas são afortunadamente infinitas”. Opera de Paris - Estilo Eclético Quanto mais útil o elemento estrutural, mais aparente ele deve estar. Na arquitetura existem duas formas necessárias de ser verdadeiro, em relação ao programa e em relação aos procedimentos. Teto Catedral de Notre-Dame
  • 7. Conceito “RESTAURO - Restaurar um edifício não é conservá-lo, repará-lo ou refazê-lo, é restituí-lo a um estado de inteireza que pode jamais ter existido em um dado momento.” Castelo de Coucy “Nenhuma civilização, nenhum povo, em épocas passadas, pretendeu fazer restauros como nós compreendemos hoje.” Em relação ao passado Viollet-le-Duc fala que o seu tempo procurou analisá-lo, compará-lo, classificá- lo e formulá-lo seguindo as transformações da humanidade. O que distingue a sua época é exatamente o estudo menos parcial do passado, provocando o renascimento político, social, filosófico, artístico e literário Para ele, ESTILO é a manifestação de um ideal fundado sobre um principio, sendo fundamental para a correta apreensão das suas proposições restaurativas. Para ele o estilo é um dado estrutural.
  • 8. Princípios Para Viollet-le-Duc, Vitet foi o primeiro a se preocupar com o restauro criterioso dos monumentos antigos. O primeiro núcleo de artistas com o intuito de penetrar no conhecimento íntimo das artes esquecidas formou-se em torno dos teóricos Vitet e P. Merimée. Era necessário ter conhecimento das escolas, seus princípios e meios práticos, assim como dos tipos de cada período de arte e dos estilos de cada época. Cada edifício ou cada parte deste deve ser restaurado no estilo que lhe é próprio não só como aparência, mas inclusive como estrutura. No caso de se refazer partes de monumentos dos quais não restam vestígios, por necessidades construtivas ou para completar uma obra mutilada, o arquiteto encarregado deve se imbuir do estilo próprio do monumento cujo restauro lhe foi confiado. Vitet P. Merimée No começo do século XIX a Inglaterra e a Alemanha já ensaiavam técnicas de restauro sobre seus edifícios.
  • 9. Exemplos Ele afirmava categoricamente o perigo tanto de se reproduzir exatamente o original como de substituí- lo por formas posteriores, e deixa claro que nada deve ser encarado como um dogma, mas como algo relativo e específico de cada obra. Le-Duc não conseguia atuar com imparcialidade e sem dogmatismo, propondo soluções que não respeitavam o edifício, suas marcas, sua história e suas peculiaridades, mas que satisfaziam apenas a pureza de estilo que ele próprio determinava. Para restaurar o Castelo de Pierrefonds Le-Duc buscou inspiração no restauro do Castelo ded Coucy. O restauro da Igreja de Saint- Denis foi baseada nos estudos de Vitet. Na arquitetura medieval cada parte da obra cumpre uma função e exerce uma ação. É para o conhecimento exato do valor de uma e outra que o arquiteto deve voltar-se antes de empreender o que quer que seja.
  • 10. Polêmicas A quetão do restauro sofreu um grande preconceito sendo considerado uma fantasia, uma moda, provocando um estado de desconforto moral na maioria das pessoas que na verdade tinham medo de sair da zona de conforto, acreditando que a descoberta do novo era uma perda da tradição. Se o fato é notável no seu conjunto, como poderia ser irrelevante nos detalhes? Viollet-le-Duc, baseado na teoria de Anatomia Comparada de Curveir afirma que “a partir de um perfil é possível deduzir-se o elemento arquitetônico, e do elemento arquitetônico, o monumento. Houve polêmica tambem entre classicos e góticos, onde Le-Duc afirmava que: “A construção gótica, não é de fato como a construção antiga, monobloco, absoluta nos seus meios ; ela é dúctil, livre e questionadora como o espírito moderno”
  • 11. Advertências Segundo Viollet-le-Duc em uma restauração não se pode substituir as partes retiradas senão por outras, executadas com materiais melhores, mais duráveis e perfeitos. É necessário que em seguida à operação efetuada, o edifício restaurado, passe ao futuro com uma duração maior do que a que ele teve até então. O melhor meio de conservar um edifício é encontrar-lhe uma destinação e satisfazer plenamente todas as necessidades que esta destinação impõe. No texto é destacado tambem a restauração como a melhor forma de conservar o edifício e o uso da fotografia nos estudos ciêntíficos. “O arquiteto só deve ficar inteiramente satisfeito e colocar os operários na obra quando encontrar a combinação que melhor e mais simplesmente se adeque. (...) Decidir uma disposição a priori, sem tê-la confrontado com todas as informações necessárias, significa cair no hipotético, e nada é mais perigoso que a hipótese”. Le-Duc não se contentava em fazer uma reconstituição apenas, ele busca a pureza do estilo, faz reconstituição daquilo que teria sido feito, uma reformulação do projeto.
  • 12. Conclusão OqueéimportantelembrareatentarnaobradeViollet- le-Duc é a atualidade de muitas das suas formulações e sua aplicabilidade nas intervenções de restauro atuais: a restauração tanto da função portante do edifício como de sua aparência, o estudo do projeto original como fonte de conhecimento para resolução de problemas estruturais, a importância dos levantamentos detalhados da condição existente, a reutilização do edifício para sua sobrevivência e principalmente, a atuação baseada em circunstâncias e especificidades de cada projeto. Em toda a modernidade do conceito e da prática da restauração em sua época, podemos destacar a visão racionalista e positivista em várias partes de sua fala, principalmente quando aborda o futuro das edificações restauradas.