Aula2

1.765 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.765
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula2

  1. 1. TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO - AULA 2 Lembrando a aula anterior e com a certeza que procuraram ler todo o conteúdo e fazer as atividades solicitadas podemos prosseguir com passos mais seguros para entender agora a Administração como CIÊNCIA. Sairemos do “experimentalismo”, do “achismo” e vamos ingressar no mundo dos pensadores da Administração. Vamos entender os conceitos fundamentais, suas origens e suas conseqüências e, mais importante: Será que todas estas teorias são válidas para o século XXI? Como, onde e porquê aplicá-las? Um passo de cada vez. Vamos aos conceitos.
  2. 2. 1- Conceitos Como vimos anteriormente a Administração surgiu para atender ao acelerado desenvolvimento das organizações após a Revolução Industrial ( Artigo I, p. 3 a 6 ). E o que seria uma organização? Vamos ficar com estas definições por enquanto: ORGANIZAÇÃO : “ É uma combinação intencional de recursos para atingir um determinado objetivo”. (HAMPTON, 1992:8) Para Robbins (2000:31), organização é “um arranjo sistemático de duas ou mais pessoas que cumprem papéis formais e compartilham um propósito comum” ENTÃO: “ A organização é um sistema. O administrador intervém nesse sistema às vezes sob condições adversas com planos, estruturas, direção e controles para vários fins. Mas a principal função do administrador é desenvolver e manter uma adaptação dinâmica entre as pessoas e as tarefas, necessárias para produzir a eficiência da organização e a satisfação humana ”. (HAMPTON,1992, p. 35) Mas antes de chegarmos a este ponto as Teorias seguiram um longo caminho... Todos os links são seguros
  3. 3. 2 – Conceituando a Teoria Geral da Administração Para entendermos o que vamos estudar ao longo do semestre é importante que saibamos que nossa matéria tem seus próprios conceitos que justificam seu ensinamento para a formação de futuros administradores. <ul><li>O que são teorias? São explicações , interpretações ou proposições sobre a realidade. </li></ul><ul><li>Teorias da Administração : Conhecimentos organizados, produzidos pela experiência prática das organizações. </li></ul><ul><li>Teoria Geral da Administração (T.G.A.) – Disciplina orientadora do comportamento profissional de administração. Conjunto das teorias administrativas. (MAXIMIANO, 2000) </li></ul>“ NADA MAIS PRÁTICO DO QUE UMA BOA TEORIA.” (KURT LEWIN) Já devidamente apresentados, agora podemos prosseguir...
  4. 4. 3. O Papel da Administração A administração busca garantir a eficiência e eficácia das organizações. Mais ainda: a efetividade. Quando falamos de efetividade, falamos do impacto que determinada ação trás à organização como um todo. (Maximiano, 2000) Uma estratégia pode ser eficiente e eficaz e mesmo assim não ter sido efetiva por não ter colaborado para atingir os objetivos da organização. Como vimos anteriormente, Administração é um processo de tomada de decisões com a finalidade de alcançar objetivos com eficiência e eficácia na utilização de recursos . A Administração é uma atividade meio, e não um fim em si mesma. Aqui está a importância do Administrador . Ele é o responsável por levar a organização (conjunto de recursos) a alcançar seus objetivos e metas propostas. ATIVIDADE: Busque conceitos de EFICIÊNCIA, EFICÁCIA E EFETIVIDADE , cite autor e fonte. Dê exemplos de ações públicas ou privadas que tenham obtido efetividade e justifique. (Apresentar antes da próxima aula, através do portal UNISEPE)
  5. 5. Maximiano (2000) nos ensina que uma teoria é uma representação abstrata do que se percebe como realidade. Um conjunto de afirmações ou regras feitas para enquadrar alguma parte do mundo real. A TGA, conforme vimos no slide 3 é um conjunto destas teorias e para que possamos entendê-la devemos saber o significado de algumas palavras que serão muito usadas ao longo do curso. Vamos aprender com Maximiano: <ul><li>Teorias : explicações, interpretações, proposições sobre a realidade; </li></ul><ul><li>Enfoque : pensamentos, abordagem ou perspectiva. Aspecto particular das organizações ou do processo administrativo; </li></ul><ul><li>Escola : linha de pensamento ou conjunto de autores que usam o mesmo enfoque, escolheram o mesmo aspecto específico para analisar ou adotaram o mesmo raciocínio; </li></ul><ul><li>Modelo de gestão (ou de administração) : conjunto de doutrinas e técnicas do processo administrativo; </li></ul><ul><li>Doutrina (ou preceito) : princípio de conduta, que contém valores, implícitos ou explícitos; recomendam como agir; </li></ul><ul><li>Técnicas : soluções para problemas. Enquanto os princípios são permanentes, as técnicas são transitórias. </li></ul><ul><li>Paradigmas : modelos ou padrões que servem como marcos de referência para explicar como lidar com diferentes situações e ajudar a resolvê-las. </li></ul>
  6. 6. 4. Teorias Administrativas Os principais teóricos buscavam com a Administração organizar o trabalho de forma racional. A Revolução Industrial marca o início das transformações nas organizações e nas sociedades. Surgem as fábricas e o artesanato é substituído pela estrutura mecanizada. O foco passa a ser a redução dos custos, a formação de um “exército” de mão-de-obra, a divisão do trabalho, o emprego em massa, a ampliação da rede de transporte e a necessidade de melhorar os sistemas de comunicações. Sugestão de Leitura: A História da Riqueza do Homem, Leo Huberman, 21ª Ed. Editora Ltc, São Paulo, 1986
  7. 7. 4.1 Principais tendências administrativas provocadas pela Revolução Industrial (Maximiano) <ul><li>Substituição do artesão pelo operário especializado; </li></ul><ul><li>Surgimento das fábricas; </li></ul><ul><li>Crescimento das cidades, originando novas necessidades de administração pública; </li></ul><ul><li>Surgimento dos sindicatos; </li></ul><ul><li>Doutrina social da Igreja; </li></ul><ul><li>Darwinismo social (a adaptação e sobrevivência do mais capaz); </li></ul><ul><li>A Administração consolida-se como área do conhecimento; </li></ul><ul><li>Primeiras experiências práticas com a moderna administração de empresas (Soho/EUA). A Fundição Soho era uma empresa criada para fabricar a máquina a vapor de James Watt. </li></ul>ATIVIDADE: Pesquise sobre a Revolução Industrial e comente sobre sua importância para o mundo atual. (Apresentar antes da próxima aula, através do portal UNISEPE)
  8. 8. 5. A Evolução Histórica da Administração Taylor Administração Científica Ford Linha de Montagem Elton Mayo Experimento Hawthorne Barnard “ As funções do executivo” Emery e Trist Abordagem Sociotécnica Weber Teoria Burocrática Fayol Teoria Clássica (funções) Elton Mayo Teoria das Relações Humanas Strauss Teoria Estruturalista Antes de nos aprofundarmos no estudo de cada uma das teorias que influenciaram o pensamento administrativo é importante uma contextualização desta evolução histórica. Isso porquê cada teoria foi sendo elaborada conforme as necessidades de sua época, de acordo com a situação econômica, política e social daquele momento. Pela linha abaixo você pode ter uma pequena idéia das constantes mudanças e do grande número de indivíduos que influenciaram e ainda influenciam a Administração moderna. E a história continua... Fonte: Adaptado de DURAN (2008) 1951 1947 1938 1932 Déc. 20 1916 1910 1909 1903
  9. 9. PRÓXIMAS AULAS: vamos conhecer Taylor, Fayol e companhia. O que eles pensaram, fizeram e o que tudo tem a ver conosco. Taylor Fayol Elton Mayo Barnard Ford Max Weber Henry Gantt ENTRE OUTROS...
  10. 10. DURAN, Cristiana, Artigos. [on line, http://www.euvoupassar.com.br/visao/admin/artigos, disponibilizado em 21/08/2008, capturado em 11 de janeiro de 2009] HAMPTON , D. R. Administração contemporânea: teoria, prática e casos . 3 ed. São Paulo, McGraw-Hill, 1992. MAXIMIANO , A. C. A. Teoria Geral da Administração . 2ª Ed. São Paulo: Atlas, 2000. ROBBINS , S. P. Administração: Mudanças e perspectivas . São Paulo: Saraiva, 2000. Referências Bibliográficas:

×