Unidade Escolar: Colégio Estadual Dr. Flaviano de Jesus FilhoÁrea: LinguagemArticuladora: Marta Cardosos, Patrícia Santana...
Computador/Internet – Data-Show – TV Pendrive – Lápis, caneta e borracha –      impressora e máquina de xerox.  7. DESENVO...
3- Exibir para a turma o documentário “Atlântico Negro – Na rota dos Orixás”, promovendo   o respeito e a valorização das ...
Ritos de passagem são muito comuns em praticamente todas as culturas. Eles existem    há muito tempo e são importantes na ...
3. O salto de vacas dos Harmar Este ritual é realizado pela tribo dos Harmar, na Etiópia, e é feito antes que os homens  p...
Esta festa de iniciação é realizada pela tribo Tukuna, que vive na região norte da  Amazônia. As garotas começam a partici...
Estes aborígenes australianos levam os garotos de uma certa idade à reclusão, onde eles são segurados por um ancião, enqua...
A tribo dos Matis, que vivem na floresta amazônica brasileira, realiza quatro testes com   os garotos, para que eles mostr...
6- Criar um ambiente de expectativa nos alunos com relação ao texto que será lido em        sala: um conto africano. Quest...
– Vou castigá-lo severamente se for mentira – prometeu, ameaçador.       O ajudante foi obrigado a voltar à floresta e rei...
9- Após a leitura os alunos responderão as seguintes perguntas para uma posterior        discussão em sala.a) Na sua opini...
10- Em seguida, os alunos pesquisarão outros contos africanos interessantes e imagens    que destaquem a riqueza da cultur...
Produção didática gestar_ok_pr_berta
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Produção didática gestar_ok_pr_berta

537 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
537
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Produção didática gestar_ok_pr_berta

  1. 1. Unidade Escolar: Colégio Estadual Dr. Flaviano de Jesus FilhoÁrea: LinguagemArticuladora: Marta Cardosos, Patrícia Santana e Vagner VianaSérie: 7º ano PRODUÇÃO DIDÁTICA 1. TEMA África e suas histórias 2. CONTEÚDO CONCEITUAL Leitura, produção oral e escrita Gênero textual: contos africanos 3. PÚBLICO 7º ano 4. TEMPO DE REALIZAÇÃO 8 aulas 5. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES Utilizar a fala para expor opiniões, argumentos e pontos de vista: • Desenvolver debate sobre a valorização das manifestações africanas; • Argumentar acerca do preconceito racial Interpretar com autonomia diferentes tipos de texto: • Valorizar a leitura dos contos africanos como fonte de informação, conhecimento e prazer; • Analisar contos africanos, refletindo acerca de seus personagens e ações; • Localizar informações explícitas nos contos; • Inferir informações implícitas em um texto; • Operar com as ferramentas tecnológicas contemporâneas 6. MATERIAL UTILIZADO Lousa – Pincel atômico – Papel ofício branco e colorido - papel madeira - cola
  2. 2. Computador/Internet – Data-Show – TV Pendrive – Lápis, caneta e borracha – impressora e máquina de xerox. 7. DESENVOLVIMENTO 1- Sensibilização da turma e levantamento dos conhecimentos prévios com os seguintes questionamentos: a) O que vocês fazem todo dia, qual a rotina de vocês? b) O que há na rotina de vocês que aprenderam com os pais, avós, tios? 2- Trabalhar o conceito de ritual a partir de imagens de rituais em diferentes culturas e discutir com os alunos sobre o que eles tem em comum.“Conjunto de gestos, costumes, ritos, palavras e formalidades, repleto de valores simbólicos ecriados por uma religião ou pelas tradições de uma comunidade. O ritual não está ligadosomente à religião, mas toda a vida em sociedade só tem sentido a partir do entendimento dosrituais que a circunda. Os rituais são característicos de quase todas as sociedades humanasconhecidas, passadas ou atuais. Eles podem incluir também outros ritos como possespresidenciais, casamentos, funerais, eventos esportivos e outros. Várias ações comuns comoapertos de mão ou cumprimentos podem ser entendidas como pequenos rituais”. (WIKIPÉDIA)
  3. 3. 3- Exibir para a turma o documentário “Atlântico Negro – Na rota dos Orixás”, promovendo o respeito e a valorização das manifestações africanas e enfatizando que a história do povo brasileiro passa pela história dos povos africanos que auxiliaram na criação da nossa brasilidade. (www.youtube.com/watch?v=JY,p6dM0dNxM)4- Promover um debate com a turma sobre a questão do preconceito pelo não entendimento ou desconhecimento dos rituais e da sua importância e significados na cultura africana.5- Organizar a turma em pequenos grupos e distribuir curiosidades sobre rituais de passagem para a adolescência em diversas culturas. Depois da leitura e discussão cada grupo comentará sobre os ritos aprendidos. Rituais de passagem encontrados pelo mundo
  4. 4. Ritos de passagem são muito comuns em praticamente todas as culturas. Eles existem há muito tempo e são importantes na passagem da adolescência para a idade adulta, estabelecendo o desenvolvimento de uma personalidade mais responsável e madura. Nacultura ocidental, festas de debutantes ou até mesmo festas específicas de algumas religiõessão comuns, mas em algumas culturas pouco conhecidas, os ritos podem ser mais estranhos. 1- Os índios Algoquinos Os garotos desta tribo indígena canadense eram levados para uma área separada do restante do povo, e eram enjaulados. Lá, eles recebiam uma dose de uma substância chamada de wysoccan, altamente alucinógena e quase cem vezes mais forte que o LSD. A intenção do ritual era fazer com que os garotos esquecessem todas suas lembranças da infância, para que pudessem se tornar homens. O problema do ritual é que a força da substância é tão grande que muitos garotos perdiam a memória da família e da própria identidade, e alguns até mesmo paravam de falar. Os garotos que mostravam que ainda lembravam coisas da sua infância eram levados para tomar o wysoccan novamente. 2. O salto dos Vanuatu Este ritual serve como um rito de passagem e como um ritual de colheita das tribos da ilha de Vanuatu, no Oceano Pacifico. Os garotos das tribos têm que subir em uma torre de 30 metros de altura com cipós amarrados nos tornozelos e se jogar, a uma velocidade de cerca de 72 quilômetros por hora. Quando o “mergulho” é feito corretamente, o garoto deve encostar os ombros e a cabeça no chão. Entretanto, os cipós não são elásticos e um cálculo errado do comprimento da corda pode causar ferimentos sérios ou até mesmo a morte do garoto no ritual, que é feito com meninos de cerca de 7 ou 8 anos.
  5. 5. 3. O salto de vacas dos Harmar Este ritual é realizado pela tribo dos Harmar, na Etiópia, e é feito antes que os homens possam casar. O participante tem que pular por cima de vacas colocadas lado a ladoquatro vezes sem cair. O teste é feito com o garoto nu, como um símbolo da infância queele deixa para trás, e, se passar no teste, o garoto passa a viver com outros homens que passaram no mesmo teste, e fica durante alguns meses supervisionando as vilas do território do seu povo. 4. A tribo OkiekO rito de passagem desta tribo do Quênia é igual para homens e mulheres, e é feito com adolescentes de 14 a 16 anos. A iniciação começa com a circuncisão dos órgãossexuais, e depois os participantes ficam separados de adultos do sexo oposto de quatroa 24 semanas. As pessoas que participam o ritual têm que se pintar com argila branca e carvão, para ficarem com uma aparência selvagem, e passam a receber conhecimentodos anciãos. Para completar o ritual, as pessoas têm que fazer o som de um instrumento que reproduz o rugido de uma criatura mística que assombra as pessoas durante a iniciação. A circuncisão geralmente é feita com uma lâmina velha e suja que deixa os jovens propensos a infecções. A circuncisão feminina consiste na remoção do clitóris o que deixa a maioria delas incapaz de sentir prazer durante o sexo para o resto da vida. Caso elas se recusem a passar pelo rito são isoladas do resto da tribo. 5. Festa das Moças Novas
  6. 6. Esta festa de iniciação é realizada pela tribo Tukuna, que vive na região norte da Amazônia. As garotas começam a participar da iniciação quando menstruam, e ficam durante 4 a 12 semanas em reclusão em um local construído na casa da família com este único propósito. Durante este período, acredita-se que a menina é está nosubmundo, correndo perigo na presença de um demônio conhecido como Noo. Ao finaldo ritual, outras pessoas utilizam máscaras e se tornam reencarnações do demônio, e agarota fica durante dois dias com o corpo pintado de preto para se proteger do Noo. Na manhã do terceiro dia, ela pode sair da reclusão, e é levada por parentes para as festividades, em que dançam até o amanhecer. Neste momento, a garota recebe uma lança de fogo e deve jogá-la sobre o demônio. Depois disso, a tribo considera que a mulher pode entrar para a vida adulta com segurança. 6. A tribo Okrika Esta tribo nigeriana realiza o ritual Iria com as garotas, para que elas entrem na idade adulta. Jovens entre 14 e 16 anos são levadas para locais em que recebem alimentos pesados para engordar. Elas também aprendem as canções tradicionais do ritual, quecantam durante vários dias durante o amanhecer. As pessoas da tribo acreditam que as garotas podem formar ligações amorosas com espíritos aquáticos, e por isso têm que cantar as músicas tradicionais antes de poderem casar. No último dia do ritual, as garotas passam próximas à água, com uma mulher mais experiente para levá-las para longe dos espíritos, que querem pegá-las de volta. 7. Os aborígines Mardudjara
  7. 7. Estes aborígenes australianos levam os garotos de uma certa idade à reclusão, onde eles são segurados por um ancião, enquanto outro retira o prepúcio do pênis do garoto sem anestesia. Depois disso, o garoto se ajoelha sobre um escudo próximo a umafogueira e tem que comer a própria pele crua, sem mastigar. Após isso, ele se livrou dacriança, e se torna um homem completo. Depois que a circuncisão termina de cicatrizar, os homens sofrem outra intervenção cirúrgica: o pênis é cortado na parte inferior, próximo aos testículos, e o sangue que escorre deve cair sobre uma fogueira, para purificá-lo, e depois da incisão, têm que se abaixar para urinar, como as mulheres. 8. A tribo dos Satere-Mawe Esta tribo amazonense realiza um ritual de iniciação com garotos que pode serconsiderado um dos mais dolorosos da nossa lista. Os jovens da tribo têm que colocar as mãos dentro de uma espécie de luva cheia de formigas-bala, cuja mordida é quase 20 vezes mais dolorida que a de uma vespa. Os garotos têm que dançar com as mãos dentro da luva durante dez minutos, e a dor é tão intensa que o corpo sofre com convulsões, e a dor pode durar até 24 horas. O mais inacreditável é que os homens da tribo repetem este ritual várias vezes durante a vida, para provar a sua masculinidade. 9. A caçada dos Matis
  8. 8. A tribo dos Matis, que vivem na floresta amazônica brasileira, realiza quatro testes com os garotos, para que eles mostrem que podem participar das caçadas com os outros homens. Primeiro, os garotos recebem veneno diretamente nos olhos, parasupostamente melhorar a sua visão e aguçar os sentidos. Depois, eles são espancados e recebem chicotadas, para depois receber a inoculação do veneno de um sapo venenoso da região. A tribo acredita que o poderoso veneno do animal aumenta a força e aresistência, o que só acontece depois que o participante do ritual sofre com fortes enjôos, vômitos e diarréia. Quando os garotos passam por esta terrível seqüência de testes, são considerados aptos a participar das caçadas da tribo. 10. A tribo SambiaA iniciação dos garotos desta tribo de Papua Nova Guiné começa aos sete anos, quando eles são levados para longe de todas as mulheres, e passam a viver somente comhomens pelos próximos dez anos. Durante o início do ritual, a pele dos garotos é furada, para que as contaminações das mulheres sejam retiradas, e eles têm que sangrar pelo nariz (foto acima, a direita) para se limparem. Os garotos também têm que consumircana de açúcar para estimular o vômito e a defecação, com o mesmo propósito. Após a “limpeza” do corpo, eles consomem sêmen, considerado vital para que eles cresçam e fiquem fortes. Durante o processo, os garotos são informados sobre as impurezas femininas e seus perigos, e aprendem técnicas de purificação. Quando se casam eles se purificam freqüentemente contra as impurezas da esposa. Eles realizam sangramentos intensos pelo nariz toda vez que a mulher menstrua. No último passo do ritual de iniciação, os jovens têm que remover um pêlo pubiano e entregá-lo para um homem mais velho, que irá colocá-lo no lugar apropriado. Durante este estágio, o homem explica ao garoto que ele não deve ser promíscuo na sua relação heterossexual, senão será executado.
  9. 9. 6- Criar um ambiente de expectativa nos alunos com relação ao texto que será lido em sala: um conto africano. Questionar a eles: 7- Quem já viu ou ouviu um conto africano? Qual ou quais? a) b) O que vocês acham que aparecem nas histórias dos contos africanos? A menina que não respeitou a tradição ntonjane e o que aconteceu com c) Como devem ser os personagens? ela d) Onde se passariam as histórias? Os mais velhos são uns dos poucos que ainda contam a história de uma certa filha de um chefeque atingira a idade de observar a tradição ntonjane. Por isso, ela foi colocada numa palhoça ondedeveria permanecer até o dia da cerimônia. No entanto, numa certa manhã, algumas amigas aconvenceram a ir banhar-se“A História da menina que não respeitoupróximo da Ntonjane e o que 8- Apresentar o conto nas águas de um rio que corria bem a tradição aldeia, o que eraterminantemente proibido. O dia avançou pela tarde Sikulume e Outros Contos Africanos, de Júlio aconteceu com ela” que faz parte do livro e já entardecia quando elas resolveram sair dedentro Emílio Braz. Apresentar a capa do Nesse para os alunos e também asao encontrarem d’água e voltar para a aldeia. livro instante, surpreenderam-se ilustrações do interior do livro. Entregar as cópias digitadas do conto aos alunos para a devida leitura.Isinyobolokondwana, uma serpente com a pele coberta de manchas e aspecto assustador, deitadaexatamente sobre suas roupas. Isinyobolokondwana era uma criatura enorme; todas ficaram com muito medo e sem saber o quefazer diante dela. Aos poucos, uma ou outra conseguia redobrar a calma e, estimulando ascompanheiras, todas começaram a entoar uma canção de dizia algo como... Sinyobolokondwana, Sinyobolokondwana, traga meu manto! Ao que a grande cobra respondia: – Pode apanhá-lo e vá embora! Nem olhe para trás e me deixe em paz! Uma a uma as moças pediram que a serpente lhes trouxesse suas roupas e conseguiram adevida permissão para apanhá-las. A filha do chefe ficou por último e, como era filha do chefe, eraextremamente orgulhosa e cheia de vontades, o que significou que ela se recusou a pedir qualquer coisaà serpente. Pior do que isso somente o canto irônico que entoou, debochando de Isinyobolokondwana, quedizia assim... Ngoingcingci, Ngoingcingci Algo sem o menor sentido, apenas uma brincadeira, uma zombaria com a grande cobra, que,como é de se imaginar, ficou com muita raiva e acabou por mordê-la. No momento seguinte, a pele defilha do chefe ficou igualzinha à da cobra. As outras moças, horrorizadas, gritaram e saíram correndo nadireção da aldeia. Temerosas das conseqüências de seus atos, apressaram-se em colocar uma delasdentro da palhoça, para que se passasse pela filha do chefe. Abandonada no meio da floresta e muito assustada, pois naquele momento sua pele em tudo separecia com a da serpente e, como um mal bem contagioso, aquele aspecto desagradável só fazia se
  10. 10. – Vou castigá-lo severamente se for mentira – prometeu, ameaçador. O ajudante foi obrigado a voltar à floresta e reiniciar o trabalho interrompido. Ele cortavalenha quando mais uma vez a voz profundamente infeliz e angustiada da filha do chefe se fez ouvir.O irmão a reconheceu de imediato e, rumando para a árvore no alto da qual ela se encontravarefugiada,convenceu-a a descer e a levou para casa. O chefe ficou surpreso ao vê-lo naquele estado e enfureceu-se com suas companheiras portentarem enganá-lo, além de a terem levado ao rio, o que todas sabiam que era proibido. Todasforam castigadas e, em seguida, o chefe deu ordens para que alguns homens levassem sua filha ealgumas cabeças-degado para um local distante da aldeia, e lá construíram uma cabana onde elapassaria a morar daquele momento em diante. Passou-se um certo tempo e alguns começaram a perceber que as vacas que haviamlevado para ela produziam mais leite que o necessário e o excesso começou a ser derramado numburaco feito no chão. A surpresa aumentou ainda mais quando, sem mais nem menos, o leitecomeçou a jorrar como se fosse uma cascara espirrando para o alto e tudo se transformou emverdadeiro encantamento quando a filha do chefe, curiosa, aproximou-se do buraco e acabouatingida por um dos jatos de leite. No momento seguinte, como uma cobra costuma fazer detempos em tempos, todos viram se despir daquela pele de aspecto horrível que a cobria, revelandomais uma vez a grande beleza que sempre encantara a todos na aldeia. Com espanto e emoção geral, o velho chefe derramou-se em lágrimas ao ver a filha voltarpara junto de si. Dias mais tarde, um jovem e poderoso chefe que passava pela região a viu eapaixonou-se imediatamente. Imaginando que ela fosse filha de um dos homens que protegiam apalhoça no meio da floresta, ele se aproximou e fez muitas perguntas, e, assim, foi informado de
  11. 11. 9- Após a leitura os alunos responderão as seguintes perguntas para uma posterior discussão em sala.a) Na sua opinião por que no início do texto fala que os mais velhos é que são uns dos poucos que ainda contam a história?b) Que idade seria essa a qual a filha do chefe atingiu para observar a tradição Ntonjane e para você como seria esse ritual a qual a menina passaria?c) Relate com suas palavras de que maneira a menina desrespeitou a tradição Ntonjane.d) Após a filha do chefe ter sido mordida pela cobra, as outras moças ficaram com tanto medo da e) Qual foi o castigo que o pai deu a sua filha por ter desobedecido? Na sua opinião esse castigo não seria também uma espécie de preconceito só porque a pele da moça não estava igual a dos outros da aldeia? e) Por que a obediência à tradição de um povo é tão importante? f) Na sua opinião, a mudança da pele da personagem principal, causada pela mordida da serpente, pode ser comparada a descaracterização sofrida pelos negros para serem aceitos numa sociedade de domínio branco? Comente um pouco a sua resposta. g) No final do conto, nós leitores percebemos que nos é apresentado um outro costume do povo daquela aldeia. O que você sabe a respeito dele? h) Observamos no vídeo “Atlântico Negro” a presença da música como uma característica marcante da cultura africana. Em quais momentos do conto as personagens utilizam a música e com qual finalidade? i) “... e todos a viram se despir daquela pele de aspecto horrível que a cobria, revelando mais
  12. 12. 10- Em seguida, os alunos pesquisarão outros contos africanos interessantes e imagens que destaquem a riqueza da cultura afro-brasileira para a produção de um painel em sala de aula. (Os contos podem ser pesquisados no laboratório de informática e posteriormente postados no blog da escola).8. AVALIAÇÃO Os alunos serão avaliados quanto ao envolvimento nas aulas, a participação nos debates e discussões sobre a temática abordada, na execução da atividade escrita sobre o conto trabalhado, o interesse na pesquisa sobre outros contos africanos, bem como na qualidade de produção do painel de imagens e de outras histórias da África.9. REFERÊNCIAS http://www.afroasia.ufba.br/pdf/Aforasia37_175_200_Melo.pdf www.antologiadomedo.blogspot.com.br www.letras.ufmg.br www.portaldoprofessor.mec.gov.br http://pt.wikipedia.org/wiki/ritual Simuluke e outros contos africanos.Editora Pallas.Rio de Janeiro:2005.10. ANEXOS

×