Candido Teobaldo de Andrade - Psicossociologia das relações públicas

730 visualizações

Publicada em

Trabalho desenvolvido por Leila Evelyn dos Santos, aluno da Faculdade Paulus de Comunicação e Tecnologia, em Relações Públicas. Trata-se de uma apresentação para o livro de Teobaldo, psicossociologia das relações publicas.

Publicada em: Marketing
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
730
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Candido Teobaldo de Andrade - Psicossociologia das relações públicas

  1. 1. Psicossociologia das Relações Públicas CANDIDO TEOBALDO DE SOUZA ANDRADE DESENVOLVIDO POR: LEILA EVELYN.
  2. 2. “Não haverá empresas saudáveis numa sociedade doente”. Peter Drucker O autor defende a importância da contribuição da empresa para a sociedade.
  3. 3. Conceitos Herbert Blumer Teobaldo adota o conceito de Herbert G Blumer sobre massas, público e multidão. Esta visualiza a análise de comportamento desses públicos, como são dividos e como se Inter relacionam em busca da quebra de rotinas.
  4. 4. Multidão Multidão é impulsionada por meio de uma eventualidade extraordinária ocorrente. Por ser um objeto de interesse comum provoca em uma ação voluntaria movida por um sentimento em comum. Não há fatores históricos que ocasionem, não há papéis definidos ou consciência de grupo. Exemplo: Carnaval de rua.
  5. 5. Massa Massa é parcialmente considerada multidão, porém, as pessoas nela contidas não possuem qualquer contato intra grupal. Sendo assim, um grupo disperso. Exemplo: Telespectadores de uma rede midiática.
  6. 6. Público Público é um grupo de pessoas que refletem sobre questões pautadas na discussão pública. Cumpre-se em uma ação menos impulsiva, diferente da multidão e massa. Exemplo: Torcedores de um time de futebol.
  7. 7. Fases da OPINIÃO PUBLICA Com base na proposta do autor, o público é a junção de pessoas presentes ou ausentes fisicamente que acessam e analisam informações e reproduzem conceitos, opiniões e objeções próprias  1 – uma ou mais questões que não podem ser solucionadas pelos padrões e normas culturais.  2 - Exibição das objeções.  3 - Delimitação das objeções e propostas de melhorias e soluções.  4 – Início ao consenso das opiniões.
  8. 8. O porquê de conhecer seu público:  Não existe público específico, mas sim vários tipos de públicos com características diversas.  As relações da organização com cada um desses públicos são igualmente diferentes e o fracasso de muitos programas de Relações Públicas se deve ao fato de não se adaptarem as características especiais de diversos públicos.  É preciso conhecer as dimensões dos programas e estabelece-los de forma que abranjam os diversos públicos
  9. 9. Determinar publico é extremamente complexo! Informação Opinião Discussão Racional Grupo com interesses em comum Público
  10. 10. O poder psicossocial O que é? A nosso ver, as Relações Públicas, dentro de princípios éticos e procurando harmonizar interesses, podem agrupar ponderáveis esforços no nobre proposito de estabelecer um clima que facilite a compreensão e o desenvolvimento sociais.
  11. 11. É certo que o objetivo ultimo de relações públicas é a identificação do interesse privado com o publico. “Serão relações públicas um fruto de altruísmo ou do egoísmo esclarecido? Será o interesse público um fim em si ou um meio para chegar ao interesse privado? Pensarão homens como Rockfeller, ao criar as suas fundações, no interesse público por elas servido, ou na reputação que vão angariar? E na administração pública, os políticos que a dirigem estarão primeiramente pensando nas vantagens que dai advirão para sua carreira política? E mais adiante: “Quer sejamos ‘egoístas esclarecidos’, quer sejamos altruístas, nosso objetivo último, como homens de relações públicas, é a identificação do interesse público, pois só quando coincide inteiramente com o interesse privado pode ser atingido pela instituição com a completa aquiescência e colaboração da sociedade.” Sylla Magalhães Chaves, professor da Fundação Getúlio Vargas.
  12. 12. Ser Relações Publicas não é tão fácil quanto parece! Andrade defende que o profissional de Relações Públicas deve estar em uma posição de Gestão na instituição e não como operacional. Relações Publicas gera negócios e Teobaldo defende que o relações publicas pode e deve estar no campo administrativo como gestor de relacionamentos. Defende a não restrição de técnicas de comunicação, por ser amplo e complexo. Ele não pode estar preocupado com meras imagens de sua organização publica ou privada.

×