Compras e aquisições de materiais - aula 1

370 visualizações

Publicada em

Compras e aquisições de materiais na construção civil - Aula 1. Professor Leandro Fonseca. Engenheiro Civil. Mais informações: leandrogffs@gmail.com

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
370
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Compras e aquisições de materiais - aula 1

  1. 1. OFICIAL DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PEDREIRO E M ESTRE DE OBRAS) COM PRAS E AQUISIÇÕES DE M ATERIAIS
  2. 2. INDICE INTRODUÇÃO A ESCOLHA DO TERRENO CARACTERÍSTICAS DO CIMENTO AÇO TIJOLOS CARACTERÍSTICAS ÁGUA FRIA E ÁGUA QUENTE COMO ESCOLHER METAIS PARA SUA CASA TELHADOS E LAJES MATERIAIS DIVERSOS FERRAGENS E METAIS FUNÇÃO DO CONTROLE DE ESTOQUE
  3. 3. 1 - INTRODUÇÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL FORNECEDORES E SUAS QUALIFICAÇÕES DIREITOS E DEVERES
  4. 4. 2 - A ESCOLHA DO TERRENO
  5. 5. PRINCIPAIS ESPECIFICAÇÕES FACILIDADE DE ACESSO REDES PÚBLICAS TOPOGRAFIA TIPO DE SOLO ORIENTAÇÃO GEOGRÁFICA QUESTÕES LEGAIS
  6. 6. MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO Tudo que será utilizado na obra!!!
  7. 7. PRODUTOS E INSUMOS AGREGADOS: Compõem uma argamassa de concreto.
  8. 8. CLASSIFICAÇÃO DOS AGREGADOS NATURAIS ARTIFICIAIS MIÚDOS GRAÚDOS LEVES PESADOS
  9. 9. EXEMPLOS DE AGREGADOS AREIA É utilizada nas obras de engenharia civil, em aterros, execução de argamassas , concretos e também na fabricação de vidros. O tamanho de seus grãos tem importância nas características dos materiais que a utilizam como componente.
  10. 10. AREIA O tamanho de areia, segundo a NBR 7211/83, divide-se, granulometricamente, em: areia fina (entre 0,06 mm e 0,2 mm); areia média (entre 0,2 mm e 0,6 mm); areia grossa (entre 0,6 mm e 2,0 mm). Unidade de medida: m³ (metros cúbicos)
  11. 11. ALGUNS USOS DA AREIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL A areia é geralmente o principal componente do concreto. É o principal componente na produção de vidro. Fábricas de tijolos utilizam areia como aditivo à mistura de argila para o fabrico de tijolos. A areia é muitas vezes misturada com tinta para criar um acabamento texturizado para paredes e tetos ou uma superfície não escorregadia ao chão. Areia fina é usada, junto com outras substâncias, como composto de filtros de água. Sacos de areia são usados para proteção contra inundações. Os sacos podem ser facilmente transportados quando vazios e, em seguida, preenchidos com areia local. Ferrovias usam areia para melhorar a tração das rodas sobre os trilhos.
  12. 12. BRITA BRITA é a rocha quebrada mecanicamente em fragmentos de diversos diâmetros. É muito utilizada na fabricação de concretos, no lastro de rodovias e outras obras da construção civil, antes desse processo é também chamada de basalto, uma pedra de origem ígnea ou magmática. Este tipo de rocha é facilmente encontrada em todo Brasil. Este material, também chamado de agregado quando relacionado a concretos, possui massa unitária entre 1 e 2 kg/dm³ e grãos angulosos que possuem utilizações específicas. A classificação do tipo da brita é de acordo com seu diâmetro. É classificada de 0 (zero) a 5 em ordem crescente.
  13. 13. TIPOS DE BRITA Pó de Brita – 0 a 5,0 mm  Aplicação: usinas de asfalto, confecção de pré moldados. Pedrisco – Brita 00 – 3,0 a 5,0mm  Semelhante ao pó de brita, utilizado para pisos antiderrapante, para aumentar o atrito e a segurança. Brita 0 – 5,0 a 12,0 mm  Aplicação: Fábrica de blocos, usinas de asfalto e de concreto, lajes pré fabricadas. Brita 1 – 12,5 a 22,0 mm  Produto mais utilizado na construção civil. Muito apropriado para lajes, pisos, tubulões, vigas, pilares, entre outros. Brita 2 – 22,0 a 32,0 mm  Utilizados em estacionamentos, concretos mais grossos e drenos. Brita 3 – 22,0 a 62,0 mm  Conhecida também como pedra de lastro. É constantemente usado em aterramentos e nivelamentos de malhas ferroviárias, drenos e reforços de pistas. Britas 4 e 5 – 50,0 a 100,0 mm  Utilizadas em ETE (Estação de tratamento de Esgoto), drenos, reforços de pistas e fossas sépticas.
  14. 14. ARGAMASSA Segundo a NBR 13281, argamassa é a mistura homogênea de agregado(s) miúdo(s), aglomerante(s) inorgânico(s) e água, contendo ou não aditivos ou adições, com propriedades de aderência e endurecimento, podendo ser dosada em obra ou em instalação própria (argamassa industrializada).
  15. 15. CIMENTO
  16. 16. TIPOS DE CIMENTO
  17. 17. GESSO GESSO: Mineral chamado  gipsita,  cozido  a  baixa  temperatura  e  empregado em diversas modalidades. Passa por várias etapas antes de  sua  composição  final, iniciando-se  pela  extração  do  ambiente  natural,  seguida por sua trituração, pela desidratação através de cozimento em  fornos especiais, até a trituração completa que o torna pó
  18. 18. CAL A CAL é um aglomerante produzido a partir de rochas calcárias ou magnesianas. Os tipos mais usados são a virgem e, principalmente, a hidratada. A primeira é obtida a partir da queima da pedra calcária a temperaturas próximas de 800ºC. A hidratada, extremamente fina e leve, tem capacidade de reter água e afinidade química com cimento, acelerando reações.
  19. 19. CAL - ITENS A OBSERVAR
  20. 20. ARMAZENAMENTO
  21. 21. 3 - CARACTERÍSTICAS DO CIMENTO
  22. 22. FINURA O indice de finura do cimento é o grau da porcentagem de grãos menores que passam pela peneira 200. Significa que quanto mais finos tiver o cimento melhor será melhor a sua reação e a resistência mecânica depois de pronto será maior.
  23. 23. TEMPO DE PEGA APARELHO DE VICAT •TEOR DE ÁGUA PADRÃO • TEMPERATURA PADRÃO
  24. 24. EXPANSIBILIDADE AGULHA DE LE CHATELIER A agulha de Le Chatelier foi desenvolvida para medir a expansão do cimento ou cal.
  25. 25. CONCRETO USINADO VANTAGENS E DESVANTAGENS VANTAGENS PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS; RECURSOS TECNOLÓGICOS; MAIOR CUSTO X BENEFÍCIO PARA OBRAS GRANDES; ESTOQUE DE MATERIAIS EM OBRA; OBTENÇÃO DA RESISTÊNCIA ESPECIFICADA; DESVANTAGENS DEPENDÊNCIA DA PRODUÇÃO E ENTREGA EM OBRA; NÃO TRABALHA COM PEQUENAS QUANTIDADES; MÃO DE OBRA SEM ESPECIALIZAÇÃO
  26. 26. PROCESSO DE FABRICAÇÃO
  27. 27. FO TO S R EAIS FÁBRICA DE CIM ENTO
  28. 28. FÁBRICA DE CIMENTO
  29. 29. CORREIA TRANSPORTADORA
  30. 30. GALPÃO DE ESTOCAGEM
  31. 31. SILO DE CIMENTO
  32. 32. SILO DE CLÍNQUER
  33. 33. VISTA PANORÂMICA
  34. 34. TORRE DE RESFRIAMENTO
  35. 35. FIM

×