IGREJA BATISTA DO CALVÁRIO DA ILHA
DEPARTAMENTO DE EVANGELISMO
MINISTÉRIO EVANGELISMO EXPLOSIVO III INTERNACIONAL NO BRASI...
“Esse ambiente gostoso que você notou em nossa Igreja, a alegria que as pessoas demonstram em estar ali, é porque a maiori...
quantia, mais absurda pareceria a sua atitude e maior seria a ofensa. A única forma de você agradar a pessoa que lhe prese...
estava com Deus e o Verbo era Deus; e o Verbo se fez carne e habitou entre nós (João 1:1,14). Tomé, era um dos discípulos ...
Suponho que sentando-se nela
Permita-me, agora, que essa cadeira (a cadeira vazia) represente Jesus Cristo, e esta cadeira...
(4. Receber a Cristo como Senhor)
Também, d. Eliana, quando Jesus entra na vida de alguém como Salvador, ele vem para faze...
O ACOMPANHAMENTO CONTÍNUO
I. OBJETIVO: Equipar para a continuidade do acompanhamento (discipulado) nas primeiras semanas e...
3. Testemunho - um membro da equipe dá um testemunho da sua experiência como novo convertido: as dificuldades, as
vitórias...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação do evangelho

142 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
142
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação do evangelho

  1. 1. IGREJA BATISTA DO CALVÁRIO DA ILHA DEPARTAMENTO DE EVANGELISMO MINISTÉRIO EVANGELISMO EXPLOSIVO III INTERNACIONAL NO BRASIL APRESENTAÇÃO DO EVANGELHO I. A INTRODUÇÁO A. A Vida Secular do VisitadoA. A Vida Secular do Visitado (Batem à porta) Boa Noite Sra. Eliana. Meu nome é Jovelino. Estes aqui são o Carlos e a Tereza. Somos da Igreja Batista do Calvário da Ilha. (Ficamos contentes porque a senhora visitou nossa igreja, e quisemos conhecê-la melhor)1 . Poderíamos entrar e conversar um pouco? Pois não! Entrem, por favor! 2 Obrigado. A sua casa é bastante aconchegante. Dá para sentir que é bom morar aqui. A senhora tem uma mobília muito bonita. Nota-se que a senhora tem bom gosto! Obrigada! Eu realmente gosto de morar aqui e também gosto das minhas coisas. Você já mora aqui há muito tempo, d. Eliana? Não. Tem pouco mais de dois anos que eu mudei-me para cá com a minha família. Você é aqui mesmo de Valadares? Bem! Eu nasci no norte do estado. Porém, logo mudei para essa região com os meus pais. Aqui eu casei-me e constituí família. Você tem filhos? Sim. Tenho duas filhas. Uma tem dois aninhos, a outra é recém-nascida. Ah! Que ótimo! Pretende Ter mais algum filho, ou vai fechar a fábrica? Não! Basta por aqui! Já se foi o tempo em que se podia ter mais de dois filhos. Criar filhos hoje é cada vez mais difícil. É, parece que você não está mesmo animada a ter mais filhos. É verdade! B. Sua Experiência ReligiosaB. Sua Experiência Religiosa E, antes de ir à nossa igreja, que igreja você costumava frequentar? Eu era católica Ia com frequência a essa igreja? Uma vez por semana C. Nossa IgrejaC. Nossa Igreja E como, d. Eliana, você chegou a ir à nossa igreja? Através do convite de uma amiga E sentiu-se bem em nossa igreja? Sim, eu gostei muito de estar ali Certamente. O que mais você gostou em nosso culto? As pessoas que ali estavam demonstraram muito afeto e muita cordialidade Então você notou alguma coisa especial em nosso povo, não é mesmo? Sim! Gostaria de saber o que faz isso acontecer? Gostaria, com certeza! D. TestemunhoD. Testemunho 1. Da Igreja: 1
  2. 2. “Esse ambiente gostoso que você notou em nossa Igreja, a alegria que as pessoas demonstram em estar ali, é porque a maioria das pessoas que frequentam a nossa igreja, tem certeza de vida eterna. Aliás, as igrejas existem com o propósito de mostrar a realidade da vida eterna aos que à ela pertencem, e também de comunicar às demais pessoas sobre como podem ter uma vida abundante e eterna. Porém, sinto que nós, como igreja, no decorrer dos séculos, temos falhado em comunicar essa mensagem. Como resultado, milhões de pessoas no mundo de hoje, que vão à igreja, ainda não têm certeza que irão para o céu. 2. Pessoal: Eu mesmo, durante boa parte da minha vida, ia com frequência a uma igreja, mas, por alguma razão, não tinha chegado a ter certeza de vida eterna. Eu me esforçava, porém não tinha essa certeza, pelo contrário, antes de receber o presente da vida eterna, eu era alguém que tinha medo de ser rejeitado. Por esse motivo achava que tinha que ser uma pessoa muito especial física e intelectualmente, para poder ser aceito. Eu sofria muito com isso. Lembro-me que em uma ocasião eu participei de um retiro no qual não fiz nenhuma boa amizade. Meus contatos eram tímidos devido ao medo de rejeição. Porém, depois que recebi o presente da vida eterna, essa situação foi mudando gradativamente. Hoje, louvo a Deus pelo que ele tem feito em minha vida. Casei-me com uma pessoa especial e tenho agora duas filhas maravilhosas! E estou fazendo aquilo que eu gosto: falar das boas notícias de vida eterna. Não mais tenho medo de rejeição. Sei que sou especial porque Deus me ama e tem cuidado de mim, e acima de tudo, deu-me certeza de que um dia irei morar no céu. D. Eliana, não existe nada melhor do que saber que eu irei para o céu quando morrer. (pausa) Permite-me fazer-lhe uma pergunta, d. Eliana?” Sim. Fique a vontade. E. Duas perguntas de diagnósticoE. Duas perguntas de diagnóstico 1.Primeira Pergunta: Você já chegou a um ponto na sua vida espiritual no qual pudesse afirmar com certeza que se você morresse hoje iria para o céu? Não. Ainda não. Pois a Bíblia foi escrita com esse propósito para que todos nós tivéssemos certeza de vida eterna. Ela nos declara que: “Estas coisas vos escrevi para saberdes que tendes a vida eterna” (I João 5:13). O desejo de Deus é que, ao colocar a sua cabeça no travesseiro, você durma com a certeza de que, caso venha a morrer, acorde no céu. “Eu posso então compartilhar com você sobre como eu cheguei a ter certeza de vida eterna (e como você também pode ter essa certeza?”)3 Eu realmente gostaria de saber sobre isso. Isso é ótimo. Fico feliz em poder falar a respeito desse assunto. Antes porém, permita-me fazer-lhe uma outra pergunta? Essa pergunta será muito útil porque irá ajudar-nos na condução da nossa conversa. Posso fazer? Pode sim! Bem! Então vamos lá! A pergunta é: 2. Segunda Pergunta: Suponhamos, d. Eliana: que você morresse hoje, e comparecesse diante de Deus, e ele lhe perguntasse: “Porque razão, d. Eliana, eu deveria permitir que você entre no meu céu?” Que motivo você daria para que Deus deixasse você lá entrar? O que você lhe responderia? Bem! Talvez eu pudesse dizer que tenho tentado ser uma boa pessoa que absolutamente não deseja o mal para o próximo. Faço o melhor que posso para cumprir com as minhas obrigações de esposa e mãe.4 Então você diria a Deus que ele poderia deixar você entrar no céu porque você não deseja o mal para o próximo e que faz o melhor que pode para cumprir com as suas obrigações. É isso mesmo que você diria? Sim. É isso mesmo. Pois bem, d. Eliana, quando eu lhe fiz a primeira pergunta, pensei que tivesse boas notícias para dizer-lhe. E, depois que ouvi a sua resposta a esta última pergunta, tenho certeza absoluta que tenho ótimas notícias! Na realidade, eu diria que nos próximos minutos você vai ouvir a maior e melhor notícia que já ouviu em toda a sua vida. II. O EVANGELHO A. A graçaA. A graça 1. O céu é um presente Sabe, d. Eliana, durante boa parte da minha vida eu pensei como você, que o céu era algo que eu deveria alcançar com meus esforços e através de bons procedimentos. E isso me trazia uma imensa insegurança porque eu não conseguia ser uma pessoa perfeita. Na verdade, jamais conseguiria ser. No entanto, uma dia eu fiz a maior descoberta que alguém poderia fazer. Essa descoberta transformou a minha vida! Eu descobri, na Palavra de Deus, que o céu, a vida eterna, é totalmente de graça. Sim. O céu é um presente. A Bíblia nos afirma que: “O Dom (presente) gratuito de Deus é a vida eterna” (Romanos 6:23). E, por ser um presente, o céu... 2. Não pode ser adquirido nem comprado por obras ou merecimento A Bíblia afirma que “de graça sois salvos por meio da fé, e isso não vem de vós é dom (presente) de Deus, não vem de obras para que ninguém se glorie (se encha de orgulho)” (Efésios 2:8,9). O caminho do homem consiste em merecer para poder alcançar. O caminho de Deus é a graça, isto é, receber livremente o que você não merece. Portanto, o céu não é uma aquisição ou uma conquista. É um presente totalmente grátis. (Presente de um amigo): As nossas boas obras não podem acrescentar nada ao presente da vida eterna. Suponha que o seu esposo (ou o seu melhor amigo), resolvesse surpreendê-la com um lindo presente, e vamos supor que a sua reação imediata fosse de procurar em sua carteira algum dinheiro para ajudar a pagar as despesas desse presente. Que insulto seria! Você estaria, com este gesto, ferindo os sentimentos da pessoa que lhe está oferecendo o presente. Mesmo que você oferecesse apenas uns trocados, ou mesmo alguns centavos. Quanto menor fosse a 2
  3. 3. quantia, mais absurda pareceria a sua atitude e maior seria a ofensa. A única forma de você agradar a pessoa que lhe presenteia, é aceitar o presente com satisfação e gratidão. Se você pagar mesmo que seja um só centavo, deixa de ser um presente. O mesmo ocorre com relação ao presente da vida eterna. Se você tentar adquiri-lo com os seus esforços e com as suas boas obras, o máximo que você conseguirá é insultar a Deus. (Transição): E, através da Bíblia, nós entendemos que o céu não apenas é um presente, mas também que jamais poderia ser alcançado de uma outra forma, pois a Palavra de Deus nos fala a respeito da triste situação de todos os seres humanos. Ela nos mostra que... B. O homemB. O homem 1. É pecador A Bíblia afirma que “todos pecaram e carecem da glória de Deus” (Romanos 3:23). Todos nós temos cometido pecado. Bem, quando a gente pensa no pecado, muitas vezes pensamos somente em roubo, assalto, adultério, e assim por diante. Mas, a Bíblia nos diz que pecado é qualquer coisa que não agrada a Deus ou que é contra os seus mandamentos. Existem os pecados de comissão que são as coisas que não deveríamos praticar e praticamos, como a mentira ou o roubo. Existem também os pecados de omissão que são as coisas que nós deveríamos praticar e não praticamos, como por exemplo, quando deixamos de amar ao próximo, de ler a Bíblia, de orar ou de ir à igreja. Há também os pecados de pensamentos. A Bíblia mostra que todos são pecados. (Três pecados por dia): Imagine só que, com todas essas situações possíveis de pecado, nós pecássemos somente três vezes por dia. Nós seríamos pessoas realmente muito boas se não mais que três vezes por dia tivéssemos algum mal pensamento, ou disséssemos alguma palavra desagradável ou deixássemos de cumprir com alguma obrigação para com Deus ou com o próximo. Mas, mesmo sendo pessoas tão boas, ainda assim teríamos mais de mil pecados por ano. Se multiplicássemos essa soma pela nossa idade, teríamos 20, 30, 40, 50 mil violações da Lei de Deus. Imagine um transgressor habitual da lei que comparecesse diante do tribunal do júri com 50 mil violações da lei computados na sua ficha. Ele não teria qualquer chance de absolvição. Porém, o que mais impressiona é que muitas pessoas esperam absolvição quando estiverem diante do tribunal divino, mesmo depois de terem cometido tantos pecados durante a sua vida. Essas pessoas ignoram que o padrão de Deus para que alguém chegue ao céu através dos seus próprios esforços, é a perfeição absoluta. E a Bíblia assim expressa: “Sede perfeitos como perfeito é o vosso Pai Celestial” (Mateus 5:48). Não basta ao ser humano ser muito bom. Ele precisa ser perfeito. E, ninguém consegue ser perfeito. Somente Jesus o foi. A Bíblia ainda afirma que: “Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos e a verdade não está em nós” (I João 1:8). Esse é o motivo pelo qual não podemos alcançar o céu pelo nosso próprio esforço: a nossa imperfeição. E, devido ao fato de ser pecador, o homem... 2. Não pode salvar-se a si mesmo (omelete de ovos estragados): Suponhamos agora que você resolvesse fazer um omelete para os seus visitantes com cinco ovos bons e um estragado. Você acha, d. Eliana, que este omelete seria agradável a quem desejasse comê-lo? É claro que não! Bem! Da mesma maneira nós não podemos servir a nossa vida a Deus, com muitas coisas nela, que nós chamamos de “coisas boas”, mas que estão recheadas de obras e pensamentos que são podres, e esperar que esse nosso “omelete” seja agradável a Deus. Diz a Bíblia que “qualquer que guarda toda a lei, mas tropeça em um só ponto, se torna culpado de todos” (Tiago 2:10). Um único delito nos torna completamente culpados. A pessoa que pensa poder alcançar a salvação através de seu próprio esforço, engana-se totalmente. A Bíblia alerta que: “Há caminhos que para o homem parece direito, mas o fim dele conduz à morte” (Provérbios 14:12). Percebe então que realmente é impossível que o homem se salve a si mesmo? (transição): E isso se torna mais nítido quando vemos o que a Bíblia nos fala a respeito de... C. DEUS 1. É misericordioso, portanto não quer nos punir Deus nos ama não por aquilo que somos, mas pelo que Ele é. A Bíblia diz que: “Deus é amor” (I João 4:8). Diz ainda: “Com amor eterno eu te amei” (Jeremias 31:3). Porém, a mesma Bíblia não nos diz apenas que Deus é misericordioso, ela também diz que ele 2. É justo; portanto tem que punir o pecado A Bíblia também nos diz que Deus: “Ao culpado não tem por inocente” (I João 4:8); diz ainda que “a alma que pecar, essa morrerá” (Ezequiel 18:4). (ladrão de banco): Suponhamos agora que eu tenha assaltado um banco. Uma câmara escondida filma o roubo, e o caixa e outras pessoas presenciam o acontecimento. Depois, eu sou preso e levado a julgamento. No tribunal, o juiz me pergunta então: “Você é culpado ou inocente?” A minha culpa era inegável, pois as provas apresentadas contra mim diante do juiz eram também incontestáveis. Eu então respondo: “Meritíssimo, eu sou culpado”. O juiz então pronuncia a sua sentença e me condena a cinco anos de prisão por assalto a mão armada. Suponhamos então que eu fale ao juiz: “Meritíssimo, considere que ninguém foi ferido, e que o dinheiro foi recuperado. E eu estou muito arrependido por ter cometido esse assalto. Se o senhor permitir que eu seja livre, prometo que nunca mais assaltarei bancos”. O juiz seria justo caso ordenasse a minha soltura? É claro que não! Ele tem uma norma de justiça, a qual precisa ser satisfeita. Se assim não fosse, nesse caso, não haveria um só banco seguro neste País. Bem, se os juizes humanos têm obrigação de condenar o culpado, muito mais o nosso Deus, que é muito mais justo que qualquer juiz humano. Ele não pode simplesmente ignorar os nossos pecados. Ele precisa punir os nossos pecados. Como resolver, então este dilema? Porque, por um lado Deus é misericordioso e não quer nos punir. Porém, ele é justo e precisa punir os nossos pecados. (transição): Mas, Deus resolveu esse problema do ser humano na pessoa de D. CRISTO 1. Quem é? Jesus para você d. Eliana? “Ele é o Filho de Deus” Certo! Porém, Jesus não é simplesmente o Filho de Deus. Ele é o infinito Deus-Homem. Ele é o Deus-Filho, o Eterno Deus. A Bíblia assim expressa a respeito do Filho, Jesus: “O teu trono, ó Deus, é para todo o sempre” (Hebreus 1:8). Também diz: “No princípio era o Verbo e o Verbo 3
  4. 4. estava com Deus e o Verbo era Deus; e o Verbo se fez carne e habitou entre nós (João 1:1,14). Tomé, era um dos discípulos de Jesus. Ele não acreditava que Jesus tivesse ressuscitado. Quando, porém Jesus apareceu vivo diante dele, Tomé prostrou-se diante do Mestre e exclamou: “Senhor meu e Deus meu!” (João 20:28). Portanto, a Bíblia nos mostra que Jesus Cristo era homem, mas que também foi e sempre será Deus. 2. O que Cristo fez? Morreu na cruz e ressuscitou dentre os mortos para pagar a pena pelos nossos pecados e comprar para nós um lugar no céu o qual nos oferece gratuitamente Todos nós nascemos para viver. Jesus foi o único que nasceu com o propósito de morrer. (livro de registro de pecados): Suponhamos agora, d. Eliana, que este livro (segura um livro, que pode ser a Bíblia) que eu tenha em minhas mãos fosse um livro de registro de pecados, e que nele estivessem registrados todos os pecados que cometi durante a minha vida. Todos os maus pensamentos, todas as coisas más que pratiquei, todas as coisas que deveria ter feito e que não fiz. A Bíblia fala que um dia Deus abrirá os livros e julgará de acordo com o que neles estiver registrado. Se alguém for julgado pelas coisas registradas no livro de sua própria vida, será condenado. Suponha, agora, que minha mão direita represente a minha pessoa (coloque o livro sobre a mão direita). Os meus pecados estão sobre mim, e certamente serei condenado em virtude deles. É como uma grande carga que me impede de ter um relacionamento perfeito com Deus que está acima de mim. (Segure a mão esquerda mais alto que a direita). Permita que minha mão esquerda represente Jesus Cristo. A Bíblia diz que “todos nós andávamos desgarrados como ovelhas e cada um se desviava pelo seu caminho, mas o Senhor fez cair sobre ele...” (Neste ponto, transfira o livro da mão direita para a esquerda, num movimento claro, e deixo-o lá) “...a iniquidade de todos nós”. Deus colocou os nossos pecados sobre o seu Filho quando ele morreu na cruz. (Tetélestai): Na cruz, Jesus suportou a infinita ira de Deus. Todo ódio e toda a indignação de Deus contra o pecado, ele derramou sobre Jesus. A Bíblia diz que Jesus foi “ferido de Deus e oprimido. Todavia ao Senhor agradou moê-lo, fazendo-o enfermar” (Isaías 53:4-b,10-a). Até o sol se escureceu quando o Deus-homem foi ao inferno por nós. Finalmente, quando o último pecado foi pago, Jesus gritou na cruz: “Está consumado!” (João 19:30). Esta é uma expressão bastante interessante na língua grega, na época em que o Novo Testamento foi escrito: “Tetélestai”. Esta era, naqueles dias, uma palavra comercial que significa: “Está pago; a dívida está paga”. A Bíblia diz: “O salário do pecado é a morte” (Romanos 6:23) ou a ira de Deus. Jesus disse: “Tetélestai”. “Está pago”. Além do mais, ele disse: “Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se assim não fora, eu vo-lo teria dito. Pois vou preparar-vos lugar” (João 14:2):“Tetélestai”. Está pago o preço. Está comprado. Com o seu próprio sofrimento, Jesus Cristo assegurou um lugar no céu para seu próprio povo. Isso, d. Eliana, é a graça de Deus em nosso favor... (Definição de graça): E o que é graça, d. Eliana? Graça é a riqueza de Deus que obtemos, sem qualquer merecimento, através do preço pago por Jesus Cristo na cruz. A riqueza de Deus se manifesta em perdão, céu, vida eterna, paz, alegria e amor de Deus − às custas de Jesus, do preço pago por ele, que foram os açoites, o Getsêmani, as zombarias, a coroa de espinhos, os cravos em suas mãos e em seus pés, o furar do seu lado, na ira de Deus e no próprio inferno. Jesus pagou tudo. Tudo devemos a ele. É através desta graça que é possível um Deus santo e perfeito conceder um presente tão maravilhoso, que é o céu, a pessoas tão indignas como nós. Bem! E o que é necessário que façamos para receber esse presente de Deus? (Transição): E este presente, d. Eliana nós o recebemos através da fé... E.E. A FÉA FÉ (A chave para o céu): A fé é a chave que abre a porta do céu. Você pode ter um chaveiro com muitas chaves, como este aqui (mostra um chaveiro); todas se parecem. Mas vou lhe dizer algo. Se você fosse até à minha casa, e tentasse abrir a porta com todas as chaves, a não ser que usasse a chave certa, não conseguiria abri-la. A chave certa para que você entre no céu é a fé, a fé salvadora. A Bíblia diz que nós somos salvos “mediante a fé” (Efésios 2:8). Essa é a chave que abrirá a porta do céu. Não há nada mais neste mundo que consiga abrir essa porta. 1. O que não é fé salvadora: A. Mero assentimento intelectual Bom! Muitas pessoas dizem que têm fé, mas na realidade não sabem o que ela é. Crêem em Jesus Cristo assim como crêem em Pedro Álvares Cabral ou em D. Pedro I. Crêem que Jesus realmente viveu, morreu e ressuscitou, porém essa crença não está influenciando a vida dessas pessoas em nada agora. Isso não é fé. Não passa de um mero assentimento intelectual de fatos históricos da mesma forma como acreditam em outros personagens da história sem que este fato lhes acrescente qualquer coisa na sua vida hoje. (O Diabo): A Bíblia diz que o diabo também crê em Deus. Sabia disso? “Não, não sabia!” A Bíblia diz: “Crês que Deus é um só? Fazes bem: os demônios também o crêem e estremecem” (Tiago 2:19). Também, em certa ocasião quando Jesus se encontrou com um homem que estava possuído por muitos demônios, ao virem a Jesus, os demônios, de dentro daquele homem, exclamaram: “Que temos nós contigo, Filho de Deus? Vieste aqui atormentar-nos antes do tempo?” (Mateus 8:29). Como você pode ver. Esse tipo de fé é importante. Porém é insuficiente para salvar. Pois até os demônios a têm. B. Mera fé temporal Também não podemos achar que temos fé para a salvação, pelo simples fato de termos alcançado algumas bênçãos da parte de Deus. Você mesmo, d. Eliana, deve ter orado a Deus, muitas vezes pedindo-lhe alguma coisa. Talvez por saúde, ou por melhor situação financeira, ou por bênção para a sua família, ou por proteção para alguma viagem. Isso também não é fé salvadora. Não passa de mera fé temporal. Pois, todas essas coisas pertencem a esta vida, portanto, vão passar quando morrermos. Muitas vezes confiamos no Senhor para obtermos todas essas coisas temporais. Mas, a fé salvadora... 2. (Fé salvadora, o que é?) ...É confiar somente em Jesus para ter a vida eterna, para salvar a sua vida. A Bíblia nos diz: “Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e a tua casa” (Atos 16:31). (A Cadeira): Por exemplo, D. Eliana, observe esta cadeira (Aponte para uma cadeira vazia). Eu posso crer que esta cadeira existe e que pode sustentar-me, porém eu não estou sentado sobre ela agora. Como posso comprovar que ela existe e que pode sustentar-me realmente? 4
  5. 5. Suponho que sentando-se nela Permita-me, agora, que essa cadeira (a cadeira vazia) represente Jesus Cristo, e esta cadeira na qual estou sentado represente eu mesmo e as minhas obras. (aponte para a cadeira vazia) Posso crer que Deus existe e que Cristo é Deus. (ponha sobre a cadeira objetos simbólicos e diga:) Posso confiar nele para crises temporárias como... (óculos, ou caixinha de algum medicamento): fé para obter saúde; (carteira) fé para ajuda financeira; (chaves) fé para bênção familiar; (caneta) fé para sucesso escolar ou profissional. (aponte novamente para a cadeira). Houve um tempo na minha vida que eu acreditava que Jesus era o Filho de Deus, que era o Salvador. Eu cheguei a confiar nele para conseguir muitas bênçãos temporais (aponte para os objetos sobre a cadeira). Porém, quanto a obter a vida eterna (aponte para a sua cadeira), eu continuava confiando em mim mesmo e nas coisas que eu estava fazendo. Porém, um dia descobri que estava totalmente enganado e que precisava crer somente em Jesus para obter a vida eterna. Então, o que eu fiz (neste momento, tire os objetos de sobre a cadeira), eu descobri que precisava transferir a confiança de mim mesmo... (neste momento, levante-se da sua cadeira e sente-se na outra cadeira que está representando a Cristo) ... para Cristo e para aquilo que ele fez na cruz por mim. Agora estou firmado nele, confiado nele para chegar ao céu. Lembra-se de quando eu lhe perguntei em sobre o que diria a Deus se ele lhe perguntasse: “Porque deveria permitir que você entre no céu, lembra-se do que respondeu? “Eu tenho tentado ser uma boa pessoa, eu não desejo fazer mal ao próximo, eu procuro cumprir com minhas obrigações”. Em quem você estava confiando para obter a vida eterna? Em mim mesma? Sim. No entanto é preciso que você, d. Eliana, transfira a confiança que tem depositado em si mesma, e a coloque inteiramente sobre Jesus, assim como um dia eu fiz também. Há um hino que diz: “Sobre Jesus, a Rocha firme estou, tudo mais é areia movediça, chego a ele com as minhas mãos vazias...” Você precisa, d. Eliana, estar totalmente firmada nessa Rocha que é Jesus. Somente ele é capaz de dar-lhe segurança e certeza de vida eterna. Não são as boas obras, ou qualquer outra coisa que fará isso por você. Tudo mais é areia movediça. Afundará se nos apoiarmos nela. (motivo para uma vida obediente): Bem, d. Eliana, alguém poderia perguntar: Por que, então, devo tentar viver uma vida de obediência a Deus? Por qual razão deverei ser uma boa pessoa e praticar as boas obras? A razão para que eu tenha uma vida correta, é a minha gratidão a Deus por aquilo que Jesus fez por mim na cruz. Não estou tentando merecer o céu através das boas obras; só estou dizendo “muito obrigado” pelo presente de vida eterna que Cristo me deu. Certo homem que chegou a ser reitor numa importante universidade americana, escreveu que quando ainda era jovem, aceitou o presente da vida eterna, e todo o restante da sua vida, foi simplesmente, e o tempo todo, uma oportunidade de dizer: “obrigado, Senhor, pelo que me deste naquele dia”. Este é o motivo correto para uma vida obediente: A gratidão pelo presente da vida eterna. A Bíblia nos diz que “o amor de Cristo nos constrange” (II Coríntios 5:14). (a mão do mendigo): Nós podemos comparar a como a mão de um mendigo se estendendo para aceitar um presente das mãos do Rei. Anos atrás, eu era este mendigo que estendeu a sua mão indigna e recebeu o presente da vida eterna. Eu não merecia naquela ocasião, e não o mereço agora, mas tenho a vida eterna (use um objeto para representar “o presente”. Segure-o em sua mão direita e quando você disser: “Fé é a mão do mendigo estendida...”, estenda a mão esquerda e pegue o objeto, completando desse modo a ilustração). III. A DECISÃO A.A. A Pergunta QualificadoraA Pergunta Qualificadora D. Eliana, tudo isso que eu disse faz sentido para você? “Sim! Faz muito sentido” B.B. A Pergunta de DecisãoA Pergunta de Decisão Você gostaria de receber o presente da vida eterna? “É claro que gostaria!” C.C. O Esclarecimento da DecisãoO Esclarecimento da Decisão Que bom, d. Eliana. Porém, deixe-me esclarecer novamente para você o que significa receber o presente da vida eterna. Receber o presente da vida eterna, d. Eliana, significa, (1. Transferir a Confiança:) que você vai transferir para a confiança que até agora você vinha mantendo em si mesma e nas suas obras para alcançar a vida eterna, para depositá-la no que Jesus Cristo fez por você na cruz. Você está disposta, d. Eliana, a transferir para Jesus, a confiança que deposita em si mesma para poder alcançar o céu? “Sim. Estou disposta” (2. Receber a Cristo Ressurreto e Vivo) Receber o presente da vida eterna significa também, d. Eliana, receber a Cristo ressurreto e vivo. Por isso a nossa fé não é vã. Jesus não está numa sepultura. Ele ressuscitou. Está vivo e um dia voltará visivelmente em poder e glória para buscar aqueles que nele creram para viverem no seu Reino Eterno. Você crê nessa verdade? “Sim. Eu creio” (3. Receber a Cristo como Salvador) Ainda, d. Eliana, receber o presente da vida eterna significa receber a Cristo como Salvador. Ele diz: “Eis que estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo” (Apocalipse 3:20). Isso significa que Jesus terá íntima comunhão com você. Ele irá perdoá-la, purificá-la e dar-lhe vida eterna. D. Eliana, você gostaria de pedir a Jesus Cristo para hoje entrar na sua vida para ser o seu único Salvador? “Sim. Eu quero” 5
  6. 6. (4. Receber a Cristo como Senhor) Também, d. Eliana, quando Jesus entra na vida de alguém como Salvador, ele vem para fazer algo pela pessoa: perdoá-la e dar-lhe vida eterna. Mas ele também vem como Senhor. Ele vem como Mestre e Rei. Ele vem para pedir-lhe algo. Ele diz que há um trono em seu coração e que esse trono pertence a ele. Ele nos fez. Ele nos salvou. Ele nos comprou. Ele deseja ocupar o lugar a que tem direito no trono da sua vida. Você está disposta a entregar a sua vida a Cristo como gratidão pelo presente da vida eterna que ele lhe deu? “Sim. Eu estou” (5. Arrepender-se dos pecados) Finalmente, d. Eliana, quem quiser receber o presente da vida eterna deve estar disposto a arrepender-se. Jesus deseja que nos arrependamos dos nossos pecados. Isso significa deixar o que estava fazendo, e que não agrada a Deus, e segui-lo à medida que ele revele a sua vontade através da sua Palavra. D. Eliana, você está disposta a arrepender-se dos seus pecados, seguir a Deus e servi-lo fielmente? “Sim. Eu estou” D.D. A Oração de DecisãoA Oração de Decisão Muito bem, d. Eliana. Deus está aqui neste momento. Nós podemos falar com ele agora, em oração, e podemos contar a ele que você deseja colocar toda a sua confiança em Cristo, o Senhor, para receber a vida eterna. É isso que a senhora deseja? É sim Que bom, d. Eliana! Deus está pronto para ouvir a sua voz para lhe dar vida eterna. Oremos! (Ore por ele para compreender, arrepender e crer): Senhor Deus e Pai. Chegamos até a ti em nome de Jesus. Eu te agradeço por mais uma oportunidade de compartilhar a respeito do presente da vida eterna. Agora, peço-te que dês a d. Eliana esse presente. Que o teu Espírito a convença da necessidade que ela tem de arrepender-se de todos os seus pecados e de confiar somente em Jesus para receber a vida eterna. (Ore com ele em frases curtas do evangelho personalizado): d. Eliana. O Senhor está aqui. Estamos falando com ele. Se você deseja realmente receber o presente da vida eterna, diga para ele, em voz alta: Senhor Jesus, eu reconheço que sou pecadora (pausa). Eu tenho confiado em mim mesmo e nas minhas obras(pausa). Porém, agora estou decidida a colocar em ti toda a minha confiança (pausa). Eu entrego a ti a minha vida (pausa). Eu creio que tu morreste por mim e que ressuscitaste (pausa). Por isso, entra na minha vida e seja o meu Senhor (pausa). Entra na minha vida para ser meu Rei e Senhor (pausa). Eu recebo o presente da vida eterna (pausa). Eu não mereço (pausa). Mas te agradeço por me dares este presente (pausa). Muito obrigado. Amém. (Ore por ele para ter certeza de vida eterna): Pai. Tu ouviste a oração da d. Eliana. Eu te peço que o teu Espírito Santo lhe dê certeza de que os seus pecados estão perdoados, e de que ela já tem a vida eterna. Em nome de Jesus, Amém. E. A CERTEZA DE SALVAÇÃO D. Eliana, você acabou de fazer a oração mais importante que já fez em sua vida. Agora, eu gostaria que você visse o que Cristo diz sobre a decisão que você tomou. Eu gostaria que você lesse aqui em João 6:47 (mostre o texto). Leia em voz alta (espere a leitura). A Bíblia diz “quem crê, tem a vida eterna”. O verbo está no presente. Não é uma possibilidade. É um fato. Ao você crer, Deus lhe deu vida eterna. Não é maravilhoso? É Sim. Gostaria que lesse também em João 5:24 (espere a leitura). Foi exatamente isso o que aconteceu. Você ouviu a palavra que eu lhe falei. Tudo fez sentido para você. Então você creu em Jesus. Ao fazer isso, a Palavra de Deus garante que você “tem a vida eterna”. E mais, que “não entra em condenação; mas já passou da morte para a vida”. (pergunta n.o 1): E agora, d. Eliana. Se a você morresse hoje, para onde iria? Para o céu! (pergunta n.o 2): E se Deus lhe perguntasse: “Porque devo permitir que você entre no meu céu?” O que você responderia agora? Que eu creio em Jesus! Se isso é realmente de coração. Pode ter certeza de que Jesus já lhe deu vida eterna. Estamos muito alegres, e podemos dizer. Bem vinda à família de Deus! _____________________________________ 1 Caso a pessoa não tenha ido à igreja, esta parte entre parêntesis pode ser excluída do diálogo; 2 Se a equipe encontrar resistência, deve-se fazer as tentativas: a) “Poderíamos voltar na próxima semana?”; b) “Poderíamos voltar em outra ocasião?” c) “Poderíamos enviar outra equipe?” 3 Se a pessoa evangelizada responder “sim” à primeira pergunta, a parte entre parêntesis não deve ser dita; 4 Se a resposta for “eu não sei”, existem cinco maneiras de se obter uma resposta são: a) O que você diria? b) O que você pensa que diria? c) Na sua opinião, quais são os requisitos para que alguém entre no céu; d) Eu pensava que (ou “muitas pessoas pensam”) que os requisitos são... é isso que você também pensa? e) Então, você não sabe como realmente chegar ao céu, não é mesmo? 6
  7. 7. O ACOMPANHAMENTO CONTÍNUO I. OBJETIVO: Equipar para a continuidade do acompanhamento (discipulado) nas primeiras semanas e meses da vida do novo convertido; II. CONSIDERAÇÕES BÁSICAS: A. Nossa meta não é apenas no sentido de gerarmos “filhos” (novos convertidos), mas sim gerarmos discípulos; B. O acompanhamento contínuo ideal vai do momento que o novo convertido vem a Cristo até ele estar bem integrado na Igreja; C. A responsabilidade tem dois lados: 1. O evangelista ou equipe em si a. Porque ele/ela é o “pai espiritual” responsável pelo nascimento; ele/ela é também responsável pelo crescimento do novo convertido; b. Suas responsabilidades não serão cumpridas até terem feito todo o possível para integrar seus discípulos como um membro responsável da igreja, capaz e disposto a dar seu testemunho do que Cristo tem feito em sua vida; c. De vez em quando, um novo convertido e um pai espiritual, podem enfrentar dificuldades devido às diferenças em suas idades, sexo, personalidade, horários, etc. (1) Se acontecer, o pai espiritual deverá achar um outro pai espiritual para adotar o novo convertido; (2) Em primeiro lugar, ele poderá escolher um outro membro da equipe; (3) Senão, ele poderá procurar outra pessoa treinada em EE; (4) De qualquer maneira, ele jamais deixará o novo convertido se tornar órfão 2. A Igreja Local a. Por meio de nascimento espiritual, o novo crente é membro de uma família; b. Seus novos irmãos precisarão estender a ele: amor, carinho, e comunhão para que possa crescer e ser firme na vida cristã; D. O elemento pessoal é importante. 1. Pessoas carinhosas fazem acompanhamento, não apenas materiais e programas; 2. Coisas impessoais são apenas ferramentas para suplementar, mas não substituto para comunicação e comunhão pessoal; 3. Sem o elemento pessoal, o acompanhamento se tornará como um robô tomando conta de um nenê; 4. Todos os materiais e os procedimentos sugeridos devem ser usados com sensibilidade para atender às necessidades do novo convertido; III. O QUE FAZER NOS PRIMEIROS SEIS DIAS A. Colocar o nome do novo convertido na lista da igreja para receber os avisos, convites, etc. B. Pedir ao pastor que envie uma carta de acompanhamento ao novo convertido 1. Uma carta amigável e geral 2. Não mencionar a sua decisão 3. Convite para assistir (novamente) os cultos da igreja 4. Lembrança da “visita 7 dias após” a ser feita pela equipe C. Manter contato através de um telefonema 1. Feito por um aluno da equipe; 2. Breve e amigável 3. Conteúdo: agradecimento pela hospitalidade, algo positivo da visita, algo sobre a “visita 7 dias após” D. Deixar literatura com a pessoa numa visita rápida, ou emprestar mensagens gravadas; E. Pedir a um membro da equipe que dê um telefonema no sábado 1. Oferecer uma carona ou combinar um ponto de encontro na Igreja 2. Mencionar o lugar e o horário da “visita 7 dias depois” F. Convide o novo convertido para o culto de adoração no domingo seguinte. 1. Oferecer uma carona 2. Assistir o culto junto com ele, não o deixando sozinho 3. Ajudá-lo durante o culto com a música, as referências bíblicas, etc. 4. Apresentá-lo a outros membros a. Mas, não conte o testemunho dele para osoutros b. Deixe que ele faça isto num momento escolhido por ele mesmo G. Convidar o novo convertido para a classe de novos crentes. IV. A VISITA SETE DIAS APÓS A. A visita é... 1. ... combinada durante o Acompanhamento Imediato, enquanto se trata da Bíblia; 2. ... reforçada, no telefonema feito 24 horas depois, pelo telefonema do sábado, e contatos no domingo; 3. ...feita durante o momento de visitação regular, se possível; 4. ...feita com os mesmos membros da equipe, se possível; B. Procedimento para a visita 1. Há uma lista de checagem no livro EE (pg.195), para facilitar; a. Sugestões do que fazer durante esta visita; b. Leia antes da visita e decida o que fará; 2. Reapresentação da equipe a. A pessoa podia Ter esquecido os nomes b. Como foi a semana? c. Culto na igreja – domingo passado 7
  8. 8. 3. Testemunho - um membro da equipe dá um testemunho da sua experiência como novo convertido: as dificuldades, as vitórias e o que o ajudou/sustentou; 4. Faça as duas perguntas novamente (desta vez em ordem invertida) a. Faça o “por quê?” de Deus (2a . pergunta) para estabelecer e verificar a base da sua fé; b. Há pessoas que darão a resposta errada nesta 2a . visita; c. Procede à pergunta de “Segurança” (1a . pergunta), e, quando for necessário, compartilhe o Evangelho de novo ou ore para que a pessoa tenha segurança de vida eterna; d. Duas respostas corretas: (1) Reafirme os meios de crescimento (2) Apresente a revista que servirá de base para o estudo bíblico; e. Resposta à 2a . pergunta errada: rapidamente reveja a apresentação do Evangelho usando Juntos Para um Mundo Transformado f. Resposta à 1a . pergunta errada: reveja o item segurança, especialmente 1 João 5:11 e João 6:47; g. Resposta às duas perguntas erradas: reveja o esboço do Evangelho ponto a ponto, a fim de descobrir áreas de confusão, incerteza, incompreensão, etc. 5. Cinco passos/meios para o crescimento a. Bíblia (1) Leitura diária (2) Promessa memorizada (3) Escutou as mensagens gravadas? (4) Estudo Bíblico feito? Perguntas? b. Oração – a importância de oração e intercessão; c. Adoração – convide-a para assistir o culto do domingo seguinte; d. Comunhão – convide-o para um café ou almoço (Atos 2:42,46); e. Testemunho – sugira que testemunhe aos amigos e familiares (Atos 16:31); f. Chame a atenção da pessoa ao fato de Ter um novo inimigo – Satanás (I João 4:4); 6. Oração de despedida: peça ao novo convertido os pedidos de oração que tem. C. Resumindo, podemos dizer que tanto no acompanhamento imediato como na “visita 7 dias após”, as três responsabilidades da equipe são enfatizar: 1. Certeza de vida eterna 2. Meios de crescimento 3. O convite para frequentar a igreja (ou participar nas atividades da igreja, p.ex., estudos bíblicos nos lares, etc.) V. GRUPOS DE APOIO A. Classe inical para novos convertidos/membros B. Estudos Bíblicos nos lares C. Refeições de confraternização – pode ser feita com um grupo maior na igreja, ou grupo menor em casa de um companheiro espiritual; D. Escola Dominical – depois de completar a classe inicial para novos convertidos/membros, as pessoas devem ser encaminhadas a participar em sua própria classe na Escola Dominical; E. Outros sub-grupos VI. MATERIAIS DE ACOMPANHAMENTO (literatura para série de estudos bíblicos) VII. SUGESTÕES GERAIS A. A igreja primitiva era um bom exemplo de acompanhamento (Atos 2:42); B. Hoje em dia, fazer o acompanhamento requer um compromisso genuíno: 1. Convide a pessoa a fazer parte da sua vida passando um tempo juntos. 2. Procure métodos de ficar em contanto além das visitas e outros contatos pessoais: a. O telefone b. O correio (cartões de aniversário, bilhete de oração, etc.) c. Companheiro de oração para EE? d. Aluno para EE? e. Intercessão por eles. 8

×