SlideShare uma empresa Scribd logo
www.facebook.com/presbiterianaeman
uel

www.twitter.com/ipemanuel            ESTUDOS
gplus.to/ipemanuel                   DOUTRINÁRIOS
                                     Depravação Total
                                     Eleição Incondicional
                                     Expiação Limitada
                                     Graça Irresistível
                                     Perseverança dos Santos
19/11/2012



AGENDA
   Introdução histórica

   Biografias: João Calvino e Jacobus Arminius

   O que é Teologia?

   Depravação Total x Livre Vontade

   Eleição Incondicional x Eleição condicional

   Expiação Limitada x Eleição Ilimitada

   Graça Irresistível x Graça Resistível

   Perseverança dos Santos x Queda da Graça
19/11/2012




Vamos Pensar um pouco?
19/11/2012



VAMOS PENSAR UM POUCO?
O  que acontece quando um cristão reformado
 reflete nas implicações filosóficas, científicas e
 práticas da sua fé?
 Uma   revolução do pensamento teórico com
  drásticas conseqüências práticas! Nada pode
  ser mais salutar à igreja do que ser confrontada
  com os resultados da fé bíblica conforme
  expostos pela filosofia reformada.
 Minha expectativa é que isto se torne também
  a convicção dos leitores ao completarem estes
  estudos sobre os cinco fundamentos da fé
  reformada.
19/11/2012



AGENDA
   Introdução histórica

   Biografias: João Calvino e Jacobus Arminius

   O que é Teologia?

   Depravação Total x Livre Vontade

   Eleição Incondicional x Eleição condicional

   Expiação Limitada x Eleição Ilimitada

   Graça Irresistível x Graça Resistível

   Perseverança dos Santos x Queda da Graça
19/11/2012



INTRODUÇÃO HISTÓRICA
O  sínodo de Dort foi um sínodo nacional que teve
 lugar
 em Dordrecht, na Holanda em 1618/19, pela Igreja
 Reformada Holandesa, com o objetivo de regular
 uma séria controvérsia nas Igrejas Holandesas
 iniciada pela ascensão do Arminianismo. A primeira
 reunião do sínodo foi tida a 13 de Novembro de
 1618 e a última, a 154ª foi a 9 de Maio de 1619.
 Foram também convidados representantes com
 direito de voto vindos de 8 países estrangeiros. O
 nome "Dort" era um nome usado na altura em inglês
 para a cidade holandesa de Dordrecht. O sínodo é
 por vezes chamado de Sínodo de Dordt, ou Sínodo
 de Dordrecht.
19/11/2012



INTRODUÇÃO HISTÓRICA
   O sínodo decidiu pela rejeição das ideias arminianas,

    estabelecendo    a    doutrina   reformada     em      cinco

    pontos: depravação total, eleição incondicional, expiação

    limitada,   vocação    eficaz    (ou   graça     irresistível)

    e perseverança dos santos. Estas doutrinas, descritas no

    documento final chamado Cânones de Dort, são também

    conhecidas como os Cinco pontos do calvinismo.
19/11/2012



AGENDA
   Introdução histórica

   Biografias: João Calvino e Jacobus Arminius

   O que é Teologia?

   Depravação Total x Livre Vontade

   Eleição Incondicional x Eleição condicional

   Expiação Limitada x Eleição Ilimitada

   Graça Irresistível x Graça Resistível

   Perseverança dos Santos x Queda da Graça
19/11/2012



JOÃO CALVINO
   Calvino nasceu em 10 de julho de 1509 em Noyon, França, 26

    anos após o nascimento de Lutero. Ao passo que esse nasceu

    em uma parte da igreja onde se enfatizava a piedade e a

    religião, Calvino nasceu em uma parte daquela que tinha em

    grande conta educação e cultura.

   Pouco se sabe de sua mãe; seu pai era secretário apostólico

    do   bispo   de   Noyon,    mas    caiu   em   dificuldades

    financeiras, tornou-se um constrangimento à igreja e foi

    excomungado.
19/11/2012



JACOBUS ARMINIUS
   Jacobus Arminius é o nome latinizado de Jakob Hermanszoon.

    Armínio foi um teólogo neerlandês(países baixos) da época da

    reforma protestante. Trabalhou em 1603 como professor de

    teologia na Universidade de Leiden, e escreveu muitos livros e

    tratados sobre teologia; sua visão tornou-se a base do

    arminianismo e do movimento neerlandês Remonstrante.

   John Wesley, fundador do movimento metodista, abraçou a

    teologia arminiana e se tornou o seu maior defensor.
19/11/2012



AGENDA
   Introdução histórica

   Biografias: João Calvino e Jacobus Arminius

   O que é Teologia?

   Depravação Total x Livre Vontade

   Eleição Incondicional x Eleição condicional

   Expiação Limitada x Eleição Ilimitada

   Graça Irresistível x Graça Resistível

   Perseverança dos Santos x Queda da Graça
19/11/2012



O QUE É TEOLOGIA?
   A doutrina cristã é apenas a declaração das

    crenças mais fundamentais do cristão: crenças

    sobre a natureza de Deus; sobre sua ação; sobre

    nós, que somos suas criaturas.

   A Teologia Sistemática não examina livro por livro

    da Bíblia, mas agrupa sob um mesmo tópico um

    todo coerente sobre o que está escrito na Palavra

    de Deus.

   Ex.: O Pecado do Homem
19/11/2012



O QUE É TEOLOGIA?
 Crenças     doutrinárias corretas   são
  essenciais no relacionamento entre o
  cristão e Deus.
 “De fato, sem fé é impossível agradar a
  Deus, porquanto é necessário que
  aquele que se aproxima de Deus creia
  que ele existe e que se torna
  galardoador dos que o buscam.” Hb11.6
 A compreensão correta da doutrina é
  importante porque hoje há muitos
  sistemas de pensamento religioso e
  seculares que disputam nossa devoção.
19/11/2012



AGENDA
   Introdução histórica

   Biografias: João Calvino e Jacobus Arminius

   O que é Teologia?

   Depravação Total x Livre Vontade

   Eleição Incondicional x Eleição condicional

   Expiação Limitada x Eleição Ilimitada

   Graça Irresistível x Graça Resistível

   Perseverança dos Santos x Queda da Graça
19/11/2012
DEPRAVAÇÃO                           VONTADE LIVRE
TOTAL
   O calvinismo responde que           O    primeiro    ponto         do
    o homem não regenerado
    é absolutamente escravo              arminianismo sustenta que
    de Satanás, e, por isso, é           o homem é dotado de
    totalmente    incapaz      de
    exercer      sua       própria       vontade livre.
    vontade livremente (para
                                        Arminius acreditava que a
    salvar-se),    dependendo,
    portanto, da obra de Deus,           queda do homem não foi
    que     deve    vivificar    o
                                         total, e sustentou que, no
    homem, antes que este
    possa crer em Cristo.                homem,       restou           bem
                                         suficientemente capaz de
                                         habilitá-lo a querer aceitar
                                         Cristo como Salvador.
19/11/2012
DEPRAVAÇÃO                         VONTADE LIVRE
TOTAL
   Todas as pessoas agora são        Negam que o homem
    pecadoras      não      por        tenha    perdido     sua
    imitação mas por natureza.
                                       capacidade para o bem.
    Não cometemos pecado
    por acidente nem mesmo            Armínio afirmava que a
    por     alguma      escolha        liberdade humana uma vez
    imparcial.     Cometemos
                                       dada    na   criação   do
    pecados     porque    nossa
    própria     natureza     foi       passado,    nunca    seria
    corrompida pelo pecado.            removida ou tomada.
   A própria natureza da             Os        homens       são
    pessoa é maculada em               responsáveis somente por
    razão do afastamento da
                                       seus      próprios     atos
    lei. Agora existe uma
    inclinação para o mal, uma         voluntários     e    pelas
    propensão para o pecado.           consequências de tais atos.
19/11/2012



REMONSTRÂNCIA
   Artigo 1
   Que Deus, por um eterno e imutável plano em Jesus
    Cristo, seu Filho, antes que fossem postos os
    fundamentos do mundo, determinou salvar, de
    entre a raça humana que tinha caído no pecado –
    em Cristo, por causa de Cristo e através de Cristo –
    aqueles que, pela graça do Santo Espírito, crerem
    neste      seu   Filho    e   que,    pela    mesma
    graça, perseverarem na mesma fé e obediência de
    fé até o fim; e, por outro lado, deixar sob o pecado
    e a ira os contumazes e descrentes, condenando-
    os como alheios a Cristo, segundo a palavra do
    Evangelho de Jo 3.36 e outras passagens da
    Escritura.
   “36 Por isso, quem crê no Filho tem a vida eterna; o
    que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não
    verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de
    Deus. (Joh 3:36 ARA)”
19/11/2012




LIBERDADE DO HOMEM –BATISTAS
   Quando criou o homem, deu-lhe Deus o livre
    arbítrio, e este legado continua a fazer parte da
    natureza humana. Até depois da queda continuou
    o homem a ser criatura de vontade livre. O próprio
    pecado é prova evidente desta asserção, porque
    ele o faz voluntariamente.
   Entendemos que a liberdade do homem é sua
    mesma decisão, é a própria pessoa que decide e
    resolve sobre todos os seus atos. O homem é
    soberano e livre.

   Contradição: A melhor palavra para definir o
    homem em seus estado natural é: MORTO. O morto
    vive no erro. O homem está morto e espiritualmente
    impossibilitado, portanto, de tomar a iniciativa da
    salvação.
          Esboço de Teologia Sistemática Batista
19/11/2012




LIBERDADE DO HOMEM –PENTECOSTAIS
O      homem não pode efetuar a sua
  salvação, nem ao menos ajudar nisso. A
  salvação é pela graça de Deus, e não por
  nosso esforço próprio, conquanto os salvos
  sejam chamados para a prática das boas
  obras.
 No ser humano, o pecado, sediado na
  alma, domina a sua vontade e tem como
  instrumento orgânico o corpo humano. Cada
  indivíduo é pecador por natureza.

 Contradição:     O homem é capaz de fazer a
  livre-escolha. A graça de Deus não é
  irresistível, como muitos ensinam.
           Teologia Sistemática Pentecostal
19/11/2012



A RESPOSTA DE DORT
A divina eleição e reprovação – 1º Cap. da
 Doutrina
    Artigo 1 - Toda a humanidade é condenável
     perante Deus
    Todos os homens pecaram em Adão, estão
     debaixo da maldição de Deus e são condenados
     à morte eterna. Por isso ninguém teria sido
     injustiçado se ele tivesse resolvido deixar toda a
     raça humana no pecado e sob a maldição e
     decidido condená-la por causa do seu
     pecado, de acordo com as palavras do apóstolo:
     ... para que se cale toda boca, e todo o mundo
     seja culpável perante Deus... pois todos pecaram
     e carecem da glória de Deus..., e ... o salário do
     pecado é a morte ... (Rm 3.19,23; 6.23).
19/11/2012



A RESPOSTA DE DORT
   A corrupção do homem, a sua conversão a deus e
    como ela ocorre – 3º e 4º Cap. Da Doutrina
       Artigo 1 - O resultado do queda
       No princípio o homem foi criado à imagem de Deus.
        Foi adornado em seu entendimento com o verdadeiro
        e salutar conhecimento de Deus e de todas as coisas
        espirituais. Sua vontade e seu coração eram
        retos, todos os seus afetos, puros; portanto, era o
        homem completamente santo. Mas, desviando-se de
        Deus sob instigação do diabo e pela sua livre
        vontade, ele se privou desses dons excelentes. Em
        lugar disso trouxe sobre si cegueira, trevas
        terríveis, leviano e perverso juízo em seu
        entendimento; malícia, rebeldia e dureza em sua
        vontade e em seu coração; e ainda impureza em
        todos os seu afetos.
19/11/2012



CALVINO – INSTITUTAS 1.15
 Quando   Adão caiu de seu estado original, não
 há   a   mínima   dúvida   de   que,   por      esta
 defecção, ele veio a alienar-se de Deus.
 Portanto, embora concordemos que a ima-
 gem de Deus não foi nele aniquilada e
 apagada de todo, todavia foi corrompida a tal
 ponto que, qualquer coisa que lhe reste, não
 passa de horrenda deformidade.
19/11/2012



CALVINO – INSTITUTAS 2.8
   O   pecado   original   representa,   portanto,   a   depravação     e
    corrupção hereditárias de nossa natureza, difundidas por todas as
    partes da alma, que, em primeiro lugar, nos fazem condenáveis à
    ira de Deus; em segundo lugar, também produzem em nós aquelas
    obras que a Escritura chama de “obras da carne” [Gl 5.19]. E é
    propriamente isto o que por Paulo, com bastante frequência,
    designa apenas de pecado. As obras que de fato daí resultam,
    quais são: adultérios, fornicações, furtos, ódios, homicídios,
    glutonarias, Paulo chama, segundo esta maneira de ver, “frutos do
    pecado” [Gl. 5.19-21], ainda que, como a cada passo nas
    Escrituras, sejam também por ele referidas simplesmente pelo
    termo “pecados”.
19/11/2012



CONFISSÃO BELGA
   Cremos que Deus criou o homem do pó da terra1, e o fez e
    formou conforme sua imagem e semelhança: bom, justo e
    santo2, capaz de concordar, em tudo, com a vontade de Deus.
    Mas, quando o homem estava naquela posição excelente, ele
    não a valorizou e não a reconheceu. Dando ouvidos às
    palavras do diabo, submeteu-se por livre vontade ao pecado e
    assim à morte e à maldição3. Pois transgrediu o mandamento
    da vida, que tinha recebido e, pelo pecado, separou-se de
    Deus, que era sua verdadeira vida. Assim ele corrompeu toda a
    sua natureza e mereceu a morte corporal e espiritual4.
19/11/2012



DEPRAVAÇÃO TOTAL
   Um Conceito: o que a depravação total não é!
   Muitas vezes esta frase é mal compreendida, e,
    portanto,     requer     cuidadosa      discriminação.
    Negativamente, não implica: (1) que todo homem é tão
    completamente depravado como poderia chegar a ser;
    (2) que o pecador não tem nenhum conhecimento
    inato de Deus, nem tampouco tem uma consciência
    que discerne entre o bem e o mal; (3) que o homem
    pecador raramente admira o caráter e os atos virtuosos
    dos outros, ou que é incapaz de afetos e atos
    desinteressados em suas relações com os seus
    semelhantes; nem (4) que todos os homens não
    regenerados, em virtude da sua pecaminosidade
    inerente, se entregarão a todas as formas de pecado:
    muitas vezes acontece que uma forma de pecado
    exclui outra.
19/11/2012



DEPRAVAÇÃO TOTAL
   Um Conceito: o que a depravação total significa!
   Positivamente, a expressão “depravação total” indica:
    (1) que a corrupção inerente abrange todas as partes
    da natureza do homem, todas as faculdades e poderes
    da alma e do corpo; e (2) que absolutamente não há no
    pecador bem espiritual algum, isto é, bem com relação
    a Deus, mas somente perversão. Esta depravação total é
    negada pelos pelagianos, pelo socinianos e pelos
    arminianos 239 do século dezessete, mas é ensinada
    claramente na Escritura, Jô 5.42; Rm 7.18, 23; 8.7; Ef 4.18;
    2 Tm 3.2-4; Tt 1.15; Hb 3.12.
   “18 obscurecidos de entendimento, alheios à vida de
    Deus por causa da ignorância em que vivem, pela
    dureza do seu coração, (Ef 4:18 ARA)”
19/11/2012



DEPRAVAÇÃO TOTAL
   A depravação total ou Incapacidade Total é o conceito
    que afirma que o homem não tem condições de livrar-se
    por si mesmo, da escravidão do pecado, pois o espírito
    humano está morto desde o nascimento.
   A depravação total significa que o homem, em seu estado
    natural, é incapaz de fazer qualquer coisa ou desejar
    qualquer coisa que agrade a Deus.
   “O julgamento é este: que a luz veio ao mundo, e os
    homens amaram mais as trevas do que a luz; porque as
    suas obras eram más. (Jo 3:19 ARA)”
   A depravação total significa que o homem, por sua “livre
    vontade”, nunca se decidirá por Cristo.
   “Contudo, não quereis vir a mim para terdes vida.
    (Jo 5:40 ARA)”
   O homem não é salvo por algum ato fictício de sua própria
    “livre vontade”.
19/11/2012



EXAMINAI AS ESCRITURAS
19/11/2012



PROVAS BÍBLICAS - CALVINISMO
1.   A Depravação Total atinge a toda a humanidade
         1. Rm 5.12
         2. Jr 17.9
         3. Rm 3.11-12
         4. Pv 20.9
2.   Nascidos espiritualmente mortos
         1. Sl 58.3
         2. Jo 3.3
         3. Sl 51.5
         4. Gn 8.21
         5. Ef 5.8
3.   Presos à vontade de Satanás
         1. 2 Tm 2.25-26
4.   Irresistivelmente atraídos por Satanás
         1. Jo 3.19
         2. Ef 2.2-3
5.   O homem depravado é infenso(inimigo) ao ensino espiritual
         1. 1 Co 2.14
19/11/2012



PROVAS BÍBLICAS - CALVINISMO
   Gen 6:5 - Viu o SENHOR que a maldade do homem se havia
    multiplicado na terra e que era continuamente mau todo desígnio
    do seu coração;
   Jó 14:4 - Quem da imundícia poderá tirar coisa pura? Ninguém!
   Jer 4:22 / 17:9 - Deveras, o meu povo está louco, já não me
    conhece; são filhos néscios e não inteligentes; são sábios para o
    mal e não sabem fazer o bem.
    Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e
    desesperadamente corrupto; quem o conhecerá?
   Rom 3:10, 11 e 12 10 como está escrito: Não há justo, nem um
    sequer, 11 não há quem entenda, não há quem busque a Deus; 12
    todos se extraviaram, à uma se fizeram inúteis; não há quem faça
    o bem, não há nem um sequer.
   I Cor 2:14 - 14 Ora, o homem natural não aceita as coisas do
    Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-
    las, porque elas se discernem espiritualmente.
   Tt 1:15 - 15 Todas as coisas são puras para os puros; todavia, para
    os impuros e descrentes, nada é puro. Porque tanto a mente como
    a consciência deles estão corrompidas.
19/11/2012



BIBLIOGRAFIA
1.   BERKHOF, Louis. Teologia Sistemática. Cultura Cristã.

2.   SPENCER, Duane Edward. TULIP: Os cinco pontos do Calvinismo à Luz das
     Escrituras. Parakletos.

3.   HODGE, Charles. Teologia Sistemática. Hagnos.

4.   Diversos Autores. Teologia Sistemática Pentecostal. CPAD

5.   PEET, John & BENTON, John. As Doutrinas da Graça. Cultura Cristã.

6.   FERREIRA, Franklin & MYATT, Alan. Teologia Sistemática. Vida Nova

7.   ERICKSON, Millard. Introdução à Teologia Sistemática. Vida Nova.

8.   HÄGGLUND, Bengt. História da Teologia. Concórdia.

9.   LANGSTON, A. B. Esboço de Teologia Sistemática. Juerp.

10. GEORGE,    Timothy. Teologia dos Reformadores. Vida Nova.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Paulo vida e_obra
Paulo vida e_obraPaulo vida e_obra
Paulo vida e_obra
ricardosantista
 
Lição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristãLição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristã
Joanilson França Garcia
 
Lição 4 - O Altar do Holocausto
Lição 4 - O Altar do HolocaustoLição 4 - O Altar do Holocausto
Lição 4 - O Altar do Holocausto
Hamilton Souza
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
Ednilson do Valle
 
Curso para novos membros
Curso para novos membrosCurso para novos membros
Curso para novos membros
Viva a Igreja
 
Eleição Incondicional
Eleição IncondicionalEleição Incondicional
Eleição Incondicional
Igreja Presbiteriana Emanuel
 
Lição 7 - Missões no Antigo Testamento
Lição 7 - Missões no Antigo TestamentoLição 7 - Missões no Antigo Testamento
Lição 7 - Missões no Antigo Testamento
Erberson Pinheiro
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
Moisés Sampaio
 
O caráter de Deus
O caráter de DeusO caráter de Deus
O caráter de Deus
Quenia Damata
 
Lição 4 - O perfil dos enviados de Cristo
Lição 4 - O perfil dos enviados de CristoLição 4 - O perfil dos enviados de Cristo
Lição 4 - O perfil dos enviados de Cristo
Éder Tomé
 
Tipos de sermões
Tipos de sermõesTipos de sermões
Tipos de sermões
Arykelson Nascimento
 
Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Palestra escatologia bíblica
Palestra escatologia bíblicaPalestra escatologia bíblica
Palestra escatologia bíblica
ADMILTON SOARES
 
A arte de pregar
A arte de pregarA arte de pregar
A arte de pregar
Arykelson Nascimento
 
Disciplina de Homilética I
Disciplina de Homilética IDisciplina de Homilética I
Disciplina de Homilética I
faculdadeteologica
 
Disciplina de Escatologia
Disciplina de EscatologiaDisciplina de Escatologia
Disciplina de Escatologia
faculdadeteologica
 
Lição 9 - A necessidade de termos uma vida santa
Lição 9 - A necessidade de termos uma vida santa Lição 9 - A necessidade de termos uma vida santa
Lição 9 - A necessidade de termos uma vida santa
Erberson Pinheiro
 
Aula 02-homilética-v1
Aula 02-homilética-v1Aula 02-homilética-v1
Aula 02-homilética-v1
Anderson Favaro
 
4 elementos para o sucesso no evangelismo
4 elementos para o sucesso no evangelismo4 elementos para o sucesso no evangelismo
4 elementos para o sucesso no evangelismo
prfavinho
 
Discipulado para Novos Crentes
Discipulado para Novos Crentes  Discipulado para Novos Crentes
Discipulado para Novos Crentes
Eduardo Sales de lima
 

Mais procurados (20)

Paulo vida e_obra
Paulo vida e_obraPaulo vida e_obra
Paulo vida e_obra
 
Lição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristãLição 6 – frutos da maturidade cristã
Lição 6 – frutos da maturidade cristã
 
Lição 4 - O Altar do Holocausto
Lição 4 - O Altar do HolocaustoLição 4 - O Altar do Holocausto
Lição 4 - O Altar do Holocausto
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
 
Curso para novos membros
Curso para novos membrosCurso para novos membros
Curso para novos membros
 
Eleição Incondicional
Eleição IncondicionalEleição Incondicional
Eleição Incondicional
 
Lição 7 - Missões no Antigo Testamento
Lição 7 - Missões no Antigo TestamentoLição 7 - Missões no Antigo Testamento
Lição 7 - Missões no Antigo Testamento
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
 
O caráter de Deus
O caráter de DeusO caráter de Deus
O caráter de Deus
 
Lição 4 - O perfil dos enviados de Cristo
Lição 4 - O perfil dos enviados de CristoLição 4 - O perfil dos enviados de Cristo
Lição 4 - O perfil dos enviados de Cristo
 
Tipos de sermões
Tipos de sermõesTipos de sermões
Tipos de sermões
 
Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
 
Palestra escatologia bíblica
Palestra escatologia bíblicaPalestra escatologia bíblica
Palestra escatologia bíblica
 
A arte de pregar
A arte de pregarA arte de pregar
A arte de pregar
 
Disciplina de Homilética I
Disciplina de Homilética IDisciplina de Homilética I
Disciplina de Homilética I
 
Disciplina de Escatologia
Disciplina de EscatologiaDisciplina de Escatologia
Disciplina de Escatologia
 
Lição 9 - A necessidade de termos uma vida santa
Lição 9 - A necessidade de termos uma vida santa Lição 9 - A necessidade de termos uma vida santa
Lição 9 - A necessidade de termos uma vida santa
 
Aula 02-homilética-v1
Aula 02-homilética-v1Aula 02-homilética-v1
Aula 02-homilética-v1
 
4 elementos para o sucesso no evangelismo
4 elementos para o sucesso no evangelismo4 elementos para o sucesso no evangelismo
4 elementos para o sucesso no evangelismo
 
Discipulado para Novos Crentes
Discipulado para Novos Crentes  Discipulado para Novos Crentes
Discipulado para Novos Crentes
 

Destaque

O que é livre arbitrio?
O que é livre arbitrio?O que é livre arbitrio?
O que é livre arbitrio?
Robson Santana
 
A depravação total do homem e a sua necessidade de um salvador, por paul davi...
A depravação total do homem e a sua necessidade de um salvador, por paul davi...A depravação total do homem e a sua necessidade de um salvador, por paul davi...
A depravação total do homem e a sua necessidade de um salvador, por paul davi...
Deusdete Soares
 
Arminianismo x calvinismo
Arminianismo x calvinismoArminianismo x calvinismo
Arminianismo x calvinismo
Daladier Lima
 
A verdade bíblica e a ciência humana
A verdade bíblica e a ciência humanaA verdade bíblica e a ciência humana
A verdade bíblica e a ciência humana
ANTONIO LOURO
 
A bíblia e a predestinação j.gresham machen
A bíblia e a predestinação j.gresham machenA bíblia e a predestinação j.gresham machen
A bíblia e a predestinação j.gresham machen
Deusdete Soares
 
Relacionamentos x deus
Relacionamentos x deusRelacionamentos x deus
Relacionamentos x deus
tabernaculoamorevida
 
Raio X do pecado Romanos 3:1-20
Raio X do pecado Romanos 3:1-20Raio X do pecado Romanos 3:1-20
Raio X do pecado Romanos 3:1-20
Fran Eduardo Oliveira
 
Glúten de Deus
Glúten de DeusGlúten de Deus
Glúten de Deus
José Silva
 
Vida sem gluten- Receitas fáceis- ACELBRA-RJ
Vida sem gluten- Receitas fáceis- ACELBRA-RJVida sem gluten- Receitas fáceis- ACELBRA-RJ
Vida sem gluten- Receitas fáceis- ACELBRA-RJ
Rossita Figueira
 
Manual disciplina
Manual disciplinaManual disciplina
Manual disciplina
Mauricio Carneiro
 
Do meu velho_bau_metodista
Do meu velho_bau_metodistaDo meu velho_bau_metodista
Do meu velho_bau_metodista
Paulo Dias Nogueira
 
O despertamento religioso de joão wesley
O despertamento religioso de joão wesleyO despertamento religioso de joão wesley
O despertamento religioso de joão wesley
Paulo Dias Nogueira
 
Pps 5 presbiterato e ministério pastoral na igreja metodista
Pps 5   presbiterato e ministério pastoral na igreja metodistaPps 5   presbiterato e ministério pastoral na igreja metodista
Pps 5 presbiterato e ministério pastoral na igreja metodista
Paulo Dias Nogueira
 
Momento da história calvino
Momento da história   calvinoMomento da história   calvino
Momento da história calvino
uriank
 
A estratégia de satanás warren w. wiersb
A estratégia de satanás   warren w. wiersbA estratégia de satanás   warren w. wiersb
A estratégia de satanás warren w. wiersb
Cris Marini
 
Soteriologia: Depravação Total
Soteriologia: Depravação TotalSoteriologia: Depravação Total
Soteriologia: Depravação Total
Dilean Melo
 
Calvinismo - Prof. Altair Aguilar
Calvinismo - Prof. Altair AguilarCalvinismo - Prof. Altair Aguilar
Calvinismo - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
Santidade x pecado
Santidade x pecadoSantidade x pecado
Santidade x pecado
Edmilson Fernandes
 
Cinco pontos do calvinismo
Cinco pontos do calvinismoCinco pontos do calvinismo
Cinco pontos do calvinismo
Luiz Guilherme Guimarães Coelho
 
Sexualidade e afetividade 1
Sexualidade e afetividade 1Sexualidade e afetividade 1
Sexualidade e afetividade 1
Patrícia Alvarenga Sá
 

Destaque (20)

O que é livre arbitrio?
O que é livre arbitrio?O que é livre arbitrio?
O que é livre arbitrio?
 
A depravação total do homem e a sua necessidade de um salvador, por paul davi...
A depravação total do homem e a sua necessidade de um salvador, por paul davi...A depravação total do homem e a sua necessidade de um salvador, por paul davi...
A depravação total do homem e a sua necessidade de um salvador, por paul davi...
 
Arminianismo x calvinismo
Arminianismo x calvinismoArminianismo x calvinismo
Arminianismo x calvinismo
 
A verdade bíblica e a ciência humana
A verdade bíblica e a ciência humanaA verdade bíblica e a ciência humana
A verdade bíblica e a ciência humana
 
A bíblia e a predestinação j.gresham machen
A bíblia e a predestinação j.gresham machenA bíblia e a predestinação j.gresham machen
A bíblia e a predestinação j.gresham machen
 
Relacionamentos x deus
Relacionamentos x deusRelacionamentos x deus
Relacionamentos x deus
 
Raio X do pecado Romanos 3:1-20
Raio X do pecado Romanos 3:1-20Raio X do pecado Romanos 3:1-20
Raio X do pecado Romanos 3:1-20
 
Glúten de Deus
Glúten de DeusGlúten de Deus
Glúten de Deus
 
Vida sem gluten- Receitas fáceis- ACELBRA-RJ
Vida sem gluten- Receitas fáceis- ACELBRA-RJVida sem gluten- Receitas fáceis- ACELBRA-RJ
Vida sem gluten- Receitas fáceis- ACELBRA-RJ
 
Manual disciplina
Manual disciplinaManual disciplina
Manual disciplina
 
Do meu velho_bau_metodista
Do meu velho_bau_metodistaDo meu velho_bau_metodista
Do meu velho_bau_metodista
 
O despertamento religioso de joão wesley
O despertamento religioso de joão wesleyO despertamento religioso de joão wesley
O despertamento religioso de joão wesley
 
Pps 5 presbiterato e ministério pastoral na igreja metodista
Pps 5   presbiterato e ministério pastoral na igreja metodistaPps 5   presbiterato e ministério pastoral na igreja metodista
Pps 5 presbiterato e ministério pastoral na igreja metodista
 
Momento da história calvino
Momento da história   calvinoMomento da história   calvino
Momento da história calvino
 
A estratégia de satanás warren w. wiersb
A estratégia de satanás   warren w. wiersbA estratégia de satanás   warren w. wiersb
A estratégia de satanás warren w. wiersb
 
Soteriologia: Depravação Total
Soteriologia: Depravação TotalSoteriologia: Depravação Total
Soteriologia: Depravação Total
 
Calvinismo - Prof. Altair Aguilar
Calvinismo - Prof. Altair AguilarCalvinismo - Prof. Altair Aguilar
Calvinismo - Prof. Altair Aguilar
 
Santidade x pecado
Santidade x pecadoSantidade x pecado
Santidade x pecado
 
Cinco pontos do calvinismo
Cinco pontos do calvinismoCinco pontos do calvinismo
Cinco pontos do calvinismo
 
Sexualidade e afetividade 1
Sexualidade e afetividade 1Sexualidade e afetividade 1
Sexualidade e afetividade 1
 

Semelhante a Depravação Total

5 os cinco pontos do calvinismo
5   os cinco pontos do calvinismo5   os cinco pontos do calvinismo
5 os cinco pontos do calvinismo
Pedro Barros Filho
 
Lição 08 - Salvação e Livre-Arbítrio
Lição 08 - Salvação e Livre-ArbítrioLição 08 - Salvação e Livre-Arbítrio
Lição 08 - Salvação e Livre-Arbítrio
Éder Tomé
 
Institutogamaliel.com só é possível crer depois de chamado e habilitado por deus
Institutogamaliel.com só é possível crer depois de chamado e habilitado por deusInstitutogamaliel.com só é possível crer depois de chamado e habilitado por deus
Institutogamaliel.com só é possível crer depois de chamado e habilitado por deus
Instituto Teológico Gamaliel
 
Institutogamaliel.com só é possível crer depois de chamado e habilitado por d...
Institutogamaliel.com só é possível crer depois de chamado e habilitado por d...Institutogamaliel.com só é possível crer depois de chamado e habilitado por d...
Institutogamaliel.com só é possível crer depois de chamado e habilitado por d...
Instituto Teológico Gamaliel
 
Semana didatica livre arbitrio vs predestinação
Semana didatica livre arbitrio vs predestinaçãoSemana didatica livre arbitrio vs predestinação
Semana didatica livre arbitrio vs predestinação
Tomás Camba
 
O que a Bíblia diz sobre as crianças que morrem
O que a Bíblia diz sobre as crianças que morremO que a Bíblia diz sobre as crianças que morrem
O que a Bíblia diz sobre as crianças que morrem
Juraci Rocha
 
02 os 5_pontos
02 os 5_pontos02 os 5_pontos
02 os 5_pontos
Luiza Dayana
 
O que dizem os arminianos
O que dizem os arminianosO que dizem os arminianos
O que dizem os arminianos
Lindeilson Do BráZ
 
Implicações dos cinco pontos do calvinismo no aconselhamento cristão
Implicações dos cinco pontos do calvinismo no aconselhamento cristãoImplicações dos cinco pontos do calvinismo no aconselhamento cristão
Implicações dos cinco pontos do calvinismo no aconselhamento cristão
LÊNIO GRAVAÇÕES
 
12 o cristianismo na reforma e na contra-reforma - 12ª aula
12   o cristianismo na reforma e na contra-reforma - 12ª aula12   o cristianismo na reforma e na contra-reforma - 12ª aula
12 o cristianismo na reforma e na contra-reforma - 12ª aula
PIB Penha
 
Visão panorâmica da história dos reformadores
Visão panorâmica da história dos reformadoresVisão panorâmica da história dos reformadores
Visão panorâmica da história dos reformadores
Instituto Teológico Gamaliel
 
A identidade de um cristão reformado.pdf
A identidade de um cristão reformado.pdfA identidade de um cristão reformado.pdf
A identidade de um cristão reformado.pdf
FabricioFerreira95
 
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
Evangelismo   conteúdo, método e motivação.Evangelismo   conteúdo, método e motivação.
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
Rodrigo Ribeiro
 
Questões
QuestõesQuestões
Questões
ricardo ruiz
 
Lba lição 5 a maravilhosa graça
Lba lição 5  a maravilhosa graçaLba lição 5  a maravilhosa graça
Lba lição 5 a maravilhosa graça
Natalino das Neves Neves
 
INTRODUÇÃO a harmatiologia.pptx nnnm nnnmn mnnnmn mmnm mnnnmn ffff errr r r ...
INTRODUÇÃO a harmatiologia.pptx nnnm nnnmn mnnnmn mmnm mnnnmn ffff errr r r  ...INTRODUÇÃO a harmatiologia.pptx nnnm nnnmn mnnnmn mmnm mnnnmn ffff errr r r  ...
INTRODUÇÃO a harmatiologia.pptx nnnm nnnmn mnnnmn mmnm mnnnmn ffff errr r r ...
ConservoConstrues
 
05 arminianismo eh-equilibrio (1)
05 arminianismo eh-equilibrio (1)05 arminianismo eh-equilibrio (1)
05 arminianismo eh-equilibrio (1)
Luiza Dayana
 
05 arminianismo eh-equilibrio
05 arminianismo eh-equilibrio05 arminianismo eh-equilibrio
05 arminianismo eh-equilibrio
Luiza Dayana
 
As fundações do_cristianismo[1]
As fundações do_cristianismo[1]As fundações do_cristianismo[1]
As fundações do_cristianismo[1]
ayrtonslides
 
Cinco Pontos do Calvinismo 01
Cinco Pontos do Calvinismo 01Cinco Pontos do Calvinismo 01
Cinco Pontos do Calvinismo 01
Roberto Branquinho
 

Semelhante a Depravação Total (20)

5 os cinco pontos do calvinismo
5   os cinco pontos do calvinismo5   os cinco pontos do calvinismo
5 os cinco pontos do calvinismo
 
Lição 08 - Salvação e Livre-Arbítrio
Lição 08 - Salvação e Livre-ArbítrioLição 08 - Salvação e Livre-Arbítrio
Lição 08 - Salvação e Livre-Arbítrio
 
Institutogamaliel.com só é possível crer depois de chamado e habilitado por deus
Institutogamaliel.com só é possível crer depois de chamado e habilitado por deusInstitutogamaliel.com só é possível crer depois de chamado e habilitado por deus
Institutogamaliel.com só é possível crer depois de chamado e habilitado por deus
 
Institutogamaliel.com só é possível crer depois de chamado e habilitado por d...
Institutogamaliel.com só é possível crer depois de chamado e habilitado por d...Institutogamaliel.com só é possível crer depois de chamado e habilitado por d...
Institutogamaliel.com só é possível crer depois de chamado e habilitado por d...
 
Semana didatica livre arbitrio vs predestinação
Semana didatica livre arbitrio vs predestinaçãoSemana didatica livre arbitrio vs predestinação
Semana didatica livre arbitrio vs predestinação
 
O que a Bíblia diz sobre as crianças que morrem
O que a Bíblia diz sobre as crianças que morremO que a Bíblia diz sobre as crianças que morrem
O que a Bíblia diz sobre as crianças que morrem
 
02 os 5_pontos
02 os 5_pontos02 os 5_pontos
02 os 5_pontos
 
O que dizem os arminianos
O que dizem os arminianosO que dizem os arminianos
O que dizem os arminianos
 
Implicações dos cinco pontos do calvinismo no aconselhamento cristão
Implicações dos cinco pontos do calvinismo no aconselhamento cristãoImplicações dos cinco pontos do calvinismo no aconselhamento cristão
Implicações dos cinco pontos do calvinismo no aconselhamento cristão
 
12 o cristianismo na reforma e na contra-reforma - 12ª aula
12   o cristianismo na reforma e na contra-reforma - 12ª aula12   o cristianismo na reforma e na contra-reforma - 12ª aula
12 o cristianismo na reforma e na contra-reforma - 12ª aula
 
Visão panorâmica da história dos reformadores
Visão panorâmica da história dos reformadoresVisão panorâmica da história dos reformadores
Visão panorâmica da história dos reformadores
 
A identidade de um cristão reformado.pdf
A identidade de um cristão reformado.pdfA identidade de um cristão reformado.pdf
A identidade de um cristão reformado.pdf
 
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
Evangelismo   conteúdo, método e motivação.Evangelismo   conteúdo, método e motivação.
Evangelismo conteúdo, método e motivação.
 
Questões
QuestõesQuestões
Questões
 
Lba lição 5 a maravilhosa graça
Lba lição 5  a maravilhosa graçaLba lição 5  a maravilhosa graça
Lba lição 5 a maravilhosa graça
 
INTRODUÇÃO a harmatiologia.pptx nnnm nnnmn mnnnmn mmnm mnnnmn ffff errr r r ...
INTRODUÇÃO a harmatiologia.pptx nnnm nnnmn mnnnmn mmnm mnnnmn ffff errr r r  ...INTRODUÇÃO a harmatiologia.pptx nnnm nnnmn mnnnmn mmnm mnnnmn ffff errr r r  ...
INTRODUÇÃO a harmatiologia.pptx nnnm nnnmn mnnnmn mmnm mnnnmn ffff errr r r ...
 
05 arminianismo eh-equilibrio (1)
05 arminianismo eh-equilibrio (1)05 arminianismo eh-equilibrio (1)
05 arminianismo eh-equilibrio (1)
 
05 arminianismo eh-equilibrio
05 arminianismo eh-equilibrio05 arminianismo eh-equilibrio
05 arminianismo eh-equilibrio
 
As fundações do_cristianismo[1]
As fundações do_cristianismo[1]As fundações do_cristianismo[1]
As fundações do_cristianismo[1]
 
Cinco Pontos do Calvinismo 01
Cinco Pontos do Calvinismo 01Cinco Pontos do Calvinismo 01
Cinco Pontos do Calvinismo 01
 

Mais de Igreja Presbiteriana Emanuel

Lição 03 1º mandamento
Lição 03   1º mandamentoLição 03   1º mandamento
Lição 03 1º mandamento
Igreja Presbiteriana Emanuel
 
Lição 02 a verdade absoluta e a vida organizada
Lição 02   a verdade absoluta e a vida organizadaLição 02   a verdade absoluta e a vida organizada
Lição 02 a verdade absoluta e a vida organizada
Igreja Presbiteriana Emanuel
 
Confissão de fé de westminster: Fé Salvadora
Confissão de fé de westminster: Fé SalvadoraConfissão de fé de westminster: Fé Salvadora
Confissão de fé de westminster: Fé Salvadora
Igreja Presbiteriana Emanuel
 
Confissão de fé de westminster: Adoção
Confissão de fé de westminster: AdoçãoConfissão de fé de westminster: Adoção
Confissão de fé de westminster: Adoção
Igreja Presbiteriana Emanuel
 
Confissão de fé de westminster: Santificação
Confissão de fé de westminster: SantificaçãoConfissão de fé de westminster: Santificação
Confissão de fé de westminster: Santificação
Igreja Presbiteriana Emanuel
 
Confissão de fé de westminster: do arrependimento para a vida
Confissão de fé de westminster: do arrependimento para a vidaConfissão de fé de westminster: do arrependimento para a vida
Confissão de fé de westminster: do arrependimento para a vida
Igreja Presbiteriana Emanuel
 
Lição 01 Deus é pessoal e libertador
Lição 01   Deus é pessoal e libertadorLição 01   Deus é pessoal e libertador
Lição 01 Deus é pessoal e libertador
Igreja Presbiteriana Emanuel
 
Retiro de Verão de 2014
Retiro de Verão de 2014Retiro de Verão de 2014
Retiro de Verão de 2014
Igreja Presbiteriana Emanuel
 

Mais de Igreja Presbiteriana Emanuel (8)

Lição 03 1º mandamento
Lição 03   1º mandamentoLição 03   1º mandamento
Lição 03 1º mandamento
 
Lição 02 a verdade absoluta e a vida organizada
Lição 02   a verdade absoluta e a vida organizadaLição 02   a verdade absoluta e a vida organizada
Lição 02 a verdade absoluta e a vida organizada
 
Confissão de fé de westminster: Fé Salvadora
Confissão de fé de westminster: Fé SalvadoraConfissão de fé de westminster: Fé Salvadora
Confissão de fé de westminster: Fé Salvadora
 
Confissão de fé de westminster: Adoção
Confissão de fé de westminster: AdoçãoConfissão de fé de westminster: Adoção
Confissão de fé de westminster: Adoção
 
Confissão de fé de westminster: Santificação
Confissão de fé de westminster: SantificaçãoConfissão de fé de westminster: Santificação
Confissão de fé de westminster: Santificação
 
Confissão de fé de westminster: do arrependimento para a vida
Confissão de fé de westminster: do arrependimento para a vidaConfissão de fé de westminster: do arrependimento para a vida
Confissão de fé de westminster: do arrependimento para a vida
 
Lição 01 Deus é pessoal e libertador
Lição 01   Deus é pessoal e libertadorLição 01   Deus é pessoal e libertador
Lição 01 Deus é pessoal e libertador
 
Retiro de Verão de 2014
Retiro de Verão de 2014Retiro de Verão de 2014
Retiro de Verão de 2014
 

Último

controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
PIB Penha
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
PIB Penha
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
PIB Penha
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
valneirocha
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
PIB Penha
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 

Último (20)

controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 

Depravação Total

  • 1. www.facebook.com/presbiterianaeman uel www.twitter.com/ipemanuel ESTUDOS gplus.to/ipemanuel DOUTRINÁRIOS Depravação Total Eleição Incondicional Expiação Limitada Graça Irresistível Perseverança dos Santos
  • 2. 19/11/2012 AGENDA  Introdução histórica  Biografias: João Calvino e Jacobus Arminius  O que é Teologia?  Depravação Total x Livre Vontade  Eleição Incondicional x Eleição condicional  Expiação Limitada x Eleição Ilimitada  Graça Irresistível x Graça Resistível  Perseverança dos Santos x Queda da Graça
  • 4. 19/11/2012 VAMOS PENSAR UM POUCO? O que acontece quando um cristão reformado reflete nas implicações filosóficas, científicas e práticas da sua fé?  Uma revolução do pensamento teórico com drásticas conseqüências práticas! Nada pode ser mais salutar à igreja do que ser confrontada com os resultados da fé bíblica conforme expostos pela filosofia reformada.  Minha expectativa é que isto se torne também a convicção dos leitores ao completarem estes estudos sobre os cinco fundamentos da fé reformada.
  • 5. 19/11/2012 AGENDA  Introdução histórica  Biografias: João Calvino e Jacobus Arminius  O que é Teologia?  Depravação Total x Livre Vontade  Eleição Incondicional x Eleição condicional  Expiação Limitada x Eleição Ilimitada  Graça Irresistível x Graça Resistível  Perseverança dos Santos x Queda da Graça
  • 6. 19/11/2012 INTRODUÇÃO HISTÓRICA O sínodo de Dort foi um sínodo nacional que teve lugar em Dordrecht, na Holanda em 1618/19, pela Igreja Reformada Holandesa, com o objetivo de regular uma séria controvérsia nas Igrejas Holandesas iniciada pela ascensão do Arminianismo. A primeira reunião do sínodo foi tida a 13 de Novembro de 1618 e a última, a 154ª foi a 9 de Maio de 1619. Foram também convidados representantes com direito de voto vindos de 8 países estrangeiros. O nome "Dort" era um nome usado na altura em inglês para a cidade holandesa de Dordrecht. O sínodo é por vezes chamado de Sínodo de Dordt, ou Sínodo de Dordrecht.
  • 7. 19/11/2012 INTRODUÇÃO HISTÓRICA  O sínodo decidiu pela rejeição das ideias arminianas, estabelecendo a doutrina reformada em cinco pontos: depravação total, eleição incondicional, expiação limitada, vocação eficaz (ou graça irresistível) e perseverança dos santos. Estas doutrinas, descritas no documento final chamado Cânones de Dort, são também conhecidas como os Cinco pontos do calvinismo.
  • 8. 19/11/2012 AGENDA  Introdução histórica  Biografias: João Calvino e Jacobus Arminius  O que é Teologia?  Depravação Total x Livre Vontade  Eleição Incondicional x Eleição condicional  Expiação Limitada x Eleição Ilimitada  Graça Irresistível x Graça Resistível  Perseverança dos Santos x Queda da Graça
  • 9. 19/11/2012 JOÃO CALVINO  Calvino nasceu em 10 de julho de 1509 em Noyon, França, 26 anos após o nascimento de Lutero. Ao passo que esse nasceu em uma parte da igreja onde se enfatizava a piedade e a religião, Calvino nasceu em uma parte daquela que tinha em grande conta educação e cultura.  Pouco se sabe de sua mãe; seu pai era secretário apostólico do bispo de Noyon, mas caiu em dificuldades financeiras, tornou-se um constrangimento à igreja e foi excomungado.
  • 10. 19/11/2012 JACOBUS ARMINIUS  Jacobus Arminius é o nome latinizado de Jakob Hermanszoon. Armínio foi um teólogo neerlandês(países baixos) da época da reforma protestante. Trabalhou em 1603 como professor de teologia na Universidade de Leiden, e escreveu muitos livros e tratados sobre teologia; sua visão tornou-se a base do arminianismo e do movimento neerlandês Remonstrante.  John Wesley, fundador do movimento metodista, abraçou a teologia arminiana e se tornou o seu maior defensor.
  • 11. 19/11/2012 AGENDA  Introdução histórica  Biografias: João Calvino e Jacobus Arminius  O que é Teologia?  Depravação Total x Livre Vontade  Eleição Incondicional x Eleição condicional  Expiação Limitada x Eleição Ilimitada  Graça Irresistível x Graça Resistível  Perseverança dos Santos x Queda da Graça
  • 12. 19/11/2012 O QUE É TEOLOGIA?  A doutrina cristã é apenas a declaração das crenças mais fundamentais do cristão: crenças sobre a natureza de Deus; sobre sua ação; sobre nós, que somos suas criaturas.  A Teologia Sistemática não examina livro por livro da Bíblia, mas agrupa sob um mesmo tópico um todo coerente sobre o que está escrito na Palavra de Deus.  Ex.: O Pecado do Homem
  • 13. 19/11/2012 O QUE É TEOLOGIA?  Crenças doutrinárias corretas são essenciais no relacionamento entre o cristão e Deus.  “De fato, sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam.” Hb11.6  A compreensão correta da doutrina é importante porque hoje há muitos sistemas de pensamento religioso e seculares que disputam nossa devoção.
  • 14. 19/11/2012 AGENDA  Introdução histórica  Biografias: João Calvino e Jacobus Arminius  O que é Teologia?  Depravação Total x Livre Vontade  Eleição Incondicional x Eleição condicional  Expiação Limitada x Eleição Ilimitada  Graça Irresistível x Graça Resistível  Perseverança dos Santos x Queda da Graça
  • 15. 19/11/2012 DEPRAVAÇÃO VONTADE LIVRE TOTAL  O calvinismo responde que  O primeiro ponto do o homem não regenerado é absolutamente escravo arminianismo sustenta que de Satanás, e, por isso, é o homem é dotado de totalmente incapaz de exercer sua própria vontade livre. vontade livremente (para  Arminius acreditava que a salvar-se), dependendo, portanto, da obra de Deus, queda do homem não foi que deve vivificar o total, e sustentou que, no homem, antes que este possa crer em Cristo. homem, restou bem suficientemente capaz de habilitá-lo a querer aceitar Cristo como Salvador.
  • 16. 19/11/2012 DEPRAVAÇÃO VONTADE LIVRE TOTAL  Todas as pessoas agora são  Negam que o homem pecadoras não por tenha perdido sua imitação mas por natureza. capacidade para o bem. Não cometemos pecado por acidente nem mesmo  Armínio afirmava que a por alguma escolha liberdade humana uma vez imparcial. Cometemos dada na criação do pecados porque nossa própria natureza foi passado, nunca seria corrompida pelo pecado. removida ou tomada.  A própria natureza da  Os homens são pessoa é maculada em responsáveis somente por razão do afastamento da seus próprios atos lei. Agora existe uma inclinação para o mal, uma voluntários e pelas propensão para o pecado. consequências de tais atos.
  • 17. 19/11/2012 REMONSTRÂNCIA  Artigo 1  Que Deus, por um eterno e imutável plano em Jesus Cristo, seu Filho, antes que fossem postos os fundamentos do mundo, determinou salvar, de entre a raça humana que tinha caído no pecado – em Cristo, por causa de Cristo e através de Cristo – aqueles que, pela graça do Santo Espírito, crerem neste seu Filho e que, pela mesma graça, perseverarem na mesma fé e obediência de fé até o fim; e, por outro lado, deixar sob o pecado e a ira os contumazes e descrentes, condenando- os como alheios a Cristo, segundo a palavra do Evangelho de Jo 3.36 e outras passagens da Escritura.  “36 Por isso, quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus. (Joh 3:36 ARA)”
  • 18. 19/11/2012 LIBERDADE DO HOMEM –BATISTAS  Quando criou o homem, deu-lhe Deus o livre arbítrio, e este legado continua a fazer parte da natureza humana. Até depois da queda continuou o homem a ser criatura de vontade livre. O próprio pecado é prova evidente desta asserção, porque ele o faz voluntariamente.  Entendemos que a liberdade do homem é sua mesma decisão, é a própria pessoa que decide e resolve sobre todos os seus atos. O homem é soberano e livre.  Contradição: A melhor palavra para definir o homem em seus estado natural é: MORTO. O morto vive no erro. O homem está morto e espiritualmente impossibilitado, portanto, de tomar a iniciativa da salvação. Esboço de Teologia Sistemática Batista
  • 19. 19/11/2012 LIBERDADE DO HOMEM –PENTECOSTAIS O homem não pode efetuar a sua salvação, nem ao menos ajudar nisso. A salvação é pela graça de Deus, e não por nosso esforço próprio, conquanto os salvos sejam chamados para a prática das boas obras.  No ser humano, o pecado, sediado na alma, domina a sua vontade e tem como instrumento orgânico o corpo humano. Cada indivíduo é pecador por natureza.  Contradição: O homem é capaz de fazer a livre-escolha. A graça de Deus não é irresistível, como muitos ensinam. Teologia Sistemática Pentecostal
  • 20. 19/11/2012 A RESPOSTA DE DORT A divina eleição e reprovação – 1º Cap. da Doutrina  Artigo 1 - Toda a humanidade é condenável perante Deus  Todos os homens pecaram em Adão, estão debaixo da maldição de Deus e são condenados à morte eterna. Por isso ninguém teria sido injustiçado se ele tivesse resolvido deixar toda a raça humana no pecado e sob a maldição e decidido condená-la por causa do seu pecado, de acordo com as palavras do apóstolo: ... para que se cale toda boca, e todo o mundo seja culpável perante Deus... pois todos pecaram e carecem da glória de Deus..., e ... o salário do pecado é a morte ... (Rm 3.19,23; 6.23).
  • 21. 19/11/2012 A RESPOSTA DE DORT  A corrupção do homem, a sua conversão a deus e como ela ocorre – 3º e 4º Cap. Da Doutrina  Artigo 1 - O resultado do queda  No princípio o homem foi criado à imagem de Deus. Foi adornado em seu entendimento com o verdadeiro e salutar conhecimento de Deus e de todas as coisas espirituais. Sua vontade e seu coração eram retos, todos os seus afetos, puros; portanto, era o homem completamente santo. Mas, desviando-se de Deus sob instigação do diabo e pela sua livre vontade, ele se privou desses dons excelentes. Em lugar disso trouxe sobre si cegueira, trevas terríveis, leviano e perverso juízo em seu entendimento; malícia, rebeldia e dureza em sua vontade e em seu coração; e ainda impureza em todos os seu afetos.
  • 22. 19/11/2012 CALVINO – INSTITUTAS 1.15  Quando Adão caiu de seu estado original, não há a mínima dúvida de que, por esta defecção, ele veio a alienar-se de Deus. Portanto, embora concordemos que a ima- gem de Deus não foi nele aniquilada e apagada de todo, todavia foi corrompida a tal ponto que, qualquer coisa que lhe reste, não passa de horrenda deformidade.
  • 23. 19/11/2012 CALVINO – INSTITUTAS 2.8  O pecado original representa, portanto, a depravação e corrupção hereditárias de nossa natureza, difundidas por todas as partes da alma, que, em primeiro lugar, nos fazem condenáveis à ira de Deus; em segundo lugar, também produzem em nós aquelas obras que a Escritura chama de “obras da carne” [Gl 5.19]. E é propriamente isto o que por Paulo, com bastante frequência, designa apenas de pecado. As obras que de fato daí resultam, quais são: adultérios, fornicações, furtos, ódios, homicídios, glutonarias, Paulo chama, segundo esta maneira de ver, “frutos do pecado” [Gl. 5.19-21], ainda que, como a cada passo nas Escrituras, sejam também por ele referidas simplesmente pelo termo “pecados”.
  • 24. 19/11/2012 CONFISSÃO BELGA  Cremos que Deus criou o homem do pó da terra1, e o fez e formou conforme sua imagem e semelhança: bom, justo e santo2, capaz de concordar, em tudo, com a vontade de Deus. Mas, quando o homem estava naquela posição excelente, ele não a valorizou e não a reconheceu. Dando ouvidos às palavras do diabo, submeteu-se por livre vontade ao pecado e assim à morte e à maldição3. Pois transgrediu o mandamento da vida, que tinha recebido e, pelo pecado, separou-se de Deus, que era sua verdadeira vida. Assim ele corrompeu toda a sua natureza e mereceu a morte corporal e espiritual4.
  • 25. 19/11/2012 DEPRAVAÇÃO TOTAL  Um Conceito: o que a depravação total não é!  Muitas vezes esta frase é mal compreendida, e, portanto, requer cuidadosa discriminação. Negativamente, não implica: (1) que todo homem é tão completamente depravado como poderia chegar a ser; (2) que o pecador não tem nenhum conhecimento inato de Deus, nem tampouco tem uma consciência que discerne entre o bem e o mal; (3) que o homem pecador raramente admira o caráter e os atos virtuosos dos outros, ou que é incapaz de afetos e atos desinteressados em suas relações com os seus semelhantes; nem (4) que todos os homens não regenerados, em virtude da sua pecaminosidade inerente, se entregarão a todas as formas de pecado: muitas vezes acontece que uma forma de pecado exclui outra.
  • 26. 19/11/2012 DEPRAVAÇÃO TOTAL  Um Conceito: o que a depravação total significa!  Positivamente, a expressão “depravação total” indica: (1) que a corrupção inerente abrange todas as partes da natureza do homem, todas as faculdades e poderes da alma e do corpo; e (2) que absolutamente não há no pecador bem espiritual algum, isto é, bem com relação a Deus, mas somente perversão. Esta depravação total é negada pelos pelagianos, pelo socinianos e pelos arminianos 239 do século dezessete, mas é ensinada claramente na Escritura, Jô 5.42; Rm 7.18, 23; 8.7; Ef 4.18; 2 Tm 3.2-4; Tt 1.15; Hb 3.12.  “18 obscurecidos de entendimento, alheios à vida de Deus por causa da ignorância em que vivem, pela dureza do seu coração, (Ef 4:18 ARA)”
  • 27. 19/11/2012 DEPRAVAÇÃO TOTAL  A depravação total ou Incapacidade Total é o conceito que afirma que o homem não tem condições de livrar-se por si mesmo, da escravidão do pecado, pois o espírito humano está morto desde o nascimento.  A depravação total significa que o homem, em seu estado natural, é incapaz de fazer qualquer coisa ou desejar qualquer coisa que agrade a Deus.  “O julgamento é este: que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz; porque as suas obras eram más. (Jo 3:19 ARA)”  A depravação total significa que o homem, por sua “livre vontade”, nunca se decidirá por Cristo.  “Contudo, não quereis vir a mim para terdes vida. (Jo 5:40 ARA)”  O homem não é salvo por algum ato fictício de sua própria “livre vontade”.
  • 29. 19/11/2012 PROVAS BÍBLICAS - CALVINISMO 1. A Depravação Total atinge a toda a humanidade 1. Rm 5.12 2. Jr 17.9 3. Rm 3.11-12 4. Pv 20.9 2. Nascidos espiritualmente mortos 1. Sl 58.3 2. Jo 3.3 3. Sl 51.5 4. Gn 8.21 5. Ef 5.8 3. Presos à vontade de Satanás 1. 2 Tm 2.25-26 4. Irresistivelmente atraídos por Satanás 1. Jo 3.19 2. Ef 2.2-3 5. O homem depravado é infenso(inimigo) ao ensino espiritual 1. 1 Co 2.14
  • 30. 19/11/2012 PROVAS BÍBLICAS - CALVINISMO  Gen 6:5 - Viu o SENHOR que a maldade do homem se havia multiplicado na terra e que era continuamente mau todo desígnio do seu coração;  Jó 14:4 - Quem da imundícia poderá tirar coisa pura? Ninguém!  Jer 4:22 / 17:9 - Deveras, o meu povo está louco, já não me conhece; são filhos néscios e não inteligentes; são sábios para o mal e não sabem fazer o bem.  Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá?  Rom 3:10, 11 e 12 10 como está escrito: Não há justo, nem um sequer, 11 não há quem entenda, não há quem busque a Deus; 12 todos se extraviaram, à uma se fizeram inúteis; não há quem faça o bem, não há nem um sequer.  I Cor 2:14 - 14 Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê- las, porque elas se discernem espiritualmente.  Tt 1:15 - 15 Todas as coisas são puras para os puros; todavia, para os impuros e descrentes, nada é puro. Porque tanto a mente como a consciência deles estão corrompidas.
  • 31. 19/11/2012 BIBLIOGRAFIA 1. BERKHOF, Louis. Teologia Sistemática. Cultura Cristã. 2. SPENCER, Duane Edward. TULIP: Os cinco pontos do Calvinismo à Luz das Escrituras. Parakletos. 3. HODGE, Charles. Teologia Sistemática. Hagnos. 4. Diversos Autores. Teologia Sistemática Pentecostal. CPAD 5. PEET, John & BENTON, John. As Doutrinas da Graça. Cultura Cristã. 6. FERREIRA, Franklin & MYATT, Alan. Teologia Sistemática. Vida Nova 7. ERICKSON, Millard. Introdução à Teologia Sistemática. Vida Nova. 8. HÄGGLUND, Bengt. História da Teologia. Concórdia. 9. LANGSTON, A. B. Esboço de Teologia Sistemática. Juerp. 10. GEORGE, Timothy. Teologia dos Reformadores. Vida Nova.