Instrumentação de canais com protaper manual

22.917 visualizações

Publicada em

0 comentários
22 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
22.917
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
42
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
291
Comentários
0
Gostaram
22
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Comprimento = 19mm com 16mm de parte ativa ou de trabalho É denominado de instrumento modelador auxiliar e deve trabalhar nos terços cervical e médio do canal , para melhorar o acesso radicular. Possui 9 conicidades crescentes (%) entre D0 e D9 (3,5 ; 4,5 ; 5,5 ; 6,5 ; 8 ; 11; 14 ;17 e 19 , respectivamente) Possui diâmetros em D6, D7, D8 e D9
  • S1 (Shaping 1) D0 = 0,17mm D16 = 1,2mm Conicidade crescente 0,02  0,11mm/mm Comprimento 21-25 mm Parte de trabalho 16 mmS1 (Shaping 1) D0 = 0,17mm D16 = 1,2mm Conicidade crescente 0,02  0,11mm/mm Comprimento 21-25 mm Parte de trabalho 16 mm C.-- 0.04 0,045 0,05 0,055 0,06 0,06 0,06 0,06 .06 0,07 0,09 0,10 0,11 0,11 0,11 --
  • GEL
  • Instrumentação de canais com protaper manual

    1. 1. Todas as limas disponíveis em 21mm, 25mme 31mmLâmina ativa se mantem a mesma em todosos comprimentos Fonte : Cd da Dentisply 2007
    2. 2. D0=0,18mm
    3. 3. Protaper Universal Shaping Files S1 e S2 D0 = 0.18mm D = 1.2mm 16 S1 D0 2% 11% D14 D16 Conicidade (%) S1-Conicidade crescente do D0 ao D11 S1- Conicidade constante do D14 ao D16 S2- Conicidade crescente do D0 ao D12 S2-Conicidade decrescente do D12 ao D16 LOPES,Hélio e SIQUEIRA Jr.. Endodontia: biologia e técnica.GuanabaraKoogan :RJ 3ed 2010 D0 = 0,20mm D16= 1,2mm S2D04% 8%D12 5%D16
    4. 4. [4] [3,4][3,4]
    5. 5. Nunca force demasiadamente osinstrumentos protaper para alcançar oComprimento de Trabalho ou Patência.Lembre–se que a anatomia do canalradicular é mandatória na instrumentaçãode canais radiculares ! Inês Jacyntho Inojosa
    6. 6. Trabalhe sempre com a canal umedecidopelo hipoclorito e não esqueça derecapitular com a patência entre uminstrumento e outro .
    7. 7. A cinemática das limas manuais doProTaper e limas manuais tipo K, é derotação alternada e contínua, comavanço em direção apical .Inês Jacyntho Inojosa
    8. 8. A técnica de instrumentação consiste de 4 etapas:1-Pré-Alargamento Cervical2-Preparo Apical Inicial3-Preparo do Corpo do Canal4- Preparo Apical Final. Prof. Dra.Inês Jacyntho Inojosa (2004)
    9. 9. Pré-Alargamento Cervical :  exploração, e pré-alargamento do canal até uma lima K 20 no CAD-4mm,complementado pelo uso das GG 3 , 2 ,1 ou Protaper SXde forma passiva APENAS NO TERÇO CERVICAL; realização da odontometria.Objetivo: facilitar a exploração e negociação do terçoapical, removendo as interferências cervicais.
    10. 10. Pré-Alargamento Cervical :  exploração, e pré-alargamento do canal até uma lima K 20 no CAD-4mm,complementado pelo uso das GG 3 , 2 ,1 ou Protaper SXde for,a passiva APENAS NO TERÇO CERVICAL; realização da odontometria.Objetivo: facilitar a exploração e negociação do terçoapical, removendo as interferências cervicais.
    11. 11. Preparo do Corpo do CanalUtiliza-se opcionalmente brocas Gates-Glidden nºs 3, 2 e 1, sendoempregado em seguida os instrumentos ProTaper S1e S2.A lima S1 é empregada para avançar em direção ao forame, tendo porobjetivo desgastar as áreas do canal não tocadas pelos instrumentosanteriores.A lima S2 é utilizada no forame ou no CT, objetivando desgastarpequenas áreas não tocadas pelos instrumentos anteriores, facilitandoassim o uso da lima F1.
    12. 12. Preparo apical final (PROTAPER F1)Objetivo: confeccionar o batente apical,sendo utilizado limas K de NiTi e ProTaperF1, F2 e F3.Atenção !: se a S2 chegou no forame, o iníciodesta etapa é realizada com a ProTaper F1até o forame ou CT.
    13. 13. Preparo apical final (PROTAPER F2)Com o objetivo de preparar o canal para receber maisfacilmente a ProTaper F2 , usamos lima manuais tipo Kde número 25 e 30 em NiTi no CT. No entanto, oemprego de limas manuais tipo K será útil apenas emcanais mais difíceis anatomicamente!A lima F2 , por sua vez, avança em direção apical atéonde a anatomia do canal radicular permitir, não atingindoobrigatoriamente o forame ou CT.
    14. 14. Uso da Lima Manual NiTIi 25 no CTLima 25 de NiTi no forame ou CT Irrigação Patência
    15. 15. Preparo apical final (PROTAPER F3)A fim de preparar o canal para receber o ProTaper F3 ,emprega-se limas manuais tipo K de números 35 e 40em NiTi no CT. No entanto, o emprego de limasmanuais tipo K será útil apenas em canais onde aanatomia apical permite o alargamento até uma 40.Da mesma forma que o instrumento F2, o F3 avançaem direção apical sem preocupação em atingir o CT.
    16. 16. Na endodontia a anatomia é mandatória na escolha dos instrumentos etécnicas de instrumentação .Logo, a instrumentação com protapermanual comentada nesta apresentação, poderá sofrer modificações emfunção do caso ou ser substituída por outras , dentre as diversasexistentes.Cabe ao profissional experiente e atualizado , conhecer os instrumentos e suas propriedades mecânicas ,para saber quando e como mudar oprotocolo do preparo químico-mecânico do canal objetivando alcançara excelência no tratamento! Inês Jacyntho Inojosa 2008
    17. 17. “ A escolha dos instrumentos varia em função da anatomiado canal e das propriedades mecânicas que os mesmosoferecem para instrumentá-lo sem causar alterações quedesviem , percam ou que obstruam o trajeto original docanal radicular, mas não em função da rapidez detrabalho!”. Inês Jacyntho 26/05/07
    18. 18. “Conhecer e estudar a ação mecânica dos principaisinstrumentos endodônticos é dever do profissional , casocontrário, a máquina ou o tecnicismo irão transformá-lo em ummero fazedor de canais”. Inês Jacyntho 26/05/07
    19. 19. Campos dos Goytacazes -RJ

    ×