O que é hipertexto

4.799 visualizações

Publicada em

Apresenta o surgimento do conceito de Hipertexto sob a ótica de vários pesquisadores, incluindo cientistas brasileiros.

Aula utilizada no Curso Tecnologias na Educação: ensinando e aprendendo com as TIC.
Local: NTE 05 - Itabuna-Ba.
Turma C;
Professora Multiplicadora: Iara Santos

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.799
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.189
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
40
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O que é hipertexto

  1. 1. IARA SANTOS [email_address]
  2. 2. <ul><li>Objetivo: </li></ul><ul><li>Esclarecer certos pontos da história do hipertexto – ideias da hipertextualidade. </li></ul>O QUE É UM HIPERTEXTO?
  3. 3. <ul><li>Revolução na Comunicação(1971) </li></ul><ul><li>Dorothy Lee </li></ul><ul><li>“ O texto impresso é estruturado sobre uma linha, reta e contínua, de certa forma, uma linha obrigatória para o leitor...” – defende o conceito de hipertexto como uma forma não-linear de leitura. </li></ul><ul><li>(Artigo: Codificações lineares e não-lineares da realidade) </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Robert Graves: (1971) </li></ul><ul><li>“ ... A linha não é determinante do modo de pensar (e ler). </li></ul><ul><li>Rebate a ideia da (1) linha como fundamental num hipertexto. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Vannevar Bush: “Pai” da ideia do Hipertexto </li></ul><ul><li>Responsável pelas atribuições das características do hipertexto, ainda não com esse nome: </li></ul><ul><li>“ ... Faz ligações entre informações por meio de nós, ‘encruzilhadas’ virtuais e informacionais; </li></ul><ul><li>Theodore Nelson: </li></ul><ul><li>Responsável por batizar o sistema descrito por Bush: Hipertexto – sistema em que as informações se ligam por meio de links navegáveis – mapa com percursos variados e com pontos acessáveis. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Pierry Lévy: Filósofo e maior entusiasta do hipertexto. </li></ul><ul><li>“ ... O leitor trabalha com arquiteturas hipertextuais...”; </li></ul><ul><li>“ ...tecnologia intelectual: modo de trabalho da mente de quem escreve e lê... Atividade mental...”; </li></ul><ul><li>“ ...modo de exteriorizar o que se passa na mente enquanto opera com textos...”; </li></ul><ul><li>“ O autor descreve o Hipertexto como um modelo de funcionamento da mente em rede, também e principalmente fora das telas”. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Roger Chartier: </li></ul><ul><li>“ Para ele, enciclopédias e outras organizações textuais já eram hipertextuais, embora com outra natureza...”; </li></ul><ul><li>“ O leitor interage com outros objetos de leitura, sejam eles tábuas de cera ou computadores...”; </li></ul><ul><li>“ ...o leitor-navegador digital corre o grande risco de perder-se totalmente em arquipélagos textuais...” </li></ul>
  8. 8. <ul><li>George Landow, Michael Joyce, David Bolter e Stuart Moulthrop: </li></ul><ul><li>Defendem que leitores de material impresso são mais passivos do que leitores de material digital, estes mais “agressivos” na lida com textos. </li></ul><ul><li>“ ...o hipertexto envolve maior interligação entre textos...”. Reflexão: </li></ul><ul><li>“ ...terá sido alguma vez passivo este cidadão que, em 50 anos, não cessou de assistir, filtrar e hierarquizar um número crescente de mensagens?” </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Blocos de textos – nos livros, fica limitado ao espaço do papel que o leitor tem em mãos; </li></ul><ul><li>Ligados por links – possibilidade de movimentação; </li></ul><ul><li>Meio digital – acessa e aciona a intertextualidade ao infinito, pela navegação no grande banco de dados. </li></ul>IARA SANTOS [email_address]
  10. 10. <ul><li>“ Para muitos, é um texto obrigatoriamente (2) não-linear ”; </li></ul><ul><li>“ Além de não-linear,precisa estar dentro do computador, na tela, em ambiente digital”; </li></ul><ul><li>Para outros, nem tanto, (3) basta ser não-linear”. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Outras evidências: </li></ul><ul><li>Cada vertente de pesquisadores parece pleitear a invenção do aparato hipertextual, seja ele um sumário ou um link; </li></ul><ul><li>Do ponto de vista da pesquisa, há a insistência em mostrar que toda leitura é hipertextual; </li></ul>
  12. 12. <ul><li>a) usual : hipertextos são do meio digital; </li></ul><ul><li>b) O que se aborda :leitura, processamento mental do texto. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>E pode um hipertexto não ser digital? </li></ul>
  14. 14. <ul><li>Como o leitor realiza operações de leitura e escrita em tela, como nova atividade, considerando os trajetos que experimentava em velhos meios de ler e escrever? </li></ul>
  15. 15. <ul><li>SALGADO, Maria Umbelina. AMARAL, Ana Lúcia.Tecnologias na Educação: ensinando e aprendendo com as TIC. Guia do Cursista. Brasília- 2008.Págs.: 84 a 96. </li></ul><ul><li>Imagens: Ambiente EPROINFO. Conteúdo do Módulo. </li></ul><ul><li>IARA SANTOS [email_address] </li></ul>
  16. 16. <ul><li>(1)Linha(line, em inglês) é o latim de linea – fio esticado de linho pendente – direção lateral; </li></ul><ul><li>(2) Não-Linear-por fazer links, ligações a outros textos ao clicar; </li></ul><ul><li>(3) Mesmo estando disposto num papel, pode tratar-se de um hipertexto. </li></ul><ul><li>(4) Modelo Pensamento:Simulação do que se passa na mente humana ao escrever ou ler. </li></ul><ul><li>( 5)“... Sumários e notas de rodapé levam o leitor à navegação e realizarem links, já que acionam as páginas, mesmo estando ele num papel. </li></ul>

×