Universidade do Oeste do Paraná- UNIOESTE 
Campus de Marechal Cândido Rondon 
Centro de Ciência Humanas, Educação e Letras...
LITERATURA BRASILEIRA NO SÉCULO 
XXI: A HIPERFICÇÃO
Literatura brasileira no século XXI: a hiperficção 
 A época fértil para o surgimento e avanço da 
hiperficção foi a part...
 Nesses tipos de criações, são possíveis diversas 
formas de continuação, não existindo regras 
específicas para a linear...
 Neitzel aponta que tais textos, devem ser lidos 
apenas on line, pois, “ao serem impressos 
perdem as estruturas textuai...
 Michael Joyce foi coordenador do Centro de Narrativa e 
Tecnologia do Jackson Community College e um dos 
primeiros a es...
Tristessa está 
estruturada em 
três atos 
lineares, 
denominados 
Corpo, 
Fragmento e 
Todo 
e 5 planos 
aleatórios, 
cha...
 Tristessa não é um jogo onde você brinca de mudar a 
história e descobre múltiplos e infinitos finais. A história 
é uma...
EXEMPLOS DE HIPERFICÇÃO - TRISTESSA 
“Um pouco antes das seis chego no 
Internet Café de Natasha. O ambiente é 
high tech,...
 Para Ted Nelson (1992), o termo hipertexto é definido 
como “...escritas associadas não-sequenciais, conexões 
possíveis...
 “Segundo Landow (1992), a hiperficção o hipertexto 
desconstrói a rigidez das sequências fixas, rompe com o 
princípio d...
 O hipertexto, como já foi explicado anteriormente, 
não possui uma linearidade. Sobre este conceito, 
Santos afirma que:...
Resumidamente, a hiperficção pode ser definida como: "A 
página se converte na tela, a tela substitui a página. 
Poderíamo...
REFERÊNCIAS 
DIGLITMEDIA . Literatura e Média na Era Digital. Novas fórmulas digitais: do 
hipertexto à hiperficção. Dispo...
 NEITZEL, Adair de Aguiar. nossa história literária virtual: um 
balanço. Disponível em:< html://www.cce.ufsc.br/~neitzel...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Hiperficção - Unioeste 2014 - Jaíne S. Batschke e Mônica G. Fagundes

306 visualizações

Publicada em

Trabalho realizado a fim de se obter um levantamento sobre conceitos relacionados à Literatura brasileira no século XXI: a Hiperficção

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Hiperficção - Unioeste 2014 - Jaíne S. Batschke e Mônica G. Fagundes

  1. 1. Universidade do Oeste do Paraná- UNIOESTE Campus de Marechal Cândido Rondon Centro de Ciência Humanas, Educação e Letras – CCHEL Docente: Paulo Konzen Discentes: Jaíne Suélen Batschke Mônica Graziele Fagundes LITERATURA BRASILEIRA II
  2. 2. LITERATURA BRASILEIRA NO SÉCULO XXI: A HIPERFICÇÃO
  3. 3. Literatura brasileira no século XXI: a hiperficção  A época fértil para o surgimento e avanço da hiperficção foi a partir da década de 90, devido a difusão em massa do computador e da internet, bem como das ciências da informação;  Hiperficção, ficção em hipertexto, ficção interativa, são alguns nomes desta nova literatura produzida e disponibilizada nos meios digitais, como a World WideWeb, disquetes e CD-Roms.  O texto classificado como hiperficcional perde suas dimensões e ordem espacial, não possuindo uma lógica e compasso sequencial.
  4. 4.  Nesses tipos de criações, são possíveis diversas formas de continuação, não existindo regras específicas para a linearidade ou até mesmo para o fim do texto;  A hiperficção veiculada pela Web tem um texto com várias opções de continuação, através de links à escolha do leitor, que assim cria sua própria história. A ficção em hipertexto assemelha-se a um jogo, cuja estrutura é um labirinto a ser decifrado. Não é à toa que muitas hiperficções têm o símbolo do labirinto como ilustração ou mesmo como parte de sua estrutura de navegação;
  5. 5.  Neitzel aponta que tais textos, devem ser lidos apenas on line, pois, “ao serem impressos perdem as estruturas textuais que a eles estão conectadas e a leitura deixa de ser materialmente multi-linear”.  Para esta leitura, são necessárias “agilidade” e “desenvoltura”.
  6. 6.  Michael Joyce foi coordenador do Centro de Narrativa e Tecnologia do Jackson Community College e um dos primeiros a escrever uma hiperficção, cuja foi intitulada "afternoon, a story” e publicada no ano 1992 em disquetes de computador.  Segundo Joyce, é o leitor que participa ativamente neste “jogo” que é o hipertexto. Este “jogo” começa no momento em que o hipertexto é disponibilizado na Web, fazendo da sua leitura a continuação para o jogo. Na verdade, o jogo não tem quaisquer regras, cabendo ao leitor iniciar e terminar o texto onde quiser.  No Brasil, ainda são poucos os sites de hiperficção, ao contrário dos exemplos em inglês. A primeira hiperficção em português na Web, segundo seus autores, é “TRISTESSA”, cuja está disponibilizada pelo grupo QUATTRO desde 1996.
  7. 7. Tristessa está estruturada em três atos lineares, denominados Corpo, Fragmento e Todo e 5 planos aleatórios, chamados de: Vida Ensaio Vultos Insight. Matéria  Dentre desses atos e planos o leitor pode interagir com a história na sequência em que bem entender.
  8. 8.  Tristessa não é um jogo onde você brinca de mudar a história e descobre múltiplos e infinitos finais. A história é uma só, os diferentes caminhos é que o levarão por diferentes estradas e durante a viagem as paisagens montarão diferentes estórias na cabeça do leitor.  A Dama de Espadas – é outro exemplo de hiperficção em português. O autor, Marcos Palácios, juntou uma série de sites da Web relacionados com sua trama, sempre com a opção de voltar ao mapa de links, através do ícone do labirinto;
  9. 9. EXEMPLOS DE HIPERFICÇÃO - TRISTESSA “Um pouco antes das seis chego no Internet Café de Natasha. O ambiente é high tech, decorado em tons escuros. Cores azul metálicas se misturam com escalas de cinza, tudo mais ou menos nos tons e design usados nos browsers da moda. Natasha vive exageradamente a tecnologia, está sempre acelerada, com a última marcha engatada. As duas estão sentadas diante de uma estação, tomando os famosos cocktails da casa, navegando e discutindo. Peço um drink também e me sento junto a elas. O assunto parece ser excesso de informação”... “Enquanto espero por Roberta no Great Balls me ocorre a frase de um livro cujo nome não me vem à lembrança: "Sofre-se muito para matar um gato, soubesse-o antes e não teria começado. Os olhos foram os primeiros a ficar em chamas". Só que em meu caso está tudo em chamas: o corpo, a alma, o tempo, não apenas os olhos. As imagens passam com violência pela minha cabeça, como as imagens que vemos através da janela de um trem em alta velocidade. Lá fora a floresta está toda em chamas, e o calor aqui dentro é insuportável” ...
  10. 10.  Para Ted Nelson (1992), o termo hipertexto é definido como “...escritas associadas não-sequenciais, conexões possíveis de se seguir, oportunidades de leituras em diferentes direções”. Assim, o texto hipertextual caracteriza-se por ser um documento digitalizado, apresentar diversidade de “planos” – também conhecidos como “blocos” – que contêm informações que se interseccionam por meio de “elos” ou “links” associativos, que dialogam coordenadamente, a fim de compor novas estruturas narrativas conforme a intencionalidade do leitor ou proposta estética do autor;
  11. 11.  “Segundo Landow (1992), a hiperficção o hipertexto desconstrói a rigidez das sequências fixas, rompe com o princípio da linearidade em que há uma pré-definição do começo e fim, e propõe uma estrutura esponjosa em que estes não existem, mas aponta uma estrutura processual e móvel, de acordo com as escolhas do leitor. Assim, não há uma história ditada, definida, mas em devir”.
  12. 12.  O hipertexto, como já foi explicado anteriormente, não possui uma linearidade. Sobre este conceito, Santos afirma que: “No livro impresso, as mãos humanas movimentam as páginas linearmente, seguindo uma lógica narrativa, ordenando episódios numericamente por capítulos e sequenciados pela paginação. O computador modifica nossa relação com o texto.”
  13. 13. Resumidamente, a hiperficção pode ser definida como: "A página se converte na tela, a tela substitui a página. Poderíamos chamar a este movimento de substituição de ‘história’. Os textos eletrônicos se apresentam a si mesmos em meio de sua dissolução: se lêem onde se escrevem, e se escrevem enquanto se lêem" (Joyce, 1998, p. 280).
  14. 14. REFERÊNCIAS DIGLITMEDIA . Literatura e Média na Era Digital. Novas fórmulas digitais: do hipertexto à hiperficção. Disponível em: <http://diglitmedia.blogspot.com.br/2007/05/novas-frmulas-digitais-do-hipertexto. html>. Acesso em: 05 de outubro de 2014 DigLitMedia . Literatura e Média na Era Digital. Hiperficção. Disponível em: < http://diglitmedia.blogspot.com.br/2007/05/hiperfico.html>. Acesso em: 12 de outubro de 2014 LONGHI, Raquel Ritter . Hiperficção. Disponível em: <http://www.pucsp.br/~cimid/4lit/longhi/hiperfic.htm>. Acesso em: 20 de outubro de 2014 GRUPO Quattro Digital Media. Tristessa. Disponível em: http://www.quattro.com.br/tristessa/nave_main.htm. Acesso em: 29 de outubro de 2014
  15. 15.  NEITZEL, Adair de Aguiar. nossa história literária virtual: um balanço. Disponível em:< html://www.cce.ufsc.br/~neitzel/ literatura/ensaios.htm>. Acesso em: 10 de novembro de 2014  SANTOS, Marcelo Silva Araújo. HIPERFICÇÃO: Novas propostas para a leitura literária do novo milênio. Revista Hipertextus. Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) p. 01 – 10. nº4. Janeiro de 2010. Disponível em: <http://www.hipertextus.net/volume4/marcelo-silva-araujo-santos.pdf>. Acesso em: 11 de novembro de 2014.  GATTO, Sonia Melchiori Galvão. Literatura brasileira e as novas tecnologias: leitura e produção. Disponível em: < http://alb.com.br/arquivo-morto/ edicoes_anteriores/anais14/cohilile/h113.doc.>. Acesso em: 07 de novembro de 2014

×