Os grandes biomas terrestres e aquáticos

584 visualizações

Publicada em

Aula sobre os grandes biomas terrestres e aquáticos

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
584
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • A Eurásia é a extensão de terra que forma em conjunto a Europa e a Ásia.
  • O deserto de Atacama está localizado na região norte do Chile até a fronteira com o Peru. Com cerca de 1000 km de extensão, é considerado o deserto mais alto e mais árido do mundo, pois chove muito pouco na região, em consequência de as correntes marítimas doOceano Pacífico não conseguirem passar para o deserto, por causa de sua altitude.
  • A caatinga é o único bioma exclusivamente brasileiro. Engloba os estados Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Piauí, Sergipe e o norte de Minas Gerais.
  • Talassociclo: subdivisão da biosfera que inclui os ecossistemas marinhos.
  • Os grandes biomas terrestres e aquáticos

    1. 1. Ciências do Ambiente CCE 0757 (2 créditos) Fábio Oliveira 2015/2
    2. 2. Unidade 5 – Os Grandes Biomas Terrestres e Aquáticos
    3. 3. Tópicos Abordados • Florestas • Campos e campinas • Desertos e tundras • Ambientes de água doce • Ambientes marinhos • Ambientes de transição
    4. 4. Os Grandes Biomas Terrestres e Aquáticos Nas unidades anteriores foi introduzida uma abordagem relacionada ao estudo das populações, das comunidades e do funcionamento dos ecossistemas. Igualmente importante é o estudo das formas, do clima e das comunidades biológicas que vivem sobre a Terra, formando a ecosfera.
    5. 5. Os Grandes Biomas Terrestres e Aquáticos No ambiente terrestre as plantas compõem um importante componente da paisagem. Assim, os tipos de ecossistemas podem ser identificados e classificados como regiões bióticas ou biomas, com base na vegetação madura.
    6. 6. Os Grandes Biomas Terrestres e Aquáticos Já no ambiente aquático, como os rios, lagos e oceanos, os tipos de ecossistemas são mais facilmente identificados pelas características físicas.
    7. 7. Os Grandes Biomas Terrestres e Aquáticos
    8. 8. Os Grandes Biomas Terrestres e Aquáticos
    9. 9. Os Grandes Biomas Terrestres e Aquáticos
    10. 10. Os Grandes Biomas Terrestres e Aquáticos
    11. 11. Os Grandes Biomas Terrestres e Aquáticos Dois fatores são fundamentais para determinar as áreas de ocorrência dos biomas: a pluviosidade (chuvas) e a temperatura. Altas temperaturas somadas com elevado índice pluviométrico contribuem para que um ecossistema terrestre tenha maior biodiversidade, e este conjunto é particularmente encontrado próximo à região do Equador, entre os trópicos, nas regiões chamadas de tropicais.
    12. 12. Os Grandes Biomas Terrestres e Aquáticos Relembrando... Bioma: conjunto de diferentes ecossistemas caracterizado por um tipo de vegetação predominante e clima particular, como florestas tropicais, por exemplo. Ecossistema: consiste da interação entre a parte viva (comunidades de organismos) e da parte não viva (água, ar e solo) em um dado local. Habitat: conceito usado em ecologia que inclui o espaço físico e os fatores abióticos que condicionam um ecossistema e por essa via determinam a distribuição das populações de determinada comunidade.
    13. 13. Os Grandes Biomas Terrestres e Aquáticos
    14. 14. Florestas A taiga ou floresta de coníferas correspondem a um bioma com vegetação de árvores perenifólias (árvores com folhas que não caem) e folhas aciculadas (folhas com formato de espinho, como nos pinheiros). As temperaturas nos biomas de taiga são baixas (próxima a 0 °C), apresentando-se amenas no verão (5 °C) e mais rigorosas no inverno (abaixo de -10 °C).
    15. 15. Florestas As árvores apresentam formato de cone, por isso coníferas, o que é uma adaptação à neve, uma vez que este formato evita o acúmulo de gelo na sua copa.
    16. 16. Florestas As florestas decíduas temperadas estão localizadas em áreas com precipitação abundante e uniformemente distribuída. Uma vez que as árvores e arbustos perdem as suas folhas durante parte do ano (decíduas), o contraste entre inverno e verão é grande. A temperatura média anual é de 10 °C. No inverno podem chegar a 0 °C.
    17. 17. Florestas A floresta tropical úmida ocorre em regiões de clima tropical com temperatura média de 30 °C e precipitação que pode chegar a 4000 mm ao ano. Corresponde ao bioma mais produtivo do ambiente terrestre. A variação entre o inverno e verão é menor do que a variação entre a noite e o dia. A floresta é altamente estratificada e com grande número de espécies.
    18. 18. Florestas A Floresta Amazônica brasileira é uma típica floresta pluvial de planície, com chuvas bem distribuídas ao longo do ano. É um ecossistema fechado, relativamente, que se mantém vivendo dos próprios resíduos gerados, uma vez que os nutrientes estão conservados nas próprias plantas. A Floresta Amazônica ocupa 6 milhões de km2 , mais da metade do território brasileiro.
    19. 19. Florestas Também no Brasil, existe um belo exemplo de floresta tropical sazonal: a Mata Atlântica. Ela ocorre em climas tropicais úmidos com uma estação pronunciadamente seca, durante a qual algumas ou todas as árvores perdem suas folhas. É dividida em floresta pluvial de montanha (800 à 1700 m de altitude) e floresta pluvial baixo-montanha (300 à 800 m). A Mata Atlântica é o ecossistema brasileiro que mais sofreu com o desmatamento causado pela expansão agrícola.
    20. 20. Florestas Ocorre ainda no Brasil a mata dos cocais, também chamado de babaçual, pela predominância da palmeira babaçu, resistente ao fogo e derivada da devastação da floresta tropical. Na região sul do Brasil ocorrem diversos tipos de comunidades florestais de pinheiros, também conhecidos por araucária.
    21. 21. Campos e Campinas Os campos temperados ou pradarias ocorrem onde a precipitação é intermediária entre os desertos e das florestas, estando entre 250 e 750 mm ao ano e temperaturas baixas. Predominam gramíneas com raízes que podem se estender até a 2 m de profundidade neste bioma. As maiores áreas de campo estão localizadas no interior do continente norte-americano, na Eurásia, na América do Sul (Pampas Gaúchos) e na Austrália.
    22. 22. Campos e Campinas Já os campos tropicais e as savanas ocorrem em regiões quentes, porém com um ou dois períodos de seca pronunciados. A precipitação anual pode variar de 1.000 a 1.500 mm. A vegetação é constituída de campos de gramíneas com árvores espalhadas, que devem ser resistentes às secas e incêndios. Os maiores campos tropicais ocorrem no centro do continente africano. Podem também ser encontrados na Austrália e na América do Sul. A diversidade de espécies nos campos é menor do que nas florestas tropicais adjacentes.
    23. 23. Campos e Campinas No Brasil, o bioma de campos tropicais é representado pelo Cerrado. A sua estrutura é caracterizada por dois estratos peculiares: um estrato arborescente, de pequenas árvores tortuosas e outro estrato baixo, formado de gramíneas, subarbustos e arbustos.
    24. 24. Desertos e Tundras Os desertos correspondem a regiões com baixa precipitação ou distribuída de forma irregular. Em geral, recebem menos de 250 mm de chuva anualmente. Os únicos lugares que recebem pouca ou nenhuma chuva são o centro do Saara e o norte do Chile.
    25. 25. Desertos e Tundras Há três formas vegetais adaptadas ao deserto: as plantas anuais (crescem apenas quando há umidade suficiente), as suculentas (cactos que armazenam água) e os arbustos de deserto (apresentam uma característica singular de eliminarem antibióticos que evitam o crescimento de outras plantas na sua proximidade para reduzir a competição).
    26. 26. Desertos e Tundras Plantas anuais Arbustos de deserto Suculentas
    27. 27. Desertos e Tundras É conveniente reconhecer que existem desertos quentes e frios. Os animais também apresentam adaptações de várias maneiras, tornando-se à prova d´água, através de pele impermeável, urina concentrada e permanecendo protegido do sol durante o dia. Nome Extensão (km²) Localização Tipo Saara 8.600.000 Norte da África Quente Gobi 1.300.000 Mongólia Frio Kalahari 930.000 Sudoeste da África Quente Patagônia 673.000 Sul da Argentina Frio Rub al-Khali 650.000 Península Arábica Quente
    28. 28. Desertos e Tundras A caatinga brasileira designa um mosaico de vegetação composto por xerófitas, decíduas com vegetais lenhosos, cactos e bromélias (espinhosos ou aculeados). Ocorrem onde as condições de umidade são intermediárias entre o deserto e a savana (ou campos tropicais). Caatinga significa mata branca, pelo aspecto claro e espinhoso dos troncos das árvores ao perderem as folhas.
    29. 29. Desertos e Tundras Ervas e capins só vegetam no curso da época chuvosa. O solo é argiloso, vermelho, por vezes arenoso, com afloramentos de rochas cristalinas. Em outras regiões é raso e compacto formando uma superfície de fácil erosão pela água. Há uma longa estação seca com chuvas torrenciais e irregulares, caracterizando-se pela alta evaporação.
    30. 30. Desertos e Tundras A tundra corresponde a um bioma localizado entre as florestas de coníferas e a calota de gelo polar no hemisfério norte. Ocupa uma extensa faixa de 2 milhões de hectares de terra. A vegetação é esparsa, composta por liquens e gramíneas sujeitas a baixas temperaturas e curtas épocas de crescimento.
    31. 31. Desertos e Tundras As baixas temperaturas e as curtas épocas de crescimento são os principais fatores limitantes à vida. O solo profundo permanentemente congelado é chamado de permafrost e pode alcançar centenas de metros em algumas regiões. Ao se derreter no verão, reduz-se de 0,5 à 2 m, tornando a superfície do solo pantanosa, uma vez que as águas não são absorvidas pelo solo congelado.
    32. 32. Ambientes de Água Doce Plâncton, nécton e bentos são os grupos de organismos que compõem os ecossistemas aquáticos. O plâncton compreende os seres encontrados na região superficial da água e são arrastados por ela. O plâncton é composto pelo fitoplâncton (algas microscópicas) e zooplâncton (organismos heterótrofos, herbívoros e carnívoros).
    33. 33. Ambientes de Água Doce O néustron e o pléuston são os organismos microscópicos e macroscópicos, respectivamente, que vivem na lâmina d ´água. O nécton é o grupo de organismos adaptados à natação, representados pelos crustáceos, peixes e por diversos moluscos. Os bentos são formados por seres rastejantes ou sésseis que habitam a região do fundo, como algumas espécies de moluscos, diversas classes de equinodermos e
    34. 34. Ambientes de Água Doce A água doce ou limnociclo é subdividida em água parada, ou lêntico (lagos e lagoas), água corrente, ou lótico (riachos e rios) e alagados, onde há flutuação do nível de água (pântanos e brejos). No ecossistema lêntico, a disponibilidade de nutrientes, ou a produção primária, depende da natureza química da bacia hidrográfica e de importações de riachos ou da terra.
    35. 35. Ambientes de Água Doce Zona eufótica compreende à região até onde a luz consegue penetrar. O limite entre esta região a zona afótica (sem luz) é chamada de ponto de compensação, onde a produção primária (fotossíntese) e a respiração são equivalentes. Eulitoral corresponde à região de interface solo-água e o sublitoral à região adjacente em direção à região profunda.
    36. 36. Ambientes de Água Doce
    37. 37. Ambientes de Água Doce No ecossistema de água corrente, ou lótico, os fatores que favorecem a produtividade primária são a menor velocidade da corrente das águas, o intercâmbio entre a terra e a água e a uniformidade de distribuição do oxigênio. Distinguem-se uma área de cabeceira, com corredeiras e com fundo firme, e área de remanso, com águas mais profundas, velocidade da corrente de água mais reduzida e com fundo mole.
    38. 38. Ambientes de Água Doce
    39. 39. Ambientes Marinhos O ambiente marinho compreende ao ambiente de água salgada ou também chamado de talassociclo. Corresponde às águas salgadas que formam os mares e os oceanos.
    40. 40. Ambientes Marinhos Pode ser dividida em regiões: – Zona litorânea (praias e costões rochosos). Está exposta aos efeitos causados pelas marés. – Zona nerítica (“mar raso”) e Zona pelágica ou alto mar. Representa a porção marinha mais importante em termos de produção de nutrientes e, consequentemente, em número e em diversidade de espécies. – Zona abissal (profunda). Não há penetração de luz, consequentemente, não há produtores. Todo alimento provém das camadas superiores.
    41. 41. Ambientes Marinhos Algumas características importantes do ecossistema marinho compreendem a sua dimensão, pois ocupa 70% da superfície terrestre e à existência de vida em todas profundidades. No entanto, a maior densidade de vida ocorre às margens dos continentes e das ilhas, e na plataforma continental, sendo os nutrientes o fator limitante da vida.
    42. 42. Ambientes Marinhos A temperatura, a salinidade e a profundidade são as principais barreiras ao movimento dos organismos marinhos no ambiente marinho. A circulação da água é constante, criando correntes superficiais movidas pelo vento e correntes profundas que ocorrem por causa de variações na temperatura e salinidade (que criam diferenças de densidade).
    43. 43. Ambientes de Transição O ambiente de transição (ou biomas de transição), como o nome diz, está em trânsito entre o ecossistema terrestre e o aquático, ou entre o ambiente de água doce e salgada, ou melhor, representa a passagem de um ecossistema para outro. O ambiente em transição pode conter características e organismos oriundos dos ecossistemas adjacentes. São exemplos de ambientes de transição os estuários, as dunas, os manguezais e as praias.
    44. 44. Ambientes de Transição Estuários referem-se a um corpo semifechado de água, como uma foz de rio ou baía costeira, em que a salinidade é intermediária entre água salgada e doce. A ação da maré é determinante para a produtividade destes ecossistemas.
    45. 45. Ambientes de Transição Os manguezais compreendem ambientes de transição entre o ambiente de água doce e marinho. A espécie vegetal característica é o mangue, a qual tolera a salinidade ao mar aberto. Os manguezais são áreas altamente produtivas, abrigando grande diversidade de espécies de animais e uma intensa cadeia decompositora, fornecendo nutrientes para os organismos.
    46. 46. Ambientes de Transição Os ecossistemas alagados são definidos como qualquer área coberta com água doce onde ocorre flutuação do nível de água. O fator que determina a produtividade e a composição de espécies é o hidroperíodo, ou seja, a periodicidade das flutuações do nível da água. As condições de flutuações na coluna de água agem aumentando a produtividade no ecossistema.
    47. 47. Ambientes de Transição O pantanal corresponde à área alagada mais representativa do Brasil. É uma planície atravessada pelo rio Paraguai onde há um mosaico de vegetação, variando de espécies submersas de comunidades aquáticas a plantas mesófitas e xerófitas, muito semelhante à da caatinga. Em lugares chamados cordilheira, onde não inunda, há matas e cerrados. Durante o período de chuvas, que se concentram entre outubro e março, aumenta o volume das águas do rio Paraguai cobrindo toda planície do pantanal.
    48. 48. Notícias Ambientais http://www.ecoagencia.com.br/?open=noticias&id=VZlSXRlVONVTVFjcXxmVaNGbKVVVB1TP
    49. 49. Exercícios 1 – Quais os fatores que favorecem a produtividade nos ecossistemas aquáticos lênticos e lóticos? 2 – Onde é encontrada a maior produtividade no ambiente marinho? 3 – Fale dos principais biomas terrestres. 4 – Como é dividido o ambiente marinho? 5 – Qual a importância do hidroperíodo para as áreas alagadas?

    ×