SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Baixar para ler offline
Biologia Marinha




                     CARACTERÍSTICAS GERAIS
                      DOS OCEANOS E MARES
Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha
    Quantidade de água nos diversos reservatórios da
    hidrosfera (Soares-Gomes & Figueiredo, 2002.

             Reservatório                        Contribuição (%)
             Oceanos                                                     97,96
             Calota e gelo polar                                           1,64
             Água subterrânea                                              0,36
             Rios e lagos                                                  0,04
             Atmosfera                                                   0,001

Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha

  O conjunto de água salgada da terra e que se
  comunicam entre si é denominado de “mar” ou
  “oceano”.

  A expressão “Oceano” é aplicada a grandes
  extensões de mar, parcialmente separadas das
  massas    continentais,   mas   com    plena
  comunicação entre si.



Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha
  O termo “mar” é aplicado a subdivisões dos oceanos
  que se encontram próximos ao continente, abrigadas
  por ilhas ou por extensões continentais e, por vezes,
  recebem a denominação de baías ou golfos.




Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha
    Os oceanos cobrem cerca de 362.000.000
    Km2, o que corresponde a cerca de 71% da
    superfície da Terra.

    Hemisfério Norte: os oceanos correspondem
    a cerca de 61% da superfície da terra;

    Hemisfério Sul: os oceanos correspondem a
    cerca de 81% da superfície da terra.


Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha
    Os oceanos são                                caracterizados                    por
     apresentarem:

    a)Superfície elevada (área de cobertura);

    b) Comunicação franca entre si;

    c)Margens formadas por massas continentais
      distantes entre si;

    d) Profundidade média elevada.
Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha
   Superfície dos oceanos incluindo seus respectivos
   mares tributários.

             Oceano                             Milhões de Km2
             Oceano Pacífico                                                180
             Oceano Atlântico                                               106
             Oceano Índico                                                    75
             Oceano ártico*                                                   14

  * Devido a algumas características, alguns autores não consideram oceano e sim mar

Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha
  Batimetria

  Os oceanos geralmente são muito profundos. A maior
  parte, cerca de 84% dos fundos oceânicos tem
  profundidade superior a 2.000 m.

  A    profundidade      média     dos  oceanos     é
  aproximadamente 3.730 m e a fossa de Mindanao
  11.524 m, localizada nas Ilhas Marianas no Pacífico
  oeste, é a região mais profunda.



Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha


  Os oceanos tem uma grande influência sobre os fenômenos
  atmosféricos e geológicos.

  Transferência de energia principalmente na interface –água-
  atmosfera;

  Lançamento de vapor d’água para atmosfera por evaporação;

  Produtos da erosão que recebe da terra como resultado da
  ação dos ventos e do batimento das ondas sobre as áreas
  costeiras.


Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha
   Os mares podem ser classificados em:

   Mares costeiros, marginais, abertos ou adjacentes se
   comunicam com os oceanos de maneira mais ou menos
   ampla, como exemplo temos o Mar da Mancha, Mar do Norte,
   Mar da Irlanda, Mar de Omã, Golfo do México, Mar das
   Antilhas, Mar do Sul da China, Mar do Japão.

   Mares Continentais ou mediterrâneos são massas de água
   salgada que penetram mais profundamente nos continentes e
   se comunicam com os oceanos através de passagens estreitas
   de profundidade menor que a do mar. Entre os mares
   classificados como continentais podemos citar o Golfo Pérsico,
   Mar mediterrâneo e o Mar Vermelho.
Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha


   Mares interiores são mares que se comunicam através de
   passagens estreitas e pouco profundas com outro mar e não
   com o oceano, entre os quais Mar Adriático, Mar Báltico e Mar
   Negro.

   Mares fechados ou isolados são lagos de salinidade mais ou
   menos elevada, totalmente isolado de outros mares ou de
   oceanos pela massa continental, como exemplos citamos Mar
   Cáspio, Mar de Aral.




Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha




                      Mar Glacial Ártico ou Oceano Ártico

Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha




                      Mar Glacial Ártico ou Oceano Ártico

Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha




               Mar Glacial Antártico ou Oceano Austral

Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha




Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha




                                Oceano Atlântico
Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha




                                                                 Oceano
                                                                 Atlântico


Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha




                                  Oceano Índico
Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha




      Oceano Índico
Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha




                                    Oceano Pacífico
Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha




   Oceano Pacífico
Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha




                   Geomorfologia dos oceanos




Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha

                                            SUBDIVISÃO DO AMBIENTE MARINHO


                           DOMÍNIO PELÁGICO                                      DOMÍNIO BENTÔNICO


              plano horizontal                 plano vertical     Sistema fital ou litoral   Sistema afital ou profundo


  Província nerítica   Província oceânica      Zona eufótica        Andar supralitoral              andar batial


                                               Zona disfótica      Andar médio-litoral             andar abissal


                                                Zona afótica        Andar infralitoral             Andar hadal


                                                                    Andar Circalitoral


    Figura. Subdivisão do ambiente marinho.




Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha

   Linha da costa ou litoral compreende a faixa continental, a
   linha de terra firme que margeia e limita a massa d’água
   oceânica.


  Plataforma Continental é uma faixa que margeia a linha da
  costa, com declividade suave e pouco pronunciada, que se
  estende da praia até uma profundidade de aproximadamente
  200 m.

  A profundidade média da plataforma continental é de 135 m, e a
  sua largura varia em função das feições topográficas de cada
  região.
Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha


  O Talude Continental inicia-se no limite inferior da
  plataforma continental, geralmente a uma profundidade
  média de aproximadamente 130 m, mas podendo variar
  entre 120 m e 350 m nas diferentes regiões em razão da
  topografia. O talude apresenta uma declividade brusca e
  superfície ígreme.


  Elevação Continental ou sopé do Talude é a base do
  talude, normalmente em torno de 2.400 m de profundidade,
  onde a declividade volta a suavizar e inicia-se o assoalho
  da bacia oceânica.
Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha


  A Planície abissal ou o Assoalho da Bacia Oceânica
  começa na base do talude e estende-se até uma
  profundidade média entre 4.000 m e 5.000 m. podendo ser
  entrecortada por vários acidentes geográficos tais como
  cordilheiras meso-oceânicas, cânions, vales, planícies.




Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha




   Classificação geral das principais regiões topográficas no Atlântico Norte. (In
   Skinner e Turekian, 1977)
Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha




                    Representação da cadeia meso-oceânica.

Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha




   Subdivisão topográfica do ambiente marinho, mostrando os diferentes andares do domínio bentônico e as
   seções do domínio pelágico. (Fonte: Dorit et al, 1991)
Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha




       Subdivisão do Domínio Pelágico no plano vertical, de
       acordo com a faixa batimétrica de penetração de luz.

Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha




                 Distribuição vertical da biota no domínio pelágico e bentônico

Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha




                      Ciclo da matéria e energia no Oceano Ártico

Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha




                                                   Zona econômica exclusiva - ZEE
Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha




Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha




Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha




Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
Biologia Marinha




Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

BioGeo11-consolidacao magmas
BioGeo11-consolidacao magmasBioGeo11-consolidacao magmas
BioGeo11-consolidacao magmasRita Rainho
 
Planaltos de alta altitude
Planaltos de alta altitudePlanaltos de alta altitude
Planaltos de alta altitudejessica Nogueira
 
Apresentação - O Conceito de Bioma Deve Ser Modificado - Economia da Natureza...
Apresentação - O Conceito de Bioma Deve Ser Modificado - Economia da Natureza...Apresentação - O Conceito de Bioma Deve Ser Modificado - Economia da Natureza...
Apresentação - O Conceito de Bioma Deve Ser Modificado - Economia da Natureza...Janaina Alves
 
Vulcões
VulcõesVulcões
VulcõesTCHOKAN
 
Pré Câmbrico E Paleozóico
Pré Câmbrico E PaleozóicoPré Câmbrico E Paleozóico
Pré Câmbrico E PaleozóicoCatir
 
Desenvolvimento do ciclo brasiliano
Desenvolvimento do ciclo brasilianoDesenvolvimento do ciclo brasiliano
Desenvolvimento do ciclo brasilianoguarim varao varao
 
7 ciclos de vida
7   ciclos de vida7   ciclos de vida
7 ciclos de vidamargaridabt
 
Aula 02 geologia geral - minerais e rochas
Aula 02   geologia geral - minerais e rochasAula 02   geologia geral - minerais e rochas
Aula 02 geologia geral - minerais e rochasOmar Salhuana
 
5 rochas magmáticas
5  rochas magmáticas5  rochas magmáticas
5 rochas magmáticasmargaridabt
 
Ppt rochas.
Ppt rochas.Ppt rochas.
Ppt rochas.ZigFraGz
 

Mais procurados (20)

Estrutura interna da terra 2013
Estrutura interna da terra 2013Estrutura interna da terra 2013
Estrutura interna da terra 2013
 
BioGeo11-consolidacao magmas
BioGeo11-consolidacao magmasBioGeo11-consolidacao magmas
BioGeo11-consolidacao magmas
 
Planaltos de alta altitude
Planaltos de alta altitudePlanaltos de alta altitude
Planaltos de alta altitude
 
Apresentação - O Conceito de Bioma Deve Ser Modificado - Economia da Natureza...
Apresentação - O Conceito de Bioma Deve Ser Modificado - Economia da Natureza...Apresentação - O Conceito de Bioma Deve Ser Modificado - Economia da Natureza...
Apresentação - O Conceito de Bioma Deve Ser Modificado - Economia da Natureza...
 
Estuários
EstuáriosEstuários
Estuários
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
Fósseis
FósseisFósseis
Fósseis
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
 
Rudistas
RudistasRudistas
Rudistas
 
Pré Câmbrico E Paleozóico
Pré Câmbrico E PaleozóicoPré Câmbrico E Paleozóico
Pré Câmbrico E Paleozóico
 
Desenvolvimento do ciclo brasiliano
Desenvolvimento do ciclo brasilianoDesenvolvimento do ciclo brasiliano
Desenvolvimento do ciclo brasiliano
 
7 ciclos de vida
7   ciclos de vida7   ciclos de vida
7 ciclos de vida
 
Aula 02 geologia geral - minerais e rochas
Aula 02   geologia geral - minerais e rochasAula 02   geologia geral - minerais e rochas
Aula 02 geologia geral - minerais e rochas
 
Biomas do brasil
Biomas do brasilBiomas do brasil
Biomas do brasil
 
5 rochas magmáticas
5  rochas magmáticas5  rochas magmáticas
5 rochas magmáticas
 
Ppt rochas.
Ppt rochas.Ppt rochas.
Ppt rochas.
 
Tipos de erupção1
Tipos de erupção1Tipos de erupção1
Tipos de erupção1
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
 
Dobras e falhas
Dobras e falhasDobras e falhas
Dobras e falhas
 
Ppt 21 Vulcanismo
Ppt 21   VulcanismoPpt 21   Vulcanismo
Ppt 21 Vulcanismo
 

Semelhante a Características dos Oceanos e Mares

Bioma Maritmo Costeiro
Bioma   Maritmo CosteiroBioma   Maritmo Costeiro
Bioma Maritmo CosteiroJade
 
Ambiente marinho
Ambiente marinhoAmbiente marinho
Ambiente marinhoHiria Maria
 
Ecomarinho 110508162057-phpapp01
Ecomarinho 110508162057-phpapp01Ecomarinho 110508162057-phpapp01
Ecomarinho 110508162057-phpapp01carolinedousseau
 
Bioma Costeiros Marinhos
Bioma Costeiros MarinhosBioma Costeiros Marinhos
Bioma Costeiros MarinhosJade
 
Ambiente aquático marinho
Ambiente aquático marinhoAmbiente aquático marinho
Ambiente aquático marinhoGabriela Bruno
 
DistribuiçãO Dos Organismos Na Biosfera
DistribuiçãO Dos Organismos Na BiosferaDistribuiçãO Dos Organismos Na Biosfera
DistribuiçãO Dos Organismos Na Biosferaguestcfe5521
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade24355
 
6_Geossistemas_Paisagens biogeográficas.ppt
6_Geossistemas_Paisagens biogeográficas.ppt6_Geossistemas_Paisagens biogeográficas.ppt
6_Geossistemas_Paisagens biogeográficas.pptDihegoPessoa2
 
Productividade Hidraulica das rochas do Embasamento pre cambrico
Productividade Hidraulica das rochas do Embasamento pre cambricoProductividade Hidraulica das rochas do Embasamento pre cambrico
Productividade Hidraulica das rochas do Embasamento pre cambricoErnesto Alberto Guilengue
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade24355
 

Semelhante a Características dos Oceanos e Mares (20)

Bioma Maritmo Costeiro
Bioma   Maritmo CosteiroBioma   Maritmo Costeiro
Bioma Maritmo Costeiro
 
Bioma Maritmo Costeiro
Bioma   Maritmo CosteiroBioma   Maritmo Costeiro
Bioma Maritmo Costeiro
 
Ambiente marinho
Ambiente marinhoAmbiente marinho
Ambiente marinho
 
RECIFE E ESTUÁRIOS
RECIFE E ESTUÁRIOSRECIFE E ESTUÁRIOS
RECIFE E ESTUÁRIOS
 
Eco marinho
Eco marinhoEco marinho
Eco marinho
 
Ecomarinho 110508162057-phpapp01
Ecomarinho 110508162057-phpapp01Ecomarinho 110508162057-phpapp01
Ecomarinho 110508162057-phpapp01
 
Proposta desafio 8ºano
Proposta desafio 8ºanoProposta desafio 8ºano
Proposta desafio 8ºano
 
Proposta desafio 8ºano
Proposta desafio 8ºanoProposta desafio 8ºano
Proposta desafio 8ºano
 
Biogeografia
BiogeografiaBiogeografia
Biogeografia
 
02 3002
02 300202 3002
02 3002
 
Bioma Costeiros Marinhos
Bioma Costeiros MarinhosBioma Costeiros Marinhos
Bioma Costeiros Marinhos
 
maritmo costeiros
maritmo costeirosmaritmo costeiros
maritmo costeiros
 
Ambiente aquático marinho
Ambiente aquático marinhoAmbiente aquático marinho
Ambiente aquático marinho
 
DistribuiçãO Dos Organismos Na Biosfera
DistribuiçãO Dos Organismos Na BiosferaDistribuiçãO Dos Organismos Na Biosfera
DistribuiçãO Dos Organismos Na Biosfera
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
Trabalho de biologia ii
Trabalho de biologia iiTrabalho de biologia ii
Trabalho de biologia ii
 
6_Geossistemas_Paisagens biogeográficas.ppt
6_Geossistemas_Paisagens biogeográficas.ppt6_Geossistemas_Paisagens biogeográficas.ppt
6_Geossistemas_Paisagens biogeográficas.ppt
 
Productividade Hidraulica das rochas do Embasamento pre cambrico
Productividade Hidraulica das rochas do Embasamento pre cambricoProductividade Hidraulica das rochas do Embasamento pre cambrico
Productividade Hidraulica das rochas do Embasamento pre cambrico
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
Oceanos2010 11
Oceanos2010 11Oceanos2010 11
Oceanos2010 11
 

Características dos Oceanos e Mares

  • 1. Biologia Marinha CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS OCEANOS E MARES Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 2. Biologia Marinha Quantidade de água nos diversos reservatórios da hidrosfera (Soares-Gomes & Figueiredo, 2002. Reservatório Contribuição (%) Oceanos 97,96 Calota e gelo polar 1,64 Água subterrânea 0,36 Rios e lagos 0,04 Atmosfera 0,001 Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 3. Biologia Marinha O conjunto de água salgada da terra e que se comunicam entre si é denominado de “mar” ou “oceano”. A expressão “Oceano” é aplicada a grandes extensões de mar, parcialmente separadas das massas continentais, mas com plena comunicação entre si. Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 4. Biologia Marinha O termo “mar” é aplicado a subdivisões dos oceanos que se encontram próximos ao continente, abrigadas por ilhas ou por extensões continentais e, por vezes, recebem a denominação de baías ou golfos. Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 5. Biologia Marinha Os oceanos cobrem cerca de 362.000.000 Km2, o que corresponde a cerca de 71% da superfície da Terra. Hemisfério Norte: os oceanos correspondem a cerca de 61% da superfície da terra; Hemisfério Sul: os oceanos correspondem a cerca de 81% da superfície da terra. Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 6. Biologia Marinha Os oceanos são caracterizados por apresentarem: a)Superfície elevada (área de cobertura); b) Comunicação franca entre si; c)Margens formadas por massas continentais distantes entre si; d) Profundidade média elevada. Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 7. Biologia Marinha Superfície dos oceanos incluindo seus respectivos mares tributários. Oceano Milhões de Km2 Oceano Pacífico 180 Oceano Atlântico 106 Oceano Índico 75 Oceano ártico* 14 * Devido a algumas características, alguns autores não consideram oceano e sim mar Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 8. Biologia Marinha Batimetria Os oceanos geralmente são muito profundos. A maior parte, cerca de 84% dos fundos oceânicos tem profundidade superior a 2.000 m. A profundidade média dos oceanos é aproximadamente 3.730 m e a fossa de Mindanao 11.524 m, localizada nas Ilhas Marianas no Pacífico oeste, é a região mais profunda. Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 9. Biologia Marinha Os oceanos tem uma grande influência sobre os fenômenos atmosféricos e geológicos. Transferência de energia principalmente na interface –água- atmosfera; Lançamento de vapor d’água para atmosfera por evaporação; Produtos da erosão que recebe da terra como resultado da ação dos ventos e do batimento das ondas sobre as áreas costeiras. Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 10. Biologia Marinha Os mares podem ser classificados em: Mares costeiros, marginais, abertos ou adjacentes se comunicam com os oceanos de maneira mais ou menos ampla, como exemplo temos o Mar da Mancha, Mar do Norte, Mar da Irlanda, Mar de Omã, Golfo do México, Mar das Antilhas, Mar do Sul da China, Mar do Japão. Mares Continentais ou mediterrâneos são massas de água salgada que penetram mais profundamente nos continentes e se comunicam com os oceanos através de passagens estreitas de profundidade menor que a do mar. Entre os mares classificados como continentais podemos citar o Golfo Pérsico, Mar mediterrâneo e o Mar Vermelho. Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 11. Biologia Marinha Mares interiores são mares que se comunicam através de passagens estreitas e pouco profundas com outro mar e não com o oceano, entre os quais Mar Adriático, Mar Báltico e Mar Negro. Mares fechados ou isolados são lagos de salinidade mais ou menos elevada, totalmente isolado de outros mares ou de oceanos pela massa continental, como exemplos citamos Mar Cáspio, Mar de Aral. Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 12. Biologia Marinha Mar Glacial Ártico ou Oceano Ártico Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 13. Biologia Marinha Mar Glacial Ártico ou Oceano Ártico Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 14. Biologia Marinha Mar Glacial Antártico ou Oceano Austral Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 15. Biologia Marinha Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 16. Biologia Marinha Oceano Atlântico Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 17. Biologia Marinha Oceano Atlântico Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 18. Biologia Marinha Oceano Índico Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 19. Biologia Marinha Oceano Índico Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 20. Biologia Marinha Oceano Pacífico Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 21. Biologia Marinha Oceano Pacífico Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 22. Biologia Marinha Geomorfologia dos oceanos Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 23. Biologia Marinha SUBDIVISÃO DO AMBIENTE MARINHO DOMÍNIO PELÁGICO DOMÍNIO BENTÔNICO plano horizontal plano vertical Sistema fital ou litoral Sistema afital ou profundo Província nerítica Província oceânica Zona eufótica Andar supralitoral andar batial Zona disfótica Andar médio-litoral andar abissal Zona afótica Andar infralitoral Andar hadal Andar Circalitoral Figura. Subdivisão do ambiente marinho. Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 24. Biologia Marinha Linha da costa ou litoral compreende a faixa continental, a linha de terra firme que margeia e limita a massa d’água oceânica. Plataforma Continental é uma faixa que margeia a linha da costa, com declividade suave e pouco pronunciada, que se estende da praia até uma profundidade de aproximadamente 200 m. A profundidade média da plataforma continental é de 135 m, e a sua largura varia em função das feições topográficas de cada região. Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 25. Biologia Marinha O Talude Continental inicia-se no limite inferior da plataforma continental, geralmente a uma profundidade média de aproximadamente 130 m, mas podendo variar entre 120 m e 350 m nas diferentes regiões em razão da topografia. O talude apresenta uma declividade brusca e superfície ígreme. Elevação Continental ou sopé do Talude é a base do talude, normalmente em torno de 2.400 m de profundidade, onde a declividade volta a suavizar e inicia-se o assoalho da bacia oceânica. Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 26. Biologia Marinha A Planície abissal ou o Assoalho da Bacia Oceânica começa na base do talude e estende-se até uma profundidade média entre 4.000 m e 5.000 m. podendo ser entrecortada por vários acidentes geográficos tais como cordilheiras meso-oceânicas, cânions, vales, planícies. Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 27. Biologia Marinha Classificação geral das principais regiões topográficas no Atlântico Norte. (In Skinner e Turekian, 1977) Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 28. Biologia Marinha Representação da cadeia meso-oceânica. Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 29. Biologia Marinha Subdivisão topográfica do ambiente marinho, mostrando os diferentes andares do domínio bentônico e as seções do domínio pelágico. (Fonte: Dorit et al, 1991) Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 30. Biologia Marinha Subdivisão do Domínio Pelágico no plano vertical, de acordo com a faixa batimétrica de penetração de luz. Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 31. Biologia Marinha Distribuição vertical da biota no domínio pelágico e bentônico Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 32. Biologia Marinha Ciclo da matéria e energia no Oceano Ártico Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 33. Biologia Marinha Zona econômica exclusiva - ZEE Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 34. Biologia Marinha Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 35. Biologia Marinha Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 36. Biologia Marinha Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves
  • 37. Biologia Marinha Universidade Federal Rural de Pernambuco - Departamento de Biologia – Prof. Marcos Souto Alves