ANO II , EDIÇÃO N.º 5 – JUL/AGO/SET        Equipes de Nossa Senhora                                   EN Santidade        ...
A escuta        da palavraN    ós, humanos e criaturas di-     vinas, somos todo sentidoe, no entanto, quando podemos     ...
TEsTEmuNhO                                                                     ARTIGO                                     ...
zeram varias tentativas de con-           número tão reduzido de casais...                                                ...
Data: 10/07: Ordenação do diácono Thiago  NOTÍcIAs sETOR A                                                                ...
NOTÍcIAs sETOR                                   Semana Nacional                                Festa de Santo Antônio    ...
Retiro Equipe                                        de Jovens de                                        Nossa SenhoraO   ...
Projeto                                                                                                     Vocacional    ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Edição 5 set2011

984 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
984
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Edição 5 set2011

  1. 1. ANO II , EDIÇÃO N.º 5 – JUL/AGO/SET Equipes de Nossa Senhora EN Santidade ESTE É UM VEÍCULO DE INFORMAÇÕES DAS EQUIPES DE NOSSA SENHORA DA REGIÃO GOIÁS CENTRO PALAVRA DO REGIONAL Formação Eleição e Balanço Olá queridos amigos. A paz do Senhor esteja com todos! É com grande alegria que nos aproximamos de dois grandes acontecimentos em nosso movi- mento: A eleição para novos Casais Responsáveis de Equipes - CRE e também do nosso balanço anual. Tanto para um quanto para o outro devemos nos preparar espiritual- mente e nos abrir à vontade e ao amor de Deus. “Eis que estou à porta e bato. Se alguém ouvir minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e ce- aremos juntos” (Ap. 3,20). Sobre a eleição de CRE é im- portante observar alguns pontos: a) devemos escolher o casal que realmente será o melhor para a equipe no próximo ano, aqueleA vocação do casal equipista A formação foi a preocupa- oferecido tantos documentos e, que poderá contribuir para o bem comum da equipe; b) nunca seguir é um dom de Deus que se ção constante do Pe. Henry Ca- alguns, até ligados à vocação es- rodízios ou algo parecido, ou esco-enraíza no batismo. O casal, já ffarel, fundador do Movimento. pecífica do leigo. lher um casal que não está bem, es-participante da vida divina pela Por isso, em sua caminhada, o - Sintonia com a experiên- perando que com a escolha, venhagraça batismal, sente um cha- casal não pode perdê-lo de vis- cia carismática do Movimento. melhorar.mado especial para o aprofun- ta: ele é a ideia frontal, o olho A espiritualidade ENS é capaz Devemos ser coerentes e, dedamento e a vivência da própria d’água, o útero do Movimento, de saciar a sede de Deus do co- modo especial, sermos sinceros uns com os outros, e deixar que oespiritualidade conjugal no Mo- referencial imprescindível rumo ração humano. Então, o casal Espírito de Deus nos faça seus ins-vimento das Equipes de Nossa à santidade. equipista “veste a camisa” de trumentos.Senhora - ENS. O casal, então, Nesta caminhada formativa, sua vocação, sem precisar de Sobre o balanço é importan-responde a esse chamado com o casal precisa de alguns pontos “outras” espiritualidades. te ressaltar que devemos observaro empenho de uma formação referenciais: - Coerência com a proposta o que nos incomoda, o que nosadequada e contínua. Respon- - Atenção ao contexto atual. formativa do Movimento. O ca- oprime, o que nos traz sofrimentos, além das dificuldades do dia a dia.dendo diariamente a essa voca- No mundo de hoje há desafios sal sabe da seriedade do grupo Mas de maneira essencial, deve-ção, o casal encontra o caminho a serem enfrentados: o valor ao qual pertence, e por isso par- mos enaltecer o que nos agrada ede sua plena realização em Cris- inviolável da pessoa humana; ticipa de todas as suas iniciati- nos torna felizes, reavivando e for-to, que não é outra coisa senão a a consciência da dignidade da vas formativas. Uma delas: os talecendo o amor.própria santidade. mulher e de seu papel na cons- PCEs. Na reunião mensal o casal É hora então, de colocar os No caminho formativo, o ca- trução de uma nova sociedade; “presta conta” deles, à luz dos pés no chão e arregaçar as man- gas, com os olhos voltados parasal lembra que “Jesus chamou a sexualidade frequentemente conselhos de Paulo: “zelosos e nossa realidade e para o nosso co-pessoalmente seus apóstolos ambígua e distorcida; o plura- diligentes, fervorosos de espíri- tidiano, lembrando que para isso,para que ficassem com Ele e lismo, exigindo cada vez mais to, servindo sempre ao Senhor, o movimento nos oferece muitaspara enviá-los a proclamar personalidades fortes e opções alegres na esperança, fortes na ferramentas valiosas, tais como ao Evangelho” (Mc 3,14). A ex- amadurecidas; o valor da liber- tribulação, perseverantes na vivência dos pontos concretos deperiência feita pelos primei- dade levando a uma consciência oração” (Rm 12, 11s). esforço, vida de equipe, tema de estudo, momentos de formação eros discípulos com o Mestre, o bem formada; a complexidade Assim, nesse caminho for- reflexão, etc. Precisamos ser crite-caminho percorrido, deve ser do mundo e da vida levando à mativo, o casal estará realizan- riosos na utilização dessas ferra-também a experiência e o cami- fragmentação; o constante flu- do o lema deste ano: “Sede, mentas e principalmente, usá-lasnho de cada casal equipista no xo de mudanças e o acentuar-se pois, imitadores de Deus como com assiduidade.Movimento. da globalização exigindo atitu- filhos amados” (Ef 5,1). Portanto queridos amigos, ain- Formação é acolher com ale- des críticas e de equilíbrio; etc. da temos muitas coisas boas e fru- tuosas a serem vividas neste ano.gria o dom da vocação e torná- Enfrentá-los é preciso para não Aproveitem!lo concreto em cada momento sermos alienados.e situação da vida. Formação é - Capacidade de caminhar Lu e NeLsoNgraça do Espírito, atitude pesso- com a Igreja e docilidade às suas Pe. osmar Bezutte CRR Goiás Centroal, pedagogia de vida. orientações. Ela, como mãe, tem SCEP Centro-Oeste
  2. 2. A escuta da palavraN ós, humanos e criaturas di- vinas, somos todo sentidoe, no entanto, quando podemos escutar, mas sim de todos eles juntos! Temos que estar tão sensí-e dispomos destes sentidos sau- veis como se esta fosse a únicadáveis, usamos apenas parte da forma para conseguirmos salvarvisão, parcialmente o tato, mui- a nossa vida. E é. Fazer a Escuta da Palavra é realizadora, mais afiada doto pouco do olfato, paladar e da Estamos falando aqui de um em casal reforça e dobra a in- que toda a espada de dois gu-audição. O interessante é que se momento mágico e transcen- tensidade dos aguçadores do mes: ela penetra até onde serecordarmos o nosso dia de on- dente, que coloque nossa alma, sentido. dividem a vida do corpo e a dotem, por exemplo, veremos que como um sexto sentido de amor Usamos nossa visão para ver espírito, as articulações e asse estivéssemos mais atentos à flor da pele, para possibilitar na menina dos olhos de nosso medulas e é capaz de distinguiraos nossos sentidos, podería- que a Palavra ache, com facili- cônjuge, o brilho intenso refle- as intenções e os pensamentosmos ter observado mais o nosso dade, o caminho de nosso cora- tido pela luz da Palavra ouvida. do coração” (Heb 4,12).irmão, abraçado carinhosamen- ção e de nossa alma. Com nossas mãos, fazemos o Assim, como casal equipista,te aquele amigo que há muito Se, escutar a Palavra de sinal da cruz para proclamar devemos perseguir com loucura,não víamos, teríamos nos deli- Deus, segundo Santo Agostinho, o Evangelho, antes da leitura a Santidade do Casal, e para isso,ciado com o cheirinho delicioso é como se alimentar de Cristo e e dar a devida evocação a Sua temos que entender que a Pala-do café recém-coado logo pela ainda segundo ele, que há duas Palavra, seguindo o conselho vra de Deus vai nos transformarmanhã, teríamos dito obrigado mesas na Igreja: a mesa da Eu- de nosso querido, Jura. Com o de acordo com o empenho quepara quem fez aquele almoço caristia e a mesa da Palavra e nosso olfato, sentimos o aroma tivermos, ficando sempre aber-caprichado, que comemos sem Palavra de Deus, portanto, é um arrebatador do perfume que tos ao diálogo com o Criador. Éprestar muito atenção e por fim alimento espiritual, encontra- a palavra exala entre nós dois. preciso que deixemos todos osteríamos parado um pouco e li- mos aqui o incentivo para ex- Com nossa boca, dominada por nossos sentidos plena e escan-gado para um de nossos filhos e pandir nossos sentidos. papilas ansiosas, saboreamos a caradamente abertos para ir deescutado o que ele precisava nos Nosso movimento nos pede delícia de sentir Cristo conosco, encontro ao diálogo profundodizer naquela hora, esquecendo a assiduidade na Escuta da Pa- absorvendo com ardor seus en- com Cristo, onde ficaremos hu-por instantes, aquele compro- lavra e deveríamos tomar esta sinamentos e revigorando assim mildemente e com sinceridademisso inadiável. palavra “assiduidade” por todo o nosso ser. Precisamos, de alma, absortos por tudo o que Nosso dia a dia é mesmo “vontade infindável de desven- pois, de tudo isso para ESCU- Deus nos fala e assim, como Ma-desajeitado. Um dia nos falta dar Cristo em todas as horas TAR a PALAVRA e não somente ria, teremos a coragem de dizertempo, noutro reclamamos que e segundos de nossas vidas” e um mero momento corrido de “sim” e colocar em prática, tudonão temos nada para fazer. Gas- não somente como uma “obri- leitura do Evangelho. o que recebermos gratuitamentetamos tempo com coisas inúteis gação” de bom cristão ou ape- Se o tempo estiver curto na Escuta da Palavra.e perdemos tanto tempo em nas uma vez ao dia. Deveríamos faça-o com intensidade. Mer- Resolva sob a luz do Espíritonão prestar atenção nos nossos conseguir despertar uns nos gulhe, Bíblia adentro, com to- Santo: reserve agora o seu tem-sentidos, nas coisas que real- outros, um forte desejo de co- dos os seus pobres e humanos po para Escutar a voz de Deus!mente têm valor. E a ESCUTA nhecer Cristo através da Leitura, sentidos e peça a Deus, a Sua Coloque todos os seus sentidosda PALAVRA, onde entra neste incentivando-nos mutuamente misericórdia, para que tudo o para este tempo divino, pois écontexto? a perseverar nesta assiduidade. que for lido, seja colocado em Cristo que nos escolhe e, por- Bem, se para fazer as coisas E como é lindo nosso movimen- prática e realmente transforme tanto, não poderemos jamaishumanas nos perdemos no co- to para nos ajudar! Além de nos todo o seu ser. decepcioná-Lo neste chamado.mando de nosso próprio corpo, alertar, incluindo um ponto con- No Angelus do dia Já fez a sua Escuta da Pala-imagine sozinhos querendo dire- creto de esforço para nos condu- 06/03/2011 na Cidade do Va- vra hoje?cionar as nossas vidas! Caos total! zir a escutar a Palavra de Deus, ticano, o Papa Bento XVI nos Assim, quando vamos pen- ainda nos oferece a possibilida- pede para “Ouvir a Palavra desar sobre a ESCUTA da PALA- de de contar com o incentivo e Deus e a por em prática” Acei- . teLma e maurícioVRA temos que dispor não só o amor cuidadoso de nosso côn- temos este convite! Equipe 01/A – Nossa Senhora danosso sentido da audição para juge para facilitar esta tarefa. “A palavra de Deus é viva, Divina Providência Cleusa e Gaspar – Equipe 1-A.Boa Regina e Afonso - Equipe 10B Helena e Rodney – Equipe 5 – Anápolis 2 JUL/AGO/SET
  3. 3. TEsTEmuNhO ARTIGO A difícil tarefaReunião Formal - de perdoarÉ Deus Presente A vocação de todo o ser humano é viver estabe- causou essas contrarieda- des, ou essas situações. Frei VeNiLdo treVizaN lecendo relações de amor O perdoar estabeleceQ ueridos irmãos equipis- tas, o que aqui relatare-mos não é algo extraordiná- e de paz entre todos, de harmonia e entendimen- to com o universo e com um passo a mais: escla- recer a quem errou que precisa estar mais atentorio, inacessível muito menos a própria humanidade. E para não retornar ao erroimpossível, pois fatos iguais para isso se compromete e recomeçar a constru-a estes são biblicamente nar- a dissipar a vingança, a ira ção de sua vida com maisrados como a visita de Jesus a e o rancor criando um am- dignidade e humildade.Marta e Maria (Lc 10,38-42); biente de perene reconci- Esse passo exige uma co- liação. Se alguém errar de- ragem muito grande parafilha de Jairo e mulher doente veria reconhecer e buscar superar o preconceito e a(Mt 9,18-26) pentecostes (At o perdão. E quem se sentiu raiva. Exige exercitar cora-2,1-13) e outras. Queremos ofendido deveria aceitar as josamente a humildade e aressaltar as atitudes que os desculpas e perdoar. sinceridade.personagens citados na leitu- Esse seria o ideal para Negar o perdão é umra tiveram: o esforço de cami- uma convivência harmo- ato que violenta tantonhar, ir ao encontro, o priori- niosa e feliz. Esse é tam- quem o espera quantozar, o lançar-se, o entregar-se bém o desejo de Deus para quem o poderia oferecer.e o confiar. Sabemos que ati- seus filhos e filhas. Mas Creio até que fere maistude semelhante requer o não é fácil perdoar, como a quem o nega do que aenfrentamento de grandes não é fácil aceitar que sem quem o necessita. Pois obarreiras, que surgem para o perdão não há como vi- fato de negar deixa no co-serem ultrapassadas. Em nos- ver a paz. ração uma dor profunda,sa equipe não é diferente. Ser “perdoado” todos uma mágoa dolorida e Queremos partilhar a úl- homem ungido e consagrado querem. Mas perdoar aos uma apreensão inquietan-tima reunião formal que rea- por Deus para representá-lo. outros torna-se muito di- te. Não encontra sossegolizamos. Todos os casais esti- Assim com os ouvidos e o co- fícil, pois exige uma trans- e nem paz, pois o ódio everam presentes, bem como, ração aberto fomos tocados formação interior muito o desejo de vingar criamo casal ligação. A maioria por seus ensinamentos. Não grande e uma fé muito viva uma ferida praticamenteenfrentou dificuldades para poderia ser diferente! A graça e muito forte. incurável.participar, mas nosso Con- de Deus imperou, e grandes Deus sempre perdoa, Só mesmo o dia emselheiro Pe. Luilton, que está momentos de cura acontece- pois o coração dele é feito que tomar coragem e fi- ram: os corações que precisa- de bondade e misericór- zer algo mais humano eem uma Diocese a 530 km de vam perdoar, o coração que dia. Seus gestos são de mais generoso oferecen-distância (quantas barreiras pedia perdão, o medo que acolhida e salvação. Suas do o perdão é que tudoteriam?) viajou 9 horas de palavras são luzes cons- se transformará. Não souônibus para estar conosco. atrapalhava seguir, a palavra de carinho que precisava es- tantes e firmes que dissi- capaz de entender como No decorrer das reuniões pam a escuridão do mal e possam existir pessoastemos percebido o cresci- cutar, o reconhecimento que precisava para caminhar... É revelam a beleza do bem. capazes de conviver commento da nossa Equipe, que Por isso ele sempre está o rancor, com o ódio ema cada dia se solidifica como Deus agindo no santuário de pronto em acolher e ofere- seu coração. Serão pessoasuma verdadeira Eclesia, sen- vida que é a família. É Deus cer novas oportunidades e muito amargas e muito di-do este, um desejo nosso, presente na reunião formal. novas chances de vida. fíceis de conviver.assim como do Pe. Henri Ca- É Deus nos convidando a Tudo isso é belo e gra- Será bem melhor pro-ffarel. mergulhar em águas mais tificante. Revela o coração curar viver em paz com to- Mas nesta última reunião profundas. Somos felizes por maravilhoso de Deus. Re- dos. Mesmo que não con-a graça de Deus nos encan- pertencer ao movimento das vela também seu desejo siga criar ambiente idealtou! Daí o desejo de partilhar. Equipes de Nossa Senhora! de ver a humanidade cele- de amor e entendimento,Momento este que nos colo- brando o amor, o respeito, que ao menos haja respei-cávamos como Maria irmã de marise e césar o perdão e a graça de uma to com as diferenças indi-Marta, aos pés do senhor Je- CRE equipe 15/B - vida feliz. Mas é difícil sa- viduais e que se faça o pos-sus, na pessoa do sacerdote, N.S. da Rosa Mística tisfazer esse seu desejo. É sível para não interferir na difícil fazer o mesmo que vida e no comportamento. Ele faz. É bem melhor viver É desafiador aprender uma vida saudável trans- que perdoar quer dizer: mitindo alegria, esperança abrir o coração para aco- e ter uma enorme satisfa- lher a quem errou, ter dis- ção em saber que o amor ponibilidade em não con- de Deus está disponível servar rancor contra quem para todos. JUL/AGO/SET 3
  4. 4. zeram varias tentativas de con- número tão reduzido de casais... tactar o CR da época chegando Precisávamos de pelo menos 6 inclusive a ir a Brasília para des- casais. O trabalho continuou e cobrir o seu telefone que havia mais um casal foi contatado e mudado e a partir daí a histó- confirmou participação. ria começou... Fizeram visitas O lançamento da equipe 1 ao Sr. Arcebispo D. Antônio, aconteceu no dia 07/04/2000, colocando-o ao par da inten- na casa de Débora e Marqui- ção de trazer o movimento para nho, com a presença dos casais: Goiânia. O Arcebispo acolheu a Beatriz e Hamilton; Débora e intenção e deu sinal verde para Marquinho; Edna e Estevam; Lú que os trabalhos fossem inicia- e Nelson; Telma (in memorium) dos. A partir daí outras dificul- e Paschoalão, Tereza e Jurandir, dades se apresentaram como a Pe. Geraldo Dias, Áurea e Boros de encontrar casais dispostos a (CP) e Rita e José Adolfo (CRR). abraçar o movimento. Mas ape- Neste dia aceitando a sugestãohIsTóRIcO DA EquIPE 01A sar das dificuldades não desisti- do nosso querido Pe. Geraldo ram, foram perseverantes. decidimos que a intercessoraNossa Senhora da O Pe. Geraldo Dias, que era pároco da Paróquia S. Paulo Apóstolo na época e ex-CE em da Eq. 1 seria Nossa Senhora da Divina Providência, a qual é pa- droeira da sua congregação e daDivina Providência Juiz de Fora/MG, desde o ini- paróquia que nos acolheu como cio se dispôs a ajudar a iniciar movimento. o movimento e foi um grande Neste período de onze anos incentivador. Foram feitas vá- alguns casais saíram e outros en- Fundada em 07/04/2000 após o casal Rita e José Adolfo se rias reuniões de informação traram pois a equipe sempre es- O Movimento das ENS sur- tornarem Casal Responsável da sem sucesso e somente no dia teve aberta a acolher. Hoje per-giu em Goiânia de um sonho Região Centro-Oeste II. Nesta 11/03/2000, o casal Creuza e tencem à equipe os casais: Lu eantigo do casal então Coorde- época, o casal Lú e Nelson, que Caroba, fez a reunião de infor- Nelson, Débora e Marcos, Terezanador do Entorno de Brasília, já eram equipistas em Guapia- mação que enfim, resultou no e Jurandir que estão desde o iní-Rita e José Adolfo. Eles viam o çu/SP há 9 anos, se mudaram inicio do movimento em Goiâ- cio, e entraram em 2002 Sandramovimento se expandir para para Goiânia e souberam que nia. Para esta reunião, compa- e Adoniram e em 2004 - Telmaoutras localidades como Aná- o movimento ainda não tinha receram sete casais, dos quais e Maurício. Em 2011 assumiupolis, Luziânia e Água Boa/MT começado na cidade. Ficaram apenas 5 preencheram a ficha como SCE o Diácono Rafael.e desejavam trazê-lo para Goi- inconformados, pois não se dizendo “sim” ao movimento.ânia. Os trabalhos de implan- imaginavam fora do Movimento Ficamos tristes porque confor-tação se iniciaram, muito lenta- que tanto amavam. Resolveram me as regras do movimento, déBora e marcosmente. Em 1998 se intensificou procurar o casal Regional. Fi- não se deve lançar equipe com CRE 2011 cONhEÇA O cONsELhEIRO FREI VENILDO TREVIZAN N ascido no município gaú- cho de Parai. Um municí- pio de oito mil habitantes, de damente seu coração. Mas a decisão de se tornar sacerdote aconteceu quando já universi- Teologia com especialização em Pastoral Catequética. Nas Equipes de Nossa Se- onde já se formaram mais de tário trabalhando com pessoas nhora atuou dois anos como cinquenta sacerdotes. carentes. Sua ordenação acon- Conselheiro Espiritual da Equi- Veio de uma família com 14 teceu em Porto Alegre-RS, no pe 10 em Anápolis, GO. Nos úl- irmãos: 6 homens e 8 mulheres. dia 10/12/1967. Pertence à Or- timos três anos atua na Equipe Entre as mulheres, duas são dem dos Frades Menores Capu- 10 setor B em Goiânia, GO. Religiosas da Congregação do chinhos. Santos de devoção: Fran- Imaculado Coração de Maria. Atualmente trabalha como cisco de Assis e Clara de Assis. Os demais são casados. Administrador da Paróquia Leituras prediletas: Teolo- Um primeiro impulso vo- Universitária São João Evange- gia, Psicologia e Comunicação. cacional foi na escola de ensi- lista da Arquidiocese de Goi- Comidas preferidas: não há no inicial onde estudava. Um ânia. Completou no dia 20 de como preferir, pois não é possí- Irmão Marista visitou a família setembro quatro anos nessa vel saborear o que se prefere e e falou sobre as diversas vo- Paróquia. sim o que é indicado pelos nu- cações o que tocou profun- É Bacharel em Filosofia e tricionistas Jussara e Edemilson – Equipe 5A Vanusa e Deusamar – Equipe 6A Rosangela e Gean – Equipe 4-A.Boa 4 JUL/AGO/SET
  5. 5. Data: 10/07: Ordenação do diácono Thiago NOTÍcIAs sETOR A Alvarino dos Santos- SCE equipe 04 URUAÇU Retiro Espiritual em Uruaçu Aconteceu nos dias 18 e 19 de junho, no Seminário Maior São José em Uruaçu-GO o Retiro Espiritual, com o lema: “Sede, pois, imitadores de Deus como filhos amados” . Foi um momento espiritual único e for- te, conduzido com maestria pelo Pe. Ro- drigo que estimulou os casais a refletirem sobre passagens bíblicas e matrimoniais. As palestras objetivas e dinâmicas tocaram fortemente nos casais participantes. Outros momentos marcantes foram as celebrações eucarísticas na capela do Seminário e a ado- ração ao Santíssimo. maria das dores e aNtôNio eckert Equipe 2 UruaçuNOTÍcIAs sETOREs A E bGOIÂNIADIA DOS PAIS E DOS PADRES: Dia 02/08Celebramos a Missa Mensal presidida peloSCE (eq. 07) Pe. João Batista e concelebradapelo SCE (eq. 13) Pe. João Irias e após a cele-bração aconteceu uma confraternização emhomenagem ao dia dos pais e dos padres.RETIRO FECHADO: Aconteceu nos últi-mos dias 05, 06 e 07 de agosto, no ConventoMãe Dolorosa em Goiânia, o Retiro Fechadodas ENS dos Setores A e B da Região GoiásCentro. O pregador do Retiro foi o Padre MarioJosé Filho de Ribeirão Preto. As marcas des- versário do SCE dos setores A e B, Pe. João contro de casais que se preparam para rece-te Retiro foram o silêncio que levou à pro- Luiz da Silva, iniciando com o almoço para ber o Sacramento do Matrimônio. Esse tra-funda reflexão dos participantes em busca mais de 900 pessoas. À noite ele foi agra- balho vem sendo realizado quatro vezes pordo “quem sou eu” da descoberta do “plano , ciado com a visita da imagem peregrina de ano, desde 2007, por casais das Equipes dede Deus para mim” e de momentos de forte João Paulo II e com a missa solene presidida Nossa Senhora que ministram palestras so-espiritualidade e emoção na partilha, na in- pelo bispo Dom Waldemar seguido de mui- bre o Sacramento do Matrimônio, Plano detimidade com Nossa Senhora e na celebra- tas homenagens. Deus, Sexualidade Conjugal, Pais e Filhos eção como a dos primeiros cristãos. Testemunho da Espiritualidade Conjugal. CURSO DE FORMAÇÃO PARA NOIVOS: Esta experiência de contribuir na formaçãoANIVERSÁRIO: No dia 07/09 aconteceu na Aconteceu nos dias 03 e 04 de setembro, na dos noivos está aberta para todos os casaisParóquia Santa Cruz a celebração do ani- Paróquia São Paulo Apóstolo mais um en- do movimento das ENS. Elaine e Sebastião – Equipe 12A Macionila e Simplício – Equipe 3A Luiza e Mário – Equipe 4B JUL/AGO/SET 5
  6. 6. NOTÍcIAs sETOR Semana Nacional Festa de Santo Antônio da Família ANÁPOLIS No mês de junho, durante nove noites, a Paróquia de São João Evangelista realizou a É um evento anual realizado desde 1992. festa de Santo Antônio com as tradicionais O subsídio começou a ser editado desde a barraquinhas. Os “festeiros” foram os casais vinda do Papa João Paulo II ao Brasil, em equipistas: Valéria e Ronaldo, Adriana e Ie- 1994 e passou a ser publicada anualmente. ner, e Flávia e Ananias, sob a coordenação O tema para este ano foi: Família Pessoa e do padre Luiz Lemos, SCE do setor Anápo-Galinhada Sociedade. lis. Ficou evidente nos festejos o que se vive no movimento: a ajuda mútua, o carinho, o Como disse o assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e a Família amor e a dedicação dos casais naquilo que da CNBB, padre Luiz Antonio Bento “atual- ficam responsáveis a executar. mente a família vem enfrentando grandes desafios, inquietações e ataques de quem Bodas De Prata deveria defendê-la. E a sociedade é convo- cada a debater os temas propostos”. As ENS do Setor Anápolis participaram da exposição de livros e publicações refe- rente ao movimento em um estande per- sonalizado instalado na Praça Santana, do jantar de confraternização e da Celebração O já tradicional almoço realizado pelas Eucarística de encerramento.Equipes de Nossa Senhora – Setor Anápo-lis, aconteceu no dia 1º de maio no salão da InterequipesIgreja São Sebastião. O objetivo foi reforçara unidade do Movimento, angariar recursos Com o tema “Testamento Espiritual” um ,financeiros para contribuir com os casais texto de padre Caffarel, foram realizadas no Os casais Holianda e José Heloy, Zenildaequipistas na participação do Retiro Anual, dia 19 de agosto quatro reuniões de Intere- e Antônio, Nilda e Luiz completaram 25 anosalém de arrecadar materiais para o Movi- quipes do Setor Anápolis com a participa- de vida conjugal. As Bodas de Prata são umamento. ção de 39 casais e 4 Conselheiros. verdadeira dádiva de Deus! Parabéns! NOTÍcIAs sETOR Retiro AGUA BOA Interequipes Novo Casal Responsável A Região Goiás Centro dá as boas vin- das ao novo Casal Responsável do Setor Água Boa-MT - Lucimara e Juliano, que com muito amor e desprendimento aceita- Foi realizado nos dias 14 e 15 de maio ram ao chamado para amar e servir como mais uma edição do Retiro do Setor Água Jesus. O jovem e dinâmico casal faz parte Boa. O retiro aconteceu nas dependências da Equipe 3 Nossa Senhora Auxiliadora, do Colégio Jesus Maria José com a partici- além de serem filhos de casais equipistas. pação de 35 casais. O pregador foi o Padre Que Deus os abençoe nesta missão tão Natalino (Congregação Redentorista) da enriquecedora. Realizou - se dia 31 de julho de 2011 as Paroquia de Nova Xavantina e pela Irmã E aos queridos Arani e Neco, nossos reuniões Interequipes que contaram com a Tereza Cristina. agradecimentos pelo carinho, dedicação participação de 25 casais e do Conselheiro Foram momentos de muito cresci- e disponibilidade ao serviço. Que Jesus e Espiritual Padre Odair. mento espiritual, aprofundamento e inte- Maria os cubra de bênçãos! O setor agradece a participação dos ca- gração para os equipistas participantes. Lu e Nelson-CRR sais pelo bom êxito do evento. Maria e José Queiroz – Equipe 5-A.Boa Sandra e Ilson – Equipe 12A Mary e Onir – Equipe 2B 6 JUL/AGO/SET
  7. 7. Retiro Equipe de Jovens de Nossa SenhoraO ração, entusiasmo e sentimen- to fraterno, tendo como plano “Somos jovens jovem de Nossa Senhora, vivendo em harmonia, alegria e oração. Éde fundo um ambiente bucólico,que nos aproxima de Cristo. Esses unidos no como revela o hino: “Somos jovens unidos no amor, somos jovens de Nossa Senhora...”foram alguns dos ingredientes quemarcaram o primeiro Retiro Anual amor, somos jovensdas Equipes Jovens de Nossa Se-nhora - Expansão Goiânia, Setor de Nossa muriLo sousaBrasília, realizado no dia 04 de Se-tembro, na Casa de Retiros “Cami- Senhora...” Responsável EJNS Fátima enho de Emaús”, com o tema “Bus- morgaNNa sousacai as coisas do alto” (Cl 3,1). Responsável EJNS Aparecida O retiro que contou com a pre- Expansão Goiânia – Setor Brasíliasença de 25 jovens equipistas e ticipantes a prosseguir na perenecasais acompanhadores, revelou a caminhada em busca da espiritu-existência de jovens engajados na alidade. Maria Lúcia e Antonio Melo – Equipe 4Bespiritualidade e que caminham a O ponto alto do Retiro foi a mis-passos largos para a consolidação sa eclesiástica celebrada pelo Pe.do movimento em Goiânia – GO, João Luiz, o qual não mediu esfor-cujo carisma essencial é o cresci- ços para a consecução desse pri-mento espiritual e individual em meiro Retiro.Cristo, pautados no exemplo de Ao final, foi divulgado que nonossa Mãe Santíssima. próximo ano, Goiânia deixará de Guiados pelas sábias palavras ser expansão para tornar-se Setor,do Diácono Darci (Conselheiro Es- o que encheu os jovens de orgulho, Ordália e Leopoldo –Equipe 2 Anápolispiritual da Equipe de Jovens Nossa incrementando a responsabilidadeSenhora das Graças, em Brasília diante do movimento e da Igreja.– DF), e amparados pelo constan- O Retiro, que contou com o apoiote auxílio da Responsável do Setor de casais das ENS e conselheiros,Brasília – DF, Flávia “Narizinho” o , representou uma experiência únicaRetiro renovou o “sim” concedido na caminhada, despertando as be-ao movimento, motivando os par- nesses e graças de ser um equipista Marisa e Décio – Equipe 5A Maria e Nonato – Equipe 6A Lú e Nelson – Equipe 1A JUL/AGO/SET 7
  8. 8. Projeto Vocacional II Encontro Nacional Conselheiros Durante os dias 21 a 23 de agosto chegado ao Movimento das ENS des-último, estiveram reunidos os Conse- conhecendo qual seria de fato nossalheiros Espirituais – SCE, das Equipes função. Ficou bem claro que os sacer-de Nossa Senhora, no Centro Pastoral dotes são membros da equipe e nãoSanta Fé, em São Paulo. Oriundos das meros assistentes de reunião formal,diversas regiões do Brasil, numa di- cujo papel é o de ajudar os casaisversidade de sotaques e num clima de equipistas a progredirem na sua ca-alegria e partilha, aprofundamos nes- minhada conjugal. Somos arautos dates dias nossa missão junto as ENS. voz da Igreja que como Mãe e Mes- Para mim, particularmente, foi um tra, ensina, exorta, adverte, conheceencontro rico de grande valor, pois e ama.foi possível esclarecer muitos pon- Só tenho a agradecer a Deus estatos, que até então, nos pareciam um oportunidade de ter colhido tão bons O movimento das ENS destinapouco obscuros. Entre os sacerdotes frutos neste encontro. Voltei com a todo ano uma doação aos Semináriosera quase unânime o fato de termos sensação de que ele foi para mim Esta doação leva o nome de “Projeto como que uma “segunda inspira- Vocacional” e é distribuída entre as ção” para compreender a beleza do sete províncias brasileiras que repas- entrelaçamento dos sacramentos da exPedieNte Ordem e matrimônio. Que Deus seja sa para suas regiões em forma de ro- dízio. louvado! Em 2011 a Região Goiás Sul (Itum- biara e região) foi contemplada e Padre João Batista de Lima como não tem Seminário Maior, fez a SCE Equipe 07/B Nossa Sra. doação ao Seminário Maior São João Mãe da Eucaristia. Maria Vianei de Goiânia. Os recursos foram entregues em mãos ao Arcebis- po Dom Washington Cruz. ANO II , EDIÇÃO N.º 5 – JUL/AGO/SET Agradecemos aos amigos da Re- A equipe de produção do Jor- gião Goiás Sul pelo bonito gesto. Que Direção: Lu e Nelson CRR nal ENSantidade se coloca a dispo- Deus os abençoe. luenelson@gmail.com sição para receber sugestões e crí- CoorDenação: ticas visando a melhoria do jornal. Lu e NeLsoN Janaína e Rigonatto - Eq. 12A rigonatto@faeg.org.br O envio de artigos, depoimentos, CRR Betinha e Neimar - Eq. 2B testemunhos para próxima edição de- betinhaneimar@yahoo.com.br verá ser feito até o dia 20/11. Procu- Eliane e Wilson - Eq. 6 - Anápolis re o Casal Responsável de sua Equipe elianebizinotto@hotmail.com ou Setor para maiores informações. Ana e Eugênio - Eq. 2 - Água Boa empossamai@brturbo.com.br Maria das Dores e Antonio Ricardo – Eq.2 – Uruaçu Agradecemos a colaboração de to- antonio.eckert@hotmail.com dos os patrocinadores que tem viabili- zado a produção do Jornal. Em retribui- Tiragem 500 exemplares ção, pedimos aos equipistas e leitores Editoração: Arquivo Fotolito / Vitor Rocha para prestigiarem nossos anunciantes. 8 JUL/AGO/SET

×