Ensantidade edição 21

173 visualizações

Publicada em

Revista ENSantidade da Região Goiás Centro das Equipes de NOssa Senhora

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
173
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ensantidade edição 21

  1. 1. ENSantidade Revista EQUIPES DE NOSSA SENHORA DA REGIÃO GOIÁS CENTRO ANO VI - N° 21 - JUL/AGO/SET . 2015 ENCONTRO NACIONAL PÁG.2 PCE MEDITAÇÃO: EXERCÍCIO ORAÇÃO E DESCOBERTA DE DEUS PÁG. 7 BREVE HISTÓRICO EQUIPES NOSSA SENHORA PÁG. 9
  2. 2. 2 PALAVRA DO REGIONAL Queridos Equipistas! E, ao terceiro dia, fizeram-se umas bodas em Caná da Galiléia; e estava ali a mãe de Jesus. Foi também convidado Jesus e os seus discípulos para as bodas. E, faltando vinho, a mãe de Jesus lhe disse: Eles não têm mais vinho. Sua mãe disse aos serventes: Fazei tudo quanto ele vos disser. (Jo, 2, 1-3, 5) Embalados pelas mensagens e testemunhos do III Encontro Nacio- nal em Aparecida, ousemos o Evan- gelho, cada um na sua missão! Retomamos aqui algumas pala- vras do SCE/SRB Pe. Paulo Renato ao final do encontro, no momento em que nos lembrou que somos movidos por uma TEOLOGIA e não por IDEO- LOGIAS humanas! Portanto, o que nos constrói são as decisões que to- mamos durante nossa vida e que só podemos testemunhar o que viven- ciamos. Assim, cabe-nos assegurar de que estamos realmente imbuídos de Deus em nossas ações! Lembrou-nos também, que nós Equipistas recebemos muito e por isso temos uma dívida eclesial a resgatar! Basta olharmos o que te- mos à nossa disposição (casais, sa- cerdotes/acompanhantes espiritu- ais temporários e toda a estrutura do movimento)! Desta forma, cada equipista, deve encher sua talha, dos irmãos mais próximos e em cadeia, partirmos para a missão que ELE nos confiou, a de evangelizar... Devemos fazer com que as reuniões formais se- jam canais da graça e amor de Deus, assim, nossas talhas a cada mês se enchem e não mais haverá sede e estaremos prontos a dar ao mundo a razão de nossa fé! Será que nossas reuniões de equipe estão sendo efi- cazes neste aspecto? Estamos de fato, fazendo o que nos pediu amorosamente Nossa Senhora? Fazei tudo o que Ele vos disser? Para atendê-la, primeiro de- vemos estar prontos a OUVIR, capaci- tados a RESPONDER (“Fala, teu servo escuta! 1Sam. 3,10) e depois disponí- veis para AGIR, sempre convictos de que tudo que nos é pedido, já nos foi dado, por Deus! Desta forma, desejamos que se programem, de acordo com o calen- dário de cada setor, para as ativida- des deste segundo semestre! São vários eventos formativos e outros festivos: retiros, Interequipes, reu- nião horizontal, adoração, confrater- nização, galinhada, etc. Queremos de modo especial, falar aos queridos Equipistas que ingres- saram mais recentemente no movi- mento e CONVIDÁ-LOS com muito carinho a participarem da cerimônia de compromisso, que ocorrerá nos dias 26 e 27 de setembro. Durante o Encontro de Equipes Novas (EEN) ha- verá um momento especial e solene, em que darão o SIM definitivo e se- rão acolhidos pela equipe de Forma- dores da Província Centro Oeste. Este é um marco na história de cada casal equipista, é a coroação de toda a pi- lotagem! Estamos ansiosos e desde já, nos preparando para acolhê-los. Em outubro, acontece em to- das as equipes o discernimento para CRE/2016,elevemosnossopensamen- to a Deus, para que o casal CHAMADO, possa ouvir, sentir-se amado e agracia- do pela oportunidade de servir! Carinhosamente, Maria e Nonato - Equipe 4A Andréia e Earle - Equipe 3 Água Boa Maria Aparecida e Sousa - Equipe 8B Lu e Nelson - Equipe 1A Tania e Ramon - Equipe 10B DÉBORA E MARQUINHO CRR – Goiás Centro Av. C-10 Qd. 81 Lt. 11 Nº. 450, Sobrado 01 Setor Sudoeste - Cep: 74.305-120, Goiânia-GO Fone: (62) 3093-6070 / Cel.: (62) 8219-9755 ramon@contabilidadeinterativa.com.br www.contabilidadeinterativa.com.br
  3. 3. 3 O III Encontro Nacional das ENS foi uma bênção na vida dos equi- pistas. Trouxe um fôlego motivador animando a missão. A participação nas formações do movimento é uma oportunidade ímpar de reavivar e despertar em nós o desejo de viver em plenitude, mantendo as nossas Mércia e Júnior - Equipe 4A ENCHENDO AS TALHAS, TESTEMUNHANDO AS GRAÇAS! talhas sempre cheias, para que o ardor missionário esteja ativado e o nosso feixe de luz jamais se apague. Sabemos que a caminhada rumo a santidade não é tarefa fácil, por isso a necessidade de buscarmos maior intimidade com o Senhor, atra- vés da oração diária e participação na Eucaristia para o fortalecimento e crescimento da nossa espiritualidade conjugal. E como bem disse Pe. Paulo ABADIA E CARLOS - Equipe 05 N. S. de Fátima - Uruaçu FORMAR PRESBÍTEROS PARA QUE SEJAM A PRESENÇA DE CRISTO NA VIDA DOS CASAIS PE. FRANCIEL LOPES DA SILVA SCE do Setor Uruaçu O mês de agosto é para a Igre- ja tempo de lançar as sementes na “boa terra” do coração da juventu- de. É mês vocacional, tempo de fa- lar das vocações, do chamado que o próprio Deus tem feito aos operários para trabalharem na Sua vinha. Se a vinha é de Deus, então os operários necessitam terem sido enviados por Ele para trabalharem em Seu nome. O jovem vocacionado que chega ao Seminário é tirado do meio do povo, do seio das comunidades que incessantemente rezam ao Senhor da messe. Chegam ao Seminário, a cada ano, muitos jovens para começarem seu caminho de discernimento voca- cional. No início de sua bela e longa caminhada, oferecem a Deus um co- ração generoso, aberto e entusias- mado para essa maravilhosa aventu- ra de descobrir o chamado do Senhor em suas vidas. O caminho ordinário da forma- ção presbiteral é constituído por oito anos de estudo e discipulado aos pés do Senhor. No início de sua cami- nhada, o jovem vocacionado faz um ano de Propedêutico, tempo este de adaptação ao Seminário e de forma- ção para o discipulado; é um tempo intenso de vida comunitária e de formação humana e espiritual. Logo depois, se dará sua formação filosó- fica; três anos de profunda reflexão, a partir de sólidos princípios que sir- vam de fundamento para os estudos posteriores. A última etapa da forma- ção presbiteral é constituída pelos estudos teológicos. Neste momento, o seminarista entra em contato mais profundamente com os mistérios da Revelação divina, formando um cora- ção de pastor que transmita ao povo de Deus os Seus ensinamentos. Durante o tempo de Seminário, de formação pastoral, o seminarista é in- centivadoaentraremcontatoeconhe- cer as diversas pastorais e movimentos da Igreja. De forma especial, a Igreja pede para que os seus pastores sejam formados para evangelizar e cuidar das famílias, dos casais, da santificação dos matrimônios. O sacerdote é aquele modelo de Cristo (Alter Christus) que deve amar de forma incondicional a fa- mília, promover com afinco a vocação matrimonial, trabalhar ardorosamente pela santificação dos casais, gastar seu tempo cuidando para tornar sagrados os lares de sua comunidade. O Movi- mento das ENS é esse precioso instru- mento de Deus, o qual o presbítero po- derá utilizar, em seu trabalho pastoral, como meio para a transformação dos casais, da vivência autêntica dos ma- trimônios, de uma experiência mais profunda do amor de Deus na vida dos casais. Desde o tempo de formação, os seminaristas deverão ser incentivados a amar os casais e trabalhar pela san- tificação dos mesmos; que os sacerdo- tes sejam a presença visível de Cristo para os cônjuges e cresçam mutua- mente no amor de Deus. Renato “O casamento é obra prima de Deus”, por isso não podemos ja- mais abrir mão de testemunhá-lo.
  4. 4. 4 Sandra e Jesus - Equipe 1A ENTREVISTA PE. JOÃO LUIZ DA SILVA SCE das Equipes 2A e 4A e 11B 1. O III Encontro Nacional das ENS foi pensado como uma peregrinação e diante da riqueza que foi viven- ciada nestes dias, que mensagem podemos compartilhar com nossos irmãos equipistas e SCE que não pu- deram estar no encontro. SCE - Quero dizer a cada casal, e SCE, que não puderam estar conosco no Encontro Nacional, que é revigorante, fortalecedor, ver a alegria e disponibi- lidade de casais e sacerdotes, unidos em um só coração. Ver a unidade e a força dos casais. Casais que em suas colocações e testemunhos fazem a diferença na Igreja e no mundo. Por isso todo esforço que puderem fazer para participarem e viverem para o movimento, nada roubará esta rique- za adquirida. Queridos casais, muito obrigado por ter colaborado comigo, dando esta oportunidade para eu participar do encontro, experimentar deste riquíssimo movimento. 2. Pe. Jacinto (SCE da ERI) fez uma re- flexão sobre o novo tempo em que a igreja esta vivendo. Ressaltou que este despertar primaveril do Cristia- nismo deve ajudar a humanidade a recuperar a fé em Deus como o gran- de patrimônio da vida pessoal, fami- liar, espiritual e social. Hoje, como as ENS podem ser uma nova primavera para igreja e para o mundo? SCE - As ENS tem sido para a Igreja e para o mundo, a grande abertu- ra para o crescimento e riqueza de muitos casais, se todas os sacerdotes soubessem que temos um tesouro de espiritualidade conjugal, e que só uma disponibilidade maior de cada um, para fazer da Igreja e do mundo este celeiro de casais mais cristãos, mais comunidade, mais Igreja. As Equipes para mim, são este rejuve- nescer para a Igreja, Padre e casais fazendo da Igreja uma nova socieda- de, caminhando para a santidade. 3. Refletindo sobre o Tema: “Matri- mônio cristão: festa da alegria e do amor conjugal” e o Lema: Fazei tudo que Ele vos disser”. Fale-nos sobre os maiores desafios dos casais e SCE em pertencer ao movimento das Equipes de Nossa Senhora. SCE - O Matrimônio hoje é um gran- de desafio para toda a Igreja. Os Ca- sais tendem a não querer receber o sacramento do matrimônio, achan- do que é uma exigência grande. A festa é feita, mas fica só na festa da alegria passageira, o que não funda- menta no amor, querendo aquilo que se torna mais fácil de verdade para uma certeza da conjugalidade que permanece para eternidade. Assim é o desafio para ter um matrimô- nio comprometedor, amor que deve durar até que a “morte o separe”. É o matrimônio do provisório, isto é triste. Por isso, para permanecer nas ENS, é necessário acreditar no amor, matrimônio que é eterno, ter voca- ção para o movimento. O SCE, tam- bém, diante do movimento das ENS, deve desafiar-se a si mesmo, com o carisma do acreditar no sacramento do matrimônio como um lugar de es- tar aberto a ver os casais na vocação do amor de entrega total. O SCE deve também entregar-se às reuniões com um tempo de encontrar na disponibi- lidade de ouvir e acolher com amor a alegria do vinho novo de cada ca- sal, experimentado durante o mês. É uma verdadeira ação de graças para casais e sacerdote. 4. O testemunho de Dom João One- res (Bispo Emérito de Lages-SC) encantou a todos. Ele falou da im- portância das ENS na vida do SCE e revelou seu amor pelo movimento. Na nossa opinião, existe uma gran- de semelhança entre D. Oneres e do Senhor. Gostaríamos que partilhasse conosco um pouco da sua experiên- cia de SCE nas ENS. SCE - O movimento da ENS, em minha vida é um dom de Deus, desde o meu tempo de seminarista conheci está dádiva de Deus, através da equipe 19 de Brasília, depois como diácono acompanhei a experiência comuni- tária, que se tornou a equipe 65. Em 1994, fui ordenado sacerdote, logo fui designado para Anápolis onde encontrei as ENS. Também fui cha- mado a colaborar, durante os anos que lá permaneci. Em Goiânia sir- vo neste ministério de amar as ENS, onde creio que sou mais ajudado do que de fato posso prestar ajuda. A ENS, em minha vida sacerdotal sem- pre fez o diferencial. As reuniões são para mim de uma riqueza espiritual e pastoral enorme que não existe em outro movimento de conjugalidade. Faço das reuniões dos ENS uma cele- bração de vida entre estes dois sacra- mentos - o matrimônio e ordem que se completam para gerar vida espiri- tual. É o verdadeira renovação do vi- nho da alegria e da vida do casal e do sacerdote. Concluo que as ENS são o tesouro que tenho em minha vida sa- cerdotal. O Encontro nacional só veio me enriquecer, e me fazer convencer ainda mais, de que vale a pena estar com os casais e o movimento.
  5. 5. 5 POR: HOLIANDA E JOSÉ ELOY CRS Anápolis CIDA E EBERT Eq. 6A - N.S.Desatadora dos Nós Pe. Caffarel, iniciou as ENS em 25/02/1939, juntamente com três novos casais na cidade de Paris; per- manecendo à frente do movimento até 1973. Algumas de suas Obras: - Pro- feta do Matrimônio; Centelhas de sua Mensagem; A Missão do Casal Cristão; Um Homem Arrebatado por Deus; Espiritualidade Conju- gal; O Carisma Fundador (Discurso de Chantilly); Nas Encruzilhadas do Amor; Na Presença de Deus (com cartas sobre Oração); O Amor e a Graça; etc. Pe Caffarel – homem exigente! Dedicava tanto amor à sua Igreja quanto as Equipes de Nossa Senhora, por isso Ele escreve em uma de suas obras: “Teu amor sem exigência me diminui; tua exigência sem amor me revolta; tua exigência sem paciência me desanima; teu amor exigente me engrandece”. Sua vida em três Períodos: I – As fundações (1939-1949) Senhor, Não Vos pedimos A fé dos mártires, Pois nossa fragilidade não resistiria; Não uma fé grandiosa, Nosso orgulho ficaria inflamado; Nem uma fé de milagres, Pois cairíamos no ativismo das obras; Menos ainda uma fé de competição, Pois valorizaríamos os obstáculos Esquecendo o amor que nos une Vos agradecemos Senhor, PRIORIDADE PARA 2015: OBRAS DO PADRE HENRY CAFFAREL PADRE HENRI CAFFAREL Nascimento: 30/07/1903 em Lyon - França Batizado: 02/08/1903 Ordenação: 19/04/1930 Falecimento: 18/09/1996 II–Otempodamaturação(1950-1973) III – O aprofundamento (1973—1996) Hoje o movimento das Equipes de Nossa Senhora está presente nos cin- co continentes (79 países). “A única intenção verdadeira a que corresponde a finalidade das ENS, é a vontade de melhor conhe- cer a Deus de melhor amá-lo e ser- vi-lo”. “Entra-se nas Equipes por causa de Deus, fica-se nas Equipes por cau- sa de Deus”. O Cardeal Lustiger o chamou de profeta para o nosso tempo, ele não disse que o Pe. Caffarel adivinhava o futuro. Um profeta é aquele que bus- ca a vontade de Deus. Ele gostava de dizer que o matri- mônio consiste em dar-se um ao ou- tro para juntos, dar-se aos outros. Pe. Caffarel nos deixou o teste- munho de homem muito unido ao Senhor e também inspirado pelo Es- pírito Santo. Precisamos ler (estudar) as obras deste “profeta”, para mostrar ao mundo quem foi o Padre Caffarel, as- sim como podemos também contri- buir com a causa de sua canonização (http://www.henri-caffarel.org). Pela fé, que como dom, recebemos Por pequena que seja, Mas alicerçada no Amor E na Esperança E nos faz enfrentar E vencer as dificuldades Que permeiam nossas vidas Enquanto casal peregrino. Com esse dom recebido, Somos mais que vencedores Mas pelos méritos do Vosso sangue Derramado na Cruz. E isso nos basta. Nós cremos, Senhor Mas aumentai e fortalecei a nossa fé. Como viver uma fé madura Jussara e Edimilson - Equipe 3A
  6. 6. 6 Vanusa e Deusamar - Equipe 4A Milla e Cresiano - Equipe 6 Uruaçu Cidonia e Eustáquio - Equipe 8B DOUTORA E MESTRA - SANTA TERESA DE JESUS Teresa Sánches de Cepeda e Ahu- mada, uma força feminina que mar- cou história. Nascida em 24 de março de 1515, essa mulher é reconhecida por suas obras. Provocou um movi- mento de mulheres para que essas vi- vessem um espírito evangélico como pobres orantes e iguais, as Carmelitas Descalças e ainda propôs aos homens, Carmelitas Descalços, que vivessem a mesma proposta de vida. Uma mu- lher a frente de seu tempo, Teresa influenciou a vida de muitos, como Therèse Francoise Martin, conhecida como Santa Teresinha do Menino Je- sus, Madre Teresa de Calcutá e Santo Enrique de Ossó e Servelló, Fundador da Companhia de Santa Teresa, que beberam da fonte de seus escritos e de seu exemplo de santidade. Mulher que soube, e ensinou, a ter uma rela- ção de amizade com Deus, por isso é chamada mestra de oração e pela sua obra, livros, é conhecida como Douto- ra da Igreja. Estamos falando de Santa Teresa de Jesus, conhecida também como Teresa D’Ávila. O que certamente torna fasci- nante na vida de Teresa é sua inces- sante busca pela verdade que faz com que ela realize a descoberta do Transcendente, transformando sua vida. Uma contínua paixão por Deus e pela humanidade. A “determinada determinação”, como dizia a Santa, a ajudava a vencer todas as dificulda- des tendo sempre a sua frente um amplo horizonte: “É indispensável ter grande confiança. Convém muito não amesquinhar os desejos, e con- fiar em Deus” (V 13, 2). Com essa RICARDO NEGUETTE DA FABIANA, LEIGO TERESIANO Eq. 7A - N.S.da Anunciação determinação, andou por toda a Es- panha, tratando de suas fundações, Carmelos. Para ela a missão exige ardor missionário, empolgação e âni- mo por causa do Reino. Como mestra de oração, Teresa nos ensina a como encontrar Deus no “Castelo Interior”. Teresa compara a pessoa como a um castelo habitado pela Trindade. A alma é como um castelo de cristal, ou diamante, com muitas moradas, onde no centro está a principal onde se passam as coisas mais secretas en- tre Deus e a alma. “O que disser, te- nho-o comprovado por experiência” (V 22,5; 28,7), “não direi coisa que não tenha experimentado muito” (V 18,8), assim Teresa de Jesus nos convoca a permanecermos firmes no caminho de oração com grande de- terminação. Compara o ser humano como uma horta, onde Deus é o agri- cultor, e que temos que nos transfor- mar, como acontece com o bicho-da- -seda, um chamado a transformação em Cristo. Em seus escritos, ela nos diz que na oração, “o importante não está em pensar muito, senão amar muito...” e ainda que “o amor de Deus não consiste nas lágrimas, nas delícias, nas ternuras da oração, mas em servir Deus com humildade, fortaleza e justiça”. Mas também nos alerta: “Procurai ser pregadoras em obras”. Como vemos Teresa foi uma mulher onde se concretizou buscar a Deus através de ações. Neste anos de 2015 todos aque- les que buscam viver a espiritualida- de de Santa Teresa D’Ávila, ou Teresa de Jesus, em todo o mundo, come- moram o V centenário do seu nas- cimento. Também a Paróquia Santa Clara e São Francisco, em Aparecida de Goiânia, onde trabalham as Irmãs da Companhia de Santa Teresa, Suje toda família teresiana farão diversas celebrações em suas capelas, inician- do no dia 28 de março, na Comuni- dade de Corpus Christi, e encerrando no dia 15 de outubro na Igreja Ma- triz da Paróquia. Assim como Teresa todos querem assumir a missão de conhecer e amar a Cristo tornando-o também conhecido e amado por to- dos e todas por todos os cantos do mundo. Mari e Onir - Equipe 1B
  7. 7. 7 PCE MEDITAÇÃO: EXERCÍCIO DE ORAÇÃO E DESCOBERTA DE DEUS MARIA LETÍCIA E JOÃO CARLOS Eq. 5 B – N. S. Rainha da Paz tos da palavra de Deus. “Ora, quem se alimenta de leite não é capaz de compreender uma doutrina profun- da, porque ainda é criança” (Heb 5, 13). Como um casal equipista, temos aprendido a “mastigar” os primei- ros frutos colhidos e a preparar nos- so terreno para a colheita de frutos cem por um. Dizemos que “temos aprendido”, porque a aprendizagem é constante e, infelizmente, nossas dificuldades, fraquezas e falta de disciplina também são constantes. Lutamos para sermos fortes e perse- verantes a cada novo dia. De maneira especial, no campo espiritual, as ENS com sua proposta de vida conjugal mais santa e plena nos impele fortemente à oração e a meditação. E é somente na oração que encontramos o alimento espiri- tual que nos fortalece e nos revigora, além de aprofundar o conhecimento de nós mesmos e de Deus. Assim, a oração só nos traz bene- fícios e, para tanto, exige de nós uma tomada de atitude e disciplina. Os documentos das ENS nos ensinam e reforçam essa ideia, nos convocando a ler, estudar, ruminar e exercitar a palavra de Deus. Precisamos nos con- vencer de que nada se constrói sem ação e disciplina. Daí nossa necessi- dade de exercitarmos o PCE: Medi- tação, de maneira intensa, com um inesgotável desejo de sorver e absor- ver a doçura e a eficácia da palavra de Deus em nossa vida. Entendemos que a meditação é uma forma de ora- ção contemplativa e silenciosa. Por conseguinte, todos os dias so- mos naturalmente convidados a nos colocar em oração através da medi- tação. Dizemos ‘naturalmente” por- que, apesar das propostas de nosso Movimento, somos livremente con- duzidos por elas. A decisão de acatar o convite à oração cabe somente a nós, reconhecendo que os frutos a se- rem colhidos também serão nossos. Através da oração-meditação, te- mos a possibilidade de voltar a aten- ção para dentro de nós mesmos e nos desligarmos do mundo exterior para que possamos falar com Deus e ouvir o que Ele tem a nos falar. Ao longo de quase 6 anos nas ENS, muito temos aprendido com tudo que o movimento nos proporciona, seja através de sua própria dinâmica, ou através da nossa decisão em par- ticipar e aderir às equipes. É chega- do o momento (... e como é preciso que sejamos per-sis-ten-tes!!!), que o sentimento de pertença às ENS co- mece a existir e a se tornar real e ver- dadeiro. A partir de nossa consciente disposição à prática dos Pontos Con- cretos de Esforço, antes denomina- dos “meios de aperfeiçoamento”, passamos a “sentir” e a “colher” os primeiros frutos. Frutos estes, que têm servido de alimento sólido para melhorarmos nossa vivência cristã. Ilustramos esse momento, reto- mando a Epístola de São Paulo aos Hebreus 5, 11-14, onde esses pri- meiros frutos representam para nós aquele “leitinho” que todo bebê necessita para sobreviver no início de sua vida, e que para nós, cris- tãos adultos, representam nossa lentidão em compreender as coisas espirituais. Precisamos destes pri- meiros frutos porque ainda estamos aprendendo os primeiros rudimen- Luciana e Eroni - Equipe 1A
  8. 8. 8 Débora e Marquinhos - Equipe 1A Em 1997 fomos convidados, pelo SCE Pe. Adenir Fumagalli, a participar do Movimento das ENS e em seguida pilotados pelo casal Dalva e Batista de Brasília. Não conhecíamos o Movi- mento, mas aos poucos fomos desco- brindo sua riqueza através da vida de equipe e da vivencia dos PCE. Os PCE são regras de ouro que nos direciona no caminhar em casal e em família, fortalecendo o diálogo e a compreen- são um do outro. A Oração Conjugal é para o casal um momento ímpar onde exercitamos a cumplicidade, o perdão e a entrega um do outro a Deus. Aprendemos a rezar um para o outro e em casal o terço interceden- do pela nossa família. Temos duas filhas, Patrícia que é um anjo que está junto de Deus in- tercedendo por nós e Camila que cresceu nos acompanhando no Mo- vimento aprendendo desde cedo a rezar o Magnificat. Fomos casal res- ponsável de equipe por três vezes hoje também somos Casal Ligação. Através da equipes conhecemos melhor Jesus e aprendemos a amá-lo mais. Hoje temos a certeza que Jesus está sempre ao nosso lado e nunca nos desampara e abandona mesmo nos momentos mais difíceis de nos- sas vidas. Sentimos verdadeiramente amados por Deus quando meu espo- so José precisou fazer uma cirurgia na coluna, de hérnia de disco; ou me- lhor, não uma, mas três cirurgias. A primeira cirurgia foi em 16/05/2014 e a segunda em 11/05/2015, tendo ORAÇÃO CONJUGAL - TESTEMUNHO IVETE E JOSÉ Eq. 01 – N. S. Do Bom Conselho Água Boa - MT essa uma complicação devido a uma fístula liquórica (saída do líquido da coluna), podendo provocar infecção (meningite). Assim a vida do meu esposo estava em risco, foi quando o médico realizou a terceira cirurgia no dia 15/05/2015. Pudemos testemunhar o poder da oração em nossas vidas no enfren- tamento das dificuldades. As orações de todos os casais equipistas do nos- so Setor e Região, em prol da nossa família, foram importantes no forta- lecimento da nossa fé e mostraram que nunca estamos sozinhos quando vivemos em comunidade, Deus ai está. Percebermos o quanto somos amados por Deus e esse amor nos impulsiona corajosamente a conti- nuar. Só temos que agradecer a Deus por fazermos parte dessa família que é as ENS. Agradecemos a todos, ca- sais equipistas e Conselheiros Espiri- tuais pelas orações que fizeram pelo José, pela força e pelo carinho. Sabemos que muito temos a fazer pelo movimento, que nossa missão apenas começou. As provações vie- ram renovar e fortalecer a nossa fé. Trouxeram-nos a certeza que sem- pre podemos contar com Jesus Cris- to e não somos nada sem Ele. Ele é a nossa força, esperança e proteção. Amém. PEDIDOS DE ORAÇÃO: • Pelo consolo da família do SCE Frei Luiz Sampaio que perdeu mãe e irmão nos dias 14 e 18/8. • Pelo tratamento do Deusamar da Vanusa (Equipe 4A) • Pela Reunião do Colegiado Provincial entre os dias 16-18/10 • Pela unidade das ENS da Região Goiás Centro • Pelos trabalhos dos novos CRS Setores B e Anápolis Janete e Carlos Turra - Equipe 4 Água Boa
  9. 9. 9 NOSSA SENHORA DE FÁTIMA – SETOR URUAÇU Em 2010 fomos convidados, por Pe Rodrigo Carrijo, então pároco da nos- sa comunidade, para uma reunião cer- cada de mistérios, que aguçava nossa curiosidade. A partir dai formamos um grupo de Experiência Comunitária com 7 casais e o SCE, além do Casal Coordenador Nairene e Cícero. Ao término da Experiência Co- munitária, no início de 2011, o movi- mento das Equipes de Nossa Senho- ra nos foi apresentado. Mesmo sem saber realmente como funcionava, o Espírito Santo nos impulsionava a dizer sim. Do grupo inicial apenas dois casais não continuaram. Logo em seguida, outros dois casais foram convidados. Desta forma, estava for- mada a equipe 05, tendo como in- tercessora N. S. de Fátima. Ainda em 2011, começamos a Pi- lotagem, Pe. Gilson Luiz que acabara de chegar como vigário paroquial, as- sume nossa equipe como SCE. Hoje é pároco em outra cidade e mesmo em meio a muitas dificuldades continua conosco. A pilotagem foi um momen- to ímpar na vida da equipe. O casal Tereza e Jurandir, de Goiânia, viajava todos os meses, sem medir esfor- ços, para estar conosco, com muito amor, zelo, dedicação e um lindo tes- temunho de vida nos presenteavam pouco a pouco com as diretrizes do movimento. Ao final da pilotagem ti- vemos a escolha do primeiro CRE, a partir daí começávamos “caminhar sozinhos”. Em 2012 mais uma vez so- mos presenteados com nosso casal li- gação, Valéria e Wilson, casal que nos contagiava com sua alegria e carisma. Deixou saudades... Com a expansão do movimento em nossa cidade, em 2013 Uruaçu torna-se Setor sob a responsabilidade do casal Lúcia e Nivaldo. Na formação do colegiado do Setor um dos casais da nossa equipe foi convidado para fazer parte desse colegiado. O casal, com muito carinho, aceita o convite e contagia a todos da equipe com a alegria em servir ao movimento. Hoje todos os casais da nossa equipe, ser- vem ao movimento como - Coorde- nadores de Experiência Comunitária, Casal Ligação e Casal Piloto. Em 2014, o casal Divina e Vascon- celos mudaram para Manaus. Hoje temos um casal sendo pilotado e seis casais que caminham juntos, e mes- mo em meio as dificuldades e limi- tações, procuramos viver a mística. Os laços fraternos que nos une como família permite sermos responsáveis uns pelos outros e nesse anseio, de- sejamos que todos consigam tam- bém vivenciar o carisma do nosso movimento que é a certeza da verda- deira felicidade. Que Nossa Senhora de Fátima continue intercedendo por nossa equipe e que o Poderoso faça sempre em nós Maravilhas! HISTÓRICO DA EQUIPE 05 BREVE HISTÓRICO DAS EQUIPES DE NOSSA SENHORA A primeira equipe: Em 1938, um jovem padre de Paris, Henri Caffarel, recebe a visita de uma pessoa que desejava lhe falar sobre sua vida es- piritual. Alguns dias depois, ela volta, acompanhada do marido. A seguir, esse casal apresenta o Padre Caffa- rel a outros três casais. Repletos de amor e cristãos convictos pedem a ele que os guie em busca de viver o seu amor à luz da sua fé. “Façamos o caminho juntos” res- ponde-lhes o Padre Caffarel, e dessa maneira, o projeto de se reunirem para refletir em comum sobre o ma- JANAINA E RIGONATTO Eq. 6A - N. S. Desatadora dos Nós Goiânia - Goiás trimônio estava lançado. Pouco a pouco, os olhos destes jovens casais descobrem o lugar privilegiado do casal nos desígnios de Deus. Simul- taneamente, fazem experiências de vida comunitária onde se realiza a promessa de Cristo de estar presen- te. A vida deles progride através da abertura aos outros, na união a Deus, entre os esposos e entre os casais. No Mundo: As Equipes de Nossa Senhora têm sua sede em Paris, na França, e estão presentes nos 5 con- tinentes e em 69 países. No Brasil: Um grupo de casais de São Paulo por iniciativa de Nancy a Pedro Moncau Jr, estabeleceram vá- rios contatos com Pe. Caffarel e dão início, juntamente com Pe. Oscar Me- lanson, CSC, ao Movimento no Brasil com o lançamento da primeira equi- pe, no dia 13/05/1950. De acordo com o último levantamento, existem no Brasil, 52 Regiões, 312 Setores/ Coordenações, 3.650 Equipes, com 22.041 Casais, 395 Viúvas(os) e 2.337 Sacerdotes Conselheiros Espirituais. Em Goiânia: Em 1998, vindos do interior de São Paulo, o casal Lu e Nelson, que já pertenciam as ENS há sete anos, e não se enxergavam fora das equipes, resolveram procu-
  10. 10. 10 Nairene e Cícero - Equipe 2 Uruaçu Margarete e Divino- Equipe 3 Uruaçú Macionila e Simplício - Equipe 2A rar o então, Casal Responsável da Re- gião Centro Oeste (CRR-CO) sediada em Brasília, Rita e José Adolfo, para implantar o movimento em Goiânia. Anteriormente o CRR-CO já havia tentado a implantação, porém o bis- po da época não era favorável. Sem desistir do sonho, recuaram para tentar depois em tempo mais opor- tuno. Assim que foram procurados por Lu e Nelson os trabalhos come- çaram. Após diversos contatos, to- dos se animaram especialmente pela concordância de um forte aliado, o Pe. Geraldo Dias, na época pároco da São Paulo Apóstolo, que logo se prontificou a falar com o bispo junto com Lu e Nelson. Tendo a aprovação do bispo Dom Antônio, partiram para a próxima etapa, formação dos gru- pos. Relatam Lu e Nelson, que não foi nada fácil! Foram feitas várias reuni- ões de informação, sem sucesso, pois os casais não aderiam de imediato por falta de conhecimento. Após a terceira tentativa, juntamente com mais um casal equipista de Brasília Edna e Estevam, quatro casais de Goiânia e o SCE Pe. Geraldo Dias, surgiu a 1ª Equipe em 07/04/2000! Foi necessária muita perseverança! Logo em seguida, em agosto for- mou-se a 2ª equipe com sete casais, tendo como SCE o mesmo sacerdote. Em fevereiro de 2002 formou-se a 3ª equipe, com oito casais e o SCE Pe. Omar. Em agosto de 2003 Goiânia já contava com 5 equipes, passando en- tão a Coordenação ou Pré-setor. Com a implantação da equipe 6, passa a Setor, tendo como CRS o casal Lu e Nelson e SCE Pe. David. Hoje o movimento em Goiânia está estruturado com 20 equipes, 9 grupos em Experiência Comunitária e acompanhadas por 14 SCE. É importante ressaltar, que as ENS, não é um movimento paroquial e nem um movimento de ação, mas sim de casais ativos. Desta forma, o movimento conta com casais de vá- rias paróquias. Em Goiânia somos 180 casais, sendo que a maioria está inserido em pastorais e prestam ser- viços em suas comunidades de base. Na Região Goiás Centro: A partir de 2010 foi instituída a Região Goiás Centro, que abrange 43 equipes, 15 Experiências Comunitárias e mais de 350 casais dos municípios de Goiânia, Aparecida de Goiânia, Anápolis, Uru- açu, Estrela do Norte e Água Boa-MT. Para conhecer melhor o movi- mento basta acessar o site www.ens. org.br ou entrar em contato com os responsáveis pelos Setores constitu- ídos, cujos contatos estão descritos no expediente deste informativo. Notícias SETORES A E B - GOIÂNIA Festa Dos Namorados Foi realizada no dia 13/06 no Salão da FAEG em Goi- ânia mais uma edição da Festa em comemoração ao dia dos namorados. A Festa foi animada com música ao vivo, com partilha dos tira-gostos e regada com muita alegria. O salão foi palco de danças apaixonadas e manifestações públicas do amor conjugal. Formação Sobre Retiro Foi realizado no último dia 08/08 no Centro Catequé- tico da Paróquia Santa Cruz um momento de Formação sobre Retiro. O momento foi conduzido pelo Conselheiro Padre João Luiz com a participação de 20 casais dos Seto- res A e B de Goiânia Semana das Famílias As Equipes de Goiânia ce- lebraram com a Comunidade Sagrada Família no último dia 08/08 a semana das famílias. Na oportunidade o CRS-B Vera e Luiz Antonio fizeram uma ex- planação sobre o Movimento para os paroquianos.
  11. 11. 11 Almoço Foi realizada no último dia 16/08 no Salão de even- tos da Paróquia Santo Antonio mais uma edição da Galinhada das ENS. O almoço é realizado anualmente, visando angariar fundos para a realização das forma- ções, retiros e demais eventos do movimento em Goi- ânia, contou com a presença de aproximadamente 350 participantes. Os alimentos e bebidas foram adquiridos através de doações, pelos casais equipistas. A progra- mação foi ainda animada com bingos e sorteios de brindes. Os Setores A e B agradecem a generosidade e apoio de todos. Encontro De Conselheiros Foi realizada no dia 17/08 um Encontro dos Conse- lheiros Espirituais das Equipes dos Setores A e B de Goi- ânia. Após um momento de formação, partilha e de- bate aconteceu uma confraternização onde foi servido um delicioso churrasco. Nossos agradecimentos a estes homens de Deus pela dedicação com que acompanham nossas Equipes. Formação Para Casal Piloto No dia 29/08 aconteceu um momento de Formação para Casal Piloto, com a participa- ção de 12 casais dos setores A e B de Goiânia e tem por objetivo formar casais para atuarem na pilotagem. Em Goiânia estão em andamen- to 8 grupos de Experiência Comunitária, que ao final desta etapa, poderão optar pelo ingresso ao movimento. Retiro Aberto Será realizado nos dias 12 e 13/09 na Casa das Irmãs Fran- ciscanas dos Pobres mais uma edição do Retiro Aberto dos Se- tores A e B de Goiânia. O retiro será pregado pelo SCER Pe. João Batista. Não percam a oportu- nidade de exercitar este PCE em 2015. Reuniões Mistas - Interequipes Serão realizadas nos dias 23, 24, 25 e 26 de outubro mais uma edição das Interequipes. Estas reuniões mistas são oportunidades de integração e de- monstração de unidade do movimento. Nos próximos dias os Setores iniciarão as inscrições para participação, animação e anfitrião de cada grupo. Sandra e Ilson - Equipe 6A
  12. 12. 12 Selma e Elias - Equipe 7 Anápolis Tatiane e Augusto - Equipe 7 Água BoaVera do Ivo e Alexandre - Equipe 4 Anápolis Notícias SETOR ÁGUA BOA RETIRO: Momento de reflexão e reabastecimento. Foi realizado no final de semana de 30 e 31/05 o Retiro dos casais das ENS do Setor Água Boa-MT. O reti- ro teve como pregador o SCE Padre Franciel Lopes de Uruaçu e Pe. Da- quin Kangila. Houve participação sig- nificativa dos equipistas que aprovei- taram para priorizar o encontro com Deus na oração, ouvir sua Palavra e com ela confrontar sua vida. Expansão do Movimento. Tendo em vista a busca da Santidade Conjugal, as ENS através do Casal Piloto Ana Maria e Mário Eugênio Possamai, tem presta- do serviços como casal informador, levando informações aos ca- sais interessados em conhecer o movimento. Cinco casais deram seu “SIM” e já estão em pilotagem e outros aguardam formações na experiência comunitária. O Setor se alegra com vossa opção e atitude de amor ao movimento, pois o melhor investimento que podemos fazer é TRABALHAR na formação das famílias. Semana Nacional da Família. Na Semana Nacional da Família as ENS do Setor Água Boa, reuniram-se juntamente com a comunidade para momentos de fé, oração, palestras, confraternização, sorteio de brindes religiosos e muita animação. Que Jesus, Maria e José, interce- dam pelas famílias do mundo inteiro. Festa Junina A noite do dia 13/06 foi diferente. No Espaço Modelar acon- teceu “O Arraia das ENS !!” Viva Santo Antônio, São Pedro e São João !! Nesta alegria o setor possibilitou a confraternização dos equipistas, familiares e convidados nos festejos Juninos. Muitas guloseimas, rifas e premiações abrilhantaram a noite. E nossos Sinhôs e Sinhás... Um verdadeiro show! Parabéns a todos!
  13. 13. 13 Notícias SETOR ANÁPOLIS Discernimento para escolha do CRS Aconteceu na Paróquia São João Evangelista o Discernimento para es- colha do Casal Responsável do Setor Anápolis para os próximos três anos e contou com a participação de todos os Casais Ligação, Casal Responsá- vel de Equipe e SCE Pe Luiz Lemos. Galinhada O tradicional almoço realizado pe- las Equipes de Nossa senhora do Setor Anápolis, aconteceu dia 24 de maio Dalva e Máximo – Equipe 01 – Nossa Senhora Aparecida, comemo- raram 50 anos de casados no dia 17 de julho, numa belíssima cerimônia celebrada em Belo Horizonte – MG, na Paróquia Santa Efigênia, junta- mente com seus familiares, onde renovaram os compromissos matri- moniais. Foi realizado com bom êxito nos dias 14,15 e 16 de Agosto o retiro anu- al do setor, com a presença de 43 ca- sais, sendo um casal de Goiânia, Jussa- ra e Edemilson, a equipe de cozinha, o pregador do retiro SCE Pe. Thiago e o Diácono Diego desta Diocese. Pe. Thiago iniciou o encontro com uma boa meditação destacando a ne- cessidade de levar a sério o encontro e o cuidado com o silêncio. Conven- ceu a todos a ficarem atentos para as três referências: recolher-te, encon- trar Deus em ti e escutar. Ainda na primeira noite foi celebrada a Santa Missa e a meditação: “Uma revisão de vida”, voltado para vida de oração do casal e vida em família. No sábado após as orações da manhã e meditação, o Diácono Diego nos levou a meditar sobre a “infância espiritual” focando a Eucaristia como fonte e o ápice da Igreja. Todo o sá- POR: SÔNIA E OSVANDO Equipe 06 - Nossa Senhora das Graças Retiro anual bado transcorreu com normalidade e pode-se notar o interesse e a aten- ção dos equipistas motivados pelas conferências, meditações, orações, confissões, terços e Via Sacra. O en- cerramento neste dia se deu com a Adoração ao Santíssimo Sacramento do Altar. No domingo participamos, já no primeiro momento, da meditação com Pe. Thiago na capela e em segui- da as Laudes, seguida de uma santa meditação e do dever de sentar-se nos jardins do convento com ques- tões objetivas que nos levaram a re- fletir sobre o matrimônio, a família e a vida em equipe. O retiro encerrou no domingo com uma motivada celebração Eucarística com a benção das alianças e a reno- vação do Sacramento do Matrimônio. Numa breve avaliação geral, além dos casais do setor terem cumprido este essencial PCE, ficou clara a sa- tisfação humana, pessoal e espiritual em cada equipista. Afinal, os objeti- vos foram alcançados, como sempre, com a misericordiosa graça de Deus. Bodas de Ouro no salão da Paróquia São Sebastião. O objetivo foi reforçar a unidade do Mo- vimento, angariar recursos financeiros para contribuir com os casais equipis- tas na participação do Retiro anual.
  14. 14. 14 Maria e José Queiroz - Equipe 5A .Boa No dia 01 de junho completamos vinte e cinco anos de casados. Neste espaço de tempo vivemos com muito amor, empenho, sacrifícios e desafios. Destes vinte cinco anos, dezesseis foram vividos participando do Movi- mento das Equipes de Nossa Senhora. Quantas graças recebemos! Quanto nos ajudou o movimento nesta cami- nhada de vida a dois! Quanto ainda es- tamos aprendendo, crescendo e apri- morando nossa vida espiritual! O nosso casamento foi algo natural, inevitáveldiantedoamordedicadoque sempre tivemos em relação ao outro. A felicidade proveniente deste amor é algo ainda maior, pois foi construída no nosso dia-a-dia, com base num esfor- ço solidário e comum que se nota cada vez mais raro hoje em dia, visto que nem todos os casais são capazes de enfrentar com esperança e dignidade as dificuldades que surgem pelo cami- nho. Nós tivemos sempre a esperança e a coragem. Tivemos sempre a digni- dade de discutirmos as nossas angús- tias, incertezas e desesperos. Por isso, apesar de todas as pedras que tivemos pelo caminho, tudo tem valido a pena. Muitas das pedras que surgiram como obstáculos acabaram a revelar-se pe- dras preciosas; melhor dizendo, apren- demos muito com as dificuldades. Temos a certeza que continuare- mos sendo abençoados por Deus e que Nossa Senhora sempre estará nos abençoando, protegendo e ilu- minando nosso matrimônio. Bodas de Prata - Eliane e Wilson ELIANE E WILSON Equipe 06, Nossa Senhora das Graças Em cada etapa da vida vivemos um tempo de venturas e aventuras, alegrias e tristezas, encontros e de- sencontros. E cada uma traz sempre aprendizagens importantes para con- tinuar a viver com mais sabedoria e discernimento. As Comunidades Nossa Senho- ra da Esperança, tem como objetivo ajudar as viúvas(os) e pessoas sós, resgatando-lhes a uma realidade que lhes faz ver que “não estão mais tão sós”. Pretendemos dar destaque, hoje, ao testemunho de D. Maria Al- ves Barbosa que se encontra nessa situação e pode ajudar a outras pes- soas que vivem situação semelhante. “Sou Maria Alves Barbosa, nasci em Araguari no dia 25 de março de 1919, dia da Anunciação do Anjo Ga- briel à Virgem Maria. Meus pais Rafa- el Antônio Alves, funcionário público e minha mãe Altina Gomes Alves, do lar, pais de seis filhos sendo eu a única mulher. Casei-me em Araguari, com Luiz Barbosa, em 15 de novembro de 1950, nascendo dessa união três filhos, seis netos e com muita alegria aguardando a chegada da primeira MIRIAN E JOEL Casal Coordenador Local - CNSE “Não mais tão sós!” bisneta. Funcionária pública, aprova- da no primeiro concurso federal do Brasil. Com o curso normal concluído, novamente aprovada para preencher quadros de funcionários. Sempre tra- balhei na área da educação: professo- ra, vice-diretora e diretora. Aposentei-me em 1973 e nos mu- damos para Goiânia para que nossos filhos pudessem concluir os estudos. Luiz e eu vivemos o sacramento do matrimônio durante 49 anos, quando ele veio a falecer em 12/12/1999. En- quanto mais jovem, depois da viuvez vivi independente a minha vida. Pas- seios, viagens, aniversários de amigas enfim... Com a idade mais avançada, mi- nha filha, apesar da minha resistên- cia, levou-me para morar com ela. Foi quando aconteceu o “milagre”. Em um dia, na missa, uma vizinha amiga, Silvia Velludo, convidou-me para par- ticipar da Comunidade Nossa Senho- ra da Esperança. Aceitei sem vacilar. Foi para mim uma luz Divina, porque ali reencontrei a alegria de viver. Co- mecei a participar das reuniões “sen- tindo-me imensamente feliz.” No grupo passamos a entender e aceitar melhor as nossas perdas. Com o ca- rinho das irmãs, orientadoras espiri- tuais e um casal coordenador tem- porário, nossas reuniões tornam-se enriquecidas com meditações da palavra de Deus, partilha sobre um tema e a co-participação momento de ajuda, respeito e fraternidade en- tre as participantes. Gostaria de convidar a todas as amigas viúvas, solteiras idosas, e pes- soas sós que venham se juntar a nós para saborearmos juntas dessa graça que Deus nos deu. Agora uma palavrinha aos casais de bom coração. Precisamos de vo- cês para que o movimento cresça. Casais espiritualizados, animados e alegres que nos ajudem a viver bem nosso estado de vida. Façam uma ex- periência e sejam felizes! Na certeza de que Nossa Senhora da Esperança vai nos conduzir e abençoar sempre, deixo um grande abraço a todos”.
  15. 15. 15 Notícias SETOR URUAÇU Retiro O retiro realizado em 20 e 21 de junho foi um mo- mento ímpar em nossas vidas e o Senhor usou carinho- samente o CE Pe. Franciel para falar ao nosso coração, focando na família. Fomos convidados a visitar a família de Nazaré, para, a partir de seu exemplo, poder analisar como fazer do nosso lar, uma família mais semelhante à família de Nazaré, vivendo o respeito, a compreensão, o perdão e vivenciando a religião. Contemplando então a família de Nazaré, fomos enxertados da certeza de que “A família que tem seu alicerce na fé, cresce na fé”. A Igreja nos oferece os meios para cuidarmos da Vida Di- vina em nós. Como sugestão para dedicarmos mais a nossa família o padre nos fez um convite: Reservar um dia para viver em família – rezar juntos, viver o dom da fé. Criar um tempo para Deus em nosso lar. Deus seja louvado por tanto amor para conosco. II Jantar dançante Aconteceu dia 23/05 com a presença de muita gente alegre, o jantar que foi animado pelo som do forró! Reunião de Informação de Pilotagem Realizada no dia 27/06. Casais amados por Deus, sejam bem-vindos às Equipes de Nossa Senhora! Novena Realizada nos dias de 17 a 26/07 a grandiosa Novena em Louvor a Senhora Sant’Anna, na Paróquia Santana. Di- versas pastorais e membros das ENS trabalharam com mui- to amor e dedicação. Uma noite abençoada No dia 07/08 aconteceu uma noite abençoada para as ENS e Pastoral Familiar juntamente com Frei Bruno Varia- no, da Terra Santa, onde aprendemos um pouco “Na Es- cola de Nazaré...”. Início de Pilotagem Nos dias 11 e 24/08 foram realiza- das as reuniões iniciais com duas equi- pes novas que iniciarão a caminhada rumo à santidade. Semana da Família Dos dias 16 a 23/08 foi comemorada a Semana da Família - Testemunhando o amor conjugal junto às fa- mílias dos diversos setores da cidade. Formação para Casal Piloto Dia 26/08 – Um convite especial a todos os casais equipistas na Paróquia São Sebastião realizado às 19h. É o próprio Cristo que diz: Vem e Segue-me.
  16. 16. 16 Setor Anápolis Holinda e José Eloy czeloy@yahoo.com Setor A Goiânia Janaína e Rigonato rigonatto@faeg.org.br Setor B Goiânia Vera e Luiz Antônio veraeluizantonio@gmail.com Setor Uruaçu Lúcia e Nivaldo mlmso31@hotmail.com Equipe de Comunicação Lázara e Edison Eq. 2A - Goiânia sulinop@gmail.com Gislana e José Gabriel Eq. 7B - Goiânia gislanacanedo@hotmail.com Vera Lúcia e Ivo Eq. 4 - Anápolis sscotivera@yahoo.com.br Daniella e Michel Eq. 7 - Água Boa dani.buzaim@gmail.com Marcia e Girlan Eq. 1 - Uruaçu marciaegirlan.ens.pv@hotmail.com Diagramação: Vitor H. Rocha vhbr@msn.com Jornalista Responsável: Vitor H. Rocha JP-GO 01309 Tiragem: 1.000 exemplares JORNAL ENSANTIDADE Ano 6, nº 21 - Jul/Ago/Set 2015 Colegiado da Região Goiás Centro Casais Responsáveis: Regional: Débora e Marquinho deboralemosmaia@gmail.com Setor Águas Boa Maristela e Telmino mariste_m@hotmail.com EXPEDIENTE com a graça de Deus deram o “sim” para assumir a missão de Casal Res- ponsável do Setor Anápolis – Mari- leide e Renato e Casal Responsável do Setor B-Goiânia Terezinha e Alan. Esta responsabilidade é por 3 anos e os casais serão empossados durante o Encontro Provincial que acontecerá entre os dias 16 e 18/10 em Goiânia. Nossos agradecimentos e homena- gens aos Casais Holianda/José Eloy e Vera/Luiz Antônio e suas equipes de Setor, que encerram esta missão, e com muita dedicação e amor conse- Novos Responsáveis de Setor A Região Goiás Centro comunica a finalização do processo de discer- nimento, realizado recentemente, e guiram manter o movimento pulsan- te nos Setores Anápolis e Goiânia-B. Nossas orações e apoio às novas equipes que iniciam essa jornada. SETEMBRO 12 e 13 Retiro aberto em Goiânia na Casa das Irmãs Franciscanas dos Pobres 18 Reuniões Mistas - Interequipes em Anápolis 21 Formação para SCE 01 a 30 Reuniões Mistas - Interequipes em Uruaçu 26 e 27 Encontro de Equipes Novas em Goiânia na Casa das Irª Franciscanas dos Pobres OUTUBRO 16 a 18 Encontro provincial em Goiânia 23 a 26 Reuniões Mistas - Interequipes em Goiânia e Água Boa 01 a 31 Escolha dos novos CRE para 2016 para todas as equipes NOVEMBRO 07 e 08 Sessão de formação nível I em Uruaçu 14 Confraternização SCE/AET em Anápolis 20 a 23 Reuniões horizontais (CL + equipes ligadas) em Goiânia 27 Missa de posse CRE/2016 em Anápolis 28 Pré-EACRE novos CRE em Goiânia em Goiânia, Água Boa e Uruaçu. 29 Missa de posse CRE/2016 em Uruaçu DEZEMBRO 01 Missa posse CRE/2016 em Água Boa e Goiânia 08 Pré-EACRE em Anápolis

×