Ciber.Comunica 5.0 Unijorge <ul><li>Cultura e tecnologia na abordagem  </li></ul><ul><li>do Ministério da Cultura. </li></...
Objetivo Entender de que forma a relação entre cultura e tecnologia é relevante na formulação de políticas para o campo da...
Diagnósticos e desafios: - Ampliar o uso dos meios digitais de expressão e acesso à cultura e ao conhecimento;  - Promover...
Plano Nacional de Cultura Estratégias gerais : 1. Fortalecer a ação do Estado no planejamento e na execução das políticas ...
Estratégias gerais: 2. Incentivar, proteger e valorizar a diversidade artística e cultural brasileira: Modernização tecnol...
Estratégias gerais 3. Universalizar o acesso dos brasileiros à fruição e à produção cultural: Apoiar a elaboração de uma p...
Estratégias gerais: 4. Ampliar a participação da cultura no desenvolvimento socioeconômico sustentável: Implementar inicia...
Estratégias gerais: 5. Consolidar os sistemas de participação social na gestão das políticas culturais Construir um sistem...
 
Programa Cultura Viva “ Trata-se, pois, de um programa flexível, que se molda à realidade, em vez de moldar a realidade. U...
<ul><li>Conceito de política: democrática e participativa, Estado enquanto assegurador dos direitos dos cidadãos; </li></u...
<ul><li>Público-alvo: comunidades tradicionais, comunidades periféricas e jovens; </li></ul><ul><li>Atores sociais: Estado...
<ul><li>Acionamento do Sistema Cultural: todas as etapas, com ênfase na produção, fruição e difusão; </li></ul><ul><li>-  ...
 
Pontos de Cultura <ul><li>“ Cada Ponto de Cultura será um amplificador das expressões culturais de sua comunidade. Onde se...
<ul><li>Quem são? </li></ul><ul><li>O que fazem? </li></ul><ul><li>Como fazem? </li></ul><ul><li>Para quem? </li></ul><ul>...
<ul><li>Quem são? </li></ul><ul><li>-  Instituições públicas governamentais (universidades, fundações); </li></ul><ul><li>...
<ul><li>O que fazem? </li></ul><ul><li>Teatro </li></ul><ul><li>Dança </li></ul><ul><li>Música </li></ul><ul><li>Cinema </...
<ul><li>Como fazem? </li></ul>Pontos de Cultura A metodologia é por conta das instituições e grupos, cada um desenvolve as...
<ul><li>Para quem? </li></ul><ul><li>Crianças </li></ul><ul><li>Adolescentes </li></ul><ul><li>Jovens </li></ul><ul><li>Id...
Casa das Fases Londrina - PR
Apiwtxa Marechal Thaumaturgo - AC
<ul><li>Com qual recurso? </li></ul><ul><li>R$ 180 mil  </li></ul>Pontos de Cultura
<ul><li>Por quanto tempo? </li></ul><ul><li>Convênio dura 3 anos, mas... </li></ul>Pontos de Cultura
 
Ação Cultura Digital <ul><li>Kit multimídia -  R$ 30 mil em equipamentos: </li></ul><ul><li>1 Impressora laser </li></ul><...
<ul><li>Softwares livres </li></ul><ul><li>Metareciclagem </li></ul><ul><li>Flexibilização dos Direitos Autorais </li></ul...
Referências BARBALHO, Alexandre. Política cultural. In: RUBIM, Linda. Organização e produção da cultura. Salvador, EDUFBA,...
<ul><li>Obrigada! </li></ul>[email_address]
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cultura e tecnologia na abordagem do Ministério da Cultura - Alice Lacerda

1.999 visualizações

Publicada em

Cultura digital como política pública - Palestra realizada no dia 12 de maio de 2010 no Ciber Comunica 5.0 sobre Ciber Democracia por Alice Lacerda.

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.999
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
696
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
34
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Relevância do tema diante da escassez de estudos na área de Políticas Culturais e pela importância em estabelecer alguns marcos teórico-conceituais para os estudos em políticas culturais. Diante de um histórico no país marcado pela Ausência, autoritarismo e instabilidade das políticas culturais como assinala RUBIM em “Políticas Culturais no Brasil: tristes tradições, enormes desafios” Por estarmos vivendo um momento privilegiado das políticas culturais pelo Estado no país com a Gestão iniciada pelo Ministro Gilberto Gil e continuada pelo Ministro Juca Ferreira.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Se quisermos UM MODELO DE CRESCIMENTO AUTO-SUSTENTADO ONDE PREVALEÇA harmonia entre a lógica do simbólico e a razão do mercado, respeitando o patrimônio natural e o patrimônio cultural, tanto material quanto imaterial QUE OBJETIVE a redução das desigualdades locais, regionais e mundiais; A partir de um MODELO DEMOCRÁTICO DE DECISÕES.
  • Cultura e tecnologia na abordagem do Ministério da Cultura - Alice Lacerda

    1. 1. Ciber.Comunica 5.0 Unijorge <ul><li>Cultura e tecnologia na abordagem </li></ul><ul><li>do Ministério da Cultura. </li></ul><ul><li>A Ação Cultura Digital. </li></ul><ul><li>2010 </li></ul>
    2. 2. Objetivo Entender de que forma a relação entre cultura e tecnologia é relevante na formulação de políticas para o campo da cultura no Brasil por parte do Estado (MinC).
    3. 3. Diagnósticos e desafios: - Ampliar o uso dos meios digitais de expressão e acesso à cultura e ao conhecimento; - Promover a presença da diversidade cultural e regional nos meios de comunicação e fortalecer a televisão pública brasileira; - Reconhecer a inovação científica e tecnológica como valor estratégico para a cultura; Plano Nacional de Cultura
    4. 4. Plano Nacional de Cultura Estratégias gerais : 1. Fortalecer a ação do Estado no planejamento e na execução das políticas culturais; Modernizar infra-estrutura, digitalizar arquivos, ligar instituições publicas em rede; Papel regulamentador e legislador do Estado no campo das tecnologias, principalmente no que se refere a produção e difusão de conteúdos culturais
    5. 5. Estratégias gerais: 2. Incentivar, proteger e valorizar a diversidade artística e cultural brasileira: Modernização tecnológica das estruturas burocráticas; Disponibilidades de acervos culturais na internet; Mapeamento da cadeia produtiva das artes digitais; Inserção de conteúdos tradicionais em mídias tecnológicas. Plano Nacional de Cultura
    6. 6. Estratégias gerais 3. Universalizar o acesso dos brasileiros à fruição e à produção cultural: Apoiar a elaboração de uma política pública de acesso veloz e gratuito à internet nos municípios brasileiros, de modo a garantir a todos acesso às tecnologias de comunicação e informação. Instituir programas para a manutenção de rede de equipamentos digitais de acesso público em espaços como telecentros, lan-houses, bibliotecas multimídias, escolas, museus e centros culturais, entre outros; Estimular a utilização da internet para o compartilhamento de conteúdos audiovisuais que possam ser utilizados livremente por instituições comunitárias. Plano Nacional de Cultura
    7. 7. Estratégias gerais: 4. Ampliar a participação da cultura no desenvolvimento socioeconômico sustentável: Implementar iniciativas de capacitação e fomento ao uso de meios digitais de registro, produção e difusão cultural. (apropriação social das tecnologias); Fomentar a aquisição de computadores, programas e serviços de navegação para uso artístico/cultural (grupos tradicionais e populares); Fomentar o desenvolvimento de “softwares” livres e públicos para a produção, a difusão e a gestão da cultura; Realizar programa de prospecção e disseminação de modelos de negócios para o cenário de convergência digital, com destaque para os segmentos da música, dos jogos eletrônicos e da televisão digital. Plano Nacional de Cultura
    8. 8. Estratégias gerais: 5. Consolidar os sistemas de participação social na gestão das políticas culturais Construir um sistema de gestão compartilhada e em rede para as políticas de cultura intersetoriais relacionadas à educação, à ciência e tecnologia, ao turismo, ao meio ambiente, à previdência e às demais áreas, de modo a ampliar a participação social no monitoramento, avaliação e revisão de programas, projetos e ações. Plano Nacional de Cultura
    9. 10. Programa Cultura Viva “ Trata-se, pois, de um programa flexível, que se molda à realidade, em vez de moldar a realidade. Um programa que será não o que o governante pensa ser certo ou adequado, mas o que o cidadão deseja e consegue tocar adiante. Nada de grandioso, certamente. Mas sua multiplicação integrada, com banda larga e sites, emissoras de TV e rádio comunitárias, programas na TV pública e jornais comunitários, deve produzir uma revolução silenciosa no País, invertendo o fluxo do processo histórico. Agora será da periferia à periferia: depois, ao centro.” (Discurso do Min. Gilberto Gil em Berlim, Alemanha, 2006.)
    10. 11. <ul><li>Conceito de política: democrática e participativa, Estado enquanto assegurador dos direitos dos cidadãos; </li></ul><ul><li>Conceito de cultura: cultura na sua concepção ampliada, conceito antropológico de cultura. Conceito de cultura enquanto direito. </li></ul>Programa Cultura Viva
    11. 12. <ul><li>Público-alvo: comunidades tradicionais, comunidades periféricas e jovens; </li></ul><ul><li>Atores sociais: Estado (em todas as esferas) e sociedade civil na sua forma organizada. </li></ul>Programa Cultura Viva
    12. 13. <ul><li>Acionamento do Sistema Cultural: todas as etapas, com ênfase na produção, fruição e difusão; </li></ul><ul><li>- Objetivos e Metas </li></ul><ul><li>Formulações e Ações </li></ul>Programa Cultura Viva
    13. 15. Pontos de Cultura <ul><li>“ Cada Ponto de Cultura será um amplificador das expressões culturais de sua comunidade. Onde se faz música, haverá um estúdio de gravação digital, com capacidade para gravar, fazer uma pequena tiragem de CDs e botar na Internet o que foi gravado. Onde se faz vídeo, cinema ou televisão comunitária, haverá um estúdio de vídeo digital, com câmera, ilha de edição, microfones e mala de luz. E mais: dança teatro, leitura, artes visuais, web, enfim, o que a comunidade quiser e puder, ousar e fizer, sonhar e materializar.” </li></ul><ul><li>(Discurso do Min. Gilberto Gil em Berlim, Alemanha, 2006.) </li></ul>
    14. 16. <ul><li>Quem são? </li></ul><ul><li>O que fazem? </li></ul><ul><li>Como fazem? </li></ul><ul><li>Para quem? </li></ul><ul><li>Com qual recurso? </li></ul><ul><li>Por quanto tempo? </li></ul>Pontos de Cultura
    15. 17. <ul><li>Quem são? </li></ul><ul><li>- Instituições públicas governamentais (universidades, fundações); </li></ul><ul><li>- Organizações sociais (sindicatos, associações, cooperativas); </li></ul><ul><li>- Movimentos Sociais (MST, LGBT, anti-manicominial); </li></ul><ul><li>Organizações não-governamentais ONGs e OSCIPs; </li></ul><ul><li>- Grupos étnicos; </li></ul>Pontos de Cultura
    16. 18. <ul><li>O que fazem? </li></ul><ul><li>Teatro </li></ul><ul><li>Dança </li></ul><ul><li>Música </li></ul><ul><li>Cinema </li></ul><ul><li>Vídeo </li></ul><ul><li>Cursos </li></ul><ul><li>Oficinas </li></ul>Pontos de Cultura
    17. 19. <ul><li>Como fazem? </li></ul>Pontos de Cultura A metodologia é por conta das instituições e grupos, cada um desenvolve as ações de acordo com as metodologias já utilizadas ou apresentam propostas de novas metodologias.
    18. 20. <ul><li>Para quem? </li></ul><ul><li>Crianças </li></ul><ul><li>Adolescentes </li></ul><ul><li>Jovens </li></ul><ul><li>Idosos </li></ul><ul><li>Mulheres </li></ul><ul><li>Indígenas </li></ul><ul><li>Quilombolas </li></ul>Pontos de Cultura
    19. 21. Casa das Fases Londrina - PR
    20. 22. Apiwtxa Marechal Thaumaturgo - AC
    21. 23. <ul><li>Com qual recurso? </li></ul><ul><li>R$ 180 mil </li></ul>Pontos de Cultura
    22. 24. <ul><li>Por quanto tempo? </li></ul><ul><li>Convênio dura 3 anos, mas... </li></ul>Pontos de Cultura
    23. 26. Ação Cultura Digital <ul><li>Kit multimídia - R$ 30 mil em equipamentos: </li></ul><ul><li>1 Impressora laser </li></ul><ul><li>7 Microfones (lapela) </li></ul><ul><li>1 Amplificador </li></ul><ul><li>1 Mesa de som </li></ul><ul><li>1 Câmera fotográfica e outra filmadora digital </li></ul><ul><li>3 Computadores </li></ul><ul><li>1 Escaner de mesa... </li></ul>
    24. 27. <ul><li>Softwares livres </li></ul><ul><li>Metareciclagem </li></ul><ul><li>Flexibilização dos Direitos Autorais </li></ul>Ação Cultura Digital
    25. 28. Referências BARBALHO, Alexandre. Política cultural. In: RUBIM, Linda. Organização e produção da cultura. Salvador, EDUFBA, 2005. COELHO, Teixeira. Dicionário crítico de política cultural. São Paulo, Iluminuras / FAPESP, 1997. CULTURA, Ministério da. Caderno “Diretrizes Gerais para o Plano Nacional de Cultura”. Brasília, agosto de 2008. www.cultura.gov.br/pnc GIL, Gilberto. Pronunciamento sobre o Programa Cultura Viva. Berlim, Alemanha, Setembro de 2004. FOINA, Ariel G., FREIRE, Alexandre, FONSECA, Felipe. O Impacto da Sociedade Civil (des)Organizada: Cultura Digital, os Articuladores e Software Livre no Projeto dos Pontos de Cultura do MinC. 2006. MATO, Daniel (org.) Cultura, política y sociedad. Perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires, CLACSO, 2005. RUBIM, Antonio Albino Canelas. Políticas culturais: entre o possível e o impossível. In: NUSSBAUMER, Gisele (org.) Teorias & políticas da cultura. Salvador, EDUFBA, 2007, p.139-158. ______ Políticas culturais no Brasil: tristes tradições, enormes desafios. Salvador, 2007.
    26. 29. <ul><li>Obrigada! </li></ul>[email_address]

    ×