SlideShare uma empresa Scribd logo
6
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES
CENTRO DE ESTUDOS LATINO AMERICANOS SOBRE CULTURA E COMUNICAÇÃO
Música na Tecnocultura
A interface do Spotify como suporte e seus
processos de hibridação
Marcus Vinícius Leonel
Março de 2017
Trabalho de conclusão de curso apresentado como requisito parcial para obtenção do título de
Especialista em Mídia, Informação e Cultura sob orientação do (a) Prof. Dr. Vinícius Romanini
7
8
Música na Tecnocultura: A interface do Spotify como suporte e
seus processos de hibridação.
Vinícius Leonel1
RESUMO
A chegada da era digital trouxe velocidade no trânsito de informação, novas
técnicas para a reprodução de música, e a incapacidade do ser-humano em
consumir tudo o que é produzido. Daí surgem as interfaces gráficas e os agentes
virtuais organizando e antecipando necessidades do ser-humano. À medida que
essas informações são controladas por empresas globais há como
questionamentos: de que modo o sujeito constrói sua realidade a partir da
recepção de conteúdos e fontes criados com fins mercadológicos; até que ponto
temos o controle sobre as plataformas de música streaming – que se estende à
do entretenimento e informação como um todo; e até que ponto os oligopólios
conduzem e se apropriam do processo de hibridação. Busca-se avaliar a
intersecção entre os novos paradigmas de distribuição, produção, e consumo de
música via as plataformas streaming.
Tecnocultura, Hibridismo, Música e Internet, Streaming, Indústria Fonográfica,
Spotify
ABSTRACT
The arrival of the digital age has brought speed in the transit of information, new
techniques for the reproduction of music, and the inability of the human being to
consume everything that is produced. Hence arise the graphical interfaces and
the virtual agents organizing and anticipating human needs. As this information
is controlled by global companies, there are questions: how does the subject
construct its reality from the reception of contents and sources created for
marketing purposes; How far we have control over the platforms of music
streaming - that extends to the entertainment and information as a whole; And
to what extent oligopolies lead and appropriate the hybridization process. The
research evaluates the intersection between the new paradigms of distribution,
production, and music consumption via streaming platforms.
Technology, Hybridism, Music and Internet, Streaming, Phonographic Industry,
Spotify
RESUMEN
1
Graduado em Comunicação Social com ênfase em Comunicação Mercadológica pela Universidade
Metodista de São Paulo e Especialista em Marketing Digital pela Internet Innovation. Empreende na
Espalha Cultura, agência de comunicação cultural e mídias sociais para músicos.
9
La llegada de la era digital trajo velocidad en el tránsito de información, nuevas
técnicas para la reproducción de música, y la incapacidad del ser humano para
consumir todo lo que se produce. De ahí surgen las interfaces gráficas y los
agentes virtuales organizando y anticipando necesidades del humano. A
medida que esas informaciones son controladas por empresas globales hay
como cuestionamientos: de qué modo el sujeto construye su realidad a partir
de la recepción de contenidos y fuentes creadas con fines mercadológicos;
Hasta qué punto tenemos el control sobre las plataformas de música streaming
- que se extiende a la del entretenimiento e información como un todo; Y hasta
qué punto los oligopolios conducen y se apropia del proceso de hibridación. La
investigación evalúa la intersección entre los nuevos paradigmas de
distribución, producción, y consumo de música a través de las plataformas
streaming.
Tecnología, Hibridismo, Música e Internet, Streaming, Industria Fonográfica,
Spotify
10
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO 13
2. TECNOCULTURA 15
3. REPRODUTIBILIDADE TÉCNICA 16
4. INTERFACE E ANTOLOGIA DA CULTURA DIGITAL 18
5. PROCESSOS DE HIBRIDAÇÃO 24
5. A INDÚSTRIA FONOGRÁFICA E SEUS MECANISMOS DE CONTROLE 31
6. SPOTIFY E A PENETRAÇÃO GLOBAL 35
7. SPOTIFY: ANÁLISE DA INTERFACE COMO SUPORTE 36
7.1 As playlists, O agente invisível, e suas sugestões de conduta 36
7.2 Estratégias de centralização 38
7.3 Interface hegemônica e Estetização 39
7.4 Operações de transnacionalização 40
7.5 Operações de desterritorialização e hibridismo 43
8. CONSIDERAÇÕES FINAIS 44
9. REFERÊNCIAS 48
10. APENDICES 53
10.1 - APENDICE A – Tela da Interface e mecanismos de descobertas 53
10.2 - APENDICE B – Mecanismos de Centralização, análise de Hiperlinks 56
10.3 - APENDICE C – Mecanismos de transnacionalização 60
10.4 - APENDICE D – Antologias inadequadas 62
11. ANEXOS 64
11.1 - Anexo 1 – Principais serviços de Streaming no Brasil 64
11.2 - Anexo 2 – Uso do Spotify por dispositivos móveis no mundo 64
11
12
Agradecimentos,
Aos amigos que corresponderam telepaticamente.
À família que apoiou e acompanhou as diversas mudanças de hábitos.
Ao meu marido Guilherme Kastrup pela ajuda e paciência geral.
Ao orientador Vinícius Romanini e avaliadoras que contribuíram para um artigo
mais sintético.
Às bandas e artistas que contribuíram com dados e investimentos,
possibilitando maior proximidade do objeto ao longo da pesquisa.
Aos pensadores orgânicos e passantes que encontrei nessa jornada
transformadora.
13
1. INTRODUÇÃO
Thomas Edison ao inventar o fonógrafo nos anos de 1880 tinha
como objetivo inicial criar um equipamento capaz de armazenar memórias
sonoras. Queria obter um registro que transitasse e pudesse ser revivido pelos
escombros do espaço-tempo. Seu uso era imaginado pelo inventor para diversas
funções pessoais e afetivas: a gravação de conversas telefônicas, a
correspondência de cartas por mensagens de voz, as últimas palavras de um
ente que está para morrer. Também era visionário em relação ao poder que a
invenção detinha ao ser utilizada no campo da educação: livros fonográficos
dedicados a deficientes visuais; ensino de idiomas e aprimoramento da dicção;
gravação e consulta de conteúdo dado em sala de aula, aumentando a
capacidade de aprendizado do aluno.
Edison não previu em sua época e nem patenteou o uso do
fonógrafo e cilindro para fins de entretenimento. Rapidamente a indústria
cultural, mais especificamente a fonográfica, brilhou os olhos sobre as
possibilidades comerciais que havia naquela invenção. Tão logo a música
deixava de ocupar apenas as salas de concertos para ser comercializada e
materializada em cilindros, e ao longo do tempo, em vinil, em fita k7, no CD Rom,
e atualmente desmaterializada no MP3 e no streaming.
O aprimoramento das técnicas de reprodução, a possibilidade de
copias infinitas permitidas pela descoberta do número binário, o bit, fez com que
a música passasse de um modelo de escassez para um modelo baseado na
abundância e gratuidade2. Com ações antipirataria e financiamento da
publicidade, os oligopólios parecem viver num cabo de guerra com os
movimentos contra hegemônicos. Oligopólios ganham força também através de
fator estético e arquitetônico oferecidos com a interface gráfica, que organiza
acervos e criam uma ordem na navegação e nos processos de descobertas do
usuário. A decorrência disso é uma imposição mecânica sobre nossas vidas no
modo como consumimos música, alterando os processos culturais, a
compreensão da diversidade, as experiências estéticas, e a noção do real e da
2
CRUZ, 2014, pg. 97
14
simulação distorcidos pela midiatização. Chegamos ao ápice desta investigação:
como é organizada e qual é o papel da música na tecnocultura?
A partir disso, há como questionamentos: de que modo o sujeito
constrói sua realidade a partir da recepção de conteúdos e fontes criados com
fins mercadológicos; até que ponto as tecnomediações interferem no consumo
e produção para as plataformas de música streaming – que se estende à do
entretenimento e informação como um todo; e até que ponto os oligopólios
induzem este repertório apenas aos interesses comerciais globalizantes. Em
resumo, busca-se avaliar a intersecção entre os novos paradigmas de
distribuição, produção, e consumo de música via as plataformas streaming.
Com o método de pesquisa exploratório e teórico, analiso a
interface da plataforma de música streaming Spotify, apontando algumas ações
reprodutiivistas oriundas da interface hegemônica, de dominação do ciberespaço
e do avanço do neoconservadorismo ou capital da informação. Para embasá-la
são utilizados conceitos teóricos de Muniz Sodré, Steven Johnson, Vinícius
Romanini, Nestor García Canclini, e outros autores, que como ponto em comum,
discutem as relações entre tecnologia, sociedade, e processos culturais.
O artigo também pretende ser complementar à pesquisa de
doutorado de Leonardo Cruz, que trata das arquiteturas de controle da indústria
fonográfica a partir dos eixos de direitos autorais e da economia da atenção.
Aqui, a continuidade é dada a partir dos eixos de controle da interface e de seus
processos de hibridação.
O artigo se estrutura da seguinte forma: primeiro discute-se a
condição da informação na tecnocultura. Na segunda parte relaciona-se os
conceitos de interface com os processos de hibridação, sob os eixos de
desterritorialização e transnacionalização na ótica do objeto de estudo. Na
terceira são apontadas estratégias de controle e sustentação dos oligopólios. E
por fim, são colocadas algumas reflexões a respeito das produções artísticas e
formação de repertório musical.
15
2. TECNOCULTURA
Às custas das experiências bélicas e de projetos modernizantes,
tivemos um extenso processo de transformação no modo como produzimos e
consumimos a música e informação hoje, principalmente com a criação do bit, o
número binário. Graças ao eletrônico e digital conseguimos, quase na velocidade
da luz, os fragmentos tempo-espaciais que Edson obtinha pelas vias mecânicas
e analógicas. Porém, ao mesmo passo que avançamos ao uso da informação
para o conhecimento coletivo, avançamos também para um espaço de maior
vigilância e controle estabelecido pelo capital. Ao mesmo passo que obtivemos
uma infinidade de informação e músicas entregues sem interrupção, ficamos
sujeitos a distorções no modo como constituímos a realidade e o gosto quando
condicionados pela indústria cultural ou capital – esta condição é vista como um
“fenômeno midiático” da tecnocultura (SODRÉ, 2006, p. 19).
O termo tecnocultura é empregado aqui no seu sentido mais cru,
na desconstrução de seu neologismo. O tecno referindo-se à instrumentalização
(o gravador, o rádio, a plataforma streaming) e cultura às práticas sociais,
políticas, artísticas e linguísticas que traduzem o acumulo de conhecimento da
humanidade (mediada pelo ouvinte, ou musicista), sendo a conjunção da palavra
a própria articulação de seus sentidos.
Pensada efetivamente como articulação entre tecnologia e
cultura, ela não diz pura e simplesmente da tecnologia nem
pura e simplesmente da cultura, mas das apropriações e
interpretações da tecnologia na vida cotidiana, para lidar
com problemas, questões, necessidades colocadas pela
vida, em sintonia com afetos, desejos, valores e práticas
sociais. Tecnocultura se refere a uma relação que convoca
nosso olhar para as dinâmicas políticas, sociais,
econômicas, simbólicas da nossa vida cotidiana. (GOMES,
2014, p. 6)
Ao invés de trazer uma discussão epistemológica sobre o termo
tecnocultura, por considera-lo instável e bastante amplo, existindo também
divergência de apropriação entre autores que o empregam, centra-se aqui a
intersecção que há nos processos culturais à medida que novos dispositivos de
comunicação e reprodução da realidade são impostos com os interesses
mercadológicos, ou seja, quais são os novos paradigmas na produção e
16
recepção da música com sua virtualização nas plataformas streaming e o que
isso interfere na constituição do sujeito social. Pretende-se empregar
tecnocultura com base na definição que Muniz Sodré utiliza em Antropológica do
Espelho.
A tecnocultura – essa constituída por mercado e meios de
comunicação, o quarto bios – implica uma nova tecnologia
perceptiva e mental, portanto, um novo tipo de
relacionamento do indivíduo com as referências concretas e
com a verdade, ou seja, uma outra condição antropológica.
(SODRÉ, 2006, p. 23).
3. REPRODUTIBILIDADE TÉCNICA
Walter Benjamin previa a subordinação das artes na lógica
industrial ao observar o rápido aprimoramento das reprodutibilidades técnicas,
isto é, a capacidade das obras em serem copiadas e multiplicadas, para acelerar
o processo de produção da informação. Se tornam suportes da imprensa e,
posteriormente, sua própria comercialização.
Com a litografia, as técnicas de reprodução marcaram um
progresso decisivo. Esse processo, muito mais fiel – que
submete o desenho à pedra calcária, em vez de entalhá-lo
na madeira ou de gravá-lo no metal – permite pela primeira
vez às artes gráficas não apenas entregar-se ao comércio
das reproduções em série, mas produzir diariamente obras
novas. (BENJAMIN, 1961, p. 12) [...] “Reproduzem-se cada
vez mais obras de arte, que foram feitas justamente para
serem reproduzidas” (BENJAMIN, 1961, pg. 17).
Na tecnocultura a música entra numa lógica de produção fordista.
Seu tempo simbólico é sufocado em meio à massa de produção trazida com a
indústria da informação e a internet. Com o bit, alcançamos a possibilidade de
disponibilizar e ouvir centenas de músicas. Sua infinidade oriunda das técnicas
de gravação, reprodução, das cópias, compactação digital, e desmaterialização
tornam o humano incapaz de consumir tudo o que há de música gravada no
tempo natural de uma vida. Daí surgem as plataformas streaming, um novo
ambiente de realização social apresentado através das interfaces gráficas - um
espaço arquitetado para reunir acervos, organizando fluxos de dados que
facilitam a navegação do usuário na internet. Sobre as plataformas streaming:
17
Seu modelo de negócio é baseado em uma experiência de
consumo de conteúdos digitais que substitui a lógica da
compra de um disco pelo acesso a fonogramas hospedados
nas redes digitais, permitindo que seu desfrute possa ser
realizado sem que se precise baixar, arquivar e organizar
esse conteúdo em dispositivos individuais. Por essas
características, eles já foram entendidos de diversas formas:
como plataformas sociais de música (AMARAL, 2007), como
sistemas telemáticos que simulam estações de rádio (LEÃO;
PRADO, 2007), como mídias sociais de base radiofônica ou,
abreviadamente, serviços de rádio social
(KISCHINHEVSKY; CAMPOS, 2014). Na prática, podem ser
descritos como portais de consumo, promoção e circulação
de conteúdos sonoros. (KISCHINHEVSKY, VICENTE e
MARCHI, 2015, p.2)
As plataformas de música streaming é exemplo de um médium,
“um tipo particular de interação, portanto, a que poderíamos chamar de
tecnomediações – caracterizadas por uma espécie de prótese tecnológica e
mercadológica da realidade sensível”. (SODRÉ, 2006, p. 20). O usuário que a
acessa tem como propósito inicial ouvir música - antes do entretenimento, esta
é caracterizada como uma mediação simbólica, “ação de fazer ponte ou fazer
comunicarem-se duas partes” (SODRÉ, 2006, p. 20).
No intuito de ocupar-se, de obter algum tipo de companhia, o
usuário telerrealiza-se, transporta-se do show presencial para a simulação do ao
vivo, ou desvencilha-se de um suporte material, como o CD e o vinil, para
acessar um ambiente tecnologicamente criado que irá mediar esta demanda
simulando as experiências sensitivas que há no ato de ouvir música pelos rituais
analógicos.
A partir do computador, a simulação digitaliza-se (a
informação é veiculada por compressão numérica) e, nos
atuais termos tecnológicos, passamos da dominância
analógica à digital, embora os dois campos estejam em
contínua interface. Daí decorre a confirmação atual da
tecnocultura, uma cultura da simulação ou do fluxo, que faz
da “representação apresentativa” uma nova forma de vida.
(SODRÉ, 2010. Pg. 17)
Com a música nas plataformas streaming sob as condições
descritas acima, “o indivíduo é solicitado a viver muito pouco auto-reflexivamente
[...] cujo horizonte comunicacional é interatividade absoluta” (SODRÉ, 2006, p.
18
22), ou seja, um consumo exacerbado de mediações simbólicas, o sujeito em
função de uma economia da atenção3. Ao mesmo tempo que as novas
tecnologias facilitam a produção da música, emergem canais ou dispositivos
para que elas sejam organizadas. Sua produção passa a ser acelerada para
atender uma demanda social e mercadológica.
O efeito desta aceleração é a perda da autenticidade, que Benjamin
denomina por hit et nunc, ou perda da aura, o desvinculo com a história, rituais
e tradição em que a obra foi criada, a ausência da doação espiritual do artista e
sua produção. É sob este parâmetro que o autor já apontava consequências do
avanço tecnológico e seus impasses com a sociedade – a música em seu estado
midiatizado.
Desde que o critério de autenticidade não é mais aplicável à
produção artística, toda a função da arte fica subvertida. Em
lugar de se basear sobre o ritual, ela se funda, doravante,
sobre uma outra forma de práxis: a política. (BENJAMIN,
1961, pg. 17). [...] Na medida em que diminui a significação
social de uma arte, assiste-se, no público, a um divórcio
crescente entre o espírito crítico e o sentimento de fruição.
Desfruta-se do que é convencional sem criticá-lo;
(BENJAMIN, 1961, pg. 27)
4. INTERFACE E ANTOLOGIA DA CULTURA DIGITAL
Com um maior domínio sobre as reprodutibilidades técnicas o ser
humano entra num estágio incapaz de absorver o extenso volume de informação.
Carregadas de experiências estéticas fragmentadas, identidades, símbolos,
disponibilizados e produzidos diariamente para a infosfera ou ciberespaço4, a
informação ganha a interface para canalizar estes fluxos de informação.
3
O tempo de navegação do usuário se torna valioso para o mercado, uma vez, que quanto maior o
tempo de navegação na internet, maior a possibilidade de anunciantes oferecer suas mercadorias ou
conteúdo. “ (...) A cultura se torna o recurso comercial mais importante, o tempo e a atenção se tornam
a posse mais valiosa e a própria vida de cada indivíduo se torna o melhor mercado” (RIFKIN, apud:
CRUZ)
4
"O ciberespaço confunde, em uma única palavra-chave, técnica, simbolismo, natureza e sociedade”
(MUSSO, 2006, Pg. 194). É também conhecido como o cérebro-global, um ser artificial e vivo que dá
acesso às memórias depositadas por usuários, numa rede, um “conjunto de elos interconectados”
(MUSSO, 2006, Pg. 195), ligando diversas espaços territoriais do mundo à “terra incógnita” (MUSSO,
2006, Pg. 195), desterritorializada, sem fronteiras. É uma espécie de acervo da humanidade, que se
desdobra numa combinação infinita de possibilidades, com seus caminhos encurtados.
19
No sentido mais simples, de manual, diríamos que a
interface consiste em clicar um mouse em certos objetos
para ativá-los, clicar em direções para movê-los, clicar e
arrastar para interagir com eles. Sem dúvida é disso que se
trata. [...] A interface é na realidade todo o mundo imaginário
de alavancas, canos, caldeiras, insetos e pessoas
conectados — amarrados entre si pelas regras que
governam esse pequeno mundo. (JOHNSON, 2001, 223)
O homem como centro do universo, ideia internalizada há séculos
pela visão antropocêntrica, parece perder sua posição com a transição do
analógico para o digital. Numa espécie de upload5, que desfragmenta e transfere
arquivos digitais para o ciberespaço, estamos a carregar hábitos, condutas,
linguagens, e a própria razão, considerada até então exclusividade da espécie
humana. Passamos a conviver com híbridos de homem e máquina.
No ciberespaço, o território não existe. O território rugoso,
resistente é apagado. Subsiste apenas um espaço liso,
fluido, de circulação [...] esse espaço de rede se
desenvolvendo sem fim é híbrido, meio humano, meio
máquina: ele liga homens e máquinas, indistintamente,
porque as redes são ora organismos, ora artefatos.
(MUSSO, 2006, Pg. 196)
Para que a revolução digital acontecesse de fato, seria preciso que
a comunicação entre homem e microprocessador se tornasse fluida e empática,
onde a própria interface gráfica se tornasse “um meio de comunicação. Não mais
um ponto de intersecção inerte e misterioso entre usuário e microprocessador”
(JOHNSON, 2001, p. 54). Inicialmente a interface era imaginada “como um
ambiente, um espaço a ser explorado” (JOHNSON, 2001, p. 32), mas ela evoluiu
e agregou agentes virtuais.
“em vez de espaço, aqueles zeros e uns são organizados
em algo mais próximo de um indivíduo, com um
temperamento, uma aparência física, uma aptidão para
aprender — o computador como personalidade, não como
espaço. Chamamos essas novas criaturas — essas
"personalidades" digitais — de agentes. (JOHNSON, 2001,
p. 161)
5
Upload é um termo da língua inglesa com significado referente à ação de enviar dados de um
computador local para um computador ou servidor remoto, geralmente através da internet.
(SIGNIFICADOS, 2017)
20
Percebemos até aqui mudanças de paradigmas no modo como se
armazena e consome música. Trocamos o suporte material como o CD e o Vinil,
para a interface gráfica. Àqueles se tornam objetos colecionáveis. A interface se
torna o novo suporte da música na tecnocultura, imaterial e descolecionável. É
nesta condição, que passamos a conviver com agentes inteligentes capazes de
operar tarefas diárias filtrando informações hipoteticamente relevantes.
Imagine um futuro no qual seu agente de interface vai poder
ler todos os jornais e captar todos os noticiários de tv e rádio
do planeta, construindo a partir daí um sumário
personalizado para você. Esse tipo de jornal terá uma
tiragem de uma única cópia. (NEGROPONTE, 1995, 147)
Na mesma linha do exemplo dado pelo Negroponte, temos hoje nas
plataformas streaming, agentes que “escutam” músicas para o usuário, e
montam uma playlist ou uma rádio personalizada.
Na história da interface, a escrivaninha foi a analogia principal para
dar sentido ao que conhecemos como Desktop, ou área de trabalho. Com os
agentes virtuais, a analogia partiu com o uso do termo "mordomos". Inicialmente
foi colocado pela Apple e pela Microsoft como um ser submisso do homem. Um
mordomo sempre em prontidão para atender os desejos de seu "chefe" na forma
mais rápida e assertiva possível.
Nos anos 80, o agente era de fato ilustrado como um mordomo (O
Jeeves pela Apple e o Bob da Microsoft)6, mas nos anos 90, entra em desuso a
metáfora realista para o uso de agentes invisíveis. Johnson relata que “sua
invisibilidade é a fonte de seu poder” (Cultura da Interface, 2001, p. 163). Elas
possibilitam que os agentes se infiltrem mais facilmente em nossas vidas, se
instalando em nossas máquinas, reduzindo seu papel de submissão.
Transitamos de uma manipulação direta com a interface, nosso
poder de escolha, para uma manipulação indireta com os agentes, o tornamos
nosso representante, delegamos a ele este poder de escolha. "É o risco de
baboseira, entulho, poluição informacional personalizados se fazerem passar por
nossos novos melhores amigos" (JOHNSON, 2001, p. 173). Com os agentes, há
6
Nome dos agentes virtuais utilizado pelas empresas do sistema operacional, no caso Apple e Microsoft.
Johnson, também cita os agentes e suas funções em Cultura da Interface.
21
uma redução do controle do homem sobre a informação que ele próprio
consome.
"O controle tátil, imediato da interface tradicional dá lugar a
um sistema mais oblíquo, em que nossos comandos são
peneirados através de nossos representantes" (JOHNSON,
2001, p. 165). [...] "Esta é uma razão por que o projeto de
nossos agentes inteligentes não deveria ser deixado nas
mãos de executivos e tecnocratas." (JOHNSON, 2001, p.
164)
As plataformas streamings são dotadas de agentes que selecionam
novas músicas de sua rede a partir do histórico de seus usuários. Organizam
playlists semanalmente, ou recomendam uma sequência de músicas a partir de
uma única ação do usuário: o play (ou flow7 nos termos do Deezer). Neste caso
o usuário delega a reprodução sonora, sem previsão exata do que irá ouvir.
"Esse tipo de agente inteligente é conhecido também pelo
nome de "mídia de push". No sentido mais elementar, é
informação que vem até nós, em contraposição à que nós
mesmos obtemos." (JOHNSON, 2001, p. 172)
Em primeira instância, parece incrível ter um agente que se
corresponde às nossas preferências musicais e nos oferecem descobertas
relacionadas. O grande problema de detê-los, é quando os agentes passam a
atender oligopólios da indústria fonográfica, entregando como descoberta, o que
já faz parte do repertório estético formado pela mídia de massa.
Os agentes podem vir a ter um impacto profundo no modo
como os gostos populares se formam” (JOHNSON, 2001, p.
163). [...] A propaganda vai se transformar na arte de
controlar agentes, através de suborno [ou] pirataria.
(JOHNSON, 2001, p. 167)
O que o agente considera e afirma constantemente ao seu usuário
como uma informação de fato relevante, não considera fatores externos e
subjetivos que determinam a preferência musical, isto é: história, política,
relações extra virtuais, etc. Seu mecanismo de descoberta, é ativado do modo
bastante superficial. Utiliza-se de parâmetros numéricos, e de combinações
entre interesses em comum. Esta ação denomina-se por "Filtragem
Colaborativa". "Se apoia na transferibilidade do gosto: supõe que pessoas que
7
Sugestão de continuidade infinita, o surf da web convertido em fluidos, fluxos de música.
22
têm alguns interesses em comum vão partilhar também outros interesses."
(JOHNSON, 2001, p. 178). A correspondências dos agentes se limita aos
parâmetros de semelhança de gosto, ao invés de recomendar músicas
produzidas na cidade natal, ou músicas que contextualizem problemas sociais
da cidade que o usuário reside, por exemplo. Transforma a relação do gosto,
numa cadeia reprodutivista e cada vez mais fechada.
"O negócio dos agentes inteligentes não é só antecipar
nossas necessidades. Eles estão conseguindo também se
infiltrar no reino mais nebuloso do gosto e da diferenciação
estética." (JOHNSON, 2001, p. 175)
Basicamente, realizam uma pesquisa estética inicial e cruzam
dados com usuários conectados entre si. A partir do parâmetro do gosto em
comum, passam a oferecer novas descobertas musicais. Steven Johnson
descreveu detalhadamente como esta operação funciona utilizando como
exemplo o caso do Firefly8. Aqui, faço um salto direto às consequências
envolvidas nas antecipações feitas por esses agentes, se apropriando do
conceito de antologia da cultura nas redes, tratada por Vinícius Romanini em
Competências Criativas.
Por antologia da cultura nas redes, entende-se o mecanismo de
controle envolvido na busca e entrega da informação pela interface ou agente.
Ou seja, o que há por trás do resultado visual ou sonoro. São os parâmetros que
programadores e algoritmos criam para estabelecer lógicas que aprimoram o
conhecimento do agente virtual, por exemplo. “Criadores de antologias digitais
são os novos deuses da era digital porque têm o poder de estabelecer o que
pode e não pode ter realidade nesse universo feito de informação” (ROMANINI,
2016, p. 45). Com isso trazemos novamente a pergunta: é possível as
plataformas streaming programarem seus agentes para formar um repertório que
atende aos interesses dos oligopólios? O autor, observa duas situações
possíveis em relação ao uso das antologias:
Por meio de uma antologia adequada, pode-se criar uma
8
Relatado por Steven Johnson em Cultura da Interface como o primeiro sistema de inteligência artificial,
que faria a sugestão de músicas com base no histórico de seus usuários e parâmetros de gosto através
da filtragem colaborativa. Johnson, avalia não apenas a ontologia do programa, como as possíveis
consequências na indústria fonográfica com o uso deste tipo de agente. Caso citado no capítulo seis.
23
rede virtualmente infinita de possibilidades de circuitos
culturais a partir dos interesses particulares de usuários e
que levem em conta a diversidade e a tipicidade das
manifestações. Sem uma antologia adequada, os
movimentos alternativos ou manifestações genuínas que
não atendem aos interesses dos mercados permanecem
invisíveis e inalcançáveis no turbilhão das informações
publicadas na internet. (ROMANINI, 2016, p. 45)
É preciso levar em conta que as interfaces e agentes, ao mesmo
tempo que antecipam necessidades do homem, realizam sugestões de conduta,
“formas reguladoras do relacionamento em sociedade” (SODRÉ, 2010. Pg. 20).
Além disso, estão à disposição dos usuários da internet por um objetivo bastante
definido: o acumulo de lucro, a militarização, e a condução à um governo global.
[...] já é lugar-comum afirmar que o desenvolvimento dos
sistemas e das redes de comunicação transforma
radicalmente a vida do homem contemporâneo, tanto nas
relações de trabalho como nas de sociabilização e lazer.
Mas nem sempre se enfatiza que está primeiramente em
jogo um novo tipo de exercício de poder sobre o indivíduo (o
"infocontrole", a "datavigilancia"). (SODRÉ, 2010. Pg. 15).
Na tecnocultura, “o processo de comunicação é técnica e
mercadologicamente redefinido pela informação” (SODRÉ, 2006, p. 21), é a
partir disso que se configuram os novos espaços públicos, a moral, o ethos9, a
agenda, as experiências estéticas, e o próprio modo do sujeito em conceber e
perceber o mundo. “Costumes, hábitos, regras, valores são os materiais que
explicitam a vigência do ethos e regulam o senso comum”. (SODRÉ, 2006, p.
24)
É sob este aspecto que se regula a arte, o modo como a música
deve ser produzida, transferindo seu sentido político e espiritual, para a repetição
padronizada, segura, e de liberdades individuais restritas, “de valores estéticos
estatisticamente determinados, formando o gosto “médio”, uma “influência
normativa” (SODRÉ, 2006, p. 23). A música tendo como novo suporte a interface,
agrega uma série de valores normativos que lhes dizem, ou sugerem, como ela
deve ser ouvida ou mesmo criada. São as sugestões de conduta. No caso das
9
Seria preciso estender o capítulo para discutir mais um conceito, o ethos, na qual Sodré coloca como
responsável pela ordem moral e pelas condutas e modos como nos organizamos politicamente em
sociedade.
24
plataformas streaming, veremos detalhadamente mais à frente que seu
desenvolvimento provém de investimentos das tradicionais empresas
fonográficas, estas, responsáveis por boa parte da agenda midiática e
distribuição de produtos culturais hegemônicos.
O poder da tecnocultura é homólogo (e a homologia não se
dá por acaso, passa pelo vetor do mercado) à hegemonia
norte-americana no Ocidente, que reside em sua
capacidade de formar a agenda política e noticiosa
internacional, de produzir em seus laboratórios e indústrias
a maior parte dos objetos da economia midiática e de atrair
as consciências para uma forma de vida sempre
modernizante por vias do liberalismo democrático e do
consumo. (SODRÉ, 2006, p. 23)
5. PROCESSOS DE HIBRIDAÇÃO
Chegamos a outro ponto importante da intersecção tecnologia e
sociedade: de que modo constituímos nossas identidades na pós-modernidade?
Isto é, como ela pode ser condicionada a partir do momento que passamos a
conviver com agentes virtuais e antologias desenvolvidas pelo mercado? A
resposta mais imediata possível seria: com os processos de hibridação.
Pretende-se aqui demonstrar como as interfaces das plataformas de música
streaming aceleram estes processos.
As mestiçagens étnicas e religiosas causadas pelas ondas
migratórias; A massificação globalizada de valores simbólicos permitidos pela
reprodutibilidade técnica; a reestruturação de etnias, nações e classes ao âmbito
transnacional; a subordinação das artes e dos saberes à lógica do mercado; a
redução das fronteiras territoriais ocasionadas pela comunicação global; a
integração de Estado com privado; e a própria fusão entre homem e máquina,
fazem parte do que Canclini denomina como processos de hibridação.
Entendo por hibridação processos socioculturais nos quais
estruturas ou práticas discretas, que existiam de forma
separada, se combinam para gerar novas estruturas, objetos
e práticas. (CANCLINI, 2015, p. XIX)
A hibridação é o momento em que as culturas e suas
especificidades convergem, se transformam para facilitar o contato com o
distinto a partir de sua apresentação relativa. Perde-se ou transfigura-se a linha
25
divisória do que é cultura erudita e o que é cultura popular, e o que é de
propriedade local, nacional ou estrangeira. No âmbito da tecnocultura
anteriormente descrita, tudo se converge num espaço heterogêneo, sem
fronteiras geográficas ou estéticas.
Disso resultam cruzamentos culturais em que o tradicional e
o moderno, o artesanal e o industrial mesclam-se em tecidos
híbridos e voláteis próprios das culturas urbanas”
(SANTAELLA, 2003, 52)
O termo emprestado do campo biológico, vem para as ciências
sociais para ilustrar as “misturas interculturais propriamente modernas”
(CANCLINI, 2015, p. XXX). Extrapolando as questões étnicas, aborda as novas
possibilidades e efeitos quando se convergem, por exemplo, o popular e o
erudito, o artista e a indústria cultural, as artes com a tecnologia, as identidades
fixas com identidades em deslocamento.
A palavra hibridação aparece mais dúctil para nomear não
só as combinações de elementos étnicos ou religiosos, mas
também a de produtos das tecnologias avançadas e
processos sociais modernos ou pós-modernos. (CANCLINI,
2015, p. XXIX)
Pela rápida troca simbólica de uma cultura à outra, de um território
a outro, ocasionado pela organização da música na interface e pela sua entrega
feita pelo agente virtual, tratamos as plataformas streaming como um produto
das tecnologias avançadas responsáveis no processo de hibridação.
O modo como organizam a música e o modo como o agente
entrega suas descobertas, dá aos usuários uma experiência de conexões
multiculturais, rítmicas, estéticas, linguísticas e ritualísticas, num ritmo acelerado
e sobreposto à outras informações. Obviamente, estas experiências são
simulações, amostras de culturas, apresentadas de modo fragmentado. Isto é o
que Canclini chama de desterritorialização, marcada pela “perda da relação
“natural” da cultura com os territórios geográficos e sociais” (CANCLINI, 2015, p.
309). É um dispositivo
de tradução de todas as diferenças culturais para a
linguagem franca do mundo tecnofinanceiro e volatilização
das identidades para que flutuem livremente no
26
esvaziamento moral e na indiferença cultural (HALL, 2014,
p.15)
Nas plataformas streaming, a tradução de cada cultura através da
música, passa a depender de um contexto externo à interface, incluindo,
momento político, redes sociais, noticiários, círculo social, e demais mediações.
Pois, não há uma informação profunda ou um hiperlink que trate de dar
conhecimento sobre um contexto histórico, político ou religioso sobre a obra em
execução.
Também não aparenta intenção de recontextualizar seus
discursos, já que a experiência da plataforma é o maior consumo de música
possível, sustentada pelas entregas heterogêneas surpreendentes,
acompanhadas da espetacularização, e de artistas presentes em âmbito global
financiado pelo interesse mercadológico dos oligopólios.
Seu papel como veículo heterogêneo e de fluxos híbridos, não é
trabalhar primeiro os processos identitários e estruturais que demonstrem
contradições políticas e econômicas latino-americanas, mas sim
desterritorializar.
A hibridação está para a tecnocultura, assim como a tecnocultura
está para a hibridação. Uma possibilita à outra seu desenvolvimento e
aceleração. A hibridação é produto também das tecnologias comunicacionais e
midiáticas. Seus fluxos informacionais são grandes responsáveis pela hibridação
quando trafegam mensagens e propriedades simbólicas de uma nação à outra.
Deslocam-se de espaços físicos com processos estáveis, para outro
desmaterializado, desterritorializado e sem fronteiras como o ciberespaço, a
internet. Há otimismo neste processo quando pensamos que há fluidez das
comunicações no âmbito global, na facilidade de acesso à outras culturas.
As políticas de hibridação serviriam para trabalhar
democraticamente com as divergências, para que a história
não se reduza a guerras entre culturas, como imagina
Samuel Huntington. Podemos escolher viver em estado de
guerra ou em estado de hibridação. (CANCLINI, 2015, p.
XXVII)
Mas é preciso apontar os riscos e efeitos dos processos de
27
hibridação e, portanto, desterritorialização, a partir do momento que temos como
condutores, governos com interesse global em conjunto de corporações
transnacionais. “A massificação globalizada dos processos simbólicos e dos
conflitos de poder que suscitam”; a sugestão da “fácil integração e fusão das
culturas, sem dar suficiente peso às contradições e ao que não se deixa hibridar”
(CANCLINI, 2015, p. XXV), os diferentes modos em que os grupos e indivíduos
se “apropriam dos repertórios heterogêneos de bens e mensagens disponíveis
nos circuitos transnacionais” (CANCLINI, 2015, p. XXIII).
Também seria possível resumir os riscos dos processos de
hibridação com os termos imperialismo cultural ou dominação hegemônica, mas
seria uma análise unidirecional e talvez conspiradora, é preciso considerar as
ações reprodutivistas envolvidas. O autor entende que para se dar a hegemonia,
o capital se estrutura de algumas formas:
a) A hegemonia não atua de forma impositiva nem
unidirecional.
b) ocorre-se o processo de transnacionalização,
penetração de investimento e tecnologia internacional em
culturas locais e populares.
c) A iniciativa privada trata de substituir o Estado como
agente construtor de hegemonia – como organizador das
relações culturais e políticas entre as classes.10
Vejamos o contexto das plataformas streaming sob a ótica destes
comentários do autor.
1. As plataformas streaming agrega conteúdos não hegemônicos.
Encontra-se músicas de cultura popular tradicional denunciando a escravidão e
os processos de colonização, o rap denunciando o genocídio e a gentrificação
na contemporaneidade, a música brasileira empoderando movimentos negros,
feministas e de gênero.
2. Temos alguns momentos em que a transnacionalização atua:
com a apropriação cultural para construção de acervo e conexão à teia global;
com o fornecimento de tecnologia da informação desenvolvida com investimento
10
Tópicos a, b, e c, de tradução livre: CANCLINI, 1988, 25.
28
estrangeiro;
A narrativa de culturas locais e populares latino-americanas, se
vinculam às regras da plataforma streaming administrada por companhias
globais. Aqui as obras de arte locais e populares, são vistas como suporte para
ligar o local ao nacional, e o nacional ao global, assim como construção de
acervo e apropriação de bens simbólicos para atingir as diversas camadas de
usuários e subordinar as artes à lógica do capital artístico.
Aparentemente os grandes grupos concentradores de poder
são os que subordinam a arte e a cultura ao mercado, os
que disciplinam o trabalho e a vida cotidiana. (CANCLINI,
2015, Pg. 346)
“Fredric Jameson (1995) aponta a conversão da cultura em
economia e da economia em cultura como um dos alicerces do capitalismo”
(MORAES, 2006). A transnacionalização opera comercializando empatias e
institucionalizando práticas artísticas através de novos sistemas de legitimação,
que estabelecem valores monetários, impõem novos sistemas de produção, e
alteram os valores simbólicos das obras.
A difusão e promoção das obras ficam sujeitas às TICs
internacionais, fornecedoras de tecnologias e logo reguladoras da antologia que
há por trás da interface. Com um mercado emergente, formam uma rede de
dependências econômicas, “educativas, tecnológicas e culturais” (CANCLINI,
2015, p. 311).
A transnacionalização é uma espécie de colonização que se
apropria do capital cultural - e não apenas do material como na fase industrial. É
agregada da tecnocultura por servir os interesses de expansão do mercado, que
acabam por gerar concentração de poder no papel de fornecedores, e maior
presença ideológica com as possibilidades de alcance ao circular seus produtos
da indústrias culturais e publicidade. Com a transnacionalização, importa-se e
exporta-se ciências, práticas rituais, morais, sociais e políticas. Neste transito,
Passamos de sociedades dispersas em milhares de
comunidades rurais com culturas tradicionais, locais e
homogêneas, em algumas regiões com fortes raízes
indígenas, com pouca comunicação com o resto de cada
29
nação, a uma trama majoritariamente urbana, em que se
dispõe de uma oferta simbólica heterogênea, renovada por
uma constante interação do local com redes nacionais e
transnacionais de comunicação. (CANCLINI, 2015, Pg. 302)
Canclini denomina o interesse e a subordinação do artista à essa
lógica transnacional como reconversão: momento na qual um artista dota sua
produção ou obra às “competências necessárias para reinvestir seus capitais
econômicos e simbólicos em circuitos transnacionais (Bourdie)” (CANCLINI,
2015, p. XXII). Isto é, quando artistas submetem o artesanato, músicas, produtos
audiovisuais, e outros patrimônios imateriais à mercantilização global.
Observamos acontecer a reconversão na música, quando a indústria cultural a
apropria, e a coloca em contato direto com as comunicações para atender o
mercado publicitário, ou ainda, na indústria da informação e atenção como vimos
anteriormente.
3. A formação do sujeito, constituída de memórias pessoais, e
também de memórias coletivas, locais ou nacionais, recebidas e transferidas
pelas mediações simbólicas, artísticas, e internalizadas ao longo do seu
reconhecimento como indivíduo, ficam sujeitas a grotescas alterações com
novas possibilidades de interação trazidas pela midiatização, que penetra novos
valores culturais e também reafirmam as identidades nacionais como forma de
“desenvolver-se e ter maior integração com a cultura hegemônica” (CANCLINI,
2015, Pg. 277). Esta, ao mesmo tempo que dá acesso à outras relativas culturas,
provoca uma desigual apropriação de seu patrimônio.
Segundo Canclini, há uma tentativa dos “setores hegemônicos em
manter o tradicional, ou parte dele como referente histórico e recurso simbólico
contemporâneo” (2015, p. 277). Os rituais tradicionais e populares são vistos
como forma de mercantilização, por exemplo.
A transnacionalização da cultura efetuada pelas tecnologias
comunicacionais, seu alcance e eficácia, são mais bem
apreciados como parte da recomposição das culturas
urbanas, ao lado das migrações e do turismo de massa que
enfraquecem as fronteiras nacionais e redefinem os
conceitos de nação, povo e identidade.
(CANCLINI, 2008, p. 30)
30
Enquanto o estado investe na arte, para ter representantes da
história nacional, e da preservação histórica, o privado investe para obtenção de
lucros e constantes inovações que lhe sustentem. Levam com seus fluxos
informacionais medidas de modernização e controle militar, sob a lógica
neoliberal.
A ideologia tecnocrática futurológica tenta apresentar a
revolução tecnológica como ditando uma única forma de
organização social possível, geralmente associada à lei do
mercado e ao processo de globalização.
(CASTELLS, 2006, p. 225)
A exemplo de um fenômeno biológico, a hibridação se dá numa
espécie de fagocitose11, em que uma ameba envolve a bactéria afim de
apropriar-se de seus nutrientes e aumentar a imunidade do corpo humano. No
comparativo, a tecnocultura faz o papel da ameba, e as culturas específicas,
locais, tradicionais, populares, o papel da bactéria. A transnacionalização seria
o processo em que a ameba envolve a bactéria, ou seja, se apropria das culturas
para se nutrir, crescer, e ficar imune. Enquanto estas são digeridas, dissolve-se
sua formação original, é desterritorializada, convergida à ameba, e depois
transformada em resíduo na fase de pós-digestão.
A interface das plataformas streaming, aceleram o processo de
hibridação, à medida que desterritorializam, e retiram a linha que divide o culto
e o popular, ao classificar músicas de diferentes gêneros em playlists genéricas,
oferecendo uma experiência de navegação supostamente heterogênea. Sua
capacidade de negócio, reside em dar suporte promocional aos oligopólios,
utilizando como insumo artistas dos mais variados portes, gêneros e locais,
agregando diversos valores simbólicos e os misturando num caldeirão, mas
também provocando uma estetização e uma condição de vida e da arte sempre
modernizante.
Se os agentes culturais não assumirem as rédeas desse
processo, seremos colonizados por uma antologia digital
das artes e da cultura produzida pelos grandes produtores e
11
Para elaborar esta metáfora, utilizei o processo de fagocitose esquematizado no Wikipedia.
(WIKIPEDIA E ENCICLOPÉDIA LIVRE, 2017)
31
comercializadores da indústria cultural.
(ROMANINI, 2016, p. 45)
5. A INDÚSTRIA FONOGRÁFICA E SEUS MECANISMOS DE CONTROLE
Vimos que a hegemonia se dá não apenas por determinações
alienantes, mas que há interesse de artistas e público à uma relação
multicultural. Percebemos que os oligopólios se fortalecem à medida que
culturas locais e regionais se apropriam das tecnologias e conhecimento
fornecido pelas TICs, e a plataforma sendo um espaço promocional, há intensa
promoção de artistas globais, e que reproduzem discursos hegemônicos.
Para investigar como se dá o controle na estrutura da rede,
Leonardo Cruz, em “Internet e arquiteturas de controle: as estratégias de
repressão e inserção do mercado fonográfico digital” (2014), compara as
estruturas reticulares dos modelos de distribuição de música digital: o P2P e os
serviços streaming, com o objetivo de entender de que modo a informação chega
até o usuário final, e de que modo a indústria atua para manter o controle sobre
os fluxos nos canais de distribuição.
Cruz observa a evolução da indústria fonográfica, desde a evolução
dos direitos autorais da literatura do século XV e comercialização de partituras
até a comercialização da música nos dias atuais. Ao longo das mudanças nos
formatos de reprodução - os suportes - percebe-se grande interesse da indústria
em deter um controle sobre a prática musical. Dos suportes físicos à interface,
concentrando seus esforços, inicialmente, na produção industrial – com a
comercialização e distribuição de suportes materiais (K7s, Vinil, CD), e depois,
com a dominação dos fluxos informacionais, utilizando os moldes da economia
da atenção como sustento do oligopólio, tornando a publicidade e o big data, sua
matéria-prima, e tendo como segurança a “imposição das estratégias de
repressão na internet baseadas nas leis de direito autoral” (CRUZ, 2014, p. 7).
Se em um primeiro momento as grandes indústrias
fonográficas constituíram seu poder oligopólico sobre o
mercado através do monopólio dos meios de produção de
cópias, atualmente, após a evolução e o barateamento das
tecnologias digitais de gravação e de produção de suporte,
tal controle se dá pela gerência do mercado através da
logística de distribuição e de promoção de música gravada.
32
(CRUZ, 2014, p. 6)
Entende-se que essa transformação está diretamente envolvida ao
processo de globalização, primeiramente industrial, e agora virtual. O grande
primeiro impacto que a indústria fonográfica sofre, é o próprio barateamento nos
processos de gravação – do analógico para o digital – isto além de causar uma
primeira crise na indústria com o aumento de estúdios de gravação e
distribuidores, cria também uma abundância na criação de conteúdo, ou
propriamente, artistas dispostos a compartilhar os direitos de comercialização de
sua propriedade intelectual, fator responsável pela transformação de uma
indústria material para outra imaterial, ou mesmo, de gravadora à gestora de
carreira, jurídico e estratégico. Aqui assistimos a reconversão citada por Canclini.
A digitalização da música, e sua possibilidade de reprodução de
suportes, com os CDs e K7s graváveis, afeta a indústria fonográfica gerando
uma segunda crise, causada pela redução no volume da venda de suportes,
originada do mercado compartilhado com a indústria “pirata”. Este, evolui seu
modelo, distribuindo-se no ciberespaço através de redes P2P12, peer to peer,
graças à redução no DNA da música, ou estrutura de informação que a forma. O
MP3, criado na Alemanha nos anos 80, é o exemplo e propulsor da criação da
rede Napster, criada em 2001 com o intuito de gerar compartilhamento de música
entre usuários, ignorando a princípio, as leis de direitos autorais.
Ao atingir aproximadamente 8 milhões de usuários em todo o
mundo trocando músicas gratuitamente, a rede Napster sofre uma série de
processos jurídicos, de bandas à gravadoras, que reivindicam suas propriedades
intelectuais para obter recolhimento dos direitos autorais. É com este argumento
que as indústrias ao se protegerem de perdas monetárias e acumulo maior de
capital, causam modificações na proposta da cibercultura, e da livre informação,
canalizando a distribuição proibindo a atuação de novos agentes. Por conta da
12
Os programas P2P estabelecem redes que utilizam o protocolo da internet para ligar dois ou mais
computadores diretamente. Eles são normalmente utilizados para a troca de arquivos e funcionam da
seguinte forma: as pessoas interessadas adquirem um programa (gratuito na internet) e com ele
compartilham parte de seu disco rígido (a parte onde estão alojados os arquivos compartilháveis) com
os outros usuários que estão conectados ao programa (Napster, Kazaa, Soulseek, eMule, etc). Com isso,
os arquivos de cada usuário são compartilhados com todos os usuários ligados à rede, fazendo da rede
P2P uma rede de troca gratuita de milhões de arquivos gratuitos na internet. Ou seja, cada ponto (peer)
passa a ser emissor e receptor simultâneo de informações. (CRUZ, 2014)
33
redução no volume de vendas dos suportes físicos, as indústrias adotam a lei
como forma de centralização.
É a partir dessa redução na arrecadação relativa à venda de
fonogramas [...] que as ações das grandes empresas
fonográficas estão sendo realizadas, principalmente aquelas
relacionadas à busca pelo enrijecimento e maior
restritividade das leis de direito autoral e o aumento das
ações contra a venda ou a distribuição não autorizada de
fonogramas, seja em suportes físicos ou na internet. (CRUZ,
2014, p. 80)
É com isto, que em 2005 começam a surgir start-ups da indústria
fonográfica, como o Deezer, o Spotify, o Google Play, entre outras. Essas redes
adaptam seu negócio para que os direitos de reprodução sejam pagos por vias
publicitárias, através da abundância e gratuidade 13da música na internet. Desta
forma os agentes detêm receitas tanto com publicidade como por assinaturas de
usuários, que ao pagar por um valor mensal tem isento o incômodo publicitário
e o oferecimento de maiores recursos administrativos sobre aquele aglomerado
de informação.
Em parte, o êxito dos serviços de streaming reside em
apresentarem um modelo de negócio que promete ser uma
real alternativa à chamada “pirataria digital”.
(KISCHINHEVSKY, VICENTE e MARCHI, 2015, p. 7)
Estes caminhos criados para a entrega de informação, que ora
cobra do usuário um valor monetário, ora cobra de sua atenção para prosseguir
com o usufruto, e ora cobra de informações privadas, são responsáveis pelas
mutações na estrutura reticular da rede, isto é, nos caminhos que a informação
percorre pelo ciberespaço. Este, que tem como princípio a informação
distribuída, é apropriado pela indústria cultural, criando redes centralizadas e
usuários mais passivos e controlados, formando identidades globais e híbridas,
mas ainda orientada pelo mercado dominante.
A disputa para a hegemonia na internacionalização das
normas tem um sentido econômico bem claro: quem
determina as normas de produção de um determinado
13
Esta conjunção é bastante utilizada por Cruz no seu artigo, afim de ilustrar a nova estratégia da
indústria fonográfica para lidar com a enorme quantidade de música produzida por conta do
barateamento no processo de gravação. Ele traduz com estes termos o uso da música como fisga para
captação de dados e hábitos de usuários na internet.
34
produto tem uma maior facilidade de internacionalizar o
próprio produto. (CRUZ, 2014, p. 46)
No Brasil, existe o Comitê de Desenvolvimento da Música Digital,
formado pelos principais fornecedores de música streaming, e são: Deezer,
Google Play Music, Napster, Rdio (serviço descontinuado) e Spotify. Nenhuma
associação brasileira, nenhuma participação pública, apenas investidores
internacionais. 14
Bastante responsáveis pelos hits popularescos, que atendem as
demandas de uma sociedade do espetáculo, grandes gravadoras, agora
societárias de um dos maiores canais distribuidores de música do mundo,
parecem aproveitar o alcance de seu próprio veículo para tornar seus produtos
presentes em âmbito mundial, criando estratégias de consumo que extrapolam
a música e estressam valores simbólicos através de materiais de merchandising
e agenda (roupas, livros, filmes, shows, etc), assim como tornam artistas
onipresentes, capaz inclusive de obter reproduções de um mesmo usuário por
muitas vezes.
Essa estratégia de internacionalização da produção criou
várias vantagens para as indústrias fonográficas. A primeira
é a de ter possibilidades de entender mais diretamente o
mercado nacional e se ajustar às peculiaridades culturais.
(CRUZ, 2014, p. 47)
Obter um acervo diversificado e heterogêneo, passa então a ser
uma estratégia destes veículos, uma vez que usuários emergentes estão
dispostos a doar sua atenção em troca de música gratuita e de sua preferência
(não mais a escassez e bloqueio de mercado como na fase analógica da
indústria). Concentrar um marcante volume de usuários, e com isso, monitoram
todos os seus passos dentro da rede, transforma o suporte de música em veículo
publicitário. Além disso, os atores responsáveis por alimentar este conteúdo (os
artistas e gravadoras independentes, por exemplo), são agora parceiros
fundamentais para continuar sustentando a indústria fonográfica.
Artistas se apropriam do canal como veículo de promoção, e o
canal se apropria dos artistas como construção de acervo, expansão de público-
14
Fonte: (MEIO E MENSAGEM, 2015)
35
alvo, e formação de uma identidade global. Os detentores deste fluxo de
informação, parece entender como se apropriar de culturas nacionais e locais
para se autopromover. A partir do extenso volume de acervo, maior é a
concentração de usuários, e, portanto, maior é o alcance simbólico proposto
pelas líderes.
6. SPOTIFY E A PENETRAÇÃO GLOBAL
Aqui, tratando do Spotify como objeto de estudo, pretende-se
demonstrar as conduções de consumo que o serviço pode causar ao dominar o
mercado com o auxílio de investimentos transnacionais oriundos das majors15.
Para desenvolver esta pesquisa, utiliza-se a perspectiva empirista,
coletando notícias coorporativas e estatísticas fornecidas abertamente pelo
próprio serviço de áudio. A coleta de dados ocorreu durante o mês de abril/2017,
analisando a usabilidade e conteúdo do aplicativo mobile e do software de
desktop. A análise da interface foi feita com o uso do plano freemium (plano
gratuito com anúncios), tratado prioridade por ser a realidade brasileira. Além
disso, a escolha do Spotify, entre os outros players, se dá por uma liderança de
mercado (ver anexo 1).
O serviço da empresa sueca, lançado em 2006, já atende 140
milhões de usuários espalhados em 58 países atuantes, do total, calcula-se que
12% são brasileiros e que apenas 30% de usuários do país são usuários
premium16. Os valores de assinatura são: R$ 8,50 (para universitários), R$ 26,90
(Plano Premium Familiar), ou R$ 199 (plano anual por usuário)17. Aqui já é
possível observarmos um fator que reduz a democrática ideia da cibercultura.
Conforme afirma Canclini, “os mecanismos de reforço da distinção costumam
ser recursos para produzir a hegemonia”. (CANCLINI, 2015, p. 155)
O serviço conta com 40 milhões de músicas. Dentre as
recomendações aos anunciantes, está a criação de playlist com uma música por
artista, cultura adotada das emissoras de rádios. Também anunciam
15
Termo utilizado para denominar as gravadoras líderes de mercado
16
TORRES, 2017
17
SPOTIFY, 2017
36
indiretamente que 20% de seu acervo não tem nenhuma reprodução18. Ou seja,
4 milhões de músicas não escutadas.
A companhia alega para a imprensa que não gera lucros, por não
obter a totalidade de seus usuários como pagantes, ou por não gerar receitas
publicitárias o suficiente para arcar com os repasses de direitos autorais. É
através dessa fragilidade, da abundância e ao mesmo tempo da gratuidade, que
as gravadoras se apropriam do veículo como forma de inserção, promoção, e
sucesso dos artistas na qual têm acordo.
As grandes gravadoras — Warner, Universal e Sony, conhecidas
como “Big Three” — são sócias das startups de entretenimento digital que estão
mais em alta. Há acordos de 10% a 20%, em conjunto com os serviços de
streaming, como Spotify e Deezer.
A plataforma, apesar de não abrir os números também demonstra
que o uso do serviço em dispositivos móveis vem crescendo na mesma medida
que o número de usuários (ver anexo 2). Isso também explica o sucesso e
posicionamento almejado: a substituição da rádio analógica pelo uso do serviço,
mas num contexto de maior mobilidade e acervo, possibilitando a presença da
música sobreposta a outras atividades do dia-a-dia. A exemplo desta transição,
está a interrupção de sinal das TV’s analógicas19 em função do serviço digital. É
com o digital, que conseguem disciplinar os usuários.
7. SPOTIFY: ANÁLISE DA INTERFACE COMO SUPORTE
7.1 As playlists, O agente invisível, e suas sugestões de conduta
Ao ligar o computador, o aplicativo é aberto automaticamente (ação
que vem pré-configurada na instalação), e sempre na página inicial (Navegar),
que apresenta as músicas mais reproduzidas e geralmente globais. Apresentam
algumas possibilidades para reproduzir música com uma única interação, o play.
É a “arte como fast food” (CANCLINI, 2015, p.306).
18
Forgotify Only Plays Spotify Songs That No One Has Ever Played Before, 2014
19
(G1, 2017)
37
O usuário pode dar o primeiro play pelo feed de amigos que
apresentam o que estão ouvindo, pelas playlists patrocinadas, pelas playlists
organizadas por país ou mais reproduzidas, e por gêneros e momentos. O ápice
do aplicativo está na Playlist “Descobertas da semana”, uma reunião de 30
músicas semanais escolhidas pelo agente virtual de acordo com o histórico de
músicas escutadas pelo usuário ou pela sua rede de amigos.
A plataforma utiliza o mesmo mecanismo do Firefly citado
anteriormente (atualmente com uso da tecnologia de inteligência artificial
desenvolvido pela The Echo Nest). Aqui vemos que o agente não é tão invisível
quanto parece. “Dormir? Só depois de ouvir uma playlist”. A frase,
correspondente ao horário acessado 1h07min da manhã, madrugada de São
Paulo, credibiliza a inteligência do agente ao se corresponder com as
informações tempo espaciais, e propor uma última atividade para o usuário antes
de seu possível descanso. Ele se apresenta deste modo sutil e quase invisível,
sem que haja uma tentativa de personificação (ver apêndice A).
Observamos o diálogo também na área Gêneros e Momentos (ver
Figura 6). É uma vitrine de playlists baseadas em estados emocionais ou
atividades do dia-a-dia. Nesta sessão, vemos: músicas ideais para Yoga e
Meditação, músicas ideais para acompanhar um café, ou músicas ideais para o
fim de semana no parque. A produção artística fica em segundo plano. É mais
importante a música fazer sentido para a atividade em execução. A curadoria
dessas playlist é feita por especialistas do assunto, editores, ou pelos agentes.
Já acontece no aplicativo da filtragem colaborativa se relacionar
independente de usuários. Ser relacionada aos fatores externos a ele, cruzada
a outros agentes inteligentes como os aplicativos de: GPS, condição climática, e
na situação mais recente, interpretação emocional da música, se ela é
considerada triste ou alegre, por exemplo20. É com este acumulo de
associações, que o aplicativo oferece músicas apropriadas para determinadas
condições climáticas, trânsito ou região, e logo, sugestões de conduta, ethos, e
logo uma condição da música em prol da economia da atenção.
20
Tendência baseada na notícia: programador cria equação para encontrar a música mais triste do
RadioheadGAGLIONI, 2017
38
A constante relação com o software, a delegação ao monitamento
de emoções, geolocalizações, e percepção de acertos, provoca o conforto
psíquicos e a estandardização, a partir do momento que anunciantes e
investidores da rede fazem “o possível e o impossível para transformar suas
propagandas em “serviços de informação” (JOHNSON, 2001, 173).
Os critérios utilizados para incluir ou não faixas em determinada
playlists é o número de plays. Quanto maior o volume de reprodução, maior é a
chance de o artista ser selecionado e incluído em playlists populares, ou
destacadas na interface. Aqui percebemos as antologias inadequadas
apontados anteriormente sobre a apresentação da realidade quando delegada à
um agente virtual, ainda incapaz de fazer análises subjetivas e extra numéricas.
Neste momento reduzimos o controle sobre a música a ser consumida, damos
maior poder aos detentores da tecnologia, e reduzimos nosso senso crítico.
A relação com os meios de comunicação pode gerar uma
forma de passividade, na medida em que expõe
cotidianamente os indivíduos ao espetáculo de uma
atualidade efêmera; uma forma de solidão, na medida em
que deixa a critério de cada um a elaboração de pontos de
vista, opiniões em geral bastante induzidas, mas percebidas
como pessoais. (AUGÉ, 2006, p.106)
7.2 Estratégias de centralização
A grande vantagem competitiva do Spotify frente à outras redes de
troca de música, está na detenção de direitos de comercialização e circulação
com o pagamento dos direitos autorais através da monetização – este serviço
paga às artistas quantias baixíssimas. Não pretendemos aqui estender este
assunto, bastante polêmico e controverso. Demonstramos apenas que pagando
o mínimo possível aos artistas, a empresa já se torna legitimada para exercer a
função como suporte.
Ao exercer comercialização do serviço, ora por uma mensalidade,
ora pelos dados de privacidade e atenção publicitária, o Spotify passa a ser uma
rede centralizada.
As redes de serviço de streaming de música são do tipo
centralizada. As empresas que prestam esse serviço devem
se fixar em um nó da rede, um lugar, um site, um ambiente,
39
e devem fazer passar todo o fluxo de informações por ele,
pois é controlando esse fluxo que elas conseguem se
valorizar. (CRUZ, 2014)
A plataforma também não indica nenhum hiperlink externo à
interface, que não seja a de parceiros já determinados. O usuário acessa agenda
de shows, loja de produtos do artista, letras das faixas em reprodução, e site de
atendimento da própria companhia, como: SongClick, Genius, Merchbar. Não há
uma navegação aleatória, que permite se perder pelo cérebro coletivo, ou que
ainda, complemente historicamente a concepção da obra em execução (ver
apêndice B).
7.3 Interface hegemônica e Estetização
Mesmo com a possível convergência da música com outras
linguagens audiovisuais, o Spotify se limita a dispor ao usuário a experiência
auditiva. Exploram uma única possibilidade narrativa na interface gráfica. Reduz-
se apenas à fugacidade do play e sua máxima permanência em execução.
Chegaremos a conceber o design de interface como uma
forma de arte — talvez a forma de arte do próximo século. E
com essa transformação mais ampla virão centenas de
efeitos concomitantes, que penetrarão pouco a pouco uma
grande seção da vida cotidiana, alterando nossos apetites
narrativos, nosso senso do espaço físico, nosso gosto
musical, o planejamento de nossas cidades. (JOHNSON,
2001, pg. 193).
Com isso aumentam suas margens em publicidade, aumentam o
consumo da experiência estética que querem propor, e tão logo, conduzem a
criação de obras que se adequem aos seus formatos, reduzindo a exploração
possível das artes no campo digital.
Através do Spotify Insights21, artistas e empresários, recebem
dados comportamentais sobre o consumo de suas músicas. A análise de dados
permite que novas soluções artísticas sejam consideradas no momento da
produção do novo álbum ou single. Pensadas para maior alcance e atendimento
de demanda.
A empresa também recomenda a anunciantes que organizem e
21
https://artists.spotify.com/
40
promovam playlists com apenas uma música de cada artista22. Deste modo
sugerem a alteração no processo de produção de um álbum completo para
singles. É possível observar alterações nas produções artísticas, e sua
padronização por conta dos serviços que a interface oferece. Em entrevista livre,
Guilherme Kastrup, produtor musical, comenta:
Este ano (falando sobre 2017), ainda não produzi nenhum
álbum inteiro. Apenas singles. Têm sido o formato mais
econômico e rentável para os artistas com pouca barganha
de investimento e nessa época que poucos param para ouvir
um álbum inteiro e também com poucos editais de incentivo,
é a alternativa custo-benefício. Se bem que... já vi grandes
artistas optarem por esse tipo de produção para manter uma
frequência de lançamentos. A plataforma, por mais que
remunere centavos para nós artistas da cena independente,
parece oferecer um “promissor caminho de reconhecimento
profissional” (comenta em tom irônico).
7.4 Operações de transnacionalização
A campanha de acolhimento através das estratégias de
pertencimento nacional é a grande aliada da transnacionalização. Demonstra-se
aqui como o uso desta tática implica na desterritorialização e logo na
hibridização.
Na área “Paradas”, título que ambiguamente demonstra a baixa
circulação da diversidade de produção, é possível encontrar as músicas mais
reproduzidas em ordem mundial ou nacional. Ao acessarmos “As 50 mais
tocadas no Brasil”, a primeira música com que nos deparamos é a “Despacito
(Remix) (feat. Luis Fonsi & Daddy Yankee)”, do Justin Bieber, cantor Norte
Americano duplando com os outros porto-riquenhos. A mesma faixa é
encontrada também nas “50 mais tocadas do Mundo” e nas “50 mais tocadas da
América Latina” (ver apêndice C). Para sua circulação mundial teve primeiro que
ser remixada, e colocada junto à uma figura mundial, que faz uma espécie de
tradução e transito da estética. Neste momento ela já foi descaracterizada.
22
https://spotifyforbrands.com/br/format/branded-playlist/
41
A música que mistura o pop mundial com a cúmbia, estética da
América-Latina, só é consumida mundialmente a partir do apoio de uma figura
mundial.
O mundo nunca foi, economicamente, tão desigual. Nem tão
furiosamente igualador, por outro lado, com relação a idéias
e costumes que se impõem em todo lugar. Uma
uniformização obrigatória, hostil à diversidade cultural do
planeta. O nivelamento cultural não pode nem mesmo ser
medido. Seus progressos devastadores, no entanto, saltam
aos olhos. Os meios de comunicação da era eletrônica, a
maioria a serviço da incomunicação humana, estão impondo
a adoração unanime aos valores da sociedade neoliberal.
Eles nos mentem por imagens ou omissão, e concedem no
máximo o direito de escolher entre coisas idênticas.
(GALEANO, 2006, p.149)
O Justin Bieber ao compor a identidade da América-Latina, frente aos
porto-riquenhos, contrapondo com a camiseta branca, e em posição central,
adquire notoriedade estética e reafirma a submissão latino-americana ao
continente norte americano. O vínculo deste tipo de ação para David Rothkopf
e Foreign Policy (2006 apud AUGÉ):
Figura 1: Paradas - Top Latino
42
Compete ao interesse econômico e político dos Estados
Unidos o zelar para que, se o mundo optar por um idioma
único, que seja o inglês; Se as diferentes partes se unem
através da televisão, rádio e música, que sejam com
programas americanos; e se forem elaborados valores
comuns, que sejam valores nos quais os Americanos se
reconheçam.
No Brasil, notamos que o sertanejo (13%) e o funk nacional (4%)23,
correspondem aos gêneros nacionais mais escutados na plataforma. São
empurrados constantemente através das “Playlists patrocinadas” pelas próprias
gravadoras sócias do serviço. São exemplos de estéticas que surgem de culturas
populares, e se traduzem como insumo, numa espécie de fisga que puxa os
ouvintes à cultura hegemônica. Assim, “assegura-se a estabilidade da cultura
dominante com a inovação dos independentes” (Johnson, 2001, pg. 147).
“La iniciativa privada también se ocupa, em la television, em
museus y concursos, de las artesanías y tradiciones
populares, acentuando su mercantilizacíon y adaptando los
contenidos ideológicos a la visíon pintoresquista y
espectacular de los entretenimentos massivos”. (NÉSTOR
GARCÍA CANCLINI, 1988)
Os defensores da hegemonia, que acreditam fazer transitar as
culturas específicas neste processo de hibridação, parecem não observar este
engarrafamento. No comparativo de anunciantes e gêneros mais reproduzidos,
vemos que se mantem sempre a frente os produtos e as estéticas dominantes,
que criam a demanda e a retroalimenta com sutis variâncias para evitar a perda
de público e atenção.
Exibir realisticamente um aspecto do mundo, mas ao mesmo
tempo impedir a sua justa interpretação por meio de um
“engana-olho” estético: o “agradável” da forma exibida
anestesia sensorialmente a sensibilidade crítica. E o
agradável está sujeito às variações da moda. (SODRÉ,
2010, p.59)
Através da presença global, a plataforma ganha notoriedade no
meio artístico por abrir um campo promocional para a difusão de suas obras. O
Brasil, característico por ser um mercado emergente, recebe investimento de
23
https://www.nexojornal.com.br/grafico/2016/11/07/O-gosto-musical-dos-pa%C3%ADses-de-acordo-
com-o-Spotify
43
gravadoras internacionais para produção e promoção dos gêneros mais
populares. É deste modo que os oligopólios se apropriam financeiramente de
valores simbólicos, nacionais e locais e obtém maior acumulo de capital.
7.5 Operações de desterritorialização e hibridismo
As mesmas playlists patrocinadas que destacam os artistas locais,
agregam artistas globais. 80% do que é executado na plataforma tem o idioma
em inglês24. As playlists organizadas de acordo com as nacionalidades
apresentam o que há de maior volume de reprodução, e não as especificidades
de cada nação. Essa cultura relativa se apresenta também no modo como
organizam os gêneros musicais. A exemplo, colocam o “Frevo, dança, e cultura”,
numa mesma playlist que define “O melhor do Brasil”, reduzindo suas
especificidades à folclorização.
“El folclore realiza uma doble reduccíon: de la pluralidade y
la diversidade de las culturas populares a la unidade del
“arte” o la “música” nacionales; de los processos sociales a
los objetos o a la expressíon coisificada que adquirieron em
momentos pasados.” (NÉSTOR GARCÍA CANCLINI, 1988)
Como a interface não adota e nem dá acesso por hiperlinks a
nenhuma informação adicional em relação à produção da obra, acontece a
desterritorialização. O território geográfico que detém de suas condições
políticas, econômicas, religiosas, históricas, se hibridizam num ambiente que
não trata de levar com a música, o contexto em que foi criada. A música
desmaterializada e entregue para suprir uma função em segundo plano, também
retira a própria autoria e mediação que o artista tem como proposta. É convergida
num único fluxo informacional as várias identidades.
O mundo nunca foi, economicamente, tão desigual. Nem tão
furiosamente igualador, por outro lado, com relação a ideias
e costumes que se impõem em todo lugar. Uma
uniformização obrigatória, hostil à diversidade cultural do
planeta. O nivelamento cultural não pode nem mesmo ser
medido. Seus progressos devastadores, no entanto, saltam
aos olhos. Os meios de comunicação da era eletrônica, a
maioria a serviço da incomunicação humana, estão impondo
a adoração unanime aos valores da sociedade neoliberal.
24
https://www.nexojornal.com.br/grafico/2016/11/07/O-gosto-musical-dos-pa%C3%ADses-de-acordo-
com-o-Spotify
44
Eles nos mentem por imagens ou omissão, e concedem no
máximo o direito de escolher entre coisas idênticas.
(GALEANO, 2006, p.149)
A hibridação ocorre à medida que as músicas organizadas são
tratadas como categoria única e sem nenhuma informação adicional além de sua
própria linguagem, conduzindo o usuário de uma cultura à outra pela reprodução
automática e organização da playlist, onde nessas condições a música e,
portanto, sua oratória, adotam apenas a função de entretenimento. “As safras
midiáticas generalizam textos e imagens que estruturam simbolicamente a vida
e a produção, acentuando o ethos do consumo” (MORAES, 2006, p. 36). Aqui
mora o interesse da hibridação alertada por David Rothkopf e Foreign Policy
(2006 apud AUGÉ):
Compete ao interesse econômico e político dos Estados
Unidos o zelar para que, se o mundo optar por um idioma
único, que seja o inglês. Se as diferentes partes se unem
através da televisão, rádio e música, que sejam com
programas americanos; e se forem elaborados valores
comuns, que sejam valores nos quais os Americanos se
reconheçam.
8. CONSIDERAÇÕES FINAIS
A música passa a ser uma ferramenta do infocontrole e de
datavigilancia. Se torna insumo para publicidade e reproduz hegemonia. Altera-
se a autencidade da obra pela previsibilidade do gosto comum; Envolve
conteúdos contra hegemônicos e identidades locais e nacionais ao modelo de
mercantilização global: o capital artístico e a concorrência pela atenção. Se torna
suporte para diferenciais simbólicos entre classes, e propõe valores
modernizantes com as práticas do neoliberalismo. Acelera os processos de
hibridação e, portanto, as trocas simbólicas. Cria-se novos contextos para que a
música seja ouvida em segundo plano e também novos widgets25 que se
adaptam em função das novas práticas de distribuição e consumo. Resgata
paradigmas da música de trabalho, dando ritmo ao cotidiano e sugestões de
conduta sobre as subjetividades. Reduz a prática de pesquisa às informações
25
Dispositivos adicionados ao corpo, exemplo, fones de ouvido.
45
fragmentadas e recontextualizadas com a fugacidade e instantaneidade. Ganha
maior alcance e ocupação na vida dos sujeitos pela mobilidade, abundância e
gratuidade. Ao mesmo passo, altera a cultura da escassez e a ideia de pagar
para consumir. Surgem novos parâmetros de curadoria e criação de mainstream.
A formação do repertório musical fica sujeita ao gosto comum e superexposição
da indústria cultural. Há a delegação de um saber para um agente virtual. A
indústria cultural cria agenda midiática. Aumenta-se a vigilância, a militarização,
e o espetáculo. Reduz o tempo de produção da obra e da autorreflexão do
sujeito. A música é desmaterializa. Não há um funil de mediação entre o digital
e o analógico. Há novas possibilidades de difusão cultural e promoção artística
com soluções estratégicas e mercadológicas como o gerenciamento de dados
ou a visualização numérica de paradigmas sociais. Há modernização e
ferramentas que dão aporte para novos métodos de legitimação. Música
streaming agora está na bolsa de valores.
Enquanto Cruz aponta os direitos autorais, a centralização dos
processos de distribuição, e o uso de dados como mecanismos de controle dos
oligopólios fonográficos, aqui complemento com outros mecanismos: a
ocupação da interface, a aceleração nos processos de hibridação, a estetização
no formato da obra, e novos paradigmas de legitimação. Resumimos a estratégia
de centralização econômica e cultural da seguinte forma:
 Concentração nos processos de produção e distribuição;
 Estratégias antipirataria com enrijecimento das leis de
direitos autorais e automatização nos processos de
detenção de direitos para comercialização.
 Apropriação da abundância e gratuidade da música em troca
de investimentos publicitários.
 Comercialização de dados de navegação dos usuários.
 Centralização da rede restringindo acessos, hiperlinks e
serviços.
 Investimento internacional em artistas locais.
 Redução de controle da interface gráfica.
46
É preciso levar em conta aqui a penetração norte-americana que é
penetrada em culturas através da plataforma Spotify. Não necessariamente
estamos sujeitos a ouvir músicas de produção internacional, mas agora, há uma
apropriação das preferências nacionais populares a partir da incorporação de
músicas locais e nacionais ao sistema financeiro-cultural transnacional.
Há uso de um problema estrutural do Brasil também, na medida em
que o repertório musical e as tendências com o que a interface do aplicativo
oferece em seu destaque, propõe a máxima passividade com o botão de
reprodução automática, reduzindo o esforço de pesquisador que o usuário teria.
A proliferação das escolhas da identidade é mais ampla no “centro”
do sistema global que nas suas periferias. (HALL, 2014) – e isso está
diretamente relacionado com quem é o produtor ou distribuidor principal de
conteúdo. Quem detém de maior tempo de atenção e, portanto, de controle.
Antes de qualquer afirmação local ou religação com identidades e
sentidos comunitários é oferecido ao usuário o projeto modernizante com a
possibilidade de inserção no território global e a obtenção de um espaço
individual, o momento de privacidade.
O compartilhamento social é menos importante. A delegação ao
agente aumenta sua legitimação, já que identidades e acertos relacionados ao
trazer o passado, reviver conteúdos que o usuário imputou, é dada ainda mais
autonomia ao software. Numa continuidade do estudo, é preciso aprofundar a
utilização dos dados coletados e a produção cultural.
Conhecer música através dos amigos é reduzido ao gosto comum.
As descobertas são individuais. A identidade e diferenciação simbólica é ser
assinante do aplicativo, ter ou não o acesso premium, ao invés de identidades
capazes de transformar a produção de sentido de cada indivíduo.
O Comitê de Desenvolvimento da Música Digital do Brasil, ou a
cúpula conspiratória imaginada, acabam por provocar um certo comando sobre
os dutos de informação, afirmando primeiro um território global, desmaterializado
e ubíquo.
47
O alerta aqui, é que não basta fechar os olhos para uma única fonte
de promoção e difusão simbólica, há que lembrar que o ciberespaço ainda
permite criação de espaços criativos e autônomos. Desta forma temos dois
sentidos em relação à música:
Produção em função da interfe, quando a produção artística e
sua difusão são criadas e pensadas a partir das possibilidades fechadas dos
ambientes promocionais.
A interface é quem propõe o formato da obra em troca das
demandas do artista a respeito de promoção, legitimação, dados e monetização.
Provoca ações reprodutivistas e estetizantes sobre o formato das obras, assim
como mantém a abundância e gratuidades necessárias para o sustento das
plataformas. Para esta, não importa qual é o discurso e sentido de fala que tem
o artista, qualquer identidade e representatividade são bem-vindos, já que a obra
se torna commoditie.
Os parâmetros de destaque, estabelecidos a partir do volume de
reprodução contabilizados pelos agentes virtuais, propõem a concorrência
artística tendo como principal disputa a atenção do usuário. Na contrapartida,
várias soluções promocionais com o uso de sistemas financeiros são criadas
para que o artista obtenha maior tempo de reprodução, difusão geográfica, e
alcance simbólico.
Fake taste, um usuário que tem a formação de repertório e
preferências estéticas à conteúdos matematicamente criados para reafirmação
do gosto comum e o devido sucesso mercadológico.
Pode ser considerado o resultado de um usuário consumidor de
áudios destacados na plataforma. A formação de repertório e criação de acervo
musical fica refém da usabilidade, armazenamento e mobilidade. Contribui para
mudanças de hábitos de pesquisa e consumo musical, e sugestões de conduta
que a interface propõe aos usuários, a partir de interesses mercadológicos
reproduzidos entre os oligopólios, que inclui: promoção, consumo e
comportamento, datavigilancia, lucro, e produções simbólicas fincadas nos
projetos modernizantes e hegemônicos. É oriundo da antologia da cultura nas
48
redes e contribui para as diferenciais simbólicas entre as classes sociais.
Para maior profundidade nas ações reprodutivistas, seria preciso
dar continuidade aos estudos bibliográficos, aplicando pesquisas quantitativas e
qualitativas com agentes culturais, produtores artísticos, usuários, e agentes
distribuidores. Contrapor a plataforma com suas API’s e streamings contra-
hegemônicos, também pode contribuir com enriquecimento e aproveitamento
prático das descobertas.
9. REFERÊNCIAS
ABMI. MERCADO FONOGRÁFICO MUNDIAL E BRASILEIRO EM2015. ABMI, 12 Abril 2016.
Disponivel em:
<http://www.abmi.com.br/website/arquivos/legislacao/mercadofonograficomundialebrasileir
o.pdf>.
AUGÉ, M. Sobremodernidade: do mundo tecnologico de hoje ao desafio essencial do amanhã.
In: MORAES, D. Sociedade Midiatizada. Rio de Janeiro: Mauad, 2006, 2006. p. 99-117.
BAUMAN, Z. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2007.
BENJAMIN, W. A obra de arte na época de suas técnicas de reprodução. Paris: Paul Valéry,
1934.
BENJAMIN, W. A obra de arte na época de suas técnicas de reprodução. Rio de Janeiro:
Civilização Brasileira, 1961.
BILLY, M. Spotify – Power Of Music. 7 Tendências Em Consumo De Música Digital. Update or
Die, 30 Setembro 2016. Disponivel em: <http://www.updateordie.com/2016/09/30/spotify-
power-of-music-7-tendencias-em-consumo-de-musica-digital/>.
CANCLINI, N. G. Cultura transnacional y culturas populares. 1º. ed. Lima, Perú: IPAL, 1988.
CANCLINI, N. G. Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. 4º. ed. São
Paulo: EDUSP, 1989.
CANCLINI, N. G. Culturas híbridas: Estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo:
[s.n.], 2008.
CANCLINI, N. G. Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. 4º. ed. São
Paulo: EDUSP, 2015.
CAPURRO, R. O Conceito da informação. Perspectiva em Ciência da Informação, p. 149, 2007.
CASTELLS, M. Inovação, liberdade e poder na era da informação. In: (ORG.), D. D. M. Sociedade
Midiatizada. Rio de Janeiro: Mauad, 2006, 2006. p. 225 - 231.
49
CRUZ, L. R. D. Internet e arquiteturas de controle : as estratégias de repressão e inserção do
mercado fonográfico digital, Campinas, SP , 28 Novembro 2014. Disponivel em:
<http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000941869>. Acesso em: 22
Fevereiro 2017.
DIAS, R. Berços de Inovação. Problemas Brasileiros, São Paulo, n. 436, p. 12-15,
Outubro/Novembro 2016.
FALCÃO, D. M. E. G. O gosto musical dos países de acordo com o Spotify. Nexo, 2016.
Disponivel em: <https://www.nexojornal.com.br/grafico/2016/11/07/O-gosto-musical-dos-
pa%C3%ADses-de-acordo-com-o-Spotify>. Acesso em: 23 abr. 2017.
FERREIRA, M. N. Comunicação, resistência e cidadania: as festas populares. São Paulo:
Arte&Ciência, 2005.
FIGUEIRA, V. Cinco notas-resumo sobre “A obra de arte na era de sua reprodutibilidade
técnica”, de Walter Benjamin. Vinícius Figueira, 31 mar. 2011. Disponivel em:
<https://viniciusfigueira.com/2011/03/31/walter-benjamin/>.
G1. Sinal analógico de TV é desligado em SP e em 38 cidades da Região Metropolitana. G1 São
Paulo, 2017. Disponivel em: <http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/sinal-analogico-de-tv-e-
desligado-em-sp-e-em-38-cidades-da-regiao-metropolitana.ghtml>. Acesso em: 28 abr. 2017.
GAGLIONI, C. Programador cria equação para encontrar a música mais triste do Radiohead.
Jovem Nerd, 2017. Disponivel em: <https://jovemnerd.com.br/nerdnews/programador-cria-
equacao-para-encontrar-musica-mais-triste-do-radiohead/>. Acesso em: 22 Fevereiro 2017.
GAIA, M. Revelado o contrato entre Sony Music e Spotify. Combate Rock, 2015. Disponivel em:
<http://combaterock.blogosfera.uol.com.br/2015/05/20/revelado-o-contrato-entre-sony-
music-e-spotify/>. Acesso em: 23 Abril 2017.
GAIA, M. Revelado o contrato entre Sony Music e Spotify. Uol, 20 maio 2015. Disponivel em:
<http://combaterock.blogosfera.uol.com.br/2015/05/20/revelado-o-contrato-entre-sony-
music-e-spotify/>.
GALEANO, E. A caminho de uma sociedade da incomunicação? In: MORAES, D. D. Sociedade
Midiatizada. Rio de Janeiro: Mauad, 2006. p. 149-154.
GOMES, I. M. M. Articulações entre música e tecnocultura no Led Zeppelin. Compós, 2014.
Disponivel em: <http://www.compos.org.br/biblioteca/compos-2015-8dfc2cf9-afd7-48a3-
b942-4f8ded57cc74_2858.pdf>. Acesso em: 23 Abril 2017.
GREENBURG, Z. O. Como as gravadoras estão se apoderando da multibilionária revolução
digital. Forbes, 18 Dezembro 2015. Disponivel em:
<http://www.forbes.com.br/negocios/2015/12/como-as-gravadoras-estao-se-apoderando-da-
multibilionaria-revolucao-digital/>.
HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014.
JOHNSON, S. Cultura da Interface. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor Ltda., 2001.
50
KISCHINHEVSKY, M.; VICENTE, E.; MARCHI, L. D. MÚSICA INFINITA: serviços de streaming como
espaços híbridos de comunicação e consumo musical. Revista Fronteiras – Estudos midiáticos,
p. 303-311, 2015. Disponivel em:
<http://revistas.unisinos.br/index.php/fronteiras/article/view/fem.2015.173.04>.
KUMPARAK, G. Forgotify Only Plays Spotify Songs That No One Has Ever Played Before.
Techcrunch, 2014. Disponivel em: <https://techcrunch.com/2014/01/30/forgotify-only-plays-
spotify-songs-that-no-one-has-ever-played-before/>. Acesso em: 23 Abril 2017.
LÉVY, P. L'intelligence collective. Pour une anthroologie du cyberespace. Paris: La Découverte,
1997.
LIPOVETSKY, G.; SERROY, J. A estetização do mundo. São Paulo: Companhia das letras, 2015.
MAGOSSI, J. E. G. A gravadora Marcus Pereira e o mapa musical do Brasil. Rumores, 2011.
MARX, K.; ENGELS, F. O manifesto comunista. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.
MATTELART, A. Para que "nova ordem mundial da informação"? In: (ORG.), D. D. M. Sociedade
Midiatizada. Rio de Janeiro: Mauad, 2006. p. 233-246.
MCLUHAN, M. Os meios de comunicação como extensões do homem. [S.l.]: Cultrix LTDA,
1999.
MEIO E MENSAGEM. Streaming diminui pirataria de música. Meio e Mensagem, 2015.
Disponivel em:
<http://www.meioemensagem.com.br/home/marketing/2015/01/23/streaming-diminui-
pirataria-de-musica.html>. Acesso em: 24 Abril 2017.
MEIO E MENSAGEM. Streaming diminui pirataria de música. Meio e Mensagem, 23 Janeiro
2015. Disponivel em:
<http://www.meioemensagem.com.br/home/marketing/2015/01/23/streaming-diminui-
pirataria-de-musica.html>.
MERCHBAR. Partners. Merchbar, 2017. Disponivel em:
<https://www.merchbar.com/pages/about/partners>. Acesso em: 21 abril 2017.
MORAES, D. D. A tirania do Fugaz: mercantilização cultural e saturação midiática. In: MORAES,
D. D. Sociedade Midiatizada. Rio de Janeiro: Mauad, 2006. p. 33-50.
MUSSO, P. Ciberespaço, figura reticular na utopia tecnológica. In: MORAES, D. D. Sociedade
Midiatizada. Rio de Janeiro: Mauad, 2006. p. 191 - 224.
NEGROPONTE, N. A Vida Digital. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.
NEGROPONTE, N. A vida digital. São Paulo: Editora Schawarcz Ltda., 1995.
NÉSTOR GARCÍA CANCLINI, R. R. Cultura Transnacional y culturas populares. Lima: IPAL, 1988.
ORTEGA, H. S. G. R. Streaming por todo lado: empresas levam música além do smartphone. G1
Música, 12 Agosto 2015. Disponivel em:
51
<http://g1.globo.com/musica/noticia/2015/08/streaming-por-todo-lado-empresas-levam-
musica-alem-do-smartphone.html>.
RICHTER, F. The state of music streaming. Statista, 1 Julho 2016. Disponivel em:
<https://www.statista.com/chart/5152/music-streaming-subscribers/>.
ROMANINI, V. As Competências Criativas num mundo em transformação. In: ALESSANDRA
DRUMMOND, M. H. C. R. S. Competências Criativas. Belo Horizonte: Instituto Una de
Responsabilidade Social e Cultural, 2016. p. 37-46.
ROMANINI, V. As competências criativas num mundo em transformação. In: ORG.
ALESSANDRA DRUMMOND, M. H. C. R. S. Competências Criativas. Belo Horizonte: Instituto
Una de Responsabilidade Social e Cultural, 2016. p. 37-46.
RONCANGLIOLO, N. G. C. E. R. Cultura transnacional e culturas populares. 1º. ed. Lima, Peru:
IPAL, 1988.
SAMSUNG. Fone de Ouvido Bluetooth Level Active. Samsung, 2017. Disponivel em:
<http://www.samsung.com/br/mobile-accessories/stereo-headset-level-active-bg930/EO-
BG930CBPGBR/>. Acesso em: 23 Abril 2017.
SANTAELLA, L. Culturas e Artes do Pós-humano. São Paulo: Paulus, 2003.
SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo. 3º. ed. São Paulo:
Paulus, 2008.
SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: PAULUS,
2008.
SECOM. Consumo de mídia. Brasília. 2014.
SELO MUNDO MELHOR. Sobre. Selo Mundo Melhor. Disponivel em:
<http://www.selomundomelhor.org/sobre/>.
SIANI, P.; ARAÚJO, M.; VEDOVA, P. Vendas de vinil voltaram com força e estão crescendo cerca
de 20% ao ano. G1 Jornal da Globo, 5 Maio 2016. Disponivel em: <http://g1.globo.com/jornal-
da-globo/noticia/2016/05/vendas-de-vinil-voltaram-com-forca-e-estao-crescendo-cerca-de-
20-ao-ano.html>.
SIGNIFICADOS. Significado de upload. Significados, 2017. Disponivel em:
<https://www.significados.com.br/upload/>. Acesso em: 23 abr. 2017.
SIGNIFICADOS.COM.BR. Significados. Disponivel em:
<https://www.significados.com.br/upload/>. Acesso em: 23 Abril 2017.
SILVA, A. O. D. Revista Espaço Acadêmico - nº 47. Espaco Academico, Abril 2015. Disponivel
em: <http://www.espacoacademico.com.br/047/47pol.htm>.
SODRÉ, M. Antropológica do espelho: uma teirida da comunicação linear em rede. Petrópolis:
Vozes, 2002.
52
SODRÉ, M. Eticidade, campo comunicacional e midiatização. In: MORAES, D. D. Sociedade
Midiatizada. Rio de Janeiro: MAUD Editora Ltda., 2006. p. 17-32.
SODRÉ, M. Antropológica do Espelho. 5º. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.
SPOTIFY. Iniciar o Spotify Premium. Spotify, 2017. Disponivel em:
<https://www.spotify.com/br/purchase/panel/#__yearly-digitalriver>. Acesso em: 28 Abril
2017.
SPOTIFY AB. Descobertas da semana. Support Spotify, 2017. Disponivel em:
<https://support.spotify.com/br/using_spotify/playlists/discover-weekly/>. Acesso em: 20
Abril 2017.
SPOTIFY CHARTS - BRASIL. Top 200. [S.l.]. 2016.
SPOTIFY CHARTS. Top 200. Spotify Charts, 2017. Disponivel em:
<https://spotifycharts.com/regional>. Acesso em: 04 Abril 2017.
SPOTIFY INSIGHTS. Série Brasil Passado Futuro. [S.l.]. 2016.
TENFEL, A. J. The History of Music Formats. aarontenfel. Disponivel em:
<http://www.aarontenfel.com/portfolio/infographic-2/>.
TORRES, R. A FAMA DO STREAMING E O SPOTIFY. wearesocial, 30 Junho 2016. Disponivel em:
<http://wearesocial.com/br/blog/2016/06/streaming-spotify>.
TORRES, R. A FAMA DO STREAMING E O SPOTIFY. We are Social, 2017. Disponivel em:
<https://wearesocial.com/br/blog/2016/06/streaming-spotify>. Acesso em: 20 mar. 15.
WIKIPEDIA E ENCICLOPÉDIA LIVRE. Fagocitose. Wikipédia, 2017. Disponivel em:
<https://pt.wikipedia.org/wiki/Fagocitose>. Acesso em: 23 abr. 2017.
WISNIK, J. M. O som e o sentido. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.
ZAN, J. R. (DES)TERRITORIALIZAÇÃO E NOVOS HIBRIDISMOS NA MÚSICA. Revista Sonora, 2016.
Disponivel em:
<http://www.publionline.iar.unicamp.br/index.php/sonora/article/view/625/598>.
53
10. APENDICES
10.1 - APENDICE A – Tela da Interface e mecanismos de descobertas
Esta é a tela de abertura do software versão desktop. Vemos o
anúncio, que às vezes apresenta playlists sugeridas, o feed de amigos e a
comunidade à direita, e o diálogo do agente.
Tela de abertura do Software Spotify, versão Desktop
Figura 2: Sessão de Gêneros e Momentos da versão mobile
54
Na figura à esquerda vemos sugestões de música correspondentes
às atividades. Demonstra-se o desvinculo da autoria com a obra. Na figura a
direita percebemos o agente virtual se apresentando em diálogo contextualizado
ao período noturno.
No anúncio dos fones de ouvido Level da Samsung apresentado
na primeira página da navegação, percebemos a prótese humana, o medium
ofertando a ponte que liga o ouvinte à sua bios virtual. O apelo dado inicialmente
pela estética e depois no hotsite26, pela mobilidade, é a principal vantagem e
forma de disciplina ali implícita.
26
(SAMSUNG, 2017)
55
Vejamos um exemplo de filtragem colaborativa do Spotify.
O gosto médio é processado através dessa combinação: gosto
comum + gosto comum = sugestão comum. Consideremos um usuário A que
ouve Kastrupismo27 e que não gosta do Justin Bieber28. Se houver algum usuário
B que goste de Kastrupismo mas também goste de Justin Bieber, o usuário A
terá o Justin Bieber recomendado na playlist por conta dessa semelhança. E na
condição de usuário freemium, às vezes não há opção de mudar de música,
depende se o usuário visualizou ou não o anúncio. É deste modo, que os
grandes hits permanecem nas playlist Top World, ou Top Brasil destacadas na
interface, responsáveis por entregar músicas aos seus seguidores: 7.084.465
(correspondente a 7% do volume de usuários global) e 447.926%
(correspondente a 3% do volume de usuários brasileiros)29.
27
artista independente sem promoções na rede
28
Artista gerenciado pela gravadora Universal Music.
29
Números baseados nas estatísticas de volume de usuários TORRES, 2017 e exibidos na prórpia
Tela de apresentação "Descobertas da Semana".
56
10.2 - APENDICE B – Mecanismos de Centralização, análise de Hiperlinks
Para demonstrar o “nó da rede” mencionado por Cruz, levantou-se
o número de possibilidades de navegação para fora da plataforma, na tentativa
de estabelecer alguma relação contextual da música tocada com sua origem de
produção ou ficha técnica (não incluída na descrição da música, o que inibe
estratégias de otimização de busca que poderiam ser configuradas pelos
artistas). Quantificando os hiperlinks (ver figura abaixo) que destinam o usuário
para fora da interface, chegamos em 7 (sete), dentro das 34 (trinta e quatro)
outras possíveis interações:
interface do Spotify, em 24/04/17.
Figura: Mapa de navegação e hiperlinks do software Spotify, versão Desktop
57
1) Anúncios: os anúncios patrocinados por marcas, ou pelo próprio
serviço, em geral direcionam o usuário para dentro da interface, sempre
para playlists que de alguma forma procuram dialogar com a
personalidade da marca. Hiperlinks para hotsite acontecem
esporadicamente, e quando ocorrem, se apropriam de informações
coletadas pelo serviço para monitorar o usuário e enquadrá-lo em
determinado perfil de consumidor para ações de posicionamento de
marca ou pós-venda.
Quem é usuário da conta free recebe anúncios a cada 15 minutos. Porém, a
plataforma dispõe aos anunciantes o formato de sessão patrocinada, isto é, se
o usuário visualizar o vídeo de 15”, 20” ou 30” até o fim, ele terá 30 minutos de
música sem interrupção de nenhuma propaganda. O anunciante tem a opção de
segmentar o anúncio de acordo com a localização do usuário e também de
acordo com a atividade que ele está fazendo, esta é detectada pelo próprio relato
do usuário ao escolher uma playlist vinculada à um momento (mood). Para
usufruir do benefício é obrigado a abrir o aplicativo se o uso estiver em segundo
Anúncio da Filtr, promovendo playlist de Sertanejo. Versão Desktop.
Música na tecnocultura - Vinícius leonel
Música na tecnocultura - Vinícius leonel
Música na tecnocultura - Vinícius leonel
Música na tecnocultura - Vinícius leonel
Música na tecnocultura - Vinícius leonel
Música na tecnocultura - Vinícius leonel
Música na tecnocultura - Vinícius leonel

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Música na tecnocultura - Vinícius leonel

V Enecult 2009 - Luis Albornoz
V Enecult 2009 - Luis AlbornozV Enecult 2009 - Luis Albornoz
V Enecult 2009 - Luis Albornoz
enecult
 
Monografia - Luciane Lazzaris
Monografia - Luciane LazzarisMonografia - Luciane Lazzaris
Monografia - Luciane Lazzaris
llazzaris
 
1254920712 manual tic
1254920712 manual tic1254920712 manual tic
1254920712 manual tic
Cristina Munoz
 
Apresentacao PPGCC
Apresentacao PPGCCApresentacao PPGCC
Apresentacao PPGCC
Gustavo Fischer
 
Tics na Educação
Tics na EducaçãoTics na Educação
Tics na Educação
Vanessa Nogueira
 
Artigo - O rádio que nos espera
Artigo - O rádio que nos esperaArtigo - O rádio que nos espera
Artigo - O rádio que nos espera
Andreza Salgueiro
 
OUVINTES OU INTERNAUTAS? AS TRANSFORMAÇÕES DO MEIO RÁDIO PROPORCIONADAS PE...
OUVINTES OU INTERNAUTAS? AS TRANSFORMAÇÕES DO MEIO RÁDIO PROPORCIONADAS PE...OUVINTES OU INTERNAUTAS? AS TRANSFORMAÇÕES DO MEIO RÁDIO PROPORCIONADAS PE...
OUVINTES OU INTERNAUTAS? AS TRANSFORMAÇÕES DO MEIO RÁDIO PROPORCIONADAS PE...
Thiago Aisengart Accioly
 
O bios midiático da cena musical paraense: visualidade e visibilidade do loca...
O bios midiático da cena musical paraense: visualidade e visibilidade do loca...O bios midiático da cena musical paraense: visualidade e visibilidade do loca...
O bios midiático da cena musical paraense: visualidade e visibilidade do loca...
Talita Baena
 
Artigo intercom blip.fm e as novas formas de consumo musical online
Artigo intercom   blip.fm e as novas formas de consumo musical online Artigo intercom   blip.fm e as novas formas de consumo musical online
Artigo intercom blip.fm e as novas formas de consumo musical online
Tiago Nogueira
 
Teorias da Comunicação Digital 01
Teorias da Comunicação Digital 01Teorias da Comunicação Digital 01
Teorias da Comunicação Digital 01
Pablo Moreno
 
Seminário A era e o meio Digital
Seminário A era e o meio DigitalSeminário A era e o meio Digital
Seminário A era e o meio Digital
Erika Zuza
 
Aula 15 A Sociedade em Rede
Aula 15   A Sociedade em RedeAula 15   A Sociedade em Rede
Aula 15 A Sociedade em Rede
Elizeu Nascimento Silva
 
ReflexõEs Sobre As Atuais PolíTicas PúBlicas Para O Cinema No Brasil
ReflexõEs Sobre As Atuais PolíTicas PúBlicas Para O Cinema No BrasilReflexõEs Sobre As Atuais PolíTicas PúBlicas Para O Cinema No Brasil
ReflexõEs Sobre As Atuais PolíTicas PúBlicas Para O Cinema No Brasil
Bruna Dalmagro
 
Programação
ProgramaçãoProgramação
Programação
PrefeituraRecife
 
Software Livre - novos rumos para a cultura e comunicação
Software Livre - novos rumos para a cultura e comunicaçãoSoftware Livre - novos rumos para a cultura e comunicação
Software Livre - novos rumos para a cultura e comunicação
Marcelo Sávio
 
Música na Internet: Indústria Fonográfica e Cultura de Fãs
Música na Internet: Indústria Fonográfica e Cultura de FãsMúsica na Internet: Indústria Fonográfica e Cultura de Fãs
Música na Internet: Indústria Fonográfica e Cultura de Fãs
Lucas Waltenberg
 
Scans e o entorno hipertecnológico e midiático-colaborativo de um artefato cu...
Scans e o entorno hipertecnológico e midiático-colaborativo de um artefato cu...Scans e o entorno hipertecnológico e midiático-colaborativo de um artefato cu...
Scans e o entorno hipertecnológico e midiático-colaborativo de um artefato cu...
Alexandre Honório
 
Indústria Cultural, Indústria Fonográfica, Tecnologia e Cibercultura
Indústria Cultural, Indústria Fonográfica, Tecnologia e CiberculturaIndústria Cultural, Indústria Fonográfica, Tecnologia e Cibercultura
Indústria Cultural, Indústria Fonográfica, Tecnologia e Cibercultura
Lucina Viana
 
O mercado fonográfico na era pós napster
O mercado fonográfico na era pós napsterO mercado fonográfico na era pós napster
O mercado fonográfico na era pós napster
Fernanda Bas
 
Insurreição Popular: Tecnopolítica e ContraCultura Digital para Cineclubes I
Insurreição Popular: Tecnopolítica e ContraCultura Digital para Cineclubes IInsurreição Popular: Tecnopolítica e ContraCultura Digital para Cineclubes I
Insurreição Popular: Tecnopolítica e ContraCultura Digital para Cineclubes I
Leonardo Foletto
 

Semelhante a Música na tecnocultura - Vinícius leonel (20)

V Enecult 2009 - Luis Albornoz
V Enecult 2009 - Luis AlbornozV Enecult 2009 - Luis Albornoz
V Enecult 2009 - Luis Albornoz
 
Monografia - Luciane Lazzaris
Monografia - Luciane LazzarisMonografia - Luciane Lazzaris
Monografia - Luciane Lazzaris
 
1254920712 manual tic
1254920712 manual tic1254920712 manual tic
1254920712 manual tic
 
Apresentacao PPGCC
Apresentacao PPGCCApresentacao PPGCC
Apresentacao PPGCC
 
Tics na Educação
Tics na EducaçãoTics na Educação
Tics na Educação
 
Artigo - O rádio que nos espera
Artigo - O rádio que nos esperaArtigo - O rádio que nos espera
Artigo - O rádio que nos espera
 
OUVINTES OU INTERNAUTAS? AS TRANSFORMAÇÕES DO MEIO RÁDIO PROPORCIONADAS PE...
OUVINTES OU INTERNAUTAS? AS TRANSFORMAÇÕES DO MEIO RÁDIO PROPORCIONADAS PE...OUVINTES OU INTERNAUTAS? AS TRANSFORMAÇÕES DO MEIO RÁDIO PROPORCIONADAS PE...
OUVINTES OU INTERNAUTAS? AS TRANSFORMAÇÕES DO MEIO RÁDIO PROPORCIONADAS PE...
 
O bios midiático da cena musical paraense: visualidade e visibilidade do loca...
O bios midiático da cena musical paraense: visualidade e visibilidade do loca...O bios midiático da cena musical paraense: visualidade e visibilidade do loca...
O bios midiático da cena musical paraense: visualidade e visibilidade do loca...
 
Artigo intercom blip.fm e as novas formas de consumo musical online
Artigo intercom   blip.fm e as novas formas de consumo musical online Artigo intercom   blip.fm e as novas formas de consumo musical online
Artigo intercom blip.fm e as novas formas de consumo musical online
 
Teorias da Comunicação Digital 01
Teorias da Comunicação Digital 01Teorias da Comunicação Digital 01
Teorias da Comunicação Digital 01
 
Seminário A era e o meio Digital
Seminário A era e o meio DigitalSeminário A era e o meio Digital
Seminário A era e o meio Digital
 
Aula 15 A Sociedade em Rede
Aula 15   A Sociedade em RedeAula 15   A Sociedade em Rede
Aula 15 A Sociedade em Rede
 
ReflexõEs Sobre As Atuais PolíTicas PúBlicas Para O Cinema No Brasil
ReflexõEs Sobre As Atuais PolíTicas PúBlicas Para O Cinema No BrasilReflexõEs Sobre As Atuais PolíTicas PúBlicas Para O Cinema No Brasil
ReflexõEs Sobre As Atuais PolíTicas PúBlicas Para O Cinema No Brasil
 
Programação
ProgramaçãoProgramação
Programação
 
Software Livre - novos rumos para a cultura e comunicação
Software Livre - novos rumos para a cultura e comunicaçãoSoftware Livre - novos rumos para a cultura e comunicação
Software Livre - novos rumos para a cultura e comunicação
 
Música na Internet: Indústria Fonográfica e Cultura de Fãs
Música na Internet: Indústria Fonográfica e Cultura de FãsMúsica na Internet: Indústria Fonográfica e Cultura de Fãs
Música na Internet: Indústria Fonográfica e Cultura de Fãs
 
Scans e o entorno hipertecnológico e midiático-colaborativo de um artefato cu...
Scans e o entorno hipertecnológico e midiático-colaborativo de um artefato cu...Scans e o entorno hipertecnológico e midiático-colaborativo de um artefato cu...
Scans e o entorno hipertecnológico e midiático-colaborativo de um artefato cu...
 
Indústria Cultural, Indústria Fonográfica, Tecnologia e Cibercultura
Indústria Cultural, Indústria Fonográfica, Tecnologia e CiberculturaIndústria Cultural, Indústria Fonográfica, Tecnologia e Cibercultura
Indústria Cultural, Indústria Fonográfica, Tecnologia e Cibercultura
 
O mercado fonográfico na era pós napster
O mercado fonográfico na era pós napsterO mercado fonográfico na era pós napster
O mercado fonográfico na era pós napster
 
Insurreição Popular: Tecnopolítica e ContraCultura Digital para Cineclubes I
Insurreição Popular: Tecnopolítica e ContraCultura Digital para Cineclubes IInsurreição Popular: Tecnopolítica e ContraCultura Digital para Cineclubes I
Insurreição Popular: Tecnopolítica e ContraCultura Digital para Cineclubes I
 

Mais de Vinícius Leonel Espalha Cultura

Planejamento estratégico - F.Rose Beats
Planejamento estratégico - F.Rose BeatsPlanejamento estratégico - F.Rose Beats
Planejamento estratégico - F.Rose Beats
Vinícius Leonel Espalha Cultura
 
Relatório - DJ TUDO - Espalha Cultura
Relatório - DJ TUDO - Espalha CulturaRelatório - DJ TUDO - Espalha Cultura
Relatório - DJ TUDO - Espalha Cultura
Vinícius Leonel Espalha Cultura
 
Elza Soares - A Mulher do Fim do Mundo - Case de Comunicação
Elza Soares - A Mulher do Fim do Mundo - Case de ComunicaçãoElza Soares - A Mulher do Fim do Mundo - Case de Comunicação
Elza Soares - A Mulher do Fim do Mundo - Case de Comunicação
Vinícius Leonel Espalha Cultura
 
O Piano que Conversa - Divulgação do Filme
O Piano que Conversa - Divulgação do FilmeO Piano que Conversa - Divulgação do Filme
O Piano que Conversa - Divulgação do Filme
Vinícius Leonel Espalha Cultura
 
O Bando de Seu Pereira - Biscoito do Bando
O Bando de Seu Pereira - Biscoito do BandoO Bando de Seu Pereira - Biscoito do Bando
O Bando de Seu Pereira - Biscoito do Bando
Vinícius Leonel Espalha Cultura
 
Relatório - VOA - AcordaAmor - Espalha Cultura - Case
Relatório - VOA - AcordaAmor - Espalha Cultura - CaseRelatório - VOA - AcordaAmor - Espalha Cultura - Case
Relatório - VOA - AcordaAmor - Espalha Cultura - Case
Vinícius Leonel Espalha Cultura
 
Relatório o piano que conversa v3
Relatório   o piano que conversa v3Relatório   o piano que conversa v3
Relatório o piano que conversa v3
Vinícius Leonel Espalha Cultura
 
Vicente barreto planejamento_digital
Vicente barreto planejamento_digitalVicente barreto planejamento_digital
Vicente barreto planejamento_digital
Vinícius Leonel Espalha Cultura
 
Espalha cultura case_elza_soares_natura
Espalha cultura case_elza_soares_naturaEspalha cultura case_elza_soares_natura
Espalha cultura case_elza_soares_natura
Vinícius Leonel Espalha Cultura
 
PPTex - Hyundai
PPTex - HyundaiPPTex - Hyundai
PPTéx - Cliente: Editorial Magazine
PPTéx - Cliente: Editorial MagazinePPTéx - Cliente: Editorial Magazine
PPTéx - Cliente: Editorial Magazine
Vinícius Leonel Espalha Cultura
 

Mais de Vinícius Leonel Espalha Cultura (11)

Planejamento estratégico - F.Rose Beats
Planejamento estratégico - F.Rose BeatsPlanejamento estratégico - F.Rose Beats
Planejamento estratégico - F.Rose Beats
 
Relatório - DJ TUDO - Espalha Cultura
Relatório - DJ TUDO - Espalha CulturaRelatório - DJ TUDO - Espalha Cultura
Relatório - DJ TUDO - Espalha Cultura
 
Elza Soares - A Mulher do Fim do Mundo - Case de Comunicação
Elza Soares - A Mulher do Fim do Mundo - Case de ComunicaçãoElza Soares - A Mulher do Fim do Mundo - Case de Comunicação
Elza Soares - A Mulher do Fim do Mundo - Case de Comunicação
 
O Piano que Conversa - Divulgação do Filme
O Piano que Conversa - Divulgação do FilmeO Piano que Conversa - Divulgação do Filme
O Piano que Conversa - Divulgação do Filme
 
O Bando de Seu Pereira - Biscoito do Bando
O Bando de Seu Pereira - Biscoito do BandoO Bando de Seu Pereira - Biscoito do Bando
O Bando de Seu Pereira - Biscoito do Bando
 
Relatório - VOA - AcordaAmor - Espalha Cultura - Case
Relatório - VOA - AcordaAmor - Espalha Cultura - CaseRelatório - VOA - AcordaAmor - Espalha Cultura - Case
Relatório - VOA - AcordaAmor - Espalha Cultura - Case
 
Relatório o piano que conversa v3
Relatório   o piano que conversa v3Relatório   o piano que conversa v3
Relatório o piano que conversa v3
 
Vicente barreto planejamento_digital
Vicente barreto planejamento_digitalVicente barreto planejamento_digital
Vicente barreto planejamento_digital
 
Espalha cultura case_elza_soares_natura
Espalha cultura case_elza_soares_naturaEspalha cultura case_elza_soares_natura
Espalha cultura case_elza_soares_natura
 
PPTex - Hyundai
PPTex - HyundaiPPTex - Hyundai
PPTex - Hyundai
 
PPTéx - Cliente: Editorial Magazine
PPTéx - Cliente: Editorial MagazinePPTéx - Cliente: Editorial Magazine
PPTéx - Cliente: Editorial Magazine
 

Último

Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ismael Ash
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Ismael Ash
 
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimizaçãoApresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
snerdct
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
ronaldos10
 
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústriaAula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
zetec10
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
Faga1939
 

Último (6)

Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoudFerramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de   DevOps/CLoud
Ferramentas que irão te ajudar a entrar no mundo de DevOps/CLoud
 
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWSSubindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
Subindo uma aplicação WordPress em docker na AWS
 
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimizaçãoApresentação sobre Deep Web e anonimização
Apresentação sobre Deep Web e anonimização
 
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docxse38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
se38_layout_erro_xxxxxxxxxxxxxxxxxx.docx
 
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústriaAula combustiveis mais utilizados na indústria
Aula combustiveis mais utilizados na indústria
 
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL + COMPUTAÇÃO QUÂNTICA = MAIOR REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA D...
 

Música na tecnocultura - Vinícius leonel

  • 1. 6 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE COMUNICAÇÕES E ARTES CENTRO DE ESTUDOS LATINO AMERICANOS SOBRE CULTURA E COMUNICAÇÃO Música na Tecnocultura A interface do Spotify como suporte e seus processos de hibridação Marcus Vinícius Leonel Março de 2017 Trabalho de conclusão de curso apresentado como requisito parcial para obtenção do título de Especialista em Mídia, Informação e Cultura sob orientação do (a) Prof. Dr. Vinícius Romanini
  • 2. 7
  • 3. 8 Música na Tecnocultura: A interface do Spotify como suporte e seus processos de hibridação. Vinícius Leonel1 RESUMO A chegada da era digital trouxe velocidade no trânsito de informação, novas técnicas para a reprodução de música, e a incapacidade do ser-humano em consumir tudo o que é produzido. Daí surgem as interfaces gráficas e os agentes virtuais organizando e antecipando necessidades do ser-humano. À medida que essas informações são controladas por empresas globais há como questionamentos: de que modo o sujeito constrói sua realidade a partir da recepção de conteúdos e fontes criados com fins mercadológicos; até que ponto temos o controle sobre as plataformas de música streaming – que se estende à do entretenimento e informação como um todo; e até que ponto os oligopólios conduzem e se apropriam do processo de hibridação. Busca-se avaliar a intersecção entre os novos paradigmas de distribuição, produção, e consumo de música via as plataformas streaming. Tecnocultura, Hibridismo, Música e Internet, Streaming, Indústria Fonográfica, Spotify ABSTRACT The arrival of the digital age has brought speed in the transit of information, new techniques for the reproduction of music, and the inability of the human being to consume everything that is produced. Hence arise the graphical interfaces and the virtual agents organizing and anticipating human needs. As this information is controlled by global companies, there are questions: how does the subject construct its reality from the reception of contents and sources created for marketing purposes; How far we have control over the platforms of music streaming - that extends to the entertainment and information as a whole; And to what extent oligopolies lead and appropriate the hybridization process. The research evaluates the intersection between the new paradigms of distribution, production, and music consumption via streaming platforms. Technology, Hybridism, Music and Internet, Streaming, Phonographic Industry, Spotify RESUMEN 1 Graduado em Comunicação Social com ênfase em Comunicação Mercadológica pela Universidade Metodista de São Paulo e Especialista em Marketing Digital pela Internet Innovation. Empreende na Espalha Cultura, agência de comunicação cultural e mídias sociais para músicos.
  • 4. 9 La llegada de la era digital trajo velocidad en el tránsito de información, nuevas técnicas para la reproducción de música, y la incapacidad del ser humano para consumir todo lo que se produce. De ahí surgen las interfaces gráficas y los agentes virtuales organizando y anticipando necesidades del humano. A medida que esas informaciones son controladas por empresas globales hay como cuestionamientos: de qué modo el sujeto construye su realidad a partir de la recepción de contenidos y fuentes creadas con fines mercadológicos; Hasta qué punto tenemos el control sobre las plataformas de música streaming - que se extiende a la del entretenimiento e información como un todo; Y hasta qué punto los oligopolios conducen y se apropia del proceso de hibridación. La investigación evalúa la intersección entre los nuevos paradigmas de distribución, producción, y consumo de música a través de las plataformas streaming. Tecnología, Hibridismo, Música e Internet, Streaming, Industria Fonográfica, Spotify
  • 5. 10 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 13 2. TECNOCULTURA 15 3. REPRODUTIBILIDADE TÉCNICA 16 4. INTERFACE E ANTOLOGIA DA CULTURA DIGITAL 18 5. PROCESSOS DE HIBRIDAÇÃO 24 5. A INDÚSTRIA FONOGRÁFICA E SEUS MECANISMOS DE CONTROLE 31 6. SPOTIFY E A PENETRAÇÃO GLOBAL 35 7. SPOTIFY: ANÁLISE DA INTERFACE COMO SUPORTE 36 7.1 As playlists, O agente invisível, e suas sugestões de conduta 36 7.2 Estratégias de centralização 38 7.3 Interface hegemônica e Estetização 39 7.4 Operações de transnacionalização 40 7.5 Operações de desterritorialização e hibridismo 43 8. CONSIDERAÇÕES FINAIS 44 9. REFERÊNCIAS 48 10. APENDICES 53 10.1 - APENDICE A – Tela da Interface e mecanismos de descobertas 53 10.2 - APENDICE B – Mecanismos de Centralização, análise de Hiperlinks 56 10.3 - APENDICE C – Mecanismos de transnacionalização 60 10.4 - APENDICE D – Antologias inadequadas 62 11. ANEXOS 64 11.1 - Anexo 1 – Principais serviços de Streaming no Brasil 64 11.2 - Anexo 2 – Uso do Spotify por dispositivos móveis no mundo 64
  • 6. 11
  • 7. 12 Agradecimentos, Aos amigos que corresponderam telepaticamente. À família que apoiou e acompanhou as diversas mudanças de hábitos. Ao meu marido Guilherme Kastrup pela ajuda e paciência geral. Ao orientador Vinícius Romanini e avaliadoras que contribuíram para um artigo mais sintético. Às bandas e artistas que contribuíram com dados e investimentos, possibilitando maior proximidade do objeto ao longo da pesquisa. Aos pensadores orgânicos e passantes que encontrei nessa jornada transformadora.
  • 8. 13 1. INTRODUÇÃO Thomas Edison ao inventar o fonógrafo nos anos de 1880 tinha como objetivo inicial criar um equipamento capaz de armazenar memórias sonoras. Queria obter um registro que transitasse e pudesse ser revivido pelos escombros do espaço-tempo. Seu uso era imaginado pelo inventor para diversas funções pessoais e afetivas: a gravação de conversas telefônicas, a correspondência de cartas por mensagens de voz, as últimas palavras de um ente que está para morrer. Também era visionário em relação ao poder que a invenção detinha ao ser utilizada no campo da educação: livros fonográficos dedicados a deficientes visuais; ensino de idiomas e aprimoramento da dicção; gravação e consulta de conteúdo dado em sala de aula, aumentando a capacidade de aprendizado do aluno. Edison não previu em sua época e nem patenteou o uso do fonógrafo e cilindro para fins de entretenimento. Rapidamente a indústria cultural, mais especificamente a fonográfica, brilhou os olhos sobre as possibilidades comerciais que havia naquela invenção. Tão logo a música deixava de ocupar apenas as salas de concertos para ser comercializada e materializada em cilindros, e ao longo do tempo, em vinil, em fita k7, no CD Rom, e atualmente desmaterializada no MP3 e no streaming. O aprimoramento das técnicas de reprodução, a possibilidade de copias infinitas permitidas pela descoberta do número binário, o bit, fez com que a música passasse de um modelo de escassez para um modelo baseado na abundância e gratuidade2. Com ações antipirataria e financiamento da publicidade, os oligopólios parecem viver num cabo de guerra com os movimentos contra hegemônicos. Oligopólios ganham força também através de fator estético e arquitetônico oferecidos com a interface gráfica, que organiza acervos e criam uma ordem na navegação e nos processos de descobertas do usuário. A decorrência disso é uma imposição mecânica sobre nossas vidas no modo como consumimos música, alterando os processos culturais, a compreensão da diversidade, as experiências estéticas, e a noção do real e da 2 CRUZ, 2014, pg. 97
  • 9. 14 simulação distorcidos pela midiatização. Chegamos ao ápice desta investigação: como é organizada e qual é o papel da música na tecnocultura? A partir disso, há como questionamentos: de que modo o sujeito constrói sua realidade a partir da recepção de conteúdos e fontes criados com fins mercadológicos; até que ponto as tecnomediações interferem no consumo e produção para as plataformas de música streaming – que se estende à do entretenimento e informação como um todo; e até que ponto os oligopólios induzem este repertório apenas aos interesses comerciais globalizantes. Em resumo, busca-se avaliar a intersecção entre os novos paradigmas de distribuição, produção, e consumo de música via as plataformas streaming. Com o método de pesquisa exploratório e teórico, analiso a interface da plataforma de música streaming Spotify, apontando algumas ações reprodutiivistas oriundas da interface hegemônica, de dominação do ciberespaço e do avanço do neoconservadorismo ou capital da informação. Para embasá-la são utilizados conceitos teóricos de Muniz Sodré, Steven Johnson, Vinícius Romanini, Nestor García Canclini, e outros autores, que como ponto em comum, discutem as relações entre tecnologia, sociedade, e processos culturais. O artigo também pretende ser complementar à pesquisa de doutorado de Leonardo Cruz, que trata das arquiteturas de controle da indústria fonográfica a partir dos eixos de direitos autorais e da economia da atenção. Aqui, a continuidade é dada a partir dos eixos de controle da interface e de seus processos de hibridação. O artigo se estrutura da seguinte forma: primeiro discute-se a condição da informação na tecnocultura. Na segunda parte relaciona-se os conceitos de interface com os processos de hibridação, sob os eixos de desterritorialização e transnacionalização na ótica do objeto de estudo. Na terceira são apontadas estratégias de controle e sustentação dos oligopólios. E por fim, são colocadas algumas reflexões a respeito das produções artísticas e formação de repertório musical.
  • 10. 15 2. TECNOCULTURA Às custas das experiências bélicas e de projetos modernizantes, tivemos um extenso processo de transformação no modo como produzimos e consumimos a música e informação hoje, principalmente com a criação do bit, o número binário. Graças ao eletrônico e digital conseguimos, quase na velocidade da luz, os fragmentos tempo-espaciais que Edson obtinha pelas vias mecânicas e analógicas. Porém, ao mesmo passo que avançamos ao uso da informação para o conhecimento coletivo, avançamos também para um espaço de maior vigilância e controle estabelecido pelo capital. Ao mesmo passo que obtivemos uma infinidade de informação e músicas entregues sem interrupção, ficamos sujeitos a distorções no modo como constituímos a realidade e o gosto quando condicionados pela indústria cultural ou capital – esta condição é vista como um “fenômeno midiático” da tecnocultura (SODRÉ, 2006, p. 19). O termo tecnocultura é empregado aqui no seu sentido mais cru, na desconstrução de seu neologismo. O tecno referindo-se à instrumentalização (o gravador, o rádio, a plataforma streaming) e cultura às práticas sociais, políticas, artísticas e linguísticas que traduzem o acumulo de conhecimento da humanidade (mediada pelo ouvinte, ou musicista), sendo a conjunção da palavra a própria articulação de seus sentidos. Pensada efetivamente como articulação entre tecnologia e cultura, ela não diz pura e simplesmente da tecnologia nem pura e simplesmente da cultura, mas das apropriações e interpretações da tecnologia na vida cotidiana, para lidar com problemas, questões, necessidades colocadas pela vida, em sintonia com afetos, desejos, valores e práticas sociais. Tecnocultura se refere a uma relação que convoca nosso olhar para as dinâmicas políticas, sociais, econômicas, simbólicas da nossa vida cotidiana. (GOMES, 2014, p. 6) Ao invés de trazer uma discussão epistemológica sobre o termo tecnocultura, por considera-lo instável e bastante amplo, existindo também divergência de apropriação entre autores que o empregam, centra-se aqui a intersecção que há nos processos culturais à medida que novos dispositivos de comunicação e reprodução da realidade são impostos com os interesses mercadológicos, ou seja, quais são os novos paradigmas na produção e
  • 11. 16 recepção da música com sua virtualização nas plataformas streaming e o que isso interfere na constituição do sujeito social. Pretende-se empregar tecnocultura com base na definição que Muniz Sodré utiliza em Antropológica do Espelho. A tecnocultura – essa constituída por mercado e meios de comunicação, o quarto bios – implica uma nova tecnologia perceptiva e mental, portanto, um novo tipo de relacionamento do indivíduo com as referências concretas e com a verdade, ou seja, uma outra condição antropológica. (SODRÉ, 2006, p. 23). 3. REPRODUTIBILIDADE TÉCNICA Walter Benjamin previa a subordinação das artes na lógica industrial ao observar o rápido aprimoramento das reprodutibilidades técnicas, isto é, a capacidade das obras em serem copiadas e multiplicadas, para acelerar o processo de produção da informação. Se tornam suportes da imprensa e, posteriormente, sua própria comercialização. Com a litografia, as técnicas de reprodução marcaram um progresso decisivo. Esse processo, muito mais fiel – que submete o desenho à pedra calcária, em vez de entalhá-lo na madeira ou de gravá-lo no metal – permite pela primeira vez às artes gráficas não apenas entregar-se ao comércio das reproduções em série, mas produzir diariamente obras novas. (BENJAMIN, 1961, p. 12) [...] “Reproduzem-se cada vez mais obras de arte, que foram feitas justamente para serem reproduzidas” (BENJAMIN, 1961, pg. 17). Na tecnocultura a música entra numa lógica de produção fordista. Seu tempo simbólico é sufocado em meio à massa de produção trazida com a indústria da informação e a internet. Com o bit, alcançamos a possibilidade de disponibilizar e ouvir centenas de músicas. Sua infinidade oriunda das técnicas de gravação, reprodução, das cópias, compactação digital, e desmaterialização tornam o humano incapaz de consumir tudo o que há de música gravada no tempo natural de uma vida. Daí surgem as plataformas streaming, um novo ambiente de realização social apresentado através das interfaces gráficas - um espaço arquitetado para reunir acervos, organizando fluxos de dados que facilitam a navegação do usuário na internet. Sobre as plataformas streaming:
  • 12. 17 Seu modelo de negócio é baseado em uma experiência de consumo de conteúdos digitais que substitui a lógica da compra de um disco pelo acesso a fonogramas hospedados nas redes digitais, permitindo que seu desfrute possa ser realizado sem que se precise baixar, arquivar e organizar esse conteúdo em dispositivos individuais. Por essas características, eles já foram entendidos de diversas formas: como plataformas sociais de música (AMARAL, 2007), como sistemas telemáticos que simulam estações de rádio (LEÃO; PRADO, 2007), como mídias sociais de base radiofônica ou, abreviadamente, serviços de rádio social (KISCHINHEVSKY; CAMPOS, 2014). Na prática, podem ser descritos como portais de consumo, promoção e circulação de conteúdos sonoros. (KISCHINHEVSKY, VICENTE e MARCHI, 2015, p.2) As plataformas de música streaming é exemplo de um médium, “um tipo particular de interação, portanto, a que poderíamos chamar de tecnomediações – caracterizadas por uma espécie de prótese tecnológica e mercadológica da realidade sensível”. (SODRÉ, 2006, p. 20). O usuário que a acessa tem como propósito inicial ouvir música - antes do entretenimento, esta é caracterizada como uma mediação simbólica, “ação de fazer ponte ou fazer comunicarem-se duas partes” (SODRÉ, 2006, p. 20). No intuito de ocupar-se, de obter algum tipo de companhia, o usuário telerrealiza-se, transporta-se do show presencial para a simulação do ao vivo, ou desvencilha-se de um suporte material, como o CD e o vinil, para acessar um ambiente tecnologicamente criado que irá mediar esta demanda simulando as experiências sensitivas que há no ato de ouvir música pelos rituais analógicos. A partir do computador, a simulação digitaliza-se (a informação é veiculada por compressão numérica) e, nos atuais termos tecnológicos, passamos da dominância analógica à digital, embora os dois campos estejam em contínua interface. Daí decorre a confirmação atual da tecnocultura, uma cultura da simulação ou do fluxo, que faz da “representação apresentativa” uma nova forma de vida. (SODRÉ, 2010. Pg. 17) Com a música nas plataformas streaming sob as condições descritas acima, “o indivíduo é solicitado a viver muito pouco auto-reflexivamente [...] cujo horizonte comunicacional é interatividade absoluta” (SODRÉ, 2006, p.
  • 13. 18 22), ou seja, um consumo exacerbado de mediações simbólicas, o sujeito em função de uma economia da atenção3. Ao mesmo tempo que as novas tecnologias facilitam a produção da música, emergem canais ou dispositivos para que elas sejam organizadas. Sua produção passa a ser acelerada para atender uma demanda social e mercadológica. O efeito desta aceleração é a perda da autenticidade, que Benjamin denomina por hit et nunc, ou perda da aura, o desvinculo com a história, rituais e tradição em que a obra foi criada, a ausência da doação espiritual do artista e sua produção. É sob este parâmetro que o autor já apontava consequências do avanço tecnológico e seus impasses com a sociedade – a música em seu estado midiatizado. Desde que o critério de autenticidade não é mais aplicável à produção artística, toda a função da arte fica subvertida. Em lugar de se basear sobre o ritual, ela se funda, doravante, sobre uma outra forma de práxis: a política. (BENJAMIN, 1961, pg. 17). [...] Na medida em que diminui a significação social de uma arte, assiste-se, no público, a um divórcio crescente entre o espírito crítico e o sentimento de fruição. Desfruta-se do que é convencional sem criticá-lo; (BENJAMIN, 1961, pg. 27) 4. INTERFACE E ANTOLOGIA DA CULTURA DIGITAL Com um maior domínio sobre as reprodutibilidades técnicas o ser humano entra num estágio incapaz de absorver o extenso volume de informação. Carregadas de experiências estéticas fragmentadas, identidades, símbolos, disponibilizados e produzidos diariamente para a infosfera ou ciberespaço4, a informação ganha a interface para canalizar estes fluxos de informação. 3 O tempo de navegação do usuário se torna valioso para o mercado, uma vez, que quanto maior o tempo de navegação na internet, maior a possibilidade de anunciantes oferecer suas mercadorias ou conteúdo. “ (...) A cultura se torna o recurso comercial mais importante, o tempo e a atenção se tornam a posse mais valiosa e a própria vida de cada indivíduo se torna o melhor mercado” (RIFKIN, apud: CRUZ) 4 "O ciberespaço confunde, em uma única palavra-chave, técnica, simbolismo, natureza e sociedade” (MUSSO, 2006, Pg. 194). É também conhecido como o cérebro-global, um ser artificial e vivo que dá acesso às memórias depositadas por usuários, numa rede, um “conjunto de elos interconectados” (MUSSO, 2006, Pg. 195), ligando diversas espaços territoriais do mundo à “terra incógnita” (MUSSO, 2006, Pg. 195), desterritorializada, sem fronteiras. É uma espécie de acervo da humanidade, que se desdobra numa combinação infinita de possibilidades, com seus caminhos encurtados.
  • 14. 19 No sentido mais simples, de manual, diríamos que a interface consiste em clicar um mouse em certos objetos para ativá-los, clicar em direções para movê-los, clicar e arrastar para interagir com eles. Sem dúvida é disso que se trata. [...] A interface é na realidade todo o mundo imaginário de alavancas, canos, caldeiras, insetos e pessoas conectados — amarrados entre si pelas regras que governam esse pequeno mundo. (JOHNSON, 2001, 223) O homem como centro do universo, ideia internalizada há séculos pela visão antropocêntrica, parece perder sua posição com a transição do analógico para o digital. Numa espécie de upload5, que desfragmenta e transfere arquivos digitais para o ciberespaço, estamos a carregar hábitos, condutas, linguagens, e a própria razão, considerada até então exclusividade da espécie humana. Passamos a conviver com híbridos de homem e máquina. No ciberespaço, o território não existe. O território rugoso, resistente é apagado. Subsiste apenas um espaço liso, fluido, de circulação [...] esse espaço de rede se desenvolvendo sem fim é híbrido, meio humano, meio máquina: ele liga homens e máquinas, indistintamente, porque as redes são ora organismos, ora artefatos. (MUSSO, 2006, Pg. 196) Para que a revolução digital acontecesse de fato, seria preciso que a comunicação entre homem e microprocessador se tornasse fluida e empática, onde a própria interface gráfica se tornasse “um meio de comunicação. Não mais um ponto de intersecção inerte e misterioso entre usuário e microprocessador” (JOHNSON, 2001, p. 54). Inicialmente a interface era imaginada “como um ambiente, um espaço a ser explorado” (JOHNSON, 2001, p. 32), mas ela evoluiu e agregou agentes virtuais. “em vez de espaço, aqueles zeros e uns são organizados em algo mais próximo de um indivíduo, com um temperamento, uma aparência física, uma aptidão para aprender — o computador como personalidade, não como espaço. Chamamos essas novas criaturas — essas "personalidades" digitais — de agentes. (JOHNSON, 2001, p. 161) 5 Upload é um termo da língua inglesa com significado referente à ação de enviar dados de um computador local para um computador ou servidor remoto, geralmente através da internet. (SIGNIFICADOS, 2017)
  • 15. 20 Percebemos até aqui mudanças de paradigmas no modo como se armazena e consome música. Trocamos o suporte material como o CD e o Vinil, para a interface gráfica. Àqueles se tornam objetos colecionáveis. A interface se torna o novo suporte da música na tecnocultura, imaterial e descolecionável. É nesta condição, que passamos a conviver com agentes inteligentes capazes de operar tarefas diárias filtrando informações hipoteticamente relevantes. Imagine um futuro no qual seu agente de interface vai poder ler todos os jornais e captar todos os noticiários de tv e rádio do planeta, construindo a partir daí um sumário personalizado para você. Esse tipo de jornal terá uma tiragem de uma única cópia. (NEGROPONTE, 1995, 147) Na mesma linha do exemplo dado pelo Negroponte, temos hoje nas plataformas streaming, agentes que “escutam” músicas para o usuário, e montam uma playlist ou uma rádio personalizada. Na história da interface, a escrivaninha foi a analogia principal para dar sentido ao que conhecemos como Desktop, ou área de trabalho. Com os agentes virtuais, a analogia partiu com o uso do termo "mordomos". Inicialmente foi colocado pela Apple e pela Microsoft como um ser submisso do homem. Um mordomo sempre em prontidão para atender os desejos de seu "chefe" na forma mais rápida e assertiva possível. Nos anos 80, o agente era de fato ilustrado como um mordomo (O Jeeves pela Apple e o Bob da Microsoft)6, mas nos anos 90, entra em desuso a metáfora realista para o uso de agentes invisíveis. Johnson relata que “sua invisibilidade é a fonte de seu poder” (Cultura da Interface, 2001, p. 163). Elas possibilitam que os agentes se infiltrem mais facilmente em nossas vidas, se instalando em nossas máquinas, reduzindo seu papel de submissão. Transitamos de uma manipulação direta com a interface, nosso poder de escolha, para uma manipulação indireta com os agentes, o tornamos nosso representante, delegamos a ele este poder de escolha. "É o risco de baboseira, entulho, poluição informacional personalizados se fazerem passar por nossos novos melhores amigos" (JOHNSON, 2001, p. 173). Com os agentes, há 6 Nome dos agentes virtuais utilizado pelas empresas do sistema operacional, no caso Apple e Microsoft. Johnson, também cita os agentes e suas funções em Cultura da Interface.
  • 16. 21 uma redução do controle do homem sobre a informação que ele próprio consome. "O controle tátil, imediato da interface tradicional dá lugar a um sistema mais oblíquo, em que nossos comandos são peneirados através de nossos representantes" (JOHNSON, 2001, p. 165). [...] "Esta é uma razão por que o projeto de nossos agentes inteligentes não deveria ser deixado nas mãos de executivos e tecnocratas." (JOHNSON, 2001, p. 164) As plataformas streamings são dotadas de agentes que selecionam novas músicas de sua rede a partir do histórico de seus usuários. Organizam playlists semanalmente, ou recomendam uma sequência de músicas a partir de uma única ação do usuário: o play (ou flow7 nos termos do Deezer). Neste caso o usuário delega a reprodução sonora, sem previsão exata do que irá ouvir. "Esse tipo de agente inteligente é conhecido também pelo nome de "mídia de push". No sentido mais elementar, é informação que vem até nós, em contraposição à que nós mesmos obtemos." (JOHNSON, 2001, p. 172) Em primeira instância, parece incrível ter um agente que se corresponde às nossas preferências musicais e nos oferecem descobertas relacionadas. O grande problema de detê-los, é quando os agentes passam a atender oligopólios da indústria fonográfica, entregando como descoberta, o que já faz parte do repertório estético formado pela mídia de massa. Os agentes podem vir a ter um impacto profundo no modo como os gostos populares se formam” (JOHNSON, 2001, p. 163). [...] A propaganda vai se transformar na arte de controlar agentes, através de suborno [ou] pirataria. (JOHNSON, 2001, p. 167) O que o agente considera e afirma constantemente ao seu usuário como uma informação de fato relevante, não considera fatores externos e subjetivos que determinam a preferência musical, isto é: história, política, relações extra virtuais, etc. Seu mecanismo de descoberta, é ativado do modo bastante superficial. Utiliza-se de parâmetros numéricos, e de combinações entre interesses em comum. Esta ação denomina-se por "Filtragem Colaborativa". "Se apoia na transferibilidade do gosto: supõe que pessoas que 7 Sugestão de continuidade infinita, o surf da web convertido em fluidos, fluxos de música.
  • 17. 22 têm alguns interesses em comum vão partilhar também outros interesses." (JOHNSON, 2001, p. 178). A correspondências dos agentes se limita aos parâmetros de semelhança de gosto, ao invés de recomendar músicas produzidas na cidade natal, ou músicas que contextualizem problemas sociais da cidade que o usuário reside, por exemplo. Transforma a relação do gosto, numa cadeia reprodutivista e cada vez mais fechada. "O negócio dos agentes inteligentes não é só antecipar nossas necessidades. Eles estão conseguindo também se infiltrar no reino mais nebuloso do gosto e da diferenciação estética." (JOHNSON, 2001, p. 175) Basicamente, realizam uma pesquisa estética inicial e cruzam dados com usuários conectados entre si. A partir do parâmetro do gosto em comum, passam a oferecer novas descobertas musicais. Steven Johnson descreveu detalhadamente como esta operação funciona utilizando como exemplo o caso do Firefly8. Aqui, faço um salto direto às consequências envolvidas nas antecipações feitas por esses agentes, se apropriando do conceito de antologia da cultura nas redes, tratada por Vinícius Romanini em Competências Criativas. Por antologia da cultura nas redes, entende-se o mecanismo de controle envolvido na busca e entrega da informação pela interface ou agente. Ou seja, o que há por trás do resultado visual ou sonoro. São os parâmetros que programadores e algoritmos criam para estabelecer lógicas que aprimoram o conhecimento do agente virtual, por exemplo. “Criadores de antologias digitais são os novos deuses da era digital porque têm o poder de estabelecer o que pode e não pode ter realidade nesse universo feito de informação” (ROMANINI, 2016, p. 45). Com isso trazemos novamente a pergunta: é possível as plataformas streaming programarem seus agentes para formar um repertório que atende aos interesses dos oligopólios? O autor, observa duas situações possíveis em relação ao uso das antologias: Por meio de uma antologia adequada, pode-se criar uma 8 Relatado por Steven Johnson em Cultura da Interface como o primeiro sistema de inteligência artificial, que faria a sugestão de músicas com base no histórico de seus usuários e parâmetros de gosto através da filtragem colaborativa. Johnson, avalia não apenas a ontologia do programa, como as possíveis consequências na indústria fonográfica com o uso deste tipo de agente. Caso citado no capítulo seis.
  • 18. 23 rede virtualmente infinita de possibilidades de circuitos culturais a partir dos interesses particulares de usuários e que levem em conta a diversidade e a tipicidade das manifestações. Sem uma antologia adequada, os movimentos alternativos ou manifestações genuínas que não atendem aos interesses dos mercados permanecem invisíveis e inalcançáveis no turbilhão das informações publicadas na internet. (ROMANINI, 2016, p. 45) É preciso levar em conta que as interfaces e agentes, ao mesmo tempo que antecipam necessidades do homem, realizam sugestões de conduta, “formas reguladoras do relacionamento em sociedade” (SODRÉ, 2010. Pg. 20). Além disso, estão à disposição dos usuários da internet por um objetivo bastante definido: o acumulo de lucro, a militarização, e a condução à um governo global. [...] já é lugar-comum afirmar que o desenvolvimento dos sistemas e das redes de comunicação transforma radicalmente a vida do homem contemporâneo, tanto nas relações de trabalho como nas de sociabilização e lazer. Mas nem sempre se enfatiza que está primeiramente em jogo um novo tipo de exercício de poder sobre o indivíduo (o "infocontrole", a "datavigilancia"). (SODRÉ, 2010. Pg. 15). Na tecnocultura, “o processo de comunicação é técnica e mercadologicamente redefinido pela informação” (SODRÉ, 2006, p. 21), é a partir disso que se configuram os novos espaços públicos, a moral, o ethos9, a agenda, as experiências estéticas, e o próprio modo do sujeito em conceber e perceber o mundo. “Costumes, hábitos, regras, valores são os materiais que explicitam a vigência do ethos e regulam o senso comum”. (SODRÉ, 2006, p. 24) É sob este aspecto que se regula a arte, o modo como a música deve ser produzida, transferindo seu sentido político e espiritual, para a repetição padronizada, segura, e de liberdades individuais restritas, “de valores estéticos estatisticamente determinados, formando o gosto “médio”, uma “influência normativa” (SODRÉ, 2006, p. 23). A música tendo como novo suporte a interface, agrega uma série de valores normativos que lhes dizem, ou sugerem, como ela deve ser ouvida ou mesmo criada. São as sugestões de conduta. No caso das 9 Seria preciso estender o capítulo para discutir mais um conceito, o ethos, na qual Sodré coloca como responsável pela ordem moral e pelas condutas e modos como nos organizamos politicamente em sociedade.
  • 19. 24 plataformas streaming, veremos detalhadamente mais à frente que seu desenvolvimento provém de investimentos das tradicionais empresas fonográficas, estas, responsáveis por boa parte da agenda midiática e distribuição de produtos culturais hegemônicos. O poder da tecnocultura é homólogo (e a homologia não se dá por acaso, passa pelo vetor do mercado) à hegemonia norte-americana no Ocidente, que reside em sua capacidade de formar a agenda política e noticiosa internacional, de produzir em seus laboratórios e indústrias a maior parte dos objetos da economia midiática e de atrair as consciências para uma forma de vida sempre modernizante por vias do liberalismo democrático e do consumo. (SODRÉ, 2006, p. 23) 5. PROCESSOS DE HIBRIDAÇÃO Chegamos a outro ponto importante da intersecção tecnologia e sociedade: de que modo constituímos nossas identidades na pós-modernidade? Isto é, como ela pode ser condicionada a partir do momento que passamos a conviver com agentes virtuais e antologias desenvolvidas pelo mercado? A resposta mais imediata possível seria: com os processos de hibridação. Pretende-se aqui demonstrar como as interfaces das plataformas de música streaming aceleram estes processos. As mestiçagens étnicas e religiosas causadas pelas ondas migratórias; A massificação globalizada de valores simbólicos permitidos pela reprodutibilidade técnica; a reestruturação de etnias, nações e classes ao âmbito transnacional; a subordinação das artes e dos saberes à lógica do mercado; a redução das fronteiras territoriais ocasionadas pela comunicação global; a integração de Estado com privado; e a própria fusão entre homem e máquina, fazem parte do que Canclini denomina como processos de hibridação. Entendo por hibridação processos socioculturais nos quais estruturas ou práticas discretas, que existiam de forma separada, se combinam para gerar novas estruturas, objetos e práticas. (CANCLINI, 2015, p. XIX) A hibridação é o momento em que as culturas e suas especificidades convergem, se transformam para facilitar o contato com o distinto a partir de sua apresentação relativa. Perde-se ou transfigura-se a linha
  • 20. 25 divisória do que é cultura erudita e o que é cultura popular, e o que é de propriedade local, nacional ou estrangeira. No âmbito da tecnocultura anteriormente descrita, tudo se converge num espaço heterogêneo, sem fronteiras geográficas ou estéticas. Disso resultam cruzamentos culturais em que o tradicional e o moderno, o artesanal e o industrial mesclam-se em tecidos híbridos e voláteis próprios das culturas urbanas” (SANTAELLA, 2003, 52) O termo emprestado do campo biológico, vem para as ciências sociais para ilustrar as “misturas interculturais propriamente modernas” (CANCLINI, 2015, p. XXX). Extrapolando as questões étnicas, aborda as novas possibilidades e efeitos quando se convergem, por exemplo, o popular e o erudito, o artista e a indústria cultural, as artes com a tecnologia, as identidades fixas com identidades em deslocamento. A palavra hibridação aparece mais dúctil para nomear não só as combinações de elementos étnicos ou religiosos, mas também a de produtos das tecnologias avançadas e processos sociais modernos ou pós-modernos. (CANCLINI, 2015, p. XXIX) Pela rápida troca simbólica de uma cultura à outra, de um território a outro, ocasionado pela organização da música na interface e pela sua entrega feita pelo agente virtual, tratamos as plataformas streaming como um produto das tecnologias avançadas responsáveis no processo de hibridação. O modo como organizam a música e o modo como o agente entrega suas descobertas, dá aos usuários uma experiência de conexões multiculturais, rítmicas, estéticas, linguísticas e ritualísticas, num ritmo acelerado e sobreposto à outras informações. Obviamente, estas experiências são simulações, amostras de culturas, apresentadas de modo fragmentado. Isto é o que Canclini chama de desterritorialização, marcada pela “perda da relação “natural” da cultura com os territórios geográficos e sociais” (CANCLINI, 2015, p. 309). É um dispositivo de tradução de todas as diferenças culturais para a linguagem franca do mundo tecnofinanceiro e volatilização das identidades para que flutuem livremente no
  • 21. 26 esvaziamento moral e na indiferença cultural (HALL, 2014, p.15) Nas plataformas streaming, a tradução de cada cultura através da música, passa a depender de um contexto externo à interface, incluindo, momento político, redes sociais, noticiários, círculo social, e demais mediações. Pois, não há uma informação profunda ou um hiperlink que trate de dar conhecimento sobre um contexto histórico, político ou religioso sobre a obra em execução. Também não aparenta intenção de recontextualizar seus discursos, já que a experiência da plataforma é o maior consumo de música possível, sustentada pelas entregas heterogêneas surpreendentes, acompanhadas da espetacularização, e de artistas presentes em âmbito global financiado pelo interesse mercadológico dos oligopólios. Seu papel como veículo heterogêneo e de fluxos híbridos, não é trabalhar primeiro os processos identitários e estruturais que demonstrem contradições políticas e econômicas latino-americanas, mas sim desterritorializar. A hibridação está para a tecnocultura, assim como a tecnocultura está para a hibridação. Uma possibilita à outra seu desenvolvimento e aceleração. A hibridação é produto também das tecnologias comunicacionais e midiáticas. Seus fluxos informacionais são grandes responsáveis pela hibridação quando trafegam mensagens e propriedades simbólicas de uma nação à outra. Deslocam-se de espaços físicos com processos estáveis, para outro desmaterializado, desterritorializado e sem fronteiras como o ciberespaço, a internet. Há otimismo neste processo quando pensamos que há fluidez das comunicações no âmbito global, na facilidade de acesso à outras culturas. As políticas de hibridação serviriam para trabalhar democraticamente com as divergências, para que a história não se reduza a guerras entre culturas, como imagina Samuel Huntington. Podemos escolher viver em estado de guerra ou em estado de hibridação. (CANCLINI, 2015, p. XXVII) Mas é preciso apontar os riscos e efeitos dos processos de
  • 22. 27 hibridação e, portanto, desterritorialização, a partir do momento que temos como condutores, governos com interesse global em conjunto de corporações transnacionais. “A massificação globalizada dos processos simbólicos e dos conflitos de poder que suscitam”; a sugestão da “fácil integração e fusão das culturas, sem dar suficiente peso às contradições e ao que não se deixa hibridar” (CANCLINI, 2015, p. XXV), os diferentes modos em que os grupos e indivíduos se “apropriam dos repertórios heterogêneos de bens e mensagens disponíveis nos circuitos transnacionais” (CANCLINI, 2015, p. XXIII). Também seria possível resumir os riscos dos processos de hibridação com os termos imperialismo cultural ou dominação hegemônica, mas seria uma análise unidirecional e talvez conspiradora, é preciso considerar as ações reprodutivistas envolvidas. O autor entende que para se dar a hegemonia, o capital se estrutura de algumas formas: a) A hegemonia não atua de forma impositiva nem unidirecional. b) ocorre-se o processo de transnacionalização, penetração de investimento e tecnologia internacional em culturas locais e populares. c) A iniciativa privada trata de substituir o Estado como agente construtor de hegemonia – como organizador das relações culturais e políticas entre as classes.10 Vejamos o contexto das plataformas streaming sob a ótica destes comentários do autor. 1. As plataformas streaming agrega conteúdos não hegemônicos. Encontra-se músicas de cultura popular tradicional denunciando a escravidão e os processos de colonização, o rap denunciando o genocídio e a gentrificação na contemporaneidade, a música brasileira empoderando movimentos negros, feministas e de gênero. 2. Temos alguns momentos em que a transnacionalização atua: com a apropriação cultural para construção de acervo e conexão à teia global; com o fornecimento de tecnologia da informação desenvolvida com investimento 10 Tópicos a, b, e c, de tradução livre: CANCLINI, 1988, 25.
  • 23. 28 estrangeiro; A narrativa de culturas locais e populares latino-americanas, se vinculam às regras da plataforma streaming administrada por companhias globais. Aqui as obras de arte locais e populares, são vistas como suporte para ligar o local ao nacional, e o nacional ao global, assim como construção de acervo e apropriação de bens simbólicos para atingir as diversas camadas de usuários e subordinar as artes à lógica do capital artístico. Aparentemente os grandes grupos concentradores de poder são os que subordinam a arte e a cultura ao mercado, os que disciplinam o trabalho e a vida cotidiana. (CANCLINI, 2015, Pg. 346) “Fredric Jameson (1995) aponta a conversão da cultura em economia e da economia em cultura como um dos alicerces do capitalismo” (MORAES, 2006). A transnacionalização opera comercializando empatias e institucionalizando práticas artísticas através de novos sistemas de legitimação, que estabelecem valores monetários, impõem novos sistemas de produção, e alteram os valores simbólicos das obras. A difusão e promoção das obras ficam sujeitas às TICs internacionais, fornecedoras de tecnologias e logo reguladoras da antologia que há por trás da interface. Com um mercado emergente, formam uma rede de dependências econômicas, “educativas, tecnológicas e culturais” (CANCLINI, 2015, p. 311). A transnacionalização é uma espécie de colonização que se apropria do capital cultural - e não apenas do material como na fase industrial. É agregada da tecnocultura por servir os interesses de expansão do mercado, que acabam por gerar concentração de poder no papel de fornecedores, e maior presença ideológica com as possibilidades de alcance ao circular seus produtos da indústrias culturais e publicidade. Com a transnacionalização, importa-se e exporta-se ciências, práticas rituais, morais, sociais e políticas. Neste transito, Passamos de sociedades dispersas em milhares de comunidades rurais com culturas tradicionais, locais e homogêneas, em algumas regiões com fortes raízes indígenas, com pouca comunicação com o resto de cada
  • 24. 29 nação, a uma trama majoritariamente urbana, em que se dispõe de uma oferta simbólica heterogênea, renovada por uma constante interação do local com redes nacionais e transnacionais de comunicação. (CANCLINI, 2015, Pg. 302) Canclini denomina o interesse e a subordinação do artista à essa lógica transnacional como reconversão: momento na qual um artista dota sua produção ou obra às “competências necessárias para reinvestir seus capitais econômicos e simbólicos em circuitos transnacionais (Bourdie)” (CANCLINI, 2015, p. XXII). Isto é, quando artistas submetem o artesanato, músicas, produtos audiovisuais, e outros patrimônios imateriais à mercantilização global. Observamos acontecer a reconversão na música, quando a indústria cultural a apropria, e a coloca em contato direto com as comunicações para atender o mercado publicitário, ou ainda, na indústria da informação e atenção como vimos anteriormente. 3. A formação do sujeito, constituída de memórias pessoais, e também de memórias coletivas, locais ou nacionais, recebidas e transferidas pelas mediações simbólicas, artísticas, e internalizadas ao longo do seu reconhecimento como indivíduo, ficam sujeitas a grotescas alterações com novas possibilidades de interação trazidas pela midiatização, que penetra novos valores culturais e também reafirmam as identidades nacionais como forma de “desenvolver-se e ter maior integração com a cultura hegemônica” (CANCLINI, 2015, Pg. 277). Esta, ao mesmo tempo que dá acesso à outras relativas culturas, provoca uma desigual apropriação de seu patrimônio. Segundo Canclini, há uma tentativa dos “setores hegemônicos em manter o tradicional, ou parte dele como referente histórico e recurso simbólico contemporâneo” (2015, p. 277). Os rituais tradicionais e populares são vistos como forma de mercantilização, por exemplo. A transnacionalização da cultura efetuada pelas tecnologias comunicacionais, seu alcance e eficácia, são mais bem apreciados como parte da recomposição das culturas urbanas, ao lado das migrações e do turismo de massa que enfraquecem as fronteiras nacionais e redefinem os conceitos de nação, povo e identidade. (CANCLINI, 2008, p. 30)
  • 25. 30 Enquanto o estado investe na arte, para ter representantes da história nacional, e da preservação histórica, o privado investe para obtenção de lucros e constantes inovações que lhe sustentem. Levam com seus fluxos informacionais medidas de modernização e controle militar, sob a lógica neoliberal. A ideologia tecnocrática futurológica tenta apresentar a revolução tecnológica como ditando uma única forma de organização social possível, geralmente associada à lei do mercado e ao processo de globalização. (CASTELLS, 2006, p. 225) A exemplo de um fenômeno biológico, a hibridação se dá numa espécie de fagocitose11, em que uma ameba envolve a bactéria afim de apropriar-se de seus nutrientes e aumentar a imunidade do corpo humano. No comparativo, a tecnocultura faz o papel da ameba, e as culturas específicas, locais, tradicionais, populares, o papel da bactéria. A transnacionalização seria o processo em que a ameba envolve a bactéria, ou seja, se apropria das culturas para se nutrir, crescer, e ficar imune. Enquanto estas são digeridas, dissolve-se sua formação original, é desterritorializada, convergida à ameba, e depois transformada em resíduo na fase de pós-digestão. A interface das plataformas streaming, aceleram o processo de hibridação, à medida que desterritorializam, e retiram a linha que divide o culto e o popular, ao classificar músicas de diferentes gêneros em playlists genéricas, oferecendo uma experiência de navegação supostamente heterogênea. Sua capacidade de negócio, reside em dar suporte promocional aos oligopólios, utilizando como insumo artistas dos mais variados portes, gêneros e locais, agregando diversos valores simbólicos e os misturando num caldeirão, mas também provocando uma estetização e uma condição de vida e da arte sempre modernizante. Se os agentes culturais não assumirem as rédeas desse processo, seremos colonizados por uma antologia digital das artes e da cultura produzida pelos grandes produtores e 11 Para elaborar esta metáfora, utilizei o processo de fagocitose esquematizado no Wikipedia. (WIKIPEDIA E ENCICLOPÉDIA LIVRE, 2017)
  • 26. 31 comercializadores da indústria cultural. (ROMANINI, 2016, p. 45) 5. A INDÚSTRIA FONOGRÁFICA E SEUS MECANISMOS DE CONTROLE Vimos que a hegemonia se dá não apenas por determinações alienantes, mas que há interesse de artistas e público à uma relação multicultural. Percebemos que os oligopólios se fortalecem à medida que culturas locais e regionais se apropriam das tecnologias e conhecimento fornecido pelas TICs, e a plataforma sendo um espaço promocional, há intensa promoção de artistas globais, e que reproduzem discursos hegemônicos. Para investigar como se dá o controle na estrutura da rede, Leonardo Cruz, em “Internet e arquiteturas de controle: as estratégias de repressão e inserção do mercado fonográfico digital” (2014), compara as estruturas reticulares dos modelos de distribuição de música digital: o P2P e os serviços streaming, com o objetivo de entender de que modo a informação chega até o usuário final, e de que modo a indústria atua para manter o controle sobre os fluxos nos canais de distribuição. Cruz observa a evolução da indústria fonográfica, desde a evolução dos direitos autorais da literatura do século XV e comercialização de partituras até a comercialização da música nos dias atuais. Ao longo das mudanças nos formatos de reprodução - os suportes - percebe-se grande interesse da indústria em deter um controle sobre a prática musical. Dos suportes físicos à interface, concentrando seus esforços, inicialmente, na produção industrial – com a comercialização e distribuição de suportes materiais (K7s, Vinil, CD), e depois, com a dominação dos fluxos informacionais, utilizando os moldes da economia da atenção como sustento do oligopólio, tornando a publicidade e o big data, sua matéria-prima, e tendo como segurança a “imposição das estratégias de repressão na internet baseadas nas leis de direito autoral” (CRUZ, 2014, p. 7). Se em um primeiro momento as grandes indústrias fonográficas constituíram seu poder oligopólico sobre o mercado através do monopólio dos meios de produção de cópias, atualmente, após a evolução e o barateamento das tecnologias digitais de gravação e de produção de suporte, tal controle se dá pela gerência do mercado através da logística de distribuição e de promoção de música gravada.
  • 27. 32 (CRUZ, 2014, p. 6) Entende-se que essa transformação está diretamente envolvida ao processo de globalização, primeiramente industrial, e agora virtual. O grande primeiro impacto que a indústria fonográfica sofre, é o próprio barateamento nos processos de gravação – do analógico para o digital – isto além de causar uma primeira crise na indústria com o aumento de estúdios de gravação e distribuidores, cria também uma abundância na criação de conteúdo, ou propriamente, artistas dispostos a compartilhar os direitos de comercialização de sua propriedade intelectual, fator responsável pela transformação de uma indústria material para outra imaterial, ou mesmo, de gravadora à gestora de carreira, jurídico e estratégico. Aqui assistimos a reconversão citada por Canclini. A digitalização da música, e sua possibilidade de reprodução de suportes, com os CDs e K7s graváveis, afeta a indústria fonográfica gerando uma segunda crise, causada pela redução no volume da venda de suportes, originada do mercado compartilhado com a indústria “pirata”. Este, evolui seu modelo, distribuindo-se no ciberespaço através de redes P2P12, peer to peer, graças à redução no DNA da música, ou estrutura de informação que a forma. O MP3, criado na Alemanha nos anos 80, é o exemplo e propulsor da criação da rede Napster, criada em 2001 com o intuito de gerar compartilhamento de música entre usuários, ignorando a princípio, as leis de direitos autorais. Ao atingir aproximadamente 8 milhões de usuários em todo o mundo trocando músicas gratuitamente, a rede Napster sofre uma série de processos jurídicos, de bandas à gravadoras, que reivindicam suas propriedades intelectuais para obter recolhimento dos direitos autorais. É com este argumento que as indústrias ao se protegerem de perdas monetárias e acumulo maior de capital, causam modificações na proposta da cibercultura, e da livre informação, canalizando a distribuição proibindo a atuação de novos agentes. Por conta da 12 Os programas P2P estabelecem redes que utilizam o protocolo da internet para ligar dois ou mais computadores diretamente. Eles são normalmente utilizados para a troca de arquivos e funcionam da seguinte forma: as pessoas interessadas adquirem um programa (gratuito na internet) e com ele compartilham parte de seu disco rígido (a parte onde estão alojados os arquivos compartilháveis) com os outros usuários que estão conectados ao programa (Napster, Kazaa, Soulseek, eMule, etc). Com isso, os arquivos de cada usuário são compartilhados com todos os usuários ligados à rede, fazendo da rede P2P uma rede de troca gratuita de milhões de arquivos gratuitos na internet. Ou seja, cada ponto (peer) passa a ser emissor e receptor simultâneo de informações. (CRUZ, 2014)
  • 28. 33 redução no volume de vendas dos suportes físicos, as indústrias adotam a lei como forma de centralização. É a partir dessa redução na arrecadação relativa à venda de fonogramas [...] que as ações das grandes empresas fonográficas estão sendo realizadas, principalmente aquelas relacionadas à busca pelo enrijecimento e maior restritividade das leis de direito autoral e o aumento das ações contra a venda ou a distribuição não autorizada de fonogramas, seja em suportes físicos ou na internet. (CRUZ, 2014, p. 80) É com isto, que em 2005 começam a surgir start-ups da indústria fonográfica, como o Deezer, o Spotify, o Google Play, entre outras. Essas redes adaptam seu negócio para que os direitos de reprodução sejam pagos por vias publicitárias, através da abundância e gratuidade 13da música na internet. Desta forma os agentes detêm receitas tanto com publicidade como por assinaturas de usuários, que ao pagar por um valor mensal tem isento o incômodo publicitário e o oferecimento de maiores recursos administrativos sobre aquele aglomerado de informação. Em parte, o êxito dos serviços de streaming reside em apresentarem um modelo de negócio que promete ser uma real alternativa à chamada “pirataria digital”. (KISCHINHEVSKY, VICENTE e MARCHI, 2015, p. 7) Estes caminhos criados para a entrega de informação, que ora cobra do usuário um valor monetário, ora cobra de sua atenção para prosseguir com o usufruto, e ora cobra de informações privadas, são responsáveis pelas mutações na estrutura reticular da rede, isto é, nos caminhos que a informação percorre pelo ciberespaço. Este, que tem como princípio a informação distribuída, é apropriado pela indústria cultural, criando redes centralizadas e usuários mais passivos e controlados, formando identidades globais e híbridas, mas ainda orientada pelo mercado dominante. A disputa para a hegemonia na internacionalização das normas tem um sentido econômico bem claro: quem determina as normas de produção de um determinado 13 Esta conjunção é bastante utilizada por Cruz no seu artigo, afim de ilustrar a nova estratégia da indústria fonográfica para lidar com a enorme quantidade de música produzida por conta do barateamento no processo de gravação. Ele traduz com estes termos o uso da música como fisga para captação de dados e hábitos de usuários na internet.
  • 29. 34 produto tem uma maior facilidade de internacionalizar o próprio produto. (CRUZ, 2014, p. 46) No Brasil, existe o Comitê de Desenvolvimento da Música Digital, formado pelos principais fornecedores de música streaming, e são: Deezer, Google Play Music, Napster, Rdio (serviço descontinuado) e Spotify. Nenhuma associação brasileira, nenhuma participação pública, apenas investidores internacionais. 14 Bastante responsáveis pelos hits popularescos, que atendem as demandas de uma sociedade do espetáculo, grandes gravadoras, agora societárias de um dos maiores canais distribuidores de música do mundo, parecem aproveitar o alcance de seu próprio veículo para tornar seus produtos presentes em âmbito mundial, criando estratégias de consumo que extrapolam a música e estressam valores simbólicos através de materiais de merchandising e agenda (roupas, livros, filmes, shows, etc), assim como tornam artistas onipresentes, capaz inclusive de obter reproduções de um mesmo usuário por muitas vezes. Essa estratégia de internacionalização da produção criou várias vantagens para as indústrias fonográficas. A primeira é a de ter possibilidades de entender mais diretamente o mercado nacional e se ajustar às peculiaridades culturais. (CRUZ, 2014, p. 47) Obter um acervo diversificado e heterogêneo, passa então a ser uma estratégia destes veículos, uma vez que usuários emergentes estão dispostos a doar sua atenção em troca de música gratuita e de sua preferência (não mais a escassez e bloqueio de mercado como na fase analógica da indústria). Concentrar um marcante volume de usuários, e com isso, monitoram todos os seus passos dentro da rede, transforma o suporte de música em veículo publicitário. Além disso, os atores responsáveis por alimentar este conteúdo (os artistas e gravadoras independentes, por exemplo), são agora parceiros fundamentais para continuar sustentando a indústria fonográfica. Artistas se apropriam do canal como veículo de promoção, e o canal se apropria dos artistas como construção de acervo, expansão de público- 14 Fonte: (MEIO E MENSAGEM, 2015)
  • 30. 35 alvo, e formação de uma identidade global. Os detentores deste fluxo de informação, parece entender como se apropriar de culturas nacionais e locais para se autopromover. A partir do extenso volume de acervo, maior é a concentração de usuários, e, portanto, maior é o alcance simbólico proposto pelas líderes. 6. SPOTIFY E A PENETRAÇÃO GLOBAL Aqui, tratando do Spotify como objeto de estudo, pretende-se demonstrar as conduções de consumo que o serviço pode causar ao dominar o mercado com o auxílio de investimentos transnacionais oriundos das majors15. Para desenvolver esta pesquisa, utiliza-se a perspectiva empirista, coletando notícias coorporativas e estatísticas fornecidas abertamente pelo próprio serviço de áudio. A coleta de dados ocorreu durante o mês de abril/2017, analisando a usabilidade e conteúdo do aplicativo mobile e do software de desktop. A análise da interface foi feita com o uso do plano freemium (plano gratuito com anúncios), tratado prioridade por ser a realidade brasileira. Além disso, a escolha do Spotify, entre os outros players, se dá por uma liderança de mercado (ver anexo 1). O serviço da empresa sueca, lançado em 2006, já atende 140 milhões de usuários espalhados em 58 países atuantes, do total, calcula-se que 12% são brasileiros e que apenas 30% de usuários do país são usuários premium16. Os valores de assinatura são: R$ 8,50 (para universitários), R$ 26,90 (Plano Premium Familiar), ou R$ 199 (plano anual por usuário)17. Aqui já é possível observarmos um fator que reduz a democrática ideia da cibercultura. Conforme afirma Canclini, “os mecanismos de reforço da distinção costumam ser recursos para produzir a hegemonia”. (CANCLINI, 2015, p. 155) O serviço conta com 40 milhões de músicas. Dentre as recomendações aos anunciantes, está a criação de playlist com uma música por artista, cultura adotada das emissoras de rádios. Também anunciam 15 Termo utilizado para denominar as gravadoras líderes de mercado 16 TORRES, 2017 17 SPOTIFY, 2017
  • 31. 36 indiretamente que 20% de seu acervo não tem nenhuma reprodução18. Ou seja, 4 milhões de músicas não escutadas. A companhia alega para a imprensa que não gera lucros, por não obter a totalidade de seus usuários como pagantes, ou por não gerar receitas publicitárias o suficiente para arcar com os repasses de direitos autorais. É através dessa fragilidade, da abundância e ao mesmo tempo da gratuidade, que as gravadoras se apropriam do veículo como forma de inserção, promoção, e sucesso dos artistas na qual têm acordo. As grandes gravadoras — Warner, Universal e Sony, conhecidas como “Big Three” — são sócias das startups de entretenimento digital que estão mais em alta. Há acordos de 10% a 20%, em conjunto com os serviços de streaming, como Spotify e Deezer. A plataforma, apesar de não abrir os números também demonstra que o uso do serviço em dispositivos móveis vem crescendo na mesma medida que o número de usuários (ver anexo 2). Isso também explica o sucesso e posicionamento almejado: a substituição da rádio analógica pelo uso do serviço, mas num contexto de maior mobilidade e acervo, possibilitando a presença da música sobreposta a outras atividades do dia-a-dia. A exemplo desta transição, está a interrupção de sinal das TV’s analógicas19 em função do serviço digital. É com o digital, que conseguem disciplinar os usuários. 7. SPOTIFY: ANÁLISE DA INTERFACE COMO SUPORTE 7.1 As playlists, O agente invisível, e suas sugestões de conduta Ao ligar o computador, o aplicativo é aberto automaticamente (ação que vem pré-configurada na instalação), e sempre na página inicial (Navegar), que apresenta as músicas mais reproduzidas e geralmente globais. Apresentam algumas possibilidades para reproduzir música com uma única interação, o play. É a “arte como fast food” (CANCLINI, 2015, p.306). 18 Forgotify Only Plays Spotify Songs That No One Has Ever Played Before, 2014 19 (G1, 2017)
  • 32. 37 O usuário pode dar o primeiro play pelo feed de amigos que apresentam o que estão ouvindo, pelas playlists patrocinadas, pelas playlists organizadas por país ou mais reproduzidas, e por gêneros e momentos. O ápice do aplicativo está na Playlist “Descobertas da semana”, uma reunião de 30 músicas semanais escolhidas pelo agente virtual de acordo com o histórico de músicas escutadas pelo usuário ou pela sua rede de amigos. A plataforma utiliza o mesmo mecanismo do Firefly citado anteriormente (atualmente com uso da tecnologia de inteligência artificial desenvolvido pela The Echo Nest). Aqui vemos que o agente não é tão invisível quanto parece. “Dormir? Só depois de ouvir uma playlist”. A frase, correspondente ao horário acessado 1h07min da manhã, madrugada de São Paulo, credibiliza a inteligência do agente ao se corresponder com as informações tempo espaciais, e propor uma última atividade para o usuário antes de seu possível descanso. Ele se apresenta deste modo sutil e quase invisível, sem que haja uma tentativa de personificação (ver apêndice A). Observamos o diálogo também na área Gêneros e Momentos (ver Figura 6). É uma vitrine de playlists baseadas em estados emocionais ou atividades do dia-a-dia. Nesta sessão, vemos: músicas ideais para Yoga e Meditação, músicas ideais para acompanhar um café, ou músicas ideais para o fim de semana no parque. A produção artística fica em segundo plano. É mais importante a música fazer sentido para a atividade em execução. A curadoria dessas playlist é feita por especialistas do assunto, editores, ou pelos agentes. Já acontece no aplicativo da filtragem colaborativa se relacionar independente de usuários. Ser relacionada aos fatores externos a ele, cruzada a outros agentes inteligentes como os aplicativos de: GPS, condição climática, e na situação mais recente, interpretação emocional da música, se ela é considerada triste ou alegre, por exemplo20. É com este acumulo de associações, que o aplicativo oferece músicas apropriadas para determinadas condições climáticas, trânsito ou região, e logo, sugestões de conduta, ethos, e logo uma condição da música em prol da economia da atenção. 20 Tendência baseada na notícia: programador cria equação para encontrar a música mais triste do RadioheadGAGLIONI, 2017
  • 33. 38 A constante relação com o software, a delegação ao monitamento de emoções, geolocalizações, e percepção de acertos, provoca o conforto psíquicos e a estandardização, a partir do momento que anunciantes e investidores da rede fazem “o possível e o impossível para transformar suas propagandas em “serviços de informação” (JOHNSON, 2001, 173). Os critérios utilizados para incluir ou não faixas em determinada playlists é o número de plays. Quanto maior o volume de reprodução, maior é a chance de o artista ser selecionado e incluído em playlists populares, ou destacadas na interface. Aqui percebemos as antologias inadequadas apontados anteriormente sobre a apresentação da realidade quando delegada à um agente virtual, ainda incapaz de fazer análises subjetivas e extra numéricas. Neste momento reduzimos o controle sobre a música a ser consumida, damos maior poder aos detentores da tecnologia, e reduzimos nosso senso crítico. A relação com os meios de comunicação pode gerar uma forma de passividade, na medida em que expõe cotidianamente os indivíduos ao espetáculo de uma atualidade efêmera; uma forma de solidão, na medida em que deixa a critério de cada um a elaboração de pontos de vista, opiniões em geral bastante induzidas, mas percebidas como pessoais. (AUGÉ, 2006, p.106) 7.2 Estratégias de centralização A grande vantagem competitiva do Spotify frente à outras redes de troca de música, está na detenção de direitos de comercialização e circulação com o pagamento dos direitos autorais através da monetização – este serviço paga às artistas quantias baixíssimas. Não pretendemos aqui estender este assunto, bastante polêmico e controverso. Demonstramos apenas que pagando o mínimo possível aos artistas, a empresa já se torna legitimada para exercer a função como suporte. Ao exercer comercialização do serviço, ora por uma mensalidade, ora pelos dados de privacidade e atenção publicitária, o Spotify passa a ser uma rede centralizada. As redes de serviço de streaming de música são do tipo centralizada. As empresas que prestam esse serviço devem se fixar em um nó da rede, um lugar, um site, um ambiente,
  • 34. 39 e devem fazer passar todo o fluxo de informações por ele, pois é controlando esse fluxo que elas conseguem se valorizar. (CRUZ, 2014) A plataforma também não indica nenhum hiperlink externo à interface, que não seja a de parceiros já determinados. O usuário acessa agenda de shows, loja de produtos do artista, letras das faixas em reprodução, e site de atendimento da própria companhia, como: SongClick, Genius, Merchbar. Não há uma navegação aleatória, que permite se perder pelo cérebro coletivo, ou que ainda, complemente historicamente a concepção da obra em execução (ver apêndice B). 7.3 Interface hegemônica e Estetização Mesmo com a possível convergência da música com outras linguagens audiovisuais, o Spotify se limita a dispor ao usuário a experiência auditiva. Exploram uma única possibilidade narrativa na interface gráfica. Reduz- se apenas à fugacidade do play e sua máxima permanência em execução. Chegaremos a conceber o design de interface como uma forma de arte — talvez a forma de arte do próximo século. E com essa transformação mais ampla virão centenas de efeitos concomitantes, que penetrarão pouco a pouco uma grande seção da vida cotidiana, alterando nossos apetites narrativos, nosso senso do espaço físico, nosso gosto musical, o planejamento de nossas cidades. (JOHNSON, 2001, pg. 193). Com isso aumentam suas margens em publicidade, aumentam o consumo da experiência estética que querem propor, e tão logo, conduzem a criação de obras que se adequem aos seus formatos, reduzindo a exploração possível das artes no campo digital. Através do Spotify Insights21, artistas e empresários, recebem dados comportamentais sobre o consumo de suas músicas. A análise de dados permite que novas soluções artísticas sejam consideradas no momento da produção do novo álbum ou single. Pensadas para maior alcance e atendimento de demanda. A empresa também recomenda a anunciantes que organizem e 21 https://artists.spotify.com/
  • 35. 40 promovam playlists com apenas uma música de cada artista22. Deste modo sugerem a alteração no processo de produção de um álbum completo para singles. É possível observar alterações nas produções artísticas, e sua padronização por conta dos serviços que a interface oferece. Em entrevista livre, Guilherme Kastrup, produtor musical, comenta: Este ano (falando sobre 2017), ainda não produzi nenhum álbum inteiro. Apenas singles. Têm sido o formato mais econômico e rentável para os artistas com pouca barganha de investimento e nessa época que poucos param para ouvir um álbum inteiro e também com poucos editais de incentivo, é a alternativa custo-benefício. Se bem que... já vi grandes artistas optarem por esse tipo de produção para manter uma frequência de lançamentos. A plataforma, por mais que remunere centavos para nós artistas da cena independente, parece oferecer um “promissor caminho de reconhecimento profissional” (comenta em tom irônico). 7.4 Operações de transnacionalização A campanha de acolhimento através das estratégias de pertencimento nacional é a grande aliada da transnacionalização. Demonstra-se aqui como o uso desta tática implica na desterritorialização e logo na hibridização. Na área “Paradas”, título que ambiguamente demonstra a baixa circulação da diversidade de produção, é possível encontrar as músicas mais reproduzidas em ordem mundial ou nacional. Ao acessarmos “As 50 mais tocadas no Brasil”, a primeira música com que nos deparamos é a “Despacito (Remix) (feat. Luis Fonsi & Daddy Yankee)”, do Justin Bieber, cantor Norte Americano duplando com os outros porto-riquenhos. A mesma faixa é encontrada também nas “50 mais tocadas do Mundo” e nas “50 mais tocadas da América Latina” (ver apêndice C). Para sua circulação mundial teve primeiro que ser remixada, e colocada junto à uma figura mundial, que faz uma espécie de tradução e transito da estética. Neste momento ela já foi descaracterizada. 22 https://spotifyforbrands.com/br/format/branded-playlist/
  • 36. 41 A música que mistura o pop mundial com a cúmbia, estética da América-Latina, só é consumida mundialmente a partir do apoio de uma figura mundial. O mundo nunca foi, economicamente, tão desigual. Nem tão furiosamente igualador, por outro lado, com relação a idéias e costumes que se impõem em todo lugar. Uma uniformização obrigatória, hostil à diversidade cultural do planeta. O nivelamento cultural não pode nem mesmo ser medido. Seus progressos devastadores, no entanto, saltam aos olhos. Os meios de comunicação da era eletrônica, a maioria a serviço da incomunicação humana, estão impondo a adoração unanime aos valores da sociedade neoliberal. Eles nos mentem por imagens ou omissão, e concedem no máximo o direito de escolher entre coisas idênticas. (GALEANO, 2006, p.149) O Justin Bieber ao compor a identidade da América-Latina, frente aos porto-riquenhos, contrapondo com a camiseta branca, e em posição central, adquire notoriedade estética e reafirma a submissão latino-americana ao continente norte americano. O vínculo deste tipo de ação para David Rothkopf e Foreign Policy (2006 apud AUGÉ): Figura 1: Paradas - Top Latino
  • 37. 42 Compete ao interesse econômico e político dos Estados Unidos o zelar para que, se o mundo optar por um idioma único, que seja o inglês; Se as diferentes partes se unem através da televisão, rádio e música, que sejam com programas americanos; e se forem elaborados valores comuns, que sejam valores nos quais os Americanos se reconheçam. No Brasil, notamos que o sertanejo (13%) e o funk nacional (4%)23, correspondem aos gêneros nacionais mais escutados na plataforma. São empurrados constantemente através das “Playlists patrocinadas” pelas próprias gravadoras sócias do serviço. São exemplos de estéticas que surgem de culturas populares, e se traduzem como insumo, numa espécie de fisga que puxa os ouvintes à cultura hegemônica. Assim, “assegura-se a estabilidade da cultura dominante com a inovação dos independentes” (Johnson, 2001, pg. 147). “La iniciativa privada también se ocupa, em la television, em museus y concursos, de las artesanías y tradiciones populares, acentuando su mercantilizacíon y adaptando los contenidos ideológicos a la visíon pintoresquista y espectacular de los entretenimentos massivos”. (NÉSTOR GARCÍA CANCLINI, 1988) Os defensores da hegemonia, que acreditam fazer transitar as culturas específicas neste processo de hibridação, parecem não observar este engarrafamento. No comparativo de anunciantes e gêneros mais reproduzidos, vemos que se mantem sempre a frente os produtos e as estéticas dominantes, que criam a demanda e a retroalimenta com sutis variâncias para evitar a perda de público e atenção. Exibir realisticamente um aspecto do mundo, mas ao mesmo tempo impedir a sua justa interpretação por meio de um “engana-olho” estético: o “agradável” da forma exibida anestesia sensorialmente a sensibilidade crítica. E o agradável está sujeito às variações da moda. (SODRÉ, 2010, p.59) Através da presença global, a plataforma ganha notoriedade no meio artístico por abrir um campo promocional para a difusão de suas obras. O Brasil, característico por ser um mercado emergente, recebe investimento de 23 https://www.nexojornal.com.br/grafico/2016/11/07/O-gosto-musical-dos-pa%C3%ADses-de-acordo- com-o-Spotify
  • 38. 43 gravadoras internacionais para produção e promoção dos gêneros mais populares. É deste modo que os oligopólios se apropriam financeiramente de valores simbólicos, nacionais e locais e obtém maior acumulo de capital. 7.5 Operações de desterritorialização e hibridismo As mesmas playlists patrocinadas que destacam os artistas locais, agregam artistas globais. 80% do que é executado na plataforma tem o idioma em inglês24. As playlists organizadas de acordo com as nacionalidades apresentam o que há de maior volume de reprodução, e não as especificidades de cada nação. Essa cultura relativa se apresenta também no modo como organizam os gêneros musicais. A exemplo, colocam o “Frevo, dança, e cultura”, numa mesma playlist que define “O melhor do Brasil”, reduzindo suas especificidades à folclorização. “El folclore realiza uma doble reduccíon: de la pluralidade y la diversidade de las culturas populares a la unidade del “arte” o la “música” nacionales; de los processos sociales a los objetos o a la expressíon coisificada que adquirieron em momentos pasados.” (NÉSTOR GARCÍA CANCLINI, 1988) Como a interface não adota e nem dá acesso por hiperlinks a nenhuma informação adicional em relação à produção da obra, acontece a desterritorialização. O território geográfico que detém de suas condições políticas, econômicas, religiosas, históricas, se hibridizam num ambiente que não trata de levar com a música, o contexto em que foi criada. A música desmaterializada e entregue para suprir uma função em segundo plano, também retira a própria autoria e mediação que o artista tem como proposta. É convergida num único fluxo informacional as várias identidades. O mundo nunca foi, economicamente, tão desigual. Nem tão furiosamente igualador, por outro lado, com relação a ideias e costumes que se impõem em todo lugar. Uma uniformização obrigatória, hostil à diversidade cultural do planeta. O nivelamento cultural não pode nem mesmo ser medido. Seus progressos devastadores, no entanto, saltam aos olhos. Os meios de comunicação da era eletrônica, a maioria a serviço da incomunicação humana, estão impondo a adoração unanime aos valores da sociedade neoliberal. 24 https://www.nexojornal.com.br/grafico/2016/11/07/O-gosto-musical-dos-pa%C3%ADses-de-acordo- com-o-Spotify
  • 39. 44 Eles nos mentem por imagens ou omissão, e concedem no máximo o direito de escolher entre coisas idênticas. (GALEANO, 2006, p.149) A hibridação ocorre à medida que as músicas organizadas são tratadas como categoria única e sem nenhuma informação adicional além de sua própria linguagem, conduzindo o usuário de uma cultura à outra pela reprodução automática e organização da playlist, onde nessas condições a música e, portanto, sua oratória, adotam apenas a função de entretenimento. “As safras midiáticas generalizam textos e imagens que estruturam simbolicamente a vida e a produção, acentuando o ethos do consumo” (MORAES, 2006, p. 36). Aqui mora o interesse da hibridação alertada por David Rothkopf e Foreign Policy (2006 apud AUGÉ): Compete ao interesse econômico e político dos Estados Unidos o zelar para que, se o mundo optar por um idioma único, que seja o inglês. Se as diferentes partes se unem através da televisão, rádio e música, que sejam com programas americanos; e se forem elaborados valores comuns, que sejam valores nos quais os Americanos se reconheçam. 8. CONSIDERAÇÕES FINAIS A música passa a ser uma ferramenta do infocontrole e de datavigilancia. Se torna insumo para publicidade e reproduz hegemonia. Altera- se a autencidade da obra pela previsibilidade do gosto comum; Envolve conteúdos contra hegemônicos e identidades locais e nacionais ao modelo de mercantilização global: o capital artístico e a concorrência pela atenção. Se torna suporte para diferenciais simbólicos entre classes, e propõe valores modernizantes com as práticas do neoliberalismo. Acelera os processos de hibridação e, portanto, as trocas simbólicas. Cria-se novos contextos para que a música seja ouvida em segundo plano e também novos widgets25 que se adaptam em função das novas práticas de distribuição e consumo. Resgata paradigmas da música de trabalho, dando ritmo ao cotidiano e sugestões de conduta sobre as subjetividades. Reduz a prática de pesquisa às informações 25 Dispositivos adicionados ao corpo, exemplo, fones de ouvido.
  • 40. 45 fragmentadas e recontextualizadas com a fugacidade e instantaneidade. Ganha maior alcance e ocupação na vida dos sujeitos pela mobilidade, abundância e gratuidade. Ao mesmo passo, altera a cultura da escassez e a ideia de pagar para consumir. Surgem novos parâmetros de curadoria e criação de mainstream. A formação do repertório musical fica sujeita ao gosto comum e superexposição da indústria cultural. Há a delegação de um saber para um agente virtual. A indústria cultural cria agenda midiática. Aumenta-se a vigilância, a militarização, e o espetáculo. Reduz o tempo de produção da obra e da autorreflexão do sujeito. A música é desmaterializa. Não há um funil de mediação entre o digital e o analógico. Há novas possibilidades de difusão cultural e promoção artística com soluções estratégicas e mercadológicas como o gerenciamento de dados ou a visualização numérica de paradigmas sociais. Há modernização e ferramentas que dão aporte para novos métodos de legitimação. Música streaming agora está na bolsa de valores. Enquanto Cruz aponta os direitos autorais, a centralização dos processos de distribuição, e o uso de dados como mecanismos de controle dos oligopólios fonográficos, aqui complemento com outros mecanismos: a ocupação da interface, a aceleração nos processos de hibridação, a estetização no formato da obra, e novos paradigmas de legitimação. Resumimos a estratégia de centralização econômica e cultural da seguinte forma:  Concentração nos processos de produção e distribuição;  Estratégias antipirataria com enrijecimento das leis de direitos autorais e automatização nos processos de detenção de direitos para comercialização.  Apropriação da abundância e gratuidade da música em troca de investimentos publicitários.  Comercialização de dados de navegação dos usuários.  Centralização da rede restringindo acessos, hiperlinks e serviços.  Investimento internacional em artistas locais.  Redução de controle da interface gráfica.
  • 41. 46 É preciso levar em conta aqui a penetração norte-americana que é penetrada em culturas através da plataforma Spotify. Não necessariamente estamos sujeitos a ouvir músicas de produção internacional, mas agora, há uma apropriação das preferências nacionais populares a partir da incorporação de músicas locais e nacionais ao sistema financeiro-cultural transnacional. Há uso de um problema estrutural do Brasil também, na medida em que o repertório musical e as tendências com o que a interface do aplicativo oferece em seu destaque, propõe a máxima passividade com o botão de reprodução automática, reduzindo o esforço de pesquisador que o usuário teria. A proliferação das escolhas da identidade é mais ampla no “centro” do sistema global que nas suas periferias. (HALL, 2014) – e isso está diretamente relacionado com quem é o produtor ou distribuidor principal de conteúdo. Quem detém de maior tempo de atenção e, portanto, de controle. Antes de qualquer afirmação local ou religação com identidades e sentidos comunitários é oferecido ao usuário o projeto modernizante com a possibilidade de inserção no território global e a obtenção de um espaço individual, o momento de privacidade. O compartilhamento social é menos importante. A delegação ao agente aumenta sua legitimação, já que identidades e acertos relacionados ao trazer o passado, reviver conteúdos que o usuário imputou, é dada ainda mais autonomia ao software. Numa continuidade do estudo, é preciso aprofundar a utilização dos dados coletados e a produção cultural. Conhecer música através dos amigos é reduzido ao gosto comum. As descobertas são individuais. A identidade e diferenciação simbólica é ser assinante do aplicativo, ter ou não o acesso premium, ao invés de identidades capazes de transformar a produção de sentido de cada indivíduo. O Comitê de Desenvolvimento da Música Digital do Brasil, ou a cúpula conspiratória imaginada, acabam por provocar um certo comando sobre os dutos de informação, afirmando primeiro um território global, desmaterializado e ubíquo.
  • 42. 47 O alerta aqui, é que não basta fechar os olhos para uma única fonte de promoção e difusão simbólica, há que lembrar que o ciberespaço ainda permite criação de espaços criativos e autônomos. Desta forma temos dois sentidos em relação à música: Produção em função da interfe, quando a produção artística e sua difusão são criadas e pensadas a partir das possibilidades fechadas dos ambientes promocionais. A interface é quem propõe o formato da obra em troca das demandas do artista a respeito de promoção, legitimação, dados e monetização. Provoca ações reprodutivistas e estetizantes sobre o formato das obras, assim como mantém a abundância e gratuidades necessárias para o sustento das plataformas. Para esta, não importa qual é o discurso e sentido de fala que tem o artista, qualquer identidade e representatividade são bem-vindos, já que a obra se torna commoditie. Os parâmetros de destaque, estabelecidos a partir do volume de reprodução contabilizados pelos agentes virtuais, propõem a concorrência artística tendo como principal disputa a atenção do usuário. Na contrapartida, várias soluções promocionais com o uso de sistemas financeiros são criadas para que o artista obtenha maior tempo de reprodução, difusão geográfica, e alcance simbólico. Fake taste, um usuário que tem a formação de repertório e preferências estéticas à conteúdos matematicamente criados para reafirmação do gosto comum e o devido sucesso mercadológico. Pode ser considerado o resultado de um usuário consumidor de áudios destacados na plataforma. A formação de repertório e criação de acervo musical fica refém da usabilidade, armazenamento e mobilidade. Contribui para mudanças de hábitos de pesquisa e consumo musical, e sugestões de conduta que a interface propõe aos usuários, a partir de interesses mercadológicos reproduzidos entre os oligopólios, que inclui: promoção, consumo e comportamento, datavigilancia, lucro, e produções simbólicas fincadas nos projetos modernizantes e hegemônicos. É oriundo da antologia da cultura nas
  • 43. 48 redes e contribui para as diferenciais simbólicas entre as classes sociais. Para maior profundidade nas ações reprodutivistas, seria preciso dar continuidade aos estudos bibliográficos, aplicando pesquisas quantitativas e qualitativas com agentes culturais, produtores artísticos, usuários, e agentes distribuidores. Contrapor a plataforma com suas API’s e streamings contra- hegemônicos, também pode contribuir com enriquecimento e aproveitamento prático das descobertas. 9. REFERÊNCIAS ABMI. MERCADO FONOGRÁFICO MUNDIAL E BRASILEIRO EM2015. ABMI, 12 Abril 2016. Disponivel em: <http://www.abmi.com.br/website/arquivos/legislacao/mercadofonograficomundialebrasileir o.pdf>. AUGÉ, M. Sobremodernidade: do mundo tecnologico de hoje ao desafio essencial do amanhã. In: MORAES, D. Sociedade Midiatizada. Rio de Janeiro: Mauad, 2006, 2006. p. 99-117. BAUMAN, Z. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2007. BENJAMIN, W. A obra de arte na época de suas técnicas de reprodução. Paris: Paul Valéry, 1934. BENJAMIN, W. A obra de arte na época de suas técnicas de reprodução. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1961. BILLY, M. Spotify – Power Of Music. 7 Tendências Em Consumo De Música Digital. Update or Die, 30 Setembro 2016. Disponivel em: <http://www.updateordie.com/2016/09/30/spotify- power-of-music-7-tendencias-em-consumo-de-musica-digital/>. CANCLINI, N. G. Cultura transnacional y culturas populares. 1º. ed. Lima, Perú: IPAL, 1988. CANCLINI, N. G. Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. 4º. ed. São Paulo: EDUSP, 1989. CANCLINI, N. G. Culturas híbridas: Estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: [s.n.], 2008. CANCLINI, N. G. Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. 4º. ed. São Paulo: EDUSP, 2015. CAPURRO, R. O Conceito da informação. Perspectiva em Ciência da Informação, p. 149, 2007. CASTELLS, M. Inovação, liberdade e poder na era da informação. In: (ORG.), D. D. M. Sociedade Midiatizada. Rio de Janeiro: Mauad, 2006, 2006. p. 225 - 231.
  • 44. 49 CRUZ, L. R. D. Internet e arquiteturas de controle : as estratégias de repressão e inserção do mercado fonográfico digital, Campinas, SP , 28 Novembro 2014. Disponivel em: <http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000941869>. Acesso em: 22 Fevereiro 2017. DIAS, R. Berços de Inovação. Problemas Brasileiros, São Paulo, n. 436, p. 12-15, Outubro/Novembro 2016. FALCÃO, D. M. E. G. O gosto musical dos países de acordo com o Spotify. Nexo, 2016. Disponivel em: <https://www.nexojornal.com.br/grafico/2016/11/07/O-gosto-musical-dos- pa%C3%ADses-de-acordo-com-o-Spotify>. Acesso em: 23 abr. 2017. FERREIRA, M. N. Comunicação, resistência e cidadania: as festas populares. São Paulo: Arte&Ciência, 2005. FIGUEIRA, V. Cinco notas-resumo sobre “A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica”, de Walter Benjamin. Vinícius Figueira, 31 mar. 2011. Disponivel em: <https://viniciusfigueira.com/2011/03/31/walter-benjamin/>. G1. Sinal analógico de TV é desligado em SP e em 38 cidades da Região Metropolitana. G1 São Paulo, 2017. Disponivel em: <http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/sinal-analogico-de-tv-e- desligado-em-sp-e-em-38-cidades-da-regiao-metropolitana.ghtml>. Acesso em: 28 abr. 2017. GAGLIONI, C. Programador cria equação para encontrar a música mais triste do Radiohead. Jovem Nerd, 2017. Disponivel em: <https://jovemnerd.com.br/nerdnews/programador-cria- equacao-para-encontrar-musica-mais-triste-do-radiohead/>. Acesso em: 22 Fevereiro 2017. GAIA, M. Revelado o contrato entre Sony Music e Spotify. Combate Rock, 2015. Disponivel em: <http://combaterock.blogosfera.uol.com.br/2015/05/20/revelado-o-contrato-entre-sony- music-e-spotify/>. Acesso em: 23 Abril 2017. GAIA, M. Revelado o contrato entre Sony Music e Spotify. Uol, 20 maio 2015. Disponivel em: <http://combaterock.blogosfera.uol.com.br/2015/05/20/revelado-o-contrato-entre-sony- music-e-spotify/>. GALEANO, E. A caminho de uma sociedade da incomunicação? In: MORAES, D. D. Sociedade Midiatizada. Rio de Janeiro: Mauad, 2006. p. 149-154. GOMES, I. M. M. Articulações entre música e tecnocultura no Led Zeppelin. Compós, 2014. Disponivel em: <http://www.compos.org.br/biblioteca/compos-2015-8dfc2cf9-afd7-48a3- b942-4f8ded57cc74_2858.pdf>. Acesso em: 23 Abril 2017. GREENBURG, Z. O. Como as gravadoras estão se apoderando da multibilionária revolução digital. Forbes, 18 Dezembro 2015. Disponivel em: <http://www.forbes.com.br/negocios/2015/12/como-as-gravadoras-estao-se-apoderando-da- multibilionaria-revolucao-digital/>. HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014. JOHNSON, S. Cultura da Interface. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor Ltda., 2001.
  • 45. 50 KISCHINHEVSKY, M.; VICENTE, E.; MARCHI, L. D. MÚSICA INFINITA: serviços de streaming como espaços híbridos de comunicação e consumo musical. Revista Fronteiras – Estudos midiáticos, p. 303-311, 2015. Disponivel em: <http://revistas.unisinos.br/index.php/fronteiras/article/view/fem.2015.173.04>. KUMPARAK, G. Forgotify Only Plays Spotify Songs That No One Has Ever Played Before. Techcrunch, 2014. Disponivel em: <https://techcrunch.com/2014/01/30/forgotify-only-plays- spotify-songs-that-no-one-has-ever-played-before/>. Acesso em: 23 Abril 2017. LÉVY, P. L'intelligence collective. Pour une anthroologie du cyberespace. Paris: La Découverte, 1997. LIPOVETSKY, G.; SERROY, J. A estetização do mundo. São Paulo: Companhia das letras, 2015. MAGOSSI, J. E. G. A gravadora Marcus Pereira e o mapa musical do Brasil. Rumores, 2011. MARX, K.; ENGELS, F. O manifesto comunista. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011. MATTELART, A. Para que "nova ordem mundial da informação"? In: (ORG.), D. D. M. Sociedade Midiatizada. Rio de Janeiro: Mauad, 2006. p. 233-246. MCLUHAN, M. Os meios de comunicação como extensões do homem. [S.l.]: Cultrix LTDA, 1999. MEIO E MENSAGEM. Streaming diminui pirataria de música. Meio e Mensagem, 2015. Disponivel em: <http://www.meioemensagem.com.br/home/marketing/2015/01/23/streaming-diminui- pirataria-de-musica.html>. Acesso em: 24 Abril 2017. MEIO E MENSAGEM. Streaming diminui pirataria de música. Meio e Mensagem, 23 Janeiro 2015. Disponivel em: <http://www.meioemensagem.com.br/home/marketing/2015/01/23/streaming-diminui- pirataria-de-musica.html>. MERCHBAR. Partners. Merchbar, 2017. Disponivel em: <https://www.merchbar.com/pages/about/partners>. Acesso em: 21 abril 2017. MORAES, D. D. A tirania do Fugaz: mercantilização cultural e saturação midiática. In: MORAES, D. D. Sociedade Midiatizada. Rio de Janeiro: Mauad, 2006. p. 33-50. MUSSO, P. Ciberespaço, figura reticular na utopia tecnológica. In: MORAES, D. D. Sociedade Midiatizada. Rio de Janeiro: Mauad, 2006. p. 191 - 224. NEGROPONTE, N. A Vida Digital. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. NEGROPONTE, N. A vida digital. São Paulo: Editora Schawarcz Ltda., 1995. NÉSTOR GARCÍA CANCLINI, R. R. Cultura Transnacional y culturas populares. Lima: IPAL, 1988. ORTEGA, H. S. G. R. Streaming por todo lado: empresas levam música além do smartphone. G1 Música, 12 Agosto 2015. Disponivel em:
  • 46. 51 <http://g1.globo.com/musica/noticia/2015/08/streaming-por-todo-lado-empresas-levam- musica-alem-do-smartphone.html>. RICHTER, F. The state of music streaming. Statista, 1 Julho 2016. Disponivel em: <https://www.statista.com/chart/5152/music-streaming-subscribers/>. ROMANINI, V. As Competências Criativas num mundo em transformação. In: ALESSANDRA DRUMMOND, M. H. C. R. S. Competências Criativas. Belo Horizonte: Instituto Una de Responsabilidade Social e Cultural, 2016. p. 37-46. ROMANINI, V. As competências criativas num mundo em transformação. In: ORG. ALESSANDRA DRUMMOND, M. H. C. R. S. Competências Criativas. Belo Horizonte: Instituto Una de Responsabilidade Social e Cultural, 2016. p. 37-46. RONCANGLIOLO, N. G. C. E. R. Cultura transnacional e culturas populares. 1º. ed. Lima, Peru: IPAL, 1988. SAMSUNG. Fone de Ouvido Bluetooth Level Active. Samsung, 2017. Disponivel em: <http://www.samsung.com/br/mobile-accessories/stereo-headset-level-active-bg930/EO- BG930CBPGBR/>. Acesso em: 23 Abril 2017. SANTAELLA, L. Culturas e Artes do Pós-humano. São Paulo: Paulus, 2003. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo. 3º. ed. São Paulo: Paulus, 2008. SANTAELLA, L. Por que as comunicações e as artes estão convergindo? São Paulo: PAULUS, 2008. SECOM. Consumo de mídia. Brasília. 2014. SELO MUNDO MELHOR. Sobre. Selo Mundo Melhor. Disponivel em: <http://www.selomundomelhor.org/sobre/>. SIANI, P.; ARAÚJO, M.; VEDOVA, P. Vendas de vinil voltaram com força e estão crescendo cerca de 20% ao ano. G1 Jornal da Globo, 5 Maio 2016. Disponivel em: <http://g1.globo.com/jornal- da-globo/noticia/2016/05/vendas-de-vinil-voltaram-com-forca-e-estao-crescendo-cerca-de- 20-ao-ano.html>. SIGNIFICADOS. Significado de upload. Significados, 2017. Disponivel em: <https://www.significados.com.br/upload/>. Acesso em: 23 abr. 2017. SIGNIFICADOS.COM.BR. Significados. Disponivel em: <https://www.significados.com.br/upload/>. Acesso em: 23 Abril 2017. SILVA, A. O. D. Revista Espaço Acadêmico - nº 47. Espaco Academico, Abril 2015. Disponivel em: <http://www.espacoacademico.com.br/047/47pol.htm>. SODRÉ, M. Antropológica do espelho: uma teirida da comunicação linear em rede. Petrópolis: Vozes, 2002.
  • 47. 52 SODRÉ, M. Eticidade, campo comunicacional e midiatização. In: MORAES, D. D. Sociedade Midiatizada. Rio de Janeiro: MAUD Editora Ltda., 2006. p. 17-32. SODRÉ, M. Antropológica do Espelho. 5º. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010. SPOTIFY. Iniciar o Spotify Premium. Spotify, 2017. Disponivel em: <https://www.spotify.com/br/purchase/panel/#__yearly-digitalriver>. Acesso em: 28 Abril 2017. SPOTIFY AB. Descobertas da semana. Support Spotify, 2017. Disponivel em: <https://support.spotify.com/br/using_spotify/playlists/discover-weekly/>. Acesso em: 20 Abril 2017. SPOTIFY CHARTS - BRASIL. Top 200. [S.l.]. 2016. SPOTIFY CHARTS. Top 200. Spotify Charts, 2017. Disponivel em: <https://spotifycharts.com/regional>. Acesso em: 04 Abril 2017. SPOTIFY INSIGHTS. Série Brasil Passado Futuro. [S.l.]. 2016. TENFEL, A. J. The History of Music Formats. aarontenfel. Disponivel em: <http://www.aarontenfel.com/portfolio/infographic-2/>. TORRES, R. A FAMA DO STREAMING E O SPOTIFY. wearesocial, 30 Junho 2016. Disponivel em: <http://wearesocial.com/br/blog/2016/06/streaming-spotify>. TORRES, R. A FAMA DO STREAMING E O SPOTIFY. We are Social, 2017. Disponivel em: <https://wearesocial.com/br/blog/2016/06/streaming-spotify>. Acesso em: 20 mar. 15. WIKIPEDIA E ENCICLOPÉDIA LIVRE. Fagocitose. Wikipédia, 2017. Disponivel em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Fagocitose>. Acesso em: 23 abr. 2017. WISNIK, J. M. O som e o sentido. São Paulo: Companhia das Letras, 2002. ZAN, J. R. (DES)TERRITORIALIZAÇÃO E NOVOS HIBRIDISMOS NA MÚSICA. Revista Sonora, 2016. Disponivel em: <http://www.publionline.iar.unicamp.br/index.php/sonora/article/view/625/598>.
  • 48. 53 10. APENDICES 10.1 - APENDICE A – Tela da Interface e mecanismos de descobertas Esta é a tela de abertura do software versão desktop. Vemos o anúncio, que às vezes apresenta playlists sugeridas, o feed de amigos e a comunidade à direita, e o diálogo do agente. Tela de abertura do Software Spotify, versão Desktop Figura 2: Sessão de Gêneros e Momentos da versão mobile
  • 49. 54 Na figura à esquerda vemos sugestões de música correspondentes às atividades. Demonstra-se o desvinculo da autoria com a obra. Na figura a direita percebemos o agente virtual se apresentando em diálogo contextualizado ao período noturno. No anúncio dos fones de ouvido Level da Samsung apresentado na primeira página da navegação, percebemos a prótese humana, o medium ofertando a ponte que liga o ouvinte à sua bios virtual. O apelo dado inicialmente pela estética e depois no hotsite26, pela mobilidade, é a principal vantagem e forma de disciplina ali implícita. 26 (SAMSUNG, 2017)
  • 50. 55 Vejamos um exemplo de filtragem colaborativa do Spotify. O gosto médio é processado através dessa combinação: gosto comum + gosto comum = sugestão comum. Consideremos um usuário A que ouve Kastrupismo27 e que não gosta do Justin Bieber28. Se houver algum usuário B que goste de Kastrupismo mas também goste de Justin Bieber, o usuário A terá o Justin Bieber recomendado na playlist por conta dessa semelhança. E na condição de usuário freemium, às vezes não há opção de mudar de música, depende se o usuário visualizou ou não o anúncio. É deste modo, que os grandes hits permanecem nas playlist Top World, ou Top Brasil destacadas na interface, responsáveis por entregar músicas aos seus seguidores: 7.084.465 (correspondente a 7% do volume de usuários global) e 447.926% (correspondente a 3% do volume de usuários brasileiros)29. 27 artista independente sem promoções na rede 28 Artista gerenciado pela gravadora Universal Music. 29 Números baseados nas estatísticas de volume de usuários TORRES, 2017 e exibidos na prórpia Tela de apresentação "Descobertas da Semana".
  • 51. 56 10.2 - APENDICE B – Mecanismos de Centralização, análise de Hiperlinks Para demonstrar o “nó da rede” mencionado por Cruz, levantou-se o número de possibilidades de navegação para fora da plataforma, na tentativa de estabelecer alguma relação contextual da música tocada com sua origem de produção ou ficha técnica (não incluída na descrição da música, o que inibe estratégias de otimização de busca que poderiam ser configuradas pelos artistas). Quantificando os hiperlinks (ver figura abaixo) que destinam o usuário para fora da interface, chegamos em 7 (sete), dentro das 34 (trinta e quatro) outras possíveis interações: interface do Spotify, em 24/04/17. Figura: Mapa de navegação e hiperlinks do software Spotify, versão Desktop
  • 52. 57 1) Anúncios: os anúncios patrocinados por marcas, ou pelo próprio serviço, em geral direcionam o usuário para dentro da interface, sempre para playlists que de alguma forma procuram dialogar com a personalidade da marca. Hiperlinks para hotsite acontecem esporadicamente, e quando ocorrem, se apropriam de informações coletadas pelo serviço para monitorar o usuário e enquadrá-lo em determinado perfil de consumidor para ações de posicionamento de marca ou pós-venda. Quem é usuário da conta free recebe anúncios a cada 15 minutos. Porém, a plataforma dispõe aos anunciantes o formato de sessão patrocinada, isto é, se o usuário visualizar o vídeo de 15”, 20” ou 30” até o fim, ele terá 30 minutos de música sem interrupção de nenhuma propaganda. O anunciante tem a opção de segmentar o anúncio de acordo com a localização do usuário e também de acordo com a atividade que ele está fazendo, esta é detectada pelo próprio relato do usuário ao escolher uma playlist vinculada à um momento (mood). Para usufruir do benefício é obrigado a abrir o aplicativo se o uso estiver em segundo Anúncio da Filtr, promovendo playlist de Sertanejo. Versão Desktop.