A Primeira República e o Ensino
A  Primeira República Portuguesa , cujo nome oficial era  República Democrática Portuguesa , foi o sistema político que su...
O sistema de ensino durante o período republicano <ul><li>Quando em 1910 se dá a proclamação da República, havia  em Portu...
Objectivos da Educação <ul><ul><li>Criação do Ministério de Instrução Pública.  </li></ul></ul><ul><ul><li>Escolaridade ob...
Ensino Infantil e Ensino Primário <ul><li>“ e é lá [na escola primária] que verdadeiramente se há-de formar  a alma da pát...
Princípios Orientadores do Ensino Infantil/Primário <ul><li>Permitir a criação de cidadãos educados e instruídos. </li></u...
<ul><li>Evolução das Escolas Infantis </li></ul><ul><li>em </li></ul><ul><li>funcionamento entre 1910 e 1926 </li></ul>Ano...
<ul><li>Evolução das Escolas Primárias oficiais em </li></ul><ul><li>funcionamento entre 1910 e 1926 </li></ul>Anos Total ...
Ensino Secundário Liceal <ul><li>O  curso geral  tinha como função  “dar aos alunos um conjunto de conhecimentos úteis com...
<ul><li>formação do homem </li></ul><ul><li>preparação para a vida produtiva </li></ul><ul><li>acesso aos estudos superior...
Frequência do Ensino Liceal entre 1910 e 1926  (Oficial e Particular) Anos Alunos Masculino Feminino Total 1910/11 - - 974...
Ensino Secundário Técnico <ul><li>“ O nosso atraso provém apenas da insuficiência do nosso ensino técnico que ontem era um...
O Porquê do Ensino Técnico : <ul><li>urgência das medidas na área educativa  </li></ul><ul><li>falta de competências técni...
Frequência do Ensino Liceal e Técnico (1915-1926) ANOS LECTIVOS ENSINO LICEAL ENSINO TÉCNICO 1915-1916 1916-1917 1917-1918...
Finalidades do Ensino Superior <ul><li>Investigação Científica </li></ul><ul><li>Transmissão da herança cultural superior ...
Alunos Matriculados nas Universidades Portuguesas Anos Lectivos Coimbra Lisboa Porto 1911-1912 1246 533 1912-1913 1264 529...
<ul><li>uma taxa de analfabetismo que descia para 67,8%; </li></ul><ul><li>uma incompleta reforma do ensino normal primári...
JARDIM-ESCOLA NO PORTO,  1915
SALA DE AULA DE ESCOLA PRIMÁRIA, INÍCIO DO SÉCULO XX
AULA NO LICEU DE PASSOS MANUEL, 1921
<ul><li>Luís Alves, L.; Magalhães, M.; Reigada, T.; Pinheiro, B. (2010).  A República e a Educação – princípios e realidad...
<ul><li>Trabalho realizado pela Turma EFA6 - nível orientada pelos formadores Fernanda Barbosa e Mário </li></ul>
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A 1ª República e o ensino global

2.182 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Diversão e humor
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.182
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A 1ª República e o ensino global

  1. 1. A Primeira República e o Ensino
  2. 2. A Primeira República Portuguesa , cujo nome oficial era República Democrática Portuguesa , foi o sistema político que sucedeu ao Governo Provisório de Teófilo Braga, de1910 a 1926.
  3. 3. O sistema de ensino durante o período republicano <ul><li>Quando em 1910 se dá a proclamação da República, havia em Portugal 6 milhões de habitantes sendo 75% de analfabetos. </li></ul><ul><li>O objectivo dos Republicanos era reformar a mentalidade Portuguesa pela via da instrução e da educação. </li></ul>
  4. 4. Objectivos da Educação <ul><ul><li>Criação do Ministério de Instrução Pública. </li></ul></ul><ul><ul><li>Escolaridade obrigatória e gratuita entre os 7 e os 10 anos. </li></ul></ul><ul><ul><li>Fundação de mais de 1500 escolas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Fundação das Universidades de Lisboa e Porto e reorganização da de Coimbra. </li></ul></ul><ul><ul><li>Desenvolvimento do ensino técnico e agrícola. </li></ul></ul>
  5. 5. Ensino Infantil e Ensino Primário <ul><li>“ e é lá [na escola primária] que verdadeiramente se há-de formar a alma da pátria republicana” </li></ul><ul><li>Preâmbulo do Decreto de 29 de Março de 1911 </li></ul>
  6. 6. Princípios Orientadores do Ensino Infantil/Primário <ul><li>Permitir a criação de cidadãos educados e instruídos. </li></ul><ul><li>Fornecer uma educação neutra. </li></ul><ul><li>Aumentar a importância dada aos professores. </li></ul><ul><li>Favorecer um ensino leccionado de modo harmonioso com o desenvolvimento orgânico, fisiológico, intelectual e moral dos alunos. </li></ul><ul><li>Privilegiar a vertente prática, nomeadamente noções agrícolas, comerciais e industriais que pudessem ser utilizados na vida dos alunos. </li></ul><ul><li>Garantir a descentralização do ensino. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Evolução das Escolas Infantis </li></ul><ul><li>em </li></ul><ul><li>funcionamento entre 1910 e 1926 </li></ul>Anos Escolas Infantis Oficiais Escolas Infantis Particulares 1910 0 2 1918 6 4 1926 7 5
  8. 8. <ul><li>Evolução das Escolas Primárias oficiais em </li></ul><ul><li>funcionamento entre 1910 e 1926 </li></ul>Anos Total Masculinas Femininas Mistas 1910 5552 3067 1819 666 1918 6473 2918 2188 1367 1926 6657 - - -
  9. 9. Ensino Secundário Liceal <ul><li>O curso geral tinha como função “dar aos alunos um conjunto de conhecimentos úteis como o saber e proveitosos como meio para o desenvolvimento regular e harmónico das suas faculdades” </li></ul><ul><li>Decreto de 17 de Abril de 1917 </li></ul>
  10. 10. <ul><li>formação do homem </li></ul><ul><li>preparação para a vida produtiva </li></ul><ul><li>acesso aos estudos superiores </li></ul>Finalidades do Ensino Secundário Liceal
  11. 11. Frequência do Ensino Liceal entre 1910 e 1926 (Oficial e Particular) Anos Alunos Masculino Feminino Total 1910/11 - - 9740 1917/18 - - 12221 1925/26 9644 2960 12604
  12. 12. Ensino Secundário Técnico <ul><li>“ O nosso atraso provém apenas da insuficiência do nosso ensino técnico que ontem era um mal e hoje é um perigo, dada a luta de competências que é preciso suportar na concorrência dos mercados de todo o mundo ( ...)” </li></ul><ul><li>Decreto de 23 de Maio de 1911 de criação do </li></ul><ul><li>Instituto Superior Técnico </li></ul>
  13. 13. O Porquê do Ensino Técnico : <ul><li>urgência das medidas na área educativa </li></ul><ul><li>falta de competências técnicas e profissionais </li></ul><ul><li>o ensino técnico era um espaço educativo privilegiado para mais facilmente recuperarmos competitividade externa e capacidade produtiva interna. </li></ul>
  14. 14. Frequência do Ensino Liceal e Técnico (1915-1926) ANOS LECTIVOS ENSINO LICEAL ENSINO TÉCNICO 1915-1916 1916-1917 1917-1918 1918-1919 1919-1920 1920-1921 1921-1922 1922-1923 1923-1924 1924-1925 1925-1926 TOTAIS 14 135 14 556 15 274 13 720 13 748 13 203 12 930 13 434 14 337 15 105 16 766 157 208 8 479 9 452 16 396 17 797 8 820 8 892 8 832 9 452 10 078 11 756 13 016 122 970
  15. 15. Finalidades do Ensino Superior <ul><li>Investigação Científica </li></ul><ul><li>Transmissão da herança cultural superior </li></ul><ul><li>Preparação de quadros superiores </li></ul><ul><li>Formação do espírito </li></ul><ul><li>A extensão universitária </li></ul>
  16. 16. Alunos Matriculados nas Universidades Portuguesas Anos Lectivos Coimbra Lisboa Porto 1911-1912 1246 533 1912-1913 1264 529 1913-1914 1344 1301 612 1919-1920 1204 1793 596 1920-1921 1155 1952 789 1924-1925 1326 2332 1039 1925-1926 1271 2489 1069
  17. 17. <ul><li>uma taxa de analfabetismo que descia para 67,8%; </li></ul><ul><li>uma incompleta reforma do ensino normal primário; </li></ul><ul><li>um saldo positivo para os avanços nos ensinos secundário e profissional. </li></ul><ul><li>uma Universidade profundamente reformada, com a criação das Universidades de Lisboa e do Porto e reestruturação da de Coimbra. </li></ul>Em termos gerais a situação em 1926 evidenciava:
  18. 18. JARDIM-ESCOLA NO PORTO, 1915
  19. 19. SALA DE AULA DE ESCOLA PRIMÁRIA, INÍCIO DO SÉCULO XX
  20. 20. AULA NO LICEU DE PASSOS MANUEL, 1921
  21. 21. <ul><li>Luís Alves, L.; Magalhães, M.; Reigada, T.; Pinheiro, B. (2010). A República e a Educação – princípios e realidades. Centro de Formação Júlio Resende - Auditório da Biblioteca Municipal de Gondomar, in. www.eduforum.pt </li></ul>Bibliografia
  22. 22. <ul><li>Trabalho realizado pela Turma EFA6 - nível orientada pelos formadores Fernanda Barbosa e Mário </li></ul>

×