Ag1 Aula4 2008

587 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
587
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
55
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ag1 Aula4 2008

  1. 1. A apuração jornalística ( precisão e suíte) Agência Noticiosa 1 Professor mestre Artur Araujo (araujofamilia@gmail.com)
  2. 2. Antes, alguns lembretes <ul><li>Na primeira aula discutimos como será o curso e os critérios da avaliação. </li></ul><ul><ul><li>8 de abril de 2008 – último dia para entrega da primeira reportagem. Faltam 28 dias. </li></ul></ul><ul><ul><li>15 de abril de 2008 - último dia para entrega da segunda reportagem. Faltam 35 dias. </li></ul></ul><ul><ul><li>22 de abril de 2008 - último dia para entrega da terceira reportagem. Faltam 42 dias. </li></ul></ul><ul><ul><li>29 de abril de 2008 - último dia para entrega da quarta reportagem. Faltam 49 dias. </li></ul></ul><ul><ul><li>Prova teórica – 29 de abril . Faltam 49 dias. </li></ul></ul><ul><ul><li>Trabalho escrito (seminário) – 13 de maio . Faltam 63 dias. </li></ul></ul><ul><li>Os alunos precisam se inscrever na lista de discussão do curso. </li></ul>
  3. 3. Recapitulando... <ul><li>Na aula anterior, discutimos aspectos da apuração jornalística, principalmente as principais táticas para se desenvolver uma boa reportagem. </li></ul>
  4. 4. Para que checar? <ul><li>O jornalismo é um discurso cujo fundamento é a verdade. Esse, aliás, é o fundamento da profissão e o que faz do discurso da imprensa algo em que se pode crer. Portanto, temos a obrigação de verificar o que estamos dizendo. </li></ul>
  5. 5. O erro e a mentira <ul><li>Erro é uma falha de apuração, de checagem, ou ainda de expressão do jornalista. </li></ul><ul><li>A mentira pressupõe má-fe, seja da fonte, seja do jornalista. É qualquer coisa dita na intenção de enganar ou de transmitir falsa impressão. Na profissão jornalística, é inconcebível a mentira, que pressupõe falta de ética e implica graves sanções profissionais e, em alguns casos, jurídicas. </li></ul>
  6. 6. A omissão <ul><li>Se algum fato não pode ou não convém ser divulgado, então a omissão, em alguns casos, é aceitável, mas a mentira para o jornalista, não. </li></ul>
  7. 7. Dois tipos básicos de erro <ul><li>Há basicamente dois tipos de erro no trabalho de apuração jornalística. </li></ul><ul><li>Um decorre de desinformação ou má-fé da fonte. </li></ul><ul><li>O outro decorre de falhas de apuração do jornalista. </li></ul>
  8. 8. Falhas decorrentes de desinformação ou má-fé da fonte <ul><li>Certas instituições, em algumas circunstâncias, podem falsear dados, assim como determinados entrevistados, geralmente políticos e criminosos, podem inventar histórias. </li></ul><ul><li>É difícil , nesses casos, evitar totalmente o engodo , mas um bom conhecimento dos fatos ajuda a tornar essa possibilidade mais remota . </li></ul>
  9. 9. O caso Iraque-EUA <ul><li>Por exemplo, quando o governo norte-americano denunciou a descoberta de “armas de destruição” de massa no Iraque, uma reflexão mais acurada, que levasse em conta o contexto político e as condições econômicas do país e os próprios interesses expansionistas de Washington seriam interessantes aspectos para pôr em dúvida as falsas “provas” apresentadas na ocasião. </li></ul>
  10. 10. Direitos humanos <ul><li>Quando o regime militar alegou, em 1970, que não havia torturas no Brasil, o mesmo raciocínio poderia ser aplicado: ditaduras para se manter precisam eliminar a oposição e inevitavelmente praticam abusos contra os direitos humanos. A alegação era um claro contrasenso. </li></ul>
  11. 11. O caso Escola de Base <ul><li>Em março de 1994, no caso Escola de Base, o jornalista Jorge de Miranda Jordão, então diretor de redação do jornal Diário Popular de São Paulo, vetou o noticiário a respeito do caso Escola de Base por considerar a investigação do delegado Edélcio Lemos inconsistente. O tempo deu razão a ele: em junho daquele ano, os acusados foram considerados inocentes e a maioria da imprensa havia embarcado na tese do abuso sexual de crianças, causando danos morais irreparáveis aos suspeitos. </li></ul>
  12. 12. O caso “18 letras” <ul><li>Vamos cobrir um caso de polícia, desses bem horrendos: ladrões seqüestram uma moça, cortam o pulso dela e a obrigam a saltar de uma ponte. Sem saber nadar, ela passa a noite agarrada às plantas da margem até ser resgatada no dia seguinte. </li></ul><ul><li>Se formos entrevistar a moça, não há motivo para duvidar do que ela diz, certo? Afinal, ela é a vítima... </li></ul>
  13. 13. Hiperdimensionamento & subdimensionamento <ul><li>Certas instituições e pessoas, em algumas circunstâncias, podem minimizar ou hiperdimensionar dados para benefício próprio ou para prejudicar outras instituições e pessoas. Nesses casos é até um pouco mais simples lidar com os fatos. </li></ul>
  14. 14. O caso Toninho <ul><li>Quando o secretário da Segurança Pública de São Paulo do governo Mário Covas, Marco Vinício Petrelluzzi, declarou, em novembro de 2001, que a sensação de insegurança era meramente “psicológica”, contradizia toda extensa relação de crimes que ocorria na época, tornando o Estado de São Paulo uma das unidades da federação mais violentas. Cabe ao jornalista, nesse caso, evidenciar o contraste entre o dito e a realidade, desmascarando o truque. </li></ul>
  15. 15. O caso Vasp <ul><li>Quando a Vasp informou, em junho de 2005, que sua frota de 31 aviões valia R$ 1,2 bilhão, a Folha de S. Paulo publicou uma análise, fundamentada em especialistas do segmento, que apontava que o valor real seria de, no máximo, R$ 179,2 milhões, um valor 85% menor. A origem da manobra, segundo apontavam os indícios, era para não comprometer o balanço contábil da companhia, que passava por um mal momento. </li></ul>
  16. 16. Lapsos da fonte <ul><li>Às vezes a fonte também se engana, seja em decorrência de esquecimentos, seja porque, pega de improviso, transmitiu imprecisões para o repórter. Nesses casos, checagens extras podem ajudar a evitar constrangimentos, pois o erro da fonte, mesmo não sendo do jornalista, termina por abalar a imagem do profissional de imprensa. </li></ul>
  17. 17. Fonte desqualificada <ul><li>Mentirosos </li></ul><ul><ul><li>Algumas fontes têm fama de mentirosas. Nesses casos, o melhor é evitar essa fonte. Caso seja inevitável, verifique, fato a fato, com fontes confiáveis, contrapondo os fatos e contextualizando a pouca credibilidade da fonte. </li></ul></ul><ul><li>Ignorantes </li></ul><ul><ul><li>Algumas vezes o jornalista, tentando enriquecer de pontos de vista sua matéria, apela para personagens que inadequados. É o caso, por exemplo, de entrevistar um “ufólogo” ou um astrólogo para analisar um fenômeno celeste. </li></ul></ul>
  18. 18. Fonte desqualificada <ul><li>Deficientes psíquicos-neurológicos </li></ul><ul><ul><li>Às vezes a fonte sofre de problemas psíquicos ou neurológicos e inventa histórias. O jornalista não pode tratar como “verdade” uma fonte que fala coisas dúbias e ainda pede o anonimato. Se um desequilibrado se diz Napoleão Bonaparte ele não pode ser tratado como imperador da França apenas porque disse que é. Se um sujeito diz ser “porta-voz do PCC”, cuidado: é mais provável que ele esteja mentindo ou mesmo delirando. </li></ul></ul>
  19. 19. Lei do silêncio (mutismo) <ul><li>A proibição de entrevistas, o mutismo, tem se mostrado, infelizmente, uma tática bem-sucedida de autoridades para impedir a publicação de matérias. O jornalista deve, a princípio, denunciar a atitude e, em seguida, buscar alternativas para obter a mesma informação. </li></ul>
  20. 20. Falhas decorrentes de falhas de apuração do jornalista <ul><li>Erros de grafia </li></ul><ul><ul><li>Como se escreve devidamente o nome da fonte ou de uma instituição –digamos, é “Luiz” ou “Luis”? Como se escreve a sigla de um serviço? Muitos erros primários de apuração podem ser evitados apenas perguntando-se para a fonte como se escreve determinada palavra. </li></ul></ul><ul><ul><li>O caso “cocovan” / “cocq au vin” </li></ul></ul>
  21. 21. Falhas decorrentes de falhas de apuração do jornalista <ul><li>Interpretações ousadas – a pena é de ... anos </li></ul><ul><ul><li>Muitas vezes os repórteres que cobrem polícia tendem a querer antecipar a condenação. Raciocina-se assim: ele assaltou. A pena para assalto é de reclusão, de 4 a 10 anos, e multa. Ora, muitas vezes no julgamento outras questões são levantadas tanto pela defesa quanto pela promotoria, o que leva a pena a mudar sensivelmente. Não é interessante, pela credibilidade do jornalista, ir além dos fatos, ainda mais se não conhece todas as variáveis de uma determinada questão. </li></ul></ul>
  22. 22. Falhas decorrentes de falhas de apuração do jornalista <ul><li>Fofocas </li></ul><ul><ul><li>Jornalista não publica boatos ou fofocas. Notícia só é notícia se devidamente confirmada. </li></ul></ul><ul><li>Antecipação de notícias </li></ul><ul><ul><li>Muitas vezes um fato tido como certo não ocorrem: cuidado. Digamos, um determinado show está marcado para as 21h e a publicação não pode publicar a resenha no dia seguinte. Então “antecipa” a resenha com base nos ensaios. E se o show for cancelado? E se um acidente ocorrer no show? O texto publicado seria motivo de vergonha para o jornalista. </li></ul></ul>
  23. 23. Falhas decorrentes de falhas de apuração do jornalista <ul><li>Erros de checagem de sentido – perdigoto (duplo sentido) </li></ul><ul><ul><li>Um exemplo famoso: “A peste pneumônica é transmitida por gotículas de saliva, diferentemente do que informou o texto publicado na pág. 2-10, no dia 24/09.” (28.set.94) O texto afirmava que a doença era transmitida por filhotes de perdiz. Quem editou o texto procurou um sinônimo para perdigoto, que pode significar tanto salpico de saliva como filhote de perdiz. </li></ul></ul>
  24. 24. Falhas decorrentes de falhas de apuração do jornalista <ul><li>Preconceitos </li></ul><ul><ul><li>Cuidado com os seus preconceitos. A qualificação de uma pessoa pode muitas vezes evidenciar isso: “negro é preso por assalto”. Ao construir uma frase assim apenas reforça preconceitos. Não há relação entre a cor de pele de uma pessoa e o ato, mas o título constrói justamente essa infeliz relação de causa e efeito. </li></ul></ul><ul><ul><li>Veja o verbete Notícia (personagem) 3 , do Guia prático. </li></ul></ul>
  25. 25. Falhas decorrentes de falhas de apuração do jornalista <ul><li>Acriticidade ao ouvir os dois lados </li></ul><ul><ul><li>Devemos ouvir os dois lados, ok? Entretanto, devemos também expor mentiras e flagrantes contradições quanto observarmos. Exemplo: “Eu não matei a mulher”, disse Fulano de tal, que já foi condenado 18 vezes por homicídio doloso. </li></ul></ul>
  26. 26. As suítes (follow up) <ul><li>Perder uma matéria por falta de checagem é sempre um drama para o jornalista. Todas as matérias relevantes devem ser alvo de checagens e, mesmo de uma rotina de verificação. </li></ul>
  27. 27. O tema da próxima aula expositiva: a pauta jornalística
  28. 28. Citação do dia “ No jornalismo observa-se sempre uma tensão entre falar primeiro e falar a verdade.” Ellen Goodman (*1941), jornalista e autora de livros norte-americana

×