Mike abrashoff

464 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
464
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mike abrashoff

  1. 1. Mike Abrashoff Sou da cidadezinha de Altoona, na Pensilvânia, com de comando, é realizada uma grande cerimônia, comcerca de 30.000 habitantes. Frequentei uma escola Católi- muita pompa e circunstância. A tripulação pinta todaca e aos 17 anos fui para a Academia Naval, onde passei a embarcação. O Almirante comparece e faz um longoquatro anos. Após a Academia tive uma série de trabalhos discurso sobre quão valoroso é o comandante de saída.de rotina na Marinha: servi em uma fragata, fui assistente Quando meu antecessor deixou a embarcação pela últimade um almirante nas Filipinas, fui oficial de sistemas de vez, sua partida foi anunciada pelo sistema de som dacombate em duas embarcações, um contratorpedeiro e embarcação e minha futura tripulação comemorou comum cruzador, e fui o imediato de um cruzador. estardalhaço a sua partida. Após esse trabalho, fui selecionado para ser adido Eu nunca tinha visto nada assim em meus 16 anos namilitar do Ministro da Defesa. Foi engraçado. Durante Marinha. Um sinal tão evidente de desrespeito ao oficialminha designação como segundo em comando do cru- comandante de saída. O primeiro pensamento que tivezador Shiloh, estávamos navegando no Golfo Pérsico ao presenciar isso foi: o que tenho que fazer para evitardurante o verão, estava mais de 50 graus, e recebi um que isso me aconteça daqui a 2 anos, quando eu deixartelefonema de um Almirante do Pentágono. meu comando? O segundo pensamento foi: OK. Qual é o meu objetivo aqui? Meu objetivo é chegar a Almirante Ele disse: “Mike, o Ministro da Defesa está recru- ou meu objetivo é criar a melhor embarcação, tornar-setando um novo adido militar e pediu a cada uma das 4 líder em nosso negócio? Se eu chegar a Almirante comoforças que indicasse 3 candidatos. Parabéns, você é um resultado, ótimo.dos nossos 3 candidatos. Mas não fique muito entusias-mado. Você não é o nosso preferido e não esperamos Decidi que precisava reordenar meus objetivos. Emque você consiga o cargo. Mas, se for entrevistado, não vez de me preocupar com futuras promoções, devia focarnos envergonhe”. na criação de algo de valor naquele momento. Assim decidimos nos concentrar totalmente em criar a melhor Com esse grande estímulo, voei para Washington embarcação de toda a Marinha.para uma entrevista e surpreendi a todos no Pentágonoporque consegui o cargo. Quando assumi o comando, estávamos no final do quadragésimo percentil em termos de desempenho. Após essa atribuição, fui selecionado para comandar Quando saí, depois de dois anos, éramos a embarcaçãoo USS Benfold. E foi no Benfold que desafiamos a forma número 1 da frota do Pacífico. Tenho muito orgulhode fazer as coisas e tentamos melhorá-la. Assim apare- disso. E o que me dá mais orgulho é o fato de que nãocemos em diversas publicações como Fast Company e fui eu que tornou a embarcação a melhor. Foi a tripu-Harvard Business Review. Estou terminando de escrever lação que fez isso. Eu só ajudei a facilitá-los a criar umum livro que será lançado em junho. Em resumo, essa ambiente onde eles vinham para o trabalho todos osé a minha origem. dias apaixonados, motivados, entusiasmados, dispostos a fazer grandes coisas. Desde o começo na Academia Naval você aprendeque tem que ser o melhor, que tem que chegar a Almirante Acho que meu estilo começou no dia 2 de agostoum dia. Por isso, passei os primeiros 16 anos de minha de 1990, às 4h30 da manhã. Nos 8 anos anteriores, euvida querendo ser um Almirante. Um dos passos essen- havia tido uma carreira militar bem típica de comandociais para tornar-se Almirante é comandar com sucesso e controle, dizendo às pessoas o que fazer, como fazersua própria embarcação. O Benfold foi esse passo. e me preocupando com a próxima promoção. Mas algo aconteceu nesse meu caminho para tor- Às 4h30 do dia 2 de agosto, o alarme geral soou enar-me um Almirante. Na Marinha, quando há uma troca todos corremos para nossos postos de combate na em- Copyright © AMANA-KEY • 1
  2. 2. barcação. Naquela época, eu era o terceiro oficial mais a explosão ocorreu. A força da explosão foi tão grandegraduado na embarcação. Lembro de olhar para minha que projetou o soldado e sua cama contra o concreto dotela de radar e ver 21 caças desconhecidos vindo em telhado e produziu uma marca em baixo-relevo de seunossa direção. Estávamos nas vizinhanças do Iraque e corpo no concreto, que ainda estava manchado de sangue.meu navio, o USS England, era o único navio no norte Eles não tinham tido tempo de fazer uma limpeza.do Golfo Pérsico naquele momento. Naquele momento, observando aquela cena, pensei Lembro de espantar o sono em meus olhos às 4h30, em quão devastadora ela era. Foi um ponto de muta-olhar para a tela de radar e o primeiro pensamento que ção em minha vida. Resolvi que, se tivesse a sorte detive foi: este é o dia de minha morte, porque não podemos receber o comando de uma embarcação, nunca iria ternos defender contra 21 caças. O segundo pensamento que escrever uma carta para os pais de qualquer um defoi: OK, meu seguro de vida está em dia, meu testamento meus marujos explicando que seu filho não retornariaestá em ordem, é hora de ir para a batalha. para casa em razão de algo que eu tinha feito ou dei- xado de fazer. Depois a crise passou – ficamos a alguns segundosde disparar contra eles quando eles fizeram meia-volta A terceira coisa foi a mudança de comando, quandoe retornaram à base – mas naquele momento achamos a saída de meu antecessor foi comemorada. Esses trêsque realmente íamos ser atacados. Depois que a crise eventos juntos causaram uma transformação em mimpassou, lembro ter pensado que no ano anterior, en- que me levou a pensar sobre a que realmente eu deve-quanto nos preparávamos para ir para o Golfo Pérsico, ria me dedicar. E percebi que não era mais às minhasnão estávamos focados em nossa missão. Não estávamos promoções. Era à criação da melhor situação possível. Efocados em nosso propósito. percebi que a única forma de você realmente realizar a sua missão é criar um ambiente que valoriza cada pessoa Deixamo-nos distrair pela politicagem que ocorre na organização, que valoriza os clientes que você estánas organizações. Estávamos mais preocupados em fazer tentando servir, que efetivamente respeita as pessoasnosso Capitão aparecer bem para que pudesse ser pro- com as quais você lida em vez de julgá-las.movido a Almirante do que em realmente sermos bonspara que pudéssemos nos defender dos 21 caças. Portanto, propósito e respeito eram dois dos quatro elementos-chave, eu acho, no que estávamos tentando Naquele momento percebi que no ano anterior realizar. Os demais eram: ser autêntico, ter um interesseeu não tinha dado o meu máximo para assegurar que real na criação de um ambiente excelente para nossopudéssemos ter derrotado nosso adversário naquele pessoal, que lhes permitisse vir para o trabalho todos osdia. E resolvi que, se eu tivesse oportunidade de levar dias apaixonados, motivados, entusiasmados, dispostosoutra embarcação para o Golfo Pérsico, nós não iría- a fazer grandes coisas.mos desperdiçar nossas oportunidades, nós estaríamostotalmente preparados, não nos permitiríamos distrair. Finalmente, a quarta coisa foi ter a coragem de aceitarE só nos concentraríamos em uma coisa, que é o nosso o desafio, sair da minha zona de conforto, tentar coisasresultado final, é nosso propósito. novas que pudessem melhorar nossa forma de fazer as coisas, para fazer com mais eficiência, mais rapidamente, Esse foi um dos três eventos transformadores em de modo que a tripulação quisesse contribuir mais. Essasminha vida, eu acho. O segundo foi quando eu era assis- foram as coisas em que começamos a nos concentrartente militar do Secretário da Defesa. Terroristas tinham como resultado desses três eventos transformadores. Eexplodido nossos alojamentos em Riyadh, matando 19 foi o que me permitiu sair de minha zona de conforto,soldados. Estávamos na Europa naquele momento e porque sabia em meu íntimo que estava fazendo a coisafizemos uma rápida viagem à Arábia Saudita para in- certa.vestigar a devastação. O estilo de liderança baseado em comando e controle Lembro de estar na beira da cratera aberta pela inventado pelos militares está obsoleto. Assim como obomba terrorista. Visitamos o alojamento onde um dos comunismo é uma filosofia política falida, a liderançasoldados havia morrido. Ele estava em sua cama quando baseada em comando, em controle, é uma filosofia de Copyright © AMANA-KEY • 2
  3. 3. liderança falida, porque não leva as pessoas a realiza- mas como eram apaixonados, mais bem treinados e maisrem a sua missão. Elas não estarão ao seu dispor. Elas confiantes em sua capacidade, eram sempre capazes denão virão para o trabalho com paixão e dedicação. E atingir resultados mais elevados trabalhando menos,depende de nós, líderes, criar esse ambiente, incluir acredite se puder.as pessoas em nossas decisões, respeitá-las e respeitarnossos clientes. Essa é a forma pela qual você pode criar Não trabalhávamos 14 horas por dia. Trabalhávamosresultados verdadeiramente fenomenais. oito horas por dia. E éramos capazes de atingir resultados cada vez mais elevados porque eles estavam se tornando Eu nunca tinha lido um livro de liderança e fiz tudo mais eficientes.intuitivamente. Depois de ver a comemoração da saídade meu antecessor, comecei a fazer as coisas de forma Herdei a embarcação que estava no final do qua-diferente. Comecei a me colocar na posição de minha dragésimo percentil em termos de desempenho. Umatripulação e observar a organização pelos seus olhos. embarcação onde a força de trabalho tinha sido rude e desrespeitosa com o oficial comandante que estava Essa ideia surgiu uma tarde, enquanto eu caminhava saindo. Nunca tinha visto uma situação assim. Nossaentre a tripulação, conversando com eles, e um marujo taxa de retenção era a pior entre todas as embarcaçõesme disse que a organização em nossa embarcação era da Marinha. Nossa taxa de desgaste era altíssima. Eramcomo uma árvore cheia de macacos e eu era o macaco marujos que sairiam da Marinha antes de completar seuno topo da árvore. Em cada galho havia diferentes níveis período de serviço de 4 anos.de macacos, e a tripulação era os macacos no galho maisbaixo. Ele me disse que quando eu olhava para baixo, do Percebi que a tripulação estava muito desunida. Elesalto da árvore, tudo o que via eram faces sorrindo para não se respeitavam. Eles não se tratavam da maneiramim. Mas quando eles olhavam para cima, eles tinham como gostariam de ser tratados. Por isso comecei o queuma visão totalmente diferente da organização. chamei de treinamento de unidade. O treinamento de unidade é uma forma de reunir as pessoas para que elas Percebi que, no final das contas, eu não passava de percebam que têm diferentes histórias de vida, têm coisasum gestor intermediário em uma organização de 400.000 diferentes para contribuir e a única forma de tornar a or-pessoas e me coloquei em um dos galhos intermediários ganização um sucesso e prover valor aos nossos clientes,e olhei para cima e tive a mesma visão da cadeia de co- aos contribuintes e aos nossos cidadãos é juntar-se demando que os meus marujos tinham. Isso é que me fez uma forma unificada e focar nossos objetivos comunsempatizar com os meus comandados e ver a organização em vez de focar as nossas diferenças.pelos seus olhos. E se eu não pudesse entender o queestava tentando fazer, quando me colocava na posição Em consequência, o clima a bordo começou a mu-deles, ou eu tinha a política errada ou eu tinha que fa- dar, quando eles começaram a respeitar seus colegaszer um trabalho melhor de comunicar o que estávamos em vez de julgá-los. Eles começaram a corresponder.tentando criar. Portanto, respeito é um elemento-chave. Tem que haver respeito, em todas as direções na cadeia de comando e Eventualmente percebi que 90% do meu trabalho na organização.era comunicar-me com minha tripulação, mantê-los in-formados das mudanças e das novas políticas, fazê-los Outra coisa que comecei a fazer foi entrevistarentender por que era do interesse da organização que cada membro da tripulação. Nos meus primeiros 16nós embarcássemos nessa mudança e, desse modo, por anos na Marinha, ninguém nunca perguntou o que euque era do interesse deles aceitá-la e apoiá-la. achava das coisas, como poderíamos melhorar a for- ma de fazê-las etc. Comecei a entrevistar os membros da tripulação. No princípio, as entrevistas eram mais E percebi que sempre que eu expressava claramente sessões de conhecimento pessoal, de onde a pessoaos objetivos e as expectativas, a minha tripulação não era, como era sua família etc. Aos poucos, fui sabendome decepcionava. Eles respondiam magnificamente e o nome de cada membro da tripulação, suas esposas,tinham um desempenho superior ao de qualquer outra seus filhos, de onde eles eram. E perguntava a elesembarcação. A cada sucesso continuávamos a elevar quais eram seus objetivos na vida, quais eram seusas metas. Eles resmungavam sobre a elevação da meta, objetivos na Marinha. Copyright © AMANA-KEY • 3
  4. 4. Como resultado dessas entrevistas, percebi que podem fazer isso. E os líderes fracos, sinceramente, irãominha tripulação era igualzinha a mim. Eu só era 20 continuar a gerenciar por comando e controle. Assimanos mais velho. Mas todos tinham esperanças e so- não se gerencia uma organização.nhos. Todos tinham famílias para cuidar. Todos queriamfazer coisas importantes. Vi que meu trabalho como As pessoas perguntam: “certamente havia pessoaslíder era criar um clima que permitisse que a tripula- que não compraram a ideia”. Eu digo que certamenteção realizasse seus sonhos, que os ajudasse a realizar sim. Não vou dizer para vocês que 100% da tripulaçãoos sonhos e assim eles se tornariam mais dedicados à comprou a ideia. Toda organização tem o que chamo deminha organização. pessoas CCPT, Cidadãos Contra Praticamente Tudo. E quando assumi o comando do Benfold, diria que cerca Ao me preparar para a minha jornada de liderança, de 20% da tripulação era contra tudo que estávamosprocurei não apenas analisar os líderes que eu achava tentando.que eram fortes, que eu respeitava e admirava, mastambém analisar os líderes fracos, para compreender O que aconteceu foi que a pressão dos pares,o que eles estavam fazendo para que eu não caísse aplicada sobre essas pessoas, fez com que elas gradu-nas mesmas armadilhas que eles caíram. Eu não que- almente começassem a perceber que o que estávamosria copiar líderes fracos. Só queria ser igual aos fortes. tentando fazer tinha como objetivo realmente melhorarQueria me tornar forte. a nossa situação. E assim diminuímos a porcentagem de pessoas resistentes a provavelmente 4 ou 5% da Por isso comecei a analisar os líderes fracos, aqueles tripulação, simplesmente pela pressão dos pares. Elesque não estavam cumprindo suas obrigações, aqueles perceberam, o resto da tripulação percebeu que haviaque não tinham uma força pronta para a ação, aqueles algo bom acontecendo e eles não queriam que ninguémque se tivessem que ir para a batalha provavelmente estragasse. Por isso aplicaram pressão em seus colegasnão sairiam vitoriosos, aqueles que poderiam até no navio, se autopoliciaram e disseram para que eles semesmo morrer por causa do baixo desempenho de engajassem ao programa. E essa foi uma forma muitosua unidade. poderosa de eles mesmos fazerem, até o nível mais básico, todo mundo comprar a ideia. E quando analisei os traços desses líderes fracos emminha organização, percebi que esses eram os líderes Eles viam que minha preocupação, meu interesse eraque olhavam para as pessoas de cima para baixo. Um só genuíno e autêntico. E eles vestiam o chapéu de pensa-líder não é suficiente para criar resultados excepcionais dores e desafiavam todos os processos e procedimentosnos dias de hoje. Você precisa que todos contribuam do navio. Sendo uma organização governamental, vocêspara conseguir grandes resultados. Os líderes fracos sabem: tínhamos manuais, regulamentos e diretrizes quedesdenham as pessoas em vez de respeitá-las. encheriam um encouraçado. Mas não é para isso que serve a liderança. A liderança é necessária para interpretar todos Os líderes fracos tinham tão pouca confiança em os regulamentos e diretrizes, e se há uma forma melhorsuas habilidades que davam ordens para as pessoas e de fazer as coisas, criar um clima que permita às pessoastinham medo quando eram questionados. Somente o líder responder ao desafio e alcançar formas diferentes de fazerforte pode se abrir para questionamentos e permitir que as coisas, que sejam melhores que as formas prescritasas pessoas digam: “você poderia pensar em fazer isso nos manuais.para melhorar”. Esse é um ponto forte, não um pontofraco. Líderes fracos, que não têm confiança em suas E foi o que fizemos no navio. Usamos os regulamentoshabilidades, que sabem que são líderes fracos, nunca como guias. E se pudéssemos descobrir uma forma melhormergulham em introspecção e perguntam: “existem de fazer as coisas, iríamos implantá-la, experimentá-laformas de fazer melhorar as coisas?” e, se funcionasse, iríamos passá-la para cima na cadeia de comando. Há 6 iniciativas importantes começadas Ninguém é perfeito. Todos precisamos melhorar. E no Benfold e adotadas por toda a Marinha, mais do quenossos desafios são de tal ordem que precisamos maximi- qualquer outra embarcação nos meus 20 anos de Mari-zar cada oportunidade e isso requer que contemos com nha. Adotávamos mais coisas porque experimentávamosas ideias de todos para chegar lá. Somente líderes fortes mais e se funcionassem passávamos acima na cadeia de Copyright © AMANA-KEY • 4
  5. 5. comando. o trabalho da forma certa? E dei a elas tempo e recursos suficientes para realizar o trabalho corretamente? E 80% Um dos problemas dos que atuam no governo é que das vezes que não consegui os resultados que queria mehá um número enorme de coisas sobre as quais não te- analisei internamente e percebi que eu era o problema,mos controle, mas pelas quais respondemos. Geralmente não o meu pessoal. Então disse a ele: “nunca duvide dosacabamos nos concentrando nas coisas que não podemos motivos deles, porque eles querem ir bem”.controlar. O que fizemos no Benfold foi concentrar-se nascoisas que podíamos controlar. Quando começamos a Outra coisa que disse a ele foi: “você precisa con-procurar as coisas que podíamos controlar, percebemos tinuar a entrevistar a tripulação. Você precisa continuarque tínhamos um escopo enorme de autoridade que po- com as Revisões Após a Ação e você precisa continuardíamos usar. E deixamos de nos preocupar demais com a desenvolver a confiança na organização e empoderaras coisas que não podíamos controlar. Não se preocupe as pessoas para tomar decisões e melhorar suas própriascom elas. É esforço em vão. habilidades dessa forma”. Mas concentre-se nas coisas que você pode controlar Seis meses depois que deixei meu comando, o Benfolde acho que você descobrirá que pode fazer muito mais do recebeu a nota mais alta na história da frota do Pacíficoque sonhava. Nosso sucesso no Benfold foi bem maior do na avaliação de prontidão de sistemas de combate. Umque eu imaginava porque nos concentramos nas coisas ano depois que parti, eles concorreram novamente àsobre as quais tínhamos controle direto. melhor embarcação da frota do Pacífico e chegaram em segundo lugar. O Almirante que tomou a decisão deu o Bem, a pessoa que me sucedeu no comando do primeiro lugar para o navio que ele tinha comandado eBenfold é o que chamo de um clássico ICEC, Idiota de os resultados foram manipulados. O navio não era 50%Comando e Controle. Ele não era má pessoa, mas nos do que era o Benfold.seus primeiros 17 anos na Marinha tinha sido criado por“pit bulls” e foi treinado para tratar mal as pessoas e dizer Um ano depois que parti, eles tinham o triplo da mé-a elas o que fazer, como fazer, sem perguntas. dia da Marinha em termos de retenção. 18 meses depois de minha saída, estava em meu apartamento e um dos No dia anterior à troca de comando, estávamos no meus ex-oficiais do navio me telefonou. Ele disse quemar, eu estava sentado em minha cadeira de comando na o meu sucessor tinha sido substituído naquele dia. Asponte e ele me procurou e disse: “pela primeira vez em designações de serviço normalmente duram 2 anos e eleminha vida me sinto intimidado para assumir o comando estava saindo após 18 meses. Normalmente quando vocêde uma embarcação”. E continuou: “não quero ficar co- sai antes é porque fez alguma coisa muito errada, vocênhecido como a pessoa que levou o Benfold a um declínio encalhou a embarcação ou atirou em algo que não devia.em desempenho”. E perguntou: “o que devo fazer?” Achei que ele tinha feito alguma besteira e disse: “meu Deus, o que foi que ele fez?”. E meu oficial respondeu: Eu disse: “bem, há várias coisas que você precisa “ele foi tão bem que o Almirante de 4 estrelas em Norfolkconsiderar. Uma é que o seu pessoal quer ser uma equi- o escolheu pessoalmente para assistente executivo e elespe vencedora”. Não é da nossa natureza querer ser parte precisavam dele imediatamente, por isso o tiraram dode uma equipe perdedora. Cada um de nós quer ser o comando mais cedo”.melhor. Cada marujo no Benfold queria ser o melhor eser um líder em nosso negócio. Essa é uma enorme honra. Para ser o assistente executivo de um 4 estrelas, você normalmente tem que Por isso disse a ele: “nunca duvide dos motivos deles. ter 4 galões em vez de 3. Isso mostrava quão bem eleEles querem que você tenha sucesso. Eles querem que tinha ido no comando da embarcação. Então esse oficialvocê seja promovido. E eles querem ser os melhores. Se me telefonou e contou que tinha recebido a comendavocê não conseguir os resultados que deseja, olhe para da Legião do Mérito na cerimônia de troca de comandodentro de você primeiro”. naquele dia, e essa comenda era mais elevada do que a que eu tinha recebido. Fiquei tão furioso que tive que Quando eu não conseguia os resultados que queria, desligar o telefone. Estava com muito ciúme de ele terme perguntava 3 coisas. Eu expressei claramente os objeti- ganho a minha comenda. Afinal de contas, ele tinhavos? Eu dei às pessoas treinamento suficiente para realizar Copyright © AMANA-KEY • 5
  6. 6. assumido o navio mas o meu esforço é que o tinha to e caminhei para o lado do navio, onde uma pequenatornado o número 1. embarcação me esperava para me levar para terra. Dei meia-volta e prestei continência para minha tripulação e, Não quis falar com ninguém por 1 hora de tão ner- enquanto embarcava no barco menor, começou a tocarvoso que estava. Depois de 1 hora, me acalmei e percebi uma canção no sistema de som chamada “Caminhe noque estava contente por ele ter recebido a comenda da Oceano” de uma banda de rock chamada Toad the WetLegião do Mérito porque isso mostrava à Marinha que o Sprocket. Garanto a vocês que isso nunca foi feito emBenfold não era algo esporádico, outras pessoas podiam qualquer unidade militar nos EUA.adotar essa forma de liderança, que é mais iluminada,que trata as pessoas com respeito, que dá sentido às Quando cheguei em casa, havia um e-mail de um depessoas, onde a coragem é recompensada e você pode meus ex-comandados que dizia não haver um só olhochegar ao topo. Porque estou convencido de que essa sem lágrimas quando deixei o navio.é a única forma de realizar grandes coisas. Para encerrar, sugiro que ao pensar sobre a sua jor- As pessoas costumam me perguntar como foi minha nada de liderança – e todos nós somos líderes em nossastroca de comando, quando deixei a embarcação. Em vez organizações – você considere uma coisa. Quando vocêde fazer uma cerimônia atracado, com toda pompa e cir- deixar o seu trabalho atual, sua saída será comemoradacunstância, com a presença do Almirante para fazer um ou lamentada pela sua tripulação?longo discurso, decidi fazê-la no mar, durante uma semanaque estávamos programados para estar em treinamento. Foi um prazer estar com vocês e faço votos de muitoTreinamos toda a semana. Acordamos na quinta-feira e sucesso em suas jornadas de liderança. Lembrem-se,treinamos mais um pouco, das 7h30 às 10h45. Então nos ninguém é perfeito, todos temos que melhorar. Preci-reunimos no convés principal para a mais curta cerimô- samos parar de vez em quando e pensar sobre ondenia de mudança de comando em toda a história militar. estamos e para onde queremos ir. Espero que este vídeoEla durou 45 segundos e eu disse 5 palavras. Eu disse: dê a vocês algo para pensar sobre como vocês podem“vocês sabem como me sinto” porque cada tripulante melhorar as suas jornadas de liderança. E desejo muitodo navio sabia como eu me sentia com relação a eles e sucesso a vocês.com relação à nossa missão no USS Benfold. Dei meia-volta, prestei continência ao meu substitu- Copyright © AMANA-KEY • 6

×