Textos dos Power Points de Mídias Globais - Luiz Leo

948 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
948
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
64
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Textos dos Power Points de Mídias Globais - Luiz Leo

  1. 1. Arquivo:  Aula0401.pps     4.1.  O  modelo  global  da  informação:  os  novos  atores  do  sistema       • Polarização  comunicativa  (efeito  da  expansão  tecnológica  do  sistema)   •  Planeta  transformado  em  ambiente  de  ressonância  uníssona   •  Controle  dos  aparatos  midiáticos  =  poder  de  influência  sobre  a  sociedade   “Rede  sem  Fim”    (Louis  Brandeis,  no  discurso  de  posse  da  presidência  da   Suprema  Corte  norte-­‐americana,  anos  80)    "a  prática  de  interligar  diretorias  é  a   raiz  de  muitos  males...  ofende  leis  humanas  e  divinas  ...  leva  à  deslealdade  e  viola  a   lei  fundamental  de  que  ninguém  pode  servir  a  dois  senhores..."       Sinergia  corporativa:  as  mega  mídias     A  prática  tem  demonstrado  que,  a  medida  que  crescem,  os  conglomerados  de   mídia  tendem  a  se  integrar  aos  mais  altos  níveis  da  vida  de  bancos,  indústrias  e   serviços  do  mercado  convencional  (seja  como  atividade  subsidiária,  seja  como   empreendimento  principal,  ligados  por  meio  de  seus  boards)     É  o  que  evidencia  a  onda  de  fusões  e  incorporações  que  varre  o  planeta  desde  o   início  dos  anos  80,  quando  acentuaram-­‐se  as  interligações  das  altas  cúpulas  de   diretorias  das  grandes  empresas,  muitas  delas  originárias  de  ramos  de   atividades  completamente  distintos     A  lógica  das  concentrações   A  literatura  especializada  identifica  os  atos  de  concentração,  ou  seja,  as   operações  que  geram  a  combinação  da  participação  de  agentes  diferentes  e  que,   portanto,  não  podem  mais  ser  vistos  de  forma  independente,  em  três  naturezas   distintas:     Concentração  horizontal:  modelo  de  concentração  que  envolve  agentes   econômicos  distintos  e  competidores  entre  si,  que  ofertam  o  mesmo  produto  ou   serviço  em  um  determinado  mercado  relevante.       Concentração  (ou  integração)  vertical:  modelo  de  concentração  que  envolve   agentes  econômicos  distintos,  que  ofertam  produtos  ou  serviços  distintos  e  que   fazem  parte  da  mesma  cadeia  produtiva.       Conglomeração:    envolve  agentes  econômicos  distintos,  que  ofertam  produtos   ou  serviços  distintos  que  podem  ou  não  ser  complementares  entre  si,  mas  que,   certamente,  não  fazem  parte  da  mesma  cadeia  produtiva       Origem  das  fusões   No  mercado  norte-­‐americano,  a  onda  de  incorporações  vem  desenhando  um   quadro  sintomático:  em  1983  eram  50  as  empresas  que  controlavam  a  mídia  de   massa  no  país.  Dez  anos  depois  (1993),  este  número  já  estava  em  23  e   diminuindo:  atualmente  (2013)  os  especialistas  estimam  que  existam  em  torno   de  05  mega-­‐corporações  de  mídia  atuando  mais  fortemente  no  setor     Com  isso,  a  cada  ano  é  cada  vez  mais  provável  que  o  cidadão  americano,  ao  se   voltar  para  qualquer  meio  de  comunicação  esteja  recebendo  informações  
  2. 2. fornecidas  por  corporações,  que  ultimamente  são  detentoras  de  enormes   volumes  de  ações  e  poder  de  voto     Associações  históricas   A  história  das  incorporações  no  mercado  mundial  da  informação  começou  pelos   Estados  Unidos  e  rapidamente  se  expandiu  pelo  planeta:     • 1989:  no  primeiro  movimento  de  peso  no  setor,  o  grupo  Time  Inc   (editora)  comprou  a  Warner  Communications  (estúdio  cinematográfico)   por  U$  15  bilhões   •  2001:  em  janeiro,  o  grupo  AOL  adquiriu  o  consórcio  TW  por  U$  154   bilhões,  na  maior  operação  de  mídia  já  realizada  (pela  primeira  vez  por   um  grupo  da  nova  mídia)     Outras  fusões   Entre  1990  e  1993  houve  um  intenso  deslocamento  de  capital  nipônico  rumo  à   indústria  do  entretenimento  norte-­‐americana:     • 1991:  a  Sony  comprou  a  Columbia  Pictures  por  U$  5  bilhões   •  1993:  a  Matsushita  adquiriu  os  estúdios  MCA-­‐Universal  por  U$  7,4   bilhões   •  1994:  a  Viacom,  contra-­‐atacou  anunciando  uma  fusão  de  U$  8,4  bilhões   com  a  Blockbuster  e  depois  outra  de  U$  9,6  bilhões  com  a  Paramount   Pictures     Nas  ondas  da  comunicação   Os  negócios  chegaram  ao  ano  de  1995  exibindo  cifras  impressionantes.  Em   agosto,  numa  transação  que  superou  as  estimativas  mais  otimistas,  a  Disney   anunciou  a  aquisição  da  Capital  Cities/ABC,  por  U$  19  bilhões,  na  (até  então)   maior  fusão  da  história  da  mídia.  No  dia  seguinte,  foi  a  vez  da  Westingwouse   oferecer  U$  5,4  bilhões  pela  rede  de  televisão  CBS     Além  disso,  outros  gigantes  formaram  joint-­‐ventures  no  mesmo  período:  a  MCI   Communications  com  a  News  Corporation  e  a  Microsoft,  do  todo  poderoso   Bill  Gates,  com  os  estúdios  da  Dreams  Works  (de  Steven  Spielberg,  David  Geffen   e  Jefrey  Katzenberg)       Quanto  “vale”  a  informação  ?   Outra  grande  fusão  do  período,  ocorrida  em  setembro  de  1999,  é  aquela  em  que   uniu  Viacom  (contraladora  da  cadeia  MTV  e  dos  estúdios  Paramount  Pictures)   e  CBS  numa  operação  de  U$  37  bilhões       No  mesmo  período  (1997),  o  governo  de  desfez  de  um  dos  maiores  patrimônios,   a  usina  Vale  do  Rio  Doce,  com  um  subsolo  riquíssimo  em  minerais,  pela  quantia   de  U$  3  bilhões  (equipamentos  inclusos)     Fusões  e  transgressões     Não  por  coincidência,  grande  parte  das  empresas  que  ocupam  as  primeiras   posições  do  ranking  das  maiores  corporações  do  planeta  acumulam  enorme   poder  de  influência.  Muitas  investem  indistintamente  (e  ao  mesmo  tempo)  em  
  3. 3. agricultura,  linhas  aéreas,  carvão,  petróleo,  bancos,  seguros,  agropecuária,   comércio  de  automóveis,  engenharia  espacial,  energia  atômica  e  até  armas   nucleares     Grande  parte  dessas  outras  atividades  beneficiam-­‐se  do  braço  midiático  das  suas   operações,  pois  tem  espaço  garantido  para  divulgar  seus  produtos,  serviços  e   ideias!     Uma  via  de  mão  dupla   Para  Dênis  de  Moraes,  “As  corporações  de  mídia  exercem  um  duplo  papel  na   contemporaneidade”.  O  primeiro,  como  agentes  operacionais  da  enunciação   discursiva  (legitimando  o  ideário  global,  ao  transformá-­‐lo  no  discurso  social   hegemônico);  e  ao  mesmo  tempo,  como  agentes  econômicos,  contribuindo  para   revigorar  o  modo  de  produção  capitalista,  haja  visto  o  vigoroso  crescimento  das   indústrias  de  informação,  no  último  quarto  de  século,  ainda  que  em  meio  a   desaceleração  da  economia  internacional     Novas  liberdades?   O  resultado  da  concentração  midiática  não  é  tão  alentador  quanto  sugerem  os   proprietários  de  tais  operações  e/ou  seus  defensores:     •  a  opinião  pública  passa  a  ser  “orientada”  por  um  pequeno  número  de   corporações  privadas,  cujo  poder  de  abrangência  é  cada  vez  mais  global   (em  paralelo  à  diminuição  do  número  de  operadores)   •  o  papel  regulador  do  Estado  é  substituído  por  uma  nova  modalidade  de   controle,  mais  eficiente,  baseada  nos  critérios  privados  e  comerciais  de   liberdade  de  influência  (perda  de  diversidade  informativa)       A  exuberância  da  mídia  norte-­‐americana   Os  Estados  Unidos  reúnem  algum  dos  maiores  empreendimentos  de  midia  do   planeta,  dispersos  em  diversos  setores,  ora  concorrendo  entre  si,  ora   cooperando,  na  forma  de  parcerias  comerciais,  joint-­‐ventures,  dentre  outras   modalidades     Os  donos  do  papel   No  ambiente  de  mídia  impressa  são  lideranças  do  mercado  norte-­‐americano:     Hearst  Corporation  –  Fundado  por  um  dos  maiores  magnatas  da  comunicação   em  toda  a  história,  William  Randolph  Hearst,  a  Hearst  de  hoje  investe  fortemente   em  TV,  jornais  e  revistas.  Este  grupo  é  dono  de  marcas  importantes  como   “Cosmopolitan”  e  “Marie  Claire”,  além  de  ser  parceiro  da  apresentadora  Oprah   Winfrey     Tribune  Company  –  Grupo  de  mídia  com  duas  dezenas  de  emissoras  de  TV,   quase  uma  centena  de  sites,  emissoras  de  TV  a  cabo,  rádio,  grandes  jornais  em   inglês  e  espanhol  (como  “Los  Angeles  Times”  e  “Chicago  Tribune”),  revistas,   empresas  de  multimídia  e  o  time  de  basebol  Chicago  Cubs     Lideranças  regionais  
  4. 4. Cox  Enterprises  –  Reúne  varias  emissoras  de  televisão,  dezenas  de  jornais   diáriso  e  não  diários,  empresas  de  Internet,  provedores  de  banda  larga,  mais  de   uma  centena  de  rádios  Ame  FM  (distribuídas  em  dezenas  de  mercados   mundiais).  Além  disso,  também  é  um  dos  maiores  prestadores  de  serviços   automotivos  dos  Estados  Unidos     Liberty  Media  –  seus  negócios  são  organizados  em  três  divisões:  Liberty   Interactive  (Internet),  Liberty  Starz  (TV  por  assinatura)  e  Liberty  Capital  (área   que  reúne  os  investimentos  que  não  se  enquadram  nas  outras  duas  divisões,   como,  por  exemplo,  o  controle  do  canal  de  vendas  QVC  e  as  participações   minoritárias  na  Viacom,  Time  Warner  e  Direct  TV  Group     Univision  –  A  maior  rede  de  TV  aberta  em  espanhol  dos  Estados  Unidos  também   atua  no  rádio,  música,  TV  paga  e  Internet.  Tem  como  meta  ser  a  principal   fornecedora  de  informação  e  entretenimento  para  a  grande  comunidade   hispânica  dos  Estados  Unidos  (que,  segundo  estimativas,  é  um  mercado  que   possui  números  equivalentes  à  economia  mexicana)     Crescendo  em  uma  terra  de  gigantes...   Com  pesados  investimentos  no  setor  a  cabo,  broadcasting,  telefonia  e  novas   mídias,  a  Comcast  tem  apresentado  uma  das  melhores  performances  dentre  as   gigantes  do  setor.  Reunindo  múltiplas  operações  em  diversos  segmentos  de   negócios,  começa  a  ameaçar  a  liderança  de  mais  de  uma  década  dos  seus   principais  concorrentes  no  mercado  global  da  informação     Comcast  Corporate   A  empresa  se  define  como  uma  empresa  global  de  mídia  e  tecnologia,   estruturada  em  duas  grandes  divisões  (negócios  primários):  Comcast  Cable  e   NBCUniversal.  A  partir  deles,  oferece  programação  de  vídeo,  acesso  rápido  à   internet  e  telefonia,  além  de  diversos  canais,  de  notícias  a  negócios,  passando  por   entretenimento,  esportes,  filmes  e  parques  temáticos,  com  atividades   estruturadas  em  quatros  segmentos  diferentes:     Os  velhos  pesos  pesados   The  Walt  Disney  Company  –  Organizada  em  cinco  divisões  (Studio   Entertainment,  Parks  and  Resorts,  Consumer  Products,  Media  Networks  e  Disney   Interactive),  esse  complexo  de  mídia  e  entretenimento,  fundado  pelo  gênio  da   animação,  Walt  Disney,  hoje  está  presente  em  diversas  áreas:  do  esporte  (com  a   ESPN)  às  telenovelas  (SOAPnet).  A  Disney,  além  de  seus  tradicionais  estúdios  e   parques,  também  é  proprietária  da  rede  de  TV  estadunidense  ABC     Os  velhos  pesos  pesados   Time  Warner  –  Grupo  que  materializou  as  maiores  fusões  da  história  da  mídia,   continua  sendo  um  dos  principais  operadores  do  mercado  global,  com  atuação   nos  cinco  continentes,  através  de  centenas  de  plataformas.  Estrutura-­‐se  em   torno  de  quatro  divisões:  Turner  Broadcasting  System,  Warner  Bros.   Entertainment,  Home  Box  Office  e  Time  Inc,  explorando  de  TV  ao  cinema,   passando  por  impressos,  música  e  internet.    
  5. 5. Viacom  -­‐  Uma  das  mais  tradicionais  empresas  de  mídia  do  mundo,  promoveu   recente  cisão,  convertendo  uma  de  suas  principais  divisões  (a  CBS  Corporation)   em  um  negócio  multimídia  independente  (encabeçado  pela  CBS  Television   Network:  a  maior  rede  de  TV  aberta  dos  Estados  Unidos).  Continua  controlando   dezenas  de  plataformas,  principalmente  ligados  ao  entretenimento,  a  TV,  cinema,   online  e  mobile,  reunindo  cerca  de  160  emissoras  pelo  mundo,  que  alcançam   mais  de  700  milhões  de  usuários     Os  novos  colossos   Oriundos  do  novo  mercado  de  negócios  on  line,  três  empreendimentos  surgem   com  toda  a  força  na  última  década,  do  mercado  norte-­‐americano  para  o  mundo,   prometendo  “roubar”dos  operadores  tradicionais  o  lugar  de  destaque  que   sempre  ocuparam.  Fortalecendo-­‐se  nas  plataformas  digitais  e  além  delas...         Os  “novos/velhos”  gigantes   No  disputado  mercado  de  produção  e  distribuição  de  conteúdos  informativos  e   lazer,  empresas  de  tecnologia  e  prestadores  de  serviços  dos  mais  diversos   segmentos  de  mercado,  vem  se  dedicando  a  investir  com  apetite.  São  apontados   pelos  especialistas  como  possíveis  lideranças  de  um  mercado  que  não  tem   limites  para  crescer     Fusões  globais   Pelo  mundo,  a  lógica  da  concentração  não  é  diferente.  Grupos  gigantescos  de   mídia  passaram  a  se  formar  nos  cinco  continentes  nas  duas  últimas  décadas:     O  “cidadão  Kane”  contemporâneo   Na  ciranda  de  cifras  astronômicas  e  poderes  ilimitados,  um  nome  se  tornou   símbolo  da  era  das  concentrações  na  indústria  das  comunicações:  o  do  magnata   australiano  (naturalizado  americano)  Rupert  Murdoch       Midas  da  mídia,  Murdoch  expandiu  seu  império  pelos  quatro  cantos  do  planeta.   Sua  empresa,  a  News  Corporation,  se  tornou  um  dos  mais  importantes  grupos   de  comunicação  do  mundo,  com  redes  de  televisão,  canais  a  cabo,  serviços  de   satélites,  estúdios  de  cinema,  jornais,  revistas,  editoras  e  gravadoras,  serviços  de   telefonia  e  informática,  cujos  tentáculos  se  estendem  pelos  cinco  continentes       Fundado  e  liderado  por  Murdoch,  a  News  Corp.  é  um  dos  mega  grupos   planetários,  reunindo  os  estúdios  de  cinema  e  canais  de  TV  com  a  marca  Fox,   jornais  tradicionais  como  “The  Wall  Street  Journal”,  “New  York  Post”,  “The   Times”  e  “The  Sun”,  o  sistema  de  TV  por  assinatura  via  satélite  BSkyB,  entre   outros  negócios     Outros  barões  da  mídia  mundial   Como  no  jogo  da  mídia  o  que  manda  é  o  dinheiro,  além  da  News  Corp.,  há  outras   grandes  corporações,  pertencentes  a  influentes  personalidades  da  mídia   moderna,  que  aspiram  um  papel  mais  proeminente  na  área     Na  Europa,  após  a  morte  de  Robert  Maxwell,  do  grupo  britânico  Maxwell   Communication  Corporation  (ex  British  Printing  Co),  o  poder  se  dispersou  ,   passando  às  mãos  de  alguns  poucos,  mas  bem  abastados  “concorrentes”  
  6. 6.   Padrões  de  concentração  europeu  (Reino  Unido)   No  concorrido  mercado  inglês  estão  situados  alguns  dos  mais  importantes   grupos  de  mídia  do  planeta.  Além  da  News  Corp,  tem  sede  em  Londres  o   poderoso  grupo  Pearson,  que  reúne  em  seu  complexo  editorial  a  divisão   Financial  Times  e  vem  empreendendo    esforços  na  aquisição  de  concorrentes:  a   Handom  House,  do  grupo  alemão  Bettersmann,  como  destaque  de  uma  corrida   sem  precedentes  no  mercado  editorial  internacional     Em  paralelo,  a  maior  rede  comercial  de  TV  do  Reino  Unido,  a  ITV  disputa  um   concorrido  mercado  de  produção  informativa  com  operadores  de  diversos   segmentos:  agências  de  informação,  de  publicidade,  telefonia  e  internet,  além  da   maior  rede  de  rádio  e  teledifusão  pública  do  mundo     Padrões  de  concentração  europeu  (Alemanha)   Na  Alemanha  há  pelo  menos  três  grupos  que  disputam  espaço  no  cenário  da   mídia.  Um  deles,  o  grupo  Beta-­‐Taurus  (KirchMedia),  que  integra  o   conglomerado  Kirchgruppe  *,  atualmente  em  delicado  processo  de  recuperação   judicial;  outro,  o  grupo  Axel  Springer,  com  forte  atuação  no  segmento  impresso,   reunindo  mais  de  200  jornais  e  revistas,  além  de  operações  on  line,  rádio  e   televisão       Com  ambições  maiores,  o    Bertelsmann  Media  Group,  que  atua   simultaneamente,  no  mercado  internacional,  nos  setores  fonográfico,   cinematográfico,  editorial,  fora  suas  participações  no  mercado  continental   europeu  em  televisão,  rádio  e  mídia  impressa  expande-­‐se  velozmente,  com   apetite  sempre  crescente       Padrões  de  concentração  europeu  (Itália)   Mediaset  –  De  propriedade  do  ex  primeiro-­‐ministro  italiano  Silvio  Berlusconi,  o   grupo  Mediaset  possui  três  redes  de  TV  aberta  na  Itália  e  uma  na  Espanha,  canais   por  assinatura,  agências  de  publicidade,  serviços  de  informação,  gravadoras,   produtoras  de  cinema,  dentre  outras  atividades.  A  Mediaset  faz  parte  do  Gruppo   Fininvest  que  também  é  dono  do  grupo  editorial  Mondadori,  do  tradicional   Teatro  Manzoni  e  do  clube  de  futebol  Milan     Padrões  de  concentração  europeu  (França)   Do  coração  da  Europa  ganha  força  o  mais  recente  fenômeno  da  comunicação   global.  Durante  os  abalos  gerados  pela  crise  dos  escândalos  contábeis,  nos  EUA,   em  2008,  o  grupo  Vivendi  cresceu  de  forma  acentuada,  ocupando  um  posto  de   destaque  dentre  os  maiores  complexos  de  mídia  do  mundo   Seu  crescimento  vem  desde  2000,  quando  adquiriu  o  canal  USA  Networks  se   tornando  um  importante  operador  de  mídia  no  concorrido  mercado  norte-­‐ americano  (tendo  sido  também  proprietário  dos  estúdios  Universal),  além  de   controlador  do  maior  grupo  fonográfico  do  planeta:  a  Universal  Music     Concorrente  de  peso   No  mercado  francês,  o  Grupo  Legardère  (controlador  da  editora  Hachette  Livre)   investe  pesado  no  mercado  editorial  de  livros,  jornais  e  revistas,  estações  de  
  7. 7. rádio  ,  produção  audiovisual,  conteúdo  online,  esporte  e  entretenimento,  direitos   de  transmissão,  lojas  de  varejo,  publicidade  ,  dentre  outros     Padrões  de  concentração  ibéricos  (Portugal)   Cofina  –  Um  dos  maiores  proprietários  de  jornais  e  revistas  de  Portugal.  A  Cofina   possui  marcas  tradicionais  como  “Correio  da  Manhã”,  “Record”,  “Máxima”  e   “Automotor”   Impresa  –  Grupo  fundado  pelo  empresário  e  político  Francisco  Pinto  Balsemão.   Possui  revistas  importantes  como  as  versões  portuguesas  da  “Exame”,  “Caras”  e   “Casa  Cláudia”,  além  de  uma  das  maiores  TVs  do  país:  a  SIC  (fundada  em  parceria   com  as  Organizações  Globo)     Padrões  de  concentração  ibéricos  (Espanha)   Grupo  Planeta  –  Maior  grupo  de  comunicação  da  Espanha  com  capital  100%   familiar.  Líder  no  mercado  de  livros,  o  Grupo  Planeta  também  está  no  setor  de   televisão  (Antena  3),  rádio,  Internet  e  jornais  (com  o  “La  Razón”,  por  exemplo)   Grupo  Prisa  –  Proprietário  do  tradicional  jornal  “El  País”,  além  de  dezenas  de   emissoras  de  rádio,  sites,  empresas  de  TV  por  assinatura,  além  de  importante   participação  no  grupo  português  Media  Capital   Media  Capital  –  Pertencente  ao  grupo  espanhol  Prisa,  o  Media  Capital  possui  um   fortíssimo  braço  de  produção  audiovisual  encabeçado  pela  NBP,  além  da  atual   líder  de  audiência  de  Portugal,  a  TVI.  Revistas,  gravadora,  outdoor,  rádios,   financeira  e  Internet  também  estão  no  portfólio  da  Media  Capital     A  periferia  no  jogo  da  mídia   Os  mercados  da  comunicação  fora  do  eixo  EUA-­‐Europa  apresentam   características  contrastantes.  Da  Ásia  ao  Oriente  Médio,  da  Oceania  ao  continente   africano,  passando  pelas  Américas,  toda  a  sorte  de  empreendimentos  voltados  a   produção  e  circulação  de  conteúdos  informativos  dão  forma  a  uma  nova   geopolítica  da  cultura  e  da  informação,  cujos  contornos  e  alcance  são  para  lá  de   imprevisíveis...     A  força  que  vem  do  oriente   Uma  das  cincos  maiores  economias  do  mundo,  o  Japão  marca  uma  posição  firme   no  segmento  de  mídia,  com  duas  fortes  operações  globais:     Sony  Corporation  –  O  grupo  fundado  por  Akio  Morita  acabou  se  convertendo   numa  espécie  de  keiretsu  (conglomerado),  afinal,  o  grupo  também  possui   (atuando  especialmente  no  Japão)  bancos,  seguradoras,  hospitais,  empresas  de   energia  e  engenharia,  além  das  suas  famosas  indústrias  de  eletroeletrônicos.  Na   área  de  mídia,  a  Sony  controla  a  Columbia/TriStar  e  a  MGM/UA,  além  de   produtoras  de  programas  para  TV  (Sony  Pictures  Television,  Jeopardy   Productions)  e  canais  por  assinatura  (como  AXN,  Animax  e  o  próprio  Sony   Entertainment  Television)     Fuji  Media  Holdings  –  A  Fuji  Television  Network  é  a  maior  rede  de  TV  do  Japão.   Para  se  adequar  a  nova  legislação  de  radiodifusão  adotada  no  país,  lançou  em  a   Fuji  Media  Holdings:  uma  empresa  que  congrega  19  negócios  e  que  são   organizados  em  seis  áreas:  radiodifusão,  produção,  vídeo  e  música,  “life  
  8. 8. information”,  publicidade  e  outros.  As  empresas  afiliadas  são  colocadas  à  parte   no  portifólio  e,  dentre  elas,  está  o  “Sankei  Shimbum”,  um  dos  maiores  jornais  do   Japão.  A  Fuji  é  parte  do  keiretsu  Fujisankei  Communications  Group,  composto   por  quase  80  empresas  e  3  museus  de  arte     A  força  dos  emergentes  (Índia)   No  contexto  dos  BRICs,  poderosos  grupos  de  comunicação  tem  demonstrado  sua   força  e  disposição  de  marcar  novas  posições  (de  destaque)  no  mercado   internacional  da  informação.  Deles,  destaca-­‐se:     Reliance  Big  Entertainment–  A  reboque  da  poderosa  indústria  de  filmes  de   Bombaim  (a  Bollywood  indiana)  o  grupo  de  cinema  e  TV  comandado  por  Amit   Khanna  não  para  de  crescer.    A  última  aquisição  foi  uma  generosa  participação   acionária  no  emblemático  estúdio  de  cinema  norte-­‐americano  DreamWorks,  de   Steven  Spilberg.  Estruturado  em  três  divisões  de  negócios  (Internet  &  Novas   Mídias,  Broadcasting  e  Entretenimento)  concentra  algumas  das  mais   importantes  empresas  de  mídia  da  Ásia     O  outro  gigante  da  Ásia  (China)   CCTV  -­‐  China  Central  Television  ou  Chinese  Central  Television,  é  a  maior   estação  de  televisão  nacional  da  China.  Pertencente  e  controlada  pelo  Ministério   de  Rádio,  Televisão  e  Filme  da  China,  tornou-­‐se  um  ativo  produtor  e  exportador   de  conteúdo  audio-­‐visual  da  Ásia.  Vem  estabelecendo  acordos  operacionais  com   grupos  de  mídias  internacionais,  como  forma  de  ampliar  sua  atuação  no  cenário   global  –o  mais  recente  (2007)  com  o  Grupo  Cisneros,  venezuelano     O  governo  chinês  ainda  é  um  forte  operador  de  outros  segmentos  da  atividade   comunicativa,  quando  não  exercendo  um  monopólio  de  Estado  absoluto  (casos   da  imprensa,  editoras  e  internet)  com  ambições  regionais  incontidas:     A  força  das  savanas  e  das  estepes  (África  do  Sul  e  Rússia)     Naspers  Limited  -­‐  O  maior  grupo  de  comunicação  da  África  do  Sul  (que  integra  o   conglomerado  sul-­‐africano  HML  Group),  possui  editoras  e  empresas  de   tecnologia  e  TV  por  assinatura  também  em  outros  países  africanos  e  europeus,   além  da  China.  Recentemente  (2006),  efetivou  uma  primeira  participação   (aporte)  de  capital  internacional  em  uma  grande  empresa  de  comunicação   brasileira:  o  Grupo  Abril     Gazprom  Media  -­‐  Subsidiária  (divisão  de  mídia)  do  maior  conglomerado  Russo,  o   grupo  Gazprom.  Tem  atividades  em  diversos  setores  da  comunicação  do  país   (TV,  rádio,  editoras,  publicidade,  internet,  cinema,  tecnologias  digitais,  etc).  É  um   dos  maiores  grupos  de  comunição  não  europeu,  tendo  como  acionista   majoritário  o  próprio  governo  do  país     Concentração  fora  “de  fora”  do  eixo  (Oriente  Médio)   Middle  East  Broadcasting  Center  (MBC)  -­‐  Primeiro  grupo  privado  de   comunicação  aberta  do  Mundo  Árabe.  Concentra  suas  atividades  nos  segmentos   de  TV,  rádio  e  internet  (novas  mídias),  com  dezenas  de  estações  e  sites  alinhados   em  torno  de  sua  programação,  francamente  pan-­‐árabe.  Tem  sua  sede  em  Dubai,  
  9. 9. nos  Emirados  Árabes,  mas  o  empreendimento  conta  com  forte  participação   acionária  da  Árabia  Saudita.     Al  Jazeera  -­‐  Maior  emissora  fechada  de  TV  do  Oriente  Médio,  controlada  pelo   grupo  Al  Jazeera  Network  (anteriormente  Qatar  Media  Corporation),  sediado  em   Doha,  no  Qatar.  Tem  como  Chairman  Hamad  bin  Thamer  Al  Thani,  que   comandou  a  expansão  dcãos  negócios  envolvendo  a  rede  de  TV  e  a  multiplicação   das  plataformas  de  operação  da  Al  Jazeera  (sobretudo  na  internet),  com  um   conteúdo  de  programação  veiculado  em  diversas  línguas  e  países.     Padrões  de  concentração  latino-­‐americanos   Consolidação  parece  ser  a  palavra  chave  no  setor  de  mídia,  depois  do  processo   de  fusões  e  aquisições  que  tomou  conta  do  mercado  de  comunicações  na  década   de  noventa.  E  o  resultado  foi  uma  redução  dramática  no  número  de  operadores   do  setor.     Mais  perto  dos  trópicos,  o  padrão  de  concentração  se  repete:  da  Venezuela   emerge  o  portentoso  grupo  Cisneros,  no  México  localiza-­‐se  o  maior  complexo  de   TV  do  planeta,  a  Televisa  e,  da  Argentina,  vem  um  dos  grupos  editoriais  mais   fortes  do  continente:  Clarin     A  mídia  mexicana   Grupo  Televisa  (México)  –  Maior  grupo  de  comunicação  em  espanhol  do   mundo,  Televisa  é  líder  em  praticamente  todos  os  setores  em  que  atua.  Dirige  5   redes  de  TV,  dezenas  de  rádio,  três  times  de  futebol  da  primeira  divisão,  o  maior   estádio  do  país  (o  Estádio  Azteca),  bingos,  loterias,  companhia  aérea,  gravadora,   produtora  de  filmes  e  muitos  outros  negócios     Grupo  Salinas  –  Nascido  no  varejo  através  da  rede  de  lojas  Elektra  (a  Casas   Bahia  do  México),  esse  conglomerado  expandiu-­‐se  para  TV  com  a  aquisição,  no   início  dos  anos  1990,  dos  canais  de  TV  do  governo  mexicano  e  transformando-­‐os   na  TV  Azteca.  Hoje,  possui  banco  (Banco  Azteca)  e  seguradora,  time  de  futebol   (Monarcas  Morelia),  além  da  rede  de  TV  latina  Azteca  América,  presente  (em  TV   aberta)  em  diversas  praças  importantes.     A  mídia  na  Venezuela/Colômbia   Da  Venezuela  emerge  o  poderoso  grupo  Cisneros,  que  reúne  mais  de  70   companhias  espalhadas  por  mais  de  90  países,  com  um  faturamento  da  ordem  de   U$  4  bilhões.  Comandante  do  grupo,  Gustavo  Cisneros  sócio  da  AOL  Latino-­‐ Americana,  lidera  o  mundo  hispânico  das  comunicações  ampliando  seus   domínios  orientado  por  um  dogma:  "só  queremos  alcançar  o  céu"  (comentado   após  adquirir,  em  1997,  a  Imagen  Satellital)   Organización  Cisneros  –  Com  experiência  em  praticamente  todos  os  setores  da   economia  (de  mostarda  à  TI,  passando  por  petrolíferas,  graxa  para  sapato,   mineração,  rádios  e  supermercados),  Cisneros  é  dono  de  redes  de  TV  na   Venezuela  e  Colômbia,  além  de  canais  com  alcance  internacional  como  a   Venevision  International   Valorem  –  Nascido  do  Grupo  Empresarial  Bavaria,  líder  no  ramo  cervejeiro   colombiano,  Valorem  é  um  grupo  administrado  como  se  fosse  um  fundo  de  
  10. 10. investimentos  e  que  possui  participações  na  Caracol  Televisión  (Colômbia),  líder   de  audiência  naquele  país     A  mídia  argentina   Grupo  Clarín  –  Maior  grupo  de  comunicações  da  Argentina.  Possui  o  mais   importante  diário  do  país,  “Clarín”,  além  do  jornal  esportivo  “Olé”.  Comanda  a   Artear,  maior  grupo  de  canais  da  TV  argentina,  além  de  operadoras  de  TV  por   assinatura,  rádios,  revistas,  gráficas,  fábrica  de  papel  e  empresas  de  Internet  e   eventos   Grupo  Uno  Medios  -­‐  Um  dos  maiores  conglomerados  de  mídia  da  Argentina,   reunindo  empresas  de  TV  por  Assinatura,  diversos  canais  abertos  em  todo  o  país   (liderados  pela  America  2  de  Buenos  Aires),  empresa  de  telecomunicações,   diversas  rádios  AM  e  FM,  outdoors,  revistas  e  jornais   Pramer  -­‐  Produtora  de  conteúdo  voltada  exclusivamente  para  a  criação  e  gestão   de  canais  de  TV  abertos  e  por  assinatura.  Sua  base  de  atuação  é  na  Argentina,   mas  seus  canais  alcançam  toda  a  América  Latina,  inclusive  o  Brasil  (como  é  o   caso  do  Film&Arts).  A  Pramer,  uma  empresa  do  grupo  norte-­‐americano  Liberty   Global,  é  proprietária  de  dois  canais  de  TV  aberta  argentinos     Arquivo:  Aula0402.pps   4.2.  Os  atores  da  comunicação  brasileira   Um  dos  fatores  decisivos  na  análise  da  realidade  comunicativa  do  Brasil  é  o   reduzido  número  de  players  efetivamente  importantes  para  o  setor   Apesar  de  serem  em  pequeno  número,  tais  operadores  conservam  para  si  mais   de  2/3  do  faturamento  de  toda  a  indústria,  possibilitando  aos  demais  operadores   (de  menor  escala)  uma  parcela  desproporcional  das  receitas     Oligopólio:  uma  mídia  de  poucos   Até  o  início  dos  anos  90,  havia  pelo  menos  dez  grandes  grupos  de  comunicação   centralizando  as  atenções  no  setor:  as  famílias  Bloch,  Frias,  Levy,  Mesquista,   Brito,  Saad  concorrendo  em  condições  relativamente  favoráveis  com  os  Marinho,   Abravanel  e  Civita     Os  maiores  grupos  brasileiros   Na  última  década  e  meia,  a  liderança  do  setor  se  concentrou  em  menos  grupos,   com  diferentes  perfis  corporativos  e  pesos  estratégicos,  respondendo  pelos   principais  faturamentos  do  negócio     A  força  da  mídia  nacional   Apesar  da  crise  que  acompanhou  o  ambiente  das  comunicações  brasileiras  na   primeira  parte  da  década  de  2000,  os  grandes  grupos  mantiveram-­‐se  fortes,  seja   diversificando  suas  atividades,  contraindo  créditos  no  mercado  de  investimentos   ou  reestruturando  seus  ativos.  E  já  ao  final  da  década,  refletindo  o  ótimo   momento  da  economia  brasileira,  recuperaram  grande  parte  dos  seus  resultados     Os  donos  da  mídia  brasileira   Na  tentativa  de  refletir  o  mapa  da  concentração  da  mídia  no  Brasil,  o  projeto   Donos  da  Mídia  passou  a  reunir  dados  públicos  e  informações  fornecidas  pelos   grupos  de  mídia  para  montar  um  panorama  completo  da  mídia  brasileira.  Nele  
  11. 11. estão  detalhadas  diversas  informações  sobre  os  seguintes  tipos  de  veículos:   emissoras  e  retransmissoras  de  TV;  rádios  AM,  FM,  Comunitárias,  OT  e  OC;   operadoras  de  TV  a  cabo,  MMDS  e  DTH;  canais  de  TV  por  assinatura;  e  as   principais  revistas  e  jornais  impressos     Organizações  Globo   A  maior  empresa  de  comunicação  brasileira  é  também  a  que  responde  pelas   maiores  dívidas  do  setor  (atualmente).  Constituída  por  uma  série  de  operações   (empresas)  interligadas,  atua  também  no  sistema  de  parcerias  (sociedades)   distribuídas  por  todo  o  território  nacional.  A  Globopar  (Globo  Comunicações  e   Participações)  é  a  holding  do  grupo,  que  controla  direta  ou  indiretamente,  vários   negócios:     Organizações  Globo   Atualmente  a  empresa  adota  um  sistema  de  gestão  descentralizado,  por   segmento  de  negócios,  com  os  executivos  reportando-­‐se  a  um  colegiado  formado   pelos  acionistas.  O  organograma  da  empresa  tem  no  topo  a  família  Marinho.   Tendo  superado  uma  forte  instabilidade  que  abateu  parte  dos  empreendimentos   da  família  nos  últimos  dez  anos,  a  empresa  procura  novos  rumos  concentrando   seus  negócios  em  comunicação  *     Historicamente  ,  as  empresas  do  grupo  respondem,  em  média  por  50  a  75%  das   verbas  destinadas  ao  setor  de  mídia  no  Brasil   Paralelamente,  as  operações  mantêm  relações  estratégicas  com  grandes  players   do  mercado  global:  Microsoft,  de  Bill  Gates,  News  Corporation,  de  Rupert   Murdoch,  Telecom  (TIM  Itália),  dentre  outros     Grupo  Abril   Tradicional  vice-­‐líder  do  setor  de  mídia  no  Brasil,  o  Grupo  Abril  ainda  ocupa  um   espaço  de  destaque,  porém,  cada  vez  mais  distante  da  liderança  do  setor.  Já  foi   um  dos  cinqüenta  maiores  grupos  empresariais  do  país,  desenvolvendo  uma   série  de  operações  nos  principais  segmentos  da  indústria  da  comunicação   nacional   Com  o  negócio  dividido  em  quatro  setores  (Abril  Mídia,  Abril  Gráfica,  Abril   Educação  e  Distribuição  e  Logística)  atua  na  produção  e  distribuição  de  revistas,   livros,  obras  didáticas,  vídeos,  CD’s,  conteúdos  e  serviços  on-­‐line,  multimídia,  TV   por  assinatura...       Todas  estas  operações  garantiram  ao  grupo  um  crescimento  expressivo,   sobretudo  na  década  de  noventa,  seguido  de  um  forte  declínio  nos  últimos  dez   anos       Grupo  Abril   Fundada  em  1950  por  Victor  Civita,  com  o  lançamento  da  revista  "O  Pato   Donald",  a  Abril  chegou  ao  ano  de  seu  cinqüentenário  como  um  dos  maiores   grupos  editoriais  da  América  Latina     Em  2005,  a  Abril  iniciou  uma  significativa  mudança  no  seu  perfil  corporativo,   descontinuando  atividades  e  abrindo  novas  frentes.  Formalizou  sociedade  com  o   grupo  de  mídia  sul-­‐africano  Naspers,  que  passou  a  deter  30%  do  capital  do  GA,  
  12. 12. por  US$  422  milhões.  Ratificando  seu  perfil  pioneiro  (já  havia  sido  a  primeira   empresa  de  mídia  a  celebrar  parceria  com  um  operador  estrangeiro,  a  Disney,   nos  anos  50),  tornou-­‐se  também  a  primeira  o  fechar  acordo  com  um  sócio   estratégico  de  seu  próprio  ramo     Grupo  Silvio  Santos   O  Grupo  Silvio  Santos  reúne  um  conjunto  de  mais  de  30  empresas,  atuando  em   áreas  distintas  (mas  buscando  resultados  comuns),  que  o  tornaram  um  dos  100   principais  conglomerados  empresariais  do  Brasil.     É  organizado  em  torno  de  três  divisões  operacionais:         COMÉRCIO  E  SERVIÇOS  (Baú,  Liderança  Capitalização  –  Tele  Sena);   FINANCEIRA  (Banco,  Distribuidora  de  Títulos,  Leasing,  Seguros,  Veículos  e   Consórcios)   DIVISÃO  DE  COMUNICAÇÃO  (SBT,  rádios,  jornais,  revistas,  sites,  etc)     O  grupo  ainda  tem  investimentos  nos  setores  de  comércio  varejista,   distribuidora  de  peças  e  veículos,  corretora  de  valores  e  arrendamento   mercantil,  agricultura,  passando  por  cosméticos,  alimentos,  produção  teatral  e   agricultura     Novo  concorrente  de  peso   O  principal  acionista  da  Record,  Edir  Macedo,  líder  da  Igreja  Universal  do  Reino   de  Deus,  começou  a  construir  seu  grupo  de  comunicação  nos  anos  1980,  quando   adquiriu  a  Rádio  Copacabana.  Em  1992,  a  Rádio  e  Televisão  Record  foi   incorporada  e  não  parou  mais  de  crescer.     Hoje,  a  TV  Record  cobre  todo  o  Brasil  e,  através  da  Record  Internacional,  está   também  em  aproximadamente  130  países.  O  grupo  inaugurou  recentemente  o   canal  Record  News  (24  horas  de  noticiário)  e  está  presente  no  rádio  (Record   AM),  no  jornalismo  impresso  “Correio  do  Povo”  (RS),  “Hoje  em  Dia”  (MG)  e   “Folha  Universal”,  nas  revistas  “Plenitude”,  “A  Visão  da  Fé”,  gravadora  Line   Records  e  a  Universal  Produções,  que  reúne  agência  de  propaganda,  escritório  de   design,  estúdio  de  fotografia,  gráfica,  editora  de  livros  e  revistas,  agência  de   notícias  internacional,  produtos  infantis,  televendas  e  o  portal  Arca  Universal   (internet),  dentre  outros.     Outros  grupos  importantes  –  Sudeste  (SP)   Grupo  Bandeirantes  de  Comunicação  -­‐  Fundado  por  João  Saad,    a  partir  da   Rádio  Bandeirantes,  tornou-­‐se  um  grande  conglomerado  que  possui  o  maior   grupo  de  rádio  do  país,  duas  redes  abertas  de  TV,  três  canais  segmentados,  dois   jornais,  uma  operadora  de  TV  por  assinatura,  um  selo  musical  e  uma  grande   plataforma  de  interatividade.  A  família  Saad  também  está  presente  no  ramo   imobiliário  através  da  Aricanduva  SA  e  na  agropecuária  com  o  Simental  da  Band   Grupo  Folha:  fundado  por  Octavio  Frias,  é  um  conglomerado  de  mídia,  que  atua   fortemente  no  setor  de  jornalismo  impresso,  mas  operando  ainda  com  editoras,   gráficas,  acesso  à  Internet  e  agência  de  notícias.  O  Grupo  Folha  é  um  dos  grupos   de  jornais  mais  lido  na  Região  Sul  e  sudeste  do  Brasil,  mas  não  tão  popular  
  13. 13. noutras  regiões  do  país,  embora  o  jornal,  Folha  de  São  Paulo  seja  uma  das   maiores  circulações  diárias  do  país     Grupo  OESP:  controlado  pela  família  Mesquita,  tem  enorme  importância  no   setor  de  notícias,  com  diversos  jornais  e  revistas,  estendendo  sua  atuação,  ainda,   para  os  segmentos  editorial  e  radiofônico     Outros  grupos  importantes  –  Sudeste  (RJ  –  ES  -­‐  MG)   Companhia  Brasileira  de  Multimídia  (CBM)  –  Componente  da  Docas   Investimentos,  a  CBM  surgiu  a  partir  da  Editora  JB,  responsável  pela  marca   “Jornal  do  Brasil”.  Hoje,  a  CBM  reúne,  além  do  JB,  a  Editora  Peixes,  a  “Gazeta   Mercantil”  e  os  portais  JB  Online  e  InvestNews   Rede  Gazeta    -­‐maior  grupo  de  mídia  do  Espírito  Santo,  a  Rede  Gazeta  de   Comunicação  é  composta  por  16  negócios  integrados.  São  três  jornais  (liderados   pelo  “A  Gazeta”,  fundado  em  1928),  quatro  emissoras  de  rádio,  três  portais,  uma   rede  de  emissoras  de  TV  que  cobre  todo  o  Estado,  além  de  um  canal  por   assinatura  voltado  só  para  o  ES.  A  Rede  Gazeta  também  conta  com  um   importante  braço  de  eventos  e  marketing  promocional   Rede  Itatiaia  -­‐  maior  operadora  de  rádio  de  Minas  Gerais,  o  grupo  é  liderado   pela  tradicional  Rádio  Itatiaia  AM/FM.  Composto  por  10  estações  de  rádio,  uma   rede  de  rádio  via  satélite  (Itasat)  e  uma  emissora  de  TV     Outros  grupos  importantes  –  Sul  (RS  e  PR)   Grupo  RBS  -­‐  maior  grupo  de  comunicação  regional,  a  RBS  (Rede  Brasil  Sul)  é   composta  por  18  emissoras  de  TV  aberta,  2  canais  regionais  e  um  por  assinatura,   26  rádios,  8  jornais,  dois  portais  na  Internet,  editora,  gravadora,  empresa  de   logística,  uma  empresa  de  marketing  e  relacionamento  com  o  público  jovem,   além  da  Fundação  Maurício  Sirotsky  Sobrinho.  Controlada  pela  Família  Sirotsky     Grupo  Massa  -­‐  controlado  pelo  apresentador  Carlos  Massa  (Ratinho),  está   sediado  no  Paraná  e  conta  com  forte  presença  nos  setores  alimentício,  cervejeiro,   hoteleiro,  agropecuário  e  comunicação  através  das  rádios  Massa  AM  e  FM,  além   da  recém-­‐lançada  Rede  Massa  de  Televisão,  afiliada  paranaense  do  SBT  e  da  TV   Massa  Litoral       Outros  grupos  importantes  –  Centro  Oeste  (DF)   Diários  Associados  –  Fundado  por  Assis  Chateaubriand  há  85  anos,  quando   adquiriu  “O  Jornal”  do  Rio  de  Janeiro,  os  Diários  Associados  são,  até  hoje,  um  dos   maiores  complexos  de  comunicação  da  América  Latina  e  reúnem  15  jornais,  12   emissoras  de  rádio,  8  emissoras  de  televisão  (mídia  trazida  para  o  Brasil  pelos   Associados  em  1950  através  da  TV  Tupi),  9  portais,  5  sites,  fazendas,  produtora   de  vídeo,  agência  de  notícias,  teatro,  empresa  de  logística  e  imobiliária     Outros  grupos  importantes  –  Nordeste   Rede  Bahia  –  atualmente  um  complexo  de  mídia  regional,  mas  com  origem  no   ramo  de  construção  civil  através  da  Construtora  Santa  Helena.  Iniciada  por   Antônio  Carlos  Magalhães,  em  1978,  com  o  “Correio  da  Bahia”,  expandiu-­‐se  com   a  fundação  da  TV  Bahia  (1985),  transformando-­‐se  na  principal  rede  televisiva  do   nordeste.  Atualmente,  a  Rede  Bahia  é  composta  por  14  empresas  distribuídas  em  
  14. 14. quatro  segmentos:  Mídia,  Conteúdo  &  Entretenimento,  Desenvolvimento  de   Novos  Negócios  e  Construção  Civil.   Grupo  JCPM  -­‐  o  começo  foi  no  varejo  através  da  grande  rede  de  supermercados   Bompreço.  Em  1987,  o  Grupo  JCPM  (iniciais  do  nome  do  fundador  do  grupo,  João   Carlos  Paes  Mendonça)  adquiriu  o  Sistema  Jornal  do  Commercio  de   Comunicação,  que  enfrentava  graves  problemas  financeiros.  Hoje,  o  grupo  é  o   maior  na  mídia  pernambucana  e  possui,  além  do  Jornal  do  Commercio,  as  Rádios   Jornal  Recife  e  JC/CBN,  além  da  TV  Jornal  e  do  portal  JC  Online     Outros  grupos  importantes  –  Norte   Rede  Amazônica  -­‐  Nascida  da  agência  Amazonas  Publicidade,  criada  em  1968,   tornou-­‐se  um  grupo  de  comunicação  em  1972  com  a  inauguração  da  Rádio  TV  do   Amazonas.  Hoje,  é  formado  por  várias  emissoras  de  rádio  e  TV  em  todos  os   estados  da  região  norte,  além  de  portal  na  Internet,  shopping,  centro  de   convenções,  fábrica  de  produtos  de  limpeza,  empresa  de  energia  solar  e  serviços   de  comunicação       Sistema  Mirante  de  Comunicação  –  Detém  a  Rede  Mirante,  afiliada  à  Rede  Globo   no  Maranhão,  com  sede  na  região  metropolitana  de  São  Luís.  Controlada  pela   Família  Sarney,  juntamente  com:  as  rádios  Mirante  AM  e  Mirante  FM,  o  jornal  O   Estado  do  Maranhão,  a  TV  Upaon  Açu,  dentre  outros  ativos     O  Estado  na  comunicação   Fundação  Padre  Anchieta  -­‐  No  final  dos  anos  1960,  o  Governo  do  Estado  de  São   Paulo  adquiriu,  dos  Diários  Associados,  a  Rádio  e  Televisão  Cultura.  A  partir  daí,   nasceu  a  Fundação  Padre  Anchieta  –  Centro  Paulista  de  Rádio  e  TV  educativas,   que  hoje  reúne:  Televisão  Cultura,  Cultura  AM,  Cultura  FM,  Cultura  Marcas,   Cultura  Serviços,  Cultura  Data  e  o  site  RadarCultura   Empresa  Brasileira  de  Comunicação  (EBC)  –  iniciativa  da  União  (2007),  o   empreendimento  visa  integrar  as  estruturas  comunicativas  do  Estado  brasileiro,   através  da  centralização  de  pelo  menos  quadro  unidades  operacionais:  TV  Brasil,   Agência  Brasil,  Radio  MEC  e  Rádio  Nacional,  dentre  outras,  que  irão  se  criar       Gigantes  do  setor  público  (Internacionais)   Na  operação  midiática  global,  os  agentes  públicos,  fomentados  pelo  Estado,   também  demonstram  apetite  para  concorrer  no  negócio  global  da  comunicação,   com  alguns  representantes  de  peso     Novos  cenários  midiáticos  (Mundo)   Segundo  os  analistas  do  setor,  em  um  horizonte  de  cinco  a  dez  anos,  estará  se   desenhando  um  cenário  singular  para  o  universo  da  comunicação  pelo  mundo,   sobretudo  pela  presença  cada  vez  mais  acentuada  de  novos  operadores  (de   setores  conexos  ao  universo  da  mídia  tradicional,  como  empresas  de  telefonia,   internet  e  tecnologia)...         • 5  a  10  mega-­‐corporações  dominando  o  mercado  global  de  mídia   •  10  a  30  grandes  empresas  atuando  no  nível  regional  (continental)   •  As  demais  empresas  relegadas  papéis  nacionais  ou  local  (secundários)    
  15. 15. Padrões  de  concentração  (Global)   Teoria  do  Big  Ten  –  Até  a  entrada  do  milênio,  a  liderança  das  comunicações   estava  entregue  a  uma  dezena  de  mega  grupos  de  mídia  globais     Hoje,  os  gigantes  tem  perfis  cada  vez  mais  diferenciados  e  desafiadores  aos   tradicionais  operadores  do  mercado     Arquivo:  Aula0501.pps   Análise  setorial  da  indústria  da  comunicação   Vinculadas  à  área  mais  tradicional  da  indústria  da  comunicação,  as  atividades   editoriais  estão  relacionadas  as  origens  da  mídia  enquanto  empreendimento   econômico.  Sua  estruturação  decorre  dos  primeiros  aparatos  técnicos  voltados   para  a  impressão  gráfica.  Revolucionários,  promoveram  transformações  radicais   na  sociedade  moderna,  com  base  na  produção  de  informação  em  escala     Mídias  impressas   ! Mercado  editorial  de  livros   !  Mercado  editorial  de  jornais   !  Mercado  editorial  de  revistas     Mídia  impressa   Abrange  todas  as  formas  de  produção  e  distribuição  de  mídia  no  formato  papel,   sendo  seus  principais  “ativos”  os  livros,  os  jornais  e  as  revistas.  Cada  um  destes   segmentos,  constitui  parte  importante  da  cadeia  de  produção  da  indústria  de   comunicação     O  mercado  editorial  de  livros   O  livro  ocupa  uma  posição  de  destaque  na  vida  do  homem.  Meio  que  nos   acompanha  há  séculos,  experimentou  diversas  inovações  tecnológicas  ao  longo   dos  anos,  consolidando-­‐se  como  instrumento  por  excelência  na  transmissão  do   saber  formal   Além  de  necessidade  primordial,  o  livro  é  a  prova  maior  da  civilização  e  do   progresso  alcançados  por  nossa  espécie.  Com  o  aumento  dos  níveis  de  educação   global,  o  mercado  editorial  de  livros  torna-­‐se  indispensável  como  fator  de   desenvolvimento  humano   Classificação:   •  Profissional  (Science,  Technical  and  Medical)     •  Didáticos  (Educational)   •  Paradidáticos  (Trade)   Cadeia  produtiva  do  setor   •  Autor  (criação)   •  Editor/Publisher  (seleção,  produção  e  financiamento)   •  Gráficas/Produtores  de  Papel  e  Equipamentos  (fabricação  e  insumos)   •  Distribuidor/Atacadista/Livreiro  (comercialização)   •  Bibliotecas/Escolas  (acesso  público)         Conjuntura  do  livro  (impresso!)  
  16. 16. A  questão  mais  fundamental  da  “economia  do  livro”  está  na  imensa  diversidade   de  oferta  de  títulos,  em  meio  a  dispersão  do  público  leitor  virtualmente   interessado  em  leitura   +  2  milhões  de  títulos  NOVOS  são  lançados  anualmente  no  mundo   +  500  títulos  disponíveis  para  cada  milhão  de  habitantes   O  descompasso  entre  a  larga  produção  (além  de  um  bem  relativamente  acessível,   pode  ser  produzido  em  baixa  escalada)  e  a  incapacidade  de  absorção  pelo   público  não  é  o  único  problema:   •  mercado  de  nichos  com  graves  entraves  na  logística  de  distribuição     •  dificuldade  de  formação  de  público  leitor  (questões  culturais,   econômicas,  políticas)   •  influência  das  novas  tecnologias  concorrentes  (esvaziamento  do  hábito   leitura)   •  desafio  da  sustentabilidade  (produto  ecologicamente  complexo)     Os  contrastes  do  setor   Os  maiores  grupos  editoriais  do  mundo  têm  receitas  anuais  na  casa  dos  bilhões   de  dólares.  Em  contrapartida,  em  países  periféricos  a  realidade  do  livro  no   contexto  da  vida  da  sociedade  ainda  é  marcada  por  limitações  (políticas,   financeiras,  culturais...)   O  Ranking  Global  da  Indústria  Editorial,  realizado  desde  2006  por  iniciativa  de   organizações  setoriais  como  Livres  Hebdo  (França),  The  Bookseller  (UK),   Buchreport  (Alemanha)  e  Publishers  Weekly  (EUA),  analisa  os  maiores  grupos   editoriais  do  mundo,  com  faturamento  acima  de  150  milhões  de  euros  (baseados   no  volume  de  vendas  livros,  periódicos  e  produtos  digitais)     A  concentração  do  papel   No  mundo  destacam-­‐se  cerca  de  60  grupos  editoriais  que  movimentam  mais  de   50  bilhões  de  euros.  A  metade  desse  valor  fica  nas  mãos  das  primeiras  10   empresas  da  lista.  Entre  elas,    figuram  as  brasileiras  Abril  Educação,  na  40ª   posição;  Saraiva,  na  50ª  e  FTD,  na  58ª     Os  maiores  mercados  do  livro   A  presença  do  livro  nos  principais  mercados  do  mundo  tem  sofrido   transformações  sucessivas.  Trata-­‐se  de  um  negócio  bilionário  (mais  de  €  100   bilhões),  em  que  os  principais  operadores  não  medem  esforços  para  ampliar  sua   penetração  e  aumento  do  domínio  comercial     Mercado  editorial  brasileiro   Os  dados  do  mercado  de  livros  no  Brasil  são  contrastantes:  há  pouco  mais  de   1.500  editoras  no  país  e  menos  de  20%  (IBGE)  dos  municípios  brasileiros   contam  com  estabelecimentos  comerciais  (menos  de  3.000  mil  livrarias)   dedicadas  exclusivamente  a  venda  de  livros  (a  Unesco  recomenda  que  haja  ao   menos  1  livraria  para  cada  10  mil  pessoas)  ou  públicos  (menos  de  5.000   bibliotecas  municipais)   Porém,  com  um  volume  de  vendas  na  casa  dos  R$  6  bilhões  e  mais  de  50  mil   títulos  publicados  anualmente,  o  Brasil  está  entre  os  dez  maiores  mercados  do   mundo,  apesar  do  baixo  índice  de  densidade  demográfica  de  leitores  (2,5  livros   por  habitante/ano)  
  17. 17.   Perspectivas  do  setor   Há  boas  possibilidades  para  o  livro  impresso  no  mundo,  que  ainda  conserva  um   significativo  potencial  de  crescimento.  O  futuro  dos  livros  ainda  está  reservado   ao  papel,  embora  as  plataformas  eletrônicas  (e-­‐books)  estejam  cada  vez  mais   presentes   Em  grande  parte,  sua  importância  ainda  reside  na:   •  Tradição  (como  forma  de  transmissão  de  saber)   •  Níveis  educacionais  em  elevação   •  Mercado  de  nichos,  que  “relativiza”  a  concentração  (diversidade  de   agentes)   •  Compradores  institucionais,  garantindo  a  produção   •  Combate  à  pirataria  e  valorização  do  direito  autoral     Mercado  editorial  de  jornais   É  a  forma  de  publicação  voltada  (em  regra)  para  um  público  heterogêneo,   constituindo  fonte  primária  de  informação  acerca  de  fatos  socialmente  mais   relevantes.  Sua  função  é  levar,  através  da  combinação  de  textos  e  imagens,  o   cidadão  a  espaços  que  ele  não  pode  acessar  diretamente   Quanto  a  periodicidade  *     a)  Diários:  com  cobertura  dos  fatos  de  até  vinte  e  quatro  horas  anteriores   (publicados  ao  menos  4  vezes  por  semana)   b)  Não  diários:  dedicados  à  cobertura  de  fatos  abrangidos  em  períodos  mais   longos  (publicados  três  vezes  por  semana  ou  menos)   Quanto  a  circulação  *   a)  Vendas  diretas   b)  Vendas  por  assinaturas   c)  Gratuitos     Formatos   •  Standart  (o  maior  e  mais  antigo  deles,  presente  em  todos  os  países)   •  Tablóide  (criado  na  Inglaterra  e  muito  popular  nos  EUA)     •  Berliner  (tablóide  europeu,  é    ligeiramente  maior  do  que  o  inglês)     Circulação  de  jornais  pelo  mundo   A  indústria  dos  jornais  é  um  dos  negócios  mais  importantes  da  mídia  planetária.   Tanto  na  sua  manifestação  impressa  quanto  multimídia  movimenta  mais  de  U$   200  bilhões  em  vendas,  alcancando  pelo  menos  3  bilhões  de  pessoas  (ou  72%   dos  adultos  letrados  dispostos  pelo  mundo),  dos  quais,  2,5  bilhões  lêem  jornais   impressos  e  600  milhões  edições  digitais     Conjuntura  do  jornal   Considerando  a  forte  presença  do  jornal  no  cotidiano  das  sociedades   contemporâneas,  seus  principais  desafios  estão  relacionados  a  transformação  de   hábitos  das  pessoas,  em  um  contexto  tecnológico  novo  (mais  integrado  e   interativo)     Neste  cenário,  apesar  de  relevante  social  e  acessível  economicamente,  enfrenta   forte  concorrência:  
  18. 18. •  com  a  dificuldade  de  formação  de  novos  públicos  e  fuga  de  antigos   leitores   •  pela  influência  das  novas  tecnologias  concorrentes  (esvaziamento  do   hábito  leitura)   •  pelo  desafio  da  sustentabilidade  (produto  ecologicamente  complexo)     A  redução  das  tiragens   Apesar  do  tamanho  da  indústria  dos  jornais,  a  queda  na  circulação  é  um  dado   que  desafia  gestores  da  área,  após  um  breve  período  de  recuperação.  O  setor   vem  encolhendo  nos  principais  centros,  com  queda  mais  acentuada  nos  EUA  e   Europa     Quem  lê  jornal  sabe  mais...  será  ?   O  consumo  de  jornais  é  mais  difundido  nos  países  desenvolvidos,  porém,  vem   registrando  maior  nível  de  crescimento  justamente  nos  centros  menos   desenvolvidos,  como  algumas  regiões  da  Ásia  e  da  América  Latina     O  prestígio  dos  jornais  internacionais   Análise  elaborada  pela  4  International  Media  &  Newspapers,  que  mapeia  sete  mil   jornais  em  200  países  pelo  mundo,  classifica-­‐os  em  um  ranking  dos  periódicos   mais  populares  do  planeta:     Os  maiores  do  mundo   No  contexto  dos  maiores  períodos  planetários,  o  Japão  destaca-­‐se  como  o  país   que  reúne  a  menor  quantidade  de  publicações,  porém,  com  as  maiores  tiragens   do  mundo     Entidades  importantes  do  setor  de  impressos   World  Editors  Forum,  (WEF),  International  Publishers  Association  (IPA),  the   International  Federation  of  the  Periodical  Press  (FIPP),  the  European  Federation   of  Magazine  Publishers  (ENPA),  the  European  Publishers  Council  (EPC),  the   European  Magazine  Publishers  Association  (FAEP)  and  SPMI  (French  association   for  magazine  publishers,  the  association  of  French  national  newspapers,  SPP,   French  regional  daily  newspaper  association,  SPQR   A  WAN,  baseada  em  Paris,  é  a  principal  organização  global  da  indústria  de   jornais,  representando  mais  de  18.000  publicações,  tendo  entre  seus  membros   73  associações  nacionais  e  executivos  do  setor  distribuídos  por  102  países,  11   agências  de  notícias  e  09  grupos  de  imprensa  de  atuação  regional  e  global  (no   Brasil  tem  como  órgão  representativo  a  ANJ).     O  jornal  no  Brasil   O  jornalismo  impresso  brasileiro  tem  andado  na  contramão  do  mundo,  ao   reverter  uma  tendência  de  queda  nas  tiragens  dos  seus  principais  periódicos  de   alcance  nacional  e  regional     Principais  jornais  brasileiros   O  mercado  de  jornais  brasileiros  é  marcado  pela  forte  concorrência.  Novos   títulos  surgem  com  alguma  frequência,  sobretudo  relacionados  à  ascensão  das   classes  econômicas  menos  favorecidas  
  19. 19.   O  mercado  editorial  das  revistas   A  revista  é  um  meio  de  comunicação  diferenciado.  Situa-­‐se  numa  zona   intermediária  entre  os  jornais  e  os  livros,  embora  não  possua  nem  a   profundidade  literária  destes  últimos  nem  a  atualidade  informativa  de  um  jornal.   Caracteriza-­‐se  pela  maior  amplitude  no  tratamento  dos  conteúdos  abordados  e   intensa  segmentação  dos  assuntos  existentes     Comporta  três  grupos  de  publicações  principais:   •  Revistas  de  interesse  geral:  focadas  em  notícias  mais  genéricas   •  Revistas  segmentadas  por  público:    dirigidas  a  públicos  determinados   •  Revistas  segmentadas  por  interesses:    dirigidas  a  assuntos  específicos     A  circulação  mundial  de  revistas   A  indústria  das  revistas  representa  um  significativo  negócio  para  a  mídia,   movimentando  um  volume  de  receitas  da  ordem  de  U$  100  bilhões  anuais.  Os   Estados  Unidos  são  o  principal  mercado  do  mundo,  junto  com  a  Europa  (30%  do   share)  e  a  venda  de  edições  digitais  já  representa  15%  da  fatia  do  setor   Entretanto,  os  efeitos  da  tecnologia  digital  afetam  cada  vez  mais  o  negócio,   implicando  redução  de  receitas  e,  consequentemente,  diminuição  de  exemplares   em  circulação,  com  exceção  de  mercados  em  desenvolvimento  (como  Brasil  e   China),  onde  crescem  as  tiragens,  em  termos  absolutos     Revistas  no  Brasil:  em  mercado  em  mutação   Nos  mercados  mais  desenvolvidos,  a  indústria  de  revistas  vem  sendo  obrigada  a   promover  uma  rápida  mudança  de  plataforma  em  função  das  transformações   dos  hábitos  de  consumo  do  leitor   Na  via  inversa  a  esta  tendência,  mercados  de  consumo  mais  periféricos,  como   Brasil,  ampliam  sua  participação  no  mercado,  com  lançamento  de  novos  títulos,  a   despeito  da  queda  de  tiragens  e  faturamento     Revistas  no  Brasil  –  Contrastes  do  setor   O  quadro  mais  contrastante  do  segmento  de  revistas  no  Brasil  é  o  aumento  de   títulos  lançados  por  ano,  face  a  queda  das  tiragens     Jornais  e  periódicos:  a  crise  no  setor   A  crise  dos  jornais  impressos  (e  revistas),  que  começou  nos  Estados  Unidos,   instalou-­‐se  na  Europa  e  vem  chegando  ao  Brasil,  continua  causando  grandes   preocupações  e  incertezas  sobre  o  futuro  dos  veículos  impressos  em  todo  o   mundo   Importância   •  Credibilidade   •  Formação  de  pensamento  crítico   Desafios   •  Perdas  maciças  das  receitas  de  publicidade     •  Concorrência  com  novas  mídias  (paradigma  digital)   •  Mudanças  nos  hábitos  de  leitura   •  Custo  elevado  (e  paradigma  ambiental)   •  Distribuição  física  (nos  países  periféricos)  
  20. 20.   Arquivo:  Aula0501.ppt   Por  uma  reengenharia  comunicativa   A  mídia  (bem  como  suas  extensões)  tornou-­‐se  uma  indústria  tão  influente,  que   pode  ser  comparável  à  siderurgia  da  segunda  metade  do  século  XIX,  ou  à  do   automóvel  na  década  de  1920.  É  neste  segmento  que  são  feitos  os  investimentos   mais  importantes  da  economia  global  de  hoje   Nele,  empresas  de  eletrônicos  fundem-­‐se  com  empresas  de  telefonia,  estas  com   empreendimentos  de  transmissão  a  cabo  e  por  satélite,  que  por  sua  vez  estão   associados  a  editoras,  redes  de  televisão,  estúdios  de  cinema,  gravadoras,   parques  gráficos,  dentre  outros,  constituindo,  enfim,  mega-­‐grupos  empresariais   que  integram  ambiente  inteiros   O  alcance  e  a  rentabilidade  dos  negócios  relacionados  à  produção  e  distribuição   de  conteúdos  informativos,  em  seu  sentido  mais  abrangente,  crescem  em  ritmo   exponencial,  instituindo  uma  nova  cartografia  de  poder  em  um  mundo   crescentemente  interdependente.  Desta  verdadeira  revolução  em  curso,  resulta   uma  nova  batalha  mundial  por  conteúdos     O  tamanho  do  capital  informativo   Enquanto  a  economia  internacional  desacelerou,  o  mercado  de  Tecnologia  de   informação  e  comunicação  (TIC)  vem  crescendo.  O  desenvolvimento  do  comércio   de  conteúdos  criativos  passou  a  ter  uma  importância  maior  no  dia  a  dia  das   sociedades  (pessoas,  empresas,  Estados)       De  um  setor  para  a  economia  inteira   Com  a  ampliação  da  economia  da  informação,  distinguem-­‐se  dois  domínios  da   economia:  o  da  matéria  e  da  energia  e  o  da  informação   No  primeiro  estão  incluídas  a  agricultura  e  a  indústria.  O  setor  de  informação   passa  a  englobar  uma  enorme  gama  de  atividades  tangenciadas  pela  informação   modificando-­‐as  de  um  padrão  para  outro     Uma  indústria  remodelada   A  importância  da  informação  para  o  mundo  atual  impõe  um  remodelamento  do   clássico  conceito  de  indústria  cultural.  Em  seu  lugar,  afirma-­‐se  um  modelo  de   indústria  muito  mais  amplo  e  complexo,  fundado  na  economia  criativa  ou  de   conteúdos,  que  inclui  os  meios  de  comunicação,  mas  também  o  desafiador   universo  digital,  a  alta  e  a  “baixa”  cultura  e  ainda  a  oferta  de  serviços,  com   repertórios  e  formatos  cada  vez  mais  variados     Indústrias  Criativas   Abrange  processos  que  envolvem  a  criação,  produção  e  distribuição  de  produtos   e  serviços,  usando  o  conhecimento,  a  criatividade  e  o  capital  intelectual  como   principais  recursos  produtivos     Atuais  cenários  midiáticos   As  mudanças  aceleradas  potencializam  um  quadro  de  crescente  sinergia   corporativa,  no  qual  a  existência  de  sistemas  de  mídia  de  caráter  estritamente   nacional  torna-­‐se  ultrapassado.  As  realidades  domésticas  se  reconfiguram   velozmente,  no  ritmo  da  afirmação  de  um  mercado  global  de  mídia  comercial  
  21. 21.   Neste  novo  ambiente  econômico,  a  mídia  desperta  cada  vez  mais  interesse  como   plataforma  de  negócios,  atraindo  todo  tipo  de  investimentos  –e  tornando   bastante  mais  complexa  a  lógica  de  organização  dos  empreendimentos  que  se   formam  a  partir  daí     Para  entender  a  mídia  enquanto  indústria   Com  a  convergência  das  tecnologias  de  comunicação  e  informação,  a  análise  da   mídia,  enquanto  setor,  torna-­‐se  mais  complexa,  pois  imprecisa.  Para   compreendê-­‐la  é  necessário  ultrapassar  as  divisões  tradicionais  em  que  se   organizava  a  atividade     Mídia  cruzada:    as  organizações  passam  a  se  apoiar  em  diversas  plataformas  de   comunicação  diferentes,  de  forma  coordenada,  simultânea  e  integrada,  evoluindo   para  uma  elaboração,  a  priori,  dos  conteúdos,  independente  da  plataforma  a   serem  aplicados     Visão  clássica  da  indústria  da  mídia   Para  pensar  a  mídia  no  seu  conjunto,  necessário  considerá-­‐la,  primeiramente,  a   partir  de  suas  organização  tradicional,  em  que  o  modelo  do  negócio  está   estruturado  em  torno  de  pelo  menos  três  áreas  nucleares:   "  Mídia  Impressa:  jornais,  revistas  e  editoras   "  Mídia  de  Áudio-­‐visual:  rádio,  gravadoras,  TV  e  cinema     "  Mídias  de  Nova  Geração:  telefonia  e  informática   Reflexo  da  incidência  da  lógica  da  convergência,  alinham-­‐se  a  estes  segmentos   outras  áreas  correlatas,  que  empreendem  esforços  conjuntos  com  o  core  business   desta  indústria,  no  sentido  de  sua  viabilização:  publicidade,  moda,  artes,  games,   esportes,  shows,  etc...       Organismos  multinacionais  e  a  mídia   As  maiores  dificuldades  para  entender  a  nova  organização  da  mídia,  enquanto   indústria,  começam  pela  limitada  capacidade  das  instituições  se  definirem  e   pensarem  além  dos  seus  próprios  limites  originais  de  atuação,  sendo,  neste  caso,   importante,  a  adoção  de  fontes  de  referências  externas  ao  negócio     Aula-­‐0501  –  Setores  (b).ppt     Análise  setorial  da  indústria  da  comunicação   O  advento  da  eletricidade,  no  século  XVIII,  seguido  dos  primeiros  experimentos   eletrônicos,  como  o  telégrafo  (1837)  e  o  telefone  (1876)  possibilitaram  o   ingresso  da  comunicação  em  uma  nova  era  de  organização  da  indústria.  O   aperfeiçoamento  contínuo  da  técnica  ampliou  o  alcance  e  acelerou  o  processo  de   geração  e  distribuição  de  conteúdos  (mais  dinâmicos  e  sedutores,  pois  pautados   em  sons  e  imagens)  para  novos  mercados,  a  partir  de  então,  regidos  pela  lógica   da  produção  voltada  para  as  massas       Mídias  áudio-­‐visuais   Mercado  radiofônico   Mercado  fonográfico  
  22. 22. Mercado  cinematográfico   Mercado  televisivo   Setor  Áudio   Abrange  eminentemente  as  formas  de  distribuição  de  mídia  no  formato  sonoro.   Principais  áreas  de  atividade:  o  rádio  e  a  indústria  fonográfica,  que   desenvolveram  uma  relação  muito  estreita  entre  si,  ao  longo  dos  anos     Rádio:  o  meio  mais  universal   Meio  de  comunicação  baseado  na  difusão  de  informação  sonora  por  meio  de   ondas  eletromagnéticas  (hertzianas).  Constitui  a  mídia  de  alcance  mais   universal,  por  exigir  tecnologia  barata  e  relativamente  simples.  Cumpre,  ainda,   um  papel  social  importante,  alcançando  comunidades  remotas  e   marginalizadas,  com  eficiência,  amplitude  e  confiabilidade  na  transmissão  de   conteúdos.  A  internet  e  o  celular  estão  ajudando  a  ampliar  a  disponibilidade  de   programas  de  rádio  e  aumentar  o  potencial  do  meio     O  mercado  do  rádio   O  rádio  convencional  é  baseado  na  propagação  de  ondas  no  espaço,  em   comprimentos  diferentes,  classificando-­‐se  em  curtas  (alta  frequência)  e  longas   (baixa  frequência),  sendo  explorado  tanto  em  caráter  público,  quanto  comercial   e  comunitário   As  receitas  de  publicidade  respondem  pela  quase  totalidade  dos  recursos   necessários  às  operações,  tornando  o  meio  mais  vulnerável  as  oscilações  da   economia  internacional   Ainda  assim,  as  projeções  para  o  futuro  são  otimistas,  devendo  se  manter  o   patamar  de  U$  50  bilhões  de  faturamento  global,  com  leve  crescimento  até  o   final  da  década         Atributos  de  sucesso   A  característica  mais  importante  do  rádio  é  que  não  há  barreiras  geográficas   e/ou  de  nacionalidade  que  interfiram  na  transmissão  eficaz  de  sua  mensagem.   Seu  alcance  é  ilimitado.  Potencialmente,  o  meio  radiofônico  ultrapassa  também   fronteiras  econômicas,  políticas  e  culturais,  instalando-­‐se  na  rotina  de  um   número  maior  de  pessoas  do  que  aquelas  atraídas  por  outros  meios  de   comunicação   Em  grande  parte,  o  rádio  encontra  sua  força  na:   • Oralidade  (sensorialidade)   •  Individualidade/intimidade   •  Baixo  custo   •  Mídia  de  “fundo”   •  Simplicidade  técnica   •  Imediatismo   •  Segmentação     O  cenário  do  rádio  no  Brasil   De  acordo  com  o  INTERMEIOS,  o  faturamento  do  rádio  no  Brasil  foi  de  R$  1,184   bilhões  em  2012.  Apesar  de  representar  apenas  3,93%  do  share  das  receitas  do   setor  de  comunicação  do  país,  a  última  década  tem  sido  de  crescimento  para  o   meio  (de  2011  para  2012  aumentou  sua  participação  em  4,87%)  
  23. 23.     O  rádio  e  a  mídia   Embora  decisivo  na  vida  de  uma  parcela  considerável  da  população  (sobretudo  a   mais  desfavorecida  economicamente,  privada  de  outros  meios  de  informação),  o   rádio  enfrenta  grave  crise  na  concorrência  com  as  novas  mídias   Importância   •  Veículo  tradicional     •  Público  cativo   •  Força  como  instrumento  social   •  Ampla  presença  (audiência  integral  ao  longo  do  dia)   •  Largo  alcance  (cobertura  AM/FM  e  facilidade  de  segmentação)   Desafios   •  Concorrência  com  novas  mídias  (como  mídia  de  apoio  mais  perde  do  que   ganha)   •  Crise  econômica  (diminuição  sensível  de  receitas  nas  últimas  décadas)   •  Transição  para  formato  digital  (Podcast,  rádio  digital,  por  satélite,  pelo   celular)     Desafio  digital   Na  radiodifusão  tradicional  (rádios  AM  e  FM)  a  informação  é  transmitida  na   forma  de  sinais  analógicos.  Com  o  rádio  digital  os  sinais  de  áudio  são   digitalizados  antes  de  serem  transmitidos,  o  que  torna  possível  obter  uma   melhor  qualidade  de  som  e  aumentar  o  número  de  estações.  As  rádios  AM   passam  a  ter  uma  qualidade  de  som  semelhante  às  rádio  FM  e  as  FM  uma   qualidade  semelhantes  aos  CDs     O  maior  problema,  no  entanto,  são  as  dificuldades  de  implantação  do  sistema.   Estados  Unidos  e  Europa  estão  mais  avançados  no  processo,  mas  ainda  longe  do   planejado.  Entre  os  obstáculos  estão  o  alto  custo  dos  receptores  (o  mais  barato   custa  cerca  de  US$  80,00),  problemas  na  qualidade  de  transmissão  e  baixa   adesão  da  população   Por  outro  lado,  entre  as  vantagens  do  mecanismo  estão  o  maior  número  de   recursos  para  os  ouvintes,  como  a  incorporação  de  textos  e  imagens  com   informações  adicionais,  uso  mais  eficiente  do  espectro,  interatividade,  menor   consumo  de  energia  elétrica,  possibilidades  de  novos  modelos  de  negócios  e   maior  participação  no  mercado  publicitário     Mercado  fonográfico   Trata-­‐se  de  um  dos  setores  mais  organizados  da  indústria  da  comunicação.   Grande  parte  dos  operadores  está  articulado  à  International  Federation  of  the   Phonographic  Industry  (IFPI),  que  representa  cerca  de  1.400  das  principais   companhias  gravadoras  em  73  países,  além  de  associações  afiliadas  em  outros   78,  entre  elas  a  Associação  Brasileira  de  Produtores  de  Discos  (ABPD)     Uma  revolução  digital   O  mercado  de  música  começa  a  enxergar  novos  caminhos  para  se  transformar,   apostando  na  era  digital  e  na  capacidade  de  monetizacão  trazida  pela  nova   geração  de  artistas  emergidos  das  novas  plataformas  tecnológicas.  

×