POR UMA VIDA INCLUSIVAEDIÇÃO N.º 1 | JUN-JUL 2014
FACTORES DE MOBILIDADE • ESTADO DA NAÇÃO • SOCIEDADE SUSTENTÁVEL
INCLUSÃ...
T (+351) 239 096 900 · uhc@idealmed.pt · facebook.com/IdealMedUnidadeHospitalarDeCoimbra · WWW.IDEALMED.PT
IDEALMEDCOIMBRA...
Edição N.º 1 VIDA-UP
7EDITORIAL6 ÍNDICE
JOSÉ MANUEL FIGUEIREDO
Director
A Revista VIDA-UP surge no mercado para divulgar, ...
Edição N.º 1 VIDA-UP
9RADAR8 RADAR
A Associação Salvador volta a lançar mais uma edição da
Acção Qualidade de Vida. Com o ...
10 RADAR
O documento tripartido foi
assinado pelos presidentes do
Instituto Português do Desporto
e Juventude, do Institut...
Edição N.º 1 VIDA-UP
12 ENFOQUE 13ENFOQUE
U
ma das mais importantes características
do ser humano é a mobilidade, em todas...
Edição N.º 1 VIDA-UP
1514 ENFOQUE ORTOPEDIA
A formação de educadores e professores
especializados nestas áreas é uma reali...
Edição N.º 1 VIDA-UP
17CASO REAL16 CASO REAL
O acidente de 1996 não
a impediu de concretizar as
suas ambições profissionai...
Edição N.º 1 VIDA-UP
19UNIDADE HOSPITALAR
Permanente (24 horas por dia/7 dias
por semana).
Segundo José Alexandre Cunha,
«...
Edição N.º 1 VIDA-UP
2121SAÚDE20 SAÚDE
A OMS reconhece ainda que os
argumentos económicos são cada
vez mais críticos, pois...
22 CIÊNCIA
Até hoje, o implante coclear tem sido o recurso mais
avançado para o tratamento da surdez profunda
bilateral em...
Edição N.º 1 VIDA-UP
2524
A Fundação PT acredita que, através
da promoção das tecnologias, aliadas
à inovação, é possível ...
26 HEALTH CARE
turismo
para TODOSwww.accessibleportugal.com
Barra Talasso – Centro de Talassoterapia
da Nazaré é um equipa...
Edição N.º 1 VIDA-UP
2928 AJUDAS TÉCNICASAJUDAS TÉCNICAS
Desenvolver produtos inovadores,
que possam ir ao encontro das
ne...
Edição N.º 1 VIDA-UP
3130 REABILITAÇÃOREABILITAÇÃO
Que sinergias se estabelecem
entre as várias unidades de saúde
da Santa...
Edição N.º 1 VIDA-UP
3332 CERTIFICAÇÃOCERTIFICAÇÃO
referem-se a um conjunto de
requisitos para que as pessoas
possam reali...
Edição N.º 1 VIDA-UP
3534 RESPONSABILIDADE SOCIALRESPONSABILIDADE SOCIAL
A
responsabilidade
social das
empresas é um
conce...
Edição N.º 1 VIDA-UP
37CIDADES E VILAS36 CIDADES E VILAS
Deste programa nacional
abrangente, surgiram duas
gerações de pla...
38
Edição N.º 1 VIDA-UP
ASSOCIAÇÃO 39ASSOCIAÇÃO
E
m Agosto de 1998,
depois de regressar de
uma noite de copos
com os amigo...
Edição N.º 1 VIDA-UP
41DECORAÇÃO
ESPAÇO ACESSÍVEL
SEGURO PARA CRIANÇAS, ADULTOS, IDOSOS E DEFICIENTES
N
esta primeira ediç...
1ª Ed Vida-Up
1ª Ed Vida-Up
1ª Ed Vida-Up
1ª Ed Vida-Up
1ª Ed Vida-Up
1ª Ed Vida-Up
1ª Ed Vida-Up
1ª Ed Vida-Up
1ª Ed Vida-Up
1ª Ed Vida-Up
1ª Ed Vida-Up
1ª Ed Vida-Up
1ª Ed Vida-Up
1ª Ed Vida-Up
1ª Ed Vida-Up
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

1ª Ed Vida-Up

403 visualizações

Publicada em

A Revista VIDA-UP tem por missão combater estereótipos, criar uma imagem positiva à volta das questões da mobilidade reduzida e contribuir para uma sociedade mais inclusiva.

Tem como objectivo motivar e envolver a sociedade para as questões do dia-a-dia das pessoas com mobilidade reduzida, sendo assim um elo de ligação entre profissionais, académicos e qualquer player que de algum modo interaja nesta profissional e científica.

Publicada em: Saúde
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
403
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

1ª Ed Vida-Up

  1. 1. POR UMA VIDA INCLUSIVAEDIÇÃO N.º 1 | JUN-JUL 2014 FACTORES DE MOBILIDADE • ESTADO DA NAÇÃO • SOCIEDADE SUSTENTÁVEL INCLUSÃO DIGITAL • DESISTIR, NUNCA! • POLÍTICAS SOCIAIS EXPERIÊNCIAS DE VIDA POSSÍVEIS • TURISMO PARA TODOS ACESSIBILIDADE GLOBAL
  2. 2. T (+351) 239 096 900 · uhc@idealmed.pt · facebook.com/IdealMedUnidadeHospitalarDeCoimbra · WWW.IDEALMED.PT IDEALMEDCOIMBRA•CANTANHEDE•FIGUEIRADAFOZ•POMBAL•SANGALHOS > AAC/OAF > ACP > ADSE > ADVANCECARE > ALLIANZ > ASSOCIAÇÃO DE BASQUETEBOL DE COIMBRA > ASSP > CARES > CÁRITAS DIOCESANA > CEFA > COLÉGIO RAINHA SANTA ISABEL > FUTURE HEALTHCARE (SAUDE PRIME E VITORIA SEGUROS) > IASFA > IDEALCARE > ISCAC > ISP > MEDICARE > MÉDIS > MONTEPIO GERAL - ASSOCIAÇÃO MUTUALISTA > MULTICARE > ORDEM DOS ADVOGADOS > PREVIDÊNCIA PORTUGUESA > RNA/SERVIMED > SAD/PSP > SAMS CENTRO > SAMS QUADROS > SAMS SIB > SEPLEU > SSCGD > SSGNR > SSPSP > STFPSC > SINDICATO DOS FUNCIONÁRIO JUDICIAIS > SINTAP > STAAE ZONA CENTRO/FNE > TK - GLAMHEALTH ACORDOS ATENDIMENTOMÉDICOPERMANENTE24HORAS•BLOCOSOPERATÓRIOS•CONSULTAS•INTERNAMENTO•MATERNIDADE C M Y CM MY CY CMY K
  3. 3. Edição N.º 1 VIDA-UP 7EDITORIAL6 ÍNDICE JOSÉ MANUEL FIGUEIREDO Director A Revista VIDA-UP surge no mercado para divulgar, motivar e envolver a sociedade para as questões mais fundamentais ligadas à mobilidade reduzida. Partindo de uma noção abrangente do conceito de mobilidade reduzida, em que incluímos todos aqueles que, independentemente da idade, vêem a sua actividade limitada, temos como Missão combater estereótipos e criar uma imagem positiva à volta desta problemática, contribuindo para a construção de uma sociedade mais inclusiva. Entre as pessoas com necessidades especiais, são as pessoas com mobilidade reduzida – seja esta de natureza permanente ou temporária, originada por condição de saúde ou deficiência visual, auditiva ou cognitiva – as que mais poderão sentir o poder da inclusão ou exclusão no seu meio e quotidiano. Intensificar esforços para a eliminação da discriminação, promover a acessibilidade e melhorar a qualidade de vida, a autonomia e a independência são os objectivos da VIDA-UP, que aqui se assume como elo de ligação entre os que têm necessidades especiais e as suas famílias, os profissionais, académicos e quaisquer outros players que, de alguma forma, possam acrescentar valor à actividade das pessoas com mobilidade reduzida, enquanto activos indispensáveis para a construção de uma sociedade mais sustentável. De periodicidade bimestral, apostando numa comunicação viva, imaginativa e actual, a VIDA-UP afirma-se positivamente: deixa para trás estereótipos e informa, promovendo o bem-estar e a concretização de sonhos e anseios de simplificação diária a todas as pessoas com mobilidade condicionada e suas famílias, privilegiando as notícias mais relevantes e inovadoras da área, a que se juntam a crónica, a opinião e o comentário científico. Sendo este o primeiro número, procurámos ser generalistas, de forma a abranger várias áreas sociais e científicas em contexto de mobilidade reduzida. Em próximas edições, seremos mais específicos, focando, em cada número, temas seleccionados, cuja análise será exaustivamente tratada – designadamente, Cidades, Turismo, Arquitectura de Interiores e Intimidade, sempre na perspectiva das melhores práticas para a mobilidade. Não podemos terminar sem afirmar os nossos Valores: observamos rigorosamente os princípios éticos inerentes às boas práticas da imprensa, nomeadamente o pluralismo e a isenção política, económica e religiosa. A nossa Visão é ser a publicação de referência para todos os que lidam com problemas de mobilidade reduzida. Publicamos textos dos nossos redactores e colaboradores convidados, mas estamos abertos a publicar colaborações não solicitadas, reservando-nos, neste caso, o direito de as editar ou mesmo recusar, tendo em atenção este estatuto editorial. Obrigado por apoiar (um)a VIDA-UP. STATUTO EDITORIAL MISSÃO, VISÃO, VALORES Índice Director-geral Luís Figueiredo Trindade Director José Manuel Figueiredo Editor Rui Santos Chefe de redação Alice Lopes da Costa Revisora e redactora Luísa Ortigão Jornalista Carlos Caldeira Designer e paginadora Victória Fernandes Colaboradores Anabela C. Pinto Clarisse de Oliveira Mendes Fernando Enes Gaião João Manhita Pereira Maria do Rosário Ferin Cunha Marina Hallén de Bairros Paula Teles Propriedade Bravespiral Comunicação Unip, Lda R. Prof. Sousa da Câmara, 190, R/C D.to , 1070-219 Lisboa geral@vida-up.com Impressão: Artes Gráficas Fernandes & Terceiro, SA Periocidade: bimestral Depósito Legal: 376045/14 Tiragem: 5000 exemplares Inscrição n.º 126464 na ERC Interdita a reprodução, mesmo que parcial, de textos, fotografias ou ilustrações sob quaisquer meios ou quaisquer fins, inclusive comerciais, sem a explícita autorização da entidade editora: Revista VIDA-UP. 5 Editorial Estatuto editorial: Missão, Visão, Valores 6 Radar Notícias da actualidade 10 Enfoque Incapacidade, deficiências e factores de mobilidade 13 Ortopedia – CEO Referência nacional em qualidade 14 Caso Real Marta Rafael – Desistir, Nunca! 16 Unidade Hospitalar IDEALMED – UHC 18 Saúde Sociedade e doença crónica 20 Ciência Implante coclear promete recuperar audição total 22 Fundação – Fundação PT Inclusão digital 24 Healthcare Barra Talasso: centro de talassoterapia 26 Ajudas Técnicas Invacare: a inovação torna experiências de vida possíveis 28 Reabilitação – CMRA Entrevista com Maria de Jesus Rodrigues 30 Certificação Norma UNE 170001 32 Responsabilidade Social – Grace Como podem as empresas contribuir para a definição de políticas sociais 34 Cidades e Vilas Acessibilidade para todos 36 Associação – Associação Salvador É tempo de passar do papel ao terreno 39 Decoração Espaço acessível 40 Boas Práticas O que de bom tem sido feito 42 Factos Legais Obras de adaptação, sem autorização do senhorio? 44 Terapia Abordagem interdisciplinar vs adequada (re)integração na sociedade. 46 Protésica Iceross da Össur 48 Medicina Alternativa Osteopatia: ciência terapêutica global 50 Design Inclusivo Benefícios para todos 52 Gadgets Dar apoio aos mais idosos 54 Turismo Mundo acessível 56 Desporto Viver o desporto ao mais alto nível 58 Cultura Teatro Nacional D. Maria II 62 Internacional – Wings for Life Correr pela mais avançada tecnologia Distribuição gratuita www.vida-up.com
  4. 4. Edição N.º 1 VIDA-UP 9RADAR8 RADAR A Associação Salvador volta a lançar mais uma edição da Acção Qualidade de Vida. Com o fecho das candidaturas, no passado dia 28 de Março, esta iniciativa procura ajudar pessoas com deficiência motora e comprovada falta de recursos financeiros a desenvolverem projectos que contribuam para um estilo de vida mais activo. A Acção Qualidade de Vida é um processo de candidatura anual que já conseguiu apoiar cerca de 133 pessoas, desde 2008, num valor total de 459 mil euros. Para ser possível dar uma resposta mais justa à variedade de pedidos recebida, foram definidas três categorias, sendo que o candidato apenas se pode candidatar a uma delas: Integração profissional/formação; Prática desportiva; e Criação do próprio negócio. Este ano, será dada prioridade a candidatos com deficiência motora adquirida sem comprometimento cognitivo. Uma vez que os recursos financeiros da Associação Salvador não são suficientes para dar resposta a todos os pedidos de apoio, todos os anos ficam candidaturas por apoiar, que são depois apoiadas sequencialmente no «Preencha Esta Vida», através de uma plataforma online de angariação de fundos. A edição de 2014 da Acção Qualidade de Vida conta com o apoio do Banco Espírito Santo, da Semapa e da Fundação Calouste Gulbenkian. «Com a iniciativa Acção Qualidade de Vida 2014, queremos encontrar e apoiar casos que sejam um exemplo para outras pessoas na mesma situação, pessoas que sejam inspiradoras, empreendedoras e activas», assinala Salvador Mendes de Almeida, fundador da Associação Salvador.• NOVO SÍMBOLO adoptado em Nova Iorque reflecte uma nova atitude O conhecido símbolo internacional de acessibilidade, criado em 1969 (só mais tarde foi adicionada a cabeça), é alvo de um restyling. A iniciativa partiu de um grupo de designers americanos denominado Accessible Icon Project. Diferentemente do desenho estático e mecânico – em que a cadeira de rodas prevalecia –, o novo símbolo valoriza a pessoa (inclinada para a frente), activamente a mover a cadeira de rodas com independência, reforçando a ideia de movimento e autonomia para se posicionar no mundo. O novo ícone começou a ser usado como uma espécie de «arte de guerrilha» (selos adesivos colocados nas placas oficiais de sinalização), em Boston e no resto do país, até que chegou ao secretário municipal de Pessoas com Deficiência em Nova Iorque, que se junta à causa e decide substituir a antiga sinalética por esta nova. O novo símbolo propõe uma renovada atitude perante a deficiência, tendo despertado já o interesse de vários países. A Sonae Sierra e a Associação Alzheimer Portugal, com o apoio de diversos parceiros institucionais (Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação Montepio e Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica Portuguesa), celebram o primeiro ano de actividade do Café Memória, iniciativa lançada em Abril de 2013 e destinada a pessoas com problemas de memória ou demência, bem como aos familiares e cuidadores. O objectivo reside na partilha de experiências e no suporte mútuo, com o acompanhamento de profissionais de saúde e de acção social. Desde o seu lançamento, o Café Memória já realizou 24 sessões, nos primeiros e terceiros sábados de cada mês, nos restaurantes Portugália do Centro Colombo e do CascaiShopping, respectivamente. Mais recentemente, através da parceria com a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, foram criados dois novos Café Memória, com sessões nos segundos e quartos sábados do mês, na Cafetaria do Museu de São Roque e no Espaço Santa Casa, em Lisboa. As sessões do Café Memória têm sido procuradas enquanto locais de partilha de experiências e de apoio, por pessoas que acabam por sentir, no seu dia-a-dia, os efeitos do isolamento e do preconceito social face a estas questões. Neste primeiro ano de actividade, o projecto mobilizou cerca de 400 participações, maioritariamente de cuidadores e familiares de pessoas com demência. Contou com a coordenação de uma equipa constituída por duas técnicas e o apoio de 30 voluntários, que dedicaram perto de 700 horas ao projecto. A criação do Café Memória insere-se num projecto mais vasto, o Cuidar Melhor, para apoio aos cuidadores de pessoas com demência, lançado igualmente pela Associação Alzheimer Portugal e pelos referidos parceiros institucionais.• CAFÉ MEMÓRIA CELEBRA 1.º ANO DE ACTIVIDADE Iniciativa da Sonae Sierra e da Associação Alzheimer Portugal ASSOCIAÇÃO SALVADOR LANÇOU ACÇÃO QUALIDADE DE VIDA 2014 Shubham Banerjee, uma criança de 12 anos da Califórnia, transformou um modelo da Lego (o Minstrom EV3, de € 250) numa impressora de braille (cujos modelos convencionais rondam, no mercado, os € 1500). Shubham, que tinha o dever de preparar uma experiência para a aula de Ciências, aproveitou para provar que é possível ter uma impressora de braille a baixo custo. À invenção, Shubham deu o nome de Braigo (abreviatura de braille com Lego). A partir de peças do brinquedo Lego e em menos de dez segundos, a impressora imprime qualquer letra do alfabeto em braille. O utilizador insere as letras e a agulha da Braigo e… imprime. «Isto é tão simples, até a minha irmã consegue fazê-lo», diz Shubham no vídeo de demonstração. Em vez de comercializar a sua invenção, publicou na Internet as instruções e o software, para que qualquer pessoa possa fazer o mesmo. Na página do Facebook da Braigo (BraigoPrinter) são publicados dados de relatórios da Organização Mundial de Saúde, que estimam haver 285 milhões de deficientes visuais em todo o mundo, 90% dos quais em países em desenvolvimento. A invenção de baixo custo pode ser uma solução acessível para pessoas cegas e desfavorecidas em todo o mundo, afirma Shubham Banerjee. O grande objectivo para a próxima geração da Braigo é dispor da capacidade de fazer o scan de uma página com texto e convertê-la numa página de braille. O Grupo Lego já manifestou o seu louvor pelo projecto, twittando: «Estamos muito orgulhosos deste impressionante trabalho por uma tão grande causa!»• INVENÇÃO: IMPRESSORA COM PEÇAS DA LEGO IMPRIME EM BRAILLE Volta a oferecer uma semana de repouso aos pais com filhos com deficiência O Santuário de Fátima oferece-se para cuidar dos filhos com limitações profundas, enquanto os pais usufruem de uma semana de repouso, podendo optar por acompanhar os filhos ou deixá-los ao cuidado de uma equipa especializada, indo-os buscar no final do período de férias. Em prioridade, estão os pais que se encontrem em situações mais graves e que nunca tenham participado nestes encontros. As inscrições deverão ser remetidas ao Santuário de Fátima (Secretariado Nacional do Movimento da Mensagem de Fátima, Apartado 31, 2496-908, Fátima) ou por e-mail (mmf@fatima.pt). Os turnos são os seguintes: 30 de Julho-05 de Agosto; 08-14 de Agosto; 18-24 de Agosto; 28 de Agosto-03 de Setembro. As inscrições devem ser efectuadas até 15 de Junho.•
  5. 5. 10 RADAR O documento tripartido foi assinado pelos presidentes do Instituto Português do Desporto e Juventude, do Instituto Nacional para a Reabilitação e do Comité Paralímpico de Portugal (CPP). Os secretários de Estado do Desporto e da Juventude, Emídio Guerreiro, e da Solidariedade e Segurança Social, Agostinho Branquinho, procederam à homologação do documento. A contratualização agora formalizada visa garantir o financiamento dos praticantes integrados no programa de preparação Rio 2016, bem como as respectivas bolsas. O contrato vai ainda permitir desenvolver duas novas dimensões, até hoje nunca apoiadas, designadamente, Esperanças Paralímpicas e Apoio Complementar, as quais são legítimas aspirações do CPP e que, finalmente, serão dinamizadas. O secretário de Estado do Desporto e Juventude realçou o facto de o «movimento paralímpico ser a excepção aos cortes no sector do desporto», acrescentando ainda que há «vontade política» de reduzir as diferenças que existem para com os atletas paralímpicos, em comparação com o projecto olímpico.• Os inovadores instrumentos cirúrgicos para o tratamento da síndrome do túnel do carpo (STC), concebidos pelo cirurgião-ortopedista português Dinis Carmo, apresentados no 34.º Congresso Brasileiro de Cirurgia da Mão (Março, em Maceió), despertam o interesse de diversas entidades no Brasil (Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto e universidades federais de São Paulo e de Brasília), que pretendem adquirir o material e utilizar o método do cirurgião-ortopedista. A STC é uma patologia da mão que afecta cerca de seis milhões de pessoas no mundo, sobretudo mulheres a partir dos 35 anos. Carateriza-se por fortes dores, formigueiros e adormecimentos nocturnos no punho, mãos e dedos, decorrentes sobretudo de actividades que implicam o uso repetitivo das mãos, como é o caso dos teclados ou ratos dos computadores, sendo apelidada como uma «doença do séc. XXI». Segundo Dinis Carmo, é na adaptabilidade destes instrumentos cirúrgicos que reside o «segredo» para o grande interesse que os seus inventos suscitam no Brasil. «A utilização do conjunto de instrumentos cirúrgicos que desenvolvi permite executar incisões menores e, sobretudo, com muito mais segurança do corte a realizar para a libertação nervosa, evitando, assim, complicações inesperadas», explica. O kit de material cirúrgico concebido por Dinis Carmo está em fase de processo de patente junto da Organização Mundial de Propriedade Intelectual.• INSTRUMENTOS CIRÚRGICOS MADE IN PORTUGAL Despertam grande interesse no Brasil JOGOS PARALÍMPICOS RIO 2016: assinatura do contrato-programa PORTUGAL TELECOM (PT) A primeira no mundo a autodeclarar a Norma ISO 26000 A Portugal Telecom (PT) é a primeira empresa nacional e a primeira do sector, ao nível mundial, a autodeclarar que aplica as recomendações do referencial NP ISO 26000:2011. Esta norma internacional de Responsabilidade Social Corporativa fornece orientações sobre as políticas, os processos e os procedimentos a serem adoptados pelas empresas que pretendam assumir-se como Empresa Socialmente Responsável. Empenhada na adopção das melhores práticas e em permanecer uma referência em sustentabilidade, a PT reúne hoje condições para afirmar que adicionou estas novas linhas de orientação à sua actuação diária e aos respectivos processos de gestão, reforçando o compromisso da empresa com os princípios da responsabilidade social e garantindo a total convergência das recomendações da Norma ISO 26000 com os seus Sistemas de Gestão Integrados (Qualidade, Ambiente e Segurança), no que respeita aos temas de Governação Organizacional, Práticas Laborais e Ambiente.• PUB
  6. 6. Edição N.º 1 VIDA-UP 12 ENFOQUE 13ENFOQUE U ma das mais importantes características do ser humano é a mobilidade, em todas as suas dimensões – sociais, económicas, políticas, culturais e outras. É, pois, natural que a deficiência e a incapacidade, na medida em que interferem com esta característica, constituam um dos grandes problemas da sociedade actual. É por isso que se torna prementemente necessária uma nova atitude da sociedade, que envolva na problemática todos os actores políticos e sociais, públicos e privados, bem como a própria população com deficiência e incapacidade. Esta mudança impõe, em geral, exigências de maior acessibilidade e, especialmente, que o sistema de ensino e o mercado de trabalho garantam maior abertura àqueles com mobilidade reduzida. Historicamente, deficiência e incapacidade têm sido objecto de preconceito e discriminação, atribuindo-se quase sempre estas condições a características pessoais. Nas últimas décadas, porém, o conceito de deficiência tem-se alterado, criando-se uma relação entre deficiência e incapacidade que as define melhor. Hoje, considera-se que a incapacidade não é um atributo inerente à pessoa, mas o resultado da interacção da pessoa com o meio ambiente, no contexto de relações sociais, culturais e físicas, em que a discriminação se torna evidente pela própria envolvente. Já a deficiência, física ou outra, é uma característica pessoal e individual, surgindo aqui a discriminação num contexto de responsabilidade social. E há ainda hoje quem entenda que pessoas com deficiência e incapacidade são doentes. Se considerarmos que a deficiência não traz imprescindivelmente incapacidade, abre-se, então, um debate assente em diferentes tipos de discriminação: a discriminação entre pessoas com deficiência, atributo pessoal que se pode medir, e a discriminação por incapacidade, cuja medida é o próprio desempenho social, definido e determinado pela sociedade. Em Portugal, a noção de deficiência está mais conotada com condições orgânicas, alterações anatómicas e limitações funcionais decorrentes. Este entendimento nem sempre corresponde à realidade, pois a deficiência será mais ou menos evidente conforme a sociedade estiver organizada ou souber responder às necessidades das pessoas com deficiência. Neste sentido, mais do que uma questão pessoal, a deficiência é uma questão social. Segundo estatísticas de 2011, em Portugal, 53% da população tem algum tipo de deficiência. Destes, apenas 11% apresentam um grau de deficiência superior a 80% – e são apenas estes que têm incapacidade. Toda a restante população não possui qualquer tipo de incapacidade. Do ponto de vista ético, humano e político, estes cidadãos têm todos os mesmos direitos individuais e sociais. Porque as situações de deficiência e incapacidade são múltiplas e complexas, também a esfera de integração individual, social e política destas pessoas se reveste de complexidade e diversidade. As âncoras fundamentais da integração social para os cidadãos com deficiência não podem ser-lhes negadas, sob pena de discriminação – educação, saúde, emprego e uma vida digna são direitos que assistem a todos os cidadãos. A acessibilidade é um conceito que engloba tudo o que tem a ver com os meios necessários à vida quotidiana, para que os deficientes, tanto quanto possível, sejam autónomos: meios de transporte de fácil utilização e acesso; meios de locomoção com toda a tecnologia existente para a locomoção ser fácil, segura e rápida; meios de comunicação modernos, utilizando técnicas inclusivamente inovadoras; utensílios e aparelhos domésticos que os doentes possam utilizar sozinhos; e tantos outros sistemas de auxílio, matéria que dá para escrever livros e manuais. Todas estas medidas devem ser garantidas universalmente, mas variáveis, em função das situações muito especiais de cada caso. Cabe ao Estado promover programas e incentivar privados a proporcionar aos deficientes uma vida quotidiana mais fácil e mais móvel. É do conhecimento geral que as deficiências e as incapacidades estão associadas a um baixo nível de escolarização, o que, como resultado, leva a condicionamentos no acesso a oportunidades, na participação social e na própria existência. Se, em geral, os níveis de instrução da população são baixos, nos deficientes estes níveis ainda se agravam mais. Assim, consideramos que os níveis de escolarização são uma dimensão fundamental na vida social, constituindo um recurso essencial para a inclusão social e cultural, com claro impacto no acesso ao mercado de trabalho. Até há alguns anos, estes deficientes ficavam nas famílias, que se organizavam em associações e lhes davam apoio. Felizmente, o Estado tem vindo a tratar este tema com maior atenção, existindo já organizações controladas e apoiadas institucionalmente, que respondem às necessidades dos deficientes e incapacitados, a fim de lhes dar instrução e formação, para enfrentarem as dificuldades diárias de integração social. Uma das mais importantes características do ser humano é a mobilidade, em todas as suas dimensões – sociais, económicas, políticas, culturais... FERNANDO ENES GAIÃO Médico INCAPACIDADE, DEFICIÊNCIAS E FACTORES DE MOBILIDADE
  7. 7. Edição N.º 1 VIDA-UP 1514 ENFOQUE ORTOPEDIA A formação de educadores e professores especializados nestas áreas é uma realidade, mas ainda há muito a fazer no programa de formação e instrução. A dinâmica social e a própria evolução humana empurram para uma formação que nunca terminará, pois constantemente surgem aspectos novos, que impõem a continuação e o desenvolvimento da formação. A integração no mercado de trabalho de pessoas com incapacidade e deficiência é indispensável para a obtenção de autonomia e capacidade de decisão. Em Portugal, os incapacitados e deficientes apresentam uma taxa de desemprego de 3,6% (o indicador nacional geral de desemprego ronda os 16%), o que é muitas vezes aproveitado pelos políticos. Porém, na verdade, estes trabalhadores são tradicionalmente pior remunerados do que a média, o que por vezes conduz a uma estagnação na motivação, causando resignação e acomodamento entre a população referida. A integração no mercado de trabalho da população com deficiência deve ser um direito independente do tipo de deficiência e incapacidade, desde que esta integração seja viável. Há, naturalmente, situações em que as pessoas não têm perfil de empregabilidade – nestes casos, tem de se procurar soluções de ocupação pelo trabalho que valorizem as suas competências, dentro das suas capacidades. O Estado tem de colaborar nesta integração, bem como empregadores, associações de famílias e os próprios. Esta integração pode, ainda, constituir um factor de valorização das empresas sob o aspecto social, fazendo desenvolver na própria empresa valores sociais e humanos, que a sociedade reconhece e valoriza. Porém, se bem que pareça ser fácil a execução de programas desta natureza, eles exigem uma enorme preparação profissional. O Estado possui organizações que apoiam fortemente estes programas, orientados para aplanar desigualdades e discriminações. Um outro aspecto da problemática da população com incapacidade e deficiência é o problema da solidariedade. Esta é uma prática que, embora em grau diferenciado, se verifica em todas as estruturas sociais e tem como finalidade apoiar grupos mais fragilizados. Nas sociedades contemporâneas, ela detém um muito importante papel de função agregadora, solucionando muitos problemas. Há inúmeras associações que se ocupam das pessoas deficientes e há enormes melhorias neste sector. São, no entanto, as famílias as grandes obreiras na inserção das pessoas com dificuldades, pelo que têm o direito de ser apoiadas com todos os meios disponíveis, que lhes permitam pôr em prática o que humanamente desejam. Este trabalho, embora possa e deva ser controlado pelo Estado, tem como principal base de êxito uma necessária mudança cultural. A problemática da deficiência merece, em Portugal, uma posição central, não só pela evidente discriminação que sofrem as pessoas com deficiência, mas também pelo carácter particular do problema da «família providência», que, na sua autopreservação, sofre, portas adentro, diversos dramas, envolvendo o elemento que tem menos oportunidades de integração. A Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência diz que, perante a Lei, elas têm igual reconhecimento. Em Portugal, este princípio ainda não está na Lei nem na mentalidade cultural, social e política, pois poucas destas pessoas se encontram efectivamente integradas nas várias dimensões da vida social. Só quando se accionarem todos os recursos da sociedade, quando o Estado e todos os agentes sociais participarem fortemente na promoção da igualdade de oportunidades, se poderá melhorar a integração desta população. O Estado e as instituições sociais têm de ser mais responsabilizados, devendo alargar a sua acção e competências, reforçando os meios de intervenção. Legislar não resolve, só por si, os muitos problemas que se colocam à plena integração da população de deficientes e incapacitados.• O Centro Europeu de Ortopedia (CEO) apresenta-se como uma das maiores referências no fabrico de próteses e ortóteses em Portugal. Esta equipa alia experiência, inovação e sentido de responsabilidade, adaptando-se às constantes necessidades dos seus clientes, que constituem o seu principal foco. Com este objectivo, o CEO aposta numa política de Qualidade, visando sempre satisfazer e superar as necessidades dos clientes. O CEO é hoje, ao nível nacional, a única empresa certificada no seu ramo com o ISO 9001:2008. O CEO tem-se distinguido ainda na sua vertente humana e relacional, na forma como recebe os seus clientes, considerando-os sempre como parte da família, como amigos, pessoas reais com necessidades especiais e diferentes entre si. A produção é desenvolvida nas oficinas da empresa, sob a direcção técnica de Gustavo de Melo Menezes e Vasconcelos, um dos técnicos mais experientes e credenciados do sector. Conta com uma experiência de mais de 40 anos, entre formações, actividade e relação com as principais marcas mundiais, contribuindo desde muito cedo para o desenvolvimento da indústria ortopédica em Portugal. A direcção técnica do CEO está, assim, intimamente ligada ao prestígio e ao sucesso alcançados. O CEO orgulha-se ainda de fazer parte de um protocolo com as universidades do Algarve e de Lisboa, integrando um programa de estágios curriculares com rotação a cada seis meses.• CEO CENTRO EUROPEU DE ORTOPEDIA Referência nacional em qualidade, relacionamento e tecnologia
  8. 8. Edição N.º 1 VIDA-UP 17CASO REAL16 CASO REAL O acidente de 1996 não a impediu de concretizar as suas ambições profissionais, nomeadamente, ser professora de Educação Física. Quais os maiores desafios que enfrentou para conseguir exercer esta profissão? O maior desafio de todos foi, sem dúvida, o preconceito, aquela questão que muitos colocavam e ainda colocam: «Como é que alguém em cadeira de rodas pode dar aulas de Educação Física?» Por parte dos alunos, nunca senti qualquer tipo de rejeição ou de questionamento das minhas capacidades para orientá-los – muito pelo contrário, são sempre muito colaborantes. Quais foram as etapas biográficas mais importantes e que impacto tiveram na sua vida actual? A educação e o exemplo dados pela minha família foram-me moldando e formando pilares, ensinando-me a nunca desistir. Vir de uma família ligada ao desporto de alta competição e ter praticado desporto desde a infância deu-me um espírito combativo, incutiu-me disciplina, a vontade de dar sempre o meu melhor e superar-me. Sem dúvida que o acidente foi a etapa que mais impacto teve, porque mudou por completo toda a minha vida. De um momento para o outro, todos os objectivos e sonhos desapareceram, ainda que, com o tempo, tenham vindo a ser ajustados à realidade. Antes do acidente, o que mais gostava de fazer? Antes do acidente era extremamente independente e andava sempre a 200 à hora, bastante ocupada, com tudo planeado ao minuto. O que mais gostava de fazer era surf, mas tudo o que envolvesse desporto e emoções fortes era do meu agrado. Tenho principalmente saudades da minha independência e privacidade. Tento fazer as coisas de que mais gostava antigamente, adaptadas à minha situação. Entretanto, descobri outras que me dão o mesmo prazer e acabaram por substituir as antigas, como a queda livre. Tenho de agradecer pelo apoio que me dão, sobretudo a minha mãe, que está disponível para mim a qualquer momento. Quando acordou no hospital, após o seu acidente na praia da Barra, em Aveiro, e se DESISTIR, NUNCA! A ex-atleta de competição Marta Rafael sofreu, num campeonato de surf em 1996, um traumatismo cervical que a deixou tetraplégica. Partilha aqui a sua experiência de vida, revelando que o mais importante para ultrapassar desafios e preconceitos é ter um espírito combativo e nunca desistir. apercebeu de que havia sofrido um traumatismo cervical, quais foram os seus primeiros pensamentos? Logo após o impacto, fiquei sem qualquer movimento do pescoço para baixo, mas estive sempre consciente. Quando me socorreram, disse logo que não me conseguia mexer nem sentia o corpo do pescoço para baixo. Enquanto esperava pela ambulância, desconfiava de que tinha feito um traumatismo vertebro-medular, porque tinha terminado o 1.º ano do curso de Educação Física, na FCDEF, actual FADEUP, e uma das cadeiras concluídas era Anatomia. Mesmo depois de os médicos fazerem um diagnóstico, achava que, com algum tempo e fisioterapia, tudo voltaria ao normal, porque se pensa que «isto» só acontece aos outros. Nos primeiros meses, fui registando sempre melhorias e recuperei a sensibilidade em todo o corpo, o que me deu ainda mais esperança, mas, após seis meses, comecei a «cair na real» e fui-me muito abaixo, ficando deprimida, sem vontade para nada. Com a ida para Cuba, e com o facto de me afastar de Portugal, onde estava farta de que falassem de mim, fui, aos poucos, recuperando o ânimo e a força de vontade, porque ia vendo a minha evolução física, o que ajudava psicologicamente. Quando regressei, vi a vida de uma forma completamente diferente, achei que tudo era possível. De que forma o tratamento em Cuba se distinguiu do que fazia aqui? A minha ida para Cuba foi decidida com a família. Um tio meu era professor na FCDEF e, num congresso no Brasil, teve conhecimento da clínica CIREN e do trabalho lá realizado. Enviámos toda a documentação para lá e, depois da resposta, fui fazer uma semana de exames. No final, deram-me o prognóstico. Acabei por ficar um ano. Fazia fisioterapia sete horas e meia por dia, durante a semana, e três horas ao sábado, com um fisioterapeuta só para mim. A cada 30 dias era reavaliada. Ao fim de um ano, disseram que era melhor voltar, porque estava com um esgotamento muscular e dificilmente recuperaria mais. Em Cuba, cada caso era um caso. Por vezes, em Portugal, tem-se a tendência de rotular as pessoas mediante a lesão, e os exercícios realizados são estandardizados, sem ir ao encontro das capacidades de cada um. Neste processo, quais os factores que mais a têm ajudado? Neste momento, o meu processo já não é de recuperação, mas sim de manutenção e reforço. Tento manter-me optimista, faço um esforço para ver sempre o lado positivo e aceitar-me como sou. Claro que o acompanhamento médico e a fisioterapia também ajudam. E é muito importante saber aceitar a ajuda que nos dão. Há alguma mensagem que queira deixar aos médicos ou entidades oficiais do nosso país? Neste momento de crise, a tendência é olhar mais aos números e menos às pessoas. Tenho conhecimento de quem deixou a fisioterapia porque deixou de ter direito ao transporte e não tem dinheiro para o pagar. A saúde devia ser uma das áreas prioritárias, porque, se se prevenir, economiza-se mais do que quando é necessária uma intervenção em fase aguda. Mas os ministros e assessores não têm contacto com a realidade, apenas com números. Gostava de que quem está no Governo e na Assembleia passasse um mês na pele de quem necessita de algum tipo de tratamento e, por causa dos números, o visse cortado – talvez aí houvesse alguma mudança. Tendo em conta a motivação e a experiência que tem tido para ultrapassar desafios, que mensagem gostaria de partilhar com os nossos leitores? O mais importante é não desistir e lutar sempre – em todos os aspectos da vida. Tentar ser optimista e ver sempre o lado positivo. Se nos acomodamos, habituamo-nos ao que temos e podemos deixar de ter motivos para tentar alcançar algo mais.• Vir de uma família ligada ao desporto de alta competição e ter praticado desporto desde a infância deu-me um espírito combativo, incutiu-me disciplina, a vontade de dar sempre o meu melhor e superar-me. Sagrou-se campeã nacional de Esperanças em 1995. Em pleno auge desportivo, faltava um minuto para o final do heat das meias-finais, na etapa aveirense do Nacional de Surf Esperanças de 1996, quando, ao sair da prancha, Marta Rafael bateu com violência num banco de areia, ficando tetraplégica. A sua experiência em Cuba deu-lhe maior alento e visão e, ao chegar a Portugal, terminou o seu curso de Educação Física, no Porto, onde reside. Hoje, aos 36 anos, o gosto pelas emoções mantém-se. ENTREVISTA | MARTA RAFAEL Por Luísa Ortigão
  9. 9. Edição N.º 1 VIDA-UP 19UNIDADE HOSPITALAR Permanente (24 horas por dia/7 dias por semana). Segundo José Alexandre Cunha, «apostamos em recursos humanos altamente qualificados, pois pretendemos ser reconhecidos não apenas pelos elevados padrões técnicos e profissionais, mas, sobretudo, pelo retorno da população que nos visita, pelo reconhecimento dos doentes que aqui procuram resposta aos seus problemas e também pela confiança de quem referencia os seus doentes». Num modelo inovador e dinâmico, a IDEALMED agrega valências clínicas e profissionais de referência da região, que, pela sua experiência e know-how reconhecido e comprovado, se associaram a um projecto de saúde altamente diferenciado, com o objectivo de criar um cluster de excelência no sector da Saúde. A estrutura hospitalar aposta na diferenciação e elevação da qualidade dos serviços prestados, mas garante um acesso fácil e transversal a toda a população, através dos acordos existentes, não apenas globalmente, enquanto unidade hospitalar, como também nas diversas estruturas autónomas que integram a IDEALMED. Em múltiplas áreas, esses acordos incluem, nomeadamente, a ADSE, as entidades seguradoras, os subsistemas de saúde e o Serviço Nacional de Saúde. Por outro lado, a IDEALMED desenvolveu o seu próprio sistema de acesso da população à estrutura, a baixo custo e de grande comodidade, através dos planos de saúde IDEALCARE. INVESTIMENTO DE 50 MILHÕES DE EUROS A IDEALMED tem-se afirmado como um projecto de excelência em Coimbra e em toda a região Centro. Por mês, a Unidade Hospitalar de Coimbra realiza cerca de 18 mil consultas de especialidades e mais de 500 cirurgias, um número que irá aumentar a partir de agora, com a integração da IDEALMED no Sistema Integrado de Gestão de Inscritos para Cirurgia (SIGIC). A IDEALMED apresenta-se como uma resposta integrada e abrangente no sector da Saúde, sendo já considerada um caso de sucesso. «Este projecto representa um investimento de cerca de 50 milhões de euros, tendo sido construído sem qualquer apoio público», afirma José Alexandre Cunha. UNIDADE CINCO ESTRELAS A IDEALMED-Unidade Hospitalar de Coimbra viu ainda os seus serviços serem reconhecidos pela Entidade Reguladora da Saúde (ERS), ao serem-lhe atribuídas Estrelas em todas as dimensões avaliadas: • Excelência Clínica • Segurança do Doente • Adequação e Conforto das Instalações • Focalização no Utente • Satisfação do Utente O reconhecimento alcançado logo no primeiro ano de actividade motivou a IDEALMED a procurar melhorar os vectores essenciais da sua actividade, continuando a elevar a diferenciação qualitativa das suas instalações, equipamentos e recursos humanos, por forma a garantir a confiança de todos os que escolhem os seus serviços. «Assumimos os valores que, desde o primeiro dia, nos nortearam. A Humildade e o Humanismo, bem como a Dedicação e a Lealdade, são, e serão sempre, pilares da nossa postura e os verdadeiros garantes do nosso sucesso futuro», refere o administrador do Grupo IDEALMED.• A IDEALMED-Unidade Hospitalar de Coimbra, o maior hospital privado da região Centro, afirmou-se, em apenas dois anos (abriu ao público a 16 de Maio de 2012), como um pólo de excelência da Saúde. Da variedade da oferta disponibilizada à formação especializada, a elevada qualidade dos serviços prestados é também já reconhecida além-fronteiras. Mais de 40 valências clínicas funcionam de forma integrada nos 35 000 m2 ocupados pela IDEALMED-UHC. Ali se agregam todas as especialidades médicas e cirúrgicas, organizadas em grupos de elevada competência. José Alexandre Cunha, CEO da IDEALMED, identifica as prioridades do Grupo: «Qualidade nos cuidados prestados, na relação humana com quem nos procura, na organização dos diferentes serviços, na inovação e na diferenciação tecnológica.» Os números são reveladores: a IDEALMED garante mais de 400 postos de trabalho, mais de meia centena de camas, cinco blocos operatórios e 124 gabinetes médicos, dando expressão a um projecto de saúde singular. OFERTA ESPECIALIZADA No que respeita à oferta diferenciada de especialidades, a IDEALMED-UHC tem ao dispor dos utentes um Centro de Diabetes, uma Clínica do Sono, um Centro de Dermoestética, um Centro de Oncologia Médica, um Centro de Medicina de Reprodução e a única maternidade privada da zona Centro, a Maternidade IDEALMED. Possui, ainda, uma Unidade de Oftalmologia, com equipamentos únicos no país, e uma Unidade de Imagiologia (Imacentro), que constitui uma referência nacional e internacional, com meios complementares de diagnóstico laboratoriais e de imagem de última geração. A Unidade da Coluna e a Unidade do Joelho e Cirurgia Reconstrutiva atraem também utentes de todo o país. Brevemente, a IDEALMED disporá de um Centro de Peritagens Médico-Legais e Forenses, com características únicas em Portugal. A Unidade Hospitalar dispõe ainda de um Atendimento Médico A QUALIDADE NA DIFERENCIAÇÃO PROJECTOS INTERNACIONAIS Desde 2013 que a Unidade Hospitalar de Coimbra é procurada por utentes dos países de língua oficial portuguesa (PALOP), Europa Ocidental e Central. Medicina de reprodução, cirurgia estética e plástica e exames de imagem (imagiologia) são as áreas mais requeridas. Para José Alexandre Cunha, «todo este reconhecimento externo está intimamente ligado ao facto de Coimbra ser identificada como um pólo de excelência internacional na prestação de serviços de saúde. A competência da medicina portuguesa e da organização da IDEALMED trouxe-nos convites de distintos países: africanos, asiáticos e do Médio Oriente». A aposta é em equipamentos de grande sofisticação e em soluções mais evoluídas. Até ao final de 2014, a IDEALMED, com serviços em todas as áreas de diagnóstico e terapêutica, continuará os projectos de parceria com entidades em Xangai e Macau, a que se juntará a IDEALMED-Unidade Hospitalar de Cabo Verde. A IDEALMED dispõe ainda das seguintes unidades, localizadas na região Centro: • IDEALMED Clínica Solum (Coimbra) • IDEALMED Clínica Pombal • IDEALMED Ponte Galante (Fig. da Foz) • IDEALMED Clínica Cantanhede • IDEALMED Sangalhos (Anadia) IDEALMED-Unidade Hospitalar de Coimbra em números: 40 especialidades clínicas 52 camas de internamento 22 camas destinadas a acompanhantes 2 camas pediátricas 11 berços destinados à maternidade e cuidados neonatais 5 blocos operatórios 26 salas de espera 124 gabinetes médicos José Alexandre Cunha CEO da IDEALMED
  10. 10. Edição N.º 1 VIDA-UP 2121SAÚDE20 SAÚDE A OMS reconhece ainda que os argumentos económicos são cada vez mais críticos, pois apontam para um peso dos cuidados com as doenças crónicas, nos próximos 20 anos, de cerca de 50% do PIB global, conduzindo para níveis de pobreza milhões e milhões de pessoas. Por outro lado, a conhecida relação entre o envelhecimento das populações, a morbilidade e a prevalência da doença crónica, com os custos do cuidar, marca definitivamente um ponto de viragem, com o estabelecimento de uma Agenda com a máxima prioridade nesta década, envolvendo os sectores público e privado, bem como a sociedade em geral, na prevenção e controlo da doença crónica. Mais do que fixar-se numa única intervenção, a gestão da doença crónica é uma forma de coordenar os cuidados e de assegurar que os doentes tenham o apoio de que necessitam, em tempo oportuno. A evidência sugere que, em oposição às intervenções isoladas e descoordenadas, os cuidados planeados, proactivos e coordenados a todos os níveis podem conduzir a uma melhor qualidade de vida, à redução de cuidados supérfluos e a melhores resultados de saúde para as pessoas com doença crónica. Só uma abordagem abrangente e trans-sectorial pode reunir todos os factores críticos de sucesso, sendo essenciais os seguintes componentes: utilização de sistemas de informação para acesso a dados-chave dos indivíduos e populações com a doença (identificação, diagnóstico, localização e distribuição geográfica); estratificação da doença por categorias de risco; utilização de equipas multidisciplinares (especialistas em medicina e em cuidados de saúde primários, além de outros profissionais); provisão de cuidados em contexto menos intensivo e de maior proximidade (cuidados intermédios e apoio domiciliário); e envolvimento dos doentes nos seus próprios cuidados. Uma eficiente gestão da doença permite reduzir os custos de uma utilização intensiva dos serviços de saúde e está no topo das prioridades do modelo preconizado pela Sociedade Portuguesa de Medicina Interna, pois é consistente a evidência de que tais sobrecustos não se traduzem num acréscimo de qualidade assistencial. Deste complexo dispositivo de intervenções, pode sobressair a ideia de uma iniciativa complexa de custos elevados. No entanto, as estratégias de proximidade de cuidados, recorrendo a sistemas informatizados de telemedicina, têm, inclusive em Portugal, a demonstração de uma redução de custos significativa e substancial para o SNS. Esperemos todos contribuir para este grande desafio!• * Afiliação: Clínica Universitária de MFR, Instituto de Medicina Molecular, Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa. N o início de uma nova publicação de cariz científico, no essencial dirigida aos muitos portugueses portadores de limitações funcionais com impacto na sua qualidade de vida, é uma honra e é com muito prazer que dirijo aos leitores a promessa de uma correspondência assídua, dando conta dos principais problemas e das potenciais soluções que, no nosso país, têm sido desenvolvidas, ampliadas e dirigidas à compensação da mobilidade condicionada, procurando, por todos os meios, a autonomia e a integração social, familiar e profissional. Neste percurso, o foco será a doença crónica, que representa uma clara ameaça tanto para as políticas de saúde como para o crescimento económico, sendo responsável por 63% das causas de mortalidade nos países desenvolvidos e por 80% nos países de menor desenvolvimento económico. Cerca de metade destas mortes ocorre em anos de vida produtiva, com os consequentes efeitos indesejáveis na produtividade global. Uma eficiente gestão da doença permite reduzir os custos de uma utilização intensiva dos serviços de saúde... SOCIEDADE E DOENÇA CRÓNICA A gestão da doença crónica é uma forma de coordenar os cuidados e de assegurar que os doentes tenham o apoio de que necessitam, em tempo oportuno. ANABELA C. PINTO Médica, PhD* Edição N.º 1 VIDA-UP
  11. 11. 22 CIÊNCIA Até hoje, o implante coclear tem sido o recurso mais avançado para o tratamento da surdez profunda bilateral em crianças e adultos – utilizado por mais de 300 mil pessoas no mundo. Contudo, a captação de sons mais subtis ainda é uma lacuna a ser preenchida por estes implantes. Os dispositivos são implantados em pacientes com perda total ou da maioria das células ciliadas do ouvido, as que detectam as ondas sonoras através de vibrações mecânicas e as convertem em sinais eléctricos, captados pelos neurónios do nervo auditivo e enviadas para o cérebro. Os sons recuperados por meio destes aparelhos cocleares tradicionais são «electrónicos». Apesar de a corrente de implante coclear ser um dispositivo biónico sofisticado, utiliza apenas 22 eléctrodos de platina para estimular o nervo auditivo e, por conseguinte, conseguir transferir informação de som para o cérebro. Estes dispositivos fazem uma enorme diferença às pessoas que os possuem, mas restauram apenas uma fracção da audição normal. A terapia genética tem-se mostrado promissora no combate à perda de células na cóclea, contudo, uma das dificuldades em utilizar a técnica é a de conseguir estimular os nervos auditivos na cóclea, a parte auditiva do ouvido interno. Recentemente, um grupo de investigadores da Universidade de New South Wales, em Sydney (Austrália), revelou uma nova forma de restaurar a audição perdida: um implante coclear que ajuda a regenerar o nervo auditivo por meio da terapia genética. Para testar a técnica, os cientistas criaram um aparelho coclear que contém uma pequena sonda com uma solução de DNA composta pelo factor neurotrófico (BDNF) − proteína usada para a regeneração de células humanas. Por meio de correntes eléctricas emitidas pelo aparelho, implantado em ratos modificados para ficarem surdos, foi possível estimular os nervos auditivos dos animais. A união da solução e dos impulsos eléctricos possibilitou a regeneração do sentido nestas cobaias. «A transferência do factor de crescimento do nervo estimula o crescimento de fibras nervosas a partir das células que residem na cóclea, aumentando muito a eficácia do ouvido biónico», explica Mathias Klugmann, investigador do Departamento de Fisiologia da Universidade de New South Wales e um dos autores do trabalho, publicado na edição de Maio (2014) da revista americana Science Translational Medicine. Portanto, o grande avanço desta terapia reside no sucesso do uso do próprio implante coclear como um dispositivo para estimular a terapia genética de forma mais eficiente para a cóclea. A percepção auditiva conquistada pelos aparelhos cocleares actuais não consegue recuperar o som de forma completa, mas esta terapia australiana, caso o desempenho se verifique também em humanos, poderá alcançar esse efeito. A técnica proposta pelos cientistas australianos também traz esperanças para o tratamento de um leque amplo de doenças, já que a solução de BNDF, combinada com outras tecnologias, poderá regenerar células de partes distintas do corpo humano. «Essa tecnologia pode proporcionar tratamentos que melhoram outras aplicações médicas, como implantes de retina (visão biónica) e a estimulação profunda do cérebro, usada para tratar a doença de Parkinson», indica Klugmann. Um dos próximos passos da equipa australiana será o de compreender detalhadamente o modo como se dá a regeneração dos nervos auditivos, a fim de aperfeiçoar a sua técnica de reconstituição.• IMPLANTE COCLEAR COM SOLUÇÃO DE DNA PROMETE RECUPERAR AUDIÇÃO TOTAL Por Alice Lopes da Costa
  12. 12. Edição N.º 1 VIDA-UP 2524 A Fundação PT acredita que, através da promoção das tecnologias, aliadas à inovação, é possível melhorar a qualidade de vida das pessoas e das comunidades onde actua e contribuir para o desenvolvimento sustentável. Esta é uma fundação privada que concentra e concretiza o investimento e os compromissos de responsabilidade social da Portugal Telecom. Promove e desenvolve projectos e iniciativas de cariz tecnológico, com forte impacto social nas áreas da saúde, educação, acessibilidade e inclusão digital e voluntariado, trabalhando num ecossistema de parcerias para a construção de soluções inovadoras e adaptadas às necessidades sociais específicas, junto de universidades, centros de investigação, organizações não governamentais, instituições particulares de solidariedade social, fornecedores, empresas e outras entidades. Na área das acessibilidade e inclusão digital, a Fundação PT conta com uma vasta experiência, desenvolvida ao longo de mais de duas décadas, oferecendo soluções tecnológicas para acesso a serviços de telecomunicações e de comunicação aumentativa para pessoas com incapacidades. Este portfólio distintivo e único é reconhecido pelas comunidades ao nível nacional e internacional. A estratégia de desenvolvimento da Fundação PT assenta na inovação, na selecção dos parceiros mais adequados e, sobretudo, no trabalho de proximidade com os utilizadores finais, o que permite oferecer soluções especzíficas e adaptadas às suas necessidades. Estas soluções melhoram a qualidade de vida e o bem-estar dos seus utilizadores, possibilitando a sua inclusão social, académica e profissional. Entre as soluções disponíveis na área da acessibilidade, destacam-se: • PT Magic Eye, uma solução tecnológica inovadora para acesso ao computador; • Academia de Língua Gestual Portuguesa, uma academia online bilingue – em português e língua gestual portuguesa (LGP) – que, com base em pequenos vídeos, ensina o conceito e o respectivo gesto. FUNDAÇÃOFUNDAÇÃO PT MAGIC EYE Trata-se de uma solução especial PT que permite controlar um computador a partir da detecção do movimento dos olhos. Destina-se a pessoas que estão impossibilitadas de utilizar o teclado ou o rato. Através de uma câmara de vídeo de alto desempenho, é possível analisar o movimento dos olhos e, assim, deslocar e controlar o rato em todas as suas funções. Além do controlo do computador, esta solução pode incluir interfaces que permitem o controlo ambiental, como a iluminação ou a temperatura. Este equipamento melhora a comunicação e a autonomia, reforçando a qualidade de vida e o bem-estar dos seus utilizadores. O Magic Eye foi concebido através de uma parceria com o Instituto Politécnico da Guarda, tendo sido desenvolvido e testado junto de diversas entidades que trabalham na área da deficiência. ACADEMIA DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA A Academia LGP é uma academia online bilingue (em língua gestual portuguesa e português), disponibilizada em Sapo Vídeos – www.sapo.videos.pt/ academialgp. A partir de pequenos vídeos online, esta academia bilingue ensina a definição de diversos conceitos disciplinares do currículo escolar e introduz o respectivo gesto. De fácil navegação e organizada por disciplina e ano de escolaridade, a Academia LGP conta já com mais de cem vídeos online gratuitos, nas áreas da Matemática, Físico-Química e História e Geografia de Portugal. Até ao final de 2014, ficarão disponíveis cerca de 700 vídeos alusivos a estas disciplinas e, ainda, a Educação Visual e Tecnológica. Está previsto o alargamento a todas as áreas curriculares escolares. Os conteúdos estão dirigidos aos alunos e professores, surdos e ouvintes, do 2.º e 3.º ciclos do ensino básico. Pela primeira vez, a comunidade surda tem à sua disposição um repositório alargado de conteúdos pedagógicos e educativos, desenvolvidos em directa ligação com os currículos escolares. Contribui-se, assim, para um verdadeiro acesso dos surdos ao currículo escolar nacional, através da sua primeira língua e estabelecendo sempre a ponte com o português escrito e falado. A universalidade e o carácter bilingue desta academia permitem uma aproximação efectiva entre a comunidade surda e a não surda, favorecendo um melhor conhecimento da língua gestual portuguesa. A Academia LGP possibilita também a difusão de novos gestos (neologismos), propostos para os conceitos escolares apresentados, e contribui para a manutenção da LGP como uma língua viva, em desenvolvimento e com importância crescente nas comunidades de expressão portuguesa. Este trabalho de desenvolvimento da língua resulta de um esforço conjunto de diversas entidades, nomeadamente o Centro de Educação e Desenvolvimento Jacob Rodrigues Pereira, a Associação Portuguesa de Surdos e a Federação Portuguesa das Associações de Surdos. O lançamento da Academia LGP resultou do trabalho conjunto e da parceria entre a Fundação PT e o Centro de Educação e Desenvolvimento Jacob Rodrigues Pereira. O compromisso com a acessibilidade, com a inclusão digital e com a educação, bem como a experiência e o know-how junto da comunidade surda, foram factores críticos para o sucesso deste projecto, traduzido na criação de uma solução adaptada e ajustada às necessidades.• INCLUSÃO DIGITAL SOLUÇÕES ESPECIAIS PT Um mundo em que todos, independentemente das suas limitações, possam aceder e beneficiar da sociedade de informação e conhecimento. Esta é a visão da Fundação PT para a área da acessibilidade e inclusão digital.
  13. 13. 26 HEALTH CARE turismo para TODOSwww.accessibleportugal.com Barra Talasso – Centro de Talassoterapia da Nazaré é um equipamento com uma forte componente terapêutica, baseada na utilização da água do mar como elemento de alto valor medicinal, aliada à vertente de bem-estar e combate ao stress. Está em funcionamento desde Janeiro de 2013. Localizado na Marginal da Nazaré, mesmo na praia, Barra Talasso é um espaço totalmente dedicado à promoção da saúde e do bem-estar físico e mental. Os princípios activos da água do mar e dos elementos de base marinha (algas, argilas, ar marítimo e sol), conjugados com sofisticadas técnicas de tratamento corporal, executadas por pessoal qualificado, sob vigilância médica, estão na base de uma vasta oferta de serviços de talassoterapia, com fim preventivo e curativo. A água do mar contém sais minerais e elementos químicos essenciais para os seres vivos, e o seu uso num ambiente controlado permite retirar benefícios físicos para inúmeras patologias. As propriedades do meio marinho catalisam princípios activos de remineralização, desintoxicação, hidratação, oxigenação e tonificação muscular, além de proporcionarem uma sensação generalizada de bem-estar. As técnicas de talassoterapia são particularmente indicadas para o tratamento das seguintes patologias: reumatismo e sistema osteoarticular, afecções das vias respiratórias superiores, doenças dermatológicas, doenças neurológicas, sistema circulatório venoso e linfático, stress, ansiedade e distúrbios do sono. A talassoterapia é ainda muito eficaz no combate à obesidade e na recuperação física pós-traumática. RECUPERAR OS BANHOS QUENTES SALGADOS Barra Talasso é um investimento de um grupo hoteleiro local, o Grupo Miramar, que pretende recuperar a tradição dos antigos banhos quentes, que, durante décadas, atraíram milhares de turistas à praia da Nazaré, em busca de alívio para o reumatismo através de tratamentos com água do mar aquecida. O Centro de Talassoterapia da Nazaré é composto por uma zona colectiva de piscina e duches, com água do mar aquecida a temperaturas entre os 32 ºC e os 36 ºC, uma zona para administração individual de técnicas de hidroterapia e por uma área seca, composta por gabinetes dedicados a tratamentos corporais e faciais. O complexo disponibiliza ainda gabinete médico, onde se efectuam as consultas de prescrição e acompanhamento das curas de talassoterapia. No que respeita à arquitectura, o edifício carateriza-se pela simplicidade das linhas direitas e inspira-se na cultura marítima nazarena, destacando-se os elementos decorativos dos alçados, que remetem para as linhas das proas dos barcos de pesca artesanal e para as ondas do mar. No interior, a principal preocupação prende-se com o aproveitamento da localização privilegiada, em pleno areal da praia, de modo a que os clientes possam usufruir da deslumbrante vista sobre o mar, desde a zona de acolhimento, na recepção, até aos gabinetes individuais de hidroterapia, sem esquecer a grande piscina dinâmica de água oceânica.• CENTRO DE TALASSOTERAPIA DA NAZARÉ A SAÚDE QUE VEM DO MAR Usada desde tempos imemoriais para combater diversos males, a talassoterapia é um método natural de prevenção e de tratamento das chamadas «doenças da civilização»: stress, ansiedade, fadiga extrema, dores crónicas e obesidade. É ainda muito eficaz na diminuição dos sintomas associados ao reumatismo e às doenças osteoarticulares, entre outras.
  14. 14. Edição N.º 1 VIDA-UP 2928 AJUDAS TÉCNICASAJUDAS TÉCNICAS Desenvolver produtos inovadores, que possam ir ao encontro das necessidades ainda não satisfeitas, é um dos lemas centrais da Invacare. Neste âmbito, a investigação e recolha de informações junto dos utilizadores de produtos de apoio, dos profissionais de saúde e dos revendedores é crucial para a concepção de novos produtos. O ano de 2013 e o início de 2014 trouxeram várias novidades, entre as quais destacamos a tecnologia Invacare® iPortal™ Liberty e a cadeira de rodas eléctrica Invacare®Fox – inovadoras e tecnologicamente revolucionárias. TECNOLOGIA INVACARE® IPORTAL™ A tecnologia iPortal Liberty, considerada um acessório para cadeiras de rodas eléctricas, permite ao utilizador aceder e controlar dispositivos iOS, smartphones, tablets Android e computadores pessoais, através do interface de controlo da sua cadeira (joystick convencional, comando de cabeça, comando mentoniano...). Num mundo cada vez mais dependente das novas tecnologias, onde o desejo de as pessoas estarem conectadas em rede é premente e o acesso à informação crucial para estar integrado, a tecnologia iPortal Liberty surge como a última inovação que está a mudar a vida de pessoas em todo o Globo. Esta tecnologia é particularmente importante para utilizadores em cadeiras de rodas eléctricas com limitada função manual, que não conseguem operar dispositivos multi-touch. Com o iPortal Liberty, os utilizadores com inexistente ou limitada função da mão e membro superior poderão aceder, por exemplo, a um iPhone através do joystick da cadeira (sem recurso ao interface multi-touch do dispositivo iOS) para efetuarem chamadas telefónicas, navegar na Web ou no Facebook, ouvir música, fazer vídeos e tirar fotografias, ler ebooks, escrever mensagens de texto e e-mails e usar aplicativos. O acesso à App Store torna-se também uma janela de oportunidades para lazer, educação e trabalho. Podemos, assim, constatar que o poder de integração do iPortal Liberty é imenso e se traduz no seguinte: • Acesso a um dispositivo de comunicação universal (iPhone, iPad, smartphone, tablet) e não a um produto de apoio desenvolvido de forma adaptada para pessoas com deficiência; • Maior número de oportunidades para estar conectado com familiares e amigos, fortalecendo os laços com os mesmos (acesso a redes como Facebook, Twitter); • Possibilidade de aceder às lojas online, para efectuar compras de forma simples, rápida e eficaz, sem necessidade de sair de casa; • Oportunidades ao nível educacional e laboral. O acesso e controlo de novas tecnologias é crucial para acompanhar e desenvolver as aprendizagens escolares e potenciar propostas de trabalho; • Auxiliar pessoas com dificuldades de comunicação (incapacidade de expressão verbal), que necessitam de recorrer a Sistemas Aumentativos e Alternativos de Comunicação (SAAC), sendo a Grid um exemplo prático. • Controlo ambiental, possível através de aplicativos que podemos descarregar através da Web ou, em casos mais complexos, controlo através de sistemas de domótica. Conforme se pode comprovar, o potencial de funcionalidade e autonomia do utilizador é amplamente incrementado através do iPortal Liberty. CADEIRA DE RODAS ELÉCTRICA INVACARE®FOX Sob o mote «Construindo flexibilidade através da inovação», é apresentada a cadeira de rodas eléctrica Invacare Fox. Flexibilidade na quantidade de ajustes – posicionando confortavelmente o seu utilizador – e na facilidade em desmontar e transportar a Fox na mala do automóvel, assim como na forma como o eixo dianteiro pendular se adapta a terrenos irregulares, para manter as quatro rodas em contacto com o chão. Inovação pelo seu sistema de encarte completamente distinto de uma cruzeta convencional e que se caracteriza por ter mais pontos de ligação, incrementando a resistência e durabilidade da cadeira. Inovação, ainda, pela facilidade com que a cadeira se transforma num trolley para ser facilmente transportada e arrumada. Inovação por toda a «flexibilidade» demonstrada! A Fox é uma cadeira de rodas eléctrica de entrada de gama, completamente revolucionária e desenhada para maximizar a independência dos seus utilizadores!• A INOVAÇÃO TORNA EXPERIÊNCIAS DE VIDA POSSÍVEIS Dedicada ao consumidor e à inovação, a Invacare apresenta, para 2014, duas revolucionárias novidades que irão mudar a sua vida – a tecnologia Invacare® iPortal™ Liberty e a cadeira de rodas eléctrica Invacare®Fox. Invacare Corporation é um grupo multinacional, com sede em Ohio, Estados Unidos da América, líder mundial na produção e distribuição de produtos inovadores de cuidados médicos – promovendo a recuperação de estilos de vida activos –, sendo a maior empresa do ramo ao nível internacional. A Invacare emprega cerca de 5400 colaboradores e comercializa os seus produtos em 80 países. A visão da Invacare é desenhar, criar, produzir e fornecer o melhor valor em produtos médicos, que promovam a recuperação e um estilo de vida activo para as pessoas que, em casa ou em qualquer outro local, necessitem de produtos de apoio. Em Portugal, a unidade industrial da Invacare está presente em Leça do Balio (Porto), onde se produzem camas articuladas, cadeiras de rodas e elevadores de transferências para todo o mundo. Dispõe ainda da Unidade Comercial – incluindo serviços de Marketing e Pós-Venda ­– que assegura a distribuição e assistência, no território português, de toda a gama Invacare. A equipa em Portugal oferece suporte comercial à rede de revendedores e apoio técnico aos profissionais de saúde que necessitam de conhecer e aconselhar os produtos Invacare. O portfólio de produtos é abrangente, com uma ampla oferta de cadeiras de rodas manuais, eléctricas, scooters de mobilidade, auxiliares de marcha, camas hospitalares, colchões e almofadas para prevenção de úlceras de pressão, produtos para banho e higiene pessoal. Recentemente, foi introduzida uma linha de concentradores de oxigénio, com soluções portáteis e estacionárias. Com Integridade, Inovação, Liderança, Excelência e Responsabilidade, os colaboradores da Invacare enfrentam o desafio diário de tornar experiências de vida possíveis™ para as pessoas com mobilidade reduzida.
  15. 15. Edição N.º 1 VIDA-UP 3130 REABILITAÇÃOREABILITAÇÃO Que sinergias se estabelecem entre as várias unidades de saúde da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML)? As diversas unidades de saúde da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa encontram-se alinhadas com a sua filosofia, ao serviço das pessoas, cooperando entre si sempre que necessário, por forma a prestar a melhor resposta a quem as procura. O Centro de Medicina e Reabilitação de Alcoitão (CMRA) conquistou o estatuto de instituição de saúde de projecção mundial na prestação de cuidados, acompanhamento, desenvolvimento e investigação na área da medicina física e reabilitação. O que tem sido feito para se ter alcançado este estatuto? A par do desenvolvimento de instalações, da modernização de equipamentos e tecnologias, o CMRA tem assumido também o compromisso de promover, de forma continuada, o desenvolvimento científico, profissional e humano dos profissionais de reabilitação. Um compromisso que persegue desde a sua fundação, em 1966, na óptica da procura do melhor tratamento para todos os que o recorrem a este centro. Qual o apoio da SCML na formação de equipas de profissionais e de investigação nas áreas da reabilitação, de forma a adequar os serviços às necessidades da sociedade actual? A direcção da Santa Casa tem prestado continuado apoio às equipas no terreno, não deixando de estar atenta e de investir, sempre que necessário, na melhoria das condições dos vários equipamentos e serviços, tendo em vista a prestação de um melhor serviço aos utentes. Considerando o aumento de casos de AVC, está o CMRA preparado ou tem capacidade de resposta para os receber? O Centro tem vindo a adaptar a sua resposta às necessidades emergentes. Relativamente ao crescente número de casos de Acidente Vascular Cerebral (AVC), a direcção da Santa Casa decidiu, a título de exemplo, investir na recuperação do 4.º piso deste Centro, encontrando- se actualmente em finalização as respectivas obras. Este novo piso, com 33 camas, destinar-se-á, exclusivamente, a instalar uma nova Unidade de Tratamento de AVC. Além destas infra-estruturas, o Centro tem investido na formação específica da equipa multidisciplinar. O CMRA está plenamente adaptado às limitações físicas dos utentes, oferecendo-lhes condições de autonomia? O CMRA teve, desde a sua origem, o objectivo de ser um centro de reabilitação para pessoas com mobilidade reduzida e portadoras de deficiência. Deste modo, toda a arquitectura, mobiliário, acessibilidades e ambiente envolvente estão totalmente acessíveis, mantendo-se a sua arquitectura actual até aos dias de hoje. As famílias são o ponto-chave para o sucesso da recuperação, juntamente com os técnicos do CMRA. Que apoios tem a SCML programados para as famílias mais carenciadas? Prestar apoio a famílias mais carenciadas é desde sempre a missão da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa − e do CMRA, em particular. As situações são avaliadas caso a caso e acompanhadas pelo serviço social, que estuda e propõe apoios, sempre que necessário. A título de exemplo, sendo as ajudas técnicas indispensáveis à autonomia dos utentes, as mesmas são oferecidas sempre que as famílias não reúnam as condições necessárias para as adquirir. Numa vertente de investigação, a SCML fomenta alguma relação entre o CMRA e as congéneres internacionais? O que já foi desenvolvido? As relações internacionais são bastante valorizadas no CMRA, sendo, por isso, desenvolvidas regularmente, através do contacto mantido entre os seus profissionais e entidades congéneres, em todo o Mundo. A propósito, salienta-se que, em 2014, entre 23 e 25 de Outubro, se organizam as «VI Jornadas sob o tema Intervir + Intervir = Reabilitar», que pretendem transmitir uma mensagem assertiva acerca da tónica inovadora que a SCML deseja imprimir à actividade do CMRA, associando a investigação e a boa prática clínica para a prestação de um serviço da maior qualidade aos utentes.• A directora clínica do Centro de Medicina de Reabilitação de Alcoitão da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Maria de Jesus, Rodrigues, em entrevista à VIDA-UP, diz que, a par do desenvolvimento de instalações, da modernização de equipamentos e tecnologias, o Centro tem «assumido também o compromisso de promover, de forma continuada, o desenvolvimento científico, profissional e humano dos profissionais de reabilitação». CENTRO DE ALCOITÃO COM NOVA UNIDADE DE TRATAMENTO DE AVC ENTREVISTA | MARIA DE JESUS RODRIGUES, directora clínica do CMRA Por Carlos Caldeira Prestar apoio a famílias mais carenciadas é desde sempre a missão da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa...
  16. 16. Edição N.º 1 VIDA-UP 3332 CERTIFICAÇÃOCERTIFICAÇÃO referem-se a um conjunto de requisitos para que as pessoas possam realizar (sem dificuldade ou esforço excessivo) as acções de passagem, percepção, localização e comunicação – garantindo, assim, a acessibilidade global nas organizações (com acesso aos produtos e serviços) e avaliando se o ambiente é adequado para a finalidade a que se destina. ZONAS DE PASSAGEM Os requisitos referentes às zonas de passagem dão atenção às áreas de circulação, de manobras, a pavimentos e à iluminação. No caso dos pavimentos, devem ser uniformes, lisos, não escorregadios e fáceis de limpar, com a existência de espaço de manobras, sem obstáculos (portas ou outras barreiras de separação) e sempre com uma iluminação adequada, sem mudanças bruscas de intensidade. As portas devem ter um mínimo de 80 cm de largura, com uma altura de dois metros. Para mudar de piso, deverá haver escadas adequadas (inclinação uniforme e um máximo de 10 degraus), rampas ou até elevadores próprios. PERCEPÇÃO Os requisitos de percepção têm o objectivo de facilitar as acções na manipulação ou utilização de mecanismos, objectos e produtos com que o utilizador tenha de interferir, como pegar num objecto, acender um interruptor, tirar uma senha para atendimento, uso de corrimão, transportes rodoviários, etc. Assim, todas estas acções têm de estar ao alcance de todos. LOCALIZAÇÃO Os requisitos para a localização referem-se à acção para encontrar o lugar certo em que está algo ou alguém ou para facilitar a orientação e localização de lugares e objectos que intervenham neste processo, nomeadamente a localização de pessoal qualificado. Em termos gerais, consideram-se aqui a sinalização visual, acústica e táctil, que poderá ser de orientação ou informação (saídas de emergência, por exemplo). COMUNICAÇÃO Na comunicação, os requisitos são a acção de intercâmbio da informação necessária para o desenvolvimento de uma actividade. A comunicação poderá ser não interactiva (painéis, outros meios de comunicação gráfica ou escrita, sinais luminosos, acústicos e tácteis), interactiva, que é interpessoal (o apoio ao cliente, verbal ou sinais), ou unidireccional, como é o caso dos teclados, avisos sonoros ou braille. O Sistema de Gestão da Acessibilidade Global faz com que se cumpram os requisitos DALCO anteriormente mencionados no espaço estabelecido e definido segundo a Norma 170001, ou seja, aplicados no local onde a organização presta os seus serviços. O Sistema de Gestão desta norma inclui uma melhoria contínua da gestão, com enfoque em todos os processos e nos utilizadores, assim como o compromisso de cumprimento de todas as regras legais, regulamentos e normas existentes. Existem requisitos gerais e documentais. Os gerais são todos aqueles que definem as actividades e os utilizadores, nomeadamente definem objectivos para satisfazer os requisitos DALCO no tempo e nas acções, assegurando os recursos existentes, medindo o grau de satisfação dos utilizadores e implantando sempre melhorias. Os requisitos documentais referem-se a toda a política e objectivos de acessibilidade definidos e requeridos pela norma. A responsabilidade tem de ser geral, isto é, tem de implicar um compromisso por parte da direcção e a existência de uma política de acessibilidade global definida, ou seja, uma forte decisão estratégica. A gestão dos recursos, tanto os humanos como a infra-estrutura, tem de ser assegurada. A planificação da acessibilidade global no seu todo tem de ser cumprida com base na legislação existente, e os produtos ou serviços têm de estar em consonância com os requisitos DALCO. Por fim, terá de haver uma auditoria e adaptações de melhoria dos procedimentos gerais, medindo e analisando o desempenho e as necessidades, de forma a desfrutar em pleno dos serviços e valias da norma. Em suma, trata-se de oferecer um conjunto de políticas, objectivos, planificação, recursos e análises que permitam incorporar o conceito de acessibilidade global na gestão do dia-a-dia da organização. Os benefícios que daí advêm são inúmeros, como uma optimização de recursos, reconhecimento social, diferenciação no mercado e notoriedade da organização, que assume um compromisso social – a integração de todos os que têm mobilidade reduzida.• A informação acerca da Norma 170001 foi facultada pela Bureau Veritas. A acessibilidade refere-se a distintas dimensões da actividade humana, como deslocar, comunicar, alcançar, entender e utilizar. Garantir a acessibilidade implica que estas actividades possam ser desenvolvidas por qualquer pessoa, sem encontrar qualquer tipo de barreiras. A Norma de Acessibilidade Universal, UNE 170001, aplica-se a qualquer tipo de organização que vise a garantia da igualdade de oportunidades no acesso e utilização do ambiente envolvente (nomeadamente, lugares, edifícios, estabelecimentos e instalações), onde a sua actividade é realizada. Neste âmbito, a certificação desta norma reconhece que o Sistema de Gestão de Acessibilidade Global adoptado por uma determinada organização garante a todas as pessoas – independentemente da idade, sexo, origem cultural ou nível de mobilidade – a mesma possibilidade de acesso ao local e de desfrutar dos serviços prestados, com a maior autonomia possível. A Acessibilidade Global vai além da eliminação das barreiras arquitectónicas. Sob o título geral de Acessibilidade Universal, a Norma UNE 170001 é formada pelos critérios DALCO, que visam facilitar a acessibilidade ao meio envolvente, e pelo Sistema de Gestão da Acessibilidade Global. Com o cumprimento dos requisitos DALCO da Norma UNE 170001, a organização estará preparada para garantir que é acessível, sendo que essa acessibilidade não é apenas ocasional, mantendo-se ao longo do tempo. Esses requisitos resumem-se em quatro grandes grupos: Deambulação/andar, Apreensão/percepção, Localização e Comunicação. Os requisitos DALCO destinam-se a todas as organizações que aspiram a aumentar a acessibilidade global, em conjunto com a satisfação do cliente, através da aplicação eficaz do sistema. Pode candidatar-se qualquer organização que pretenda tornar o seu local de trabalho num lugar acessível para todos ou cujas actividades se realizem em locais com afluência de público, como hotéis, restaurantes, lojas, museus, universidades, hospitais e centros de atendimento. Além de facilitar o cumprimento da legislação, cada vez mais rigorosa nas organizações, os requisitos DALCO ajudam a optimizar os recursos humanos e favorecem um clima laboral positivo. No caso de determinada situação não ir ao encontro de uma das condições de acessibilidade DALCO, a organização deverá colocar à disposição do utilizador uma solução alternativa, com o mesmo nível de benefícios e dignidade. Os critérios para a acessibilidade global, subjacentes à DALCO, A Acessibilidade Global vai além da eliminação das barreiras arquitectónicas... CONCEITO DE ACESSIBILIDADE GLOBAL ANÁLISE DOS PRINCÍPIOS BÁSICOS DA NORMA UNE 170001
  17. 17. Edição N.º 1 VIDA-UP 3534 RESPONSABILIDADE SOCIALRESPONSABILIDADE SOCIAL A responsabilidade social das empresas é um conceito novo mas consolidado em Portugal, adoptado pela maioria das empresas internacionais com sede no nosso país e implementado, de modo crescente, pelo sector empresarial português. Apesar da heterogeneidade das suas manifestações e do diferente grau de maturidade e abrangência, a efectivação dos quatro pilares (económico, social, ambiental e cultural) é uma realidade transformadora e que em muito contribui para o desenvolvimento harmonioso da sociedade. É justo, por isso, valorizar o papel que as empresas têm vindo a desenvolver, mesmo em conjuntura de adversidade, na promoção da riqueza e criação de emprego, no envolvimento da comunidade, na defesa do ambiente e na salvaguarda dos valores culturais. Enquanto investidoras e parceiras, as empresas garantem, neste momento, a realização de muitos projectos e iniciativas, de elevado interesse para a sociedade, que de outra forma não aconteceriam. Evoluindo de uma atitude filantrópica ou comercial para uma abordagem cada vez mais sustentada e alinhada com o próprio negócio, o sector empresarial vem reforçando a sua contribuição para a coesão social e para o desenvolvimento, entendido numa perspectiva holística. Neste sentido, a sua perspectiva não pode ser ignorada quando se reflecte sobre algumas questões cruciais da contemporaneidade e a sua experiência não pode ser esquecida quando se desenham políticas sociais em matérias como a conciliação trabalho e família, igualdade de género, prevenção da violência, promoção do envelhecimento activo, combate ao sobreendividamento, empregabilidade e muitas outras. O território da empresa é um território fértil para o aparecimento de necessidades sociais e também um excelente laboratório de medidas para a sua resolução. Muitas das empresas portuguesas que integram o GRACE (Grupo de Reflexão e Apoio à Cidadania Empresarial) têm vindo a investir na responsabilidade social interna e no estabelecimento de parcerias virtuosas com entidades da economia social, em prol do bem-estar dos seus colaboradores e familiares, bem como da comunidade envolvente. Enquanto maior organização de responsabilidade social, o GRACE apoia as suas empresas associadas no desenvolvimento de programas que permitem estabelecer relações mais duradouras com as demais estruturas da sociedade civil e actua, pedagogicamente, no sentido de sensibilizar dirigentes e trabalhadores para a mais-valia de ajudar a construir uma sociedade mais justa e coesa. As questões da mobilidade, da promoção de uma perspectiva inclusiva e universal, são um dos nossos desafios, que originaram já a produção do guia As organizações, a diversidade e a inclusão e justificaram a atribuição do troféu Boas Práticas no Mundo do Trabalho, na IV Gala da Inclusão, promovida pelo Instituto Politécnico de Leiria. As empresas podem dar um extraordinário exemplo ao implementarem boas práticas, testarem novas políticas, financiarem iniciativas inovadoras e partilharem o seu know how em prol de uma actividade social mais eficaz e sustentável. Considero, por isso, que as empresas deveriam poder integrar as redes sociais, ter assento nas estruturas consultivas em matéria social (voluntariado, envelhecimento, combate à pobreza) e fazer ouvir a sua voz, como construtoras de uma sociedade que se pretende mais harmoniosa e justa.• COMO PODEM AS EMPRESAS CONTRIBUIR PARAADEFINIÇÃO DEPOLÍTICASSOCIAIS? PAULA GUIMARÃES | Presidente do GRACE, em representação do Montepio Como forma de promover o desenvolvimento e coesões sociais, as empresas têm à sua disposição diversas iniciativas. A título de exemplo, refiro duas parcerias que o GRACE estabeleceu: uma delas, com a Cáritas Portuguesa, a plataforma In Spira, que pretende combater o desemprego +45 anos; e outra, com o ACIDI, através do projecto ENGAGE, direccionado para a inclusão da população imigrante. O GRACE está igualmente a finalizar o guia Como mobilizar as empresas para projectos sociais, ferramenta fundamental para aproximar as entidades do terceiro sector ao sector empresarial. As questões da mobilidade, da promoção de uma perspectiva inclusiva e universal, são um dos nossos desafios, que originaram já a produção do guia As organizações, a diversidade e a inclusão...
  18. 18. Edição N.º 1 VIDA-UP 37CIDADES E VILAS36 CIDADES E VILAS Deste programa nacional abrangente, surgiram duas gerações de planos de Promoção de Acessibilidade, aos quais aderiu cerca de um terço dos municípios e que permitiram orientações específicas, que irão dotar os seus territórios de melhores condições de acessibilidade para Todos, envolvendo tanto acções materiais como imateriais. Mais recentemente, a revisão do Plano Estratégico Nacional do Turismo para 2013-2015 introduz a componente da acessibilidade para Todos, inexistente no documento que o precedeu. Tornar Portugal num destino acessível para todos, tal como refere o Plano, é, agora, também um objetivo a atingir, como forma de criar um destino turístico acessível. Para tal, propõe-se o desenvolvimento de um conjunto de actividades que permitirão qualificar recursos humanos, melhorar as condições de acolhimento de turistas com mobilidade reduzida e prestar melhor informação sobre a acessibilidade das infra-estruturas e serviços turísticos do Destino Portugal. Na última década, para lá da entrada do tema na agenda política, como também comprova a instituição do Ano Europeu das Pessoas com Deficiência, pela Comissão Europeia, em 2003, paralelamente, em Portugal, nascia um projecto pioneiro em matéria de acessibilidade, a Rede Nacional de Cidades e Vilas com Mobilidade para Todos (REDE). Lançado pela Associação Portuguesa de Planeadores do Território, este projecto constituiu- se como um grande desafio lançado a todos os municípios que, livremente, tiveram a coragem de iniciar um processo em prol da construção de cidades acessíveis a todos, identificando problemas existentes no seu espaço público e propondo a sua eliminação de forma faseada no tempo. Decorridos cerca de dez anos desde o lançamento da REDE, o Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade (ICVM) desenvolveu o Certificado de Acessibilidade, com o objectivo de desenvolver o atlas da acessibilidade, identificando os lugares, públicos ou privados, que sejam verdadeiramente acessíveis e divulgando-os numa plataforma de informação online. Esta plataforma, importante também em termos turísticos, permite aos cidadãos organizar a sua viagem ou a simples deslocação aos locais auditados, bem como a criação de produtos diferenciadores dos demais, incrementando a atractividade e competitividade dos seus serviços. Em 2013, fruto da necessidade de rentabilização dos escassos recursos financeiros, o ICVM cria e desenvolve a Rede de Cidades e Vilas de Excelência. Só o trabalho em rede possibilitará, com as actuais condições, o desenvolvimento no quadro das diminutas possibilidades financeiras. A Rede Cidades e Vilas de Excelência desafia, assim, os municípios a executarem acções de baixo custo mas de rendimento máximo, num horizonte temporal de quatro anos, em temáticas como a acessibilidade, o turismo, a regeneração urbana ou a mobilidade amigável. Ter um território de excelência é um desígnio de futuro. Ter um território de excelência é vê-lo projectado económica, social e culturalmente para níveis de optimização ímpares. PROGRAMAS, PROJECTOS E FUNDOS ESTRUTURAIS: OPORTUNIDADES QUE NÃO SE PODEM PERDER Falar em transformação do território é impossível sem referenciar as câmaras municipais, motor do desenvolvimento, os gestores e empreendedores principais dos territórios. Contudo, em época de profunda crise económica mundial, todas as questões relacionadas com a acessibilidade e mobilidade para todos surgem com particular importância, pois são também uma questão de sustentabilidade social e dos territórios. Os municípios portugueses têm, hoje, menor disponibilidade financeira para efectuar projectos e obra, para construir e requalificar o seu espaço público e edificado, sendo, por isso, imperativo utilizar os escassos recursos de forma acertada. Será, pois, de extrema importância que todos os novos projectos incorporem o desenho universal, o desenho que serve todos os cidadãos. Uma enorme oportunidade será aproveitar o novo ciclo de fundos comunitários que estão para chegar – Portugal 2020. Nestas novas oportunidades de investimento, não se pode perder o desafio inequívoco de construir a pensar em Todos. Será determinante o acompanhamento e avaliação da aplicação desses fundos comunitários em matéria de acessibilidade, sob pena de, irrecuperavelmente, se perder uma enorme oportunidade de Portugal 2020 também ser para Todos. Esperemos que essa exigência faça parte da avaliação dos projectos em causa.• A s (i)mobilidades que desenham os territórios são uma problemática do desenvolvimento sustentado das economias. Por isso, torna-se urgente e obrigatório fazer planeamento, desenvolvimento e gestão corrente da mobilidade nas escalas nacional, regional e local, sentida e fiscalizada pelos diversos agentes que participam na sociedade. Para as pessoas com mobilidade reduzida, a vivência diária nas nossas cidades e vilas pode ser um verdadeiro desafio. As barreiras existentes são diversas e, apesar de as mais visíveis serem as físicas, urbanísticas e arquitectónicas, muitas outras existem, como as psicológicas e as da informação e comunicação. A Acessibilidade para Todos significa poder usar os equipamentos e os serviços turísticos, havendo oferta de serviços e actividades orientadas para o gosto e a preferência das pessoas com mobilidade reduzida. A eliminação das barreiras urbanísticas e arquitectónicas no território deve ser um desígnio dos nossos tempos. PORTUGAL PARA TODOS: ACTUAR PARA ALCANÇAR ESTE DESÍGNIO Há, hoje, uma maior sensibilidade nos agentes do sector – técnicos, arquitectos e engenheiros. Aplica-se, de facto, o D-L n.º 163/06, de 8 de Agosto, com maior atenção e zelo, também um reflexo da entrada na agenda do design inclusivo. Os políticos deram um contributo importante nesse sentido, accionando mecanismos internos e externos que integraram esta nova preocupação, particularmente nas políticas urbanas locais Os sucessivos governos têm envidado esforços para inverter a actual situação nestas matérias. Desde logo, importa mencionar a criação do Plano Nacional de Promoção da Acessibilidade, por meio do qual se procedeu à sistematização de um conjunto de medidas para proporcionar às pessoas com mobilidade condicionada ou dificuldades sensoriais a autonomia, a igualdade de oportunidades e a participação social a que têm direito como cidadãos. ACESSIBILIDADE PARA TODOS O ESTADO DA NAÇÃO Ter um território de excelência é vê-lo projectado económica, social e culturalmente para níveis de optimização ímpares. PAULA TELES Professora universitária Presidente do Instituto de Cidades e Vilas com Mobilidade
  19. 19. 38 Edição N.º 1 VIDA-UP ASSOCIAÇÃO 39ASSOCIAÇÃO E m Agosto de 1998, depois de regressar de uma noite de copos com os amigos, tive um acidente de mota. O consumo de álcool e a fadiga foram fatais e, depois de seguir em frente numa rotunda, o acidente foi inevitável... As suas consequências também. Fiquei tetraplégico com apenas 16 anos. A partir desse dia, tudo mudou na minha vida, das coisas mais simples às mais complexas. E até os sonhos mudaram! Não baixei os braços. Foquei-me na minha recuperação e empenhei-me na minha formação. Ao longo desta etapa, fui-me cruzando com imensas pessoas com dificuldades tão ou mais graves do que as minhas. Em 2003, decidi criar a Associação Salvador, com a missão de promover a integração das pessoas com deficiência motora na sociedade e melhorar a sua qualidade de vida. Os projectos da Associação Salvador assentam em três áreas distintas: Integração, Acessibilidades e Sensibilização. Neste artigo, vou focar a área das Acessibilidades. A acessibilidade, ou a falta dela, foi uma das preocupações de sempre da Associação Salvador. Em 2008, criámos o site Portugal Acessível. Pretende-se que seja o guia português de referência, com informação relativa à acessibilidade física em diferentes tipos de espaços, como hotéis, restaurantes e monumentos, entre outros. A pretexto deste projecto, visitamos localmente todos os espaços, para entrarmos em contacto com os seus responsáveis e para os sensibilizar para a importância de promover as acessibilidades. Neste momento, o site apresenta informação sobre mais de 3500 espaços em Portugal Continental, incluindo dez itinerários acessíveis. Em 2013, lançámos também a aplicação para telemóvel Portugal Acessível Mobile, disponível para os sistemas iOS, Android e Windows Phone. Em 2010, após várias reuniões e muito esforço de nossa parte, conseguimos, junto da Câmara Municipal de Lisboa (CML), a emissão de 50 licenças para que pudessem circular os primeiros táxis adaptados em Lisboa. 2012 foi o ano em que ganhámos, em parceria com ACAPO, ACA-M, ADFA, ANACED, APEDV, FPDD, Fundação LIGA e Gulliver, o Projecto Lisboa Acessível, que havíamos submetido a voto através do Orçamento Participativo da CML. Foram destinados a este projecto 500 mil euros, destinados, por exemplo, a remover obstáculos e a adaptar passeios e passadeiras. No fundo, para tornar pedonalmente acessível o percurso entre Entrecampos e o Marquês de Pombal. As obras ainda não tiveram início, mas estamos empenhados na sua realização, reunindo regularmente com responsáveis pelo projecto na CML, para obter respostas e informações acerca do que está a acontecer, dando o nosso parecer. No início de 2014, foi aprovado, no Município e respectiva Assembleia, o Plano de Acessibilidade Pedonal da Câmara Municipal de Lisboa. O Plano é um documento que apresenta as necessidades de intervenção na cidade de Lisboa, para que a cidade se torne cada vez mais acessível. Apresenta projectos e conceitos, comprometendo-se com datas e valores. Desde a primeira hora, demonstrámos que não pretendemos que este plano seja apenas mais um estudo. Queremos que passe do papel para o terreno! E queremos que aconteça nas devidas condições e que sirva a todos – aliás, as acessibilidades são essenciais para toda a população, dos idosos aos pais com carrinhos de bebés… Desta forma, propusemos à CML a criação de uma Comissão de Acompanhamento à Execução do Plano de Acessibilidade Pedonal da Cidade de Lisboa, da qual orgulhosamente fazemos parte Queremos saber o que se vai fazer, quando e onde. Queremos que o conceito de acessibilidade descentralize desde os técnicos que elaboraram o plano até aos que o porão em prática, no terreno. Para isso, demonstramo- nos disponíveis para estar na rua, fazendo os acompanhamentos necessários – para que, assim, possam, também eles, perceber as nossas dificuldades e o que se pretende exactamente com a melhoria das acessibilidades. De futuro, continuaremos como sempre: empenhados na melhoria das acessibilidades e intervindo sempre que oportuno.• A melhoria das acessibilidades implica uma necessária descentralização de perspectivas, por parte de quem toma decisões. É o que lembra o fundador da Associação Salvador. E mais: o assunto é do interesse de todos, a começar nos pais que empurram carrinhos de bebé… Decidi criar a Associação Salvador, com a missão de promover a integração das pessoas com deficiência motora na sociedade e melhorar a sua qualidade de vida. Não baixei os braços. Foquei-me na minha recuperação e empenhei-me na minha formação. ACESSIBILIDADES É TEMPO DE PASSAR DO PAPEL AO TERRENO SALVADOR MENDES DE ALMEIDA Presidente da Associação Salvador
  20. 20. Edição N.º 1 VIDA-UP 41DECORAÇÃO ESPAÇO ACESSÍVEL SEGURO PARA CRIANÇAS, ADULTOS, IDOSOS E DEFICIENTES N esta primeira edição da VIDA-UP, gostaria de realçar a importância da decoração acessível, nas suas variadas vertentes. A decoração de um espaço acessível considera as várias etapas da vida de um ser humano e diversos tipos de utilizadores, sejam portadores de deficiência (com mobilidade reduzida) ou não – um bebé, um idoso ou diferentes perfis de visitantes. Por espaço acessível entendo o resultado de uma decoração de interiores que, por si, proporcione todas as condições de segurança, acessibilidade e autonomia a diferentes utilizadores, em quaisquer circunstâncias. Tal implica, além de uma concepção estética, uma perspectiva ergonómica do espaço (tendo em conta a diversidade humana e as suas características antropométricas e sensoriais), de modo a tornar os espaços mais seguros e confortáveis. Num projecto de decoração deste tipo, é impensável criar ambientes com dimensões desproporcionadas ou objectos aleatoriamente expostos... Os objectos devem estar ao alcance dos utilizadores (sentados ou em pé), as mesas de centro devem ser redondas e com espaço à sua volta para livre circulação e, ao adquirir objectos ou equipamentos, deve-se ter sempre em conta o aspecto ergonómico. Consideremos, como exemplo, um quarto com cerca de 10 m². Aqui, podemos conjugar o espaço de forma harmoniosa, utilizando peças simples e expostas de maneira a que uma cadeira de rodas ou um carrinho de bebé circule com facilidade no quarto. Uma forma de organização acessível poderá ser a seguinte: a cama ao centro; as mesas-de-cabeceira preferencialmente fixadas à parede; uma bancada suspensa e fixa (com iluminação interior), numa das paredes laterais do quarto, permitindo com facilidade o encaixe de uma cadeira de rodas; o armário deverá ter um sistema eléctrico que permita ao utilizador colocar e retirar com facilidade as roupas. Sugiro cores claras, que conferem maior amplitude e luminosidade ao ambiente. A utilização de papel de parede tornará o quarto mais quente e confortável. Ao longo da vida, as necessidades do ser humano evoluem, sobretudo em função da faixa etária que se atravessa. Se a decoração já tiver previamente em conta estes e outros factores, assentando numa base neutra, tornar-se-á menos dispendiosa a prazo e, claro, mais duradoura.• Por espaço acessível entendo o resultado de uma decoração de interiores que, por si, proporcione todas as condições de segurança, acessibilidade e autonomia... OPINIÃO | Decoradora de interiores MARINA HALLÉN DE BAIRROS hallen26@gmail.com Algumas ideias práticas, para maior conforto e segurança: • Evitar móveis «escaláveis» nos quartos de criança: • Evitar armários altos; • Escolher mesas sem cantos rectos; • Escolher estofos e colchões firmes, que facilitem o erguer da pessoa; • Ter em conta a altura média das camas (0,46 m). 41PUB

×