Financiamento de imóvel na planta

862 visualizações

Publicada em

Dicas importantes para quem quer sair do aluguel!
31 9994-2839
www.ronaldocorretor.com.br
QUER TRABALHAR COMO CORRETOR DE IMÓVEIS NA EQUIPE DO RONALDO ROSCOE EM BH? Envie seu currículo para ronaldo.roscoe@gmail.com

Publicada em: Educação, Tecnologia
1 comentário
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
862
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
1
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Financiamento de imóvel na planta

  1. 1. RONALDO ROSCOE – WWW.RONALDOCORRETOR.COM.BRFINANCIAMENTO DE IMÓVEL NA PLANTA:Ao investir em um imóvel na planta (lançamento) ou em construção o compradorcontará com inúmeras facilidades de pagamento mas é bom analisar muito bem ofinanciamento para não ter problemas depois, já que os contratos são muitolongos. Faça as contas antes de fechar o contrato e não comprometa mais do que30% da renda familiar.As construtoras geralmente oferecem uma tabela como sugestão de condição depagamento. Normalmente esta tabela pode ser reformulada, de acordo comproposta do cliente, para que fique mais adequada à sua realidade. Estas tabelaspodem ser divididas em duas partes com correções diferentes: A primeira parte dofinanciamento, durante o período de construção (vai do pré-lançamento até aentrega das chaves) é feito diretamente com a construtora e a segunda parte, apóso Habite-se (ou entrega das chaves), é feito no banco de sua preferencia ou atécom a própria construtora.Dicas valiosas para quem quer fugir do aluguel:A construtora deverá, entre outros requisitos, informar prévia e adequadamentesobre: preço do produto em moeda corrente nacional; montante dos juros de morae da taxa efetiva anual de juros; acréscimos legalmente previstos; número eperiodicidade das prestações e soma do total a pagar, com e sem financiamento.Se o imóvel for financiado por agente financeiro (banco), o adquirente deveverificar previamente se sua renda é compatível para obtê-lo.Liquidação antecipadaÉ assegurado, segundo o Código de Defesa do Consumidor, artigo 52, § 2º, aredução proporcional dos juros e demais acréscimos.
  2. 2. RONALDO ROSCOE – WWW.RONALDOCORRETOR.COM.BRProvidências para quitar o imóvelAo concluir os pagamentos, providencie a escritura definitiva, que deverá serlavrada no Tabelionato de Notas, munido de todos os documentos pessoais docomprador, respectiva prova de quitação, contrato, etc.Em seguida, registre a escritura no Cartório de Registro de Imóveis competentepara a efetiva garantia da propriedade do imóvel.Após estas providências, peça por escrito na Prefeitura a alteração do ImpostoTerritorial Urbano (IPTU) para seu nome e endereço.MultasPoderá ser cobrado do consumidor inadimplente a correção monetária, juros de 1%ao mês e multa moratória, desde que contratualmente estabelecidos entre aspartes.As multas de mora decorrentes de atraso no pagamento não poderão sersuperiores a dois por cento (2%) do valor da prestação.Juros e correção monetáriaOs juros são conceituados como a remuneração do capital (dinheiro) emprestadodurante um determinado período.A forma de aplicação de juros decorrentes da outorga de crédito, ou concessão definanciamento, deve ser definida prévia e adequadamente no contrato assinadoentre as partes, conforme determina o artigo 52 do Código de Defesa doConsumidor.A correção monetária é a recuperação do poder de compra do valor emprestado. Oíndice a ser adotado para correção monetária deve estar expressamente pactuadaem contrato, bem como um substituto, caso haja a extinção do primeiro pactuado.Índices Aplicados:Índice de custo, que poderá ser utilizado somente no período da construção comoo INCC (Índice Nacional da Construção Civil), ICC (Índice da Construção Civil), CUB(Custo Unitário Básico), etc;Índice de preço, que poderá ser pactuado tanto na fase de construção como apósa entrega das chaves como o IGP-M (Índice Geral de Preços Mercado), IGP-DI(Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna), INPC (Índice Nacional de Preçosao Consumidor), IPC (Índice de Preços ao Consumidor), etc.O Salário Mínimo ou moeda estrangeira não podem ser utilizados como índices.Taxa de jurosO consumidor deve estar atento e bem informado sobre a taxa de juros a seraplicada ao seu contrato de financiamento que normalmente terá um médio oulongo prazo para pagamento.O mercado oferece muitas opções de planos, prazos e taxas de juros queentretanto, se alteram frequentemente.
  3. 3. RONALDO ROSCOE – WWW.RONALDOCORRETOR.COM.BRTABELAS SAC OU PRICE. QUAL A DIFERENÇA?Se a decisão de compra de um imóvel passa pela escolha de um financiamentoimobiliário, é importante saber alguns termos que fazem a diferença na composiçãodo valor das suas parcelas:Tabela SACÉ o Sistema de Amortização Constante, cuja característica é amortizar(diminuir) um percentual fixo da dívida desde o início do financiamento.Ou seja: na composição total da parcela paga mensalmente, o valorcorrespondente ao pagamento da dívida permanece constante, enquanto o valorcorrespondente ao pagamento de juros diminui progressivamente.O Sistema de Amortização Constante é o mais adequado para financiamentosimobiliários, pois a tendência é que o valor das prestações e o saldo devedordiminuam, se mantidos os atuais níveis de atualização monetária. O comprador, noentanto, deve ter maior fôlego financeiro para arcar com parcelas mais altas noinício dos pagamentos.Com o SAC, o risco de o saldo devedor sofrer aumentos acentuados é baixo. Issoporque, mantida a atual taxa de atualização monetária, cada parcela paga seráabatida desde o início. Além disso, as prestações futuras tendem a diminuircontinuamente ao longo do financiamento. Assim, o cliente passa a ter maiorcontrole da dívida no longo prazo e uma maior tranqüilidade para planejar o futuro.Tabela PriceTambém conhecida como Sistema Francês de Amortização, ficou menos popularnos últimos anos, mas ainda é utilizada por alguns bancos.É caracterizada pelo valor fixo das parcelas ao longo do financiamento e, via deregra, é mais onerosa para o comprador. Isso porque, nos primeiros meses, emvirtude da parcela fixa, o valor a ser abatido do saldo devedor é muito pequeno: amaior parte vai para o pagamento dos juros. E como os juros incidem sobre o saldodevedor (que foi pouco reduzido), o valor total pago no fim do financiamento tendeser maior.Algumas pessoas ainda optam por esta tabela justamente por causa do valor fixodas parcelas, atraente para determinados perfis de compradores.RONALDO Roscoe – creci-mg 1821431 9994-2839contato@ronaldocorretor.com.brwww.ronaldocorretor.com.br

×